Home » Música Gospel

Música Gospel e o flerte com ritmos ditos “mundanos”

Notícias Gospel em seu email

Receba Notícias Gospel em seu email gratuitamente! Insira seu email:

Gospel+ no Twitter!

ou no facebook

Já foi o tempo em que música evangélica era solenemente sacra e sem os embalos rítmicos que os conservadores ao extremo costumavam taxar de ritmos da carne ou profanos, por motivar o corpo ao balanço. Atualmente, Pagode, Funk, Rock, e até o Hip Hop, ganham uma versão gospel com letras que pregam o evangelho de Cristo.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Nesta próxima sexta-feira (11/12), por exemplo, a juventude evangélica de Porto Velho participa do evento denominado “1º Gospel Show”, que vai promover uma mistura que vai do sacro ao Hip Hop – incluindo grupos de danças coreografadas e grupo de Pagode Gospel.

O teólogo Messias Alves (graduada pela UNACH – Universidad Adventista de Chile) informa que durante décadas a música evangélica era divisível de ritmos cujas raízes estão ligadas à condutas convergentes aos princípios cristãos. Mas, que, principalmente no final dos anos 1980, começou se fazer uma mistura de ritmos com o fim de evangelização.

“A princípio, a inserção de certos ritmos no campo da música gospel ou evangélica se deu sob muita resistência por parte dos conservadores. Até hoje muitos evangélicos não aceitam os chamados Pagode Gospel, Rock Gospel e outros, por considerarem uma ‘mistura do santo e do profano’. No entanto, mesmo os mais conservadores podem constatar que tal revolução na música evangélica resultou numa maior aproximação dos jovens ao Evangelho de Cristo e, conseqüentemente, em mudança de vidas”, explicou o teólogo.

Para o promotor de eventos, Rosan Neves, a mistura de ritmos quebra paradigmas e abre oportunidades para alcançar os não alcançados pelo Evangelho. Rosan, que já teve casa de show em Porto Velho antes de ser evangélico, conta: “conheci muitos jovens músicos que tocavam pagode e enchiam a cara de drogas. Agora tenho reencontrado esses mesmos jovens tocando pagode e adorando a Jesus – vivendo um estilo de vida saudável e muito melhor para si e para as famílias deles”, finalizou Rosan.

Fonte: Impacto Rondonia / Gospel+
Via: Notícias Cristãs



PS.: Comentários via Google+ estão logo abaixo desabilitados no momento.


Comentários via Facebook

39 comentaram, comente você também!

  1. a paz do senhor do senhor jesus , eu procuro um cantor evangelico que canta um hino assim : minha calça ja rasgou meu sapato ja furou me da logo a vitoria jesus, vamos embora mulher . se voce puder dizer que canta por favor me dizer eu dei esse cd pra minha mãe mas roubaro dela e agora nao acho outro pra compra me ajude fk nA paz do senhor

  2. Irmãos, não há nada de santo em músicas(música?) com ritmos profanos. A Bíblia nos orienta a fugirmos da aparência do mal e nos orienta a buscarmos aquilo que é puro(Filipenses). Se não louvor no pagode, no rock, no axé, no funk e por aí vai, por que então nos associarmos com as obras infrutuosas das trevas? Não se enganem irmãos…

  3. Olá irmãos.

    Mais uma vez quero dizer que muitos jovens cristãos dão maus exemplos de conduta. Exemplo: ir a um show destes e ficar pulando sem se importar em pisar no pé dos outros ou machucar quem está do lado. Mas não é tão diferente do cara que se acha santo por ouvir canticos e depois fica falando mal do irmão que esqueceu a letra do corinho. Ou seja, é tudo pecado. Coisas erradas existem: Tanto do cara que gosta de ouvir canticos ou de quem ouve rock.

    O maior problema então, concluindo, não é o ritmo musical mas quem os ouve. Não é o ritmo que se inventa mas para quem você está fazendo e cantando.

    Abraços.

    http://www.twitter.com/carloseanapaula

  4. Olá meus irmãos a Paz!

    Concordo com o Alessandro. E digo nas duas questões: 1 – Vamos escrever comentários, não relatórios. Já é difícil ler tudo imagine se as pessoas tentam escrever monografia aqui….rsrs. Vou tentar ser breve.

    A segunda questão que concordo com o Alessandro é sobre a música gospel. Não tem nada de mais ouvir outros ritmos.

    Eu mesmo amo Metal Cristão, Rock Cristão e Pop Rock Cristão mas também amo os canticos. Acho que não é porque eu não gosto de um ritmo que ele deixa de ser um instrumento de Deus para salvar almas.

    Por exemplo! não gosto de FUNK (sinceramente, não suporto …rsrsrs) mas nem por isso vou mandar pro inferno o cara que cria letras e rimas que falam de Jesus e glorificam a Deus. O que eu reprovo´são essas danças sensuais do inferno que inventam para desgraçar vidas. Mas o cara que cria um FUNK cristão não é o mesmo que cria as danças do diabo. Entenderam?

    Um Rock cristão é tão digno de ser chamado música de Deus quanto uma música de adoração. É o que eu acho pois também tem salvado vidas, então é sacro também.

    Engraçado é que os mesmos que reprovam o Rock Cristão são os mesmos que gostam do ritmo forró da Cassiane. O Rock não pode? então porque o Forró pode?

    Abraços a Todos.

    http://www.twitter.com/carloseanapaula

  5. ESSA É UMA QUESTÃO SÉRIA VALE A ANÁLISE PROFUNDA E SUAS ORAÇÕES

  6. Escrevam apena comentarios e não relatorios !!!

    A música como um alimento:tem aqueles que gostam de molho vermelho no macarrão e tem os que não gostam, existe as pessoas que gostam de cachorro quente completo e tem os que preferem só o pão com salsicha.

    Cresci ouvindo os hinos sacros da harpa cristã , eu adoro canta-los as letras e as melodias nos leva a uma paz do Espirito Santo e adoração .

    Mas também gosto de ouvir as musicas do Dj alpiste e outros ritimos que possui letras que alertam muitas pessoas sobre questões da vida.

    Prefiro ouvir esses novos ritmos também do que muisicas de cantores seculares que a maioria possui com promisso com as trevas

  7. Bom,todos os ritmos foram criados pelo Altissimo Senhor Deus!
    Mas tem alguns ritmos que quando as pessoas ouvem lembram do seu passado, como o funk,muitas pessoas quando ouvem esse ritmo lembram do velho homem e sentem o desejo de estar dançando sensualmente.
    Na realidade não sou a favor de festinhas nas igrejas com ritmos que as pessoas possam sentir o desejo da carne,mas sim quando são músicas voltadas a adoração ao nosso Deus Todo Poderoso!

  8. Eu acho que podemos louvar a Deus em qualquer rítmo,mas o problema e o comportamento do cristão,ex: já vi eventos gospel com cristãos com camisa enrolada na cabeça o batidão tocando e gritinhos exagerados,rapazes ensima de palco de bermuda rosa dançando funk igual ao mundo secular,devemos refletir sobre tudo,temos a Bíblia Sagrada para nos guiar,temos mandamentos do Senhor para seguir,não vale a pena o envangelho crescer a todo custo de qualquer maneira,estar registrado na palavra de Deus que “o leite não pode ser falsificado para o crescimento”1ºPedro 2,2.

  9. Priscilla Viana disse:

    Para mim se a música estiver pregando a Palavra do Senhor de forma coerente e edificada não há nada de errado.

    Por eu ser uma nova convertida e por ter ouvido desde o começo da minha puberdade até 5 meses atrás música profana (black metal, letras punks anarquistas e letras ateístas), é difícil reeducar os ouvidos e é difícil também discernir a música edificada da música profana.

    Ainda tenho muito a aprender a discernir o que é aos agradados nos olhos de Deus ou não,mas de algo eu tenho certeza: eu não desejo nem para o meu pior inimigo cometer os erros que eu cometi até aceitar Jesus em minha vida, pois se eu pudesse voltar no tempo não aceitaria Jesus com 21 anos e sim aos 11 que foi quando eu me desviei do caminho correto e justo e evitaria d’eu blasfemar, profanar, desonrar e duvidar do poder de Jesus e eu não seria enganada pelas mentiras do Inimigo por 10 árduos anos. Agora eu sei o que é felicidade.

    A Paz!

  10. Vamos atentar o porque disso.

    Hoje em dia o Brasil possui um vasto ramo de cristão repartido em varias religiões, devemos levar em consideração que cada igreja possui seu costume e modelo de adoração. Ainda que muita das vezes de forma errada mas existe e isso é um fato.

    Não podemos julgar por esse modo.

    Deus tudo criou desde a meloia sacra até o hp hop, funk etc.
    O homem que exagerou.
    Dentro da igraja com seu costume cada uma toca o que quer.
    Eu sou musico FORMADO PELA UFMG, aprendi que não podemos nos retrar em unico ritmo se queremos ser proficonal. Deus nos deu o livre arbitrio de escolher.
    Assim sendo cada igreja com seu costume com seu jeito de adorar.

    Temos que levar isso em conta, e claro respeitar.

  11. precisamos receber uma nova UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO.O batismo com fogo e poder para fortalecer contra toda obra do mal.

  12. Apocalipse

    Muitos têm medo deste livro, mas eu gosto muito.O Senhor tem ministrado em minha vida sobre a necessidade de vigilância nestes dias.Queridos irmãos, estamos vivendo ideologias que tem afastado daquilo que é a verdade.Pessoas têm perdido a visão do reino, com promessas várias, com vida cristã de qualquer forma ,sem compromisso sem renúncia, sem entrega.Para falar o que é bom, o que massageia o ego, encontramos milhares, mas para falar a verdade são poucos.Veja o exemplo de Jeremias, Isaías,etc…eles não falavam uma mensagem que agradasse.Eram tidos como pessimistas, como errados.No entanto, Jerusalém e seus habitantes estavam fadados a destruição.Eles nunca pensaram nisto.Porque seus profetas os enganaram.Igreja Acorda, pelo amor de Jesus Cristo! Não é tempo de brincarmos.QUANDO ANDAREM DIZENDO PAZ, EIS QUE SOBREVIRÁ REPENTINA DESTRUIÇÃO.

  13. APOSTASIA S/A

    Há uma doença diabólica, altamente contagiosa que já contaminou praticamente todas as denominações históricas. É um vírus, extremamente, perigoso, criado “geneticamente” no inferno para infectar as igrejas de Jesus com mácula das heresias. A Bíblia o identifica como “apostasia S/A”. Seus efeitos são devastadores para adoração cristã genuína, enfraquece a fé dos mais antigos, neutraliza e cauteriza o frágil sistema de defesa dos novos convertidos criando uma geração de adoradores que adoram a si mesmos através do entretenimento, ou adoram seus líderes endeusando-os.

    O curioso é que a filosofia diabólica que norteia este movimento é “unir pelo erro” e “não dividir pela verdade”. Desta forma, enaltecem a “auto-ajuda” em detrimento da “ajuda do alto”, por isso preferem as palavras agradáveis e não a mensagem confrontadora do Evangelho. A psicologia é largamente usada nos púlpitos como pretexto nos sermões para justificar os desvios de conduta espiritual, assim parece ser mais aceitável a prática de uma vida cristã ligth.

    O livro de Atos relata que nossos antepassados alvoroçavam o mundo com a mensagem do Evangelho, hoje é o mundo que está alvoroçando a igreja de todas as formas, com a sedução e com as suas mentiras deslavadas. Ele que deveria ser impactado está abalando as estruturas do cristianismo com a oferta de uma religiosidade materialista, voltada para a prosperidade e a vida fácil ao homem enquanto morador desta terra.

    Na base do “topa tudo por membro$” nessas igrejas a corrida pela busca por adeptos é intensa, o objetivo é vencer a concorrência e para isto não faltam atrativos. Tudo isto estaria “muito bem” se o objetivo fosse pelo menos proclamar, aos perdidos, as boas novas de salvação, visando o crescimento do Reino de Deus neste mundo. Mas, não é isso que se vê, porque não existe nesses grupos uma pregação Bíblica e confrontadora do pecado que, aliás, é aceito passivamente sem qualquer incomodo. Ao contrário, a triste realidade mostra que eles trabalham para atender a uma espécie de “demanda de mercado”, onde os fiéis são consumidores ávidos, e o produto – em um país de desempregados – é a tão almejada prosperidade financeira.

    Na igreja moderna “menos” é ”mais”; assim quanto menos espiritual for o culto, mais pessoas irá atrair, quanto menos compromisso com a Bíblia e seus ensinos, mais gente se unirá ao grupo

    Só que, quando me volto para o que a Bíblia chama de vida cristã e suas devidas práticas me pergunto, o que muitos crentes achariam de um banquete que, para encher a casa, os empregados pegaram, às pressas, todos os sujos da rua, para a festa não ficar vazia? Acho que muitos não gostariam de ir num evento onde encontrariam mendigos, doentes, fracos, todos estes chamados pelo próprio Deus? – Mateus 22. Este foi o que a Bíblia chamou de “A festa das bodas” e por que não falamos que essa festa não foi o melhor para Deus?

    Para tornar atraentes seus “produtos” estes “vendedores da fé” tem se utilizado de muito marketing, com os mais variados métodos que vai do entretenimento ao misterioso. Dos shows musicais; trenzinhos; danças pula-pula; palmas pra Jesus, como se Jesus fosse um igual mega-star; testemunhos levianos; óleo “ungido”; vendas “lenços ungidos”; cornetas de Jericó; sabonetes abençoados; águas do Jordão… Do lado “misterioso” estão as enganadoras “incorporações” de demônios, gargalhadas e risos incontroláveis, pessoas em estado de histeria rugindo, uivando como se fossem animais irracionais. Não bastasse a tudo isso vem o tal sopro do “espírito da mentira”, juntamente com práticas do tal descarrego importadas do candomblé.

    Essas igrejas estão completamente fora do prumo de Deus, a Bíblia. A igreja moderna se embriagou com o vinho imundo da grande meretriz – Apocalipse 17:2. Meus queridos leitores, sei que pode parecer exagero de minha parte estas descrições, mas a realidade que está acontecendo entre nós é muito pior do que esta singela descrição.

    É importante notar que a marca do “cristão” infectado com o “vírus maligno da apostasia” é ser facilmente “levado para todos os lados”, buscando alguma doutrina nova, diferente, e espetacular. Seus ouvidos estão sempre comichando para ouvir algo “novo”, e sensacional, algo que o entretenha, algo agradável à carne. Contudo, a Bíblia adverte: “Não vos deixeis levar por doutrinas várias e estranhas…” – Hebreus 13:9. Não se deixe conduzir de lá para cá, de um lado para o outro, “… porque bom é que o coração se fortifique com a graça” – Hebreus 13:9.

    Muitos cristãos sinceros estão desolados porque literalmente suas igrejas estão acabando. Tornaram-se grandes clubes onde a palavra de ordem é o entretenimento. Neste trágico contexto, não me sai do ouvido o grito e o choro de uma irmã desesperada: “pastor Wilson, o que está acontecendo com minha igreja, antigamente tínhamos um culto respeitoso a Deus, que alimentava nossa alma e sentíamos que estávamos adorando a Deus. Agora os cultos da minha igreja não têm mais mensagens, é uma coisa irreverente, tem até dançarinas, músicas com ritmo de dança, um barulho ensurdecedor… é muito parecido com os bailes que eu freqüentava antes de me converter… o que eu faço pastor?” Meu coração chorou irmãos…?

    Há muitas igrejas que estão passando por essa perigosa situação, sobre a qual Cristo avisou _ Apocalipse 2:20. Há muitos pastores, encantados e seduzidos pela doutrina de Jezabel. Estes líderes seduzidos, por sua vez estão produzindo “filhos da sedução”. Ensinam a “prostituição e o consumo de alimentos sacrificados aos ídolos” – Apocalipse 2.20. A prostituição é a espiritual e o alimento são as falsas doutrinas que faz com que a igreja fique em paz com os inimigos de Deus.

    Multidões míopes, de cristãos cegos espiritualmente, mal conduzidos, estão “celebrando” na linguagem deles, o “sucesso” do crescimento do cristianismo hoje. Acreditam que estão louvando ao Senhor em igrejas escravizadas pela falsa doutrina. Centenas de pessoas sentam-se para ouvir mestres que “pregam“ doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras. – I Timóteo 4:1 e 2. E ainda saem dizendo: “Não é uma maravilha?…” Por outro lado, muitas igrejas estão sendo divididas, solapadas, onde crentes sinceros são perseguidos, e até mesmo escorraçados, porque não aceitam que suas igrejas fiquem em paz com os inimigos de Deus.

    Uma das estratégias dos “apóstolos” desse movimento apóstata é a promoção de reuniões secretas – o encontro – para pastores e líderes. Os participantes têm cumprir severas normas de conduta durante “o encontro”: é proibido falar um com o outro, é proibido receber ou dar telefonemas, é proibido fazer perguntas… Em fim, cria-se psicologicamente um clima propício “ao mistério”, a minar a resistência dos participantes em relação a tal “nova unção”. Ademais, a maioria dos participantes, já “preparados” participam de quebra de maldição, batismo no “espírito” com ênfase no falar língua estranha, “cura interior”, e ao final são literalmente ungidos com óleo para receberem “a unção…”

    No lado didático, são ensinadas as mais diversas estratégias de crescimento rápido que o “apóstolo mor” recebeu por “revelação direta do deus deste mundo”. Os pastores após receberem essa “poderosa unção” – lavagem cerebral – partem para pô-la em prática em suas igrejas. E aí acontece de tudo, inclusive nada.

    Agora pasmem, Pastores têm participado, secretamente, destes encontros. Muitos já ocupam cargos de supervisores de área, e outras coisas mais. São verdadeiros espiões trabalhando para o inimigo, infiltrados em nosso meio… Não é meu papel apontar a ou b, cada um vai prestar conta diante de Deus, e também cabe as igrejas discernirem biblicamente as virulentas heresias e banir aqueles que estão traindo a Bíblia, e a denominação que os consagrou.

    A igreja moderna está introduzindo um cristianismo sem a necessidade de “nascer de novo”, em conformidade com o mundo. Onde quase tudo é permitido, e negar-se a si mesmo e tomar a cruz de Cristo tornou-se opcional.

    Paulo advertiu: “Porque virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo seus próprios desejos” – II Timóteo 4:3. O Evangelho moderno não suporta a sã doutrina, porque ela confronta e denuncia aqueles que estão em paz com os inimigos de Deus, e, portanto tornam-se inimigos de Deus. Por isso eles nem mesmo gostam de ouvir a palavra sã doutrina.

    Minha função como servo de Deus é confrontar o erro com a Verdade, trazendo o tema para reflexão do nosso querido povo. Os evangélicos Verdadeiros têm uma tradição da qual não abrem mão, seguir o Deus da Bíblia até as últimas conseqüências.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  14. Evangelista Junior disse:

    Meu Deus, Meu Deus…

    O mundo está cheio de horror
    Os mentirosos reinam sem pudor
    Mentes brilhantes planejando o mal
    Mas eu não desanimo pois sou sal

    A integridade foi pro além
    No mundo ninguém ama mais ninguém
    Mas Jesus cristo disse:eu vou voltar pra te buscar

    Ainda bem…

    Restaura a tua casa oh Senhor
    Acaba o choro, restaura o louvor
    Riqueza e fama agora é a pregação
    Já não se fala mais em salvação

    O mundo está tentando enganar
    Aqueles que O bom Deus virá buscar
    Mas permaneço firme e forte, eu levo minha cruz
    Pois sou luz

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus

    Eu vou subir (3x)

    Os inimigos da igreja vão fica aqui

    Eu vou subir (3x)

    A Depressão, as enfermidades vão fica aqui

    Eu vou subir (3x)

    Satanás com seus demônios não vão nos impedi

    Eu vou subir (3x)

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus

    Eu Profetizo Em Nome De Jesus sua família também vai subir.

    Eu vou subir

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus

    Ainda bem que eu vou
    Morar no céu
    Ainda bem que eu vou morar com Deus.

    No amor de Cristo Jesus,
    Evangelista Junior.

    [email protected]

  15. Evangelista Junior disse:

    “Também deixei ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda a boca que não o beijou.” !Rs. 19:18

    Quando o nosso Senhor Jesus voltar, vem não para buscar a todos, mas ao remanecente que não adorou a baal.

    Quando uma pessoa liga som com o objetivo de ouvir louvores e adorar a Deus, ela tem que ter em mente uma coisa: ADORAR A DEUS.
    É imcompativel adoração em um ritimo que só mexe com a carne.
    Como tudo neste mundo, também os ritimos criados para reverenciar às coisas profanas, têm entrado nas igrejas como algo “aceitável”.

    Imagine alguém dizer que está louvando a Deus dançando:FUNK,PAGODE,AXÉ OU ROCK. Ritimos criados exclusivamente em reverência ao SEXO, VIOLÊCIA, ADULTÉRIO E ADORAÇÃO A DEMONIOS.

    Mas isso é o resultado da falta de os líderes ensinarem o povo a ter um relacionameto com Deus, ao invés de ficarem idolatrando instituições e se preocupando em fazer nome. Aí eles acabam tendo que usar a mesma estratégia de Satanás para reunir mta gente.
    A verdade é que é mt mais fácil usar estas estratégias do que ensinar os crentes a usar a caridade, a pregaçao, a sabedoria, com o objetivo de disseminar o Evangelho, que, diga-se de passagem, é fundamentado no AMOR.
    Mas é mt mais fácil FAZER BARULHO do que AMAR AO PRÓXIMO.

    “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.”Mt. 7:21.

    Ah, é claro! O CÉU NÃO É MAIS O OBJTIVO PRINCIPAL.

    No amor de Cristo Jesus,
    Evangelista junior.

  16. Queridos irmãos, sei o quanto é difícil evangelizar os jovens e o louvor é uma das maneiras de conversão, mas tudo deve ter um limite, pois o louvor é sagrado e antes de querermos agradar aos jovens, devemos agradar, acima de tudo, a Deus, pois o LOUVOR é uma forma de Adoração a ELE, então ao escolher um louvor preste atenção na mensagem e na melodia adequada ao SENHOR, pq Ele é Santo!!!

  17. CARLOS ROGERIO, VOÇE ME PARECE UMA PESSOA MUITO ENTENDIDA DAS COISAS DE DEUS, PORQUE NÃO SE COLOCA A DISPOSIÇAO DA OBRA DE DEUS, QUEM SABE VOÇE PODE FAZER A DIFERNÇA.

  18. A base de toda a actividade de ser humano,espiritualmente vista e dita,concerne na forma e maneira de Deus ver o homem(Job 32:8).Deus é Éspírito e vê espiritualmente…

    Os músicos evangélicos são servos de Deus,trabalham para o Reino de Deus evangelizando,fortalecendo almas,libertando os cativos…Os cantores na era do AT faziam parte da classe dos Levitas.
    Paulo diz «transmiti-vos aquilo que recebi do Senhor»(1 Cor 11:23) pois o homem só dá o que tem.Esta lei é também física.

    Os músicos evangélicos como todo servo de Deus precisam de,depois do chamado,de um tempo de preparação.Notem que Moisés, antes do chamado e da preparação,quis “carnalmente” defender os seus irmãos mas foi logo rejeitado por eles e teve que fugir…

    Hoje, assistimos a todo tipo de manifestações nos seio da Igreja,umas genuínas outras falsas, até inspiradas pelo inimigo, naquele propósito dele de semear o joio no campo do trigo.Muitos músicos que vêem surgindo, nesse meio, não têm o chamado nem a preparação da parte do Senhor,falo da espiritual claro,aquele tempo no deserto onde Deus molda os seus servos.

    O trabalho de Deus não se faz por curiosidade ou por mera vontade de…Algumas pessoas feitas músicos chegaram à conversão e sentiram-se compelidas por aquele sentimento de reconhecida gratidão ao Criador que quiseram manifestá-la pela música…Pondo se diante do público,eles transmitem a vida ou a morte, de acordo, com o que está enraizados nele,de acordo com aquilo que eles aprenderam,eles transmitirão o que eles têm ou receberam.

    Sem uma transformação e necessária moldagem de Deus,tendo eles aprendido um determinado estilo musical possuindo os seus respectivos efeitos culturais e parâmetros espirituais determinados,é todo certo, que é aquilo que eles estarão a transmitir ao povo.Do espírito deles transmitirão para o espírito dos seus ouvintes fracos a semente que estiver neles.A música como o irmão Sérgio disse acima tem efeitos muito fortes sobre a alma das pessoas.

  19. Se quisermos somente aglomerar pessoas em um recinto que gostam de ritmos que as agradam, tudo bem, seremos assim só mais um clube social. Porém se quisermos trazer pessoas ao arrependimento e real conversão, se quisermos tirar essas pessoas do mundo e fazê-las membros de uma Igreja santa e pura, que as pessoas abram mão daquilo que é do mundo, louvando a Deus do modo que Ele quer ser louvado: de maneira sacra, reverente e com majestade.

  20. A verdade é que o diabo está perdendo terreno, porque os ritmos fazen partem dos costumes de um povo e da sua cultura e isso é de Deus. Por exemplo ir na praia não é pecado, é como se vai na praia que é pecado, quem fez a praia foi Deus, e não o Diabo. Antigamente os crente dizia que ir na praia era pecado, hoje muitos crentes vão a praia e não há pecado nenhum nisso. Os ritmos foram criados por Deus, é as letras que devem ser para a glorificar a Deus e não ao Diabo, não a carne, fazendo apologia do sexo vulgar, como também o sexo não é pecado praticado entre um homem e uma mulher dentro do casamento esse é o padrão bíblico. A Bíblia nunca condenou os ritmos é só lê-la, verão que para louvar ao único Deus realmente digno de toda honra, a Bíblia fala para louvá-lo: com danças, com palmas, com instrumentos de cordas(címbalos), adufes(tipo de pandeiro), com saltérios( uma espécie de intrumento de corda) e com flautas. Agora para louvar a Deus que é Espírito,é preciso louvá-lo em espírito e em verdade.

  21. SINDROME DO AVESTRUZ

    O avestruz é uma ave não voadora, originária da África, que leva o nome científico Struthio camelus. É a única espécie viva da família Struthionidae, e do género, Struthio. Pertence à ordem das Struthioniformes – aves não voadoras. A avestruz é considerada a maior espécie viva das aves e seu nome científico vem do grego para “camelo pardo”.

    Dizem que para se esconder dos perigos de seus captores, o avestruz enterra a cabeça na areia e assim, sem ver a ameaça, se acha imune a ela, mesmo tendo o seu enorme e desengonçado corpo totalmente exposto. Só lembrando, é mito…

    Nos dias de hoje, no meio religioso, percebemos muitos avestruzes enterrando não só a cabeça, mas até o pescoço, e não é mito, é realidade, como forma de tentar se esconder de tudo. Igrejas e denominações, crentes e líderes que optam por enfiar a cabeça em um buraco qualquer do comodismo, da comodidade e da fragilidade religiosa e não crescer, pessoas que, diante dos desafios e das tempestades, fecham os olhos na esperança que os problemas passem sobre eles e eles saiam ilesos. Como os onze covardes no barco, que ficaram observando Pedro avançar mar a dentro, mesmo tendo pouca fé, os avestruzes religiosos estão pouco se importando com os destinos e com os perigos que rondam a igreja de Cristo neste século.

    Quantas igrejas e crentes, olhando somente para o escuro do buraco, não percebem as oportunidades que podem surgir durante as crises e com isso, deixam de conquistar e de crescer, oferecendo sempre os mesmos produtos e serviços pirateados ou desgastados que as tornaram conhecidas no mercado da fé? Muitos, ao enterrarem a cabeça, enterram sonhos e projetos que um dia deram certos, mas que pelas tempestades da vida, naufragaram levando consigo resultados que hoje, com todas as novidades, jamais conseguirão conquistar. Não inovam, acreditando que a situação atual do mercado da fé vai garantir-lhes a sobrevivência. Mas, o mercado não caminha nessa toada. Igrejas de renome, detentoras de marcas consolidadas como os pentecostais, que demoraram um pouco mais para perceber a necessidade de mudança e adequação aos novos tempos, sucumbiram, ou às duras penas se reestruturaram após prejuízos espirituais que enfrentaram. Mesmo assim, ao mudarem, ao tentarem tirar a cabeça do buraco, acabaram enfiando-a em outras brechas ainda mais perigosas como a política.

    A maioria de nossas denominações, de nossas igrejas, de nossos líderes e dos crentes, estão enterrando, literalmente a cabeça para os problemas éticos, morais e espirituais, todos estão se esforçando para não se envolverem com estas coisas, e na mediocridade do evangelho que pregam levam a vida como o avestruz. Muitos fizeram da religião um instrumento de enriquecimento e de construção de impérios, e como imperialistas dominam os seus súditos com ferro e fogo. Não é permitido rebeldia, em hipótese alguma…

    A entrada no segmento da fé de concorrentes como as que vendem a “TEOLOGIA DA PROSPERIDADE”, causaram divisões e muitos fiéis que vivem de negociar com Deus, migraram para estas novas linhas de religião. Não é difícil imaginar o resultado da entrada desses novos concorrentes, uma denominação que dominava o mercado da fé, com uma marca consolidada, é obrigada a assistir uma diminuição drástica em sua participação, acompanhada por uma queda vertiginosa de seus fiéis. Tradicionalismo, reconhecimento mundial e solidez não garantiram posição de conforto ou reserva de mercado.

    Mas não somente denominações passam por esses momentos, muitos crentes perderam e continuam perdendo grandes chances por terem medo dos desafios, do inesperado. Por não querer lidar com os problemas e adversidades, diante de qualquer situação conflituosa, correm para enfiar a cabeça em um buraco e esperam que o “vendaval” se acalme. Mal se lembram que a tempestade da imoralidade, da falta de ética, da enganação, da mentira são contínuos e perenes, jamais deixarão de existir.

    Há ainda aqueles que vivem constantemente olhando para si mesmos, com a cabeça enfiada em algum buraco, não se relacionando com outras pessoas, com medo de se apresentar ao mercado com um TESTEMUNHO sincero e real, de fazer parte e interagir com o sistema. Eles esquecem que o crescimento pessoal e espiritual advém das relações com Deus e com a sociedade.

    Quantos Pastores, Bispos, Evangelistas, Missionários e Apóstolos desapareceram ou foram destronados pela tecnologia e quantos ficaram sem colocação no meio religioso por terem sido avestruzes, com suas cabeças enfiadas na terra, achando que assim os desafios passariam e tudo voltaria ao normal? Com essa atitude não se desenvolveram, não criaram condições de espiritualidade e, portanto, não conseguiram permanecer no disputado mercado religioso.

    Uma denominação, uma igreja, um líder ou um cristão que queiram se desenvolver, adquirir novas competências e lutar pela sustentabilidade do Evangelho não pode simplesmente se esconder dos problemas ou de novos desafios, sendo resistente às mudanças. Se diante dos problemas enfiarmos a cabeça em um buraco, corremos o risco de não achar soluções e sermos açoitados sempre pelo mesmo vento, nos tornando especialistas na resolução dos mesmos conflitos e, assim, não saímos do lugar.

    O mercado religioso não precisa de avestruzes e sim de visionários, de sonhadores, de líderes que enxergam novas oportunidades, mesmo em tempos de crise, e partem para a luta. Pessoas que não desistem no primeiro tropeço, mas continuam correndo atrás de seus sonhos. O maior deles, conduzir pessoas aos pés da cruz de Cristo. Aliás, deveria ser o único, as demais coisas nos seriam acrescentadas se trabalhássemos na busca de concretizarmos apenas este belo sonho.

    Ainda que a tempestade pareça muito forte, tire a cabeça do buraco e enfrente-a. Enfrentando-a, aprenda com ela. O buraco não é a solução, mas pode ser o fim de todos os sonhos…

    “Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio para não se atirem a ti” – Salmos 32:9.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  22. MEUS Queridos e amados irmãos, a Igreja tem que voltar ao primeiro amor, a pregação da palavra, a todos que dela necessitam. Temos que pregar a palavra tempo e fora de tempo, aos nossos amigos, colegas de serviço, vizinhos, seja na distribuição de folhetos etc… e isto não consiste prioritariamente no falar , mas, antes de tudo, no testemunho diário. Devemos nos preparar na leitura diária da palavra, na oração e jejum, que para muitos é fanatismo. Bem , que Deus nos de graça de sermos, então, fanáticos. Principalmente, a mim que sou tão carente e dependente da sua presença e comunhão. Pois conheço as minhas falhas e limitações e sei que sem a presença do Amado e Doce Espirito Santo, nada serei,além de um vaso de barro vazio e inútil. Leia ,abaixo, o texto do Rev. Alexandrino Moura .Que possa falar ao seu coração como falou ao meu:

    Amados irmãos no Senhor Jesus Cristo.

    Nós estamos vivendo em um mundo corrompido. A injustiça e a maldade estão em todas as partes. E no meio deste mundo, estamos nós os crentes. Sofrendo por causa do pecado. Nós temos que lutar constantemente contra esse mal. Em todas as épocas os crentes sofreram perseguições de maneiras diferentes. As forças de Satanás estão tentando destruir os filhos de Deus. Satanás tenta fazer com que os crentes não esperem por seu Senhor e Salvador. Ele se empenha com seus demônios para fazer desviar os cristãos do caminho do Senhor Jesus Cristo. Satanás tenta fazer com que os crentes não se preparem para a volta de Cristo. O dia da volta de Cristo é o dia mais esperado pelos crentes. É o dia de maior alegria para nós.
    Lutero costumava falar desse assunto como “o querido último dia” e Calvino como “o dia da nossa salvação”. Pois, naquele dia, toda injustiça será punida definitivamente e os fiéis serão justificados publicamente.
    Cristo “se manifestará Juiz sobre vivos e mortos”. A Bíblia ensina claramente que Deus Lhe concedeu o direito ou a autoridade de julgar e Ele foi constituído Juiz (Jo 5.22,27; At 10.42). E Paulo falou aos filósofos de Atenas que Deus “estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos” (At 17.31). Cristo virá e purificará este velho mundo. Então, os fiéis viverão para sempre com Deus.
    Meus irmãos, quando Cristo voltará? Quando será o juízo final? Irmãos, aquele dia ninguém sabe! Nenhuma criatura sabe o dia da volta de Cristo. O próprio Senhor Jesus Cristo afirmou isso. Na história da igreja cristã, houve pessoas que disseram quando Cristo voltaria. Eles marcaram o ano, mês, dia e até a cidade onde Cristo deveria chegar foi indicado. Por causa disso houve uma grande euforia. Muitas pessoas com medo da volta de Cristo correram para aquela cidade, onde supostamente “Cristo deveria voltar”. Havia muito desespero por partes das pessoas. Muitas pessoas se fizeram “crentes” por causa da ocasião. Porque muitos pensaram que Cristo levaria aqueles que estivessem naquela cidade. Levaria aqueles que dissessem que eram crentes. E quando na data marcada, Cristo não veio, o que aconteceu? O que aconteceu com aqueles que correram para escapar do juízo vindouro? Com aqueles que se tornaram crente por causa da ocasião? Aconteceu o seguinte: quando a falsa profecia não se cumpriu, as pessoas deixaram à igreja. Voltaram a viver no pecado. Eles voltaram ao seu próprio vômito. Só estavam ali porque estavam com medo do dia de Cristo. O dia em que Cristo vai julgar e condenar os descrentes. Como Cristo não veio o medo deles passou. Um triste engano!
    Ninguém sabe o dia da volta de Cristo. Nenhuma criatura da face da terra. Nem mesmos os apóstolos e profetas. Isso mostra como somos limitados. Nossa mente é pecaminosa e fútil. Estamos cheios de pecado. Nós não sabemos o dia da volta de Cristo, porque Deus não nos revelou. Os anjos são seres celestiais que habitam nos céus. Que vivem na presença de Deus. Que têm uma íntima relação com Deus. Mas mesmo a eles Deus não revelou. Nem mesmo Jesus, quando estava aqui na terra, sabia. Por que não sabemos? Porque aquele dia pertence ao Senhor. Como diz Deuteronômio 29.29: “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem”.
    O dia da volta de Cristo pertence a Deus. Só a Ele. Ele é o único detentor desse segredo. Porque foi Ele próprio que determinou o dia da volta do Filho do Homem. Ele em sua muitíssima sabedoria determinou o dia. Ninguém sabe o dia. Por isso sigam o que Jesus ensinou em Mateus 24.4,5: “Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos” e também no verso 11: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos”. Jesus mesmo está dizendo para termos cuidado dos falsos ensinos. Pessoas surgirão dizendo que vem de Cristo. Mas, que na verdade são falsos profetas. Servidores de Satanás. Como diz Mateus 24.23-26: “Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto!, não saiais. Ou: ei-lo no interior da casa!, não acrediteis”.
    Jesus adverte para que ninguém nos engane. Aquele dia não pertence a homem algum. Pertence exclusivamente ao Pai. Quem prega um evangelho que vai além da palavra de Deus, que seja anátema, ou seja, maldito. É isso o que a palavra de Deus fala. Aprouve a Deus não nos revelar o dia da volta de Cristo.
    Meus irmãos é vantagem ou desvantagem não sabermos o dia da volta de Cristo? É vantagem não sabermos o dia da volta de Cristo. Pois foi justamente pela incerteza sabre a data da volta de Cristo que a igreja, no decorrer dos séculos, tem sido estimulada a combater o pecado e a viver de tal maneira que, a cada momento, possa aguardar seu Senhor.
    E, é exatamente isso que Jesus está nos ensinando. Ele nos ensina a vigiar. Porque não sabemos quando será o dia da volta de Cristo. “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as conseqüências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço” (Lc 21.34). Cristo virá como um relâmpago que sai do oriente e se mostra até no ocidente (Mt 24.27). Quem não estiver preparado, ficará. Aquele que espera por Cristo e estiver preparado, será levado. Viverá com Deus na nova Jerusalém. Deus nos ensina através da sua palavra, que devemos viver confiando e fazendo sua vontade. Esperando a volta do Salvador. Nós somos instruídos a perseverar em Cristo.
    Jesus nos adverte a não vivermos como as pessoas nos dias de Noé, antes do dilúvio. O que há de errado com o modo de viver daquelas pessoas? O que há de errado em comer e beber, casar e se dar em casamento? NÃO HÁ NADA DE ERRADO COM O QUE AQUELAS PESSOAS ESTÃO FAZENDO. Isso mesmo, não há nada de errado. Porque nós fazemos o mesmo. Nós comemos e bebemos. Se não fizermos isso iremos morrer de fome e de sede. E o que há de errado em se casar? Nada! Ou em dar uma filha em casamento? Também nada! Então, porque Jesus nos exorta a não vivermos como aquelas pessoas da época de Noé? O motivo é o caráter repentino da volta de Cristo. Quando Noé recebeu a ordem de Deus para construir a arca, ele não pensou duas vezes em construir a arca. Na 2 Pedro 2.5 diz que Noé é o pregador da justiça, ou seja, enquanto construía a arca, ele advertia o povo. Ele pregou ao povo do perigo que estava para vir repentinamente. Mas eles se recusaram a levar a sério o que Noé fazia e pregava. Viviam despreocupadamente. Levando a vida “como sempre”, comendo e bebendo, casando e dando-se em casamento. Eles só se preocupavam com as coisas deste mundo. E não davam à mínima importância as coisas espirituais. Não há nada de errado em comer e beber, casar e dar-se em casamento. O que não pode é quando essas coisas materiais tomam o lugar de Deus e se tornam um laço para o nosso coração. Então, quilo que deveria ser uma bênção na vida do homem se torna em armadilha. A bênção se torna em maldição.
    E se não tomarmos cuidado vamos nos tornar iguais àquelas pessoas no tempo de Noé. Que não recobraram seus sentidos em tempo do grande dilúvio. Não conseguiram compreender sua perigosa situação até que foi tarde demais. Em que o dilúvio matou a todos. A vinda de Cristo será repentina. Ninguém sabe o dia nem a hora. Por isso vigiai! Porque o dia em que nosso Senhor vem, não sabemos. Não fazemos a menor idéia quando será. Por isso, fiquem atentos. Fiquem preparados para a volta de Cristo. Deus não nos revelou o dia da volta de Cristo para sermos crentes vigilantes. Crentes que vivem o presente, esperando o futuro. Viver agora para Cristo e, no futuro desfrutar das bênçãos de Cristo.
    Por isso, a importância de vigiar. Não estou falando de você passar a noite em claro olhando para o céu, para ver se Cristo já vem. Não! Estou falando de você entregar sua vida a Cristo. Viva para ele com todo o seu ser. Em tudo o que fazermos Cristo deve ser o centro de nossa vida. No nosso texto Jesus dar dois exemplos interessantes. O primeiro diz que dois homens estarão no campo trabalhando. Fazendo a mesma coisa. Um será tomado e deixado o outro. Duas mulheres estarão moendo grãos no moinho. Estão fazendo à mesma coisa. Uma será tomada e deixada à outra. Mas, por que isso acontece? O motivo é porque as pessoas que são levadas, elas são crentes. Eles contavam com a volta de Cristo. Eles viviam para Cristo. Se prepararam para a volta de seu Salvador. E por isso foram levados para a nova Jerusalém Celestial. O segundo exemplo fala de um pai de família que fica sabendo que um ladrão vai tentar rouba-lo em uma determinada hora. Qual pai de família não vigiaria para não ser assaltado? Mas por que este outro exemplo? Porque o dia de Cristo vem como um ladrão que vem a noite (1 Ts 5.2). Quando um ladrão pensa em roubar, ele não vai avisar a vitima qual será o dia e a hora que vai chegar. Ele vem quando as pessoas menos esperam. Assim será o dia da volta de Cristo. Quando ninguém menos esperar, Ele voltará. Voltará sobre as nuvens com poder e glória.
    O dia de Cristo vem como um ladrão. Ninguém sabe o dia em que um ladrão pode assaltar uma pessoa e nem a hora. Por isso Jesus está ensinando a não sermos como as pessoas do tempo de Noé. Pessoas descrentes. Que não confiavam no Senhor. Viviam para seus próprios prazeres. Não se importavam com as coisas espirituais. Porque eles não pensavam no futuro. Não contavam com a volta de Cristo. E eles diziam: “comamos e bebamos que amanhã morreremos”. Eles não acreditam que Deus iria castigar-los. Por isso não viviam vigilantes. E o resultado nós sabemos. Todos morreram porque não creram no Senhor. Foram para o inferno. Esse o destino de todos aqueles que desprezam o dia Cristo. Que não se convertem ao Senhor. Que não vivem para Deus. Que se apegam aos prazeres deste mundo. Que buscam seu consolo na riqueza e outros bens materiais. Que não levam uma vida de santificação. Uma vida de comunhão com o Senhor. Por isso Cristo nos adverte seriamente. Vigiai, porque o meu dia vem como um ladrão. Ninguém sabe o dia nem à hora.
    Cristo levará todos aqueles que estiverem contando com a sua volta. Porque para o cristão o dia de Cristo é o HOJE e não o amanhã. O dia de amanhã é o dia do diabo. Ninguém sabe o que vai acontecer na sua vida amanhã. Mas, o dia de hoje é o dia de Cristo. Ninguém deve deixar para só se preparar amanhã. Porque Cristo pode voltar a qualquer momento. Por isso devemos estar prontos, preparados para servir a Cristo hoje. Porque todo dia é o dia da volta de Cristo para o cristão. Por isso a necessidade de vigiarmos constantemente em nossas vidas. Pois o dia e a hora ninguém sabe. Lute constantemente contra o pecado e o diabo. Estejam prontos para se encontrar com Cristo e viver com ele para sempre.
    Amém.

  23. Queridos e amados irmãos, a Igreja tem que voltar ao primeiro amor, a pregação da palavra, a todos que dela necessitam. Temos que pregar a palavra tempo e fora de tempo, aos nossos amigos, colegas de serviço, vizinhos, seja na distribuição de folhetos etc… e isto não consiste prioritariamente no falar , mas, antes de tudo, no testemunho diário. Devemos nos preparar na leitura diária da palavra, na oração e jejum, que para muitos é fanatismo. Bem , que Deus nos de graça de sermos, então, fanáticos. Principalmente, a mim que sou tão carente e dependente da sua presença e comunhão. Pois conheço as minhas falhas e limitações e sei que sem a presença do Amado e Doce Espirito Santo, nada serei,além de um vaso de barro vazio e inútil. Leia ,abaixo, o texto do Rev. Alexandrino Moura .Que possa falar ao seu coração como falou ao meu:

    Amados irmãos no Senhor Jesus Cristo.

    Nós estamos vivendo em um mundo corrompido. A injustiça e a maldade estão em todas as partes. E no meio deste mundo, estamos nós os crentes. Sofrendo por causa do pecado. Nós temos que lutar constantemente contra esse mal. Em todas as épocas os crentes sofreram perseguições de maneiras diferentes. As forças de Satanás estão tentando destruir os filhos de Deus. Satanás tenta fazer com que os crentes não esperem por seu Senhor e Salvador. Ele se empenha com seus demônios para fazer desviar os cristãos do caminho do Senhor Jesus Cristo. Satanás tenta fazer com que os crentes não se preparem para a volta de Cristo. O dia da volta de Cristo é o dia mais esperado pelos crentes. É o dia de maior alegria para nós.
    Lutero costumava falar desse assunto como “o querido último dia” e Calvino como “o dia da nossa salvação”. Pois, naquele dia, toda injustiça será punida definitivamente e os fiéis serão justificados publicamente.
    Cristo “se manifestará Juiz sobre vivos e mortos”. A Bíblia ensina claramente que Deus Lhe concedeu o direito ou a autoridade de julgar e Ele foi constituído Juiz (Jo 5.22,27; At 10.42). E Paulo falou aos filósofos de Atenas que Deus “estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos” (At 17.31). Cristo virá e purificará este velho mundo. Então, os fiéis viverão para sempre com Deus.
    Meus irmãos, quando Cristo voltará? Quando será o juízo final? Irmãos, aquele dia ninguém sabe! Nenhuma criatura sabe o dia da volta de Cristo. O próprio Senhor Jesus Cristo afirmou isso. Na história da igreja cristã, houve pessoas que disseram quando Cristo voltaria. Eles marcaram o ano, mês, dia e até a cidade onde Cristo deveria chegar foi indicado. Por causa disso houve uma grande euforia. Muitas pessoas com medo da volta de Cristo correram para aquela cidade, onde supostamente “Cristo deveria voltar”. Havia muito desespero por partes das pessoas. Muitas pessoas se fizeram “crentes” por causa da ocasião. Porque muitos pensaram que Cristo levaria aqueles que estivessem naquela cidade. Levaria aqueles que dissessem que eram crentes. E quando na data marcada, Cristo não veio, o que aconteceu? O que aconteceu com aqueles que correram para escapar do juízo vindouro? Com aqueles que se tornaram crente por causa da ocasião? Aconteceu o seguinte: quando a falsa profecia não se cumpriu, as pessoas deixaram à igreja. Voltaram a viver no pecado. Eles voltaram ao seu próprio vômito. Só estavam ali porque estavam com medo do dia de Cristo. O dia em que Cristo vai julgar e condenar os descrentes. Como Cristo não veio o medo deles passou. Um triste engano!
    Ninguém sabe o dia da volta de Cristo. Nenhuma criatura da face da terra. Nem mesmos os apóstolos e profetas. Isso mostra como somos limitados. Nossa mente é pecaminosa e fútil. Estamos cheios de pecado. Nós não sabemos o dia da volta de Cristo, porque Deus não nos revelou. Os anjos são seres celestiais que habitam nos céus. Que vivem na presença de Deus. Que têm uma íntima relação com Deus. Mas mesmo a eles Deus não revelou. Nem mesmo Jesus, quando estava aqui na terra, sabia. Por que não sabemos? Porque aquele dia pertence ao Senhor. Como diz Deuteronômio 29.29: “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem”.
    O dia da volta de Cristo pertence a Deus. Só a Ele. Ele é o único detentor desse segredo. Porque foi Ele próprio que determinou o dia da volta do Filho do Homem. Ele em sua muitíssima sabedoria determinou o dia. Ninguém sabe o dia. Por isso sigam o que Jesus ensinou em Mateus 24.4,5: “Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos” e também no verso 11: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos”. Jesus mesmo está dizendo para termos cuidado dos falsos ensinos. Pessoas surgirão dizendo que vem de Cristo. Mas, que na verdade são falsos profetas. Servidores de Satanás. Como diz Mateus 24.23-26: “Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto!, não saiais. Ou: ei-lo no interior da casa!, não acrediteis”.
    Jesus adverte para que ninguém nos engane. Aquele dia não pertence a homem algum. Pertence exclusivamente ao Pai. Quem prega um evangelho que vai além da palavra de Deus, que seja anátema, ou seja, maldito. É isso o que a palavra de Deus fala. Aprouve a Deus não nos revelar o dia da volta de Cristo.
    Meus irmãos é vantagem ou desvantagem não sabermos o dia da volta de Cristo? É vantagem não sabermos o dia da volta de Cristo. Pois foi justamente pela incerteza sabre a data da volta de Cristo que a igreja, no decorrer dos séculos, tem sido estimulada a combater o pecado e a viver de tal maneira que, a cada momento, possa aguardar seu Senhor.
    E, é exatamente isso que Jesus está nos ensinando. Ele nos ensina a vigiar. Porque não sabemos quando será o dia da volta de Cristo. “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as conseqüências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço” (Lc 21.34). Cristo virá como um relâmpago que sai do oriente e se mostra até no ocidente (Mt 24.27). Quem não estiver preparado, ficará. Aquele que espera por Cristo e estiver preparado, será levado. Viverá com Deus na nova Jerusalém. Deus nos ensina através da sua palavra, que devemos viver confiando e fazendo sua vontade. Esperando a volta do Salvador. Nós somos instruídos a perseverar em Cristo.
    Jesus nos adverte a não vivermos como as pessoas nos dias de Noé, antes do dilúvio. O que há de errado com o modo de viver daquelas pessoas? O que há de errado em comer e beber, casar e se dar em casamento? NÃO HÁ NADA DE ERRADO COM O QUE AQUELAS PESSOAS ESTÃO FAZENDO. Isso mesmo, não há nada de errado. Porque nós fazemos o mesmo. Nós comemos e bebemos. Se não fizermos isso iremos morrer de fome e de sede. E o que há de errado em se casar? Nada! Ou em dar uma filha em casamento? Também nada! Então, porque Jesus nos exorta a não vivermos como aquelas pessoas da época de Noé? O motivo é o caráter repentino da volta de Cristo. Quando Noé recebeu a ordem de Deus para construir a arca, ele não pensou duas vezes em construir a arca. Na 2 Pedro 2.5 diz que Noé é o pregador da justiça, ou seja, enquanto construía a arca, ele advertia o povo. Ele pregou ao povo do perigo que estava para vir repentinamente. Mas eles se recusaram a levar a sério o que Noé fazia e pregava. Viviam despreocupadamente. Levando a vida “como sempre”, comendo e bebendo, casando e dando-se em casamento. Eles só se preocupavam com as coisas deste mundo. E não davam à mínima importância as coisas espirituais. Não há nada de errado em comer e beber, casar e dar-se em casamento. O que não pode é quando essas coisas materiais tomam o lugar de Deus e se tornam um laço para o nosso coração. Então, quilo que deveria ser uma bênção na vida do homem se torna em armadilha. A bênção se torna em maldição.
    E se não tomarmos cuidado vamos nos tornar iguais àquelas pessoas no tempo de Noé. Que não recobraram seus sentidos em tempo do grande dilúvio. Não conseguiram compreender sua perigosa situação até que foi tarde demais. Em que o dilúvio matou a todos. A vinda de Cristo será repentina. Ninguém sabe o dia nem a hora. Por isso vigiai! Porque o dia em que nosso Senhor vem, não sabemos. Não fazemos a menor idéia quando será. Por isso, fiquem atentos. Fiquem preparados para a volta de Cristo. Deus não nos revelou o dia da volta de Cristo para sermos crentes vigilantes. Crentes que vivem o presente, esperando o futuro. Viver agora para Cristo e, no futuro desfrutar das bênçãos de Cristo.
    Por isso, a importância de vigiar. Não estou falando de você passar a noite em claro olhando para o céu, para ver se Cristo já vem. Não! Estou falando de você entregar sua vida a Cristo. Viva para ele com todo o seu ser. Em tudo o que fazermos Cristo deve ser o centro de nossa vida. No nosso texto Jesus dar dois exemplos interessantes. O primeiro diz que dois homens estarão no campo trabalhando. Fazendo a mesma coisa. Um será tomado e deixado o outro. Duas mulheres estarão moendo grãos no moinho. Estão fazendo à mesma coisa. Uma será tomada e deixada à outra. Mas, por que isso acontece? O motivo é porque as pessoas que são levadas, elas são crentes. Eles contavam com a volta de Cristo. Eles viviam para Cristo. Se prepararam para a volta de seu Salvador. E por isso foram levados para a nova Jerusalém Celestial. O segundo exemplo fala de um pai de família que fica sabendo que um ladrão vai tentar rouba-lo em uma determinada hora. Qual pai de família não vigiaria para não ser assaltado? Mas por que este outro exemplo? Porque o dia de Cristo vem como um ladrão que vem a noite (1 Ts 5.2). Quando um ladrão pensa em roubar, ele não vai avisar a vitima qual será o dia e a hora que vai chegar. Ele vem quando as pessoas menos esperam. Assim será o dia da volta de Cristo. Quando ninguém menos esperar, Ele voltará. Voltará sobre as nuvens com poder e glória.
    O dia de Cristo vem como um ladrão. Ninguém sabe o dia em que um ladrão pode assaltar uma pessoa e nem a hora. Por isso Jesus está ensinando a não sermos como as pessoas do tempo de Noé. Pessoas descrentes. Que não confiavam no Senhor. Viviam para seus próprios prazeres. Não se importavam com as coisas espirituais. Porque eles não pensavam no futuro. Não contavam com a volta de Cristo. E eles diziam: “comamos e bebamos que amanhã morreremos”. Eles não acreditam que Deus iria castigar-los. Por isso não viviam vigilantes. E o resultado nós sabemos. Todos morreram porque não creram no Senhor. Foram para o inferno. Esse o destino de todos aqueles que desprezam o dia Cristo. Que não se convertem ao Senhor. Que não vivem para Deus. Que se apegam aos prazeres deste mundo. Que buscam seu consolo na riqueza e outros bens materiais. Que não levam uma vida de santificação. Uma vida de comunhão com o Senhor. Por isso Cristo nos adverte seriamente. Vigiai, porque o meu dia vem como um ladrão. Ninguém sabe o dia nem à hora.
    Cristo levará todos aqueles que estiverem contando com a sua volta. Porque para o cristão o dia de Cristo é o HOJE e não o amanhã. O dia de amanhã é o dia do diabo. Ninguém sabe o que vai acontecer na sua vida amanhã. Mas, o dia de hoje é o dia de Cristo. Ninguém deve deixar para só se preparar amanhã. Porque Cristo pode voltar a qualquer momento. Por isso devemos estar prontos, preparados para servir a Cristo hoje. Porque todo dia é o dia da volta de Cristo para o cristão. Por isso a necessidade de vigiarmos constantemente em nossas vidas. Pois o dia e a hora ninguém sabe. Lute constantemente contra o pecado e o diabo. Estejam prontos para se encontrar com Cristo e viver com ele para sempre.
    Amém.

  24. A LEI SECA E O CRISTIANISMO MODERNO

    O governo, numa decisão histórica e contrariando todas as previsões, sancionou a lei 11.705 modificando o Código Brasileiro de Trânsito. Apelidada de “lei seca”, ela proíbe o consumo de qualquer quantidade de bebída alcóolica por condutores de veículos nas estradas do Brasil. Poucos como eu acreditavam nesta iniciativa pelas dimensões que ela evolve e pelas pressões de fabricantes de bebidas que notoriamente têem nas tais bebidas uma mina de ouro para o sucesso de seus investimentos. Confesso que me sinto surpreendido, mas satisfeito, afinal é notório que um volume muito grande de dinheiro é gasto para reparar danos causados por motoristas irresponsáveis, que mesmo sabendo do perigo e de estarem cometendo crimes, não deixam de conduzir seus veículos mesmo estando sob o efeito de bebida alcóolica. As mudanças vieram em boa hora uma vez que milhares de vidas foram ceifadas ao longo dos anos, familias tiveram suas estruturas destruídas sem contar as mutilações que milhares de cidadãos passaram a conviver com elas dentro de centros de recupração em todas as partes do Brasil. Foi algo surpreendente, no entanto necessário do contrário as sequelas, nas suas mais variadas dimensões, se tornariam incorrigíveis com a impunidade sendo usada como arma para aqueles que não temiam os rigores da antiga legislação vigente até então no País.
    Aproveitando o feedback e todo frisson que a “Lei Seca” provocou gostaria de pensar um pouco sobre algo que tem me causado uma preocupação maior que os estragos causados pelos bêbados nas estradas de nosso País, o mercado da exploração da fé e os mercenários que embriagados nas suas posições religiosas, desprovidas de quaisquer fundamentos cristãos éticos tentam verozmente arrebanhar pesoas para os seus arraiais. Os absurdos rondam os quatro cantos do Brasil, a igreja eletrônica virou uma praga, o espetáculo tomou conta e o show da fé transformou-se num meio de vida para muitos religiosos em noosso Brasil. O que me preocupa é que, como no caso da crucificação de Jesus a massa foi manipuilada, nos nossos dias este fenômeno continua sendo explorado abertamente por um grande número de líderes religiosos no afâ de angariarem ovelhas para os seus rebanhos. O problema é que vestidos de ovelhas, os lobos avançam com uma intrepidez impressionante no meio evangélico fazendo prezas suas pessoas desesperadas, despreparadas e desinformadas sobre os assunto que envolvem a fé genuinamente cristã. O mercado livre da fé está em franca expansão, o evangelho importado do inferno, com uma mesa farta, avança com uma velocidade impressionante sobre os arraiais cristão e os estragos são notórios e perigosos para as estruturas do cristianismo no nosso Brasil.
    Uma “Lei Seca” do cristianismo neste momento acredito ser a unica coisa capaz de dar um basta aos escrúpulos que estão sendo praticados imoralmente nos meios religiosos das mais variadas denominações de nossa Pátria, onde pessoas sem qualquer compromisso com o Evangelho ou com os princípios éticos buscam na religião formas excusas de sustetarem ou darem forma aos seus negócios. Negócios, pois a exploração da fé e da religiosidade transformou-se num mercado altamente rentável onde ao abrir uma igreja o sujeito acaba por descobrir uma verdadeira mina de ouro. Vejam a majestade dos templos e das catedrais, as posses de muitos de seus líderes, o patrimônio de centenas de igrejas, a estrutura que possuem, tudo isto comprova que a religião tornou-se em um negócio financeiro e não uma questão de fé que é na verdade a razão unica da existência do evangelho. Quando vejo uma televisão como a Rede Record onde o produto exposto, por questões de raízes, – afinal o senhor Edir Macedo se diz Bispo e oriundo dos meios religiosos – deveria ser o evangelho genuíno e seus princípios, fundamentados nas Escrituras Sagradas vendendo literalmente a fé percebo que há algo na contramão do cristianismo correto. Na verdade o que se vê ali e em outros programas do mesmo gênero afrontam impiedosamente os ensinos propostos nos livros sagrados quando meios ilícito e contráros aos de Jesus são usados de forma acintosa como artifícios para atrair os menos exclarescidos e mais desesperados. Apótolos não faltam… Bispos, tem com sobra.
    O que se vê é que como na antiga inquisição os “fins justificavam os meios”, hoje só mudou de lado, pois agora são os pseudos-evangélicos que utilizam deste artifício para auferirem lucros para as suas agremiações religiosas. Neste embalo vale tudo, de “Rosa consagrada” a “Água Benta” o que importa é prender o cidadão com as armas do Diabo aunciadas como milagrosas ou abençoadas por Deus. Lamento profundamente que práticas desta natureza não estejam inseridas nas Escrituras; lamento também que no refrão de que “prá Deus vale qualquer coisa”, muitos estejam sendo engnados por um evangelho mercenário, estabelecido sob o alicerce do lucro e da prosperidade quando o que nos ensina a Bíblia é exatamente o contrário. Ou será que quando Jesus afirmou que “…no mundo tereis aflições…” não se aplicaria aos nossos dias e aos nossos princípios cristãos do mundo moderno? Caminhamos para o abismo, disto não tenho dúvida, pois a relação da igreja deste século com as inovações religiosas e culturais aproximam-na muito mais do encontro com as trevas do que com o fulgor das mansões celestiais.
    Uma onda de modernismo religioso penetrou sutilmente nos nossos arraiais e hoje, depois de tomar forma, é quase impossível nos livrarmos de suas benécias e os males que elas tem carreado para dentro de nossas igrejas. Parece, e isto precisa ser motivo de preocupação dos que defendem um cristianismo autentico, que Deus está surdo e tem problemas de visão. É isto mesmo, tamanho é o barulho que se vê na grande maioria dos templos hoje, com um rítimo alucinante nas musicas, onde o espetáculo é o objetivo maior e não a glorificação e a exaltação do nome do Senhor. Há uma gritaria generalizada por parte de pastores que parecem estar pocessos não pelo Espírito Santo, mas sim por um espírito de porco qualquer e neste frenezi utilizam dos mais rídiculos argumentos na expectativa de convencerem os seus ouvintes. A coisa ficou tão perigosa que se não houver uma “Lei Seca” em breve nos tornaremos reféns do inimigo sem que tenhamos chance de revertermos o quadro que se configura face a tudo que acontece diante de nossos olhos. A questão é que os nossos adversários históricos – os católicos – já nos tratam como irmão sem qualquer cerimônia e com toda a naturalidade. Pode parecer preconceito, mas não é, apenas me respaldo nos ensinos de Paulo quando diz “Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”, Colossenses 2 : 8. O texto é claro, sem contar que há outro ainda mais profundo na sua aplicação quando diz o mesmo Paulo, “Fugí de toda a aparência do mal”, I Tessalonicenses 5 : 22.
    Como cristão, entendo que este é o momento de declararmos guerra contra as investidas do Diabo ao esquadrão de Deus antes que nos vejamos obrigados a prestar continências ao principe das trevas, Satanás. A questão crucial é que em muitos casos êle já assentou no trono e parece ser o senhor da situação, com suditos agindo abertamente em favor dele, usando para isto o nome de Deus. Recuso-me terminantemente a acreditar que o que andam fazendo em muitas igrejas tenha qualquer relação com os ensinos e as práticas estabelecidas nos Evangelhos, não que eu queira ser duro ou melhor que os outros, mas é que há muita sujeira sendo espalhada no seio da igreja, sendo absorvida com uma naturalidade muito sutile e colocando sob suspeita aquilo que é ofertado como alimento para o povo de Deus.
    Deixo aqui as minhas preocupações e espero que como eu outros possam estar meditando no que temos recebido ou no que muitos líderes religiosos estão nos tentando empurrar garganta abaixo como cristianismo, mas que na verdade não passa de formas pessoais ou de intereses de grupos para o crescimento de seus negócios. O cristianismo não é um comércio e a fé não é um produto que possa ser explorado de forma irracional por pessoas inescrupulosas que buscam na religião uma forma de realizarem e materializarem os seus desejos e seus sonhos. Se nos calarmos, até as pedras clamarão…

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  25. O espetáculo não pode parar
    TODOS AO CIRCO

    “Porque eu sou contigo, e ninguém lançará mão de ti para te fazer mal, pois tenho muito povo nesta cidade”
    Atos 18:10

    Respeitável público! Bem, nem sei se é mesmo respeitável da forma como são tratados… A alegria do Salmista parece não fazer sentido hoje: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor” – Salmos 122:1. A então “CASA DO SENHOR” passou a ser conhecida como a “CASA DOS SENHORES” ou “CASA DE ESPETÁCULOS”, um local de festas e comemorações furteis e sem nenhuma relação com os ensinos de Jesus.

    Na próxima semana estaremos recebendo em nossa cidade a maior e mais moderna “TRUP GOSPEL” do Brasil. Você não pode perder, os ingressos já estão à venda, venha e aproveite para adquirir uma infinidade de bugigangas do “SHOPING MUNDO GOSPEL”. O seu laser é o nosso objetivo, a sua satisfação também, só não garantimos o dinheiro de volta se você não gostar do Show.

    “Respeitável público! Venha ver a menor cantora do mundo! Não deixe de assistir ao show do pregador anão! Não perca o homem que não tem ouvidos e ouve! Venha ouvir a menininha de três anos que já é pregadora! Venha ver o homem que tem oito balas de revolver no corpo! Assista ao homem que prega plantando bananeira!”

    Venham conhecer os nossos astros e estrelas, nossos malabaristas fazem qualquer jogo de cintura para atrair o povão, nossos mágicos fazem dinheiro sumir e espantam fantasmas; nossos equilibristas sustentam as suas mensagens sobre o nada; nossas dançarinas dão um colorido especial ao evento; nossos palhaços acrobatas fazem qualquer um rir de montão; nossos ilusionistas sabem muito bem como ludibriar a fé do povo, são especialistas; nossos domadores domam qualquer crente rebelde, é só dizer que vai jogá-lo para o capeta; o astro principal de nossa companhia, o nosso Animador de Auditório, o “Grande Homem das Telinhas” – de Deus não – o TELEPASTOR, TELEAPÓSTOLO, TELEBISPO, TELEMISSIONÁRIO…

    Que a igreja dita evangélica no Brasil já tinha assumido a sua postura de “COMPANHIA CIRCENSE”, eu já sabia e isso era evidente há algum tempo, mas que ela, a igreja, havia assumido o papel de circo real é algo que tem me deixado perplexo. Corta o coração ver, ás vezes ao vivo, os “TRAPALHÕES DA FÉ” dando os seus espetáculos diante das câmeras, chega a ser ridículo. Tem dois malucos então, no sábado pela manhã, que não sei ainda como a Globo não os contratou, eles são bárbaros em humor cristão.

    A cada dia que passa, nosso cardápio de atrações aumenta, e na busca incessante de público para os nossos CULTOS-ESPETÁCULOS, a Palavra deixou de ser pregada faz tempo, o louvor se tornou a repetição de frases e chavões durante longos minutos de transe de uma coletividade doentia e reprimida. Deus passou de receptor do culto para um simples instrumento de manipulação de massa e cobrador dos impostos eclesiásticos, que o pecador tem que pagar de qualquer jeito para alcançar a desejada benção.

    Voltando ao começo, é triste ver a igreja brasileira caminhando para esse CIRCO DE TERRORES. O Evangelho está aterrorizando até os que se identificam como ATEUS. Outro dia um disse: “Tenho dó de Deus, se ele de fato existir”!!! A indústria dos testemunhos e dos seres esquisitos para pregarem a “PALAVRA” parece não ter fim. Tem um tal CAIO PANO, opa! FABIO, que é uma figura bizarra e ainda diz que é Pastor. De bodes, só se for… Ninguém quer mais ouvir um pregador sério, que diga aquilo que realmente Deus fala em sua Palavra. O povo quer espetáculo! Quanto mais dantesco, melhor! Se for na televisão, ai é que a coisa pega… Para aparecer e vender seus produtos recheados de falsas promoções ele não medem esforços. Leva dez e paga cinco… Leve uma Bíblia de R$ 900,00 e ganhe uma super benção…

    Se o pregador em si não é um SHOW e não tem um “ATRATIVO” a mais, não serve. Tem que ser anão, ter menos de cinco anos, já ter sido quase morto em confrontos com a polícia, ex-isso, ex-aquilo, não ter língua e falar em língua, e assim cresce a massa levedada pelo fermento dos espetáculos circenses de premiados com a etiqueta “GOSPEL”. Ah! Não precisa de conhecimento nenhum em teologia, “PSICOLOGIA” ou “ADMINISTRAÇÃO DE NEGÓCIOS” está ótimo.

    Há muito já não satisfaz o culto verdadeiro, em espírito e em verdade, onde o louvor é comprometido com a verdade e onde a pregação nada mais é do que a exposição sincera e coerente da Palavra de Deus. Criaram uma imitação barata para agradar as massa e divertir os espectadores. Deus, onde? Palavra, o que é isso? Adoração, a quem? Nós queremos é o show! Pagamos para isso, para vermos nossas igrejas lotadas, custe o que custar.

    O culto é feito por artistas, astros e estrelas e não por servos à serviço do Rei da Glória. As musicas são um verdadeiro carnaval, para não pegar pesado… Sinceramente, estão negociando com o Evangelho. Há inegavelmente uma indústria de testemunhos e esquisitices evangélicas dominando o mercado. Isto sem falar que como há escassez de ovelhas que são quietas e atenciosas, os cabritos e bodes pulam o tempo todo dentro de nossas reuniões e ainda chamam de louvor.

    A lavagem cerebral é evidente, para tornar as pessoas em verdadeiros “PAPAGAIOS ESPIRITUAIS”, repetindo sermões, chavões e impressionando o povo medíocre que gosta dessas coisas. Posso afirmar que é safadeza mesmo! É gente que quer ganhar dinheiro em cima dos crentes que não pensam, mas adoram ver as “COISAS DO ESPÍRITO”. São aproveitadores da boa-fé do povo que vive pela fé. Se tivessem compromisso real com Deus não aceitariam os holofotes sobre suas anomalias para “EXALTAREM” a Deus. Isso é CONVERSA PRA BOI DORMIR, como não sou boi… Digo sem medo… E gostaria de ver uma dessas atrações circenses da nossa “COMPANHIA GOSPEL CIRCENSE” negar isso olhando nos meus olhos. Se a Igreja hoje estivesse mais envolvida e comprometida em pregar o Evangelho das insondáveis riquezas de CRISTO, não estaríamos sendo envergonhados por tudo isso que os líderes evangélicos tem feito neste país.

    Vale ressaltar a forma como os líderes religiosos andam se intitulando pelo mundo afora, muitos se consideram Mestres, querendo preeminência sobre os demais irmãos, usurpando autoridade e exigindo mordomia, determinando coisas para Deus, como se Deus fosse submisso a eles. Passam o tempo chamando atenção da mídia e aprovação para eles mesmos. Querem fama, títulos, e em atitudes arrogantes afirmam: “Minha Igreja! Meus discípulos, EU sou o Presidente do Conselho, EU sou Presidente do Presbitério, GLÓRIAS A MIM”, e se esquecem de renderem-se ao Senhorio de Cristo.

    Quanto às igrejas que os CONTRATAM, e pagam bem… Desses não podemos esperar mais do que isto… Pois o que interessa a esses é a igreja cheia, saindo gente pelo ladrão e o cofre abarrotado… O nome da igreja conhecido e o nome de Jesus diminuído… Sepulcros caiados… Cheios de espetáculos estarrecedores para esconderem suas anomalias reais… Precisamos agir ou nos tornaremos reféns dos modernos “PICADEIROS ECLESIÁSTICOS”. Lembre-se, não aceite convites para ir ao CIRCO, não corra atrás de ESPETÁCULOS, não deixe que o transformem em “PALHAÇOS DA FÉ”, faça a opção segura pelos caminhos da verdade da Escrituras.

    “Por amor de ti tenho suportado afrontas, a confusão cobriu o meu rosto”
    Salmos 69:7

    “Os divertimentos também fornecem os germens da corrupção, inclusive na religião”

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  26. Infelizmente as melodias mundanas estao tomando conta de algumas igrejas…os belos hinos da Harpa Crista, do Cantor Cristao, do Coro Sacro, os lindos corais estao sendo substituidos por esse louvorzao que para nossa vergonha foi copiado da igreja catolica…mais gracas a Deus que ainda tem um povo com compromisso serio com a Palavra de Deus.

  27. Se tudo é arte, então tudo é belo.

    Arte moderna,

    Semana de evento de 1922 que representa uma renovação de linguagem, a busca de experimentação, a liberdade criadora e a ruptura com o passado.

    Antecedentes

    Vários fatos contribuíram para a Semana de Arte Moderna de 1922. Em 1912, Oswald de Andrade chega da Europa influenciada pelo Manifesto futurista de Marinetti, funda o irreverente jornal O Pirralho e, em suas páginas, critica a pintura nacional. O pintor russo Lasar Segall, em 1913, desembarca em São Paulo com um estilo não acadêmico, inovador e de cunho expressionista. Annita Malfatti, em 1914, após mostrar seus trabalhos ligados aos impressionistas alemães, decide estudar nos Estados Unidos. Em 1917 – ano de grande agitação político-social, greves e tumultos marcando as lutas do operariado paulista -, inaugura-se a nova exposição de Anita Malfatti, impiedosamente criticada por Monteiro Lobato no artigo Paranóia ou mistificação. Menotti del Picchia publica Juca mulato, um canto de despedida à era agrária diante da urbanização nascente. Em 1920, Oswald de Andrade diz que, no ano do centenário da independência, os intelectuais deveriam fazer ver que “a independência não é somente política, é acima de tudo independência mental e moral”.

    Queridos, gosto muito de literatura, apesar ter mais afinidade com a Sociolingüística, e morfossintaxe. Sabemos que a literatura e história estão estritamente ligadas. De acordo o momento vivido, em determinada época da sociedade, os escritores, artistas em geral, são influenciados pela situação vivida. O neoclassicismo, apesar de aparentar um contexto fora de sintonia com a realidade da época, pois em meio a revolução industrial, buscava no bucolismo da Arcádia, no meio pastoril, o cenário principal para desenrolar os fatos, nada mais era, que a demonstração da insatisfação da sociedade com o stress provocado pelo os grandes centros.O homem procura ,então, retornar as suas origens.Mas onde eu quero chegar com isto tudo?

    Amados, a igreja do Senhor também não foge a este contexto. A influência e transformações ocorridas no mundo tende a nortear a pureza do evangelho. Não sou contra adequações, desde que não venha a tirar o sentido do evangelho. Mas o que temos visto? O mundo entrando com toda a sua força dentro da igreja. Afinal, não podemos ser caretas. No início, assim como aconteceu na semana da Arte Moderna, ficamos estarrecidos, mas depois tudo torna-se comum e é aí que mora o perigo. Mas quando Jesus chegar, que tipo de noiva ele vai encontrar? A semana da arte moderna e seus valores foram bem assimilados pelo povo evangélico. Os conceitos do mundo, principalmente agora, tende sempre a ruptura dos padrões Divinos.Não é a toa que temos visto tantas aberrações..Cabe a nós vigiarmos.Deus nos abençoe!

  28. Queridos e amados irmãos,

    Lendo algumas coisas sobre a vanguarda encontrei algo muito interessante:

    A década de 50 foi marcada no âmbito social, político e econômico, por uma série complexa de transformações que insinuavam o perfil de um momento de uma “nova modernidade”, que forneceria um ambiente estimulante para o desenvolvimento de sugestões renovadoras nas artes.
    Não apenas a sociedade brasileira, mas todo o sistema internacional, experimentou mudanças extraordinárias . Uma nova arrancada tecnológica ocorreu no interior de um processo de remanejamento das relações internacionais que permitia a certos países tipicamente “subdesenvolvidos”, como o Brasil, alcançarem, dentro de certos limites e em determinados setores, um razoável padrão de modernização industrial.
    O governo de Juscelino Kubstchek, cujo lema era “50 anos em 5″, tinha como finalidade, com o seu “Programa de Metas”, modernizar o Brasil dotando-o de indústrias de base e de bens de consumo.
    É nesse período que a sociedade brasileira adquiria definitivamente sua feição urbana , movida pela ideologia do desenvovimento e pela associação com capitais externos, com a instalação de um novo e sofisticado parque industrial. Pela primeira vez em sua história, as massas urbanas despontavam no cenário político e a cidade transformava-se, sem possibilidade de retorno, no centro decisório da vida nacional.
    Essa configuração de um setor urbano-industrial moderno estreitava, como nunca, os laços entre o processo social interno e a dinâmica do sistema internacional. Uma área considerável da população passava a desfrutar de uma experiência social cada vez mais próxima a dos habitantes dos maiores centros urbanos internacionais. Diminuíam as distâncias e aumentava a sensibilidade para as conquistas tecnológicas que repercutiam rapidamente na configuração do imaginário urbano e na própria conformação do cotidiano das grandes cidades. Em 1950, o Brasil já tinha transmissões regulares de TV, sabia que um certo Peter Goldmark inventou o Long-play, no mesmo ano (1948) em que três americanos formularam a teoria dos transístores e construíram os primeiros exemplares; já ouvira falar em cibernética e no “cérebro eletrônico”, criado em 1946, na Universidade da Pensilvânia, tinha notícia de que a Força Aérea dos EUA havia feito o primeiro vôo a jato cruzando o país e admirava o gênio de Einstein que expandira a fantástica Teoria da Relatividade na Teoria Geral do Campo. Sete anos depois, já empolgados pela mobilização ideológica do desenvolvimento de JK, os brasileiros- que já haviam se surpreendido com a produção da primeira pílula anticoncepcional, (1952), com a exploração da primeira bomba de hidrogênio (1952), e com outras novidades incríveis como a vitamina B12 ou a invenção dos aparelhos de telefoto – ficaram sabendo que a URSS colocou em órbita um satélite artificial, uma nova lua chamada Sputnik.
    Música, literatura, artes plásticas e as próprias jovens artes do século XX, como o cinema e a fotografia, voltavam-se para o espírito da invenção e da radicalidade dos grandes movimentos de vanguarda do início do século.
    Após 1945, processou-se em alguns centros da Europa uma espécie de reavaliação e retomada de certos princípios das vanguardas que, de alguma forma, haviam-se perdido no emaranhado das duas grandes guerras. É o caso do grupo Nova Música (Neue Musik), na Alemanha, que desenvolvia um trabalho de recuperação das sugestões de Webern e Schönberg. Uma nova geração de músicos como Pierre Boulez, Luigi Nono, Bruno Madena e Stockenhausen, passava a generalizar a noção de “série”, aprofundando a experiência da música dodecafônica.
    No Brasil, em 1946, surgia o manifesto do grupo Música Viva, criado pelo regente alemão Hans Joachin Loeklreutter e integrado por jovens músicos, que atacava o conservadorismo nacionalista e retomava idéias de vanguarda, especialmente a partir de Schönberg. Da mesma forma em outras áreas, os primeiros anos do pós-guerra já sugerem a possibilidade de uma guinada no sentido da inovação. Alguns signos dessa possibilidade podem ser encontrados em fatos com a inauguração dos Museus de Arte Moderna do Rio e São Paulo (1949 e 1948), da I Bienal de Arte de São Paulo(1951) onde pela primeira vez o Brasil fazia uma exposição de arte com efetiva repercussão internacional e que trazia ao contato do público e dos artistas locais o que de mais contemporâneo se realizava no exterior, nos trabalhos de Niemeyer com Le Corbusier, e até mesmo a disposição de setores da burguesia paulista de financiar a Cia. Vera Cruz numa tentativa de implantar uma indústria cinematográfica.

    Queridos , infelizmente muito dos valores mundanos são trazidos para dentro da igreja a partir de manifestações seculares , como esta.Há uma grande diferença de reformar para introduzir práticas que não convém a sã Doutrina e que desvirtuam da Palavra.Muitos desses pensamentos da vanguarda, até hoje têm norteado a mentalidade de muitos cristãos.Isto constitui em rebeldia.Sou jovem e nem por isso tenho necessidade de buscar práticas mundanas, para ser feliz.Se nós estivéssemos, amados irmãos jovens, de fato preocupados com a vida espiritual, estaríamos orando mais , lendo mais a bíblia, investindo mais tempo na presença do Pai sem precisarmos buscar estes aparatos para preencher nossos vazios. Ele realmente ocupa todos os espaços, nos enche do seu Espírito e de sua alegria e somos preenchidos a cada dia com uma nova unção.
    No amor do Senhor.DEUS NOS ABENÇOE

  29. “Há por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação.” – I Coríntios 14:10

    Em que contexto está inserido este verso? Paulo está tratando de VOZES no sentido real da palavra, e não a qualquer som que se ouve na natureza. Isto é evidenciado pelo assunto que ele tratava neste capítulo, que era o FALAR EM LÍNGUAS, que não tem NENHUMA relação com a música. Sobre música, o melhor compêndio esta nos SALMOS, o tratado ali nos mostra com exatidão quais os princípios, as regras e as formas de adoramos ao Criador na beleza de sua santidade.

    No capitulo 96 nós encontramos informações suficientes e substanciosas para nos orientarmos quanto ao nosso proceder quanto à música e o adorar a Deus. Como já disse, hoje não é mais ADORAÇAO, mas ADORA – CÃO, canta-se para enaltecer o Diabo com rítimos criados por ele e com letras que foram ditadas também por ele e seus acessores.

    Não há muito o que comentar, é só lermos as experiências do Salmistya e as coisas tornam-se claras. Tente…

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  30. queridos irmãos é necessário vigilância em todos os aspectos.Devemos viver uma vida de santidade, pois a vinda de Jesus está muito perto.Mais um artigo para nossa meditação:

    A Influência da Música

    Ronaldo Bezerra

    “Há por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação.” – I Coríntios 14:10

    Influência, etimologicamente, significa: ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre outra. Ascendência, predomínio, poder.

    Segundo alguns pesquisadores no assunto, a música afeta o caráter e a sociedade, pois cada pessoa é capaz de trazer para dentro de si a música que acaba influenciando nos pensamentos, nas emoções, na saúde, nos movimentos do corpo, etc. Portanto, diziam eles, cabe aos compositores serem morais e construtivos e não imorais e destrutivos em suas músicas.

    A influência da música é tão grande, que ela atua constantemente sobre nós – acelerando ou retardando, regulando ou desregulando as batidas do coração, relaxando ou irritando os nervos, influindo na pressão sangüínea e no ritmo da respiração. É comprovado o seu efeito sobre as emoções e desejos do homem.

    Enfim, a música exerce um poder muito grande sobre nós, podendo ser positiva ou negativa.

    1. A Influência da Música Profana

    Como já sabemos, a música é uma arma muito poderosa. Tudo o que não entendemos quando se é falado, musicalmente entendemos melhor, podendo também influenciar no comportamento para o bem ou para o mal.

    Um exemplo bíblico de uma influência má (profana) da música, está registrada em Êxodo 32, quando então nesta ocasião foi criado um bezerro de ouro, surgindo um falso deus. Vendo o povo que Moisés tardava a descer da montanha, aglomeraram-se em torno de Arão dizendo-lhe: “Vamos, fazer um deus que anda a nossa frente!”(v. 1). Ocorreu nesse tempo uma falsa adoração.

    “…então exclamaram: Este é teu Deus, Israel, que te tirou da terra do Egito ! Vendo isto, Arão levantou um altar diante do bezerro de ouro e anunciou: Amanhã haverá festa em honra à Javé. No dia seguinte levantaram-se bem cedo, ofereceram holocaustos e trouxeram sacrifícios de comunhão. Então o povo sentou-se para comer e beber e depois levantaram-se para dançar.” (vs. 4 e 5).

    Pelo fato de terem se levantado para dançar, subentende-se que havia música. A questão a ser observada é: que tipo de música estava sendo executada? Certamente não era uma música que glorificava a Deus e influenciava positivamente as pessoas.

    “Ora, ouvindo Josué o vozerio do povo que gritava, disse a Moisés: Há um clamor de guerra no acampamento. Respondeu Moisés: Não é clamor de anúncios de vitória, nem clamor de gritos de derrota. O que ouço é ressoar de cânticos.” (vs. 17 e 18).

    Esta influência foi tão negativa que o povo chegou ao ponto de, desesperadamente, despir-se. “Moisés viu que o povo estava desenfreado (despido – versão corrigida); pois Arão lhes tinha soltado as rédeas, expondo-os às zombarias dos seus adversários.”(vs. 25).

    Nos dias atuais, essa história se repete. Em shows musicais, nas discotecas, nos carnavais, trios-elétricos, etc, a influência da música tem sido trágica ao ponto de conduzirem pessoas à depressões, tristezas, alcoolismo, drogas, sexo desenfreado, orgias, morte, etc.

    Diante destas realidades, podemos definir a música profana, como uma música imoral. Algumas de suas características são:

    nos afastam da adoração à Deus;
    não possuem princípios corretos;
    quebram os princípios da sociedade;
    levam aos fracassos, a rebeldia, as imoralidades, divórcios, adultérios, suicídios, etc;
    estimulam a justiça do próprio homem;
    levam uma adoração à Satanás.
    Um do maiores projetos do diabo é “jogar lixo” em nossa mente. Sabendo que a música é um veículo de grande influência, ele usa este artifício para atingir as pessoas. O diabo é astuto e quer nos afastar da verdadeira adoração à Deus. Somos cegos quando não enxergamos que o diabo está preparando este terreno sutil através da música, e é isso o que ele tem feito com muitas pessoas – “O deus deste século cegou o entendimento…” – II Coríntios 4:4.

    O diabo com toda sua sutileza tem feito com que muitas pessoas pequem contra Deus, perdendo assim a comunhão com Ele. “Mas a prostituição, e toda impureza ou avareza, nem ainda se nomeie entre vós, como convém aos santos; nem palavras indecentes, nem coisas tolas e sujas, pois isto não convém à vós…” – Efésios 5:3-4 – A música mundana contém estas coisas mencionadas! Lembre-se, ela contém imoralidades!

    Temos uma “convicção” contra a fornicação, a avareza, o adultério, mas será que teremos a mesma “convicção” quanto a estas músicas que apóiam estes tipos de pecados aos quais o texto se refere? Não devemos dar lugar ao diabo (Efésios 4:27) para trabalhar em nossa mente através da música.

    2. A Influência da Música Divina

    Vimos no tópico anterior, que a música profana possui uma forte influência sobre as pessoas. Neste ponto, vamos observar que a música divina exerce um poder mais forte que a profana. A inspiração vinda de Deus através da música, produz influências poderosas.

    Características da música divina:

    é uma música que nos leva à verdadeira adoração;
    possui conteúdo moral, princípios e valores corretos que nos guiam a uma vida correta e íntegra;
    nos leva e revela a presença de Deus;
    produz curas, milagres, libertação, transformação de vidas, etc.
    A Palavra de Deus nos mostra alguns exemplos do poder de influência da música ou do som cuja a inspiração está em Deus. Vejamos estes exemplos que se seguem:

    Davi expulsando um espírito mau, que fora enviado para atormentar Saul, apenas pelo toque ungido do seu instrumento – I Samuel 16:15-23.
    O tangedor, que ao tocar seu instrumento inspirado por Deus, influenciava o profeta Eliseu para profetizar, e assim, abençoar todo um povo com a palavra viva vinda dos céus – II Reis 3:15-17.
    O livramento de Deus para o povo de Israel nos dias do rei Josafá, que diante de uma grande multidão de inimigos puseram-se a cantar e louvar ao Senhor. Resultado disso: destruição completa dos inimigos – II Crônicas 20:22.
    As cadeias e grilhões que prendiam Paulo e Silas são desfeitas mediante o cântico inspirado em Deus e em suas promessas – Atos 16:25-26.
    Portanto, se há poder de influência na música profana, quanto mais na música inspirada pelo Todo Poderoso em Sua Palavra! Veja a qualidade da música divina:

    “Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. As armas (música) que usamos na nossa luta não são do mundo, porém são armas poderosas em Deus, para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos e toda a altivez que se levanta contra Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo” – II Coríntios 10:3-4. A música divina é uma arma poderosa!

    3. Reflexão

    Porque muitas vezes, hoje em dia, a música profana tem exercido um poder maior que a música divina no contexto cristão ? Muitas vezes perdemos a oportunidade de estarmos sendo ministrados e influenciados pela música divina, dando lugar a música profana.

    Porque, também, nos dias atuais não tem acontecido milagres de acordo com os quatro exemplos que acabamos de ver? Infelizmente, muitas inspirações que temos, não são buscadas em Deus, assumimos uma posição cômoda de acoplarmos inspirações que já existem no mundo, limitando assim a atuação do poder de Deus.

    Não devemos e nem necessitamos buscar inspirações e melodias da “Babilônia” (mundo)! Em Isaías 52:11, Deus nos orienta: “Meu povo, saia da Babilônia…”

    Nós músicos, não devemos estar tentando alcançar o nível musical da Babilônia. Eles são os que tem que buscar o nosso nível ! Considere o Salmo 137:3 – “pois aqueles que nos levam cativos nos pedirão canções, e os nossos opressores, que fossemos alegres, dizendo: “Entoai-nos alguns cânticos de Sião”.

    Nesta ocasião, quando o povo de Israel foi levado cativo para a Babilônia, vemos que os israelitas não estavam se “contaminando” com as músicas dos babilônios para ver o que podiam “aprender”, ao contrário, os babilônios queriam escutar as melodias de Israel porque eram famosas no mundo inteiro. A nossa música deve ser um testemunho às nações (Salmos 40:3).

    Assim deve ser ! Uma música com unção profética que transforme vidas, que se escuta nas nações, que exalta a Jesus, para que, como resultado, as pessoas venham até Ele. Esta é a música que temos tocado nestes dias?

    Hoje em dia, existe muita “impotência” na igreja especificamente na área da música. Porque esta “impotência”? Vamos responder usando quatro pontos a serem considerados:

    Faltam profetas;
    Falta conhecimento do Poder e da Palavra de Deus (Mateus 22:29);
    Falta unidade da Igreja dentro da visão de Deus;
    Por aquilo que estamos permitindo entrar em nossa vida (influência).
    4. Conclusão

    Podemos concluir observando algumas coisas:

    Amós 6:3-5
    “…que cantais a toa…”- não devemos fazer mau uso da música.
    Isaías 52:11
    A música é um dos utensílios que Deus tem nos dado. Devemos nos separar das coisas imundas e nos purificar, porque estamos responsáveis em utilizar estes utensílios (música) do Senhor.
    Tiago 3:11-12
    Existe uma fonte que flui de dentro de cada um de nós. Que tipo de fonte está fluindo em sua vida? Não podemos permitir que “fluam outros tipos de fontes” em nossa vida.
    I Coríntios 10:20-21
    II Coríntios 6:14-18
    Filipenses 4:8
    No original grego, a frase “nisso pensai” significa: “isto ocupe a sua mente por todo o tempo.”
    Colossenses 3:1-4
    “… pensai nas coisas que são do alto, não nas que são da terra …”. Não devemos perder tempo buscando coisas que não estejam relacionadas com o Reino de Deus.
    Romanos 12:2
    A palavra “conformeis”, no seu original grego, significa: “Tomar forma de”. Não devemos tomar a forma, o estilo ou a tendência que o mundo nos oferece.
    I Pedro 1:14-16
    Não devemos nos amoldar às antigas paixões quando éramos ignorantes, mas devemos ser santos (separados) em tudo o que fazemos.
    Romanos 8:1-17; I Coríntios 2:12; Gálatas 5:16-25
    Viver no Espírito, é viver em santidade não somente na conduta e nas palavras , mas também naquilo que ocupa nossos pensamentos no dia-a-dia.
    O assunto tratado com relação a música neste tema, tem produzido muita discussão entre nós cristãos. O nosso objetivo quando tratamos deste tema, não é causar maior polêmica além da que já existe, e sim esclarecer a luz da Palavra de Deus o que ela nos mostra em relação a estas coisas.

    Muitos neste momento, devem estar perguntando: Quer dizer então que não devemos ter contato com a música secular? Não podemos escutá-la?

    Para responder estas perguntas vamos refletir numa outra pergunta:

    Em verdade, queremos ser cheios do Espírito Santo? Paulo nos orienta em Efésios 5:18c, a seguinte verdade: “…mas enchei-vos do Espírito.”

    Como podemos ser cheios do Espírito Santo tendo a nossa mente ocupada com coisas que não são do Espírito ? No mesmo livro de Efésios 4:27, Paulo diz: “Não deis lugar ao diabo”, em outras palavras, não devemos dar lugar ao diabo em nosso pensamento e em nossa vida e também com aquilo que escutamos.

    Entristecemos o Espírito Santo (Efésios 4:20) quando nos contaminamos com outras “fontes” contrárias a sua vontade e o seu desejo para nós. Quando existe uma outra fonte fluindo em nossa vida, o Espírito Santo não pode fluir sua fonte através de nós.

    Necessitamos examinar e esvaziar outras fontes que estão fluindo em nós, e permitir que o Espírito Santo nos encha, fluindo sua fonte de águas vivas através de nossa vida. Não necessitamos da “água do mundo”, porque temos uma água que é viva e quando experimentarmos jamais voltaremos a sentir sede.

    Saiba que a música divina, é uma música de adoração ao único que é digno de ser adorado – Jesus. Quando experimentamos desta “água” ou “música” e vemos os seus resultados em nossas vidas, jamais nos envolveremos com um outro tipo de música que não nos levará a lugar algum.

    Mediante a tudo o que aprendemos, fica para nós a decisão da escolha da “nossa fonte”. Fonte Divina ou Fonte Profana? Sejamos sensíveis, sábios, equilibrados, prudentes e deixemos que o Espírito Santo nos ensine todas as coisas.

    Ronaldo Bezerra

  31. Qual a sua imagem?
    EXAMINANDO O INTERIOR

    “Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal”
    Eclesiastes 5:1

    Imagine-se chegando a uma igreja, encontrando um sujeito de barba por fazer, cabelos compridos, brincos no nariz, alargadores nas orelhas, calça jeans rasgada, tênis sujo furado no dedão e fumando cachimbo. Mais, pregando do púlpito. Só isto! Uma figura de outro mundo. Você pensaria: “Estou no lugar errado!” Será aqui uma igreja de verdade? Desconfiado, você pediria a alguém para beliscá-lo para ver se você não estava dormindo.

    A aparência manda e muito. A conveniência faz a ocasião, assim eu não vou à praia de calça comprida, nem de sapato social. Também não devo ir à missa com roupas de carnaval. Se quero jogar no Cruzeiro, obviamente não vou chegar lá vestindo uma camisa do Atlético. Para ser um soldado do Exército, tenho que ir vestido adequadamente e não com um uniforme da Marinha. Não se pode vender Coca Cola numa garrafa com um rótulo de Fanta. A boa aparência e os bons costumes me levam a vestir adequadamente conforme a ocasião. Desta forma, ir a igreja exige respeito na apresentação, pois o objetivo é reverenciar a Deus e não fazer turismo religioso. A razão de minha estada ali é prestar culto, e para isto devo me apresentar adequadamente e não relaxadamente como muitos hoje fazem.

    O problema é que para Deus, qualquer desculpa serve, e nesta direção a aparência e a roupa pouco importa, vale a intenção, dizem muitos Pastores. Muitos estão preocupados com a quantidade e não com a qualidade, números massageiam o ego e evidencia crescimento. O problema é que se este mesmo Pastor for a uma reunião com o Prefeito de sua cidade, obviamente que ele não irá de chinelos, nem com uma bermuda florida. O contraste está ai, para Deus bermuda serve. Para os meus interesses, terno e gravata. Falta sinceridade, mas acima de tudo, falta coragem para que nossos líderes combatam este tipo de comportamento, que permeia os meios religiosos hoje, fazendo de nossas igrejas verdadeiros clubes de lazer e entretenimento. A questão é que pequenos detalhes fazem enormes diferenças, assim com a liberação geral que tomou conta dos meios religiosos, como diz a música – “com que roupa eu vou?” – não faz a menor diferença. Se vê de tudo, de boné do clube do coração, passando por camiseta do filme, “Tropa de Elite”, o que importa mesmo é deixar a turma curtir a vida no embalo dos modelos impostos pelo mundo. Chama-me a atenção a importação desenfreada de modelos criados no mundo para dentro de nossos arraiais, e aí vale tudo: Música, Teatro, Dança, etc. O tal gênero “Gospel”, enraizou de tal forma, que hoje qualquer um, em qualquer lugar, e de qualquer denominação que se identifique com a tal linha musical, tem liberdade para usar e abusar dos cultos de nossas igrejas, tudo com a desculpa de estarem adorando. Ninguém se preocupa em informar-se sobre as origens, o importante é o sucesso e a garantia do espetáculo. Só um exemplo, a “Street Dance”, que muitas igrejas estão inclusive promovendo seminários e simpósios sobre ela, tem a sua origem nos protestos nos Estados Unidos. Os primeiros dançarinos – Breakdancers e B. Boys – protestavam contra a guerra do Vietnã através da teatralidade de cada passo, passo este que representava uma violência física ao soldado, um dano causado, ou demonstrava seus ferimentos. Ele foi entendido como falso patriotismo americano, pois os movimentos e estilos seriam derivados do Funk, desenvolvendo-se em outros estilos e modalidades, nas situações vividas por seus criadores. Define-se o “Street Dance” como uma terminologia geral, dividida em vários estilos e modalidades. Comparando-se: o Balé, como terminologia geral, seria o que agrega os estilos e modalidades chamados de Neoclássico, Repertório, Moderno, etc. Os responsáveis pela “importação” do Street Dance para o Brasil, trouxeram-no dos EUA, onde lá aprendiam a dançar em pistas de grandes casas noturnas, nos bairros de maior concentração de brasileiros. Entre os anos 70 e 80, a dança sai do meio mais abastado para o resto do País. O triunfo devolve o Break à rua, seu lugar de origem. Do interior da Bahia, onde se torna estrela, mais tarde chega a Brasília, hoje grande centro do Hip Hop nacional, e vai ainda para São Paulo e Rio de Janeiro onde alcança o auge do sucesso.

    A chamada cultura Hip Hop, caracteriza-se como um veículo de informação de questões raciais, sociais e políticas, debates que estiveram sempre presentes na história do povo que a originou nos Estados Unidos da América. As primeiras manifestações surgiram na época da grande crise econômica dos EUA, em 1929, quando os músicos e dançarinos que trabalhavam nos cabarés, ficaram desempregados e foram para as ruas fazer seus shows e protestos.

    Em 1967, o cantor James Brown lançou essa dança através do Funk. O Break, uma das vertentes do “Street Dance”, explodiu nos EUA em 1981 e se expandiu mundialmente, sendo que, no Brasil, devido à sua cultura, os dançarinos incorporaram novos elementos de dança, levando o ritmo para dentro das igrejas. Hoje, em algumas igrejas, você entra e encontra aquele monte de gente esquisita, mal vestida e com uma aparência de vida vivida na marginalidade, todos dançando e se contorcendo, o que eles classificam como adoração a Deus. É o fim da picada esta tolerância de líderes religiosos com toda esta porcaria barata, que em nada contribui para a exaltação e a celebração do culto a Deus. Se há algo ridículo, este tipo dança ultrapassa todos os limites, são esdrúxulos, mas o povo insiste em tratar tal porcaria como cultura. Acorda igreja!

    É, no mínimo, incoerente uma igreja evangélica incentivar ou aceitar tais práticas em seus templos dado apenas às suas origens. Em hipótese alguma se trata de algo oriundo de manifestações de fé ou de culto a Deus, pelo contrário, a história mostra que este estilo de dança era usado para manifestações políticas de revolta contra ações de repressão contra minorias. Precisamos ter muito cuidado com o que estamos importando para dentro de nossos templos, pois a pirataria religiosa não tem limites, muito menos escrúpulos, e com certeza, ao menor sinal de vacilo, ela vai armar suas barracas dentro de nossas igrejas, com culturas e formas de culto que fogem dos princípios estabelecidos nas Escrituras. A ideologia do modernismo e do liberalismo vai prevalecer, enquanto lhes forem dadas oportunidades e espaços em nossas igrejas. Preocupa-me as conseqüências e os estragos.

    Ceder o templo, espaço de orações e cultos, para o “hip hop”, faz parte do conjunto de ações que o inimigo intitulou de “Evangelismo Estratégico”, em que cabe até um grupo de “street dance” para animar a festa. Vale tudo na guerra por uma alma perdida. Muitos Pastores não têm dúvidas quanto a isso: “É um jeito de chamar os jovens para ouvir a Palavra de Deus sem precisar sair pelas ruas convidando alguém que realmente esteja à procura de Deus e não de divertimento. Se eu chegar assim, na rua, e ficar convidando as pessoas pra igreja, você acha que elas entram? Não entram. Mas, tem gente que passa, ouve um som legal, vê um monte de gente bacana na porta, aí entra e acaba aceitando a Palavra, conclui o defensor de tais práticas. O cidadão não aceita a Cristo como Salvador, aceita sim, as práticas de grupos, que introduzem nas igrejas recursos duvidosos nas suas formas medíocres de oferecer culto a Deus.

    A tática não é nova. Assim como as boates comuns, onde a ortodoxia é a farra, os “inferninhos de deus” têm sua raiz nos Estados Unidos. No final da década de 60, o Pastor Arthur Blessitt, da Flórida, era corroído por questões como “Is there room for Jesus Christ on the Sunset Boulevard? – ou seja, sua intenção era nada menos que plantar, no seio do pecado e da devassidão, o que o saudoso Tim Tones – personagem de Chico Anysio – chamaria de, “Oásis no deserto do Amor”.

    Depois de ser expulso várias vezes e solenemente ignorado outras tantas, Blessitt conseguiu convencer o rei das noites do rock local, Bill Gazzarri, dono de um dos clubes mais bombantes do Sunset Boulevard, a deixá-lo falar para as platéias da boate. Com isso, surgiu a idéia luminosa de criar boates para os fiéis, onde eles louvariam Cristo até o sol raiar, com direito ao “Rock Gospel” que começava a surgir nas regiões dos Estados Unidos, onde o fervor religioso era mais forte. É só ver no que deus, o País entrou em crise e hoje a religião é desprezada pela juventude Americana.
    Blessitt transformou um prédio de nove salas no endereço 8913 Sunset Boulevard, alugado a U$ 400 ao mês, na “boate evangélica” “His Place” – Seu Lugar. Lá, ex-degenerados de diferentes faixas etárias comungavam em torno de bebidas sem álcool, distribuídas em copinhos de plástico. Em 1969, quando foi despejado do clube, Blessitt fez jejum durante 28 dias até que lhe cedessem um novo espaço no “Sunset Strip”. Seja feita a vossa vontade, disseram as autoridades contrariadas.

    Vou parar meus argumentos por aqui, espero apenas que os defensores deste cristianismo de fachada procurem na história o sentido de suas práticas, que sutilmente estão sendo semeadas no seio da religião cristã. O alerta vermelho já foi acionado, o perigo ronda a estrutura do cristianismo ensinado nos Atos dos Apóstolos, e só uma reação enérgica poderá retirar do seio da religião os genéricos da fé que ameaçam destruir o que de melhor foi ensinado por Cristo nos seus ensinos.

    Fé genuína não se compra e não se vende, ela não se encontra nos armazéns da religião espalhados pelas esquinas da vida, ela é lapidada através de uma relação perfeita e harmoniosa com Deus e seus ensinos. Para isto, fomos resgatados do pecado onde o preço pago “DEVERIA” superar as ofertas de negociatas e de liquidações religiosas feitas por Satanás. Deveria sim, pois há muitas igrejas aceitando as ofertas do inimigo e rejeitando a gratuidade do sangue derramado na cruz do calvário. Optam por atender aos anseios dos olhos e não aos apelos do coração, fazendo de seus cultos verdadeiros espetáculos de religiosidade, vazios e sem qualquer conteúdo.

    “Não podeis beber o cálice e o cálice dos demônios. Não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa do inimigo”
    I Coríntios 10:21

    “Os defeitos dos outros não devem apenas nos incomodar, mas sim nos ensinar”

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  32. PIRATARIA
    O ÂMAGO DA QUESTÃO

    “A autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto se fizeres o mal, teme… Pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal” Romanos 13:4.

    As “RÁDIOS” piratas ou não, em si, não são problemas nosso, COMO EVANGÉLICOS, é sim da justiça, a quem cabe APLICAR as leis, e elas estão aí para que todos, inclusive os cretinos, opa! CRENTES, se podemos classificá-los assim cumpram-nas. A desobediência civil é CRIME, portanto, não há nada que justifique, em caso de PRODUTOS, descumpri-las. É certo que a Bíblia fala sobre desobediência, mas em contextos específicos, Pedro diz que em algumas ocasiões especiais a OBEDIÊNCIA a Deus pode requerer a DESOBEDIÊNCIA aos poderes terrestres: “Respondendo Pedro e os Apóstolos, disseram: Importa antes, obedecer a Deus que aos homens…” – Atos 5:29. O que era feito ali, era tão somente a PREGAÇÃO da Palavra, não havia prejuízo, lucro material ou algo parecido, eles buscavam ALMAS e não lucros financeiros, também não faziam propagandas de suas igrejas, pregavam exclusivamente a Cristo. Vale ressaltar que no caso deles, a vida era EXEMPLAR, não havia nada que comprometesse a conduta daqueles homens, eram pessoas ilibadas, eles não pirateavam o Evangelho como fazem hoje a maioria destas emissoras. A pobreza destas rádios é de dar dó em “galinha de pobre”, é de causar espanto até em chiqueiro…

    A palavra autoridade vem do latim “AUCTORITATE”, que significa: poder de mandar; domínio; poder; pessoa que exerce o poder; mando; poder público. As leis só existem porque falta respeito, do contrário, viveríamos sem elas, a prova disto é só olhar para o início da criação, lá no Éden o homem já infringiu as primeiras recomendações de Deus…

    Numa das fases mais negras da história de Israel duas vezes a Bíblia registra: “Naqueles dias não havia rei em Israel: cada qual fazia o que achava mais reto” – Juízes 17:6 e Juízes 21:25. Na ausência de autoridade o resultado é a falência da estrutura social. O lema da nossa bandeira é: “Ordem e Progresso”. Pois bem, sem autoridade não é possível nenhuma das duas. É preciso autoridade para manter a ordem que é essencial ao progresso. Ou será que ela não se aplica aos crentes?

    Só para ver como os crentes lidam com as leis, veja o que aconteceu aqui em nossa cidade. A coisa é mais séria do que se pode imaginar ou pensar. Na “Semana Nacional de Trânsito”, o Pastor, querendo dar o seu pitaco no que não tinha autoridade para tal, pede ao seu auditório que se manifeste: “Quem foi multado este ano?”. A igreja inteira se levantou, ele envergonhado mandou que todos se assentassem, pois ele mesmo se desculpou e afirmou que também tinha perdido uns pontinhos no seu prontuário… O corinho do ano, entoado em todas as reuniões era: “Jesus Cristo mudou meu viver…” Que mudança radical…

    Eu juro que não conheço um motoqueiro ou um motorista evangélico que respeite as leis de trânsito na íntegra, se você conhece, por favor, vamos ERGUER UMA ESTÁTUA para ele, pois é coisa rara. Perdi minha carteira há cinco anos por problemas com a visão, não dirijo mais, e só assim passei a perceber como os crentes são cretinos, opa! Infratores, é só olhar nos estacionamentos próximos às igrejas ou nas saídas dos cultos… Proibido estacionar então…

    O melhor que podemos fazer pela nossa vida é obedecer a Deus. A Bíblia diz: “Vê que hoje te pus diante de ti a vida e o bem, a morte e o mal. Se guardares o mandamento que eu hoje te ordeno de amar ao Senhor teu Deus, de andar nos seus caminhos, e de guardar os seus mandamentos, os seus estatutos e os seus preceitos, então viverás, e te multiplicarás, e o Senhor teu Deus te abençoará na terra em que estás entrando para a possuíres” – Deuteronômio 10:12 e 13.

    Deus aconselha-nos que obedeçamos às leis do nosso país. A Bíblia diz mais: “Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação” – Romanos 13:1 e 2.

    Como disse acima, em certas ocasiões a obediência a Deus pode requerir a desobediência aos poderes terrestres. Pilatos lhe disse que tinha autoridade para Jesus ou para livrá-Lo da morte. Então Jesus lhe disse: “Nenhuma autoridade terias sobre mim, se de cima não te fosse dada” – Mateus 22:37. Ou seja, Jesus sabia que acima de Pilatos, acima do Império Romano estava aquele que tem o controle total da situação, Deus. Pilatos estava no poder porque Deus, por mais contraditório que pareça, o havia colocado ali.

    O mais grave de tudo isto é que existem Pastores, Bispos, Apóstolos, Obreiros, ou melhor, MERCENÁRIOS, que defendem a “PIRATARIA SANTA”, vulgarmente conhecida como SAFADEZA ou MOLECAGEM. Incitam o crime para defender os seus interesses e venderem produtos pirateados até mesmo dentro de suas igrejas, opa! Camelódromos da fé!!!

    O nosso agir dever ser em retidão, observando o direito do próximo, viver em justiça. Jamais nos assemelharmos aos arruaceiros. Pois, para estes a justiça é como uma espada que fere. Governo municipal, estadual e federal, polícia, judiciário, etc. são instituições que existem para o nosso bem. Como cidadãos, precisamos estar atentos às muitas leis e sermos obedientes no cumprimento das mesmas para que venhamos a viver em paz.

    Há uma série de exortações curtas que resumem o comportamento do cristão em todos os círculos de relacionamentos: O amar aos irmãos, o temer a Deus, o honrar ao rei. A nós cabe obedecer a Palavra de Deus e esperar pela sua justiça, pois assim como Ele levanta reis, Ele depõe reis, assim como ele elege autoridades, Ele muda governos. A Ele, pois, toda glória por toda a eternidade.

    Pirataria é pirataria, não existe meia pirataria assim como não existe meia mentira, portanto, se uma pessoa se envolver com qualquer coisa que tipifique “PIRATARIA”, esta pessoa é CRIMINOSA sem tirar ou por uma vírgula.

    “…a nossa pátria está nos céus…” Filipenses 3:20, mas se não respeitamos as leis de nossa Pátria terrestre, como haveremos de pleitear a entrada nas Mansões Celestiais?

    Mas a minha preocupação ainda é com as mensagens PIRATEADAS DO INFERNO, elas sim, são uma ameaça velada ao cristianismo e às sua proposta de mudança de vida para o cidadão. Se a Mensagem for falsificada, abre-se as portas para se falsificar qualquer coisa, inclusive a HONRA… Não é crente, é incompetente, e ai, pela incapacidade o sujeito falsifica o que aparecer, até nota de R$ 3,00…

    Carlos Roberto Martins de Souza
    [email protected]

  33. Concordo com alguns comentários!! Agora preciso mencionar que algumas músicas não nos aproximam de Deus,pelo contrário nos afastam.Tenho dificuldade de imaginar Jesus se vivesse em nossa época no meio de alguns shows golpels pulando suado com milhares de pessoas extasiadas pelo som estridente de rock,um monte de cara com cabelão,tatuados,voz cavernosa. Desculpem mas eu acho que tudo tem limite,quer dizer que se for prá Jesus pode tudo né. Eu gosto de música sacra,tb de músicas alegres,de adoração..agora pelo amor de Deus gente,,,funk não dá…respeito quem gosta mas prá mim é lixo.
    Louvo a Deus pq na igreja que eu sou membro(Adventista) ainda se tem procurado fazer música de boa qualidade e não tem precisado baixar o nível prá agradar o povo que quer ir na igreja,mas não larga a balada. É minha opinião…Paz!!

  34. Estes rítmos de danças gospel, pois em Curitiba, em 82, no bairro da Boca Maldita e também no bairro de Itaipava, um bairro de classe média alta, a banda Jerusalém da I.E.Q, fizeram um rock Gospel e ganharam muitos drogados para Jesus, pois foi publicado pela Revista Veja.
    A Bíblia diz que somos conhecidos pelos fruots, e qual árvore boa vai dar frutos maus. Pois pelos seus frutos conhecerão, e não pelo rítmo.
    Porque infelizmente tem muitos que é só para ganahr dinheiro e só barulho. POis se for para ganhar almas para Cristo, está aprovado. Pois ja escutei musica gospel com rítmo de uma música de novela de 20 anos atrás.
    Pois eu tive um estudo sobre o neopentecoste, por isso tem que ver se vai trazer edificação espiritual. Pois vemos muitos grupos de danças na I.A.Renascer em Cristo, como Dj Alpiste, Apocalipse 16, e outros mais.
    E também, as bandas Resgate que é a maior banda de bispos do mundo. E também, a banda RM 6 que os louvores são uma benção. Pois tem evangélicos gostam do rítmo de sertanejo gospel e caipira.
    A I.P.DEus é Amor, cantam músicas da banda Toque no Altar, Damares, Cassiane, etc..
    [email protected]

  35. Queridos e amados irmãos,

    Eu sou jovem e sei que até algumas músicas ditas como sacras do hináro, cantor cristão, harpa utilizaram-se de músicas séculares, ou seja, a melodia, como é o caso do hino da Inglaterra, para servir de base a este fim.Porém eu não concordo com alguns ritmos, e , principalmente, as letras.Temos que ter cuidado com que estamos introduzindo na Igreja.Muitos têm se preocupado mais em atrair aos homens do que a Glória de Deus.Como bem colocou a irmã Missionária Delair, o que desperta sensualidade, naõ preenche o espírito deve ser descartado.

  36. eu acho que a musica evangelica foi feita para adorar a deus com respeito,e não pra ficar nos bares,temos que respeita a vontade de deus.

  37. Missionária Delair disse:

    Amados,

    Eu penso que Deus criou todas as notas musicais, todos os rítmos, todos os instrumentos musicais como címbalos altissonantes como está descrito na Bíblia.

    O “ladrão invejoso” é que tem roubado os ritmos e sons e deturpa usando pessoas que não tem temor de Deus, com letras mundanas, no sentido de imundas mesmo, para atrapalhar e enganar multidões.

    II Samuel 6:5
    5 E Davi, e toda a casa de Israel, festejavam perante o SENHOR, com toda a sorte de instrumentos de pau de faia, como também com harpas, e com saltérios, e com tamboris, e com pandeiros, e com címbalos.

    Todo instrumento musical é de Deus, todas as notas musicais são de Deus, os rítmos são de Deus!!!

    O que não é de Deus??? Danças sensuais, letras sensuais, maliciosas, provocativas, isso não é de Deus!!!!

    Salmos 150:5 [2]
    5 Louvai-o com os címbalos sonoros; louvai-o com címbalos altissonantes.

    A PAZ DO SENHOR JESUS!!!

    http://libertadordeisrael.blogspot.com
    (Blog com objetivo evangelístico)

  38. o nosso DEUS é dono de todos os ritmos , é certo que existem alguns exageros como o funk ! mas se quisermos algo “celestial” vamos ouvir Mozart , mas te garanto que até mesmo Mozart foi um revolucionário (rebelde) musical para época , enfim tudo que é novo nos assusta !

    

Sua resposta

Adicione seu comentário abaixo, ou faça trackback de seu site ou blog. Você pode também assinar esses comentários via RSS.
Seja legal. Não escreva em CAIXA ALTA. Mantenha no tópico. Limite de 3000 caracteres no comentário.

Há 455,416 comentários no Notícias Gospel.