Home » Mundo Cristão

Pastor Silas Malafaia diz que receita para um casamento feliz passa por “convivência harmoniosa, respeito e diálogo”. Leia na íntegra

Notícias Gospel em seu email

Receba Notícias Gospel em seu email gratuitamente! Insira seu email:

Gospel+ no Twitter!

ou no facebook

Pastor Silas Malafaia diz que receita para um casamento feliz passa por “convivência harmoniosa, respeito e diálogo”. Leia na íntegra

O pastor Silas Malafaia falou sobre a vida em casal, e listou os fatores necessários para que a vida conjugal seja bem-sucedida.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

De acordo com Malafaia, um casamento “precisa de uma convivência harmoniosa, respeito, diálogo” para se manter estável.

Para manter um casamento de forma harmônica, feliz e duradoura, e alcançar uma criação saudável dos filhos, Silas Malafaia diz que é “absolutamente necessário que homem e mulher desempenhem bem seus papéis conjugais”, que seriam “amar e respeitar um ao outro e cumprir suas funções como provedores, orientadores, disciplinadores dos filhos, dando-lhes apoio e servindo-lhes de exemplo”, lista o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC).

“É importante para o casal edificar um relacionamento profundo, harmônico, saudável e verdadeiro, com base na sólida e imutável Palavra de Deus. Em outras palavras, os relacionamentos saudáveis e estáveis entre um homem e uma mulher pressupõem obediência aos princípios estipulados e valorizados por Deus e excluem práticas condenadas por Ele”, resume Malafaia.

Segundo o texto do pastor, fatores que contribuem para que a relação se solidifique são a “compatibilidade conjugal, a apreciação mútua, o diálogo, o desempenho dos papéis conjugais e sociais, o sexo e, sobretudo, o amor de um pelo outro, que os ajudará a superar todas as diferenças e crises que assolam a todos nós”.

Destacando o amor como item principal na manutenção do casamento, Malafaia ressalta que “ele é a essência de Deus e a base de todos os relacionamentos saudáveis, profundos e verdadeiros”.

“Quando há amor genuíno, os cônjuges prezam um ao outro, naturalmente cedem em favor do outro, toleram e superam suas diferenças, perdoam as faltas e seguem em frente, porque entendem que melhor é serem dois do que um. E sabe qual é o resultado dessa cumplicidade para os cônjuges? Eles caminham juntos, amadurecem emocionalmente e crescem em todas as áreas; afinal, um não se acha melhor nem superior ao outro; antes, sabem que são diferentes um do outro, e usam essa diferença a seu favor. Isto quando o homem e a mulher são emocionalmente maduros para compreender que não se casaram com um espelho, que refletirá a imagem narcisista deles, nem com sua mãe ou seu pai, que continuará a adivinhar e a fazer todas as suas vontades”, contextualiza.

Leia a íntegra do artigo do pastor Silas Malafaia sobre a felicidade no casamento:

De modo geral, podemos definir o casamento como a união voluntária e estável de um homem e uma mulher, nas condições sancionadas pelo direito, de modo que se estabeleça uma família legítima; o vínculo conjugal entre um homem e uma mulher, o qual precisa de uma convivência harmoniosa, respeito, diálogo, objetivos comuns entre as partes aliançadas.

Biblicamente, o casamento é a união entre um homem e uma mulher maduros, que deixaram emocional e geograficamente os pais, para ser uma só carne e formar uma nova família, conforme a determinação de Deus em Gênesis 2.24, ratificada por Jesus em Mateus 19.5.

Mas como manter uma união duradoura, harmônica e feliz, e criar filhos saudáveis, em um mundo conturbado, violento e com valores tão deturpados como o nosso? É absolutamente necessário que homem e mulher desempenhem bem seus papéis conjugais. Eles devem amar e respeitar um ao outro e cumprir suas funções como provedores, orientadores, disciplinadores dos filhos, dando-lhes apoio e servindo-lhes de exemplo.

Em suma, é importante para o casal edificar um relacionamento profundo, harmônico, saudável e verdadeiro, com base na sólida e imutável Palavra de Deus. Em outras palavras, os relacionamentos saudáveis e estáveis entre um homem e uma mulher pressupõem obediência aos princípios estipulados e valorizados por Deus e excluem práticas condenadas por Ele.

Existem alguns fatores que contribuem para a formação do vínculo e sua manutenção: a compatibilidade conjugal, a apreciação mútua, o diálogo, o desempenho dos papéis conjugais e sociais, o sexo e, sobretudo, o amor de um pelo outro, que os ajudará a superar todas as diferenças e crises que assolam a todos nós.

Por que destaco o amor? Porque ele é a essência de Deus e a base de todos os relacionamentos saudáveis, profundos e verdadeiros, daí João ter afirmado que quem ama nasceu de Deus e o conhece (1 João 4.7), e Paulo asseverar que quem ama cumpriu a lei (Romanos 13.8).

Quando falamos de amor, não estamos referindo-nos meramente a um sentimento de bem-estar e bem-querer ao outro em relação ao qual temos empatia e simpatia, e sim a algo profundo, enraizado em Deus e eterno como Ele. Estamos referindo-nos ao amor ágape, descrito em 1 Coríntios 13.4-7; um amor que nos faz ser benignos, misericordiosos, verdadeiros, e não invejosos, murmuradores, facciosos, injustos; um amor que nos permite tratar o outro com carinho, consideração, respeito, longanimidade, e não com leviandade, soberba, indecência, egoísmo, irritação; um amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

É precisamente esse amor divino, somado ao amor eros, o amor conjugal, que mantém um casamento saudável, harmônico e feliz. Só o amor ágape nos faz ser altruístas, tolerantes e abnegados; buscar não o nosso interesse, mas o interesse e o bem-estar do outro; ter paz, equilíbrio e vencer as crises.

Quem se casa sem amor, por qualquer outro interesse isolado — dinheiro, status social, atração física, vontade de livrar-se de pais violentos e/ou castradores — dificilmente será feliz, pois sem amor não há união/comunhão profunda e duradoura, tampouco felicidade.

Quando há amor genuíno, os cônjuges prezam um ao outro, naturalmente cedem em favor do outro, toleram e superam suas diferenças, perdoam as faltas e seguem em frente, porque entendem que melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque, se um cair, o outro levanta o seu companheiro [...]; se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?

E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão…

(Eclesiastes 4.9-12).

E sabe qual é o resultado dessa cumplicidade para os cônjuges?

Eles caminham juntos, amadurecem emocionalmente e crescem em todas as áreas; afinal, um não se acha melhor nem superior ao outro; antes, sabem que são diferentes um do outro, e usam essa diferença a seu favor. Isto quando o homem e a mulher são emocionalmente maduros para compreender que não se casaram com um espelho, que refletirá a imagem narcisista deles, nem com sua mãe ou seu pai, que continuará a adivinhar e a fazer todas as suas vontades.

Quem deseja um casamento sólido, duradouro e feliz, cultive e demonstre o amor não apenas com palavras, mas com atitudes que atestem a veracidade do seu sentimento e compromisso.

Sugestões de leitura:

Bíblia Sagrada: 1 Coríntios 13; Efésios 5.22-33; 1 Pedro 3.1-7

Livros: 12 Motivos que Levam o Casamento ao Fracasso e Vínculos do Amor, de Silas Malafaia.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+



PS.: Comentários via Google+ estão logo abaixo desabilitados no momento.


Comentários via Facebook

9 comentaram, comente você também!

  1. Como um cara com esse horrendo temperamento e arrogância escreve um livro intitulado: “Vínculos do amor”. Santa heresia gospel evangegue e idiota Batman! E não faltam burros pra comprar todo esse lixo!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Fácil seguir a Bíblia! Livro simples com estórias muito interessantes sobretudo por seu Deus (onisciente e onipotente) que foi responsabilizado pela morte de 2.370.000 (sem contar a galerinha morta no dilúvio, se é que existiu!). Realmente é um Deus amoroso e misericordioso, mas se você não o aceitar, já sabe…. (tem um inferno que é de lascar!). Quem manda no inferno e é o todo poderoso por lá é o Diabo. Coitado! Não pode ser acusado de nenhuma morte na biblinha! (a não ser os dez filhos de Jó, conforme uma ou outra “vertente teológicazinha”). Dai concluímos que lendo a Bíblia, seguramente teremos “princípios morais” para vivermos e JULGARMOS qualquer pessoa que não concorde com ela!

  3. Casamente é furada, só louco pra cair nessa aberração.

    O importante é ser feliz e relacionar com quem e quantas pessoas você quiser.

    Pior que o casamento são os pirralhinhos (filhos) que enchem o saco a vida toda.

  4. Malafaia fica falando coisas óbvias, e se acha o tal.

  5. o motivo de muitos frustarem no casamento ou essa ´´uniao amasiada´´ é que antes de conhecerem-se nao são racionnais..agem pela emoçao,e findam fazendo besteiras… quando sao jovemzinhos acham que amam..o amor é serio e inexplicavel…e muitas vezes abdicar do que gostava antes…porque fara o seu companheiro (a) chorar e ferir-se na alma.. e o pior..geram filhos e saem por ai sem destino,despreparados para vida..sem a minima maturidade ,em saber discernir o melhor ou pior..é por isso que os jovens estao da forma que estao..vem de pais cheios de conflitos,inseguros,o pai sendo homem transmite uma cultura patriarcal,de dominio sobre as mulheres..achando que pode trair e ter varias,e as mulheres rebelam-se,contra esse sistema,e abandonam o papel de mae – amiga- que – escuta – filho(a)..muitas vezes trair é perdoar o outro ,e ver o outro como ser humano que chora e sofre tambem,como si mesmo!

  6. Isso SIM é casamento, homem e mulher, o resto é VIADAGEM…

    

Sua resposta

Adicione seu comentário abaixo, ou faça trackback de seu site ou blog. Você pode também assinar esses comentários via RSS.
Seja legal. Não escreva em CAIXA ALTA. Mantenha no tópico. Limite de 3000 caracteres no comentário.

Há 455,034 comentários no Notícias Gospel.