Assalto a igreja durante culto termina com fiéis feridos e criminoso morto após troca de tiros

4

Um assalto a uma igreja evangélica na cidade de Sumaré, interior de São Paulo, durante um culto, terminou com a morte do criminoso na porta do templo.

O rapaz invadiu a igreja durante o culto dominical e anunciou o assalto. Ao pedir dinheiro e objetos, ele ameaçou os fiéis e chegou a agredir uma fiel com uma coronhada. O filho da vítima, inconformado, partiu para cima do assaltante e terminou sendo alvejado na barriga.

No total, haviam 30 fiéis no templo e o assalto levou cerca de 30 minutos, período em que o rapaz reiterava as ameaças exigindo mais dinheiro. As testemunhas afirmaram à reportagem da EPTV que ele portava uma pistola 765.

O marido da fiel que foi agredida com uma coronhada, o pedreiro Luiz Roberto Augusto, conseguiu correr até a calçada e pedir socorro para uma viatura da Polícia Militar que passava pelo local no momento.


Os policiais foram ao templo e deram voz de prisão ao assaltante, que reagiu e atirou contra os PMs. Na troca de tiros, o criminoso foi atingido duas vezes no abdômen e morreu no local. Com o assaltante, os policiais encontraram três celulares, três relógios e R$ 140,00.

Augusto lamentou o ocorrido: “Ele já chegou armado, puxou a arma, e falou ‘fica calmo que é um assalto’. Ele ficava aterrorizando o pessoal, ameaçando todo mundo, as crianças chorando […] O sentimento que fica é que nós estamos fracos de segurança”, afirmou.

O sentimento também foi compartilhado pelo fiel Giovandro Aquino, em entrevista ao telejornal Bom Dia Cidade: “Todo mundo reunido, adorando a Deus, e de repente, uma pessoa entrar… Fica uma sensação de insegurança”, disse.

O rapaz que foi baleado no assalto, filho do pedreiro Augusto, foi socorrido ao Hospital Estadual de Sumaré e submetido a uma cirurgia. Ele segue internado, em observação médica, se recuperando do ferimento.

4 COMENTÁRIOS

  1. Fiel processa pastor em 1 mi de dólares por sermões ruins
    Presbítero acusa pastor interino de dar prejuízo à igreja.
    Um presbítero da histórica Church of Covenant, em Nova York, abriu um processo contra o pastor pedindo o valor de um milhão de dólares. Entre as acusações, reclama que o líder não cumpriu suas obrigações e seus sermões ofenderam os membros da igreja de tão ruins.
    Além disso, Gregory Reid, que também é tesoureiro da igreja presbiteriana de 165 anos, reclama que o pastor removeu do templo uma placa que dizia “Deus é Amor”. Reid, que é advogado, decidiu processar o pastor Cornell Edmonds, depois de tentar (sem sucesso) afastá-lo da liderança da igreja.
    O processo corre na Suprema Corte de Manhattan. Como Edmonds também é advogado, fará sua própria defesa. Ele limitou-se a responder: “Eu não tenho absolutamente nada a esconder. Não há nada nefasto”.
    O pastor Edmonds, 58 anos, serve como interino desde janeiro deste ano. Ele substituiu uma série de pastores temporários que serviram a igreja durante os últimos 10 anos.
    O processo movido por Reid alega que o pastor “raramente fez visitas pastorais para membros idosos, doentes e prestes a morrer”. Também reclama de sermões que nada falam sobre a Bíblia, resumindo-se a uma série de “histórias sobre os criminosos e assassinos a quem ele defendeu no tribunal”.
    Além das questões de fé, existe um imbróglio financeiro, uma vez que a companhia de ópera New York Opera Exchange decidiu não alugar mais o templo para ensaios. Com isso, o caixa da igreja acumula um déficit de 70 mil dólares este ano.
    MT Agora

    • Denúncia anónima obriga diocese de Coimbra a publicar comunicado, apelando a que vítimas denunciem padre.

      O caso só se tornou público depois de a diocese de Coimbra ter publicado no seu site, na madrugada de ontem, um comunicado enigmático. Assinado pelo vigário–geral, o documento começa por contar que surgiu “em alguns meios a suspeita da prática de abusos sobre menores por um membro do clero” e apela a que quem tenha “informações sobre situações concretas” entre em contacto com a diocese. “Se as suspeitas se revelarem fundadas, a diocese estará disponível para oferecer aos menores e às famílias toda a proximidade”, acrescenta o texto.

      Relacionados
      O blogue. “Corrupção na Igreja”
      Ao que o i apurou, na origem do comunicado esteve um email anónimo enviado anteontem para uma mailing-list com endereços de padres de todo o país, divulgando um link para o blogue Notícias Região Centro. A página, criada no dia 6 deste mês, é assinada por um “António” e tem um único post publicado. Em “Corrupção na Igreja”, o autor publica fotografias e nomes de vários padres, acusando-os de pertencerem a um “lóbi gay”. Desse grupo “fechado e de fins não totalmente claros”, fará parte um padre com grandes responsabilidades na diocese de Coimbra e que, no ano passado, terá abusado de um rapaz natural da Lousã, a que o autor do blogue chama “João”. Os “abusos”, lê-se no post, terão ocorrido quando o jovem ainda era menor de idade e terão consistido em “palavras e gestos obscenos de cariz sexual”.

      O jovem, garante o texto, ter–se-á queixado “a outros padres e até a professores universitários do Instituto Miguel Torga em Coimbra, onde actualmente estuda”. O assunto estará a ser comentado em Coimbra “em voz baixa”.
      Foi no seguimento do email que o bispo de Coimbra ordenou a publicação do comunicado na página da diocese. O padre Pedro Miranda, vigário-geral, explica que, devido à “dimensão que o caso tomou em muito pouco tempo”, a diocese decidiu “mostrar-se colaborante ao apuramento da denúncia, não a colocando debaixo do tapete” e seguindo as linhas orientadoras “de Bento XVI e do Papa Francisco”.

      Entretanto a Polícia Judiciária (PJ) soube do comunicado e abriu um inquérito para apurar a existência dos supostos abusos de que fala o blogue. Fonte oficial admite, no entanto, que ainda “não foi apresentada qualquer queixa” às autoridades civis.

      o “lóbi gay” Além de denunciar os supostos abusos ao rapaz da Lourinhã, “António” conta como existirá um lóbi gay que integra padres de várias dioceses da Região Centro, liderado por um cónego que esteve ligado ao Santuário de Fátima e vive num apartamento em Abrantes – espaço onde organiza “encontros secretos”. Os padres que integram o grupo, conta o blogue, “fazem constantes propostas de cariz sexual, quer pessoalmente, quer por telefone ou via internet, bem como ameaças a menores que vivem com eles no Seminário e que estão sob a sua responsabilidade e a outros que acompanham na formação”. Além disso, “gozam de um elevado status nas suas dioceses, agindo como um grupo de influências e interesses na Igreja portuguesa” e têm “grande força juntos dos bispos, que não conseguem fazer-lhes frente e aparentemente permanecem inactivos em relação a estes casos, abafando-os”.

      polémica na igreja Por se tratar de um blogue anónimo, o comunicado está a dividir a Igreja. Alguns padres e bispos com que o i conversou consideram a medida da diocese de Coimbra “precipitada”, sobretudo porque o bispo não ouviu o padre visado na denúncia. Outros aplaudem a “transparência” e sublinham que o tratamento dado ao caso é “absolutamente pioneiro” na Igreja portuguesa, inserindo-se nas linhas orientadoras do Papa Francisco sobre os procedimentos a adoptar em relação aos casos de abusos.

      No mês passado, Francisco criou uma secção dentro da Congregação para a Doutrina da Fé para julgar os bispos que encubram casos de pedofilia. Até agora só o Papa tinha poderes para julgar bispos. E, apesar de ainda não terem sido redigidos os procedimentos que devem ser seguidos pela nova secção e as penas a aplicar, a medida já teve consequências: um bispo do México foi destituído recentemente por não ter dado seguimento a denúncias.

      e agora? Quando uma denúncia anónima chega a uma diocese, é averiguada a sua credibilidade. Caso pareça verosímil, o bispo deve procurar apurar os factos relatados e comunicá-los às autoridades civis. À luz do direito canónico, são punidos todos os actos sexuais com menores de 18 anos. Já a lei civil portuguesa prevê três tipos de crimes diferentes: abuso sexual de crianças, que abrange menores até aos 14 anos; acto sexual com adolescentes, que engloba menores entre os 14 e os 16 anos; e abuso sexual de menores dependentes, quando os abusos envolvem menores com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos e caso haja uma relação de dependência (educadores).

      Caso a denúncia do blogue se venha a confirmar, o padre visado enfrentará um processo canónico – que, no limite, pode determinar o seu afastamento do sacerdócio. Ao mesmo tempo, enfrentará os tribunais civis, arriscando-se a uma pena de prisão que pode ir até um ano, uma vez que o rapaz em causa teria 17 anos à data dos abusos. Já se a denúncia for falsa, será investigada a autoria do blogue e todos os padres visados poderão apresentar queixa por difamação. Ontem o padre envolvido na história dos abusos não quis falar sobre o caso, mas o i sabe que está a ponderar avançar com um processo por difamação contra o autor do blogue.

    • “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.” (Mateus 12:30)

      Péssimos exemplos sempre existiram, tanto no meio evangélico, quanto no meio católico como em qualquer outro meio. Sempre vai existir gente disposta à fazer o mal em qualquer lugar, até mesmo dentro de uma casa de oração.

      Como eu ainda não vi um comentário seu em que disse às pessoas que elas devem entregar a vida a Jesus, ou que Jesus é o único caminho de salvação, ou que elas devem procurar levar uma vida digna na presença de Deus, ou ainda terem uma vida de oração, vigilância, santificação e de frequente leitura da Palavra de Deus, eu te dou uma dica de amigo, começa a fazer isso.

      Começa a pregar o Evangelho de Cristo, começa a dizer as pessoas que Cristo está vivo e que Ele tem o poder de transformar.

      O mundo já está cheio de “coveiros” e “sepultadores”, gente que só sabe encontrar defeitos nos outros (me desculpe por ter apontado o seu, mas é por um bom motivo), mas eu vejo que você também tem potencial para fazer o que é certo, a vontade de Deus, bastando para isso se arrepender verdadeiramente pelos próprios pecados, crer na Bíblia Sagrada e ter recebido o Senhor Jesus Cristo como Senhor e Salvador exclusivo de sua vida.

      Que tal se no lugar de enterrarmos os mortos, nós levássemos a eles uma Palavra de vida, Palavra que ressuscita, liberta e tranforma vidas, em nome do Senhor Jesus?

      “Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus.” (Lucas 9:60)

      Pense nisso.

DEIXE UMA RESPOSTA