Após breve internação, evangelista Billy Graham se recupera e recebe alta médica

9

A internação do evangelista Billy Graham, 95 anos de idade, por problemas respiratórios durou apenas dois dias, e ele já está em casa novamente.

No dia 19 de novembro, Graham foi levado ao hospital, e no dia seguinte, um porta-voz da família informou que o pastor e evangelista havia sido medicado e mantido sob cuidados médicos.

O filho de Billy, Franklin, chegou a comentar que, mesmo em idade avançada, seu pai há anos não apresentava problemas graves de saúde, além dos comuns à sua faixa-etária, como déficit auditivo e visual.

Em agosto deste ano, Billy Graham chegou a ser internado por problemas respiratórios, mas sua estadia no hospital também foi breve.


O relatório médico do Mission Hospital indica que a recuperação foi completa: “Mr. Graham estava alerta e de bom humor durante sua estada. Estamos satisfeitos com os resultados da avaliação do Sr. Graham”, assinou o médico responsável pelo tratamento, doutor William R. Hathaway, diretor do hospital.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+


9 COMENTÁRIOS

  1. Ver Deus hoje na vida de um homem é muito raro, mas vemos o amor do Pai pelo seu filho Billy Grant, Deus seja louvado por sua vida.
    Deus honra os seus escolhidos !

  2. Homem de Deus,”genuíno” o admiro muito,ele tem um legado aqui nesta terra!! e quando partir vai deixar muitas saudades de milhares de pessoas que aprenderam com ele e que foram salvas pra cristo Jesus através de seus sermões. Engrandecido seja o Deus todo poderosom,Deus de Billy e meu também.

  3. Li o post “Dúvidas sobre a Fogueira Santa” e acho que tem algo que precisa ser explicado para que as pessoas consigam pegar o espírito da Fogueira Santa. Muita gente nunca percebeu que a palavra “sacrifício” tem mais de um significado. O sentido mais usado pelo mundo para essa palavra é “sofrimento”. A gente fala “sacrifício” e as pessoas logo pensam em sofrimento extremo, quase como uma penitência. Mas a palavra “sacrifício” na Universal é usada no sentido mais esquecido do dicionário: renúncia.

    No dicionário Michaelis esse significado aparece assim: “Renúncia voluntária a um bem ou a um direito”. É esse o nosso sacrifício. Não é dar alguma coisa para ficar sofrendo, se torturando, na esperança de que o sofrimento alcance alguma coisa, mas renunciar voluntariamente a algo que Deus pediu, sabendo que aquela renúncia trará o resultado que Ele prometeu. A renúncia é algo pensado, é uma atitude do espírito. Já o sofrimento, é da alma, do coração e, às vezes, do corpo.

    Eu entendo a confusão. A cultura católica glorifica o sofrimento. Tanto é que o catolicismo dá um foco muito grande à dor física de Jesus na cruz, como se isso, por si só, fosse o sacrifício. Sendo que a maior dor dele foi ter renunciado voluntariamente à sua conexão com o Pai (principalmente), à sua paz de espírito e pureza (pois carregou os nossos pecados) e ao seu direito de viver, para que tivéssemos vida. Seu sacrifício foi espiritual, foi de renúncia. O sacrifício físico, da morte, apenas simbolizava o sacrifício espiritual, que nos livrou da morte eterna.

    A cultura católica acha que quem sofre é santo. Mas o santo mesmo é o que renuncia. O que abre mão de suas vontades, o que renuncia ao direito de revidar, de responder, o que renuncia à desordem, o que renuncia ao seu direito animal de viver de acordo com seus instintos e impulsos, o que renuncia ao direito de pertencer a si mesmo, o que renuncia à indisciplina, o que renuncia à sua própria vida, o que abre mão de um bem ao qual é apegado, o que renuncia ao direito de ter no dinheiro a sua segurança… O que se entrega, renuncia.

    Esse é o sacrifício que se faz no mundo, sem saber. O estudante que renuncia ao seu direito de dormir para estudar, aquele que renuncia às baladas para ter um namoro firme, o que renuncia aos doces para manter a saúde, o que renuncia ao sedentarismo para se exercitar, o que renuncia ao direito de gastar consigo mesmo para investir em alguma coisa, o que renuncia à preguiça para ler um livro…

    E quando o pastor diz que o sacrifício tem que doer, é verdade, mas essa dor não é católica, não é física. Porque a renúncia dói mais do que a dor física ou do que o mero sofrimento. É a dor da alma sendo disciplinada pelo espírito. É a dor que nos faz mais fortes, pois nos faz dependentes de Deus. E entendo que é esse o critério que Ele usa ao nos pedir o sacrifício. E aí (ao ver o sacrifício como renúncia, e não como sofrimento) começamos a entender quando o pastor diz que Deus nos pede para nos dar mais. Ele pede o que estava atrapalhando (e, às vezes, a gente nem notava) e, ao renunciar, nos vemos livres para coisas maiores, pois saímos da zona de conforto que nos acomodava. Rompemos nossos limites, fazemos o que jamais teríamos feito por conta própria, às vezes sem nem entender por que Deus pediu aquilo, mas confiamos que Ele sabe o que faz e, nessa confiança, fazemos o nosso sacrifício. Cremos, por isso, entregamos.

    Esse é o espírito da Fogueira Santa.
    Em todas as IURDs hehe.

  4. Eliezer,teus pais podem até ter bom gosto em colocar em ti um nome bíblico mas tu preferistes optar em servir ao Diabo,pois,teu comentário é digno de um fantoche de Satanás cuja inutilidade envergonha teus pais.

  5. “Super Heroes like Superman and the Incredible Hulk When pondering the results of great superhero battles like those between Superman and the thunder god Thor and Superman vs Hulk, the question arises as to what attributes a superhero has that endears him or her to fans? Following is a list of general attributes of the mighty mortalimmortal, who lends his hand to help the weak and protect them from otherwise insurmountable threats. They are strong, intelligent, defend the weak and the oppressed, fighting injustice and always save someone’s day. Over the decades, the superheroes have gained new powers, modifying old skills, participated in different adventures and gaining more fans. Although they are recurring themes of films, most known superheroes like Superman, Batman, Wonder Woman and SpiderMan born of comics. The first supernaturally strong character to appear in comics was Hercules Hugo, in 1920. He was just an ordinary man with an extraordinary force that helped the people of his city. The first record of a superhero costume is one year later, the Scarlet Pimpernel. In a plot no children, he rescued people destined to the guillotine during the Terror of the French Revolution. Despite being the forerunner in the history of heroes with secret identities and disguises, Scarlet Pimpernel, like Zorro created in 1919 and the Phantom, 1939, had no superpowers. The major milestone in the world of superheroes and the first to use this title was Superman, the Man of Steel, created in 1938. From it, many others have emerged following the same genre. In addition to the uniforms, secret identities and superhuman ability, the new defenders created live adventures in scenarios much like the reality of their times. Scenarios are urban and contemporary, with villains of crime and corruption. In this struggle for justice, Superman, Spiderman created in 1952 and The Incredible Hulk 1962 have superhuman abilities. Batman 1939 and Iron Man 1963, however, have become heroes adding their life experiences, specific training and better technology. Founded in 1941 by psychologist Willianm Mouton Marston, Wonder Woman was the first superhero in the world of comics and an important symbol in the struggle of the feminist movement. For its creator, it was the psychological propaganda for the new woman who should rule the world. It showed that women had the ability not only to be as good as men, but they are even better than them. Another superhero has emerged with an important mission was Captain America. Created during World War II, his goal was to stimulate patriotism among the population. The hero, in fact, was a young man who made no effort to help the United States win the war. After participating in an experiment, becomes a super soldier. After the conflict, the character lost his great success, being revived in 1964 as group participant Avengers. There are plenty of supervillains around, which necessitates the presence of so many superheroes. Sometimes, the best of these fight in superhero battles , to help sift through an hierarchy of them; usually, Superman and the Incredible Hulk come out on top. It’s only fitting, then, that these two titans should do battle to determine the mightiest. “

DEIXE UMA RESPOSTA