Famílias de evangélicos são perseguidas por católicos no México e têm suas casas incendiadas

61

Mais um grupo de famílias se tornou alvo de perseguição religiosa no México. Dez mulheres e 14 crianças, além de nove homens, foram expulsos do vilarejo de Leyva Velásquez, na cidade de Las Margaritas.

A perseguição religiosa no interior do país é perpetrada por católicos fundamentalistas. Nesse incidente recente, as casas das famílias expulsas foram queimadas.

Não bastasse essa tragédia, as famílias voltaram a ser afligidas na última terça-feira, quando a população os expulsou do auditório municipal, onde haviam sido alojados temporariamente pelas autoridades.

A fúria dos católicos se deu pela recusa das famílias em abandonar a fé evangélica e se converter à tradição romana, segundo informações do site Zocalo.

O porta-voz para a Coordenação de Organizações Cristãs, Luis Herrera, disse que desde o ano passado um grande número de evangélicos passaram a ser assediados por líderes comunitários do vilarejo Leyva Velázquez.

Ele observou que o problema surgiu nos subúrbios vizinhos da Flórida, onde um membro da Igreja estava envolvido em um assassinato pelo qual foi preso e condenado pela autoridade competente. Isso fez com que os líderes do vilarejo exigissem o abandono à denominação evangélica. Diante da recusa, eles passaram a ameaçá-los de expulsão.

Quando concretizaram a ameaça, os aldeões católicos se armaram e forçaram a fuga dos evangélicos para as montanhas, temendo por suas vidas. Quando as coisas se acalmaram, os homens, mulheres e crianças caminharam por longas horas, sob frio intenso, sede e fome, até a sede da Câmara Municipal, onde pediram ajuda às autoridades.

A situação desses evangélicos permanece indefinida, vivendo em um novo abrigo temporário e ainda sob ameaça dos extremistas católicos. Ore pelos irmãos da Igreja Perseguida no México.

61 COMENTÁRIOS

    • Inquisição protestante

      Na Inquisição, assim como os católicos, os protestantes também perseguiram os fiéis – com direito torturas, execuções e espionagem da ‘polícia da fé’
      Angelo Adriano Faria de Assis

      27/10/2011 Tamanho da letra:
      Aumentar
      Diminuir
      Comentar essa matéria Versão para impressão Envie essa matéria para um amigo
      A Inquisição não foi o único caso de intolerância movida em nome de Deus na Época Moderna. Embora não houvesse a institucionalização de tribunais similares aos do Santo Ofício, também foram usadas estratégias de controle da fé nos locais em que o protestantismo era dominante, levando à perseguição por crimes como adultério, discordância dos dogmas protestantes e bruxaria.

      Na Alemanha, o líder protestante Martinho Lutero (1483-1546) exigiu perseguições aos anabatistas, grupo cristão mais radical da Reforma, porque, entre outras questões, eles não aceitavam as regras da Igreja Evangélica e divergiam sobre o batismo. A decisão causou a expulsão, o encarceramento, a tortura e a execução de milhares de pessoas. Lutero também divulgou textos com críticas aos judeus – embora sem maiores repercussões na época, estes escritos acabariam utilizados pela Alemanha nazista, em pleno século XX.

      Polícia da fé

      O teólogo e reformador João Calvino, o ‘papa de Genebra’, promoveu até espionagens e visitas às residências para vigiar a fé dos fieis. Imagem: Wikimedia Commons
      O teólogo e reformador João Calvino, o ‘papa de Genebra’, promoveu até espionagens e visitas às residências para vigiar a fé dos fieis. Imagem: Wikimedia Commons

      Em Genebra, um dos berços da Reforma Protestante e onde ela se mostrou bastante radical, funcionou uma verdadeira “polícia da fé”. João Calvino (1509-1564), devido à sua autoridade sobre os protestantes suíços, era conhecido como o “papa de Genebra”. Ao organizar a Igreja Presbiteriana, instaurou comissões compostas de religiosos e leigos: a Venerável Companhia, responsável pelo magistério, e o Consistério, que zelava pela disciplina religiosa. Para isso, promovia confissões, denúncias, espionagens e visitas às residências, levando muitos à prisão, à tortura, ao julgamento e, em alguns casos, à morte.

      A população era proibida de cultivar certos hábitos, como jogar, dançar e representar. Alguns pensadores foram perseguidos, como o médico e humanista espanhol Miguel Servet Griza. Ele foi preso, condenado e queimado em efígie – representado por um boneco. Fugiu em direção à Itália, mas acabou preso em Genebra, onde foi processado pelo Conselho presidido por Calvino e queimado por causa de proposições vistas como antibíblicas e heréticas, entre outras culpas.

      Na Inglaterra, uma verdadeira caça às bruxas levou à morte centenas de mulheres acusadas de feitiçaria. A experiência persecutória inglesa foi ainda “exportada” para as colônias na América do Norte, como no famoso episódio das “bruxas de Salem”, ocorrido em Massachusetts, em fins do século XVII, em que várias adolescentes foram mortas, acusadas de promover reuniões em torno de uma fogueira nas quais, supostamente, invocavam espíritos.

      Sem dúvida, não são poucos os exemplos de intolerância religiosa nos variados espaços que vivenciaram a Reforma Protestante, mas nada que representasse o equivalente dos estruturados tribunais inquisitoriais católicos.

      Angelo Adriano Faria de Assis é professor da Universidade Federal de Viçosa e co-organizador de Religiões e religiosidades

      • Janete,

        Seria bom que você ressuscitasse os católicos e os insurgentes dela, no caso os protestantes católicos, para que se confessem dizendo cada um seus pecados de morte contra a humanidade.

        Tua igreja errou ao criar a inquisição, bem como erram os católicos insurgentes e insatisfeitos com ela, tanto que usaram a mesma arma mortal que tua igreja passou 300 anos usando, desde 1200.

        Eta povinho pra gostar de torturar, os que são de lá torturam, e os que a abandonam, também tortura.

        Não ponha conta dos evangélicos,pois antes de Lutero já pensavam o que pensam da tua igreja, afinal seguidores do cristianismo, não do catolicismo.

        • Levi, boa tarde, afinal quem é que está perseguindo e apedrejando os umbandistas lá na “cidade maravilhosa”? Quem ao invés de ficar pregando a palavra de Deus fica fazendo ofensas aos adeptos de outras religiões em programas de rádio e televisão?

          É claro que são os evangélicos (fanáticos) porque os verdadeiros evangélicos (coisa cada vez mais rara de se encontrar) não fazem isso, assim como não são os verdadeiros católicos que fazem isso, isso é coisa de fanáticos, além do mais vc vem relatar algo que ocorreu há muito tempo atrás e que a igreja já reconheceu o erro e já pediu desculpas por isso, agora não vejo nenhum evangélico pedir desculpas pelos seu erros, deixe de ser preconceituoso em suas palavras.

      • Quando se fala em Inquisição só vem à mente das pessoas a igreja católica. Lutero e os demais líderes protestantea também tiveram suas próprias inquisições, mas hoje os evangélicos posam de santinhos. Não tem a ver com o tema, mas os membros da Ku Klux Klan, que perseguem e matam os negros, são cristãos evangélicos.

        • Cláudio,

          Quem posa de santinhos são os católicos.

          Não apenas a igreja católica, mas os seus insurgentes também usaram da mesma moeda do mal.

          Se tivesse sido os cátaros ou outro seguimento evangélico, como os da família do papa francisco, os valdenses, que tivessem constituído uma também inquisição de terror, ficaria calado.

          Nenhum evangélico se meteu nisso, pois em verdade foi criada em 1200 por Dominique para acabar com os evangélicos.

          Vá plantar coquinho você e Emanuelle que o parabenizou por contar uma calúnia.

          • Outra coisa. Quanto aos movimentos do sul dos EUA, eis que se formou em face da maldade do norte pós a guerra.

            É que o norte impôs aos brancos do sul a perca do direito à propriedade e de outros bens.

            Em estando marginalizados, não que eu apoie uma coisa ou outra, aí os brancos passaram a agir de forma indecente para com os negros.

            Já o Brasil, eis que sem guerra alguma empurramos o negro pros morros, periferia, quilombos, dando emprego aos italianos, japoneses, alemães, polacos. E até hoje come no meio da canela a discriminação, tudo de forma e modo disfarçados, fingidos, escamoteados, fazendo com que desinformados fiquem a contar goga ,

        • Cláudio, você nada mais é do que um grande babaca que não sabe o que fala e que pelo que percebo nos seus comentários, você é o tipinho de gente que adora ficar colocando lenha na fogueira. Lave sua boca e limpe a ponta dos seus dedos antes de falar ou mesmo de teclar blasfêmias contra o povo escolhido do senhor Jesus. Num futuro muito breve você se arrependerá do seu comportamento, pena que para você será tarde seu filho do fogo.

  1. infelizmente catolicos perseguem, evangelicos perseguem, muculmanos perseguem…
    afinal, lembremos da inquisicao, da KKK e do ISIS.
    toda religiao que se diz exclusivista acaba por tratar outras crencas como inimigas.
    maniqueismo eh sempre sinal de ignorancia.

    • Mal informado Lucianta,
      O Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
      “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
      Tudo começou quando Lutero escreveu um diabólico panfleto chamado: “CONTRA OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itismo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os judeus:
      “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
      ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
      E ainda:
      “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os judeus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos judeus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
      O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Pág. 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas judaicas e das sinagogas, proibição de transitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espumejante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito desvairado de Adolf Hitler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

      Comenta nessa linha, o renomado historiador Michael H. Hart: “Embora se rebelasse contra a autoridade religiosa, poderia ser extremamente intolerante com quem dele discordasse em assuntos religiosos. Possivelmente foi devido em parte à sua intolerância o fato de as guerras religiosas terem sido mais ferozes e sangrentas na Alemanha do que, digamos, na Inglaterra. Além disso Lutero era feroz anti#Ssem#ita, tendo talvez, a extraordinária virulência de seus escritos sobre os judeus preparado o caminho para o advento de Hitler na Alemanha do século XX”. (Hart, Michael H, pág 174).
      O próprio Hitler considerou Lutero uma das três maiores figuras da Alemanha, juntamente com Frederico, “o Grande”, e Richard Wagner. (Adolf Hitler: Mein Kampf, p. 213).
      Em seu livro Why the Jews? [Por Que os Judeus?], Dennis Prager e Joseph Telushkin escrevem:
      “[…] os escritos posteriores de Lutero, atacando os judeus, eram tão virulentos que os nazistas os citavam freqüentemente. De fato, Julius Streicher (na#zis#ta), argumentou durante sua defesa no julgamento de Nuremberg que nunca havia dito nada sobre os judeus que Martim Lutero não tivesse dito 400 anos antes”. (Dennis Prager e Joseph Telushkin: Why the Jews? The reason for anti-Semitism [Por que os Judeus: A causa do anti#Ssem#itismo] (Nova York: Simon & Shuster, 1983), p. 107.)
      “Ao executarem seu primeiro massacre em larga escala, em 9 de novembro de 1938, no qual destruíram quase todas as sinagogas da Alemanha e assassinaram trinta e cinco judeus, os nazistas anunciaram que a perseguição era uma homenagem ao aniversário de Martim Lutero.” (Prager e Telushkin, p. 107).
      Enquanto isso os evangélicos que hoje acusam levianamente a Igreja Católica de “omissa”, ovacionavam o na#zis#mo que geraram, causando a morte de 6 milhões de judeus.
      Assista isso com seus próprios olhos SITE FIM DA FARSA
      O jornal New York Times de 18 de março de 1998, publicou que, em 25 de dezembro de 1941, este mesmo jornal publicou: “O Papa Pio XII é a única voz no silêncio e nas trevas que envolvem a Europa neste Natal”. E no ano seguinte publicou outro editorial dizendo que Pio XII “é a única voz que clama no silêncio de um continente”.
      Só os judeus daquele tempo sabiam da preocupação do Papa Pio XII por eles.
      “Em 29 novembro de 1945, Pacelli (o Papa) reuniu-se com 80 representantes de refugiados judeus de vários campos de concentração da Alemanha, que se expressaram “sua grande honra por serem capazes de agradecer ao Santo Padre por sua generosidade com os perseguidos durante o período nazi-fascista”. (Hitler’s Pop, John Cornwell, pg. 355, contradizendo-se).
      O grande físico Albert Einstein manifestou sua admiração pela Igreja católica, dizia: “Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais”. (Albert Einstein, The Tablet de Londres).
      Quando Pio XII faleceu, em 1958, Golda Meir, então ministra de Assuntos Exteriores de Israel, enviou uma eloqüente mensagem: “Compartilhamos a dor da humanidade… Quando o terrível martírio abateu-se sobre nosso povo, a voz do Papa elevou-se a favor das vítimas”. (Fonte: Site “Interprensa“).

      Ainda hoje, é imensa a gratidão dos líderes judeus, para com a Igreja Católica e o Papa:

      «Os judeus sobreviventes agradeceram pela oportunidade de saudar o Papa em alemão e italiano e de agradecer-lhe pela intervenção da Igreja Católica para salvar suas vidas durante a II Guerra Mundial”, explicou à agência Zenit, Gary L. Krupp, presidente da fundação judaica Pave The Way (PTWF

      HA UMA PLACA ABAIXO FOI DOADA NO ANO DE 1946, PELOS JUDEUS AO PAPA PIO XII

      Tradução da placa: “Os judeus para a Sua Santidade Pio XII
      O Congresso dos Delegados das comunidades israelitas italianas, realizado em Roma, pela primeira vez após a Libertação, é obrigado a pagar tributo a Sua Santidade, e, para manifestar o mais profundo sentimento de gratidão de todos os judeus, por mostrar a Fraternidade humana da Igreja durante os anos de perseguição e quando suas vidas foram postas em perigo pelas atrocidades nazi#-fas#cistas. Muitas vezes, sacerdotes suportaram prisões e campos de concentração e até mesmo sacrificaram as suas vidas para ajudar os judeus. Essa prova que o sentimento de bondade e caridade que ainda conduz o justo tem servido para diminuir a vergonha das indignidades suportadas, o suplício sofrido das perdas de milhões de seres humanos. Israel ainda não terminou o sofrimento: Os judeus sempre lembrarão o que a Igreja, sob ordens do papa, fez por eles naquele momento terrível “. Moção aprovada pelo Terceiro Congresso da Comunidade Israelita Italiana realizado em março de 1946.

      VEJA FOTOS E DETALHES NO SITE FIM DA FARSA
      VEJA O MAPA DAS IGREJAS PROTESTANTES DA ÉPOCA.
      SE A ALEMANHA NÃO FOSSE PROTESTANTE HI#TLER NÃO TERIA SUBIDO AO PODER.
      SITE FIM DA FARSA

    • LUCIANTA,
      O Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
      “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
      Tudo começou quando Lutero escreveu um dia#bólico panfleto chamado: “CONTRA OS JU#DEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itis#mo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os ju#deus:
      “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um ju#deu, um coração ju#daico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os ju#deus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
      ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blas#fêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
      E ainda:

      “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm ju#deus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável car#ga infernal – os ju#deus. (Lutero)
      O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Página 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas ju#daicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#me#jante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito dês#vairado de Adolf Hi#tler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.
      Comenta nessa linha, o renomado historiador Michael H. Hart: “Embora se rebelasse contra a autoridade religiosa, poderia ser extremamente intolerante com quem dele discordasse em assuntos religiosos. Possivelmente foi devido em parte à sua intolerância o fato de as guerras religiosas terem sido mais ferozes e sangrentas na Alemanha do que, digamos, na Inglaterra. Além disso Lutero era feroz anti#Ssem#ita, tendo talvez, a extraordinária virulência de seus escritos sobre os judeus preparado o caminho para o advento de Hitler na Alemanha do século XX”. (Hart, Michael H, pág 174).
      O próprio Hitler considerou Lutero uma das três maiores figuras da Alemanha, juntamente com Frederico, “o Grande”, e Richard Wagner. (Adolf Hi#tler: Mein Kampf, p. 213).
      Em seu livro Why the Jews? [Por Que os Judeus?], Dennis Prager e Joseph Telushkin escrevem:
      “[…] os escritos posteriores de Lutero, atacando os judeus, eram tão virulentos que os nazistas os citavam freqüentemente. De fato, Julius Streicher (na#zis#ta), argumentou durante sua defesa no julgamento de Nuremberg que nunca havia dito nada sobre os judeus que Martim Lutero não tivesse dito 400 anos antes”. (Dennis Prager e Joseph Telushkin: Why the Jews? The reason for anti-Semitism [Por que os Judeus: A causa do anti#Ssem#itismo] (Nova York: Simon & Shuster, 1983), p. 107.)
      “Ao executarem seu primeiro massacre em larga escala, em 9 de novembro de 1938, no qual destruíram quase todas as sinagogas da Alemanha e assassinaram trinta e cinco judeus, os nazistas anunciaram que a perseguição era uma homenagem ao aniversário de Martim Lutero.” (Prager e Telushkin, p. 107).
      Enquanto isso os evangélicos que hoje acusam levianamente a Igreja Católica de “omissa”, ovacionavam o na#zis#mo que geraram, causando a morte de 6 milhões de judeus.
      Assista isso com seus próprios olhos SITE FIM DA FARSA
      O jornal New York Times de 18 de março de 1998, publicou que, em 25 de dezembro de 1941, este mesmo jornal publicou: “O Papa Pio XII é a única voz no silêncio e nas trevas que envolvem a Europa neste Natal”. E no ano seguinte publicou outro editorial dizendo que Pio XII “é a única voz que clama no silêncio de um continente”.
      Só os judeus daquele tempo sabiam da preocupação do Papa Pio XII por eles.
      “Em 29 novembro de 1945, Pacelli (o Papa) reuniu-se com 80 representantes de refugiados judeus de vários campos de concentração da Alemanha, que se expressaram “sua grande honra por serem capazes de agradecer ao Santo Padre por sua generosidade com os perseguidos durante o período nazi-fascista”. (Hitler’s Pop, John Cornwell, pg. 355, contradizendo-se).
      O grande físico Albert Einstein manifestou sua admiração pela Igreja católica, dizia: “Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais”. (Albert Einstein, The Tablet de Londres).
      Quando Pio XII faleceu, em 1958, Golda Meir, então ministra de Assuntos Exteriores de Israel, enviou uma eloqüente mensagem: “Compartilhamos a dor da humanidade… Quando o terrível martírio abateu-se sobre nosso povo, a voz do Papa elevou-se a favor das vítimas”. (Fonte: Site “Interprensa“).

      Ainda hoje, é imensa a gratidão dos líderes judeus, para com a Igreja Católica e o Papa:

      «Os judeus sobreviventes agradeceram pela oportunidade de saudar o Papa em alemão e italiano e de agradecer-lhe pela intervenção da Igreja Católica para salvar suas vidas durante a II Guerra Mundial”, explicou à agência Zenit, Gary L. Krupp, presidente da fundação judaica Pave The Way (PTWF

      HA UMA PLACA ABAIXO FOI DOADA NO ANO DE 1946, PELOS JUDEUS AO PAPA PIO XII

      Tradução da placa: “Os judeus para a Sua Santidade Pio XII
      O Congresso dos Delegados das comunidades israelitas italianas, realizado em Roma, pela primeira vez após a Libertação, é obrigado a pagar tributo a Sua Santidade, e, para manifestar o mais profundo sentimento de gratidão de todos os judeus, por mostrar a Fraternidade humana da Igreja durante os anos de perseguição e quando suas vidas foram postas em perigo pelas atrocidades nazi#-fas#cistas. Muitas vezes, sacerdotes suportaram prisões e campos de concentração e até mesmo sacrificaram as suas vidas para ajudar os judeus. Essa prova que o sentimento de bondade e caridade que ainda conduz o justo tem servido para diminuir a vergonha das indignidades suportadas, o suplício sofrido das perdas de milhões de seres humanos. Israel ainda não terminou o sofrimento: Os judeus sempre lembrarão o que a Igreja, sob ordens do papa, fez por eles naquele momento terrível “. Moção aprovada pelo Terceiro Congresso da Comunidade Israelita Italiana realizado em março de 1946.

      VEJA FOTOS E DETALHES NO SITE FIM DA FARSA
      VEJA O MAPA DAS IGREJAS PROTESTANTES DA ÉPOCA.
      SE A ALEMANHA NÃO FOSSE PROTESTANTE HI#TLER NÃO TERIA SUBIDO AO PODER.
      SITE FIM DA FARSA

    • Hildo,

      se o papa não se converter, pregar a verdade que ele conhece mais não prega, vai pro inferno de cabeça pra baixo, junto com os idolatras seus seguidores.

      Não sou eu quem digo é a Bíblia, idolatra não herdará, o reino dos céus.

        • Emanuelle,

          A zeze não, mais você vai ir com certeza pro inferno de cabeça para baixo é você sua filha do fogo. Você deve ser mais uma satanista que deve receber salário da irmandade para ficar aqui dando suas opiniões banais aos seguidores de JESUS. Se vocês não gostam de evangélicos porque ficam entrando aqui que é uma página gospel exclusiva para quem crê e gosta? Só para ficar com suas insinuações e comentários deploráveis???? Saiba de uma coisa: aqueles quem afligem o povo de DEUS, são como quem estão afligindo o próprio DEUS. Que você Emanuelle, junto com seus outros amigos abomináveis como o Cláudio e Rui, que ambos vocês um dia venham a experimentar do justo e duro julgamento de DEUS por estarem afligindo o próprio DEUS com suas declarações aos seguidores de JESUS CRISTO.

  2. Pronto. Ontem eu me prontifiquei para brigar com os comunistas da Coréia do Norte, mas vejo que vou ter que brigar antes com os católicos do México.

    Vou me tornar o argentino que saiu nas Américas defendendo as causas dos mais pobres, o médico chequevara.

    É brincadeira, é muçulmano, é católico, é comunista, eita Cristo, volta logo, assim não é possível. Se não bastam as calúnias dos deste site, inclusive tenho medo de um dia, um homem bomba católico se suicidar contra mim, o Rui, a Emanuelle…, a porca voltando à lama, o cachorro deglutindo o seu vômito.

    Papa, acorda aí, ajude a gente. Como é que vão parar de perseguir os católicos do mundo islâmico se o senhor é silêncio sepulcral ante esses recorrentes casos de exclusão no México, país que sempre foi hospitaleiro, basta vê as duas copas, é difícil de aceitar.

    • tagarella çabio ençiçlopedista
      você é tão sem graça,
      oH!! bobo da corte

      conversa de velhote esclerosado, é com médico psiquiatra!!!!!
      quem gosta de velho é bengala!!!!!

      • Rui, duvido que esses evangélicos insuportáveis e inconvenientes não estejam criando caso com os mexicanos por causa da adoração à “santa morte”, que faz parte da cultura mexicana. Eles usam caveiras de antepassados pra celebrar o culto. Duvido que não tenha um imbecil dizendo que é coisa do diabo. Tudo pra eles é coisa do capeta, menos a extorsão e a corrupção que assola essas seitas.

        • Cláudio,

          Então os evangélicos estão iguais à tua igreja católica e aos seus fieis.

          Tua igreja vive a dizer que os das seitas evangélicas são seguidores do dema, mas que aceita o vaticano fazer o que quer com o dinheiro da igreja católica.

          Farinha do mesmo saco os católicos e os evangélicos? Será?

          • Ô imbecil, quem te disse que eu sou católico? Por acaso sou obrigado a ter uma religião? Minha natureza evolutiva já me absolveu dessa obrigatoriedade primitiva. Se um dia eu sentir necessidade de contato com o divino, garanto pra você que não vou recorrer a essas religiões cultuadoras de sangue e ódio.

          • Cláudio,

            Se não é católico e está em estado elevado de espírito, pergunto a razão de defender coisas da igreja católica, as que o mundo condena face a comprovada barbárie? Rápido em condenar as evangélicas, mas lento e moroso contra as graves ações da igreja católica. E ainda não se diz católico. Certo, acredito, em verdade eu é que sou da ROMANA.

      • Rui,

        Aprenda primeiro a ter educação com as pessoas, somente depois disso venha a dar suas pobres e podres opiniões. Se você não tem a maturidade para simplesmente opinar ou dar uma resposta de modo educado a alguém, que nos polpe de ficar lendo suas baixarias que você escreve aqui. Seu Filho do fogo.

  3. ençiçlopediçta tagarella o çabio

    deixa de ser palhaço, seu velhote hipócrita esclerosado embaixo do seu nariz(Brasil) acontece a mesma coisa.
    POR TRAFICANTES EVANGÉLICOS.

    “Traficantes evangélicos expulsam mães e filhos de santo de favelas no Rio de JirSegundo a Associação de Proteção dos Amigos e Adeptos do Culto Afro Brasileiro e Espírita, pelo menos 40 pais e mães de santo já foram expulsos de favelas da Zona Norte pelo tráfico. Já em outras favelas da cidade, além do fechamento dos terreiros também foi determinada a proibição do uso de colares afro e roupas brancas. De acordo com a reportagem, todos os quatro pais de santo ouvidos pelo jornal, alegaram que o motivo era sempre o mesmo: conversão dos chefes do tráfico a denominações evangélicas.
    “no Rio de Janeiro, o chefe do tráfico Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu, passeia pela favela com tatuagens com o nome de Jesus Cristo e têm bíblias espalhadas pela casa. Segundo moradores, enquanto o morro for dominado por ele, os muros da favela serão preenchidos por dizeres bíblicos e os dez terreiros que funcionavam no local já deixaram de existir.”

    • çabio tagarella

      vá tomar no …
      “VI – e inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”
      Art. 5, inc. VI da Constituição Federal de 88

    • Rui,

      No meu ponto de vista, graças a DEUS que esses terreiros de macumba foram extintos, e que no Santo nome de JESUS CRISTO nunca mais voltem a se reinstalar nos mesmos locais, tão pouco que venham a migrar ou se proliferar em outros lugares. E que fique bem clara uma coisa: “macumbaria” não é religião. Uma coisa usada para trancar o caminho das pessoas, ou mesmo enviar “exus” para perseguirem pessoas já perturbadas e com brechas enormes abertas na vida, fazer trabalhos de amarrações amorosas que só servem para escravisar e atormentar pessoas fracas de espírito, enfim, isso deve ser banido do meio de uma sociedade que já vive em meio a um caus grande demais.

  4. O Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
    “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
    Tudo começou quando Lutero escreveu um diabólico panfleto chamado: “CONTRA OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itis#mo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os judeus:
    “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
    ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
    E ainda:
    “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os judeus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos judeus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
    O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Pág. 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas judaicas e das sinagogas, proibição de transitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espumejante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito desvairado de Adolf Hitler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

  5. Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
    “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
    Tudo começou quando Lutero escreveu um diabólico panfleto chamado: “CONTRA OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itis#mo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os judeus:
    “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
    ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
    E ainda:
    “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os judeus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos judeus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
    O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Pág. 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas judaicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#mejante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito desvairado de Adolf Hitler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

  6. I) O Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
    “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
    Tudo começou quando Lutero escreveu um dia#bólico panfleto chamado: “CONTRA OS JU#DEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itis#mo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os ju#deus:
    “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um ju#deu, um coração ju#daico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os ju#deus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
    ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blas#fêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
    E ainda:
    “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm ju#deus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os ju#deus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos judeus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
    O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Pág. 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas ju#daicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#mejante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito desvairado de Adolf Hi#tler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

  7. O Na#zi#smo nasceu do Protestantismo
    “Dentre os 17.000 pastores evangélicos da Alemanha, nem 1% se negaram a apoiar o regime na#zis#ta”. (Fonte: History of Christianity, de Paul Johnson).
    Tudo começou quando Lutero escreveu um dia#bólico panfleto chamado: “CONTRA OS JU#DEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na ’História do Anti#Sem#itis#mo’, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os ju#deus:

    • continua:
      “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um ju#deu, um coração ju#daico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os ju#deus são pequenos demônios destinados ao inferno.” (‘Luther’s Works,’ Pelikan, Vol. XX, pp. 2230).
      ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blas#fêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” (‘About the Jews and Their Lies,’ citado em O’Hare, in ‘The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).
      E ainda:

      • continua:
        “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm ju#deus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os ju#deus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos ju#deus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
        O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Página 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas ju#daicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#mejante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito desvairado de Adolf Hi#tler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

        • III – Resumindo, caros príncipes e nobres que têm ju#deus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável car#ga infernal – os ju#deus. (Lutero)
          O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Página 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas ju#daicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#me#jante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito dês#vairado de Adolf Hi#tler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

          • Comenta nessa linha, o renomado historiador Michael H. Hart: “Embora se rebelasse contra a autoridade religiosa, poderia ser extremamente intolerante com quem dele discordasse em assuntos religiosos. Possivelmente foi devido em parte à sua intolerância o fato de as guerras religiosas terem sido mais ferozes e sangrentas na Alemanha do que, digamos, na Inglaterra. Além disso Lutero era feroz anti#Ssem#ita, tendo talvez, a extraordinária virulência de seus escritos sobre os judeus preparado o caminho para o advento de Hitler na Alemanha do século XX”. (Hart, Michael H, pág 174).
            O próprio Hitler considerou Lutero uma das três maiores figuras da Alemanha, juntamente com Frederico, “o Grande”, e Richard Wagner. (Adolf Hi#tler: Mein Kampf, p. 213).
            Em seu livro Why the Jews? [Por Que os Judeus?], Dennis Prager e Joseph Telushkin escrevem:
            “[…] os escritos posteriores de Lutero, atacando os judeus, eram tão virulentos que os nazistas os citavam freqüentemente. De fato, Julius Streicher (na#zis#ta), argumentou durante sua defesa no julgamento de Nuremberg que nunca havia dito nada sobre os judeus que Martim Lutero não tivesse dito 400 anos antes”. (Dennis Prager e Joseph Telushkin: Why the Jews? The reason for anti-Semitism [Por que os Judeus: A causa do anti#Ssem#itismo] (Nova York: Simon & Shuster, 1983), p. 107.)
            “Ao executarem seu primeiro massacre em larga escala, em 9 de novembro de 1938, no qual destruíram quase todas as sinagogas da Alemanha e assassinaram trinta e cinco judeus, os nazistas anunciaram que a perseguição era uma homenagem ao aniversário de Martim Lutero.” (Prager e Telushkin, p. 107).
            Enquanto isso os evangélicos que hoje acusam levianamente a Igreja Católica de “omissa”, ovacionavam o na#zis#mo que geraram, causando a morte de 6 milhões de judeus.
            Assista isso com seus próprios olhos SITE FIM DA FARSA
            O jornal New York Times de 18 de março de 1998, publicou que, em 25 de dezembro de 1941, este mesmo jornal publicou: “O Papa Pio XII é a única voz no silêncio e nas trevas que envolvem a Europa neste Natal”. E no ano seguinte publicou outro editorial dizendo que Pio XII “é a única voz que clama no silêncio de um continente”.
            Só os judeus daquele tempo sabiam da preocupação do Papa Pio XII por eles.
            “Em 29 novembro de 1945, Pacelli (o Papa) reuniu-se com 80 representantes de refugiados judeus de vários campos de concentração da Alemanha, que se expressaram “sua grande honra por serem capazes de agradecer ao Santo Padre por sua generosidade com os perseguidos durante o período nazi-fascista”. (Hitler’s Pop, John Cornwell, pg. 355, contradizendo-se).
            O grande físico Albert Einstein manifestou sua admiração pela Igreja católica, dizia: “Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais”. (Albert Einstein, The Tablet de Londres).
            Quando Pio XII faleceu, em 1958, Golda Meir, então ministra de Assuntos Exteriores de Israel, enviou uma eloqüente mensagem: “Compartilhamos a dor da humanidade… Quando o terrível martírio abateu-se sobre nosso povo, a voz do Papa elevou-se a favor das vítimas”. (Fonte: Site “Interprensa“).

            Ainda hoje, é imensa a gratidão dos líderes judeus, para com a Igreja Católica e o Papa:

            «Os judeus sobreviventes agradeceram pela oportunidade de saudar o Papa em alemão e italiano e de agradecer-lhe pela intervenção da Igreja Católica para salvar suas vidas durante a II Guerra Mundial”, explicou à agência Zenit, Gary L. Krupp, presidente da fundação judaica Pave The Way (PTWF

            HA UMA PLACA ABAIXO FOI DOADA NO ANO DE 1946, PELOS JUDEUS AO PAPA PIO XII

            Tradução da placa: “Os judeus para a Sua Santidade Pio XII
            O Congresso dos Delegados das comunidades israelitas italianas, realizado em Roma, pela primeira vez após a Libertação, é obrigado a pagar tributo a Sua Santidade, e, para manifestar o mais profundo sentimento de gratidão de todos os judeus, por mostrar a Fraternidade humana da Igreja durante os anos de perseguição e quando suas vidas foram postas em perigo pelas atrocidades nazi#-fas#cistas. Muitas vezes, sacerdotes suportaram prisões e campos de concentração e até mesmo sacrificaram as suas vidas para ajudar os judeus. Essa prova que o sentimento de bondade e caridade que ainda conduz o justo tem servido para diminuir a vergonha das indignidades suportadas, o suplício sofrido das perdas de milhões de seres humanos. Israel ainda não terminou o sofrimento: Os judeus sempre lembrarão o que a Igreja, sob ordens do papa, fez por eles naquele momento terrível “. Moção aprovada pelo Terceiro Congresso da Comunidade Israelita Italiana realizado em março de 1946.

            VEJA FOTOS E DETALHES NO SITE FIM DA FARSA
            VEJA O MAPA DAS IGREJAS PROTESTANTES DA ÉPOCA.
            SE A ALEMANHA NÃO FOSSE PROTESTANTE HI#TLER NÃO TERIA SUBIDO AO PODER.
            SITE FIM DA FARSA

      • Continuação:
        “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm ju#deus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os ju#deus.” (Martim Lutero: Concerning the Jews and their lies [A respeito dos ju#deus e suas mentiras], reimpresso em Talmage, Disputation and Dialogue, pp. 34-36.)
        O jornalista Fernando Jorge, em seu livro “Lutero e a igreja do pecado” , Editora Mercúrio, Página 183-184, afirma: “Lutero recomendou várias medidas contra os israelitas: expulsão, confiscação de bens, trabalhos forçados, queima das escolas ju#daicas e das sinagogas, proibição de tra#nsitar pelas ruas. Este ódio raivoso, espu#me#jante, deve ter influído no feroz anti#ss#emiti#smo do compositor Richard Wagner e, consequentemente, quatro séculos após a morte de Lutero, no espírito dês#vairado de Adolf Hi#tler, que como se sabe era um fanático admirador das teorias racistas daquele músico genial. Aliás, na época do III Reich, os na#zi#stas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo reformador”.

      • Emanuelle,

        Realmente Hítler seguia o catolicismo indiscutivelmente. Essas palavras são assemelhadas ao do papa que determinou aos reis da Espanha, na época medieval, a expulsar os judeus de terras espanholas, depois fazendo o mesmo com Portugal, afinal o papa teria liderado pouco antes a expulsão dos mouros.

        O papa da época dele havia negociado com Mussuline, cujo sistema de governo era idêntico. Foi uma festa só da igreja católica com esse amigão de Híltler, o Mussa, pois tome terras, tome dinheiro, tome abraços, tome amizades. Diga ao nosso amigo em comum hítler a que igreja católica o saúda, e diga que ponha os irmãos de lutero no chinelo pra pagar o que padrezinho fez conosco lá trás, há 400 anos. Eram essas as conversas, os diálogos, as negociações com os dois católicos reis da época, o Mussa e Hitlezinho.

    • A Página Vermelha

      terça-feira, janeiro 08, 2013

      RELIGIÃO: Catolicismo e nazismo de mãos dadas

      Na Igreja Católica Apostólica Romana é perfeitamente aceito ser fascista, nazista e racista, mas não comunista, pela bula papal do papa nazista Pio XII, denominado “o papa de Hitler”. A colaboração entre a Igreja Católica e os nazistas é algo conhecido já de tempos, inclusive no cinema soviético, que retratou-a brilhantemente no filme “A queda de Berlim”(1948), numa conversa entre Hitler e Arsenigo. Com um vasto acervo bibliográfico provando a colaboração entre a Santa Sé e o III Reich, há quem negue-a, alegando se tratar de “propaganda comunista” ou “marxismo cultural”. Em 2010, o papa Bento XVI pediu desculpas pelo apoio da Igreja Católica ao nazismo, admitindo-a tacitamente, algo que este artigo bem elucida.

      A cumplicidade da igreja com o nazismo e o fascismo

      Por Steve

      Hitler e o cardeal Arsenigo

      A igreja apóia ativamente o crescimento do fascismo na Europa. Em Portugal, ela apóia Salazar. O cardeal Cerejeira (amigo do ditador) chega a dizer que Salazar a tinha a missão divina de governar Portugal.Na Áustria, a igreja apóia o Austro-Fascismo de Dollfuss e Schuschnigg.O primaz Innitzer é o principal apoiante do regime. Innitzer mais tarde apoiaria a “Anschluss” nazista.

      Na católica Polônia, a igreja apóia Pilsudski (e sucessores). O regime polaco anexa partes da Ucrânia e Bielorússia e promove a aculturação forçada das 2 nações. Os idiomas (ucraniano e bielorrusso) e a igreja ortodoxa são proibidos. Vários ortodoxos (inclusive padres) são presos e executados. Igrejas ortodoxas são destruídas pelos “piedosos católicos poloneses”. Essa repressão duraria quase 20 anos (só pararia com a invasão da Polônia em 1939). O Vaticano foi conivente com a opressão. Essa opressão contra a minoria ucraniana serviria de pretexto mais tarde para o Exército Insurgente Ucraniano (Ukrainska Povstanska Armiya, ou UPA) promover o massacre de 100000 poloneses em Volinia (incluindo crianças e padres) em 1944.

      Na Itália, a igreja assina com o Mussolini uma concordata que faz do catolicismo a religião de estado. A igreja sacrifica em grande parte as suas próprias associações (inclusive o Partido Popular de Sturzo, no intuito de ajudar Mussolini consolidar sua ditadura): todas, exceto a Ação Católica, devem integrar as organizações fascistas. O Vaticano promete a Mussolini de fazer com que a AC não se deixe tentar por ações antifascistas. Mussolini, depois de ter assinado a concordata dita “Patti Lateranensi”, é qualificado pelo papa como “o homem da providência”. Em 1932, o ditador recebe das mãos do papa, a Ordem da Espora de Ouro, que é a mais alta distinção concedida pelo Estado do Vaticano. O Vaticano apoiaria a invasão italiana na Abissínia, sob protexto de que os soldados italianos estavam levando valores cristãos. Estes bons “soldados de Cristo” cometem inúmeras atrocidades contra os “bárbaros” da Abissínia, como por exemplo, o uso de gás mostarda.

      Na Alemanha, em março de 1933, o Zentrum, partido católico, cujo líder é um padre (Ludwig Kaas), vota a favor de plenos poderes para Hitler (A lei habilitante, que se aprovada no parlamento, daria poderes ilimitados ao Executivo): Hitler pode assim atingir a maioria de dois terços necessária instituir uma ditadura. Com uma caridade toda cristã, o Zentrum (e o Vaticano) aceita também fechar os olhos pros crimes nazistas. Depois a igreja começa a negociar uma concordata com a Alemanha: nesse cenário, ela sacrifica o Zentrum, então o único partido significativo que os nazistas não tinham proibido. Na realidade ele tinha-o ajudado a chegar ao poder. Em 5 de julho de 1933, o Zentrum se dissolve sob solicitação do Vaticano (cujo Secretário de Estado era Pacelli, futuro Pio XII), deixando o caminho livre para o NSDAP de Hitler, então partido único (A Alemanha assinou a Concordata com o Vaticano em virtude dos votos importantes do Zentrum. Em suma, foi um clientelismo).Hitler declara-se católico no “Mein Kampf”, o livro onde ele anuncia o seu programa político. Também afirma que está convencido ser ele um “instrumento de Deus”. A igreja católica nunca colocou no seu Índex o “Mein Kampf”(ao contrário dos livros de Rousseau,Sartre,Pascal e Voltaire), mesmo antes da ascensão de Hitler ao poder. Podemos acreditar que as idéias de Hitler não desagradavam à igreja. Hitler mostrará o seu reconhecimento tornando obrigatória uma prece a Jesus nas escolas públicas alemãs, e reintroduzindo a frase “Gott mit uns” (Deus está conosco) nos uniformes do exército alemão. Hitler também foi apoiado pela igreja protestante, a ponto dessa igreja criar o movimento nazi-protestante chamado “Deutsche Christen” liderado pelo pastor Ludwig Müller. Müller e outros religiosos (católicos e protestantes) se tornariam membros do NSDAP. O bispo Alois Hudal (membro do NSDAP), publica um livro que concilia vários aspectos do catolicismo com o nazismo. Ele defende visão arianizada do cristianismo. Hudal nunca foi condenado pelo Vaticano. Hudal mais tarde ajudaria nazistas a fugir da Europa.

      Na Espanha, os militares tentam um golpe de estado, que aborta, mas degenera em guerra civil. A igreja os apóia, padres e bispos benzem os canhões de Franco, celebram com muita pompa e Te Deum as suas vitórias contra o governo republicano legítimo (que havia acabado com os privilégios do clero). A guerra faz mais de um milhão de mortos, e Franco fuzila todos os prisioneiros. Franco se mostrará reconhecido por seus santos aliados, nomeando diversos membros da Opus Dei para o seu governo. A influência da Opus Dei crescerá ao longo da ditadura franquista, ao ponto de se chegar a mais de metade dos ministros serem membros dessa venerável instituição católica. Franco proíbe todas as religiões, com a exceção óbvia do catolicismo. A minoria protestante sofreria anos de perseguição por parte do piedoso regime franquista. O Vaticano nunca condenou essa perseguição.

      Na Eslováquia (fantoche nazista), o piedoso padre Jozef Tiso assume o poder e promove uma violenta perseguição de opositores, ciganos e judeus (parte das vítimas foi deportada pra Auschwitz). O Vaticano jamais excomungaria este sacerdote exemplar (ao contrário de padres que defendem camisinha, aborto, fim do celibato clerical etc.). Tiso ajudaria Hitler a invadir a católica Polônia. O Vaticano não condena os 2 ditadores, pois ficou sabendo que a Polônia invadida serviria de base pra uma futura invasão à URSS (odiada pela igreja).A Polônia foi literalmente traída pelo Papa.

      Na França (Vichy), a igreja declara que “Petain é a França”: ela prefere de fato o Trabalho-Família-Pátria de Vichy aoLiberté-Égalité-Fraternité da República, que sempre a horrorizaram. Pétain suspende a laicidade do Estado instituida em 1905 e restabelece os privilégios clericais. Em retribuição, o clero fecha os olhos pros abusos do regime de Pétain.

      Na Bélgica, a igreja católica apóia o movimento fascista “Rexisme” (nome derivado de Christus Rex) chefiado pelo devoto Leon Degrelle. Degrelle acabaria influenciado mais tarde pelas idéias de Hitler. Durante a 2ª guerra, Degrelle vira oficial nazista e chefia as SS Wallonie, com a presença de capelães. O padre Cyriel Verschaeve se torna capelão das SS Langemarck (formada por belgas flamengos). Estes 2 católicos exemplares fugiriam da Bélgica (seriam condenados por colaboracionismo) e viveriam no exterior pro resto de suas vidas.

      Na Croácia, a “Ustasha”(fantoche nazi), a igreja apóia plenamente (e ativamente) os crimes de Ante Pavelic (líder Ustasha). Cerca de 1000000 de pessoas (sérvios, ciganos, judeus, croatas antifascistas etc.) seriam brutalmente assassinadas. Os terríveis crimes Ustasha chocariam até mesmo os nazistas, aliados de Pavelic.Os padres cooperam com o genocídio promovido pelos Ustashas. Os piedosos padres também promovem a conversão forçada dos sérvios (cristãos ortodoxos) ao catolicismo, sob ameaça de tortura e morte. Várias igrejas ortodoxas são destruídas e o clero ortodoxo sofre terríveis atrocidades por parte dos piedosos Ustashas.O regime de Pavelic constrói o terrível campo de extermínio de Jasenovac, cujo comandante era o sádico padre franciscano Filipovic (O “Irmão Satan”). Os guardas de Jasenovac executam as vítimas friamente com facas, machados, marretas e outros métodos cruéis. O franciscano Brzica, um guarda de Jasenovac, degola mais de 1000 prisioneiros. A crueldade Ustasha(e a cumplicidade dos padres) jamais seria condenada pelo primaz Stepinac (aliado de Pavelic. Stepinac acabaria beatificado pelo Vaticano em 1998) e nem mesmo pelo Vaticano do Papa Pio XII. Pavelic e outros piedosos Ustasha conseguiriam fugir da Europa pós-guerra com a santa ajuda do Vaticano. Até hoje, o Vaticano nunca pediu perdão por sua cumplicidade com Pavelic. (a cumplicidade católica com Pavelic lhe renderia mais tarde um processo  http://www.vaticanbankclaims.com/)

      Na Eslovênia, o bispo Gregory Rozman chefia uma terrível milícia pró-nazi. Rozman acabaria fugindo de seu país, procurado como criminoso de guerra (a exemplo do piedoso bispo Ustasha Ivan Saric).

      Durante a 2ª guerra mundial, o Vaticano estava ciente das atrocidades nazistas. O papa Pio XII pensou em condenar os nazistas, mas desistiu por causa de seu anticomunismo ferrenho e achando que uma vitória russa seria pior (o Vaticano chegou a considerar a invasão da URSS por Hitler uma ?cruzada contra o bolchevismo ateu?). Na rádio-mensagem de Natal de 1942, Pio XII critica o comunismo, ao contrário de Hitler e seus serviçais (Tiso,Pavelic, Pétain,Franco,Mussolini etc.). Ele falou em sua mensagem natalina das ?centenas de milhares de pessoas que sem culpa nenhuma da sua parte, às vezes só por motivos de nacionalidade ou raça, se vêem destinadas à morte ou a um extermínio progressivo?, porém ele não citou as vítimas e nem os carrascos nazistas. Em 1943, os nazistas ocupam Roma. O terror nazista chega diante das portas do Papa. Eles perseguem judeus, comunistas e outros grupos. Em 23 de março de 1944 um grupo de guerrilheiros atacou um comando nazista e matou 33 invasores. Este ato heróico foi duramente criticado pelo Vaticano e definido como terrorismo. A resposta alemã foi assassinar friamente 335 italianos nas Fossas Ardeatinas sob o comando de Erich Priebke. A Santa Sé simplesmente se lastimou pelas pessoas sacrificadas “em lugar dos culpados”. Em outras palavras, o Papa não se oporia se os fuzilados fossem os membros da resistência italiana. A preocupação de Pio XII não era com as vítimas dos nazistas, ou com a ocupação nazi, mas com os partisans que lutavam pela libertação da Itália. Temia que uma abrupta saída dos alemães pudesse deixar a cidade nas mãos da resistência comunista. Apesar disso, o Vaticano ajudaria alguns perseguidos pelos nazistas quando viu que a derrota alemã era iminente. Depois da guerra, o Vaticano ajudaria Mengele, Eichmann, Priebke e outros nazistas a fugirem da Europa através das “Ratlines”.

      A igreja apoiou também ditaduras na América Latina e África. Na Argentina, a igreja colaborou com a repressão, a ponto de padres cooperarem com a tortura e morte de opositores, inclusive nos vôos da morte, onde os opositores eram atirados ao mar. A igreja também apoiou a repressão de minorias (testemunhas de Jeová e gays, por exemplo). Católicos dissidentes, a exemplo do bispo Angelelli, das freiras francesas e dos padres palotinos, foram mortos perante o silêncio cúmplice da igreja. O núncio Pio Laghi foi um notável apoiante da repressão na Argentina, além de ter tido amizado com a cúpula militar. A igreja apoiou também Pinochet, Somoza, Stroessner, Trujillo e outros fascistas da região. Em Ruanda, padres e freiras cooperaram com o genocídio local. (houve cumplicidade também de líderes de igrejas protestantes e adventistas). O Vaticano jamais excomungou os religiosos envolvidos no genocídio, além de proteger alguns deles.

      *Seria bom lembrar que o Vaticano, que foi conivente com o nazifascismo, condenaria diversas vezes o comunismo e outros sistemas políticos “heréticos”, a ponto de pedir pros católicos residentes em países comunistas e laicos pra que promovessem rebeliões, desobediência civil, e outras formas de resistência aos governos vigentes. O Vaticano apoiou os “Cristeros” contra o governo mexicano, o sindicato Solidariedade de Lech Walesa contra os comunistas poloneses, a revolta anticomunista na Hungria em 1956 etc.

    • Emanuelle,

      Você nada mais é do que uma desorientada. Quando você fizer essas suas pesquisas idiotas para espô-las aqui so sentido de ofender os evangélicos, procure primeiro saber quem é o responsável pela fonte em que você esta retirando esse material e se ele é de qualidade confiável. Existem muitos satanistas publicando e divulgando na mídia muitas heresias contra o povo do senhor Jesus Cristo e muitos como você estão comprando as idéias falsas deles. Cuidado, pois o olho que tudo vê e tudo sabe, está sobre você, o juiz justo e fiel não falhará no seu castigo no grande dia. Arrependa-te por ser dura de coração como você é enquanto ainda tem tempo.

  8. México e Brasil são comandados por católicos desde sempre.

    Todos os políticos desses dois países, ou melhor, 99.99999% é católico, mas não impedem o tráfico de passear livremente e nem tomam medidas inteligentes, aí a culpa são dos evangélicos em face um estar numa igreja se dizendo evangélico?

    Mas vejam a pura sacanagem dessa reportagem;

    Os mexicanos quase foram expulsos nos anos vinte e trinta dos EUA em vista deles usarem a folha da maconha pra uso pessoal no dia a dia.

    Ora, um povo acostumado com drogas ilícitas e tolerando tudo, agora querem se fazer de santo transferindo aos evangélicos suposto acoitamento de narcotraficantes?

    Vão lê a história desse país antes de falar, principalmente da cambada que foi morar nos EUA, pois conhecidos usuários da maconha, como se fosse tomar um cafezinho.

  9. É Biblico, portanto, nenhuma novidade nestes fatos, nem no México como em outras nações, só que, tudo isto é debalde e não há o que temer, seguir a CRISTO , não é uma imposição do mesmo, e sim = negar-se a si mesmo…. Lucas 9.23, trata-se de uma decisão pessoal e intransferível, através de um ato de fé e perseveranca de ir até o fim, e isto, não é de todos. Eis a questão !

  10. Esse cara que afirma que evangélicos são traficantes, só pode ser um filho do diabo. Ele em seguida muda os nomes de evangélicos para pai de santo. O cara safado, fique sabendo que evangélicos não se mistura com espíritas, ou seja, pai de santo. Vai se converter seu atôa.

  11. Até pouco tempo, os negros eram considerados seres sem alma pelos cristãos, sejam eles católicos ou evangélicos. O fato justificava a escravidão negra. Só para lembrar o quanto os cristãos são bonzinhos e seguem os princípios de amor para com o próximo.

    • Cláudio,

      No seio evangélico, independente do país, há quantidade enorme de negros. Vá, visite-os e de mesma forma e modo consulte-os se há da parte das igrejas evangélicas esse comportamento hostil, essa “teologia” da separação.

      Cristão é cristão, meu caro. Eu pergunto, você é cristão ao fazer e ter essa postura que se não mesquinha pode também ser considerada belicosa, pondo irmãos a se digladiar uns contra os outros sob premissas falsas?

      O negro passou a ser hostilizado por conta de um regime econômico que passou a fazer uso da raça como produto, principalmente a partir do século 15, uma riqueza na mão de obra barata. Não foi igreja católica, muçulmana e evangélica que fez deles uma coisa. A coisa que era a escravidão adentrou na raça, tendo feita dela a mesma coisa que era feita com brancos pobres e/ou tomados como troféu de guerras.

      Foram os guerreiros que fabricaram a escravidão. Guerra que fosse, a tese a ganância primeira era quanto à mão de obra escravizada. O povo judeu foi escravizado no Egito pro mais de 300 anos, embora não fosse povo de predominância negra, do contrário, poucos eram negros, a minoria.

      Estude ou então se sabe, fale a verdade.

      Evangélico não nasceu hoje, não.

      • A alma tem a ver com a sua religião, e eram os cristãos que os negros eram considerados seres sem alma. Há poucos anos, aqui mesmo neste site, foram publicadas matérias sobre pastores e ovelhas negras discriminadas nos Estados Unidos por causa da cor. Se você pesquisar o assunto, verá que a maioria das igrejas lideradas por pastores negros são frequentadas por fieis igualmente negros. Os brancos se sentem incomodados se forem liderados por pastores negros. Pare de tentar tapar o sol com a peneira e seja honesto.
        O que me deixa perplexo e ver este povo discriminado se associar aos cristãos para reforçar a discriminação contra os homossexuais. Cristianismo é religião pra homem branco hetero. Até a mulher é discriminada.

        • Cláudio,

          Tá lerdo das ideias?

          O homem sempre foi discriminador. Não venha de se fazer de desentendido sobre esse assunto, pois de proporções universais. Ora um pouco mais, ora um pouco menos,mas sempre um discriminando o outro.

          Começa pelo rico discriminando o pobre, o inteligente ao menos inteligente, o belo ao feioso, o alto ao baixo, o sadio ao enfermo, o sem necessidades especiais ao “aleijado”, os oficias aos praças, os líderes aos liderados, os governantes ao povo, nações ricas às pobres, os da religião dominante aos de poucas expressão quantitativa, os novos aos idosos, os adultos às crianças, os sãos aos loucos, a sociedade aos apenados, a sociedade aos que atuam em atividades de menos expressão financeira e de mão de obra pesada, os da cidade aos do sítio, os dos centro aos da periferia, os que possuem transportes particular aos que usam o público, os do sul e sudeste aos do norte e nordeste deste país, os da América do Norte aos da América Latina, aí achar-se a pérola da discriminação?

          Faça o favor,

          • Pelo que conheço das suas pregações, Jesus não discriminava ninguém. Mas os tais cristãos fazem isso. Só usam o nome de cristãos como fachada, mas o comportamento de vocês está longe de se ajustar aos princípios e ensinamentis deixados por Jesus. Quanto mais o cara é evangélico, menos cristão ele é. Já ouvi de várias pessoas que eu sou o ateu mais cristão que elas conhecem. Isso tudo porque estou sempre disposto a ajudar o necessitado. Já os evangélicos sabem a bíblia de cor mas não mexem uma palha pra ajudar quem precisa de ajuda. Quantas crianças órfãs ou abandonadas você já adotou?

          • Cláudio,

            Cristão não e apenas caridade.

            É caridade e todos os aspectos que ladeiam os ensinos de Cristo.

            Levante-se e vá atrás das ações dos evangélicos. Vc acha que é somente palavra a busca cada vez maior pelas evangélicas?

            Inocente,

    • Cláuldio, nos mostra de onde você retirou essa informação de que os evangélicos tratavam os negros como seres sem alma. Você não passa de um mero agitador, seu filho do fogo.

    • “negros eram considerados seres sem alma pelos cristãos” kkkkkkkkkkkkk Que absurdo é esse? Após a ascensão de Cristo aos céus, Felipe batizou um africano cristão, e este foi fundamental para a divulgação do evangelho na África. Aquela afirmação é mentira, pois cristão que é cristão lê a bíblia e sabe desses relatos bíblicos, de como servos de Deus negros foram cruciais na propagação do evangelho.

  12. Claudio,

    Se você acredita em teoria evolutiva, então você está no lugar errado. Vai dar suas opiniões numa pagina específica que trate de história contemporânea ou ciências naturais. Aqui é uma página evangélica, e digo ainda mais: Sua teoria evolutiva não foi capaz de tornar você um ser dotado de educação, pois para chamar uma pessoa de “imbecil” sem antes conhecê-la, acredito que educação é uma coisa que você não tem. Quem sabe a sua teoria evolutiva com o passar de alguns séculos o torne um ser melhor. Seja um ser mais digno, coisa que você ainda não é e passe a ter mais educação com as pessoas já que você se auto intitula tão ultra mais evoluido do que os outros, seu verme.

  13. Levi, eu não defendo a Igreja Católica e sempre busco ser imparcial nos meus comentários. Eu não gostava daquele papa Bento XVI, mas gosto do Chiquinho. Tenho simpatia por alguns poucos líderes evangélicos, mas sou contra esse negócio de igrejas evangélicas, onde cada líder tem a sua denominação. Pra que isso? Se não houver uma única liderança, vira essa bagunça, onde joio se mistura com trigo e ovelhas e porcos acabam consumindo tudo e, o que é pior, no mesmo cocho.

    • Cláudio,

      O mesmo sentimento que você apresenta supra os discípulos de Cristo manifestaram para Ele.

      Cristo foi taxativo. Estando falando do meu evangelho, está conosco.

      Sabe o motivo? Que Cristo também foi um dos que trouxe um elemento a mais, disso criando mais uma igreja, ou seja, a judaica não iria se adaptar administrativamente e nalgumas coisas espirituais ao pensamento Dele, o que o fez criar o seu próprio seguimento.

      Não bastasse, Ele não não nome algum a essa igreja dele.

      Ora, meu caro, do que vejo, você jamais assessoria Deus no tocante aos pequenos animais, só de dinossauros pra cima.

      Deus se faz presente na igreja grande e na pequena. Tem momentos que certas igrejas não mais querem crescer na evangelização, uma estagnação, um acatar o que se fez, aí você acha que Deus vai deixar seus filhos sem a palavra? Ele levanta outros, inclusive, saiba você, que segundo a bíbila, o calar desses, farão com que até as pedras clame, aí você iria achar estranho e vê uma pedra pregando o evangelho.

      Os judeus achavam que Deus era somente pra eles, esse foi um dos maus a ponto de ser levantado Cristo,

    • Cadê a Cristina que disse que ateus jogam católicos contra evangélicos? Povinho encrenqueiro que vive em prol de semear discórdias. Os únicos que prestam são os evangélicos, mas Cunha demonstrou o contrário.

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          • Cláudio,

            Você vai sempre se decepcionar com a humanidade, assim como eu me decepciono, meu caro.

            A bem da verdade, até Cristo se decepcionou.

            Coitado de Cristo, Investiu tanto em Judas, pensou nele o representando na evangelização, pregando, sendo exemplo, mas viu no que deu?

            Ora, se com Cristo ocorreu o que se chama de erro de pessoa, os evangélicos acaso são melhores que Ele a ponto de não escolher um candidato bichado? Vai sempre escolher, isso faz parte das coisas terrenas, pois as pessoas não se apresentam como o são, sim como nós desejamos. Quantos casamentos em que depois ficou provado o inverso do que se esperava e achava do outro?

            Deus errou de pessoa ao escolher o primeiro rei de Israel, Saul. Evangélico é melhor que Cristo e Deus juntos?

      • Cláudio,

        Você de novo.

        Ele está falando que quem é verdadeiramente cristão não faz esse tipo de coisa, O próprio Cristo designou-os de lobos travestidos de ovelhas, Isso em todo canto há. O verdeiro cristão tem asseverado seu status por conta não do que fala e prega,mas sim de como se comporta no dia dia.

      • Cláudio,

        Meu caro, vou perguntar ao estilo dos espíritas. Quando seu espírito vai evoluir?

        Ora, a religião é composta por seres humanos, o problema não são elas, sim quem as compõem.

        Cristo ao morrer na cruz, deixou bem claro que aram as pessoas a razão de sua morte resgatadora.

        Os homens usam o próximo pra atingirem o seu alvo. De igual modo usam o dinheiro público, a máquina do estado. Na mesma linha ele usa e abusa dos filhos, dos pais, dos parentes.

        Então me dê um motivo deles não usarem as religiões. Esta é que mais ainda, pois de uma cajadada só, acerta dois coelhos. Como seja, praticam o mal usando as instituições de caráter religisioso e ainda trazem contra a humanidade, passando as pessoas a tecer criticas contra elas, porquanto ter seus fins humanitários e celestiais postos em segundo plano,

        Ele, o diabo, não dá murro em ponta de faca. Sempre certeiro, mas cabe a você provar resistir a esse tipo de entendimento equivocado, pois movido de um espírito consciente, embora ainda não maduro no todo.

  14. Cristo quando esteve no mundo, foi criticado pela religião, usaram as escrituras para dizer-lhe que estava errado, o homem quando adere a uma determinada religião acha está envolto em uma verdade particular que o torna dono da verdade e anula todas as outras, Cristo nos pediu amai uns aos outros, não da sua cor, da sua religião, mas incondicionalmente, amar a todos, sitar a bíblia ou a história para julgar e se tronar o fariseu moderno com a mesma fúria e paixão daqueles que crucificaram a Deus. é isso que queremos, é isso que nós tornaremos, religião não traduz a Deus, religião é composta por nós pecadores e imperfeitos, e muitas vezes é uma mascara para destilar nossos preconceitos com uma suposta aprovação divina.
    Espero sinceramente que possamos amar ao outro sem a pretensão de torná-lo no que somos, no afã insano de achar que o que somos é o que Deus quer que todos sejam. fiquem com Deus e perdoem se em minhas palavras magoei alguém, sou apenas um homem imperfeito como todos a busca de salvação.

  15. Cristo quando esteve no mundo, foi criticado pela religião, usaram as escrituras para dizer-lhe que estava errado, o homem quando adere a uma determinada religião acha está envolto em uma verdade particular que o torna dono da verdade e anula todas as outras, Cristo nos pediu amai uns aos outros, não da sua cor, da sua religião, mas incondicionalmente, amar a todos, sitar a bíblia ou a história para julgar e se tronar o fariseu moderno com a mesma fúria e paixão daqueles que crucificaram a Deus. é isso que queremos, é isso que nós tornaremos, religião não traduz a Deus, religião é composta por nós pecadores e imperfeitos, e muitas vezes é uma mascara para destilar nossos preconceitos com uma suposta aprovação divina.
    Espero sinceramente que possamos amar ao outro sem a pretensão de torná-lo no que somos, no afã insano de achar que o que somos é o que Deus quer que todos sejam. fiquem com Deus e perdoem se em minhas palavras magoei alguém, sou apenas um homem imperfeito como todos a busca de salvação.

DEIXE UMA RESPOSTA