Manuscritos antigos sugerem que Jesus teria viajado ao Japão e se tornado cultivador de arroz

21

A figura de Jesus Cristo é vista pelos historiadores como uma fonte inesgotável de pesquisas, e também serve para a difusão das mais variadas hipóteses, mesmo que essas sejam difíceis ou impossíveis de comprovar. Uma das especulações mais curiosas envolve o Japão.

O país asiático milenar teria sido o destino de uma viagem feita por Jesus aos 21 anos, de acordo com antigos manuscritos chamados “Documentos de Takenouchi”. Nas linhas desses manuscritos, Jesus nunca teria sido o Cristo.

Segundo a versão dos “Documentos de Takenouchi”, Jesus teria vivido no Japão por 12 anos, antes de retornar a Israel aos 33, quando um suposto irmão caçula dele, Isukiri, teria sido crucificado em seu lugar.

Depois de ver o irmão mais novo sendo assassinado, Jesus teria retornado ao Japão e casado com uma japonesa, ao lado de quem se dedicou ao cultivo do arroz e morreu aos 106 anos de idade.


A lenda dos “Documentos de Takenouchi” não pode ser comprovada pois os manuscritos foram destruídos durante a Segunda Guerra Mundial. Porém, a falta de comprovação não impede que milhares de pessoas de todas as partes do mundo se dirijam à cidade de Shingo, no Japão, para visitar os supostos túmulos de Jesus e Isukiri, segundo o site do History Channel.

Jesus casado

Recentemente, outra teoria que envolve um suposto casamento de Jesus foi “ressuscitada” com o lançamento do livro “Evangelho Perdido”.

A publicação é uma tradução de manuscritos em aramaico de aproximadamente 1.500 anos que afirmam que Jesus teria se casado com Maria Madalena e tido dois filhos.

Essa mesma teoria foi usada pelo escritor Dan Brown, quando ele usou o argumento na publicação de seu livro de ficção “O Código da Vinci”. A sugestão de que Jesus e Maria Madalena haviam se casado e tido filhos, e a descendência da família viveria na França causou alvoroço na Igreja Católica, que protestou.

21 COMENTÁRIOS

    • janete vc por aqui??? não adianta você é uma aberração gay e não adianta falar o nome do Senhor em vão. você como aberração gay que é vai para o esgoto do inferno . hoje vc pode dar a bunda e achar que assim vai virar mulher amanhã quando estiver no inferno o capeta vai enfiar o tridente dele no seu rabo que vai sair bosta pela sua boca kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

      • Acho impressionante o fato de loucos enfurecidos, como o delldellphone, conseguirem digitar. É que, contido por camisa de força, o mesmo só pode digitar com os dedos do pé. Bacana também esse hospício onde há web.

  1. Tudo que causa polêmica em torno de Jesus Cristo dá ibope;
    E muitos aproveitam para tirar sua casquinha e ganhar com isso;
    Um dos melhores exemplos é o livro o código Da Vince do escritor Dan Brown;
    Já vi tanta baboseira na internet envolvendo o nome de Jesus, cada qual querendo aparecer mais para lucrar com isso.

  2. A vida de Jesus, e de outros iluminados, esta permeada de mitos, lendas, folclores, narrativas de engrandecimento ou exaltação, tudo para fazer desses mestres espirituais verdadeiros heróis. Um exemplo é Sansão, que foi o herói judeu como Hércules foi para outro povo e outra religião. Separar os iluminados ensinamentos de narrativas que a imaginação piedosa criou é importante desafio de fé.

    • Creio, Sandro, que não apenas desafio, mas de amadurecimento da própria fé. Embora hoje seja mais ateu do que qualquer outra coisa, penso que deve-se dissociar o jesus histórico do jesus folclórico, assim como se faz com outros personagens, como Sócrates, Diógenes de Sínope e Pitágoras.

      • Breno, estou lendo o livro “Como Jesus se tornou Deus”, de Bart D. Ehrman, Editora Leya, e compreendendo muito desse processo de exaltação e produção de lendas que se formou em torno da imagem de Jesus. Como espiritualista livre – infelizmente, já fui um prisioneiro do gueto evangélico – hoje compreendo melhor Jesus, um ser iluminado que pregou o amor e compaixão, mas teve sua imagem, seus ensinos, sua vida, enfim, deturpados pelos “cristãos”.

          • Sim, sim, Sandro. Sou praticmaente um ateu hoje, mas sou ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Minha formação é franciscana. Aprendi muita coisa, principalmente a dissociar o Jesus histórico ou Maria histórica dos devocionais, cultuados nos templos nas diversas ramificações do cristianismo. O que Jesus fez ou deixou de fazer enquanto personagem histórico tem pouca relevância para os cultos. Os cultos desenvolveram demasiadamente o Homem-Deus, mas a antropologia o entende meramente como um homem, seguramente com seus erros, dúvidas, exitações.

            Compreendemos que, dessa forma, o que o homem histórico faz de modo algum entra em atrito com o objeto de culto. São pessoas diferentes que possuem apenas o mesmo nome. Aprendemos, assim, a ter mais compaixão. Amadurecemos a fé. Deixamos de ser crianças para sermos adultos, cristãos autênticos, muçulmanos autênticos, judeus, autênticos, budistas autênticos.

  3. Este ”’Diogo Alves” e a maior comedia se acha o Ditatico, no minimo de ser um Crente desviado que esta atacando seu próprios irmão com palavras.não gosta de Jesus mais entra nos site cristão para criticar me lembra Saulo…
    Abrç que vç possa encontra sua resposta toda em Jesus.

  4. Porem jesus lesdisse: eu sou o mesmo ontem hoje amanha e sempre aqueles que vierem a mim eu jamais os lançarei fora
    Mais a quele que me negares de ante dos homens eu os negarei diante do pai.
    Pois lembrese satanas e o pai da mentira…e isso ai e testemunho vivo de que jesus esta voltando!!

DEIXE UMA RESPOSTA