Promovendo a novela Os Dez Mandamentos, da Record, Marcelo Rezende critica gays em Império

56

Na data em que a TV Globo estreou sua nova novela das 21h00, Babilônia, o apresentador Marcelo Rezende, da Record, criticou o folhetim que se encerrou na última sexta-feira, 13 de março, Império.

Rezende afirmou que não gostam de novelas em que “galãs falam fino”, referindo-se ao personagem Téo Pereira, um blogueiro homossexual vivido por Paulo Betti na trama escrita por Aguinaldo Silva.

O apresentador do telejornal policialesco aproveitou para promover a nova novela da Record, Os Dez Mandamentos, a primeira produção bíblica da emissora nesse formato: “Eu gosto de novela. Eu gosto de novela de época. Novela que conta coisas épicas, coisas lindas. Essas novelas de fofoca, que o cara é galã a vida inteira e de repente ele começa a falar fino. Não gosto dessas novelas, não. Gosto de novelas assim”, disse, apontando para o telão que mostrava cenas da novela bíblica.

Marcelo Rezende continuou sua crítica, só que em tom de piada: “Você investe uma fortuna em um ator, um ator bom como o Paulo Betti, que eu gosto para burro. Aí na novela o cara começa a falar fino. De galã, vira galoa. É cada coisa esquisita”, disse rindo. A equipe de produção do Cidade Alerta se divertiu com o comentário, segundo informações do jornalista Daniel Castro, do Notícias da TV.


Pouco depois, o apresentador ainda provocou o comandante Hamilton, que pilota o helicóptero de jornalismo da Record: “Está de tatibitati? Daqui a pouco vai fazer novela. Vai ser o novo Paulo Betti”, disse. Tatibiati é uma expressão informal para uma forma de fala caracterizada pela articulação defeituosa de certas consoantes, como “catolo” ao invés de cachorro, “queblar” ao invés de quebrar, etc.


56 COMENTÁRIOS

    • Ué…ele não está sendo a jumenta de Balaão, falando por Deus ? De certa forma ele não está somente falando algo, que sabemos que Deus não apóia ?

      Seu ódio contra a Iurd te cega, e o deixa tão atordoado, que vai até contra a palavra da verdade. Claro, mas se fosse outros pecadinhos você estaria apontando o dedo e defendendo o tal jornalista, caso não fosse da Record, óbvio.

      Cuidado Stardust, pelas nossas palavras julgamos e por elas mesmas seremos condenados!!

      • the sun
        esta é a verdade, a mula está com razão, deixar de promover os dez mandamentos para promover a rede de esgoto, a televisão de star, nem aqui e nem na china.

      • the sun

        Quem conhece o marcelo rezende sabe que ele adora dinheiro. E vai puxar o saco de quem lhe dá o que ele quer. Até ser hipocrita ele provou ser. Disse que na globo se recusou a fazer reportagem contra a iurd para não atacar a fé das pessoas, mas na record ele não teve o mesmo problema e fez uma reportagem do jeito que o macedo mandou para atacar o valdemiro, da denominação concorrente.

  1. novela da globo é tipico de quem gosta de esgoto a céu aberto. traições, aberrações gays , pedofilia, assassino, roubo , adulterio…esse tipo de porcaria que estão querendo que os seres humanos normais , aceitem como normal. NUNCA aceitaremos essas imundices. e coitado de quem assiste essas porcarias da rede esgoto.

        • marcelo não assisto nem um nem outro. tenho tv paga na minha casa justamente pra isso. agora sandrete rainha do boquete não adianta que aberração gay não tem vez nesse país. aberração gay é lixo do lixo.

          • deldell, não fale mal da Record. Procedendo assim, você estará atingindo o dono da emissora. E o recado é bem claro: “não toque num ungido do Senhor”. Silas Malafaia já viu gente morrer por causa disso, portanto, é melhor rever seus conceitos.

            .

  2. É por isso que os gays querem a tal lei contra homofobia, para impedir comentários como esse em rede aberta.

    No passado os comediantes (inclusive Os Trapalhões) faziam piadas de negros como se fosse algo inocente, só humor. E ninguém se preocupava com as repercussões desse humor na vida de uma criança negra cercada de brancos. Um adulto maduro sabe lidar com brincadeiras e chacotas, mas há crianças em fase de desenvolvimento, adolescentes com problemas emocionais, pessoas sensíveis que já sofreram com preconceito, pessoas que não estão emocionalmente prontas para lidar com essas brincadeiras, e com a repercussão dessas brincadeiras na sua vida, na escola, entre os amigos etc. O mesmo acontece com uma criança homossexual.

    O que eu vou fazer então, deixar de me expressar, restringir a minha liberdade de expressão porque A ou B vão ter seus corações feridos? Por que um “pecador” (pecado da homossexualidade, um homossexual, segundo a teologia cristã) vai sofrer com isso? Deixar de dizer o que eu penso para poupar uma criança homossexual de ouvir a “verdade” de sua “condição pecaminosa”? É, isso.

    Independente de teologia, doutrinas ou crenças, estamos lidando com seres humanos, e não com corinthianos, gayzistas, fundamentalistas, flamenguistas etc., estamos lidando com a Maria, com o João, com o Francisco, cada qual uma pessoa única e conhecida de Deus. Independente de teologia, doutrinas ou crenças, estamos lidando com crianças que estão se desenvolvendo, crianças que precisam desfrutar da sua infância, brincar, serem felizes e ter uma vida alegre e saudável enquanto podem. Independente de teologia, doutrina ou crenças, essas piadas não são inocentes, se você acha isso, é porque não é com você.

    Somos responsáveis por toda palavra que sai da nossa boca, pelo modo que falamos, pela hora que falamos, e para quem falamos. Há hora de aconselhar, há hora de repreender, há hora de confortar, há hora para exortar, e há hora para se calar. Nem todo momento é propício para dizer o que quer, nem todos estão prontos para ouvir o que você quer dizer, nem todos suportam a dura exortação, e uma repreensão na hora e para a pessoa errada, pode pesar mais do que a pessoa pode suportar (e o próprio Deus não nos dá peso maior do que possamos suportar, mas nos alimenta e repreende conforme nosso amadurecimento), e nesse caso, será tu o responsável pela queda do seu irmão, não se dá alimento sólido para crianças, e se ela se engasga, é você quem dará conta disso diante de Deus.

    Portanto sim, vale a pena abrir mão da liberdade de expressar um comentário preconceituoso, de expressar um comentário que possa ferir o coração de uma criança. Se Jesus se abdicou de muito mais por mim, o que é isso diante do sacrifício e do que ele abriu mão por mim? Isso é o mínimo que posso fazer pelo meu próximo.

    • Disse o Val;
      “Portanto sim, vale a pena abrir mão da liberdade de expressar um comentário preconceituoso, de expressar um comentário que possa ferir o coração de uma criança”.
      É Val, trocando em miúdos vc quer que os cristãos se conformem com o pecado que tomou conta da humanidade, chegou ao ponto de falar em crianças feridas, rsrs…. “menos Val, bem menos”.
      Um cristão que expressa sua fé condenando o pecado, não esta sendo preconceituoso, ele não tem preconceito, ele tem sim, é, CONCEITO formado segundo a Palavra de Deus, que em inúmeras passagens condena veementemente o pecado homossexual, (entre outros), inclusive diz ser ele ABOMINAÇÃO aos olhos do Senhor.
      O que vc deixa claro é que em sua obsessão na defesa de sua causa, atropela princípios bíblicos, distorcendo-os.
      Lembre-se!
      “O homem de bem alcançará o favor do Senhor, mas ao homem de intenções perversas ele condenará”. (Provérbios 12:2).
      A ordem bíblica é;
      “E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes as condenai. Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe. Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta. Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá”. (Efésios 5:11-14).
      Val Him!!!! Desperta.

    • Wanderlei Santana,

      Crianças sim, crianças que não foram criadas em um lar cristão, crianças que não tiveram estrutura espiritual, emocional etc., menos? Eu penso no menor, no mais pequeno, no mais fraco, nunca no mais forte, nunca no mais valente.

      Não estou defendendo a causa, estou defendendo que tem hora para tudo, inclusive para “apontar o pecado”. Jesus não condenou o pecado de Zaqueu antes de entrar em sua casa, entrou como entraria na de qualquer um, o maravilhou com sua presença, não o julgou, e o Zaqueu se arrependeu diante da atitude de Jesus. A samaritana que tivera cinco maridos, Jesus disse que estava ciente da situação dela, e em nenhum momento a julgou, mas pregou as Boas Novas para ela, e esta veio a se arrepender.

      O que faziam os fariseus? Defendiam a mesma coisa que você, apenas julgavam, condenavam, afastavam os pecadores de Deus. Foram pedra de tropeço para os pequeninos.

      Você não fala com a mesma severidade para um filho de três anos, que com um adolescente de dezesseis. Ambos tem estruturas diferentes, estão em diferentes estados de maturidade. Jesus não falava com um incauto cobrador de impostos com a mesma severidade que falava com um fariseu. Jesus tinha “tato” para pregar, conhecia para quem estava direcionando sua pregação, escondia segredos de uns, falava com parábolas para uns, explicava as parábolas para outros. Paulo mesmo disse que não se dá alimento sólido para bebês, mas leite.

      Falar na televisão aberta, é lançar palavras para toda sorte de pessoas, deve ser sábio ao fazer isso. Suas palavras tem consequências.

      Se quando você lança comentários para os homossexuais, sente que é o Espírito de Deus quem está te guiando, quem sou eu para te repreender? O vento sopra de acordo com o sistema estabelecido por Deus. Olha para dentro do seu coração, e se não há sinal de orgulho, se não deseja apenas discutir em vão, ou para exibir seu conhecimento, Glória a Deus, faça conforme o Espírito de Deus lhe impele. Que haja mansidão, sabedoria, auto controle, amor, justiça, compaixão, benignidade nas suas falas.

      Que a Paz seja contigo.

        • Engraçado a preocupação com as crianças, porém, muitos não estão nem aí para o projeto de lei do vagabundo do Jean Willis que pretende a cirurgia de mudança de sexo em crianças mesmo sem o consentimento dos pais.

          Quem apresenta maior mal às crianças?? Levi Fidelix ou o movimento gay??

      • Prezado Val Him,

        Alguns comentários…

        O verdadeiro cristianismo bíblico não corrobora que as pessoas sejam humilhadas, xingadas, discriminadas, ou qualquer coisa do tipo. Muitos dos que se dizem cristãos e o fazem ou não são cristãos de verdade, ou por imaturidade e ignorância o fazem. Estes precisam de instrução bíblica.

        Portanto, os verdadeiros cristãos são solidários aos sofrimentos que muitos homossexuais sofrem por violência física, psicológica (por bullying ou zombaria). Sabemos que não é fácil.
        Mas, não podemos, por mais que entendamos estas coisas, deixar de falar, em amor, que Deus condena estas coisas. Quem ama fala a verdade, e não fica fingindo que está tudo bem com algo que não está.
        Também, não podemos concordar com os valores defendidos pela militância gay, nem nos conformar com as ameaças à liberdade religiosa e a liberdade de expressão.

        Discordar não é o mesmo que desrespeitar. É verdade que muitos “”em nome de Cristo”” desrespeitam os homossexuais, mas isto é condenado pela mesma Bíblia que diz que o homossexualismo é pecado. Ou seja, desrespeitar o próximo é tão pecado quanto.

        Tendo dito isto, prossigo…

        1) Além do fato de que crianças que tenham orientação homossexual devem ser respeitadas, elas, assim como as crianças cristãs, devem entender que numa democracia, existem idéias diferentes que devem ser respeitadas.
        Elas não devem ser vítimas de qq tipo de bullying, mas também devem conhecer que num mundo democrático há pluralidade de idéias. Pode-se mostrar isto sem desrespeitar.

        E as crianças cristãs? Também não precisam do mesmo respeito? Ou a elas devem ser impostas idéias que vão contra seus valores?
        Existem também crianças cristãs que se chocam com a apologia gay. E como ficam?

        Diriam…”ah! mas elas estão sendo influenciadas e doutrinadas no cristianismo!”.
        Bem, as crianças podem ser doutrinadas na ideologia LGBT, mas não nos valores judaico-cristãos?

        A questão é que quando a militância gay fala sobre diversidade, ela acaba por agir com a maior intolerância. Pois, poderia-se abrigar qq tipo de ideologia, exceto a judaico-cristã.

        Ou seja, há uma duplicidade de critérios onde a comunidade LGBT deve ser respeitada e celebrada, já o cristianismo não.
        A comunidade LGBT não pode ser perseguida, mas aos cristãos não se deve dar o direito de expressar suas idéias, de educar suas crianças, e de viver suas vidas conforme suas consciências demandam.

        2) De fato, muitos que se dizem cristãos apontam o pecado dos outros por legalismo. Mas, isso não expressa a totalidade da questão. Para isso, precisamos entender o que é legalismo.

        Legalismo é um comportamento em que a pessoa se considera superior a outra e aponta o descumprimento de uma pessoa a uma norma, a qual considera inferior por tal descumprimento.
        Além disso, a pessoa não apenas crê que seria superior a outra por, supostamente, ela cumprir tal norma, como também por crer que é a observância de tal norma (ou normas) que conduz a pessoa à salvação.

        Isto é completamente diferente do cristianismo bíblico.

        Já falei aqui em outros comentários, que a pregação do evangelho por um verdadeiro cristão é como um mendigo que estava morrendo de fome e achou pão e vai contar a outros mendigos que estão morrendo de fome onde eles podem encontrar pão.

        Ou seja, sabemos que não somos melhores que ninguém e somos tão merecedores do inferno como todos os demais seres humanos. Sabemos que somos pecadores e que Deus é bom e justo, que não tem por inocente o culpado, e por isso, merecemos sua justiça.
        Mas, Deus deu prova de Seu amor para conosco, que enviou Seu Filho para pagar o que jamais teríamos condições de pagar. E através de Jesus, mediante arrependimento e fé em Seu Nome, nos dá o perdão dos pecados, uma transformação de caráter (novo nascimento) e a garantia da vida eterna. NÃO por qualquer virtude ou boa ação nossa, mas por um presente que não temos como merecer (Graça).

        Portanto, quando um cristão verdadeiro compartilha o evangelho, não está fazendo isso para se vangloriar ou para ridicularizar ninguém. Mas, por amor e compaixão.
        Isto, porque independentemente de orientação sexual, raça, gênero…”todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3: 23).
        E por isso, merecem a justiça de Deus.

        Quando nós pensamos no destino eterno de todos aqueles que estão sob a ira de um Deus santo, bom e justo, nós, por amor a eles, compartilhamos do evangelho. Isto porque sabemos que nós mesmos também merecemos a justiça dEle, e a mesma graça que um dia nos alcançou também pode alcançar a outros.

        Assim, não é uma questão de estar certo ou errado. Mas, sim de amor. Nos importamos com as pessoas ao ponto de estarmos, também por elas, sermos sujeitos a perseguição, morte, espancamento e outros (Como acontece em vários lugares do mundo hoje e sempre ao longo da História).

        3) Tendo exposto isto no item acima, vamos ver os trechos bíblicos citados.

        a) Zaqueu – Jesus, de fato, não tratou a Zaqueu de forma legalista. Mas, ele não deixou de falar sobre o pecado de Zaqueu. Em Lucas 19:9-10, que são os versos que seguem o trecho citado, Jesus diz que naquele dia a salvação chegou àquela casa…porque Ele veio para salvar o que se havia perdido.

        Portanto, ele afirmou que Zaqueu estava perdido, e que mediante o seu arrependimento, a salvação chegou a ele. Só precisa ser salvo aquele que está perdido.

        Ou seja, Jesus, de fato, acolheu Zaqueu, mas não deixou de reconhecer o seu pecado.

        b) A mulher samaritana – Em João 4, além de no verso 18 Jesus falar de seu pecado (que o homem que tinha não era seu marido), também no verso 22 que os samaritanos adoravam o que não conheciam e que os judeus adoravam o que conheciam, porque a salvação vem dos judeus (e não dos samaritanos).

        Ou seja, além de apontar para a imoralidade sexual, também apontou para erros doutrinários.

        c) A mulher adúltera – Quando perguntado pelos escribas e fariseus sobre o que se deveria fazer com a mulher adúltera, em João 8, ele não responde que a mulher não devia ser apredejada. Ou seja, ele consentiu com a Lei de Moisés, que a condenava a isto. Só que Ele disse que o que não tivesse pecado atirasse a primeira pedra.
        Ele não cancelou a justiça, mas mostrou a eles que estavam sendo legalistas e que eram tão pecadores quanto a mulher (Além de salvá-la, é claro).

        Depois, disse a ela, não mais a condenaria. Mas, que ela fosse embora e não pecasse mais (pois já estava arrependida).

        Então, Jesus não deixou de falar sobre a realidade do pecado e suas consequências, sem ser legalista.
        Ele era amigo dos pecadores (e nós cristãos devemos também o ser) não por fazer vistas grossas para os seus pecados, mas porque Ele os ama e oferece uma solução.
        Ninguém que ama de verdade faz vistas grossas para os problemas dos amigos, antes quer que sejam solucionados. Mas, para isso, é necessário admitir que eles existem.
        Só há esperança de perdão de pecados, uma vez que se encara ele como é: é pecado. E quando para-se de se ficar justificando o injustificável e se rende a Cristo, em arrependimento e fé.
        Uma vez reconhecendo o pecado, vemos que precisamos de socorro, porque não temos forças em nós mesmos para pagar o castigo, nem nos livrar dele.

        Então, Jesus vem com Seu amor, misericórdia e poder, e não apenas nos perdoa, mas nos transforma, continua nos aperfeiçoando ao longo de nossa caminhada na Terra, e nos dá a vida eterna no céu.

        Um forte abraço,
        Carlos Augusto Welte

        • Boa tarde Carlos Augusto Welte,

          Eu sei perfeitamente que não são todos os cristãos que tratam com desrespeito os homossexuais. Conheço cristãos que são realmente cristãos, nesse ponto concordamos perfeitamente.

          1 – “…mas também devem conhecer que num mundo democrático há pluralidade de idéias. Pode-se mostrar isto sem desrespeitar”.

          Exatamente, o que não foi o caso do Sr. aí da reportagem, que por acaso não é cristão. Veja o desrespeito nas falas dele. O mesmo acontecia com os negros. Ninguém via nada demais no Didi chamando o Mussum de Urubu etc., e daí que os coleguinhas do amigo negro iam repetir as mesmas brincadeiras com ele?

          Creio que nós dois concordamos com isso.

          O que eu acho certo, é que tanto homossexuais, quanto membros de diversas religiões e etnias não passem pelo constrangimento desses “comentários debochados”, dessas “brincadeiras inocentes”. Os próprios crentes já foram alvos disso, e me dói no coração imaginar meu filho sendo alvo de brincadeiras preconceituosas por causa da sua fé, por ele ser fiel ao Deus do seu pai, algo que era para ele ter orgulho. Que benção o filho que admira seu pai, e quer seguir seus passos. E que triste ele ser discriminado e debochado por isso. Se dói em mim, me coloco no lugar do meu próximo, e também não desejo isso para ele.

          Quanto à criança cristã, ela vai encontrar na vida amiguinhos homossexuais. Querendo você ou não, eles existem (e não vai ser seu filho dizendo para o amiguinho que isso é errado, que vai mudar ele ou fazer ele se sentir melhor). Ela vai encontrar na vida, amiguinhos muçulmanos, judeus, espíritas, ateus, etc. Assim como estes também vão encontrar todos esses amiguinhos. Cabe aos pais, e à sociedade, ensinar seus filhos a respeitarem as diversidades.

          Você, como pai cristão, pode explicar a seu filho que existem pessoas como ele (heterossexuais, cristãos), e pessoas como o coleguinha dele (homossexual, ou muçulmano, ou católico, ou espírita etc.), conforme o grau de amadurecimento dele. Pode ensinar a ele o que a Bíblia diz (segundo a sua interpretação), e ensiná-lo a respeitar as diferenças e não discriminar o muçulmano, o judeu, o espírita, o homossexual etc. Seu filho vai aprender o que é certo (segundo você), mas vai aprender a respeitar quem pensa diferente dele. Se cada pai fizer isso, de todas as religiões, grupos étnicos e preferências sexuais, ótimo, vai haver respeito mútuo, mesmo com a diferença de pensamentos. Crianças que crescem assim, com certeza quando amadurecidas vão discutir suas idéias democraticamente e com muito mais tolerância e respeito.

          Quanto a questão política Evangélicos x Movimento LGBT, não entro nessa questão, estou tratando da questão humana, do coração.

          2) Concordo plenamente. Ah se todos os cristãos pensassem e agissem assim.

          3) a) Zaqueu – A ordem das coisas é extremamente importante, e é sobre isso que eu falo.

          Jesus admoestava os fariseus com firmeza, severidade, porque eles conheciam a Palavra. Ele não pregava com a mesma severidade para os pecadores abandonados por essa classe religiosa hipócrita. Esses pecadores já eram julgados pelos religiosos dia e noite (como os homossexuais, que já ouvem que sua condição é errada desde cedo, pelos pais, pelos amigos, pela igreja etc.). Não se dá alimento sólido para bebês, não se coloca um peso maior do que a pessoa pode suportar, o ensino vem de acordo com o grau de amadurecimento, e Jesus tinha muito “tato” para lidar com diferentes tipos de pessoas.

          Jesus primeiro entrou na casa de Zaqueu, quando este mesmo achava que não merecia aquela visita. Jesus não o julgou, não exigiu que ele se arrependesse e se purificasse para ele entrar em sua casa. O tratou como um igual, mesmo ele não sendo. E, diante de um gesto tão grandioso, ele se arrependeu, e somente DEPOIS que ele se arrependeu (certamente, agora estava em um grau de amadurecimento espiritual superior, pois se arrependeu e reconheceu o seu pecado, com tanta força espiritual que se pôs a se livrar de metade do que tinha para dar os pobres, e devolver além do que havia roubado, quatro vezes mais), Jesus falou sobre o pecado.

          Agora qual é a ordem de muitos pregadores por aí? Lançam um milhão de textos bíblicos condenando os homossexuais (como se eles já não fossem condenados desde crianças por isso), esperando que eles se purifiquem para Jesus entrar em suas casas (corações). Eles fazem exatamente o inverso de Jesus, agem como Jesus, ou como os fariseus?

          Como você vai explicar a um cego como é o azul do Céu? Os religiosos daquele tempo, e do nosso, querem que os cegos acreditem que o céu é azul sendo ainda cegos. Enquanto Jesus primeiro cura o cego (entra no coração do pecador), e mostra a ele a cor do Céu, o cego enxerga com seus próprios olhos (ele é convencido do pecado).

          Quem sai por aí divulgando que o homossexualidade é pecado (para quem acredita), chicoteando as pessoas com textos bíblicos, como faziam os fariseus (que mais afastavam o pecador de Deus), é como alguém que chega para um homem que nunca viu o Mar, e começa a falar do Mar. E ele não acredita. E o homem pega um pouco de água do mar e leva para ele, e ele pensa que você simplesmente colocou sal em um pouco de água. E você ainda o condena por não acreditar em você. Não seria melhor ser suave e gentil com ele, e chamá-lo para dar uma volta, e ir conduzindo ele lentamente até o Mar, para que ele veja com seus próprios olhos?

          b) Jesus só mostrou que conhecia a condição dela (é como alguém dizer: “eu sei que você é homossexual”, sem nunca ter visto a pessoa), tanto que ela ficou maravilhada, e perguntou se ele era profeta. Mas antes, ele sendo judeu, falou normalmente com uma samaritana, como uma igual, e ainda lhe pediu água (coisa que nenhum religioso faria, visto que nem tocavam em samaritanos). Ou seja, primeiro ele se aproximou dela como um igual, como fez com Zaqueu. Ele não esperou Zaqueu se livrar dos seus pecados para o tratar como igual e comer na sua casa, não esperou a mulher se livrar dos seus pecados para tratá-la como igual, não os julgou antes de tratá-los como igual.

          Quanto a questão dos samaritanos, foi ela quem perguntou, maravilhada com o conhecimento de Jesus, e ele só respondeu à pergunta dela, esclarecendo ainda mais, com uma mensagem de esperança. A mulher ficou tão maravilhada que saiu divulgando as boas novas que recebeu.

          Jesus pregou sobre as maravilhas, as boas novas, a água da qual quem bebe nunca mais terá sede, da adoração em verdade e espírito etc., e não sobre imoralidade sexual.

          Como um fariseu falaria com ela? “Se converte dessa vida pecadora”. A pregação certamente seria sobre imoralidade sexual (condenar o pecado, alegando amor por aquela pessoa).

          De fato, os religiosos de hoje também mais chicoteiam homossexuais com textos bíblicos do que pregam as boas novas. Batem em quem já está cansado de apanhar, colocam peso em quem já está cansado de carregar peso a vida inteira. Não são sal para dar sabor à vida dessas pessoas, são sal nas feridas deles que estão abertas.

          Que tal curar primeiro as feridas, e depois falar em como evitar novas feridas (não pecar mais)?

          c) A mulher adúltera foi o mesmo caso. Primeiro Jesus curou suas feridas (a salvou dos seus acusadores, e não a condenou). E só depois, lhe disse (vá e não peque mais).

          Assim ele também fez com Zaqueu, diferente dos fariseus de ontem e de hoje, que eram e são sal nas feridas dessas pessoas, ele entra em suas vidas, as trata de modo que ninguém antes os tratou (senta e come com eles como a um igual, sem julgar e condenar, sem bater mais em costas cheias de cicatrizes e feridas), e estes, ficam maravilhados com Jesus, e se convertem, porque Jesus é sal na vida deles, é luz em suas trevas.

          Em um grau de amadurecimento diferente, vamos dando lições diferentes. Não se dá alimento sólido para bebês, e não se castiga uma criança como se castiga um adulto (e palavras, mesmo que versículos bíblicos, doem muito mais que chicotadas).

          Que a Paz seja Contigo.

          Um forte abraço.

          • Prezado Val Him,

            Desculpe a demora na resposta, pois tive problemas pessoais que tive que resolver.

            Respondendo…

            1) Também concordo que não deve desrespeitar ninguém, e também creio que o Marcelo Rezende foi infeliz em fazer tais comentários.

            Quanto às crianças cristã, elas também devem ser ensinadas a respeitarem as diferenças. Não fazer bullying ou ofender pessoas devido às diferenças. Mas, estas também devem ter o direito de manifestar sua discordância.

            2) Quanto a ordem nos textos.

            Jesus não apontou o pecado dele, pois Zaqueu já tinha se mostrado arrependido antes. Mas, não deixou, mesmo depois disso, de mostrar que não fica indiferente em relação ao pecado.

            Dizer que Jesus só falou sobre o pecado da mulher adúltera só para mostrar que Ele sabia da situação, não faz sentido.

            Primeiro, porque ela foi trazida a Ele por causa do adultério. Então, se ela não sabia que Ele sabia, ela devia ter algum problema cognitivo.
            Jesus não só falou “Eu sei que vc cometeu adultério”. Jesus disse “Vá e não peques mais”.
            E isso falou conhecendo o seu coração, pois ela sequer disse que estava arrependida.
            Ou seja, em seu diálogo com ela, foi Ele o primeiro a falar em “pecado”.

            Ou seja, Ele estava falando que ela não devia continuar em pecado.
            Mas, se um cristão, por mais amoroso que seja, segundo sua lógica, seria considerado um fariseu por dizer a mesma coisa.

            Jesus não condenou fortemente os fariseus porque eles conheciam a Palavra, ao contrário dos outros.
            Os outros, apesar de não serem estudiosos da Lei, sabiam o que não se deveria fazer. Você acha que ninguém sabia sobre os preceitos bíblicos sobre roubar, adulterar e de pureza sexual, exceto os estudiosos da Lei?
            Jesus condenou os fariseus pela sua hipocrisia, não simplesmente por conhecer e não cumprir.
            Até porque, ainda que não conhecessem a Lei como os fariseus, tanto Zaqueu, a mulher adúltera e a samaritana sabiam de preceitos básicos.

            Quanto à mulher samaritana, foi Jesus que começou a entrar no tema de seu pecado, quando fala “Traz-me aqui seu marido”. Ele já sabia onde ia dar a conversa….

            Além disso, ela não foi comunicar o fato aos anciãos da cidade só porque Ele revelou algo que lhe seria oculto, mas a pergunta dela no final das contas era: “será que Ele é o Cristo (ou seja, o Messias)?” (Joao 4:9).

            Ou seja, não era apenas por uma simples “revelação” de sua vida íntima, mas sim se Jesus seria o Messias.
            E embora, ela não fosse uma estudiosa das Escrituras, ela sabia sobre o conceito judaico do Messias, expresso no AT, mesmo não sendo judia.
            E isso engloba não só uma salvação temporal, mas também espiritual.

            3) De fato, há muitas pessoas que falam contra o pecado por motivações impróprias (legalismo, hipocrisia e outras).

            Mas, o fato de expor o pecado não necessariamente é isso.

            Como vc disse, devemos tratar as feridas das pessoas, mas para se tratar qualquer ferida, deve-se mexer nela e não fingir que ela não existe.

            Os cristãos verdadeiros mostram o pecado em amor. Como não são perfeitos, podem não fazer isso da forma mais sábia (creio que este é um dos maiores problemas!).

            De fato, alguns podem de forma hipócrita falar que estão falando do pecado em amor, e não estarem.
            Mas, creio que é difícil separar com 100% de certeza das pessoas que fazem isso em amor, as q fazem genuinamente ou não.

            Desta forma, não podemos rotular que todos os que apontam o pecado do outro o fazem com motivação farisaica. Precisamos ter muitos mais indícios para fazer tal questionamento.

            Mas, de qq forma, devemos respeitar as pessoas, e quando tivermos de falar sobre seus pecados, devemos fazer com amor, humildade, sabedoria e sensibilidade.
            Mas, devemos ver o pecado como Deus o vê, conforme as Escrituras: Pecado. Sem justificativas, sem desculpas, sem pretextos.

            O pecado é algo tão sério que Jesus veio em carne e morreu a pior das mortes por causa dEle.
            Por isso, também, se o pecado não fosse tão maligno, a morte de Jesus seria desnecessária.

            E só se trata um problema, quando o encara de frente, sem fugas ou vistas grossas.

            Contudo, realmente seríamos hipocritas se só apontassemos o pecado.
            Apontar o pecado, que é a função da Lei (vide Romanos 3:20), é a única coisa que nos mostra que precisamos de um Salvador.
            E maior é Deus que o nosso pecado, e Seu amor que enviou Seu Filho para nos perdoar e nos libertar do pecado. Estas são as boas notícias!

            Se alguém não se considera doente, como vai considerar uma boa notícia saber que o médico chegou?

            Um forte abraço,
            Carlos Augusto Welte

    • Parabéns cara.

      Posta isso nos comentários do face pq eu quero curtir e compartilhar(se possível).

      Uma musiquinha para os evangélicos pé no saco:

      O MEU DIA VAI SER MAIS FELIZ, QUANDO NOS LIVRARMOS DESSA RELIGIÃO INFELIZ.

      Mais fé, menos religião.

    • Também vou assistir. Será que a cena em que as crianças são massacradas sob a ordem do Faraó será realista? Não é à toa que aparece o alerta antes do programa “desaconselhável para menores de 14 anos”.

      .

    • Também vou assistir. Será que a cena em que as crianças são massacradas sob a ordem do Faraó será realista? Não é à toa que aparece o alerta antes do programa “desaconselhável para menores de 14 anos”.

      .

    • Também vou assistir. Será que a cena em que as crianças são massacradas sob a ordem do Faraó será realista? Não é à toa que aparece o alerta antes do programa “desaconselhável para menores de 14 anos”.

      .

    • Também vou assistir. Será que a cena em que as crianças são massacradas sob a ordem do Faraó será realista? Não é à toa que aparece o alerta antes do programa “desaconselhável para menores de 14 anos”.

      .

    • Também vou assistir. Será que a cena em que as crianças são massacradas sob a ordem do Faraó será realista? Não é à toa que aparece o alerta antes do programa “desaconselhável para menores de 14 anos”.

      .

  3. O Paulo Betti fez um gay caricato, mas me decepcionei com o papel do José Mayer que sempre foi galã e conquistador e fez um gay enrustido.
    Marcelo Rezende, dança conforme a música. É típico dele.

    • Ora, as pessoas que não tem TV a cabo podem assistir a “Moisés”. Será que a cena do massacre das crianças pelo Faraó e a dor das mães será realista? Isso, sim, é programa para a família brasileira. Não é à toa que o mundo é tão violento.

      .

  4. É o típico funcionário que faz tudo o que o patrão manda, mesmo aquilo que fere sua própria consciência. Não gosta da novela da globo? É simples, não assista, cara pálida!

  5. Evangélicos – que não deveriam ver novelas, afinal o pastor proibe – assistem a uma cena em que um casal homoafetivo se beija e têm surtos de ira e maledicência farisaicas.

    Porém, quando leem na Bíblia que o profeta Elizeu ordenou que dois ursos matassem 42 meninos apenas porque os mesmos brincaram com o fato do profeta ser careca, aí os crentes acham essa leitura inspirada, inocente e recomendada inclusive para leitura na escola dominical. Quanta incoerência! Quanta cegueira! Quanto cinísmo!

    “De Jericó Eliseu foi para Betel. No caminho, alguns meninos que vinham da cidade começaram a caçoar dele, gritando: Suma daqui, careca! Voltando-se, olhou para eles e os amaldiçoou em nome do Senhor. Então, duas ursas saíram do bosque e despedaçaram quarenta e dois meninos.” (2ª Reis 2:23 e 24)

      • Nessa vida talvez querido Dennis, mas quando estivermos na Gloria do Senhor e você não, daí entenderá, e gostaria de ter sido “uó do borogodó” (nem sei o que significa). Mas não se esqueça que ainda dá tempo, o nosso Deus pai é misericordioso e está de braços apertos te esperando…!!!

    • Sandro

      O pastor não proibe, na minha casa eu assisto o que eu quiser! Não seria um pastor que iria mandar na minha consciência!

      Eu não assisto a rede globo(e canal aberto nenhum) por que incentiva a decadência da família.

      Portanto não confunda as coisas.

    • Olá Sandro, você terá uma grande surpresa, pois no julgamento final creio que Deus vai lhe permitir ver o filme de como isso de fato aconteceu, mas daí não terá mais como voltar atrás…

  6. Quem ama verdadeiramente Jesus nem liga pra gays novelas fofocas d celebridade,porque sabe q tudo isso precisa acontecer pra que cristo venha buscar a igreja.porisso devemos orar pra ser. Salvos e pra que pessoas venham conhecer verdadeiramente o nosso Senhor.Aquele que está em cristo nova criatura e as coisas velhas já passaram.

  7. A Record da seita universal não tem moral para criticar a Rede Globo, uma vez que ela não está preocupada com valores morais, o pior é a Record, que se diz canal cristão ou ligado a Igreja cristã que passa o lixo televisivo chamado A Fazenda, onde comentem todos os pecados contra os 10 mandentos. Antes de criticar os outros, deveriam olhar para os próprios erros.

  8. Esses “mestres” (I Tm.1:7) confundem “eunuco,” pessoas, do sexo masculino, assexuadas (que tiveram seus órgãos sexuais extraídos) com homossexuais.

  9. Ola pessoal, na minha opinião tanto as novelas apelativas e promovedoras da degradação da família que vem pela Rede Globo pois na realidade os atores interpretam o que não vivem na realidade, e falando na nova “”novela”” da Record chamada OS DEZ MANDAMENTOS, meu Deus estão banalizando as Escrituras e transformando umas cenas que fogem a realidade da Bíblia, por favor respeitem a Palavra de Deus, não façam tal coisa para promover espetáculos. Respeitem a Palavra do meu Deus. Fazer novelas de maneira a interpretar com exageros e erros. Macedo dono da Record, respeite e tenha nais reverencia ao Senhor nosso Deus. Já a Rede Globo, o melhor é o povo nem ligar nesse horário, para não serem levados pela baixaria de Sodoma e Gomorra.

DEIXE UMA RESPOSTA