Procurador-geral da República pede a absolvição do pastor Marco Feliciano em processo de estelionato

9

O procurador-geral da República Roberto Gurgel pediu a absolvição do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) no processo em que é acusado de estelionato, por ter recebido valor de uma produtora de eventos e não ter comparecido ao local combinado.

“Não se provou que o acusado pretendeu obter para si vantagem ilícita”, afirmou Gurgel. O processo agora será encaminhado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski ao plenário para julgamento.

O processo foi movido devido ao não comparecimento do pastor num evento realizado em São Gabriel, no ano de 2008. À época, o pastor considerou o convite cancelado pois os contratantes não cumpriram o prazo estipulado em contrato para o depósito dos valores acertados.

De acordo com Feliciano, o valor recebido à época para despesas de transporte foi de R$ 8 mil, porém como essa quantia foi depositada fora do prazo, o pastor agendou um compromisso no Rio de Janeiro para a mesma data.


Posteriormente, o pastor ressarciu a produtora em R$ 13,3 mil a partir de uma decisão da Justiça da cidade de São Gabriel, no Rio Grande do Sul. No entanto, a produtora do evento alega que o prejuízo foi de quase R$ 100 mil à época, devido a gastos com segurança, publicidade, passagens aéreas e estrutura para o evento, e que atualmente a dívida estaria na casa de R$ 2 milhões.

O Ministério Público entende que não há evidências de que o pastor Marco Feliciano tenha sido informado por sua assessoria das conversações posteriores junto à produtora, e por isso, alega que a ação deve ser tratada na esfera civil, e não criminal. Uma segunda ação, que visa reparação de danos, já corre na Justiça, segundo informações do portal Uol.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

9 COMENTÁRIOS

    • jogito este sim merece cadeia fez homenagem a satanica xuxa e chamou os crentes de cachorro deixou passar batido quando colocaram voces na mesma lei do racismo tinhas era que o aplaudir e não criticar

  1. Não sou advogado do Pr Marco Feliciano e nem membro da sua Igreja, mas justiça seja feita. Este senhor do cartão de crédito já veio a público dar seu testemunho juntamente com sua esposa. Não tinham nenhum centavo, pela fé colocou o cartão, e que foi muito abençoado por isso. Os odiosos e ativista gayzistas não querem a verdadeira informação, querem é difamar. Violam a liturgia de culto, não respeitam a família, provocam a maior baixaria, verdadeiros vândalos.

  2. Não precisa de evidências para colocar esse safado na cadeia, basta ver: as suas publicações mediocres, o seu conservadorismo nojento e barato e a sua cara de marginal estelionatário. Isso já é tudo para condena-lo!

    • espero que todo este empenho para que prendam o cara ai , também ache guarida para josé jesuino e joão colocados pelo pt dentro da camara na comissão mais importante tendo sido condenados por formação de quadrilha e roubo

  3. Se existe prazo para se pagar e isso não foi feito, fica caracterizado o desinteresse da parte contratante.
    Como havia outros com o mesmo interesse e que cumpriu com o prazo, nada mais justo que atender a este.
    Quem comenta deveria analisar o fato e não a pessoa.

  4. Vou te contar Brasil!!!!

    Enquanto não formos para rua lutar pelo bem comum dessa sociedade que se chama dignidade pra viver, e continuarmos se indignando de maneira morna o negocio não vai pra frente.

DEIXE UMA RESPOSTA