Procurador oferece documento para pais combaterem ensino da ideologia de gênero nas escolas

5

A batalha contra a implementação da ideologia de gênero nas escolas vem sendo travada em diversas frentes pelas lideranças cristãs e parlamentares da bancada evangélica. Na última semana, 25 de maio, o deputado Marcelo Aguiar (DEM-SP) apresentou um documento que permite aos pais uma forma de combater a adoção dessa filosofia nas escolas.

Trata-se de uma “notificação extrajudicial”, redigida pelo procurador da República Guilherme Schelb, para que pais e/ou responsáveis possam cobrar das Diretorias de Ensino a não implementação da ideologia de gênero nas escolas.

Segundo informações da assessoria do parlamentar, por meio desse documento os professores e administradores das escolas – públicas e privadas – serão notificados pelas famílias sobre a possibilidade de serem processados por danos morais caso lecionem matérias com conteúdo associado à ideologia de gênero.

“Caso professores e escolas se recusem a assinar o documento, há duas atitudes que os pais ou responsáveis poderão tomar para que o documento tenha validade jurídica. A primeira é se dirigir ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos com o nome e endereço da escola, para que ela seja comunicada via cartório. A segunda é encaminhar a notificação em carta registrada com AR (aviso de recebimento) via Correios”, explica a nota no site de Aguiar.


“Esta notificação pode ser feita em três vias (a família guarda uma via e as outras são dadas à direção da escola e professores) por um familiar isoladamente ou por um grupo de pais”, acrescenta.

Marcelo Aguiar destacou que a luta contra a difusão da ideologia de gênero nas escolas vem sendo travada por cristãos evangélicos e católicos: “Em todo o país, igrejas evangélicas e católicas têm distribuído cópias dessa notificação aos fiéis. Nessas igrejas, sacerdotes incentivam a formação de grupos de pais com filhos nas mesmas escolas para a entrega conjunta das notificações. Para todo esse procedimento, não é necessária a presença de advogado”.

No entanto, o deputado alerta que o processo só deve ser movido caso obtenha-se prova de que a ideologia de gênero está sendo ensinada na escola após a primeira notificação: “Para que o pedido de indenização por danos morais seja efetivado, é preciso comprovar que a escola ou professor desobedeceram à notificação da família. Vale como prova filmagem, material didático trabalhado em sala de aula, confecção de cartazes, passeatas, filmes, apresentações teatrais, palestras ou tarefas ou exercícios pedidos aos alunos”.

“É muito importante que os pais e responsáveis, pelas crianças e adolescentes, estejam atentos aos assuntos que seus filhos tem visto nas escolas. A presença dos pais na vida escolar também é importante para o bom desenvolvimento da criança e para o bom desenvolvimento das famílias”, conclui a nota.


5 COMENTÁRIOS

  1. graças a Deus Ainda tenho condições para pagar um colégio como a Adventista. que respeitam a família e tem princípios cristãos. DEUS tome conta dos alunos que estão na pública que talves comecem.a estudar essa aberração. Não desrespeitando a nenhum professor mas a matéria que será imposta as nossas crianças esse lixo querem mas não conseguirão mexer na mente dos nossos meninos e meninas.

  2. Pastor que estuprou a filha por 6 anos foi denunciado pela esposa à polícia em 31/05/16
    A denúncia foi feita pela esposa, após a mesma notar comportamentos estranhos do pastor.
    O pastor que liderava uma igreja, na cidade de Jundiaí – SP, foi acusado pela esposa de abusar sexualmente da própria filha. Ele confessou à policia que estuprou a vítima durante 6 anos. Atualmente, a menina está com 14 anos e só parou de sofrer os abusos, porque sua mãe suspeitou dos comportamentos estranhos do esposo. Ela reparou que o líder religioso pegava calcinhas da menina no cesto de roupas sujas e apresentava ciúme e possessividade. A mãe da menina resolveu falar sobre o assunto com outro pastor, que tem um cargo acima do seu marido, na hierarquia da igreja. E este recomendou que ela procurasse a polícia imediatamente. …
    Fonte: blastingnews

    • O que tem esta denúncia a ver com o assunto aqui? Esta meio fora não é? Você faz parte das pessoas que ficam fazendo denúncias fora de contexto para desmerecer a luta dos outros?!

  3. Tenho um filho e não quero ele exposto ao pederastismo, às ideologias perversas deste século corrupto. Se o homem quer pecar, faça isto enquanto Deus o permitir, mas querer nos obrigar a participar? Dar assentimento ao erro? Não obrigado!
    “Mas se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar.” (Mateus 18:6)
    “O Senhor é tardio em irar-se, mas grande em poder, e ao culpado não tem por inocente..” (Naum 1:3).

DEIXE UMA RESPOSTA