Sarah Sheeva diz que feminismo abre mão da exclusividade da mulher: “Homem não pode engravidar”

Entrevista concedida a Danilo Gentili, no The Noite, reforça visão conservadora a partir dos princípios bíblicos

0

Um manifesto contra o feminismo extremista. Assim pode ser definida a entrevista da pastora Sarah Sheeva ao programa The Noite, no SBT, apresentado por Danilo Gentili.

A pastora iniciou a entrevista reiterando sua postura imutável no que se refere aos papéis de homens e mulheres no relacionamento e na sociedade, e Danilo Gentili decidiu questiona-la se as feministas a atacam. Surpreendentemente, Sarah Sheeva revelou que muitas vão aos cultos que promove, ouvem suas propostas, e se desculpam pela interpretação equivocada.

“Elas me procuram dizendo: ‘me perdoa, eu te julguei, mas eu entendi a sua mensagem. Na verdade você não está lutando nem por feminismo, nem por machismo, e sim por um resgate dos valores de cada um dentro da família’”, disse a pastora.

Sarah Sheeva salientou que o feminismo foi importante para conquistar melhores condições de vida, trabalho e direito ao voto, por exemplo, mas que os temas abraçados pelo movimento hoje são fúteis: “O que nós estamos ganhando com isso hoje? O homem não abre mais a porta para a mulher, não dá mais passagem para a mulher”, ilustrou.


Para a entrevistada, há incoerência na bandeira do aborto, porque ela abre mão de uma exclusividade da mulher: “O homem não pode engravidar no nosso lugar. Eu não quero direitos iguais, eu quero meu direito de ser tratada como a parte mais frágil, de trabalhar menos porque eu envelheço mais rápido”, destacou.

“Nós não somos iguais — perante Deus sim, mas não em função. Em funções nós somos diferentes. A estrutura emocional da mulher é diferente do homem. A mulher tem necessidades que o homem não tem”, contextualizou, reforçando o argumento conservador que tem difundido.

“Nós conquistamos muitas coisas e estamos banalizando nossas próprias conquistas. Hoje essa luta pelos direitos iguais virou uma bagunça. ‘Eu quero o direito de sair nua’. Nada justifica o estupro, homem nenhum tem o direito de tocar numa mulher, mas qual é a situação de uma mulher que sai assim?”, questionou.

O grande problema do movimento feminista contemporâneo é que as mulheres ativistas estão enxergando a curto prazo, no ponto de vista da pastora: “Mulheres que querem direitos iguais têm uma intenção boa, mas o resultado não está sendo legal. Nós precisamos restaurar o valor da mulher ser a parte mais frágil, do homem ser o conselheiro. É tão gostoso você ver um relacionamento em que a mulher admira o homem e o homem protege a mulher”.

A conversa caminhou na direção da submissão no casamento, e Sarah Sheeva não fugiu do tema: “A Bíblia é muito clara quando diz que devemos nos sujeitar uns aos outros. Quando você tem um lar com amor, o homem não tem essa coisa de querer impor sobre a mulher. Ele tem uma relação bem resolvida com a mulher, e ela com ele. Eles são melhores amigos. Você não vai casar bem se não casar com seu melhor amigo”, aconselhou.

Zoeira never ends

Gentili, conhecido por suas tiradas de humor, questionou se a pastora não se incomodava em ser alvo de piadas e gozações nas redes sociais. Sarah Sheeva, repetindo o estilo de sua mãe, a “popstora” Baby do Brasil, disse que seu chamado da parte de Deus foi exatamente para ser alvo de chacota.

+ “Meu futuro marido deverá estar há cinco anos sem ver ‘aquilo maravilhoso’”

“Jesus me avisou que meu tempo de espera iria ser longo, porque eu fui chamada para ser zoada, para ser exposta. É o propósito de Deus para mim. As pessoas não acreditam que é possível alguém se guardar, e Ele falou: ‘Sei que você vai ter coragem de matar essa bola no peito’. E respondi: ‘Tenho, Papai’”, afirmou.

Segundo Sheeva, em certo momento ela relutou para fazer o que vem fazendo: “Ele ficou quatro anos me invocando: ‘Volta para mídia’. Mas eu falava: ‘Não volto não’. Um dia, Ele me deu uma bronca durante uma oração, aí foi ‘tudo bem, eu volto’. Um mês depois, todo mundo começou a me chamar”, disse, referindo-se às palestras que apelidou de “Culto das Princesas“.

Por fim, a pastora falou abertamente sobre sua decisão de se abster do sexo, já que não é casada: “No mercado dos relacionamentos, seu ‘preço’ vai muito. Quando alguém fica sabendo que você está há tanto tempo sem sexo, o pessoal acha que você está fazendo tipo. Então, fica aquele fogo, acham que é uma fantasia, mas não é nada disso. O verdadeiro motivo é que a pessoa certa não chegou”, concluiu.

Assista:

Assine o Canal

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA