Brasil

Senadora diz a pastores que PLC 122 pretende punir só as atitudes homofóbicas

Comments (74)
  1. rgb disse:

    Gente, como a gente tem pouca firmeza em nossa sociedade. Que falta de representação. É perigoso ter pastor que acredite, e passe a apoiar a PLC 122. Pelo amor de Deus, igreja tenham todos o mesmo pensamento fl.2:5.

  2. J.J disse:

    As pessoas que são contra essa lei, ja estão caracterizando sinais de preconceito, acredito que a PLC 122 não quer acabar com a liberdade de expressão de ninguém, com essa lei queremos simplesmente respeito, da mesma forma que você não pode discriminar alguém por ser negro, deveria pensar que não se deve discriminar alguém pelo simples fato de ser homossexual.

  3. Roberto Domingos disse:

    Pela opinião do Sr JJ, já se pode ver o perigo da PLC 122. A democracia, as leis só são boas quando protegem os interesses de grupos, só o fato de ser contra uma lei que ameaça a liberdade religiosa já é ser preconceituoso, homofóbico. Não devemos nos esquecer dos protestos por parte do movimento Gay contra a visita do Papa ao Brasil e mais recentemente o cerco de gays a igrejas, bem como a invasão e depredação de um templo evangélico nos EUA.
    Fonte http://www.lifesitenews.com/ldn/2008/nov/08111104.html

  4. ggg disse:

    Ser negro não é uma opção que a gente faz ao nascer…
    Ser deficiente também não é uma escolha…
    Não se escolhe nascer homem ou mulher, porém, em todas as partes do mundo as pessoas sofrem de discriminação por isso.
    Pobres, ricos…
    Mas ser homosexual é uma opção, vc pode escolher entre fazer o que Deus manda (obedecer), ou ceder aos caprichos do Diabo e desobedecer.
    A Palavra de Deus é bem clara, no livro de Apocalipse capítulo 21, versículo 8 “Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem IMORALIDADE SEXUAL,os que praticam feitiçaria, os idólatas e todos os mentirosos – o lugar deles será no lago de fogo que arde com enxofre…”
    Questionem a Deus aqueles que são contra sua palavra, e abram os ouvidos, porque ELE responde.

  5. Thalita disse:

    Eu gostaria, sr. ggg, que não tentasse passar uma informação mentirosa, já que vi sua mensagem e fui atras de Apocalipse 21:8 e em nenhuma biblia vi o termo “imoralidade sexual”, e mesmo que haja a palavra “imorais” de forma alguma há “sexual, sexualidade, homossexuais” ou qualquer outro termo relacionado.

    Uma grande, e hoje crescente, parte dos estudiosos tem questionado essa interpretação, mostrando que a palavra ‘malakoi’ (original palavra escrita nessa passagem), mesmo quando traduzida como “efeminado” jamais pode ser entendida como uma referência a homossexuais. Mostram que tal tradução é ambígua uma vez que “efeminado” filologicamente sempre significou “mulherengo”, e é esse o sentido que a palavra original tinha nos tempos de Paulo – o que, de fato, é coerente com a passagem citada.
    Tais críricos lembram também que a palavra “efeminado” só adquiriu conotação de “homossexual” na Modernidade, de modo que inserir essa tradução nos escritos de Paulo seria um gritante anacronismo e algo profundamente descabido. No intuito de comprovar tal entendimento, acrescentam que nunca, em nenhum texto, em nenhum época sequer a palavra malakoi significou “homossexual” ou conceito semelhante, e desafiam a quem possa mostrar o contrário.

    “Mania de acreditar que as sagradas escrituras foram ditadas diretamente por Deus e que, por isso, tudo o que nelas está escrito é sagrado, verdadeiro e deve ser obrigatoriamente obedecido para sempre. A verdade divina está fora do tempo. Mas se de qualquer forma temos que agir com o que está escrito na Biblia, necessito de alguns conselhos adicionais de sua parte a respeito de outras leis bíblicas e sobre a forma de cumpri-las:
    1 – Gostaria de vender minha filha como serva, tal como o indica o livro de Êxodo 21:7. Nos tempos em que vivemos, na sua opinião, qual seria o preço adequado?
    2 – Tenho um vizinho que insiste em trabalhar no sábado. O livro de Êxodo 35:2 claramente estabelece que quem trabalha aos sábados deve receber pena de morte. Isso quer dizer que eu, pessoalmente, sou obrigado a matá-lo? Será que a senhora poderia, de alguma maneira, aliviar-me dessa obrigação aborrecida?
    Sei que o senhor estudou esses assuntos com grande profundidade de forma que confio plenamente na sua ajuda. Obrigado de novo por recordar-nos que a palavra de Deus é eterna e imutável”

  6. Paulo Henrique disse:

    Sou bissexual e sou totalmente a favor dessa lei, chega de preconceito por parte desses fanáticos religiosos. Se eles têm o direito de nos discriminar, então também temos o direito de expressar nossa opinião. Homossexualidade não é opção, quem é gay ou lésbica já nasce assim, estudos comprovaram que uma pessoa homossexual possui mais hormônios do sexo oposto do que hormônios de seu próprio sexo. Portanto, antes de dizerem que homossexualismo é opção, pesquisem primeiro antes de falarem besteira, firmeza?

  7. EOC disse:

    Sou contra a PLC 122. Não discrimino ninguém.Cada um segue a opção que quiser. No entanto, exijo o direito de expressar minha opinião! Homossexualismo é pecado. Segundo a bíblia: Romanos 1:24-27 24 Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; 25 pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém! 26 Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; 27 semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.
    Me sinto discriminado pelos defensores deste projeto de lei, que tentam calar a boca de todos que se posicionam contra o homossexualismo.

    O projeto de lei pune somente as atitudes? não é isso que se encontra no texto.

    Gostaria de contar com a sensibilidade dos Senhores Senadores na não aprovação deste projeto.
    Nenhum ser humano está acima de qualquer crítica.
    Esse projeto tenta colocar os homossexuais numa casta superior a tudo e a todos.

    Isso é um absurdo!!

  8. Brandon Moss disse:

    Sou ateu com orgulho, não desrepeito ninguém e sou gay!

    então quero respeito!

    essa Lei precisa ser aprovada imediatamente

    e quem não quer aceitar é porque tem culpa no cartório

  9. Tata disse:

    Este está reformulado e corrigido:
    Engraçado, né?!
    Se eu sou branca e chamo uma pessoa negra de “preto, macaco”, sou preconceituosa (já existe lei);
    Se eu sou negra e chamo uma pessoa branca de “branquelo, azedo”, ñ existe preconceito? (cadê lei pra isso?);
    Se sou heterossexual e chamo um homossexual de “viado, bicha, pecador ou coisa parecida”, sou preconceituosa (lei que vcs querem aprovar, para privilegiá-los e ñ defendê-los);
    Se eu sou homossexual e chamo um heterossexual de “heterossexual de merd.., d q pessoa do sexo oposto é nojento ou coisa do tipo”, ñ existe preconceito? (cadê lei pra isso tbm?);
    Se sou cristão e chamo um “ñ-cristão” de “pecador, digo coisas que estão na Bíblia, afirmando q vão para o inferno ou coisa do tipo”, sou preconceituosa (lei existente e afirmação contínua da parte dos homossexuais);
    Agora, se sou “ñ-cristão” e chamo cristãos de “crente do rabo quente, preconceituosos e outras coisas caluniosas por crer na Bíblia e em Jesus Cristo”, ñ existe preconceito??? (cadê lei pra isso tbm???).
    Se fosse assim teriam que existir leis para defender:
    -Viciados e “ñ-viciados”;
    -Prostitutas e “ñ-prostitutas”;
    -ladrões e trabalhadores honestos;
    -etc…
    Assim como, deveriam defender leis específicas para cada tipo de cultura, crença, educação, criação e mts outras coisas existentes e necessárias…
    Sendo que na realidade existem leis q defendem a tds os seres humanos (cidadãos) igualmente, sem predileções.
    Existem pessoas que só pensam em si mesmos, dizendo q são discriminados e por isso querem lei para serem privilegiados e ñ defendidos pelos direitos humanos.
    Vocês só olham para os seus umbigos, “macaco q senta em cima do rabo e aponta o “defeito” dos outros”.
    Cristão ñ tem nada contra pessoas homossexuais, pois cremos q todos temos o livre arbítrio para decidir o q achar melhor pra si, mas sim, contra o Homossexualismo. “Movimento” repudiado por Deus.
    E se vc disser q “todos somos filhos de Deus e q Ele ama a todos igualmente”, vc está mto enganado, pois Deus ama os seus filhos e somos todos CRIATURAS d Deus. Filhos são aqueles que decidiram andar nos caminhos do Senhor e obedecer a Sua palavra e não toda criatura da face da Terra.
    Que Deus abençoe a todos os q estão empenhados em cumprir e defender as Escrituras Sagradas e q aos q ñ estão, q Deus liberte e lhes dê mta sabedoria, em nome de Jesus. Amém!

  10. Olá A Biblia esta escrito, que Dous criou macho e femea para se casarem e gerarem filos , não existe na Biblia que homem pode casar com homem e mulher com mulher, quero deixar muito claro que é pecado esse tipo de relacionamento, Levitico 18 v.20 a 22 / Levitico 20 v.13 / I.Reis 22 v.47 / Isaias 10 v.1-2 / Iasias 24 v.5-6 / Romanos 1 v.18a32 / I.Corintios 6 v.9-10 / alguns senadores com o presidente Lula quer colocar ditadura e massacre nos Evangélicos , mais nós vamos lutar porque não vamos aceitar o pecado entrar na igreja de Cristo , eu não aceito falam de preconceito mais esses policos que são o contrario a igreja, e quando chega as Eleição eles vão a igreja com a maior cara de pau pedir voto e fazer comicio e campanha na igreja , eu fico irritado com certo pastores ou Lider Religiosos que deixam esse politicos picareta fazer comicio e campanha dentro da igreja isso é uma vergonha , dois mil e dez (2010) estar chegando vamos colocar representante que estar trabalhando a favor da ética da Igreja e as familia de bém nesse Paiz , não descrimino ao homossexual trato muito bém só que não aceito eles quererem casar na igreja e se tornar membro da igreja , o homossexual tem que ter uma mudadnça de vida basiado na Biblia , sou conta o PLC 122.

  11. lde disse:

    A senadora Fátima Cleide realmente deve estar achando que os cristãos são muito trouxas.
    O PLC 122 pretende punir “só as atitudes homofóbicas”??
    Ela esqueceu de esclarecer que, para a militância gay (da qual ela faz parte), absolutamente TUDO que contraria suas vontades é considerado “homofobia”.
    Portanto, TUDO que desagradar a um homossexual militante será considerado crime, caso o Brasil permita que essa aberração de PL vire lei.

    Liberdade de pensamento, expressão e religião, sempre.
    liberdadedeexpressao.multiply.com

  12. Adson disse:

    Não tenho nd contra essa raça que se dizem cristãs.

    apenas quero enfatizá-los que são mais pecadores do homosexuais, bisexuais e etc.

    Quem são vocês para criticar?

    Acham que vão ter o céu o alcançe?

    Pobre coitados, pecadores mais que pecadores.

    Deixem-nos viver…

    Deus nos ama!

    SOU A FAVOR DA PLC 122 – JA PASSOU DO TEMPO DO SENADO APROVA-LA E O GOVERNO SANCIONÁ-LA!

    PLC 122 UM DIREITO DE VIDA!

    1. kjkj disse:

      Um comentário para o Adson!
      Olha agora quem pergunta a vc sou eu! quem és tu para dizer quem peca mais ou quem peca menos?acaso sois Deus?acaso conheces o interior e todas as atitudes da humanidade?ninguem aqui ta competindo não .
      Para chegar aos céus deve-se renunciar tudo aquilo que nos corrompe,tudo aquilo que é impuro! Deus fez a mulher para o homem veja :“E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gênesis 2:23-24). Deus criou o homem e depois fez a mulher do “osso de seu osso”. Então a MULHER e o HOMEM se uniram para não ficarem só . Ele n criou homem p homem e mulher para mulher!
      Eu de nunhuma maneira olharia para um homosexual e o zombaria ou até mesmo faria coisas piores,agora uma coisa é certa eu não vou deixar de viver a palavra de Deus e ter minha liberdade de expressão eliminada por causa da PLC.Afinal a bíblia tbm nos ensina a respeitar! respeito okok mas aprovar não! pq as escrituras afirmam : ”Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é;”
      Levítico 18:22 visse e versa!
      Agora querer que nós aceitemos é mto radicalista n? tudo bem ,quem n quiser crer na palavra de Deus okok! mas eu creio e não vou deixar minha fé por isso!
      fikdik apure mais os fatos p poder contestar com qualquer ser humano que n seja a favor disso tudo! Afinal EU também tenho liberdade de expressão se vcs querem TE-LA RESPEITE AO DO PRÓXIMO. QUEM QUER RESPEITO ,RESPEITA, QUERIDO!

  13. gisele disse:

    eu não aprovo e acho que os sque são chamados filhos e Deus e conhecem e lem a biblia não aprovaram isso,esses senadores em ves de aprovarem leis para o Brasil como melhorar a saude vprovarem a PEC300 aprovarem os que vão trazer alguma coisa boa pro Pais ficam ai aquerendo aprovar servegoice dese que não tem o que fazer do que querer ficarem se agarrando em publico vai ter sua liberdade em outro lugar em ve de ficar ai mostrando pra todo mundo vai arrumar o que fazer

  14. JB disse:

    strong>Homosexualismo não é pecado, sexo antes do casamento também não. Está mais do que na hora de leis rígidas defendam o direito dos cidadãos de bem. Que sejam barrados tudo o que restringe a liberdade de cada um. Que os gays tenham sussego. Os evangélicos deveriam se importar mais com os que roubam, os cobradores de dízimo, ou ler a bíblia corretamente e parar de seguir homens de terno e seguir a Deus.

  15. PSS disse:

    JB escreveu: “Homosexualismo não é pecado, sexo antes do casamento também não.”.
    PSS responde: Vá ler a bíblia antes de falar besteiras; não é você quem define o que é pecado ou não, e sim a palavra; é nela que está baseada esse tipo de definição, e não na tua opinião pessoal.

    Senadora Fátima Cleide (PT-RO) disse “E quantas pessoas são demitidas ou deixam de ingressar num emprego porque são gays?”.
    PSS pergunta: Por acaso essa lei vai proteger um hetero que é discriminado em ambiente gay? Vai aplicar as mesmas penas caso um hetero seja demitido de uma equipe sob liderança de um gay?

    Gente, entendam uma coisa: Ser gay não deve implicar em ganho de direitos! Isso é um absurdo total!

  16. A Senadora Fátima Cleide tem contas muito seria para prestar diante de Deus , elá precisa de ler a Biblia no novo e velho testamento , para saber o que estar escrito , porque estar escrito que os efeminados não herdará o Reino do Céu , que essa lei PLC 122 é afronta , agride as familias , igrejas , ou (Religião) então devemos manter a ética da igreja e as familias nos essinamentos Biblico , estou egasgado com esses politico que são inimigo da igreja , dar até nojo , e ira quando eles vão a igreja pedir votos , desta vez em 2010 vou esclher muito bém o próximo representae do Brasil , pode ter certza eu não voto no cadidato do Presdente Lula , não principalmente na Senadora Fátma Cleide , Governador José Seera , e todos que são favaraveis o PLC 122 esses pode ter certeza eu não voto , eu acho o seguinte que a igreja quem deve comadar é Pastor que toma conta dela , então nós não vamos aceitar hmossexual querer de ter o mesmo direito sem ter mudança de vida , Porque? no princio Deus criou macho e femea ou (homem e mulher) para se casarem e gerarem filhos na relação e serem felizes para sempre até que a morte separe , Genesis 2 V.18 a 22 / Genesis 3 V.16 a 24 / Efésios 5 V.31-32-33 / então homessexualismo é pecado diante de Deus , Leviticos 18 V.22 a 25 / Levitico 20 V.13 / Reis 22 V.47 / Romanos 1 V.18 a 32 / I. Corintios 6 V.9-10 / 2. Corintios 5 V.17 / Isaias 10 V.1-2 / Iasaias 24 V.5-6 / Jeremias 23 V.10 -19 / Apocalips 22 V.15 a 18 / Eclesiastes 12 V.13-14 / eu estou disposto de lutar pelos meus direitos porque estamos no Paiz Democrático não Ditadura , sou Brasileiro vou lutar até o fim tenho certeza que Deus vai fazer justiça , Jesus estar voltando prepara-te , sou contra o PLC 122 , anteciosamente.

    email- pastorvaldeirsouza@hotmai.com

  17. Eduardo Luiz disse:

    A enquete fica no lado direito do site, logo abaixo do “Fale com o Senado”.
    Perceba que até o texto de divulgação da enquete é tendencioso, rotulando de antemão os divergentes como preconceituosos.

    Se este Projeto de Lei 122/2006 (conhecido como lei da mordaça gay) for aprovado, estaremos institucionalizando em nosso país o sistema de castas e todos aqueles que não forem homossexuais serão considerados cidadãos de segunda classe. Este projeto maligno é cheio de erros e vícios jurídicos, e dará privilégios a uns enquanto rouba a liberdade de pensamento, expressão e culto de outros. Os movimentos gayzistas querem calar a Palavra de Deus. Não permita!

  18. Eduardo Luiz disse:

    Homofobia ou Teofobia

    A Bíblia é a regra de fé da cristandade de maneira geral. Seus princípios fundamentais são inquestionáveis e inegociáveis ao cristão verdadeiro e militante.

    Atualmente o Congresso Nacional, alienado dos princípios cristãos, aprovou um projeto onde tornar-se crime a pregação contra o pecado de homossexualismo. A lei é contra a homofobia, mas como está parece mais a “Lei de Teofobia”, ou seja, uma lei que arvora contra a cosmovisão cristã da vida e contra a própria natureza de Deus.

    A Bíblia é muito explicita quanto à condenação da prática homossexual (cf. Rm. 1; ICo. 6:9-11). Teologicamente falando o homossexualismo é uma perversão da natureza, um pecado e um erro do qual o homem precisa se consertar.

    Se a presente Lei for aprovada no Senado e sancionada pelo Presidente não poderemos mais pregar a Bíblia com relação a esse pecado. Toda a nossa democracia e direitos adquiridos estarão em xeque! Nesse contexto o pastor, padre, imã islâmico ou líder religioso que pregar que é pecado a prática homossexual estará em desacordo com a Lei e poderá ser preso – o que é um absurdo! Nossa democracia então terá se tornado em uma “ditadura da liberdade”.

    Não estou aqui dizendo que os homossexuais devam ser perseguidos, maltratados ou feridos em seus direitos democráticos. Vivemos em um estado laico e cada um, respeitando os limites, pode fazer o que quiser da sua vida. Entretanto, não vamos aceitar a perca da nossa liberdade religiosa só porque alguns querem que nos calemos – não vamos deixar de pregar os ensinos bíblicos por causa de uma Lei obtusa e sem fundamentação.

    Como cristãos, nós evangélicos, corroboramos com a Bíblia e entendemos que a prática do homossexualismo é inaceitável. Nossas Igrejas estão de portas abertas aos indivíduos que querem ajuda para libertar-se de qualquer infortúnio que lhes causem aflição de alma. O cristianismo que pregamos é redentor e transformador até mesmo para o homossexual que assim quiser.
    _________________________________________________________

  19. Eduardo Luiz disse:

    Homossexualismo à luz de Rm 1.26-27
    Desde os primórdios da humanidade, as sociedades convivem com os mais variados tipos de comportamentos sexuais. O relato bíblico da Criação em Gn 1 e 2 mostra que Deus formou o homem e a mulher para viverem em comunhão íntima, tornado-se “uma só carne”. Porém o pecado infiltrou-se nos relacionamentos sexuais entre os seres humanos de tal forma que hoje a sociedade convive com uma variação enorme de perversões sexuais, tais como: narcisismo, homossexualismo, masturbação, sadismo, masoquismo, exibicionismo, pedofilia, gerontofilia, fetichismo, travestismo, incesto, pluralismo, necrofilia, bestialidade, zoofilia, voyeurismo, sexopatia acústica, renifleurismo, coprofagia, frotterurismo, entre outros.

    O presente trabalho não vai entrar nos detalhes das diversas anomalias sexuais, limitando-se apenas ao estudo do homossexualismo, pois este é o tema tratado pelo apóstolo Paulo em Rm 1:26 e 27. O artigo será dividido nas seguintes seções: Estudo da referência paulina em Romanos; conceito e causas da homossexualidade; os motivos pelos quais Deus condena este comportamento sexual; terapia para a regeneração daqueles que apresentam este desvio da sua sexualidade. Ao final, será apresentado um resumo do trabalho e as conclusões encontradas.

    Comentário Sobre Rm 1:26-27

    Encontra-se a declaração de Paulo nas seguintes palavras:”Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.” Romanos 1:26-27

    Há um consenso geral de que Paulo referia-se aqui à prática do lesbianismo e do homossexualismo masculino. A palavra “natural” (kata physin) em oposição à “contrária à natureza” (para physin) era usada no tempo de Paulo com muita freqüência como uma maneira de estabelecer distinção entre comportamento heterossexual e homossexual. Harrison acrescenta que “Paulo usa linguagem direta, para condenar a perversão do sexo fora do seu justo lugar: dentro do relacionamento conjugal”. Outro teólogo afirma que a contaminação do corpo humano é claramente manifestada no homossexualismo, pois ele é obviamente antinatural, contrário à natureza sexual.

    A prática do homossexualismo era comum no mundo pagão, tendo forte presença na sociedade em geral, sendo designado como o “pecado grego”. Paulo escreveu sua epístola aos Romanos na cidade de Corinto, a capital dos vícios gregos, e certamente já vira ali evidências sobre as práticas homossexuais.

    O escritor Lovelace ainda diz que “contrária à natureza” significa “simplesmente contra a intenção de Deus para o comportamento sexual humano que é explicitamente visível na natureza, na função complementar dos órgãos sexuais e dos temperamentos do macho e da fêmea”.

    No verso 27 Paulo emprega o termo arsen 3 vezes, traduzidos na ARA por “homens”. O substantivo arsenokoites (“homossexual masculino”, “pederasta”) é empregado pelo apóstolo como alguém que não herdará a salvação por estar sob a condenação de Deus (ICo 6.9; ITm 1.10). Brown ainda acrescenta que aqui a perversão sexual é vista como resultado de (e, até certo ponto, um julgamento sobre) o pecado do homem em adorar a criatura ao invés do criador.

    Conceito e Causas da Homossexualidade

    Uma vez comprovado que o tema que Paulo abordou em Rm 1.26-27 foi mesmo a homossexualidade, tanto masculina quanto feminina, faz-se necessário um maior aprofundamento sobre o estudo deste comportamento sexual.

    O homossexual é considerado uma pessoa com tendência a dirigir o desejo sexual para outra pessoa do mesmo sexo, ou seja, ele (ou ela) sente atração erótico-sexual por parceiro do mesmo sexo. Maranon apresenta uma definição mais completa sobre a homossexualidade nas seguintes palavras:
    Por mais classificações que se façam desta anormalidade, a base patogenética é sempre a mesma: uma sexualidade recuada, de polivalência infantil que, por circunstâncias externas, condiciona sob diferentes formas seu objetivo erótico em sentido homossexual.

    Baseando-se no relatório de Kinsey, os homossexuais pretendem que sua condição seja considerada “uma espécie de forma alternativa de sexualidade, homóloga e simétrica à heterossexualidade”.

    Bergler, porém, vê a homossexualidade como uma espécie de “síndrome neurótica”, caracterizada por alguns estigmas bem definidos, a saber: uma elevada dose de masoquismo psíquico, levando o homossexual a situações de desconfianças e humilhações; medo, ódio, fuga em relação ao sexo oposto; insatisfação constante e insaciabilidade sexual; megalomania; depressão; sentimento patológico de culpa; ciúme irracional; e inadmissibilidade psicopática.

    As pesquisas com relação às causas da homossexualidade ainda não são consideradas de todo consistentes; porém, elas podem ajudar na orientação de uma profilaxia social com relação ao homossexualismo. Gius afirma que “não se verificam quadros de aberração cromossômica ligados primitivamente à homossexualidade”, o que descarta sua origem genética, pois “em todos os casos de homossexualidade masculina examinados, o sexo genético correspondia ao sexo fenotípico (respectivo) e faltavam sinais de qualquer alteração cromossômica verdadeira”.

    Mesmo os defensores da origem genética da homossexualidade admitem que a eventual “predisposição inata” só se transforma em efetivo desejo homossexual por força de fatores desencadeadores de natureza psicossocial, dentre os quais: obsessiva ligação com uma mãe autoritária ou possessiva; falta de uma figura paterna significativa como modelo de identificação; experiências de iniciação na infância ou adolescência; e fixação ou regressão da personalidade a níveis auto-eróticos, com supervalorização do falo (órgão sexual masculino).

    O homossexual é um homem ressentido por acreditar que não tem o corpo que sua mente mereceria. Freud também considerava que o meio onde as crianças se desenvolvem é fator determinante de sua sexualidade.

    Snoek divide estes fatores determinantes em três categorias:

    1. Fisiológicos – Nenhuma das teorias (genética, hormonal, morfológica) foi comprovada;

    2. Familiares – Uma mãe dominante, juntamente com um pai apagado; uma supermãe, tão envolvente que para o filho só existe uma mulher, que é ela; a mãe frustrada no seu relacionamento com o marido, incutindo na cabeça das filhas que homem nenhum tem valor; um superpai que exige uma virilidade impossível de ser alcançada pelo filho; os pais desejam um menino, mas nasce uma menina;

    3. Sociais – O unissexismo, que ocorre na forma do segregacionismo ou do igualitarismo; o anarquismo; e a sedução por adultos.

    Por Que Deus Condena o Homossexualismo?

    Deus abençoou o homem e a mulher e lhes deu o mandamento de serem fecundos e multiplicarem-se (Gn 1.28). O casamento é a “união de duas pessoas que originalmente foram uma, depois foram separadas uma da outra, e agora no encontro sexual do casamento se uniram novamente”. Lovelace acrescenta dizendo que “não é por acidente que toda forma de expressão sexual fora da aliança do casamento seja explícita ou implicitamente condenada no restante das Escrituras”.

    A sociedade atual está cada vez mais perdendo de vista o princípio que Deus definiu para a união sexual entre os seres humanos: um homem e uma mulher, unidos pelo compromisso eterno do matrimônio. Em virtude deste crescente desvio do padrão idealizado por Deus no princípio, é que têm surgido todas estas anomalias sexuais descritas até aqui. Hoje já se convive até mesmo com o “casamento” entre homossexuais e a adoção de filhos por estes “casais”.

    O propósito de Deus é que o homem junte-se com a mulher e os dois formem “uma só carne” (Gn 2.24), constituindo-se numa família heterossexual, na qual os filhos poderão ser educados em meio a um ambiente sadio e livre de preconceitos.

    Este ideal está totalmente corrompido na sociedade moderna, e as relações sexuais passaram a ser apenas um meio de obter prazer a qualquer custo, sem atentar para as orientações dadas por Deus no passado, e para os perigos de não seguir estas orientações. A atual sociedade já aprendeu a conviver pacificamente com o outrora chamado “pecado grego”, vendo os homossexuais como apenas “um pouco diferentes”.

    Deus condena o homossexualismo porque ele é totalmente contrário ao propósito original das relações sexuais: procriação e/ou prazer. Segundo Boice, apenas em se olhar para a anatomia dos órgãos sexuais do homem e da mulher já deveria haver argumento suficiente para convencer de que as práticas homossexuais não são normais. Tanto o Judaísmo quanto o Cristianismo sempre reconheceram esse fato, defendendo que o homossexual está sob a condenação de Deus.

    Cura Para o Homossexual

    Após verificar que o homossexualismo está arraigado fortemente na sociedade hodierna, faz-se necessário apresentar ao portador desta anomalia sexual um meio de regeneração e retorno ao ideal divino. A terapia de aconselhamento para o homossexual consiste em “escutar a quem pede ajuda, a fim de facilitar-lhe a decifração, por ele mesmo, de seu próprio discurso… levando a uma convivência mais saudável consigo mesmo e, em vários casos, chega-se à heterossexualidade”.

    Talvez o maior problema a princípio seja romper as barreiras da solidão e da incomunicabilidade que a sociedade erige em relação aos homossexuais. Gatti defende que o ponto de partida deve ser a total aceitação do homossexual como pessoa, a plena compreensão de seu drama, e a mais leal solidariedade a seus sofrimentos e a seus problemas. Para o auxílio pastoral ao homossexual são sugeridos os seguintes passos:

    1. Reconhecimento e confissão de que sua atitude e conduta são errados;

    2. Ele deve admitir e reconhecer seu problema;

    3. Deve confessar o pecado a Deus e a um conselheiro espiritual, e depois deve pedir a Deus que o purifique e perdoe;

    4. O homossexual que busca a cura deve pedir a Deus que lhe dê um espírito de arrependimento;

    5. Pode-se considerar a possibilidade de uma libertação de demônios;

    6. O conselheiro deve repetir a promessa de que o indivíduo poderá mudar;

    7. O homossexual deve concordar em submeter-se a um plano de disciplina que Deus possa usar para concretizar a mudança desejada;

    8. Entre o homossexual e o conselheiro deve haver sinceridade absoluta;

    9. O homossexual deve começar a participar de uma comunidade cristã compreensiva;

    10. O conselheiro deve ser paciente.

    Para o homossexual, como para qualquer outro homem, no fim é apenas a graça do Espírito Santo com seus misteriosos dinamismos que é capaz de tornar a cura do homossexual possível. Acima de todos os meios educativos e terapêuticos, é sempre na graça de Deus que o homem pecador deve confiar.

    O Dr. José Maria concorda com o pensamento de que a igreja deve ser o conduto para a ajuda aos homossexuais que desejarem um retorno aos desejos sexuais naturais de cada ser humano. Ele afirma que “a igreja será o último reduto para a consolidação dos conceitos familiares” nos próximos anos.

    Resumo e Conclusão

    O homossexualismo está presente na história humana desde o seu princípio. Biblicamente, encontra-se referências à homossexualidade já no relato de Sodoma e Gomorra (Gn 19.4-5), de onde advém o termo “sodomia” como referência à homossexualidade e outras anomalias do gênero; bem como no período dos Juízes (Jz 19.22). Moisés também fez referências a esta prática sexual entre o povo de Israel (Lv 18.22; 20.13), condenando-a e considerando-a abominável aos olhos de Deus, punível mesmo com a morte.

    No Novo Testamento, a referência clássica à homossexualidade, tanto feminina quanto masculina, encontra-se na epístola de Paulo aos Romanos (Rm 1.26 e 27). Porém, o apóstolo também faz outras referências à condenação divina sobre esta prática (ICo 6.9-10; ITm 1.9-11).

    O presente trabalho analisou o texto de Romanos, observando a quase unanimidade entre os teólogos e comentadores de que Paulo realmente referia-se na passagem em estudo ao homossexualismo. Porém, é crescente o grupo de eruditos que não aceitam esta interpretação usual, e tentam reinterpretar as declarações paulinas, aplicando-as aos dias atuais, onde a homossexualidade tornou-se já parte comum do cotidiano das grandes cidades.

    Através dos estudos e pesquisas científicas consultadas, verifica-se que é reduzida a probabilidade de que as tendências homossexuais sejam o resultado de uma “deformação genética” ou algum caractere hereditário. Ao contrário, é grande o número de estudiosos da psicologia humana que acreditam que este comportamento sexual advém de fatores psicossociais vividos na infância (até os 5 anos de idade, principalmente), e que acarretam traumas e complexos que podem levar o indivíduo a desenvolver o homossexualismo durante sua vida.

    Apesar de Deus condenar este comportamento anômalo, em virtude de desvirtuar-se do Seu propósito para o relacionamento sexual e matrimonial, Ele concede ao homossexual desejoso de regenerar-se uma opção de cura, que está disponível através de Sua infinita graça e misericórdia pelas mazelas que atingem a humanidade.

    Como representantes de Deus e instrumentos Seus para distribuição de Sua graça ao mundo pecador, os cristão não devem olhar o homossexualismo como uma doença típica de pessoas “despudoradas”; mas devem encarar o problema com o mesmo amor fraternal e solidariedade que Jesus demonstrou em Seu convívio com o ser humano. Resta ao cristão ouvir e atentar ao conselho do próprio apóstolo Paulo: “Tudo posso, nAquele que me fortalece” (Fp 4.13).

  20. BrunoD disse:

    Sou antropólogo.
    Estudo religiões, movimentos culturais, diversidades culturais, sexualidade e gênero (são coisas beem diversas).

    Aprovo o PLC.
    Mas estou triste com o que eu vejo de falta de politização e personalidade dos 2 lados, o que apóia o movimento e o que não apóia.

    Vejo ambos os lados sem saber o significado de homofobia.

    Aquele que critica não é homofóbico, homofobicos são aqueles que não suportam a presença de um homossexual, e agem quase que impulsivamente de maneira extremista, agredindo (verbal ou fisicamente), humilhando, ou agindo injustamente com estes.

    Expressar sua opinião não faz de você homofóbico, dizer que é contra, ou que não aprova não faz de você criminoso.

    Homossexualidade não é como um culto, crença ou religião.
    Homossexuais unem-se em torno de um objetivo comum, Porém diferentemente de uma religião, não pensam nem agem da mesma maneira como está escrito em livros.

    Cada um tem a expressão de sua sexualidade de uma maneira diferente.
    Assim como existem casais heterossexuai que demonstram afetividade em público existem homossexuais que o fazem.
    Assim como existem casais heterossexuais que não se sentem á vontade para isto, existem homossexuais que tem esse mesmo comportamento.

    Peço a vocês religiosos, que lembrem-se que vivemos em um estado “teoricamente” laico (as leis são feitas para todas as crenças).
    Respeito o fato de acreditarem em Deus, assim como eu também creio.
    Mas devemos nos lembrar que o Brasil não é um país feito para determinada religião, pequenas ou grandes comunidades, e sim cidadãos no geral.

    Homossexualidade não é sinônimo de promiscuidade, homossexuais que agem assim o fazem da mesma maneira que heterossexuais, a situação se torna mais visível, por ser algo que a sociedade não está habituada a ver.

    Devemos entrar em consenso para proteger todas as partes que sofrem com preconceitos, sejam religiosos, idosos, deficientes, homossexuais, Negros, Brancos, Índígenas, etc…

    A aprovação dessa lei trará evolução cultural para o país, e aprovação perante os olhos das organizações internacionais de proteção aos direitos humanos.

    Homossexuais e militantes do PLC:
    por favor, informem-se melhor antes de debater o assunto.
    Saibam o que realmente significa homofobia e homossexualidade.
    Conceitos de Gênero e estereótipos sociais.
    Debatam usando a razão mesmo que o outro lado a perca.

    para todos:
    Não generalizem homossexuais como se fossem todos iguais, existem casos de estereótipos estereotipantes estereotipados, mas não são todos.
    Procurem conhecer alguns, o preconceito nasce do medo do desconhecido. e conhecer não é somente ler um livro sobre (o qual pode conter idéias direcionadas). Conhecer é vivenciar, conviver.

    Minha tristeza se passa em observar a falta de politização do povo Brasileiro num geral.
    Ver que muitas pessoas estão presas nas opiniões sociais de massa, e não buscam informações além.

    Independente da aprovação desse projeto de lei ou não, gostaria que esse país tomasse um rumo diferente.
    Que as pessoas fugissem da alienação, que as diferenças (sejam de qualquer tipo) fossem respeitadas, que os cidadãos fossem respeitados pelos políticos e aprendam a se respeitar.

    A situação política do nosso país, políticos e polícia corrupta, desrespeitos, abuso de poder. Nada mais é do que um reflexo da nossa cultura.
    Precisamos de pequenas revoluções culturais para mudar essa situação.

    Desejo o Brasil um país decente, onde todos desejemos viver, por vermos nossos direitos respeitados, e cumprindo nossos deveres de maneira leve.

    Obrigado pelo espaço.

  21. Eduardo Luiz disse:

    A questão da homofobia no Governo Brasileiro

    Recentemente, li um artigo do Jornal o Estado de São Paulo, escrito pelo Doutor Carlos Alberto Di Franco em que ele realça a questão da homofobia e como tal assunto vem sendo tratado pelo atual governo federal.

    O governo quer que seja incluída nos livros didáticos a temática de famílias compostas por lésbicas, gays, travestis e transexuais. Ainda na área da educação, recomenda cursos de capacitação para evitar a homofobia nas escolas e pesquisas sobre comportamento de professores e alunos em relação ao tema. Essas são algumas das medidas que integram o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), documento firmado por representantes de 18 Ministérios do governo Lula.

    O texto traz 50 propostas que deverão transformar-se em política de governo até 2011. São medidas em diversas áreas. Na saúde, o grupo prevê acesso universal a técnicas de reprodução assistida a LGBT em idade fértil e recomenda o fim da restrição imposta a essa população para doação de sangue. “É um marco na busca da garantia dos direitos e cidadania”, afirmou o secretário de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi, durante o lançamento do plano.

    Das propostas apresentadas, algumas estão em andamento. É o caso do reconhecimento da união civil de pessoas do mesmo sexo e da criminalização da homofobia. Projetos com essas propostas tramitam no Congresso. “Se elas não forem aprovadas neste governo, serão no futuro. É só questão de tempo”, avaliou Vanucchi.

    Na verdade, meu amigo leitor, prezado irmão em Cristo, o que estamos assistindo é uma onda de intolerância que avança sobre a sociedade.

    Discriminados assumem a bandeira da discriminação. O tema da sexualidade passou a gerar novos dogmas e novos tabus. E o governo atual, num espasmo de totalitarismo, quer impor à sociedade um modo único de pensar, de ver e de sentir. Acordemos cristão, evangélicos e católicos!

    Uma coisa é o combate à discriminação, urgente e necessário. Outra, totalmente diferente, é o proselitismo de uma opção de vida. Não cabe ao governo, com manuais, cartilhas e material didático, formatar a cabeça dos brasileiros. Tal estratégia, claramente delineada no discurso do secretário Paulo Vanucchi, tem nome: totalitarismo. O governo deve impedir os abusos da homofobia, mas não pode impor um modelo de família que não bate com as raízes culturais do Brasil e nem sequer está em sintonia com o sentir da imensa maioria da população.

    A intolerância atual é uma nova “ideologia”, ou seja, uma cosmovisão – um conjunto global de ideias fechado em si mesmo -, que pretende ser a “única verdade”, racional, a única digna de ser levada em consideração na cultura, na política, na legislação, na educação, etc. Tal como as políticas nascidas das ideologias totalitárias, a atual intolerância execra – sem dar audiência ao adversário nem manter respeito por ele – os pensamentos que divergem dos seus “dogmas” e não hesita em mobilizar a “inquisição” de certos setores para achincalhar – sem o menor respeito pelo diálogo – as ideias ou posições que se opõem ao seu dogmatismo. Alegará que são interferências do pensamento conservador e liberal, quando um verdadeiro democrata deveria pensar apenas que são outros modos de pensar de outros cidadãos, que têm tantos direitos como eles.

    Aborrece-me a intolerância dos “tolerantes”. Incomoda-me o dogmatismo das falanges autoritárias. Respeito a divergência e convivo com o contraditório. Sem problema. Mas não duvido que é na família, na família tradicional, mais do que em qualquer outro quadro de convivência, o “lugar” onde podem ser cultivados os valores, as virtudes e as competências que constituem o melhor fundamento da educação para a cidadania.

    Quando lembro que, há alguns anos atrás, os cristãos tinham medo de votar no atual governo, hoje penso que havia algo de Deus nisso. Quantos pastores e líderes evangélicos que hoje estão aí atuaram em prol do atual governo e, quiçá, até tomaram partido ao lado desses chamados partidos de esquerda.

    O que se observa é um adoção de comportamentos, que tentam sutilmente torná-los legais e normais, totalmente fora do ensino moral e espiritual da Palavra de Deus. A Bíblia é clara. Deus ama os homessxuais, mas aborrece o homossexualismo. Isso tá na Bíblia. Se alguém que ler este artigo, pensar em ficar bravo comigo, deve ficar bravo com a Bíblia.

    O Apóstolo Paulo escreveu em I Corintios 6.9 e 10: “Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.”

    O meu desafio aqui, como diretor do CACP, é desafiar a todos que mandaram seus membros votarem ou estimularem que se votassem no atual governo que deixem o véu cair e vejam se não estamos diante de um quadro de instrumentação e normalização do pecado. Essa intolerância “democrática” pode nos levar a ter que realizarmos cultos a portas fechadas e sem tocar em assuntos “politicamente incorretos”.

    Que o povo de Deus saiba que política tem tudo a ver com igreja. Se colocarmos mais filhos do diabo para dirigir nossa nação, com certeza não estarão a serviço do Reino de Deus. Se não tivermos opção, que pelo menos escolhamos os menos intolerantes. Deus tenha misericordia de nós, em especial daqueles que ajudaram a colocar no mando de nossa Nação essas pessoas que hoje prestam um deserviço a causa do Senhor Jesus.

  22. Eduardo Luiz disse:

    Abaixo a ditadura gay, o Bolsa-Boiola e o KY do Temporão

    O ministro da Saúde enlouqueceu de vez. Falta verba para comprar medicamentos para hemofílicos e para bolsas de coletas de sangue. Mas Temporão mandou comprar 15 milhões de lubrificantes KY para distribuir aos gays. Vai torrar cerca de R$ 40 milhões.

    Recentemente, o ministro mandou distribuir pênis de borracha e uma cartilha ensinando as técnicas mais prazeirosas do sexo anal. É o Bolsa-Boiola. Temporão está confundindo a defesa da liberdade de opção sexual com boa administração do dinheiro público. Sucumbiu à “Gaystapo”, as patrulhas do movimento GLS. Chegou a hora de reagirmos contra as loucuras desse ministro.

    O Artigo 5 da Constituição garante uma série de direitos fundamentais e inalienáveis, como a liberdade de expressão, de opinião, de credo, de organização política, etc e etc. Não fala da liberdade de opção sexual, mas acredito que devemos respeitá-la por interpretação complacente — ou por simples amor à democracia, aos direitos civis e o respeito ao próximo. Portanto, é dever do Estado proteger as minorias sexuais da discriminação e da violência. Assim como criar políticas próprias de saúde, em especial para o controle da AIDS.

    Na quarta-feira 17 de dezembro, o Ministério da Saúde divulgou a última extravagância de seu ministro, José Gomes Temporão — o edital de licitação número 142/2008, para a aquisição de 15 milhões de sachês de gel lubricante à base de água, o conhecidos KY, geralmente usado para facilitar o sexo anal (leia parte do edital ao final deste artigo e a íntegra no documento abaixo).

    O pregão do KY será às 10 horas da manhã da próxima segunda-feira 22 de dezembro. Tudo muito rápido, para não dar na vista. O Erário deve gastar cerca de R$ 40 milhões, calcula o funcionário do Ministério da Saúde que me forneceu o edital.

    Está sendo preparado por um assessor do círculo íntimo de Temporão um outro edital semi-secreto para a compra de 1 bilhão de camisinhas. Os armazens do ministério estão neste momento abarrotados de preservativos para serem distribuídos à população. Mas Temporão decidiu comprar mais 1 bilhão de camisinhas já lubrificadas. A licitação vai sair do armário na próxima semana. Está programada para o dia 29 de dezembro, no apagar das luzes do ano. Deve consumir outro R$ 1 bilhão dos cofres públicos. Por que tanta pressa? Por que tanto discrição com o dinheiro público?

    A fonte das informações acima esclarece que a única prioridade do ministro Temporão é a comunidade gay e o programa DST-Aids. Os hospitais, isso é público, estão derretendo por falta de verba. Falta dinheiro para toda a sorte de medicamentos essenciais. Neste exato instante, por exemplo, faltam nos hospitais públicos bolsa para coleta de sangue e os hemoderivados fatores VIII e IX da coagulação, essenciais para a sobrevivência dos hemofílicos. O dinheiro está sendo desviado para KY, camisinhas e pênis de borracha.

    Recentemente, Temporão mandou comprar e distribuir pênis de borracha para usar em educação sexual e cartilhas ensinando as melhores técnicas de penetração anal entre parceiros do mesmo sexo. Ninguém entendeu direito o que a didática do prazer tem a ver com prevenção à Aids. Agora, ao aparecer com o pregão do KY e de outro bilhão de camisinhas, Temporão está instituindo o Bolsa-Boiola.

    LEGISLANDO EM CAUSA PRÓPRIA?

    Não acredito, em hipótese alguma, que Temporão esteja legislando em causa própria. Nesse caso, seria prevaricação.

    Vale lembrar que Roma teve grandes imperadores bissexuais, como Júlio César e Otávio Augusto, ou mesmo homossexuais convictos, como Adriano. Também teve governantes como Heliogábalo, que usava sua condição de gay para legislar em causa própria. No poder, Heliogábalo perdeu o equilíbrio emocional, passou a se vestir de mulher até chegar ao desplante de entregar todo o poder do império a um de seus favoritos, um escravo!. Heliogábalo fez tantas loucuras usando o dinheiro público para proteger seus prazeres que ele e seu amante acabaram trucidados.

    Não há nenhum indício de que Temporão esteja prevaricando. Entretanto, como Heliogábalo, ele anda muito mal assessorado. Afinal, desde quando se previne Aids ajudando os gays a praticar uma penetração anal mais prazeirosa? E não me venham com a falácia de suposta homofobia. Estamos aqui discutindo tão-somente a boa gestão do dinheiro dos nossos impostos.

    GESTÃO TRANSVIADA

    Recentemente, Temporão baixou uma norma mandando o SUS fazer cirurgia de mudança de sexo para os travestis. Com direito a dois anos de acompanhamento psicológico para o transsexual e para sua família, que está perdendo um filho, apesar de estar ganhando uma filha.

    Falta dinheiro para transplantes. Falta dinheiro para cirurgias plásticas corretivas, como para crianças queimadas. Ninguém opta por necessitar de um coração, uma córnea, ou por deformar o corpo com o fogo. Os gays, por sua vez, insistem em dizer que o homossexualismo não seria uma distorção psicológica, mas sim uma opção, uma orientação. Se fosse uma psicopatia, então o Estado teria por dever dar tratamento. Mas é uma opção. Os travestis optaram por ser assim.

    Então porque o Estado precisa pagar dois anos de tratamento psicológico para os transsexuais e seus pais? Se Temporão fosse um ministro sério, ofeceria acompanhamento psicológico também para os pais daquele garoto de três anos que morreu baleado pela PM do Rio — cujo policial assassino dias atrás foi absolvido pela Justiça. Eles não optaram por perder o filho, morto por um agente do Estado. Eles sim, precisam de acompanhamento psicológico com dinheiro público.

    MANIFESTO CONTRA A GAYSTAPO

    A explicação mais plausível para essas opções de Temporão é que ele seja um ministro incompetente. Um fraco. Está sucumbindo ao lobby do Movimento GLS. Houve um tempo em que os homossexuais eram agredidos nas ruas. Depois passaram a ser apenas discriminados em seus empregos. Então surgiram movimentos em defesa dos direitos dos gays, lésbicas e assemelhados.

    Organizaram as paradas gays, instituiram o tal Dia do Orgulho Gay, mobilizaram simpatizantes, fizeram lobby nos três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, por direitos justos e legítimos, como plano de saúde para companheiros do mesmo sexo. Ao fim ao ao cabo, os movimentos gays deram uma enorme contribuição para a lapidação das instituições democráticas e o Estado de Direito.

    Os gays mobilizados, enfim, têm sido tão importantes nesta virada de século para a afirmação dos princípios fundamentais da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade, quanto o movimento sindical o foi em priscas eras.

    Ocorre que de uns tempos para cá, pelo menos no Brasil, o que era um movimento está se transformando numa patrulha ideológica. As campanhas contra a discriminação se transformaram em pressão para que os adolescentes assumam suas porções femininas (ou masculinas, no caso das garotas). Está virando anomalia amar homens e mulheres — agora só se pode amar “pessoas”.

    De vítimas, os gays estão se transformando em agressores. Se alguém acredita que ser gay não é o normal, que o normal é ser hetero, é logo taxado de homófobo. Tal qual Hitler com sua Gestapo, estão criando uma Patrulha do Pensamento, a Gaystapo.

    Exagero? Homofobia? Ora, ora, lembro-me de um caso exemplar ocorrido meses atrás com o então-presidente da Eletrobrás, Valter Cardeal. Ele é o homem de confiança da ministra Dilma Roussef no setor elétrico. Pois foram pedir R$ 2 milhões ao presidente de Furnas, Luis Paulo Conde, para o patrocínio da Parada Gay do Rio de Janeiro. Conde, titubeante, até pensou em dar o dinheiro. Mas Cardeal vetou.

    Ora, desde quando uma estatal elétrica tem a ver com opção sexual? Se está sobrando dinheiro em Furnas, que patrocine escolas e postos de saúde para os desabrigados das barragens e outras vítimas sociais de suas ações predatória. Isso é o certo. Que patrocinem ações de recuperação do meio ambiente — ou até mesmo ONGs ou seminários ambientais. Quem tem que patrocinar parada gay é a Johnson&Johnson, fabricante do KY do do Jontex, a Ambev ou a companhia marítima dona dos transatlânticos Eugenio C e Eugenio G.

    Pois Valter Cardeal, num rasgo de sensatez, vetou a concessão da verba. Publiquei esse fato na imprensa. No dia seguinte, Cardeal foi alvo de passeadas, ameaças de processo e até de representação da Comissão de Direitos Humanos da OAB. A Gaystapo agiu rápido, implacável como os nazistas. Cardeal foi obrigado a pedir desculpas, voltou atrás e deu dinheiro para os gays. Foi um erro.

    É provável que Temporão não esteja prevaricando, mas apenas sucumbindo à Gaystapo. É um ministro fraquinho, incompetente. Qualquer que seja a opção, é hora dos cidadãos que pagam impostos se manifestarem, de exigirem seriedade na gestão das verbas da Saúde. Instituir o Bolsa-Boiola é uma idéia que nem o imperador Heliogábalo teve o desplante de fazer.

  23. Anupus disse:

    Gente eu fico impressionado com cada absurdo que eu leio nessa vida. “Cura para o homossexual”. é pra rir mesmo! No dia que isso for doença, vamos começar a levar pra Deus os negros, os albinos e todas as pessoas que voces: cristãos, neonazistas, ou seja la o que for, consideram doentes..
    Acho que a gente ta no século 21 né!! Let’s think humans!!

    ME POUPE

  24. BrunoD disse:

    Essa questão dos lubrificantes ky foi um tanto quanto ridícula sim….
    1°… não se engane… não somente para gays foi comprado…. casais heterossexuais também praticam cópula anal (e algumas mulheres e homens tem falta de lubrificação natural).
    A medida foi tomada por conta do risco de trasmissão de DST é diminuído quando usam-se lubrificantes….
    Porém… quem decide praticar essa cópula é quem deve comprá-los (minha opinião).

    Sobre a cartilha da família:
    Eduardo… eu já vi projetos dessa cartilha rodando na faculdade… e alguns em outro país.
    A real intenção não é (e nem é isso que ela diz) formatar a sociedade para que se induza a existir mais famílias homoafetivas.
    A intenção é educar jovens para que esse modelo de família seja integrado a sociedade diminuindo a discriminação o futuro.
    Quando um jovem que é educado por uma família + tradicional vê um outro jovem (que pode ser heterossexual), criado por um casal de homossexuais. Reage de uma forma preconceituosa, o classificando como homossexual, e faz tentativaspúblicas de o humilhar pelo fato de seus pais serem homossexuais.
    Um casal homossexual, se tiver estabilidade financeira e condições emocionais para criar um filho, tem o mesmo direito de um casal heterossexual com essas mesmas condições, de o fazer… o que diz o contrário são teorias Freudianas antiquadas ou dogmas religiosos.
    Conheço casais homossexuais que tem filhos.
    A maioria desses filhos são heterossexuais… e … amam e respeitam seus pais e mães, da mesma maneira que em um casal hetero.
    A população precisa ser educada sim….. concordo que imposição é contraditória… mas não é a real intenção dessa cartilha.
    Antes de criarmos alarmismos, devemos tentar compreender o que está sendo proposto.

    Mudado rapidamente de assunto.
    Admirável está sendo a reação da população brasileira…. onde movimentos evangélicos, GLBTT, etre outros estão se unindo, apesar das diferenças para:
    Criticar a imposição do tratado com o estado do Vaticano (santa sé).
    Que diz que o Estado terá de fornecer ajudas de custo em projetos católicos.
    Que as escolas devem ter matérias de religião católica.
    Entre outros absurdos.

    É um insulto a laicidade do Estado (conceito que aprendemos muito bem com o exemplo da revolução francesa).

    A falta de laicidade no estado gera Estados religiosos como no Irã por exemplo. Onde genocídio em nome da religião é permitido por lei.
    Onde a liberdade de vestimentas e comportamento é ditada por leis.
    Onde é proibido dar festas em que existam homens e mulheres solteiros no mesmo ambiente.
    Onde é proibido ter bebida alcoólica, jogos de xadrez, baralho de cartas, entre outros…
    Onde Homens não podem usar gravatas, etc.

    A população Brasileira em sua maioria. Não aprova a homossexualidade e famílias homoafetivas.
    Que são compostas de uma minoria.
    Essa minoria de cidadãos que cumprem suas obrigações com o estado, pagando impostos e servindo aos serviços militares, e que tem + de 35 direitos que são garantidos a casais heteros, negados.

    Devemos fazer o que então?

    Continuar ignorando a desigualdade de direitos em nome da maioria?

    Extraditar todos que se dizem homossexuais para um país que garanta seus direitos?

    Ou garantir direitos iguais entre todos os cidadãos…. participando estes de maiorias ou de minorias.

    Tem algumas pessoas que não concordam com o PLC 122/06, dizem que este irá dar mais direitos que o normal para homossexuais.

    A lei já foi alterada e o que tramita agora é um substitutivo.
    Já leram o novo projeto?

    deveríamos cobrar o estado para que se desse palestras explicando para a população o real intuito do PLC… e o que irá mudar se ele for aprovado.
    Ao invés de o condenarmos pela palavra de terceiros.

    Uma lei de proteção à algumas minorias, como idosos, deficientes e homossexuais precisa existir.
    Se esta não está boa, proponham modificações.
    Ao invés de pedirem a NÃO aprovação, peçam a revisão, a discussão.
    Quem sabe não chegaremos num consenso onde todos se sintam satisfeitos.

  25. Eduardo luiz disse:

    Diga NÃO ao PLC 122/2006 novamente

    A enquete fica no lado direito do site, logo abaixo do “Fale com o Senado”.
    Perceba que até o texto de divulgação da enquete é tendencioso, rotulando de antemão os divergentes como preconceituosos.

    Se este Projeto de Lei 122/2006 (conhecido como lei da mordaça gay) for aprovado, estaremos institucionalizando em nosso país o sistema de castas e todos aqueles que não forem homossexuais serão considerados cidadãos de segunda classe. Este projeto maligno é cheio de erros e vícios jurídicos, e dará privilégios a uns enquanto rouba a liberdade de pensamento, expressão e culto de outros. Os movimentos gayzistas querem calar a Palavra de Deus. Não permita!

    A verdade é que a liderança do NÃO incomodou os militantes pró-homossexualismo. E, aliás, se alguém burlou a enquete foram justamente eles.

    Portanto, vamos CONTINUAR dizendo NÃO a esta aberração!

  26. Eduardo luiz disse:

    Homossexual processa editoras de Bíblias

    Homossexual processa editoras de Bíblias por causa de versículos bíblicos contra o homossexualismo

    NASHVILLE, Tennessee, EUA, julho de 2008 (LifeSiteNews.com) — Um homem homossexual perturbado com versículos da Bíblia que condenam o homossexualismo como pecado decidiu — em vez de processar Deus ou exigir indenização do Espírito Santo — perseguir duas editoras cristãs por suas versões da Bíblia, as quais ele diz violam seus direitos constitucionais e lhe causam sofrimento emocional e instabilidade mental.

    Bradley LaShawn Fowler de Canton, Michigan, entrou com uma ação num tribunal regional de Michigan em 7 de julho contra a Editora Zondervan buscando uma indenização de 60 milhões de dólares. Fowler também entrou com outra ação no começo de junho buscando uma indenização de 10 milhões de dólares da Editora Thomas Nelson, com sede em Nashville, Tennessee.

    Fowler está representando a si mesmo em ambos os casos. O juiz Julian Abele Cook Jr. negou-se a aceitar o pedido de Fowler para que um advogado nomeado pelo tribunal o representasse no caso da Thomas Nelson, dizendo: “O tribunal tem algumas preocupações legítimas acerca da natureza e eficácia dessas queixas”.

    Fowler, de 39 anos, culpa as referências ao homossexualismo como pecado na Bíblia da Zondervan por seu relacionamento precário com sua família, seus próprios períodos de “desmoralização, caos e confusão”, e até mesmo a morte do homossexual Matthew Shepard. Shepard foi brutalmente assassinado em 1998 num crime que foi amplamente noticiado como sendo motivado pela homossexualidade de Shepard, embora uma notícia da rede ABC em 2004 tenha mostrado evidência contrária a essa alegação.

    Fowler disse que ele foi criado com uma educação religiosa que ensinou a ele que a homossexualidade é um estilo de vida de pecado.

    “É por isso que fiquei completamente perturbado depois de descobrir que o termo homossexual foi adicionado à bíblia em 1982, e então removido em 1994 sem consideração alguma às muitas vítimas que cometeram suicídio ou foram assassinadas por causa de sua preferência sexual de homossexualidade”, escreveu ele em seu blog “Bradley-Almighty” [Bradley-Todopoderoso].

    Ele continua: “Lamentavelmente, porém, a editora que iniciou a guerra mental contra os homossexuais jamais tentou pedir perdão a Matthew Shepard ou a ninguém mais que perdeu a vida, por causa de suas tendências maliciosas e rigorosas”.

    Fowler diz que as editoras de Bíblias são parte de uma vasta conspiração que planeja documentos sagrados para fazer com que “eu e outros que são homossexuais soframos abusos verbais, discriminação, episódios de ódio e violência física, inclusive assassinatos”.

    Fowler diz que ele está muitíssimo descontente porque a Editora Zondervan usa a palavra “homossexual” em vez de utilizar outras palavras que indicam a mesma coisa. Em seus blog, Fowler explica que na edição de 1964 da Bíblia, a palavra usada em 1 Coríntios 6, versículo 9, era “efeminados”, onde a passagem dizia:

    Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas… (1Co 6:9-10)

    Na edição de 1982 a palavra “efeminados” foi traduzida como “homossexuais”, enquanto na versão de 1987 foi traduzida “aqueles que participam de conduta homossexual”.

    Mas a edição de 1994, diz Fowler, de novo denuncia “efeminados” e “sodomitas”.

    Fowler então pergunta a seus leitores: “Qual dessas versões é verdadeira? Qual não é?” Ele então continua a dizer que a editora deveria ter publicado um aviso acerca da mudança de termos. Ele alega que a mudança está provocando violência contra os homossexuais.

    O processo também pode servir como campanha publicitária para a sabedoria bíblica que o próprio Fowler afirma ter. Ele está estreando o livro “365 Razões para Estudar a Bíblia”. Um anúncio diz que o livro é “compilado com extensas pesquisas coletadas para um processo civil contra uma das maiores e mais respeitas editoras de Bíblias dos EUA”, e outro anúncio diz que o livro leva o leitor “numa viagem pelo tempo… lentamente expondo segredos escondidos que as editoras de Bíblias lutam febrilmente para manter ocultos do público geral há séculos. Uma avalanche de segredos que estão mantendo escravizados milhões de pessoas no mundo hoje”.

  27. BrunoD disse:

    Eduardo Luís.
    Ao menos você Lê qualquer coisa escrita em posts ateriores?

    Eu mandei um Post com uma questão à debatermos.
    Está logo acima do seu.

    Ao que me parece você só está vindo aqui, postando seus pensamentos (digo, dos seus pastores políticos da bancada religiosa).

    E nem ao menos está abrindo espaço para debater, para racionalizar essa situação.
    Não deseja nem conhecer a opinião alheia.

    Diz que a enquete está sendo fraudada.
    Mas conheço muita gente que votou pelo “sim”.

    O que você trata como imposição de pensamento, é a mesma coisa que faz.
    Não dá oportunidade para debates.
    Vem e joga sua opinião… dizendo a todos para aceitá-la.
    E os que querem conversar, você simplesmente ignora.

    Grande exemplo polítíco nos está dando.

    Sobre o processo contra a editora:

    Eu também acho que ele está errado no ponto em que a processa.
    Mas a editora estava errada em usar o termo “homossexuais” quando o termo não existia na época em que ela foi escrita.
    Ainda mais por se tratar de algo políticamente incorreto se seguirmos o contexto.

    Mas, corrigido o erro, ele deveria ter abandonado o processo.

    Por favor Eduardo.
    Vamos começar a debater o assunto.
    Debater, não brigar.
    Algo civilizado.

  28. Diogo disse:

    Acho que é mais que óbvio que não há necessidade de comprovação científica e muito menos bíblica pra nos certificarmos que homossxual ou não ainda continua sendo um ser humano, e que essa lei trata de respeito para com o ser humano, e pessoas vem reclamando de liberdade de expressão, porém, se essa “expressão” for usada para objetivos tão ignorantes e pobres como a discriminação seria melhor nem ser usada.
    A bíblia pode dizer muitas coisas, mas acho que no final das contas Deus só quer um pouco de respeito entre nós, humanos, e se vc não consegue fazer nem isso naturalmente, por causa de uma ORIENTAÇÃO sexual, digo eu, que vc, tão orgulhoso de possuir as tão preciosas palavras Dele, não é digno nem de possuir uma bíblia. E agora, por causa de sua discriminação para com homossexuais, houve a necessidade do estado intervir para o conforto da sociedade. Então que fique claro, a lei é por erro seu e apenas seu, se houvesse um pingo respeito entre nós não haveria necessidade de tanto estardalhaço por causa de um assunto que, na verdade para mim, parece simples, mas as cabeças conservadoras parecem não aceitar isso.
    E o mais interessante é quão hipócrita somos ao julgar homossexualismo, sendo que adoramos tantos grandes nomes, ainda mesmo, brasileiros, como Cazuza, Renato Russo, Cássia Eller, etc. e ainda sim sermos capazes de tal julgamento discriminatório.
    Desejo um pouco de brilho nas cabeças dos que criticam essa lei de forma pejorativa, e que esse brilho não venham do seu aclamado livro de regras,um pou vulgo, bíblia, mas sim de esclarecer que no final somos todos seres humanos, querendo ou não, e que é mais do que óbvio que para um bom convívio social devemos respeitar um aos outros.
    Mas se quiserem fazer disso uma guerra, creio que seu Deus vai ficar orgulhoso…

  29. Eduardo Luiz disse:

    Nada de verdade sem amor e nada de amor sem verdade

    O envolvimento da igreja na sociedade envolve muitas questões, controvérsias e decisões — mas nenhuma questão está definindo nossa atual crise cultural com tanta clareza quanto o homossexualismo. Algumas igrejas e denominações já se renderam às exigências do movimento homossexual, e agora aceitam o homossexualismo como um estilo de vida totalmente válido. Outras denominações estão cambaleando, já a beira da rendição, e sem uma resistência conservadora em massa, é praticamente certeza que abandonarão a verdade bíblica e abençoarão o que a Bíblia condena.

    Em poucos anos, vem se tornando evidente uma grande linha divisória — com igrejas apoiando o homossexualismo de um lado e outras igrejas resolutamente resistindo à maré cultural do outro.

    O movimento homossexual entende que as igrejas evangélicas são um dos últimos movimentos de resistência fiéis a uma moralidade bíblica. Por causa disso, o movimento adotou a estratégia de isolar a oposição cristã, e forçar mudanças através de ações políticas e pressões culturais. Será que poderemos esperar que os evangélicos permaneçam firmemente bíblicos nessa questão?

    Dificilmente. Pesquisas científicas e observações informais revelam que estamos experimentando uma perda significativa de convicções entre os adolescentes e os adultos jovens. Nenhuma revolução poderá ter êxito sem moldar e mudar a mente dos jovens e crianças. Inevitavelmente, as escolas se tornaram cruciais campos de batalha na guerra cultural. A cosmovisão cristã foi minada por currículos predominantes que ensinam o relativismo moral, reduzem os mandamentos morais a valores pessoais e promovem o homossexualismo como uma opção de estilo de vida legítima e atraente.

    Outras igrejas precisam ensinar os aspectos fundamentais da moralidade bíblica aos cristãos que, sem tal ensino, nunca saberão que a Bíblia prescreve um modelo para os relacionamentos sexuais. Os jovens precisam de ensinamentos sobre a verdade acerca do homossexualismo — e ensinados a estimar o casamento como a intenção de Deus para a relação sexual humana.

    Vivemos dias que exigem coragem dos cristãos. Nestes dias, coragem significa que os pregadores e os líderes cristãos precisam montar uma agenda de confronto bíblico, e não evitar a responsabilidade de lidar com as muitas e diversas questões relativas à homossexualidade. Precisamos falar sobre o que a Bíblia ensina acerca das diferenças sexuais — o que significa ser homem ou mulher. Precisamos falar sobre o presente de Deus que é o sexo e a aliança de casamento. E precisamos falar com honestidade sobre o que é a homossexualidade e por que Deus condenou esse pecado como abominação aos Seus olhos.

    Coragem é raríssima em muitos círculos cristãos. Isso explica a rendição de tantas denominações, seminários e igrejas à agenda homossexual. Mas nenhuma rendição nessa questão teria sido possível se a autoridade das Escrituras não tivesse já sido sabotada.

    No entanto, assim como a coragem é indispensável, nossos dias exigem dos cristãos outra virtude também: compaixão. O fato trágico é que quase todas as congregações têm pessoas em luta com desejos homossexuais ou até mesmo envolvidas em atos homossexuais. Fora das paredes das igrejas, os homossexuais estão aguardando para ver se as igrejas cristãs têm qualquer coisa mais a dizer, depois que declaramos que o homossexualismo é pecado.

    As igrejas liberais redefiniram a compaixão para significar que a igreja muda sua mensagem para atender às exigências modernas. Elas argumentam que dizer a um homossexual que ele é pecador é crueldade e intolerância. Isso é a mesma coisa que argumentar que um médico é intolerante porque diz a uma paciente que ela tem câncer. Mas, na cultura politicamente correta, esse argumento possui uma atração poderosa.

    Os cristãos bíblicos sabem que a compaixão requer dizer a verdade bíblica e recusar chamar o pecado como algo que não é pecado. Esconder ou negar a pecaminosidade do pecado é mentir, e não há compaixão em tal mentira mortal. A verdadeira compaixão exige falar a verdade em amor. E há um problema: Muito frequentemente, nossa coragem é mais evidente do que nossa compaixão.

    Na vasta maioria dos casos, as opções parecem reduzidas a igrejas liberais pregando amor sem verdade ou igrejas conservadoras pregando a verdade sem amor. Os cristãos evangélicos precisam fazer para si algumas perguntas bem difíceis, mas a mais difícil é esta: Por que é que temos sido tão ineficientes em alcançar pessoas escravizadas a esse padrão específico de pecado? O Evangelho é para os pecadores — tanto para os pecadores homossexuais quanto para os pecadores heterossexuais. Como Paulo explicou para a igreja em Corinto: “E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus”. (1Coríntios 6:11)

    Creio que estamos falhando no teste da compaixão. Se o primeiro requisito da compaixão é que digamos a verdade, o segundo requisito com certeza é que alcancemos os homossexuais com o Evangelho. Isso significa que precisamos desenvolver ministérios acolhedores que concretizem essa preocupação, e aprender como ajudar os homossexuais a escapar das poderosas cadeias desse pecado — do mesmo jeito que ajudamos outras pessoas a escapar de suas próprias cadeias pela graça.

    Se de fato somos um povo do Evangelho; se realmente amamos os homossexuais como outros pecadores; então precisamos alcançá-los com uma sinceridade que torne esse amor palpável. Só teremos alcançado esse requisito quando estivermos prontos para dizer aos homossexuais: “Queremos que vocês conheçam a plenitude do plano de Deus para vocês, que vocês conheçam o perdão de pecados e a misericórdia de Deus, recebam a salvação que vem pela fé no Senhor Jesus Cristo, conheçam a cura que Deus opera nos pecadores salvos pela graça e se juntem a nós como discípulos de Jesus Cristo, vivendo nossa obediência e crescendo na graça juntos”.

    Tais foram alguns de vocês… A igreja não é um lugar onde os pecadores são acolhidos para permanecer em seus pecados. Pelo contrário, é o Corpo de Cristo, composto de pecadores transformados pela graça. Nenhum de nós merece ser aceito dentro desse Corpo. É tudo pela graça, e cada um de nós saiu do pecado. Nós pecamos se chamarmos a homossexualidade como algo que não seja pecado. Pecamos também se agirmos como se esse pecado não pudesse ser perdoado.

    Não podemos nos contentar com a verdade sem amor nem com o amor sem a verdade. O Evangelho resolve a questão de uma vez por todas. Essa grande crise moral é uma crise de Evangelho. O genuíno Corpo de Cristo se revelará mediante compaixão corajosa e coragem compassiva. Só veremos isso realizado quando homens e mulheres libertos pela graça de Deus da prisão do homossexualismo sentirem-se livres para se levantarem em nossas igrejas e declararem seus testemunhos — e quando estivermos prontos para recebê-los de braços abertos como condiscípulos. Milhões de pessoas que sofrem estão aguardando para ver se nossas intenções reais estão de acordo com o que pregamos.

  30. Eduardo Luiz disse:

    O Governo da promiscuidade

    O Governo Federal Brasileiro já há muito vem realizando uma ação em série com a finalidade de adotar o homossexualismo em nossa nação como uma prática comum e normal, através de programas de “reeducação” social, se é que se pode chamar isso de educar ou reeducar.

    Há algum tempo atrás foi produzido uma série de livros chamada “Alfabetização sem Segredos”, que visava preparar crianças de oito anos de idade para a vida sexual, inclusive ensinando-as como utilizar preservativos, ainda mais com o slogan: “USE E ABUSE”. O material publicado é uma verdadeira apologia à sexualização infantil, já que o referido livro é destinado a CRIANÇAS que possuem por volta de 8 (oito) anos de idade.

    No dia 5 de junho de 2008, o então ministro da saúde, José Gomes Temporão, anunciou que o sistema público de saúde no Brasil realizaria, gratuitamente, as chamadas cirurgias para mudança de sexo. Em uma matéria à revista Veja foi dito:

    “O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, decidiu dar mais atenção à população GLBT (Gays, lésbicas, bissexuais e trânsgeneros). Ele definiu que, ainda, neste ano, o Sistema Único de Saúde (SUS) passará a fazer gratuitamente cirurgias para mudança de sexo. Outra novidade: os médicos terão de tratar os pacientes pelo nome que eles preferirem, independentemente do que constar na carteira de identidade. Com isso, homens poderão ser chamados por nomes femininos, e vive-versa”. (Revista Veja. 05 mar 08, edição 2050)

    O atual governo vem realizando uma verdadeira maratona em defesa do movimento gay, em detrimento dos direitos dos demais cidadãos, e para isso tem ignorado conscientemente as leis que regem o nosso aís, e pior ainda, tem deliberadamente sido incapaz de considerar com o mínimo de respeito as passagens bíblicas que reprovam a prática do homossexualismo.

    Mais recentemente, uma série de panfletos foi produzida e distribuída em todo o território nacional com a finalidade de promover a campanha federal em defesa do homossexualismo. E tudo com o dinheiro dos impostos pagos pelos contribuintes.

    O folheto denominado “A TRAVESTI e o EDUCADOR” é uma verdadeira aula de quebra de valores morais, desrespeito às leis da nação, ignorância à liberdade religiosa, deturpação do processo educacional, desatenção ao sistema de saúde público, desconsideração da estrutura familiar, promoção do sistema ditatorial gay e desprezo pela Bíblia Sagrada, o que trará juízo e condenação sobre a nação e sobre aqueles que a tem governado. Se é que se pode chamar isso de governar, nessa nova Sodoma e Gomorra que está sendo implantada por esse governo desprovido do mínimo de sensatez.

    Quando afirmamos que se trata de quebra de valores morais, estamos respaldados pela Escritura Sagrada que afirma que tais pessoas têm a mente infrutífera e o seu raciocínio nulos por causa de tal pecado (Romanos 1:22-32).

    Quando afirmamos que existe o desrespeito às leis da nação, estamos respaldados pelo

    Art. 307 do Código Penal, que diz ser crime a falsa identidade:

    “Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem”
    Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave.

    No folheto “A TRAVESTI e o EDUCADOR”, afirma-se que:

    “A travesti adota um nome feminino. Um nome que ela prefere usar em vez do nome de batismo. É sinal de respeito trata-la pelo nome que ela preferir, mesmo na hora da chamada.”

    Ora, segundo MIRABETE, Júlio Frabrini. Código penal interpretado. São Paulo: Atlas, 1999.

    (http://www.denunciar.org.br/twiki/bin/view/SaferNet/CrimeFalsaIdentidade [acessado em 16 de julho de 2008]) o ato de se fazer passar por outra pessoa é crime, seja essa pessoa real ou imaginária. O crime é caracterizado quando a identidade é assumida e não apenas as qualidades, e no folheto pede-se para se respeitar a suposta e fictícia identidade assumida pela travesti.

    “A primeira conduta é atribuir-se ou atribuir a outrem a falsa identidade, ou seja, fazer-se passar ou a terceiro por outra pessoa existente ou imaginária. Identidade, no sentido natural, é o conjunto de caracteres próprios e exclusivos de uma pessoa: nome, idade, estado, profissão, qualidade, sexo, defeitos físicos, impressões digitais, etc. Vale dizer que o crime se configura quando o agente se atribui identidade, e não qualidade qualquer.”

    “Consuma-se o crime quando o agente irroga, inculca ou imputa a si próprio ou a terceiro a falsa identidade, independentemente da obtenção da vantagem própria ou de outrem ou prejuízo alheio visados. Trata-se de crime formal, que independe de ulteriores conseqüências” (MIRABETE, 1999)

    Quando afirmamos que existe a ignorância à liberdade religiosa, estamos respaldados pela Constituição Federal, no artigo 5º, VI, que afirma ser inviolável a liberdade de consciência e de crença, assegurando o livre exercício dos cultos religiosos e garantindo, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias. Estamos respaldados pela contradição no próprio folheto, que afirma: “A pessoa é livre para viver a sua orientação sexual, assim como é livre para escolher a própria religião”. Todavia, sendo livres para escolhermos nossa religião, o governo tenta nos impedir de expressa-la verbalmente. Tenta nos impedir de crer, pensar, expressar e criticar nossa posição contra uma atitude que a Bíblia reprova.

    Quando afirmamos que é realizada uma deturpação do processo educacional, estamos respaldados pelos resultados de pesquisas realizadas por pesquisadores sérios, como Isabel Bouzas1, que constatou que devido ao aumento da liberação sexual vivida pela sociedade, houve um aumento da gravidez entre jovens com menos de quinze (15) anos de idade. Como Selma Correia2, que afirma que “…na adolescência tudo é muito intenso e os pais deixam seus filhos livres de tudo. O sexo acaba sendo uma fuga, uma aventura. Sem falar na influência da mídia, que banalizou a questão e faz com que as experiências aconteçam antes do que deveriam. A influência dos meios de comunicação não deve, de forma alguma, ser maior do que a da família”. Ou seja, a família é a responsável pela educação de seus filhos e deve exercer influência de tal maneira que evite, ou, no mínimo, diminua as más influências sobre seus filhos. Como Simone de Oliveira Lacerda3 que diz que “alguns pais estão convencidos pelos valores da modernidade, acham normal nam orar aos 12 anos. Quando os adolescentes têm uma família bem estruturada e que transmitiu um comportamento carregado de princípios, provavelmente ele não cederá à pressão de um grupo”. Dessa maneira, concluímos que a disseminação desses ensinos produzidos pelo governo, alicerçados na falta de valores da modernidade, está suplantando os valores da moralidade e da saúde familiar, e, por isso, os princípios têm sido esquecidos. Todavia, se os pais estiverem comprometidos com uma educação real, sadia e de boa qualidade para seus filhos, transmitindo-lhes tais valores e princípios, estes não serão impelidos a ceder às pressões dos grupos de colegas.

    Quando afirmamos que existe uma desatenção ao sistema de saúde público, estamos respaldados pelos dados obtidos de pesquisas realizadas por centros científicos, e pela inclinação clara e óbvia do governo, ao afirmar no folheto “A TRAVESTI e o EDUCADOR”, que:

    “A travesti utiliza o banheiro da mesma forma que uma mulher… por isso, sente-se mais a vontade indo ao banheiro feminino – nas escolas, nas rodoviárias, nos aeroportos… Em algumas escolas isso já acontece e, na prática, é muito menos complicado do que parece… Pense nisso na hora de discutir o assunto em sua escola”.

    Segundo o relatório semanal do Centers for Disease Control (Centro para Controle de Doença), em estudo realizado pelo Depatamento de Saúde Pública de Chicago, os casos de sífilis aumentaram na comunidade gay. Segundo o estudo, a incidência de sífilis em tal comunidade foi multiplicada por 12, entre os anos de 1999 e 2003. Ainda, de acordo com a pesquisa, 60% das pessoas com sífilis são da comunidade gay. Enquanto entre os heterossexuais essa taxa era de 6 a 7% , entre os gays é de 20%.

    A comunidade gay está sendo assolada por mais uma espécie de praga, a lympogranuloma venéreo (LGV), que já atingiu grande parte da população gay e bissexual da Holanda e da França. Países que liberaram a prostituição e o homossexualismo, como o Brasil quer fazer.

    Em notícia veiculada pela BBC, uma bactéria mortal está atingindo os gays nos EUA. Essa bactéria estaria rapidamente se espalhando entre os gays de São Francisco e Boston, EUA, onde existe a maior comunidade gay do país (São Francisco). De acordo com a pesquisa publicada na revista Annals of Internal Medicine a bactéria MRSA USA300 é “transmitida por meio de sexo anal, pelo contato da pele ou com superfícies contaminadas”. Isto é, vasos sanitários. E o governo federal deseja que homens gays utilizem os mesmo vasos sanitários que as mulheres. Ainda, de acordo com o jornal The New York Times, 19 mil pessoas foram vítimas fatais no ano de 2005 nos EUA por causa da MRSA (Estafilococos Aureus resistente à meticilina, MRSA, na sigla em inglês).

    Agora o governo federal, que deveria preservar a população é justamente quem está trabalhando contra a melhor condição sanitária da nação.

    Quando afirmamos que existe a desconsideração da estrutura familiar, estamos respaldados pelas leis científicas e naturais que afirmam que apenas um homem e uma mulher é que podem constituir uma família, originando um lar. Como seres sexuados, o homem só pode reproduzir-se através do ato sexual com um parceiro do sexo oposto, e completando a ordem natural, normal e correta das coisas, esse ato sexual só deve ocorrer após a instituição do matrimônio, de acordo com a vontade de Deus expressa na Bíblia Sagrada.

    Ao defender o homossexualismo como ato natural e normal, o governo nada mais está fazendo que negar a natureza do ser humano gerado por Deus. A aceitação do homossexualismo implica na aceitação da quebra da estrutura familiar correta, bem como no desmanche de seus valores e princípios.

    Quando afirmamos que existe a promoção do sistema ditatorial gay, estamos respaldados pela própria ocorrência dos fatos na atualidade, pois o movimento gay, apoiado pelo governo federal, deseja calar qualquer um que se manifeste contra as suas aberrações e distorções, fazendo com que seja criada em nossa nação uma classe de pessoas intocáveis ao ponto tal de não se poder sequer tecer qualquer comentário contrário a seu respeito. Ora, os juízes, o presidente e ninguém é inquestionável, porém os gays querem ser. O movimento gay, apoiado pelo governo federal, deseja questionar as religiões, mas não aceita ser questionado por elas, deseja questionar os heterossexuais, mas não aceita ser questionados por eles. Desejam transformam o anormal em natural. A ditadura gay irá levar o Brasil ao mesmo destino da Holanda, ou pior, ao destino final de Sodoma e Gomorra.

    Quando afirmamos que existe o desprezo pela Bíblia Sagrada, estamos respaldados pela própria Bíblia que nos alerta:

    “Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas” (1Co 6:9)

    “Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte” (Ap 21:8)

    “Assim diz o Senhor, acerca deste povo: Pois que tanto gostaram de andar errantes, e não retiveram os seus pés, por isso o Senhor não se agrada deles, mas agora se lembrará da iniqüidade deles, e visitará os seus pecados” (Jr 14:10)

    “Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade” (2Tm 2:19)

    Os homens e as mulheres são seres diferentes em sua anatomia, sexualidade, psicologia e estrutura bioquímica. A tentativa de um homem se transformar em mulher, ou vice-versa, seja aparentemente ou mesmo através de uma “Cirurgia de Redesignação Sexual” (SRS), não irá afetar a sua programação genética natural. Ao lutar contra isso, estará sendo realizada uma luta contra o próprio Deus, seu criador, que assim estabeleceu.

    A minha oração é para que Deus converta o coração desses “governantes” e eles possam enxergar com clareza o tamanho do disparato que estão cometendo, bem como convencer os homossexuais de seus pecados, gerando em seus corações o arrependimento necessário para que abandonem a vida de pecados através da restauração produzida pelo Espírito Santo e pelo sacrifício de Cristo.

  31. Christian disse:

    Olá pessoal!Gostaria de saber onde está escrito na bíblia que Jesus disse que é errado ser homossexual. Quem me disser que há uma passagem que diz isso, é um belo mentiroso. Se os pais querem ensinar aos seus filhos que homossexualismo é errado, porque a religião deles ensina que é errado. Tudo bem. Esta lei não está dizendo que homossexualismo é errado ou certo. Esta lei é apenas contra a discriminação. Eu sinto na pele a discriminação. Talvez vocês nunca passaram na rua e foram xingados e humilhados sem ter feito nada para ninguém. Acho que se a sociedade quer julgar então julgue às pessoas pelo fato delas serem honestas ou desonestas e não pela cor, religião, idade, etnia ou orientação sexual. A sociedade brasileira infelizmente é muito atrasada moralmente. Há muitos países desenvolvidos no mundo onde há religiões que não aceitam o homossexualismo, mas nem por isso discriminam e humilham as pessoas. Muito me admira religiões que se dizem cristãs, sendo a favor do preconceito e da discriminação, desta forma são extremamente anti-cristãs.Há alguma passagem na bíblia onde Jesus discrimina alguém? Jesus mandou atirar pedras em Maria Madalena? O que Jesus ensinou sobre julgar às pessoas?Por favor não atribuam ao Cristianismo vossas imperfeições e práticas anti-cristãs. No estágio moralmente atrasado e de violência moral na qual nossa sociedade brasileira encontra-se, faz-se extremamente necessária uma lei que imponha rédeas à sociedade e a faça progredir.A sociedade cria gays da seguinte maneira: excluindo crianças diferentes desde pequenas. Coleguinhas xingando os coleguinhas mais sensíveis. Adolescentes humilhando os outros por não serem “os pegadores” e também através de abusos sexuais. A sociedade está desta forma, porque ela mesma teve atitudes que causaram esta consequência. Muitos gays não têm culpa de serem como são. Muitos gays são gays porque nossa sociedade ignorante criou eles assim. Além da sociedade criar os gays aida se acha no direito de discriminar. Há pessoas honestas e desonestas de todas as denominações e etnias(brancos, negros, amarelos, vermelhos, heterossexuais, homossexuais, católicos, evangélicos…). O que importa em uma pessoa é o caráter, é tudo o que ela pode levar quando partir deste mundo. Ou será que um gay bom-caráter, é pior que um heterossexual mau-caráter,só porque ele é gay?

  32. BrunoD disse:

    Huahuahuahuahuahuahuahuha….
    Eduardo Luís mostra um claro desrespeito ao estado laico…. cita fontes conhecidas pela sua Graaande qualidade de imprensa marrom como a veja.
    Eduardo, poderia dar-nos motivos mais concretos?
    Creio que nunca tenha chegado perto de um homossexual da sua vida… têm medo de ser contaminado?
    Não mais discutirei aqui, vejo com o exemplo do nosso amigo, como a lavagem cerebral religiosa da ignorãncia e despolitização é realmente efetiva.
    Só um toque pra vc Eduardo.
    Jesus salva, religiões afastam o homem de Jesus.
    Assim como no exemplo acima de Maria Madalena, você, tão orgulhoso de seu evangelho. Resolve respeitar o que é dito da maneira que melhor apouver para suas conviccoes, e ignora o que nãolhe é de interesse.

    Seja mais imparcial ao ler sua bíblia! Hipócrita!
    conheço evangélicos, tenho muitos amigos que o são.
    E dentre estes, que respeitam Jesus e o evangelho, nenhum é como a sua pessoa. Todos têm suas próprias conviccoes e respeitam as alheias.
    Me desculpe a sinceridade, mas…
    Argumentos fracos e ignorantes, fontes tendênciosas, discusoes dogmáticas…. aqui não cola!

  33. Eduardo Luiz disse:

    O que é Homossexualismo

    Muitos crentes, quando questionados sobre as causas do homossexualismo, apontam imediatamente para fatores espirituais, como possessão, segundo dizem. Isso é um claro sinal de desconhecimento bíblico-teológico sobre a questão e, às vezes, de preconceito (a Bíblia não faz diferenciação de pecado – 1 Co 6.9 – 10).

    A influência maligna existe como em qualquer outro pecado, pois Jesus disse que o diabo é mentiroso e nunca se firmou na verdade (Jo 8.44). A homossexualidade é uma mentira dentro dos propósitos maravilhosos de Deus para a sexualidade humana. Jay Adams comenta a questão da seguinte forma:

    “(o diabo) não pode ser acusado do pecado da homossexualidade de maneira tal que seja removida a responsabilidade daqueles que o cometem. O comportamento homossexual é pecaminoso, e não o produto de uma irresistível influência satânica ou possessão ou controle demoníaco. (…) Em nenhuma das passagens onde o homossexualismo é condenado, jamais é especialmente vinculado à influência satânica ou demoníaca.”

    Quando entendem que não é possessão maligna, alguns levantam a hipótese de o problema ser orgânico. Pesquisas tentando mostrar causas-efeitos biológicos ou genéticos para a homossexualidade existem há quase um século. Mas, o fato é que, ao longo dos anos, nenhuma pesquisa jamais provou que a homossexualidade resulta de fatores biológicos. O psiquiatra John White traz uma informação esclarecedora sobre a questão:

    “Até agora, a ciência buscou em vão uma causa física para a homossexualidade. Os testículos dos homens homossexuais produzem os mesmos tipos de hormônio dos homens normais. Os ovários e as outras glândulas responsáveis pelos hormônios da mulher homossexual produzem a mesma proporção de hormônios sexuais da mulher normal. (…) Evidências científicas parecem sugerir que embora nossos hormônios sexuais sejam responsáveis (pelo menos em parte) pelo fato de termos um comportamento sexual e experimentarmos impulsos sexuais, eles não determinam necessariamente o tipo de comportamento sexual que adotamos nem o sexo do parceiro que escolhemos.”

    Se não existem provas de que o homossexualismo seja de ordem biológica devemos questionar, então, quais são os fatores que levam uma pessoa à homossexualidade. Ankerberg e Weldon falam da ausência de fatores orgânicos e a realidade de que homossexualismo é um comportamento aprendido. Eles citam as conclusões a que chegaram o Dr. Joseph Nicolosi, Willian Masters e Virgínia Johnson – três grandes pesquisadores americanos da área de sexualidade humana:

    “O Dr. Joseph Nicolosi salienta que já examinou todos os tipos de literatura científica que têm relação com os supostos princípios biológicos da homossexualidade: ‘Eu mesmo revisei toda a literatura… e certamente não acredito, e acho que nenhum cientista realmente acredita, que haja predeterminação para a orientação sexual.

    Existem muito mais evidências para os fatores ambientais que, desde cedo, determinariam a orientação sexual de uma pessoa.
    “Ninguém menos que a grande autoridade no assunto, o próprio Alfred Kinsey, conforme citado por W.B. Pomeroy, seu pesquisador adjunto, declara: ‘Eu mesmo cheguei à conclusão de que a homossexualidade é, em grande escala, uma questão de condicionamento.’

    Talvez isso explique porque os especialistas em sexo Masters e Johnson enfatizem: ‘É de grande importância que todos os profissionais da área de saúde mental tenham em mente que o homossexual masculino ou feminino é basicamente um homem ou uma mulher por determinação genética, com orientação homossexual por preferência aprendida’.”

    Cientistas do comportamento humano, conselheiros e terapeutas de ex-homossexuais têm quase a mesma opinião sobre as causas do homossexualismo: a maioria dos homossexuais teve problemas na área familiar.

    Muitos tornaram-se homossexuais pela falta de referência saudável dos pais, falta de afetividade e toques físicos, ausência de exemplo paternal sadio, inversão de papéis dos mesmos (mães dominadoras e superprotetoras e pais apagados ou indiferentes), moralismo excessivo ou ausência de educação sexual, separação dos pais e violência no lar.

    O psicólogo americano Gary Collins acredita que o fator de maior influência é, no entanto, o que envolve pais e filhos. Ele afirma:
    “Teorias psicanalíticas afirmam que a homossexualidade afeta os homens criados em famílias onde o pai é uma figura passiva e ineficaz, enquanto a mãe é dominadora. A mãe ensina sutilmente o filho a ser passivo e dedicado a ela. Ele não tem um exemplo masculino forte a seguir e logo descobre que é menos competente que os companheiros para relacionar-se com as meninas.

    O filho perde então a confiança em sua masculinidade e teme a idéia de intimidade com mulheres. As filhas em tais famílias sentem que os pais são pouco amigáveis ou as rejeitam e elas têm então pouca oportunidade para relacionar-se com homens realmente masculinos, associando-se melhor com as mulheres. Esta explicação é a causa mais comumente aceita e melhor documentada para a homossexualidade.”

    Além de lares disfuncionais, algumas experiências na infância e adolescência levaram pessoas às práticas homossexuais: experiências sexuais – satisfatórias ou não – com pessoas do mesmo sexo (colegas, primos, parentes); medo; insegurança; a própria escolha de praticar o homossexualismo e abuso sexual na época da formação da identidade sexual. Segundo informações de líderes de ministérios com ex-gays nos EUA, 85% das mulheres lésbicas que buscam ajuda, sofreram algum tipo de abuso e entre 50 e 60% de homens homossexuais sofreram abuso sexual.

    É importante ressaltar que muitos envolveram-se no homossexualismo, também, devido a rótulos que receberam: “Você é gay!”, “Sua bicha louca!”, “Mulher-macho, sapatão!”, “Você é bicha mesmo e não tem jeito!” etc. Ouvir tudo isso é forte e doloroso demais para crianças e adolescentes. Com certeza esses rótulos marcam suas mentes e emoções. E, como a maioria não tem um lar amigável (onde os pais mantém constante diálogo com os filhos e os orientem com amor), acaba acreditando nas mentiras que lhes são ditas e assimilam psicológica e emocionalmente os tais rótulos.

  34. Eduardo Luiz disse:

    O Homossexualismo é igual aos outros pecados ?

    Todos os seres humanos nascem pecadores e todos os pecados levam à condenação eterna. Então, no plano estritamente espiritual, todos os pecados levam igualmente à condenação eterna.

    Mas aí vem a questão da vida humana aqui na terra. Embora no plano espiritual nenhum pecado seja pior do que o outro, na esfera humana e social, por mais que queiramos, os pecados não são iguais. Por exemplo: O que você acharia pior? Um homem dizer uma mentirinha para sua filha, do tipo “Eu não tenho o livro que você está querendo” (quando na verdade ele o tem)? Ou um homem estuprá-la e matá-la? A justiça humana deveria tratar a mentirinha e o estupro seguido de assassinato da mesma maneira, fichando na polícia e dando uma condenação de anos de prisão para os infratores? Ou deveria, como no caso da mentirinha, tratar o estupro seguido de assassinato como um delito menor, insignificante? Qual o padrão que se deverá usar para “igualar” os pecados aqui na terra, do jeito que são “igualados” na esfera espiritual?

    Todos os pecados são iguais?

    Os pecados podem ser iguais no que se refere à condenação eterna, porém não são iguais no que se refere à nossa vida como cidadãos na terra. No plano terreno, há uma diferença imensa entre uma mentirinha e um estupro seguido de assassinato! Aliás, só o estupro em si já é bem pior do que uma mentirinha. Por isso, para que a sociedade possa viver em relativa paz e harmonia, é preciso estabelecer leis para limitar e punir condutas que representem ameaça para a existência e sobrevivência das famílias. Nessa questão, veja o capítulo O Cristão e o Bem-Estar Social em meu livro O Movimento Homossexual.

    No Antigo Testamento, Deus estabeleceu várias penalidades civis contra diferentes crimes. Algumas penalidades são mais pesadas ou leves dependendo do erro ou do crime. Assim, vê-se que o próprio Deus colocou diferenças na maneira de lidar com o pecado aqui na terra. A meta das leis terrenas não é salvar nem libertar, porém preservar a ordem social e impedir o caos. No entanto, se as leis terrenas igualassem todos os pecados, do jeito que são igualados na esfera espiritual (no que se refere à condenação eterna), então tanto as leis quanto sua ausência causariam o caos geral na sociedade. Um estupro, assassinato e mentirinha ficariam no mesmo nível legal.

    Enxergando devidamente as questões espirituais e terrenas

    Na esfera espiritual e pessoal, podemos falar de Jesus para um homossexual comum e mostrar que Jesus liberta todos os pecadores. Do jeito que ele liberta um beberrão, ladrão ou adúltero, ele também liberta um homossexual. Para Deus, não há diferença.

    Embora a libertação de Jesus seja oferecida de modo igual a todos o que precisam e buscam, a questão do pecado não é tão simples, se não soubermos distinguir entre o espiritual e o terreno. No “reino” deste mundo cada delito tem um grau de gravidade e merece determinado castigo a fim de que os cidadãos aprendam a conviver em paz, segurança e harmonia. Contudo, no Reino de Deus o padrão é mais rigoroso e todos os que tiverem qualquer pecado não confessado e apagado pelo sangue de Jesus estão completamente impedidos de fazer parte desse Reino. “Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus”. (1 Coríntios 6:9-10 BLH) Aqui o Apóstolo Paulo, sob inspiração do Espírito Santo, trata do pecado e suas conseqüências na esfera espiritual.

    No entanto, Paulo também lida com a esfera terrena. Ele diz: “Devemos lembrar, é claro, que as leis são feitas não para as pessoas corretas, mas para os marginais e os criminosos, os ateus e os que praticam o mal e para os que não respeitam a Deus nem a religião. São feitas também para os que matam os seus pais e para outros assassinos. E para os imorais, os pervertidos sexuais, os seqüestradores, os mentirosos, os que dão falso testemunho e para os que fazem qualquer outra coisa que é contra o verdadeiro ensinamento”. (1 Timóteo 1:9-10 BLH)

    Se Deus considerasse, a nível natural e terreno, todos os pecados iguais, ele não colocaria leis sociais fazendo diferença e estabelecendo graus de punição para cada erro e crime. Ele tem uma maneira apropriada de lidar com a esfera espiritual e terrena. Se não soubermos também fazer essa distinção, então poderíamos correr o risco de ou estabelecer graus para cada tipo de pecado para pessoas que estão querendo entrar no Reino de Deus ou igualar todos os pecados na sociedade. Seria uma inversão de visão com relação ao pecado. Assim, não teríamos como combater eficazmente a militância gay, pois nossas energias estariam sendo dispersas em esforços para combater todos os tipos de pecados ao mesmo tempo, desde os maiores pecados até os menores.

    Dispersar nossas energias diante de uma militância tão feroz seria como soldados que avançam para todos os lados e atiram em todas as direções. Um exército sem estratégia e visão de sua missão tem grandes possibilidades de perder uma guerra inteira. É fácil perceber que muitos cristãos estão confusos com relação às questões gays, não entendendo os vários desafios do movimento homossexual. Devido a essa confusão, muitas igrejas estão passo a passo cedendo e vendo as questões gays cada vez mais de acordo com a maneira de ver dos ativistas gays. Talvez essas igrejas não saibam como ajudar na libertação dos homossexuais ou não saibam lidar com fortes questões morais nos meios sociais. Há uma grande necessidade de visão.

    O cristão não precisa se retrair de suas responsabilidades na sociedade. Mesmo como cidadão comum, ele pode obedecer a Deus. Um bom exemplo de obediência com visão no Novo Testamento encontra-se no testemunho corajoso de João Batista. A Palavra de Deus o mostra confrontando uma alta autoridade política que estava envolvida num relacionamento sexual fora dos padrões morais. Essa autoridade tinha muitos problemas sérios (inclusive desonestidade, corrupção e violência) que mereciam forte reprovação. João poderia ter confrontado todos esses pecados, pois ele tinha conhecimento, através de seus pais que eram sacerdotes, do importante papel dos profetas do Antigo Testamento na denúncia contra a corrupção e opressão contra os pobres praticadas por autoridades políticas.

    Contudo, ele agiu de acordo com a prioridade de justiça que Deus colocou em seu coração, talvez por que não fizesse muito sentido pressionar um político a tentar “consertar” as coisas na sociedade quando sua vida particular precisava de “conserto” moral. Ele não dispersou suas energias contra todos os pecados de um político. Ele começou atacando de frente o pecado que sua visão espiritual via como mais grave no momento. Por sua atitude de repreender o pecado sexual de um homem da política, João acabou sofrendo prisão e morte. “Herodes tinha mandado prender João, amarrar as suas mãos e jogá-lo na cadeia. Ele havia feito isso por causa de Herodias, esposa do seu irmão Filipe. Pois João Batista tinha dito muitas vezes a Herodes: ‘Pela nossa Lei você é proibido de casar com Herodias!’” (Mateus 14:3-4 BLH)

    Jesus aprovou o comportamento profético de João. Enquanto João estava na prisão pagando pelo “crime” de confrontar o pecado sexual de Herodes, Jesus só teve comentários de elogio sobre ele. “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: De todos os homens que já nasceram, João Batista é o maior… E, se vocês querem crer… João é Elias, que estava para vir.” (Mateus 11:11,14 BLH)

    Se estivesse vivo em nossa época, será que João conseguiria ficar de boca fechada diante de políticos como a Marta Suplicy, que promovem ativamente a agenda gay na sociedade? Será que ele conseguiria deixar de confrontar o governo Lula, que recentemente apresentou na ONU uma resolução para favorecer o pecado homossexual no mundo inteiro?

    Os pecados e a “abominação” de Sodoma

    Não podemos tentar imaginar, como querem nos fazer acreditar os ativistas gays, que os homossexuais pertencem a uma minoria pobre e desprotegida. É bem o contrário. Os militantes gays, além de pertencerem a um segmento social arrogante em que há muitos empresários, professores universitários, militantes de esquerda, jornalistas e outros profissionais bem estabelecidos na sociedade, recebem apoio inegável das elites que controlam os meios de comunicação. A maioria deles está acostumada ao luxo e às viagens. Um dos setores que mais cresce é o turismo voltado para os homossexuais, justamente porque a classe gay possui mais dinheiro do que os cidadãos comuns.

    Os habitantes de Sodoma também desfrutavam das muitas vantagens sociais que a elite gay conhece hoje. Deus diz: “Sodoma e as suas filhas eram orgulhosas porque tinham muita comida e viviam no conforto, sem fazer nada; porém não cuidaram dos pobres e dos necessitados. Elas foram orgulhosas e teimosas e fizeram as coisas que eu detesto; por isso, eu as destruí, como você sabe muito bem.” (Ezequiel 16:49-50 BLH)

    Os sodomitas eram despreocupados, pois tinham tudo o que precisavam em abundância, mas utilizavam mal seu conforto material, vivendo na glutonaria, na preguiça e nas bebedeiras. Eles utilizavam sua prosperidade unicamente para gratificar seus caprichos e desejos e mantinham os olhos fechados para os necessitados, não se importando em ajudar ninguém que não seguisse ou aprovasse seu estilo de vida.

    Deus detesta o orgulho e a arrogância. Essas qualidades os ativistas homossexuais conseguem mostrar de modo exemplar em suas marchas de orgulho gay e em seu atrevimento e desrespeito contra os valores da família e contra todos os que são fiéis ao que Deus diz em sua Palavra a respeito das práticas homossexuais. A arrogância deles é tão grande que eles acham normal reinterpretar e torcer passagens da Bíblia a fim de favorecer seus sentimentos e práticas sexuais antinaturais. Eles não têm vergonha nenhuma de deturpar até mesmo passagens sobre o Senhor Jesus e usá-lo como exemplo de “amor” homossexual! A Palavra de Deus explica que “os ignorantes e instáveis torcem, como também o fazem com as demais Escrituras, para a própria destruição deles”. (2 Pedro 3:16b NVI)

    Deus detesta a injustiça contra os pobres e necessitados. Os recursos sociais e pessoais de Sodoma estavam sendo investidos exclusivamente na direção dos apetites sexuais de seus cidadãos. Quando souberam que dois “homens” haviam chegado à sua cidade a fim de visitar Ló, “todos os homens de toda parte da cidade de Sodoma, dos mais jovens aos mais velhos, cercaram a casa. Chamaram Ló e lhe disseram: ‘Onde estão os homens que vieram à sua casa esta noite? Traga-os para nós aqui fora para que tenhamos relações com eles’”. (Gênesis 19:4-5 NVI, o destaque é meu.) Todos os homens de Sodoma eram prisioneiros de sentimentos e práticas sexuais dirigidas a outros homens. Portanto, além do orgulho e arrogância, a Palavra de Deus deixa claro que os habitantes de Sodoma estavam também cometendo coisas que ele detesta. Deus diz que eles “se ensoberbeceram e fizeram abominação” diante dele. (Veja Ezequiel 16:50 RC.)

    O que é essa “abominação” que Deus detesta tanto? O que é essa “abominação” que trouxe tanta destruição para Sodoma e as cidades vizinhas que também tinham um ambiente social e legal favorável à homossexualidade? A Palavra de Deus explica: “O que aconteceu com Sodoma e Gomorra e as cidades próximas é um exemplo para nós do castigo de fogo eterno. O povo dessas cidades sofreu o mesmo destino que o povo de Deus e os anjos sofreram, pois cometeram pecados sexuais e se engajaram em atividades homossexuais”. (Judas 1:7 GW, o destaque é meu.)

    Portanto, Deus mostra que ele não gosta do orgulho, arrogância e injustiça contra os pobres e necessitados. E ele gosta menos ainda da abominação de Sodoma, que deu origem à palavra sodomia. O mundialmente famoso dicionário de inglês Webster traz as seguintes definições:

    Sodomia: Um crime contra a natureza. (Dictionary of American English, de Noah Webster, edição de 1828.)

    Sodomia (palavra originária das inclinações homossexuais dos homens da cidade de Sodoma, em Gênesis 19:1-11): 1. Cópula com uma pessoa do mesmo sexo ou com um animal. 2. Cópula sem coito, principalmente anal ou oral, com uma pessoa do sexo oposto. (Webster’s Ninth New Collegiate Dictionary, edição de 1984.)

    Há na Bíblia muitas referências a Sodoma e sua total destruição, a fim de que compreendamos o que vai acontecer com os que lutam para promover e legalizar o que Deus vê como abominação. “Deus condenou as cidades de Sodoma e Gomorra, destruindo-as com fogo, como exemplo do que vai acontecer com os que não querem saber dele.” (2 Pedro 2:6 BLH) E a abominação que causou a destruição de Sodoma é a mesma abominação que merece a pena de morte, de acordo com o que a Palavra de Deus prescreve: “Quando também um homem se deitar com outro homem como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue é sobre eles”. (Levítico 20:13 RC) É de estranhar então o motivo por que a cidade inteira de Sodoma sofreu a pena de morte?

    Conseqüências sociais

    Em que os militantes gays de hoje poderiam ser comparados na característica negativa dos cidadãos de Sodoma, que não ajudavam os pobres e necessitados? Geralmente, a prática de “ajuda” dos homossexuais consiste em ajudar um rapaz pobre em troca de favores sexuais. Gays no mundo artístico e outras profissões liberais costumam envolver-se assim com rapazes e “ajudá-los”. É bem possível que os cidadãos de Sodoma também “ajudassem” os pobres dessa forma. Mas, para Deus, explorar os necessitados em troca de “abominação” não é ajuda.

    Seja como for, são os ricos que exploram os pobres e os países mais ricos são o lugar do mundo em que se encontram os ativistas gays mais ativos e bem equipados. Veja por exemplo a Alemanha, os EUA e a Suécia, onde muitos gays pertencem à classe econômica rica e têm, de um modo ou de outro, oportunidades de influenciar os setores legais e políticos da sociedade. Aliás, até mesmo em países não tão ricos encontram-se não poucos ativistas gays em classes econômicas consideravelmente ricas, em comparação com a maioria da população que não tem tempo nem dinheiro para se ocupar exclusivamente com o comportamento homossexual e como promovê-lo. Em vez disso, a maioria da população só tem tempo para se preocupar com as necessidades básicas da vida. Enquanto grupos cristãos de assistência aos pobres e necessitados lutam para sobreviver, os grupos de militância gay são muito bem financiados, até mesmo com importantes verbas vindas do exterior.

    Além de serem bem estabelecidos financeiramente, os militantes gays conseguem, com muita astúcia política, o desvio de enormes verbas públicas para suas “campanhas contra a AIDS” e outras atividades semelhantes. Tais recursos poderiam ser mais bem destinados aos pobres e necessitados, pois a prevenção da AIDS e muitas outras doenças sérias entre os homossexuais é bem simples e barata: abstinência de sexo anormal. Pelo fato de que muitos homossexuais não se abstêm de seus atos sexuais antinaturais, eles pegam e transmitem muitas doenças, que pesam no sistema de saúde pública. Assim, sua irresponsabilidade pessoal ajuda a desviar recursos importantes que poderiam ser utilizados em necessidades médicas mais legítimas.

    Em entrevista ao serviço noticioso Zenit, de 23 de setembro de 2003, o Dr. Rick Fitzgibbons comenta sobre as conseqüências médicas do comportamento homossexual:

    A lista de doenças médicas encontradas com extraordinária freqüência entre homens homossexuais praticantes como um resultado de comportamento homossexual anormal é alarmante: câncer anal, chlamydia, trachomatis, cryptosporidium, giardia lamblia, herpes, HIV, vírus papiloma humano —HPV ou ferida genital — isospora belli, microsporidia, gonorréia, hepatite viral tipos B e C, e sífilis. A transmissão sexual de algumas dessas desordens é tão rara na população heterossexual chegando a ser virtualmente desconhecida. Outras, quando encontradas entre heterossexuais e homossexuais praticantes, são claramente predominantes por aqueles envolvidos em atividade homossexual. Homens que têm relação sexual com homens contam com um grande número de casos nos Estados Unidos de infecções sexuais transmitidas que não são geralmente espalhadas por contato sexual. Estas doenças, com conseqüências que vão de severas até tratamentos vitais para meras enfermidades, inclusive hepatite A, giardia Lamblia, entamoeba histolytica, Vírus Epstein-Barra, neisseria meningitides, shigellosis, salmonellosis, pediculosis, scabies e campylobacter.

    Pesquisas médicas sérias revelam então que os indivíduos que praticam o homossexualismo têm mais facilidade de pegar muitas doenças transmissíveis graves do que as pessoas que não são homossexuais. Além disso, os gays têm relações sexuais com tantos parceiros diferentes que eles mesmos aumentam o risco de pegar e transmitir essas doenças. Alguns gays não se importam se infectarão seus parceiros ou não, e às vezes até decidem deliberadamente fazer com que os outros sejam contaminados e sofram tanto quanto eles. E é difícil tentar eliminar esse tipo de irresponsabilidade, pois os ativistas do movimento homossexual pregam que ninguém tem o direito de interferir na vida sexual privada de um gay.[1]

    Para mudar essa situação e ajudar os homossexuais e a população geral, seriam necessárias no mínimo campanhas regulares de educação e prevenção à sodomia. No entanto, atualmente não há mais leis rigorosas protegendo a sociedade da sodomia por influência direta de pesquisas fraudulentas. A Drª Judith Reisman afirma que o falecido Kinsey teve importante papel em influenciar e abrandar as atitudes da sociedade para com o estupro, o incesto, a pedofilia e a pederastia. Embora a pederastia seja um grave abuso contra as crianças, o movimento de defesa dos direitos dos gays a vê apenas como “amor entre homens e meninos”. Líderes homossexuais citam o trabalho “pioneiro” de Kinsey como o grande responsável pela revolução sexual e pela normalização do que antes era considerado ato criminoso: a sodomia.[2]

    Mesmo sabendo que as práticas homossexuais representam sério risco para a saúde e expõem o corpo ao perigo da AIDS, muitos praticantes do homossexualismo acham que vale a pena dar a vida para praticar seus desejos sexuais. Um ativista gay declarou: “Decidimos que é melhor morrer [de AIDS] do que levar uma vida sexual chata.”[3]

    Portanto, o avanço do moderno movimento homossexual mostra que os ativistas gays estão dispostos a tudo para tornar nossa sociedade mais parecida ou até pior do que Sodoma.

    Se Deus fosse tratar Sodoma considerando todos os pecados iguais (e nós sabemos que para ele todos os pecados são iguais), ele sem dúvida alguma não destruiria só Sodoma, mas toda a humanidade. Não há dúvida de que além do orgulho e outros pecados sérios, o sexo de homem com homem passou a ser o centro da vida social de Sodoma. As energias deles estavam sendo investidas em grande escala em seus desejos sexuais. A destruição dessa cidade tolerante do homossexualismo teve como objetivo mostrar que é importante, na esfera terrena, combater e eliminar o avanço da militância gay na sociedade.

    Na época, como a destruição de Sodoma não permitiu que a agenda gay avançasse no mundo inteiro, ninguém sabia com certeza o que a militância homossexual poderia trazer como conseqüência, embora a tentativa de estupro homossexual dos sodomitas contra dois anjos seja um sinal do que estava para vir. Mas em nossa época é diferente. Vemos os ativistas homossexuais se mobilizando de maneira furiosa e espalhafatosa, impondo, com intolerância e obstinação, a aceitação de seu comportamento. Eles trabalham febrilmente para legalizar o casamento homossexual e desestruturar a família natural.

    Algum tempo atrás, eles afirmavam com convicção que suas campanhas para legalizar o casamento gay não incluiriam a adoção de crianças. Hoje eles lutam abertamente nos tribunais pela adoção! Há agora ativistas gays que afirmam que a pedofilia não faz parte de seu movimento. Será que a sociedade cairia novamente no erro de acreditar na palavra deles? Já há líderes gays pedindo a aceitação e compreensão da sociedade para com “o sexo entre homens e meninos”. Portanto, só Deus sabe o que o futuro reserva, se nada for feito para deter a agenda ardilosa da militância gay.

    Em resumo, as maldades dos sodomitas são claras: eles eram orgulhosos, arrogantes e prósperos em dinheiro, preguiça e bebedeiras, sem se importar com ninguém que não aprovasse ou seguisse seu estilo de vida. E eles cometiam abominação diante de Deus. O pecado sexual deles era tão grave e antinatural que não havia como descrevê-lo num termo simples. O único jeito de mencioná-lo era usando o termo abominação, que significa algo extremamente detestável. Assim, não há dúvida de que Deus sentia nojo das práticas sexuais dos sodomitas.

    Entendendo as diferenças entre o homossexual e o ser humano sexualmente natural

    Algum tempo atrás um líder evangélico do Brasil argumentou que tanto o homossexual quanto o “heterossexual” precisam se controlar sexualmente. Ele disse: “A conduta que Deus exige tanto do homossexual quanto do heterossexual é a mesma”. Dizer isso é implicar que tanto a sexualidade natural quanto a homossexualidade são normais. Então o que e errado é apenas o descontrole dos impulsos sexuais dos seres humanos naturais e dos homossexuais? Seria pensar que, assim como o homem natural tudo o que o homossexual precisa fazer é se autocontrolar? No entanto, dizer isso não significaria que é normal ser homossexual desde que não se pratique o comportamento homossexual?

    A intervenção de Jesus na vida de um homossexual limita-se apenas na supressão de seu comportamento? Onde está o espaço para Deus realizar uma mudança de coração? Em 1 Coríntios 6:9-10 os homossexuais são colocados juntamente com outros tipos de indivíduos que não têm direito de entrar no Reino de Deus. Então, se formos aplicar o pensamento da naturalidade da identidade de pecado numa pessoa, tanto o adúltero quanto o heterossexual precisam se controlar? Tanto o assassino quanto o heterossexual precisam se controlar? Tanto o ladrão quanto o heterossexual precisam se controlar? Será que Jesus tem o poder de eliminar as práticas erradas de um ladrão, mas não de transformar sua natureza de ladrão? Um adúltero que se torna cristão e pára de adulterar será adúltero o resto da vida, mesmo sem praticar o adultério?

    Não é pecado ser ladrão, desde que não se roube? Não é pecado ser adúltero, desde que não se cometa adultério? Não é pecado ser homossexual, desde que não se cometa atos homossexuais? Não é pecado ser pedófilo, desde que não se faça sexo com crianças? Esse pensamento faz sentido?

    Todos os “heterossexuais” nascem em pecado e podem assim se tornar ladrões, assassinos, adúlteros, homossexuais, etc. A condição humana de heterossexual em si não é pecado, pois ele tem desejos, vontades e condutas sexuais que, ainda que manchados pelo pecado, foram projetados por seu Criador. Contudo, a condição de homossexual não é natural. Os desejos, vontades e condutas sexuais do homossexual não foram, em nenhum sentido, projetados pelo Criador. Ser heterossexual em si é perfeitamente normal. Ser homossexual não.

    Um homem ou mulher natural (que as ideologias politicamente corretas de hoje classificam como heterossexual muitas vezes para fazer diferença com o homossexual) pode ser adúltero, ladrão ou homossexual. No caso do homossexual, ele é um “heterossexual” prisioneiro de uma identidade e condição de pecado, com todos os desejos, vontades e necessidades decorrentes de seu estado.

    Implicar um mínimo de igualdade entre o homossexual e o ser humano sexualmente natural é tirar do prisioneiro do homossexualismo a esperança de se ver como alguém em necessidade da graça e do poder de Jesus para restaurá-lo à condição sexual projetada pelo Criador. O ser humano em si não tem a capacidade de libertar um homem de sua condição homossexual. Mas será que todas as coisas são possíveis para Deus, menos a libertação de alguém preso a um identidade sexual antinatural?

    O poder do Evangelho é muito mais do que só a cessação de um ou dois comportamentos errados. Embora a cessação de condutas erradas seja útil para a paz e ordem social e ajude um cristão a ter um bom testemunho na sociedade, o poder do Evangelho envolve salvação, libertação e transformação de todos os que abrem com sinceridade o coração para a pessoa de Jesus Cristo. Essa transformação é uma obra do Espírito Santo começando de dentro para fora de uma pessoa que se entrega em fé e obediência a Jesus. O indivíduo praticante do homossexualismo faz uma boa obra quando deixa de praticar atos homossexuais, porém as boas obras em si, por melhores que sejam, são inúteis para a salvação. Mas têm outras utilidades. Se ele se interessa pela paz e ordem na sociedade, ele se oporá ao comportamento gay e toda tentativa legal e política de favorecê-lo. Essa é uma boa obra que é útil e agradável para o bem-estar social, pois pesquisas revelam que o estilo de vida homossexual é responsável pela propagação de diversas doenças sérias na sociedade. No entanto, se ele quer salvação, o único caminho é se abrir para Jesus Cristo e suas transformações. As boas obras, nesse caso específico, são incapazes de ajudá-lo na sua libertação.

    Homossexual: eunuco por amor ao Reino de Deus?

    Já li texto de pelo menos dois líderes evangélicos do Brasil declarando que um homossexual evangélico é chamado para ser eunuco. Será que o homossexual cristão pode ser considerado um “eunuco por amor ao Reino de Deus”? O movimento gay tem procurado fazer uso de todos os tipos de recursos teológicos a fim de “provar” que não há condenação bíblica para a homossexualidade. Um dos recursos é a utilização do termo eunuco. Numa entrevista, colocou-se a seguinte questão para Luiz Mott, considerado o mais importante militante do movimento homossexual no Brasil: “O crescimento do homossexualismo e sua maior aceitação por parte da sociedade tendem a alterar a visão evangélica mais ortodoxa, segundo a qual o comportamento gay é pecado e abominação contra Deus”. Mott respondeu:

    — Sim, os cristãos, devem respeitar o ensinamento de Jesus de que há eunucos que assim nasceram do ventre de suas mães. Eunuco é um eufemismo usado por Cristo para se referir aos amantes do mesmo sexo, ainda que o termo “homossexual” só foi inventado em 1869. Hoje a genética comprova cada vez mais a naturalidade da orientação sexual: portanto, faz parte dos planos do Criador também a existência de seres humanos com orientação homossexual… Abominação é o desamor, é não escutar a voz do Espírito Santo, que através da exegese, da genética, da antropologia, garantem a normalidade e universalidade do amor homossexual. Homossexualidade é amor, tão puro e verdadeiro como o que o Rei Davi sentiu por Jonas: “teu amor me era mais delicioso que o amor das mulheres!”[4]

    Em primeiro lugar, vamos ver o que Jesus mesmo diz: “Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe; e há eunucos que foram castrados pelos homens; e há eunucos que se castraram a si mesmos por causa do Reino dos céus. Quem pode receber isso, que o receba”. (Mateus 19:12 RC)

    Outra versão torna as palavras de Jesus ainda mais claras: “Pois há razões diferentes que tornam alguns homens incapazes para o casamento: uns, porque nasceram assim; outros, porque foram castrados; e outros ainda não casam por causa do Reino do Céu. Quem puder, que aceite este ensinamento”. (Mateus 19:12 BLH)

    O eunuco pode ser o homem que nasce sem a capacidade natural de ter relações sexuais e gerar bebês (como, infelizmente, às vezes ocorre com pessoas que nascem com graves deficiências nos órgãos genitais ou nascem sem esses órgãos). Tal caso não se aplica ao homossexual, que pode tanto ter relações sexuais normais quanto gerar bebês, se optar por um casamento natural.

    Quando fala de eunucos, Jesus sem dúvida se refere à situação infeliz dessas pessoas. Ele também se refere às pessoas que tiveram uma experiência traumática como a de Daniel, que foi castrado à força e assim se tornou eunuco na Babilônia. E ser eunuco pelo Reino de Deus se aplica a todos os que por livre vontade deixam de casar a fim de servir melhor o Senhor Jesus. Jeremias é um exemplo: ele não se casou por amor ao seu trabalho profético dirigido por Deus.

    Portanto, eunuco pode ser o homem que nasceu sexualmente deficiente, ou o homem que foi castrado ou ainda, figurativamente, o homem que renuncia ao casamento a fim de se dedicar inteiramente ao trabalho do Reino de Deus, conforme a orientação de Paulo em 1 Coríntios 7:25-26,32-33. Nessa última definição, Jesus não menciona que o homem se torna eunuco para não pecar sexualmente. Ele se torna como um eunuco no sentido de que evita o casamento e todas as suas imensas responsabilidades a fim de que possa dedicar sua atenção e energias exclusivamente para trabalhar para Deus.

    João Batista foi um “eunuco” pelo Reino de Deus, já que todo seu tempo era exclusivamente empregado no seu intenso ministério profético. Ele renunciou ao casamento para se dedicar à missão de anunciar a vinda do Messias. Ele não tinha tempo para nada, a não ser os interesses de Deus. Assim, o eunuco pode ser um homem que renuncia ao casamento a fim de servir a Deus de modo mais completo. Alguns cristãos conseguem viver intensamente para Deus sem casamento. É uma capacidade que Deus lhes deu. Paulo, que não era casado e trabalhava para Deus com muito amor, declarou: “Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro de outra”. (1 Coríntios 7:7 RC)

    Agora, como interpretar que um homossexual pode ser eunuco por amor ao Reino de Deus? Será que também poderíamos incluir nessa interpretação um assassino não matar por amor ao Reino de Deus? Ou um adúltero não adulterar por amor ao Reino de Deus? Ou um pedófilo não violentar crianças por amor ao Reino de Deus? Faz sentido pensar dessa forma?

    Seria correto colocar na categoria de eunuco pelo Reino de Deus um indivíduo cuja identidade, desejos e sentimentos sexuais são caracterizados pela antinaturalidade? Eunuco por amor ao Reino de Deus é o homem que convive a vida inteira com sentimentos e desejos homossexuais e os reprime? Ou é o homem que se dispõe a conviver com o chamado de se entregar completamente para Deus e seu serviço?

    Os homossexuais são iguais a quem?

    Uma revista evangélica agrupou condições humanas aparentemente no mesmo nível: “O homem e a mulher [que são iguais em valor natural], o jovem e o adulto [que são iguais em valor natural], o hetero e o homossexual…” Em que sentido o homem e a mulher sexualmente natural poderiam ser colocados no mesmo nível de um indivíduo que tem sentimentos ou práticas antinaturais? Se há uma igualdade tão parecida assim, então os ativistas gays não estão com a razão quando utilizam o argumento da igualdade para exigir cada vez mais direitos e privilégios especiais para seu comportamento? Assim, pouco adiantaria condenar um comportamento sexual desaprovado pela Palavra de Deus, porém aceitar uma igualdade entre o ser humano sexualmente natural e o ser humano sexualmente antinatural.

    Ser homem, mulher, jovem, adulto e heterossexual são condições humanas normais que não caracterizam nem direta nem indiretamente nenhum tipo de anormalidade ou antinaturalidade. Tal, porém, não é o caso com relação à homossexualidade. Homossexual é o indivíduo cuja característica de vida é a prática e/ou atração por indivíduos do mesmo sexo. Essas práticas e/ou atrações são totalmente antinaturais.

    Certamente, sem intenção maldosa a revista acabou cometendo um equivoco, dando a impressão de normalidade aos homossexuais, pois colocou-os na categoria de condições humanas naturais que não designam em si atividade ou estado de pecado. Contudo, quando coloca os homossexuais em categorias humanas, a Palavra de Deus faz questão de apresentá-los juntamente com condições humanas diretamente envolvidas em identificações e condutas contrárias à vontade de Deus.

    Embora os ativistas gays lutem muito para que os homossexuais sejam colocados lado a lado junto com os homens sexualmente naturais, como se houvesse entre eles apenas diferenças insignificantes entre dois grupos normais, a Bíblia jamais os coloca na categoria de seres humanos normais. Em 1 Timóteo 1:9 os homossexuais aparecem com outros indivíduos “normais” como eles: indivíduos que desrespeitam a lei e a ordem, criminosos, assassinos, seqüestradores, etc. Essa é a lista de problemas terrenos em que, conforme Paulo, os homossexuais podem ser normalmente colocados.

    Em 1 Coríntios 6:9-10, os homossexuais são colocados em outra lista em que há indivíduos que, de acordo com Paulo, não têm o direito de entrar no Reino de Deus: adúlteros, idólatras, ladrões, beberrões, difamadores, etc. Assim, na categoria de indivíduos que violam as leis e a vontade de Deus, os homossexuais são considerados normais.

    Vê-se que, no lado espiritual, o homossexual recebe condenação no que se refere à eternidade. Pelo lado terreno, ele recebe condenação no que se refere às leis humanas que têm a responsabilidade de proibir e castigar condutas erradas e antinaturais.

    Implicar que a única coisa que, em seus sentimentos e desejos antinaturais, um homossexual pode fazer é se tornar um “celibato” ou “eunuco” por amor ao Reino Deus é ter uma fé que remove o homossexual da lista de possibilidades de intervenção e transformação de Deus. Se a leis humanas justas chamam os cidadãos para se absterem de muitos tipos de condutas erradas e impróprias, inclusive as práticas homossexuais, o Evangelho os chama para muito mais. O Evangelho chama a todos para Jesus, onde há amor, alegria, paz e transformações de vida que nenhum ser humano pode oferecer.

    É crendo nesse Evangelho que sou ousado para alcançar quem precisa de salvação, inclusive drogados, prostitutas e até mesmo pessoas que não têm nenhum desses pecados sérios, mas também precisa de Jesus. Anos atrás, estive num evento escolar na cidade de São Paulo em que todos estavam a vontade reunidos em grupos e conversando, menos a “diretora” da escola. “Ela” estava isolada num canto, sem ninguém com quem conversar. Apesar da aparência e roupa de mulher, “ela” na verdade era um homem. Meu coração se encheu de compaixão por aquela alma.

    No próximo evento, levei um folheto do ex-gay Sy Rogers e quando vi os grupos se formando e a “diretora” sozinha em seu canto, fui até “ela”, conversei sobre o amor de Jesus e lhe dei o folheto. Todos olharam para mim, cochichando e dizendo que eu provavelmente deveria ter o mesmo problema “dela”, só porque me “atrevi” a me aproximar “dela” para conversar. Naquele dia, ouvi muitos insultos contra mim unicamente por minha atitude de estar com alguém que precisava ouvir o Evangelho. Por essa atitude, fui hostilizado pelos jovens da escola, que me xingaram de “bicha” e outros nomes.

    Não foi fácil, porém ajo por amor a Jesus. Não tenho medo de fazer a vontade de Deus, mesmo quando há incompreensão e oposição, pois sei que suas transformações miraculosas e maravilhosas estão ao alcance de todos os que abrem o coração para Deus com sinceridade. Minha grande alegria foi ver o interesse da “diretora” no Evangelho e no testemunho do folheto, que contava sobre a libertação de um homossexual. “Ela” me ouviu falar de Jesus com muita atenção e gratidão.

    Questões importantes para consideração

    Apoiar-se na idéia de que os indivíduos escravizados a sentimentos e desejos homossexuais podem agradar a Deus sendo “eunucos” é mostrar falta de esperança numa transformação miraculosa e real de Jesus para restaurar um homossexual à sexualidade natural. Corre-se assim o risco de achar que, embora possa receber perdão e paz, não se pode mudar a natureza homossexual de uma pessoa. Passa-se então a crer num tipo de conversão sem transformação, em que depois de se tornar cristão, um gay vira simplesmente um homossexual cristão que precisa ser um “eunuco” para não colocar em prática seus desejos antinaturais!

    Embora não tenhamos nenhuma capacidade de transformar ninguém, pessoas oprimidas pelo homossexualismo podem receber de Jesus muito mais do que só perdão e paz.

    Mesmo que alguns especialistas venham a “provar” que a homossexualidade tem como fator principal a genética, não precisaremos limitar nossa confiança na Palavra de Deus no que se refere ao homossexualismo. Veja o que a Bíblia diz: “Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencerem a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.” (1 Coríntios 6:9-11 BLH)

    O que a Palavra de Deus mostra é que na igreja do Novo Testamento havia pessoas que eram homossexuais no passado. Só no passado. Assim, onde Jesus tem espaço para visitar, libertar e transformar, a homossexualidade de alguém permanece no passado, não por toda a vida.

    Portanto, precisamos avaliar com sinceridade: 1) Um homossexual pode ser considerado um eunuco por amor ao Reino de Deus? 2) A Palavra de Deus está certa quando ensina que a homossexualidade de um cristão liberto fica no passado? 3) O que o Senhor Jesus Cristo pode fazer por pessoas oprimidas pelo homossexualismo? 4) O Senhor Jesus realmente pode mudar a natureza alcoólatra, pornográfica, enganadora, assassina ou homossexual das pessoas?

    São perguntas que precisam ser devidamente tratadas e respondidas.

  35. Eduardo Luiz disse:

    Seu Filho é Gay?

    Em “História da Sexualidade”, o filósofo francês Michel Foucault (1926-1984) nos conta como a sexualidade passou a ser domínio de várias tecnologias de saber e poder, tais como a medicina, a psiquiatria e a psicanálise. Desse modo, o autor demonstra como o sexo que antes era concebido como um ato para se obter prazer, passa a ser disciplinado e normalizado, definindo quais práticas eram consideradas normais e quais eram consideradas patológicas.
    Isso ocorreu devido a fomentação do discurso sobre sexo, sobretudo a partir do século XVIII. Era necessário falar de sexo, era preciso saber quais práticas, quais desejos, quais fantasias, quais discursos e quais formas eram usadas para se obter prazer para que se pudesse controlá-lo.

    As “confissões da carne” passaram então do registro jurídico e da moral cristã, para o controle da medicina psiquiátrica. Foi o momento em que se deu uma verdadeira “caçada às sexualidades periféricas”, onde o homossexual do século XIX passa a ser um personagem digno de observação, análise, controle e correcção. Nascia assim, a ideia de que os homossexuais eram pessoas que haviam saído da norma (primeiro, a que foi imposta pela igreja e pelos valores morais e sexuais da época, depois, pelo crivo da medicina que dizia o que era permitido e o que era proibido em matéria de sexo – uma verdadeira ortopedia sexual).

    De acordo com Foucault, a categoria psicológica, psiquiátrica e médica da homossexualidade, constituiu-se como um tipo de relação sexual onde a ideia de masculino e feminino estariam invertidas, visto que homens e mulheres, tanto moralmente, quanto anatomicamente, haviam “nascido” para se completarem. A prática de sodomia (relações sexuais anais entre homens ou entre homens e mulheres) era condenável moralmente e constituía uma identidade, qual seja, a do “sodomita”. O homossexual ganha uma identidade quando a sexualidade passa a ser domínio da medicina psiquiátrica da época, que o definia como portador de um “hermafroditismo da alma”. Saía de cena o sodomita, entrava em cena o homossexual, cujo desejo e prazer são passíveis de cura.

    Do século XIX até os nossos dias, a homossexualidade foi investigada e vítima dos mais diferentes tratamentos que a medicina psiquiátrica dispunha. A homossexualidade também foi colocada no divã para ser analisada por um certo Dr. Sigmund Freud, que apesar de considerá-la uma “parada no desenvolvimento sexual” (a partir da teoria do Complexo de Édipo), foi veemente contra toda e qualquer aço no sentido de demover o desejo sexual dessas pessoas. Ela ainda foi estudada por antropólogos e sociólogos nos estudos culturais e etnográficos, e apenas na década de 70 é que se observou uma mudança: em 1973, a Associação Psiquiátrica Americana retirou a homossexualidade da lista de transtornos mentais, decisão essa que foi seguida pela Associação Americana de Psicologia, pela Associação Brasileira de Psiquiatria, pelo Conselho Federal de Medicina e pela Organização Mundial de Saúde.

    Em 1999, o Conselho Federal de Psicologia, emitiu uma resolução (Resolução 01/99) proibindo expressamente qualquer psicólogo de fornecer tratamento a qualquer sujeito autodenominado homossexual no sentido de promover sua “cura”.

    Apesar de haver esforços para naturalizar a homossexualidade como mais uma faceta da nossa subjectividade, ainda encontramos pesquisas genéticas que insistem em encontrar um “gene” da homossexualidade. Não acredito que este “gene” exista, e se for algum dia for encontrado, pouco poderá dizer sobre as acções morais e os desejos afectivos e sexuais da maioria de sujeitos, hetero, homo, bissexuais, ou qualquer outra espécie sexual que haja nos dias de hoje ou amanhã.

    A ideia é estapafúrdia. Primeiro, porque trata-se de um retrocesso em todas as conquistas adquiridas no plano dos direitos humanos, além das conquistas que tanto a medicina, a psicologia e a psicanálise se esforçaram para promover a partir do conhecimento científico ao longo dos anos; e finalmente também trata-se de uma volta a preconceitos que foram derrubados ao longo dos dois últimos séculos, para não dizer nos últimos 50 a 60 anos. Segundo porque cabe aqui questionar o por quê ainda torna-se imperativo em nossa cultura à lei da moral cristã, se está mais do que comprovado a naturalidade da maioria de nossos desejos sexuais e afectivos. Terceiro, porque com a ideia do projecto, deixa de considerar amores, fantasias, inspirações repentinas, como algo tão natural tanto na hetero quanto na homossexualidade, visto que, se homens e mulheres foram feitos para procriarem, porque eles “transam na cozinha, no elevador, nos estacionamentos, nos clubes de “swing”, na zona, de cinta-liga, colares de couro ou cueca de látex furada”, conforme questiona o Psicanalista Contardo Calligaris, em artigo de mesmo título na Folha de São Paulo? Ou ainda, por que se homens e mulheres foram feitos para procriarem, assim como fazem os animais (que são regidos por instintos ao invés de desejos, fantasias e pulsões) eles praticam sexo oral, masturbação colectiva, sexo anal, são adeptos do sado-masoquismo, sexo em grupo, solitário ou com animais?

    Se há algo que merece ser tratado na homossexualidade, é o seu mal-estar diante de uma sociedade que o(a) trata como alguém de menor valor explicitamente pelo tipo de afectividade e sexo que pratica.
    Orientação sexual, também pode ser um conceito perigoso, visto que a ele está associado o termo “escolha sexual”, que em nossa sociedade, é mal interpretado. Não existe nesse sentido, uma escolha diante de dois caminhos a serem seguidos, a uma decisão importante, entre um sim e um não, ou entre a escolha de uma refeição diante de um cardápio variado, simplesmente porque ninguém escolhe ser hetero, homo, bi ou qualquer outra natureza sexual que exista nos dias de hoje, como se, com isso, naturalizássemos uma determinada “identidade sexual”. Portanto, não existe uma escolha entre ser hetero ou não, ser gay ou não.

    Sectores do movimento gay tem acolhido com bons olhos a ideia de uma naturalização genética da homossexualidade, ou a ideia de que haja “homossexualidade” nos animais, como se com isso, a natureza fosse o caminho encontrado para afirmar a normalidade de sua existência e de suas práticas afectivas e sexuais (sempre insisto nisso), daí, por que não aceitá-la?

    A ideia é pouco provável, visto que não existem pesquisas suficientemente fortes que comprovem seus resultados, e o que pode ser usado como argumento a favor da naturalização, pode muito bem ser usado como contra argumento para um ideal de cura: um “gene” pode ser modificado no futuro, face aos avanços das pesquisas genéticas, e se existe uma homossexualidade na natureza dos animais, estaria mais do que comprovado que o instinto pode muito bem se tornar uma “aberração da natureza”, já que é notório que os fundamentos procriativos dos animais é explicitamente utilizado nos argumentos daqueles que a promoveram (homens e mulheres foram concebidos para se procriarem), visto que o ser humano é o único “animal superior” que possui desejos e fantasias sexuais, podendo inclusive sentir prazer na ausência de qualquer outro ser humano.

    Se a cura da homossexualidade é proposta, ela está sendo posta a serviço não só do campo médico e científico que nos seus primórdios, associou homossexualidade à ideia de doença, degenerescência, anormalidade e patologia, como também do campo religioso cristão, que vê a homossexualidade sob a lupa de valores morais baseados nas doutrinas do cristianismo.

    Portanto, a re-orientação sexual de homossexuais nada mais pode servir as proposições fundamentais de movimentos religiosos que ainda querem “demonizar” ou “exorcizar” a sexualidade de seres cuja medicina, psicologia e psicanálise, repito, tratou insistentemente de naturalizar.

    A homossexualidade, assim como a heterossexualidade, é parte integrante de nossa subjectividade. O que resta, são preconceitos impostos pela cultura, pela sociedade, por regras morais, por crenças historicamente criadas que continuamente precisam ser “exorcizadas” das mentalidades de pessoas como as que promoveram a ideia do referido projecto.

  36. Eduardo Luiz disse:

    Psicóloga punida por defender tratamento a homossexuais concede entrevista ao SBT Brasil.

    A psicóloga Rozangela Justino, que na última sexta-feira, 31, foi punida pelo CFP (Conselho Federal de Psicologia) a censura pública, concedeu entrevista ao SBT Brasil.

    De peruca, máscara e óculos escuros, Justino foi julgada por oferecer tratamento a pessoas com atração pelo mesmo sexo. “Os ativistas sentem muita raiva de mim. Eu não quero ser reconhecida amanhã, andar no centro do RJ e de alguma forma ser atingida por essa ira, por essa raiva”, disse a psicóloga a repórter Williane Rodrigues.

  37. Eduardo Luiz disse:

    Terapeutas oferecem ‘tratamento’ para gays, diz estudo

    Uma pesquisa realizada por especialistas britânicos sugere que terapeutas ainda oferecem tratamentos para homossexualidade apesar de não existir uma técnica aceita como comprovadamente eficaz nesta área.

    A pesquisa divulgada na publicação especializada BMC Psychiatry envolveu 1,4 mil terapeutas britânicos e mostrou que uma “minoria significativa” de profissionais de saúde mental admitiu ter ajudado pelo menos um paciente a reduzir seus sentimentos homossexuais quando estes foram em busca de tratamento.

    De acordo com o estudo, somente 4% dos psicólogos disseram que ajudariam a mudar a orientação sexual dos pacientes, mas 17% disseram que tentariam ajudar seus pacientes a conter seus instintos homossexuais.

    Muitos deles disseram ter agido na “melhor das intenções”, afirma o estudo.

    “Nós sabemos que os esforços para mudar a orientação sexual da pessoa resultam em poucas mudanças e podem ser prejudiciais”, disse o professor Michael King, da University College, em Londres.

    “Nós achamos muito preocupante ter havido uma minoria significante de terapeutas que parecem ignorar este fato, mesmo que o tenham feito com a melhor das intenções”.

    O Royal College of Psychiatrists, na Grã-Bretanha, diz que todos os homossexuais têm o direito de se proteger de terapias que são potencialmente prejudiciais, principalmente aquelas que se propõem a mudar a orientação sexual.

    Nos Estados Unidos, onde tem havido um intenso debate sobre a questão da “cura” para homossexualidade, a Associação Americana de Psiquiatria (APA, na sigla em inglês) pediu a todos os profissionais éticos que interrompam suas tentativas de alterar a orientação sexual dos indivíduos.

  38. Ozznofa disse:

    Realmente, com os cristãos não há a menor chance de ser respeitado. Independente se você é um bom cidadão ou um criminoso bárbaro, caso se seja homossexual pra vocês não importa. Tem que ser desrespeitado, ameaçado, discriminado, morto. Sei que tem muita gente que é assim, mas, sempre me ensinaram que Jesus amava a todas as pessoas incondicionalmente e que preferia o amor à violência. É uma pena que vocês não aprenderam isso…

  39. Eduardo Luiz disse:

    Amar uma pessoa não significa aceitar tais praticas condenatorias, amo homossexuais, bandidos, pedófilos, prostitutas e o pior terrorista que seja, quando me refiro amar estas pessoas ai descritas eu me refiro amar a pessoa delas e não as praticas delas.

    Deus é amor mas tambem Deus é justiça.

  40. lais disse:

    O engrassado eh que a biblia tb condena o pilula, a camisinha, ou o uso de qualquer produto que impessa uma mulher de engravidar e reprodusir… E em pleno seculo XXI a igreja ja aceita que esse tipo de preservativo eh necessario.

    E aocontrario com o que andam dizendo por ai, ser homossexual nao eh uma opcao. Assim como nascem pessoas com a cor da pele preta, branco, com paralisia, homem e mulher sem opitar por isso, nascem os homossexual. Ou voce acham que se todo homem e mulher pudessem escolher nascer e ser atraido sexualmente pelo sexo oposto nao fariam essa opcao, EH MUITO MAIS FACIL ser hererossexual, mas isso nao eh uma opcao!!!!

  41. Eduardo Luiz disse:

    A homossexualidade é um desvio de comportamento?

    Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro afirma que heterossexuais têm o direito a entender que a homossexualidade é um desvio de comportamento, uma doença.

    O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro ao julgar uma apelação em Ação Popular contra o Estado do Rio de Janeiro, no ano de 2002, com intuito de anular o repasse de recursos que financiava a “VII Parada de Orgulho Gay” em 30/06/2002, no então governo da Sra. Benedita da Silva, decidiu ser legitima manifestação pública contra o incentivo a homossexualidade.

    A Justiça decidiu entre outras coisas em 01/04/2009, que é legítimo aos cidadãos heterossexuais, o direito de expressarem o seu pensamento a luz dos valores morais, éticos e religiosos, no que diz respeito a entender ser a homossexualidade um desvio de conduta, uma doença, algo que cause mal à sociedade humana, devendo tal comportamento ser reprimido e não apoiado pela sociedade.

    Tal conduta não pode ser entendida como é crime ou ato discriminatório, pois é legítimo o direito de expressão de ambos os lados no sistema jurídico vigente.

    O acórdão faz uma abordagem do legítimo direito das pessoas, com base nas garantias constitucionais (art. 5º) de liberdade religiosa de crença, consciência e culto, e liberdade de expressão de emitir suas opiniões, de forma pacífica, sem sofrer QUALQUER TIPO DE RESTRIÇÃO por parte do Estado ou grupo de minorias.

    O Acórdão do Tribunal do Rio de Janeiro de forma direta é totalmente contrário à instituição de uma mordaça gay, pois os cidadãos são livres no seu pensar e agir, com base em sua fé e valores.

    Assim, esta decisão judicial reforça mais uma vez as graves inconstitucionalidades que o PLC 122/06 (lei da homofobia) tenta inserir no sistema jurídico brasileiro, criminalizando opiniões em benefício de um grupo de interesses, com ofensas à lei maior.

    A decisão é atual e coerente com os valores constitucionais da liberdade de expressão e consciência.

    Espero que esta decisão do Tribunal de Justiça mais moderno do país auxilie aos Senadores a entender ser inconstitucional criar uma lei que criminalize opiniões no tocante a homossexualidade, logo o PLC 122/2006 deve ser REJEITADO por grave violação a Carta Constitucional e a boa redação e técnica legislativa.

    Divulgue esta decisão jurisprudencial para que outros Tribunais tenham a mesma coragem de não se curvar a movimentos ou patrulhamento de grupos contra o estado democratico de direito e a liberdade de expressão.

    Veja o teor parcial do acórdão:

    “…Contudo, também, não se pode negar aos cidadãos heterossexuais o direito de, com base em sua fé religiosa ou em outros princípios éticos e morais, entenderem que a homossexualidade é um desvio de comportamento, uma doença, ou seja, algo que cause mal à pessoa humana e à sociedade, devendo ser reprimida e tratada e não divulgada e apoiada pela sociedade. Assim, não se pode negar ao autor o direito de lutar, de forma pacífica, para conter os atos sociais que representem incentivos à prática da homossexualidade e, principalmente, com apoio de entes públicos e, muito menos, com recursos financeiros. Trata- se de direito à liberdade de pensamento, de religião e de expressão….”

    Tribunal de Justiça- Décima Primeira Câmara Cível
    Apelação Cível nº. 2008.001.65.473
    Relator:Desembargador Claudio de Mello Tavares

    “tavaristch”

  42. Vilsinho disse:

    Sou a favor da lei, pois nela veremos quantos realmente são crentes e convertidos ao Senhor. Talvez falte a nós cristãos a perseguição que sofríamos na época da igreja primitiva. Quantos estariam dispostos a ser presos por defender o que a Bíblia ensina? Certamente eu serei preso se a lei for aprovada, e me orgulharei disso!

  43. Gabi disse:

    Desde quando o Brasil é um país onde todos tem que seguir a bíblia? O Brasil é um Estado laico, traduzindo, não há religião oficial aqui, portanto, essas bancadas evangélicas e cristãs que mais parecem coisa do capeta devia sair de lá rapidinho. A bíblia é um livro manipulado e dá pra ver como seus seguidores são alienados. Acreditam tanto na bíblia que esquecem que ela não é a palavra de Deus, ela apenas contém a palavra de Deus e infelizmente, essa palavra se encontra em no máximo, 10 linhas, o resto é alegoria para explicar o que antigamente não se conhecia. Todo mundo diz que a homossexualidade é uma coisa que pode ser mudada, então, partindo do princípio de que a sexualidade humana pode ser mudada, heterossexuais também podem deixar de ser, pois para esses povinho fanático, a “sexualidade é uma escolha”. De onde vem heterossexualidade? Isso aí é uma coisa “normal”? Claro que os homes que são homofóbico têm a obrigação de ter barba grande, pois está na bíblia, e as mulheres devem ser totalmente submissas ao homem, pois também está na bíblia, então, se os homens não fazem o que é obrigatório para eles e as mulher também não o fazem, calem a boca! Nem vocês sabem o que dizem. Sacrifiquem seu/sua(s) filho/a(s) para alcançarem o “reino do deus da bíblia”. Só sabem dizer que Deus não gosta disso e daquilo, pergunta: “Algum de vc’s já conversou com Deus pra saber do que ele gosta?” Se não, então cala a boca. Se Deus é Amor, quem são vocês para julgarem um homossexual? Vão cuidar das suas vidas e dar dinheiro para seus pastores e padres pedófilos que vc’s “ganham mais” (burrice, claro!)
    Bando de homofóbicos. Ainda bem que vc’s vão pro inferno, já que não amam seu próximo, um semelhante, um ser humano e pior, não entendem que Deus é Amor!

  44. Eduardo disse:

    Sou totalmente contra este PLC

    Concordo com o que a Tatá escreveu em agosto:

    “Este está reformulado e corrigido:
    Engraçado, né?!
    Se eu sou branca e chamo uma pessoa negra de “preto, macaco”, sou preconceituosa (já existe lei);
    Se eu sou negra e chamo uma pessoa branca de “branquelo, azedo”, ñ existe preconceito? (cadê lei pra isso?);
    Se sou heterossexual e chamo um homossexual de “viado, bicha, pecador ou coisa parecida”, sou preconceituosa (lei que vcs querem aprovar, para privilegiá-los e ñ defendê-los);
    Se eu sou homossexual e chamo um heterossexual de “heterossexual de merd.., d q pessoa do sexo oposto é nojento ou coisa do tipo”, ñ existe preconceito? (cadê lei pra isso tbm?);
    Se sou cristão e chamo um “ñ-cristão” de “pecador, digo coisas que estão na Bíblia, afirmando q vão para o inferno ou coisa do tipo”, sou preconceituosa (lei existente e afirmação contínua da parte dos homossexuais);
    Agora, se sou “ñ-cristão” e chamo cristãos de “crente do rabo quente, preconceituosos e outras coisas caluniosas por crer na Bíblia e em Jesus Cristo”, ñ existe preconceito??? (cadê lei pra isso tbm???).
    Se fosse assim teriam que existir leis para defender:
    -Viciados e “ñ-viciados”;
    -Prostitutas e “ñ-prostitutas”;
    -ladrões e trabalhadores honestos;
    -etc…
    Assim como, deveriam defender leis específicas para cada tipo de cultura, crença, educação, criação e mts outras coisas existentes e necessárias…
    Sendo que na realidade existem leis q defendem a tds os seres humanos (cidadãos) igualmente, sem predileções.
    Existem pessoas que só pensam em si mesmos, dizendo q são discriminados e por isso querem lei para serem privilegiados e ñ defendidos pelos direitos humanos.”

  45. Simpatizante disse:

    Tive muito medo quando vi os comentários aqui postados.

    É assustador ver o quão cegos estão esses que se dizem “fiéis”. Algo muito similar ao que acontece com fanáticos religiosos de outros lugares do mundo que se explodem por causas religiosas.

    Gostaria de deixar claro que não sou homossexual. Porém, trabalho, estudo e convivo com vários gays, e devo dizer que, na maioria das vezes, são pessoas muito mais fáceis de se lidar do que fanáticos religiosos. Afinal de contas, ao contrário dos fundamentalistas cristãos, os gays nunca tentaram me converter.

    Homossexualismo não é opção. É condição sexual. E deve ser respeitada assim como qualquer outra condição humana.

    Sugiro que assistam um filme chamado “Prayers for Bobby”. Um belíssimo filme que conta a história REAL de um garoto homossexual que sempre teve que esconder essa situação de sua família, até não aguentar mais a situação e optar pelo suicídio.

    Essa história acontece quase todos os dias no mundo inteiro. Perdemos jovens inteligentes, saudáveis, prontos para contribuir com o crescimento de nossa sociedade, porque não conseguimos aceitar alguém diferente do “padrão”.

    Fico triste, e tenho medo do caminho que estamos trilhando.

  46. Santo Sebas disse:

    Na minha opiniao essa lei nao faz o suficiente pra ajudar o povo a aceitar os diferentes na sociedade. na minha experiencia, depois de ver gay mentindo e virando “nao-gay” e religioso tambem mentindo e roubando, hoje eu nao discrimino ninguem, trato gays e religiosos como iguais…sao psicologicamente e fisiologicamente desequilibrados e socialmente desajustados.

  47. Ola pessoal , como vai tudo bem? Bom eu nao poderia ser favoravel a uma lei que esta querendo beneficiar os humosexssuais , porque isto e uma lei praticamente forçada e praticamente uma ditadura, eu acho e que o povo em geral deveria se preucupar mais em reforçar apuniçao contra os pedofilos e contra os estrupadores e penssar bem , por a mao na conciencia e ver que se esta lei for aprovada dando liberdade de opçao sexual , o que sera das nossas crianças que logo a pedofilia tambem podera ser liberada como uma opçao sexual . Mas voce pode perguntar porquea pedofilia sera aprovada? Bom se formos fazer uma analice, na situaçao a todos os humossesuais tiveram no passado um caso de abuso sexual quando infantil, sofreram este tipo de problema que os trouxe hoje a uma situaçao tao dificil em suas vidas , entao meus queridos coitados dos nossos netinhos e filhos pequeno que estao chegando para este mundo . Precizamos orar muito e pedir a Deus a sua proteçao divina porque tambem nao temos obrigaçao de aprovar uma coisa como esta absurda que vai liberdade aos humossesxuais e tirar a liberdade das igrejas ensinar a palavra de Deus como ela deve ser, la no,, livro de genesis no2v21 a sequir diz assim ,entao o senhor fes cair um sono sobre o homem e este adormeceu ;tomou lhe uma costela, e fez a mulhere lha trouxe e disse esta e osso dos meus ossos e carne da minha carne e se chamara varoa porquanto do varao foi tomada ,,e por isso deixa o homem o seu pai e sua mae ese unira a sua mulher e os dois serao uma so carne. ora um e outro o homeme sua mulher estavam nus e nao se envergonhavam. Emtao Deus ele criou macho e femea e os uniu , emtao ele nao disse escolha o homem se quer casar homem com homem ou mulher com mulher . Entao esta lei este progeto que beneficia este tipo de opçao veio direto do inferno e o autor desta lei plc 122 e satanas e quem estiver deacordo , seja crente , catolico , espirita ou qualquer um sao aliado do propio demonio e Deus vai punir um por um senao for agora sera no dia do juizo final quando todos vao prestar contas do seus atos quer seja bom bem ou mal . E nao estar muito longe dos acertos de contas nao porque ele ja esta proximo de voltar e buscar os seus escolhidos , aqueles que obedecem a tua palavra e a sequem fielmente. uma coisa pode ter certeza ja esta chegando o tempo do fim , os homens perderam o temor a Deus abuzam de crianças inocentes , o homen deixa os principios e começam a mudar o que Deus fez perfeito, e esquecem do seu criado a palavra de Deus dis assim deuterenonimo 28 v1 ,, e sera quese ouvirdes a vos do senhor teu Deus,tendo de quardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje o senhor teu Deus te exaltara sobre todas as naçoes da terra e todas as bençaos virao sobre ti e te alcançarao, quando , quando ouvires a vos do senhor teu Deus bendito seras tu na cidade , bendito seras no campo,bendito o fruto do seu ventre,, e o fruto da tua terra ,e o fruto dos teus animais, e acriaçao das tuas vacas , e os rebanhos das tuas ovelhas , bendito o teu cesto e a tua amassadeira.Quando obedecemos a palavra de Deus samos abençoados e se desobedecermos cairemos debaixo das maldiçoes e por isso leia deuterenonimo 28v 11 a sequir e saberas o fim do deso bedientes a sua santa palavra.Obrigado por esta oportunidade de ti dizer que se quiseres e ouvires comereis o bem desta terra , DEUs ama o pecador ele so nao ama o pecado ele e tao santo que odeia o pecado praticas humoxssexuais sao abominaçao aos olhos do senhor nosso Deus e ele esta com os seus olhos sobre a terra contemplando os bons e os maus . Bom mas todos tem livre arbitriu porque o senhor disse assim ,, quem quizesr vir apos mim tome a sua cruz ma cada dia e renuncia a ti mesmo e siga -me Ser humoxssexual podera ser uma opçao pessoal de quem quer ser , eu respeito e direito de quem quer ser e ate o propio Deus respeita as escolhas de cada um . Ma de uma coisa tenho certeza do que a palavra de Deus nos dis que os tais que praticam estas coisas nao erdaram o reino dos ceus,leia 1 tessalonisseses4 v 1 ate 7 bom que Deus em Cristo os abençoe e os façam entender qual seja a vontade de Deus.

  48. Fabio disse:

    Recadinho rapido e besta, sem esses um milhao de argumentos de pessoas que provavelmente nao tem vida. Mas um recado sincero de alguem que soh quer viver uma vida de felicidade e aceitacao. Eu vou simplificar pra voces, okay!

    Primeiro, precisava comentar sobre o Eduardo Luiz, quanto tempo livre pra defender o seu direito de ser preconceituoso, estou quase mudando de ideia, porque isso eh tao importante pra voce neh!
    Vivah a sua vida, busque a sua felicidade e me deixe buscar a minha!

    Ahhh, um lembrete com um pouco de controversia…A Biblia nao deve ser lida palavra por palavra, sera que precisamos ser muito inteligentes para isso!!!!!!

    Os homossexuais nao tem agenda pro-homossexualismo, essa afirmacao eh ridicula. Talvez uma agenda pro-respeito seja mais adequada. Outra, as pessoas sempre dizem que em uma democracia deve prevalecer a vontade da maioria. Concordo, mas em uma democracia, eh papel do governo defender os direitos de uma minoria. O nome jah diz, minoria.

    Eu sou homossexual e Jesus me ama e eu tenho certeza disso. Eu sou gente igual a voces. Vivo minha vida com honestidade, respeito ao proximo, seguindo todas as regras da sociedade. O fato de eu ser homossexual nao foi algo que eu escolhi, mas algo natural que eu descobri aos poucos. Se o Mundo nao fosse cheio de pessoas como voces eu teria atingido a felicidade muito antes. Por anos na minha vida eu sofri, pensei em suicidio pois eu achava que o que eu sentia era errado, mas eu nao conseguia lutar, pois eh algo natural, que ja nasceu comigo.

    Finalmente hoje com 25 anos eu vivo uma vida feliz, saudavel, minha familia e amigos me ama e me apoia. Logo no Brasil alem de uma lei contra a homofobia, nos tambem poderemos nos casar, eh simplesmente a sociedade caminhando para uma situacao de tolerancia, liberdade e respeito ao proximo.

    Mas calma, eu lhes pergunto uma coisa e com seriedade: Eu nao tenho como mudar, simplesmente, eu nao sinto atracao sexual nenhuma por mulher, nao eh uma escolha minha, eh uma questao natural. Entao, para que eu siga os preceitos da Biblia o que eu devo fazer, me suicidar ou viver em celibato? Eh uma pergunta honesta, pois gostaria de saber a resposta.

    Eu tenho certeza de que se Deus ira castigar alguem, serao aqueles que expalham o odio e a intolerancia.

    P.S: Saibam que provavelmente algum de voces que pregam contra os homossexuais tem ou terao um filho ou filha homossexual, tenham certeza disso, pois eh um fato estatistico. Entao, hoje, antes de irem pra cama, reflitam e saibam que se esse filho/a for homossexual, ele provavelmente nunca se expressarah e voce tera a ideia errada de que tem um filho/a hetero (Eu tambem nunca me expressaria se meus pais fossem como alguns de voces). Dessa maneira, tenha a certeza de que ele/a mudarah para outro pais, perderah contato com voces ou viverah uma vida homossexual escondida para ser feliz. Outra opcao, que infelizmente acontece na maioria das vezes, ele/a serah um ETERNO INFELIZ, vivendo um casamento mentiroso para alegrar as suas vidas. Olhem para os seus filhos e reflitam sobre o que voces querem pra eles, a verdade e a compreensao, ou a repreensao, o odio e a infelicidade. Pensem nisso com carinho.

    Um beijo,
    Fabio

  49. Eduardo Luiz disse:

    Os homossexuais chamam nós evangelicos de intolerantes, leia esse artigo que tirei do site http://www.midia sem mascara.com.br. Sinta só o ódio deste cidadão que defenfe a pratica homossexual contra nós evangelicos & católicos.

    Congresso Em Fogo apela contra evangélicos e cátolicos.

    Com ou sem fatos irrefutáveis, Mirisola está cego de amor – pela agenda gay. E ele está cego de ódio – por tudo o que se chame pelo nome de cristão, seja evangélico ou católico.

    Fazendo verdadeiro abuso do direito de livre expressão, um tal de Marcelo Mirisola do site esquerdista CongressoEmFoco fez declarações patentemente anticristãs, dizendo:

    Picaretagem chamada “Marcha para Jesus”.

    Jesus: Nome maldito?

    Nenhum holocausto e nenhuma calamidade humana .

    Têm uns que dissimulam ataques epiléticos, enrolam a língua e atribuem o “idioma” ao Espírito Santo. Só falam português claro na hora de enfiar a mão na carteira dos incautos. Inacreditável. E têm aqueles que usam cintos e sapatos brancos, que se dizem ex-pais de santo convertidos à palavra do Senhor. Sem falar nas versões pagode, rap, axé e o diabo a quatro que desfilaram na Marcha para Jesus. Que tristeza. Cadê o Ministério Público?

    Igrejas, estádios de futebol, praças, ex-cinemas lotados. A “bispa” Sônia Hernandez e o seu marido, o “apóstolo Estevam”, são a síntese de todos eles.

    Maldita bíblia que parece que foi escrita para ser mal interpretada.

    E o pior de tudo: eles [os evangélicos] enfeiam suas mulheres, as destituem de tesão e as transformam em urubus encalacrados – extirpam o clitóris de suas almas submissas. Põem suas filhas para estudar nas Unibans da vida. O Jesus deles caminha sobre um mar de merda…

    FRAUDE! Taí a lógica escarrada dos neopentecostais. Embora o Sudário seja uma relíquia (leia-se picaretagem católica), a engrenagem da trapaça é a mesma.

    Em 20 séculos, repito, jamais as palavras de Jesus Cristo foi tão vilipendiada, jamais o filho de Maria foi tão filho da puta.

    É bem fácil cuspir nos cristãos e em Jesus, pois os cristãos são muito tolerantes. Prova disso é que Mirisola e CongressoEmFoco não serão linchados nem sofrerão um ataque a bomba por suas palavras de baixíssimo nível moral contra evangélicos e católicos.

    CongressoEmFoco tem toda liberdade de criticar quem quer que seja. Eu, como evangélico, também não apóio o mau testemunho do casal Hernandez e do Bispo Macedo e os critico em meu humilde blog. Mas nem por isso xingo os participantes da Marcha para Jesus, nem xingo Jesus. Aliás, penso que a Marcha para Jesus – tirando a presença de Marta Suplicy e outros políticos imundos – é um evento necessário para glorificar o nome de Jesus. Eu também não xingo , nem Macedo, porque pessoas educadas sabem criticar sem apelar para a latrina.

    Seria muito interessante ver o “destemido” Marisola defecar palavrões nos maometanos e em Maomé. Ou então que ele defecasse nos comunistas de Cuba ou em Fidel Castro. E quem acha que ele teria coragem de incomodar gente que sabe responder à altura?

    Mergulhar o cérebro e a língua no vaso sanitário para atacar os cristãos é comportamento típico de Maria-mole sem criatividade.

    No entanto, declarar que “nenhum holocausto poderia ser comparado à lavagem cerebral praticada hoje em dia nas assembléias e templos dos meganhas de Jesus” é o cúmulo da insanidade, pois o Holocausto original foi perpetrado pelo governo nazista (um regime que odiava radicalmente os valores judaico-cristãos) contra os judeus, um povo marcado pela religião judaica. Num só texto, Mirisola denigre, avilta e agride evangélicos, católicos e judeus.

    São ataques desse tipo, feitos por semeadores profissionais do ódio, que acabam gerando atrocidades.

    Os cubanos comunistas têm os mesmos sentimentos de Mirisola sobre a religião cristã. Os soviéticos também tinham.

    Dê a um o governo de Cuba, e os cristãos vão parar no paredón. Dê a ele o governo de uma União Soviética, e os cristãos vão parar nos gulags de tortura e morte.

    Ou, no próprio Brasil, dá para imaginar o “arrojado” Mirisola dando aos militantes homossexuais o mesmo tratamento que ele deu aos cristãos, falando de lavagem cerebral feita pela militância gay ou então mencionando Luiz Mott, o líder máximo do movimento homossexual brasileiro, como “nome maldito” ou “filho da ****”?

    Contudo, Mirisola não é homem para brincar com fogo! E por falar em militantes homossexuais, na segunda edição do artigo, ele mencionou:

    Acorda, Luis Mott! Já que o Ministério Público não vai fazer nada mesmo, você poderia entrar com uma ação qualquer contra esse povo do pé quebrado, a coisa vai ficar feia pro lado de quem dá a bunda. Tô avisando. Aliás, vai ficar feia pra todo mundo que se negar a aceitar o “Senhor Jesus”, esse rebotalho fascista filho das trevas e da feiúra.

    Mott, que é acusado de defesa à pedofilia e de modo covarde expôs publicamente em seu site o que seria o endereço e telefone pessoal de Julio Severo, é tratado com pena de ouro por . Não por casualidade, seu texto recebeu o apoio de sua colega de trabalho no CongressoEmFoco, Márcia Denser, autora de contos eróticos. Some agora a boca e coração de latrina de Mirisola, apoiado por uma autora erótica, apoiando um defensor da pedofilia, e o que temos? Pura e simplesmente: alguém que detesta profundamente o Cristianismo, a decência e a moralidade.

    Qual é a jogada dele ao atirar pedras nos cristãos e suas manifestações e ao atirar rosas para Mott? É a segunda vez que ele ataca a Marcha para Jesus em CongressoEmFoco.

    Um ano e meio atrás, precisei refutar Mirisola, pois ele fingiu não ver nenhuma diferença entre a Marcha para Jesus e a parada gay de São Paulo. Sobre os dois eventos, ele disse: “todos iguais, ordeiros, pacíficos e coloridos”. Precisei coletar relatos de jornalistas esquerdistas para tentar enfiar na cabeça esquerdopata de Mirisola a verdade da violência, drogas e álcool na parada gay. Mas com ou sem fatos irrefutáveis, Mirisola está cego de amor – pela agenda gay. E ele está cego de ódio – por tudo o que se chame pelo nome de cristão, seja evangélico ou católico.

    Os cristãos deveriam cruzar os braços enquanto o ódio fumega das entranhas da intolerância anticristã? Claro que não. Eles precisam se mobilizar contra a tradição ateísta que os tacha de trouxas e tolos com todos os tipos de palavrões pesados, pois assim começaram Hitler e Stálin, primeiro com os judeus, depois com os cristãos. Assim fazem hoje os s: primeiro com palavrões e, depois, ações na primeira chance. Vamos esperar a progressão e culminação desse ódio irracional?

    É possível criticar sem demonstrar ódio? Claro que sim. Meu blog faz críticas regulares a vários aspectos da Cristandade. O ponto de vantagem do Cristianismo é que, com toda a corrupção humana, um cristão é sempre levantado para fazer a diferença e mudar o curso, mesmo na corrupção da Cristandade. Mas quando o ateísmo reina, morre a esperança. Alguém já ouviu falar de um governo genocida ateu derrubado por outro ateu, que trouxe esperança para o povo? Os maiores regimes assassinos do mundo – como a ex-União Soviética – foram derrubados pelos esforços de cristãos como Ronald Reagan e Papa João Paulo 2.

    É gente como que hoje quer nos convencer de que o PLC 122/06 não representa nenhuma ameaça à liberdade e segurança dos cristãos. Se obtiverem êxito, eles rirão de nós e terão depois razões de sobra para nos chamar de trouxas. O ódio, desprezo e palavrões que eles usam agora é apenas uma amostra do que está para vir. Esse ódio não vai ficar para sempre somente em palavras.

    Por duas vezes, o Apóstolo Paulo fez uso de seus direitos legais como cidadão romano para se defender de injustiças (cf. Atos 16:37 e Atos 22:25-28). Se não fizermos uso de nossos direitos constitucionais, correremos o risco de viramos trouxas diante do ódio dos Mirisolas, pois eles estão apenas esperando uma oportunidade para transformar seu ódio oficialmente em realidade. A aprovação do PLC 122/06 será um primeiro passo nessa direção.

    Enquanto eles ainda não conseguiram poderes e leis para nos mandar para o paredón e para os gulags, é preciso lembrar a eles: a mesma Constituição que garante o direito de livre expressão de todos os cidadãos brasileiros de criticarem quem quer que seja também protege a todos os cidadãos brasileiros de ataques que, ultrapassando os limites da crítica e da decência, expressam desprezo, desrespeito e ódio a Jesus Cristo e aos seus seguidores evangélicos e católicos.

    Publicado originalmente com o título CongressoEmFoco apela para defecação em símbolos e valores evangélicos e católicos

  50. Anselmo C Araujo disse:

    Então vamos lá caro colega J.J. e demais defensores dessa Lei Repugnante e Racionalizadora, um “homosexual” (seja homem ou mulher) vai a igreja, de mãos dadas com seu “namorado(a)” (seja homem ou mulher)senta com o seu namorado(a) e expressa seu “afeto” em meio a congregação através,vamos dizer de um “beijo”; contrariando todas as regras divinas relativas ao casamento, procriação e ensinamentos que aprendemos acreditamos e repassamos para nossos filhos; e voces vão querer a me obrigar a ficar quieto!!! então senhores defensores de sodoma e gomorra, digo-vos que se essa lei for aprovada eu vou parar na cadeia então, pois não deixarei de defender as verdades do evangelho de Jesus Cristo, e nem de atender sua voz clara; pois com toda a gentileza que me for cabível naquele momento eu vou ‘insistir’ para que esses se retirem do nosso meio. “O Senhor, nosso Deus, ama e perdoa o “pecador”, mas não tem nem um mínimo de condescendencia ou tolerancia com o -pecado-.

  51. Luíza disse:

    Você não escolhe ser negro. Você não escolhe ser deficiente. Ao contrário do que muitos pensam, em partes você também não escolhe ser homossexual.

    E além do mais, é absurdo como as pessoas hoje em dia parecem não pensar. A partir de todos os comentários aqui, pode-se deduzir que a maioria adere ao que lhe foi falado. Num livro chamado “Bíblia”, supostamente escrito por Deus, estava escrito uma frase. as pessoas leram, acreditaram e foram proliferando. Baseados em quê?

    Quero ver quem responde.

  52. francisco disse:

    A senadora diz: a cada dois dias uma pessoa é assassinada pelo fato de ser homossexual.

    Não devemos deixar nos enganar pois certas estatísticas são distorcidas pois se formos analisar uma estatística completa veremos que mais heterossexuais são mortos por violência que os homossexuais em qualquer circunstância não se deixe levar por números unilaterais verifique estatísticas completas e compare-as a surpresa é que acabaremos achando que vivemos num país heterofóbico quando na verdade a questão da violência é generalizada independente de raça, cor, credo ou “orientação sexual”

    A lei não deve ser discriminatória para ninguém deve ser a mesma para todos sem privilégios e a PLC-122 da excesso de privilégios aos homossexuais por isso sou contra.

    Quero educar meus filhos segundo princípios de família quero ter direito de expressão (que está na constituição brasileira).

  53. francisco disse:

    O motivo central pelo qual esse projeto deve ser totalmente rejeitado é pela flagrante inconstitucionalida de e injuridicidade e má técnica legislativa conforme descreveremos:
    A prática do homossexualismo não acrescenta direitos a ninguém. Se um homossexual praticante tem algum direito, conserva-o apesar de ser homossexual, e não por ser homossexual. O toxicônomo, o bêbado e a prostituta têm direitos como pessoas, mas não por causa da toxicomania, embriaguez ou prostituição. Mas pelo simples fatos de serem pessoas!!

    2.1 DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE

    O texto, ao invés de mitigar preconceitos e discriminações (que seria o seu objetivo), contraditoriamente, labora em sentido diametralmente oposto. Uma vez retirado de seu texto o direito à não preterição (o que se traduz em igualdade), mas incriminando quem discorde de comportamentos que a franca maioria da sociedade brasileira não aceita, cria o preconceito de certa superioridade, de acordo com a linguagem utilizada, de alguns “gêneros” e discrimina essa mesma maioria ou quem adverse com esses modelos de conduta e pensamento. Não apenas fomenta, mas, efetivamente, erige uma classe, por assim dizer, de iguais, mais iguais que os demais (a franca maioria da população). Uma classe de brasileiros, mais brasileiros que a maioria dos demais brasileiros, além da perniciosa idéia de que a minoria, traduzidos em certos “gêneros”, está e é mais certos que os outros, porquanto não admita qualquer tipo de contraste, pasmem-se, “de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica”, ferindo o princípio da isonomia e de outras garantias constitucionais fundamentais, eis que o projeto de lei em discussão não admite a diversidade de pensamento e, nem no foro mais íntimo, de crença. A polícia, tanto ideológica, quanto à repressiva, serve, segundo o texto do projeto de lei, particularmente para a moral, a ética, a filosofia e a psicologia.

    A essa altura, cabe inquirir: o que se pretende com a inclusão da não discriminação quanto à orientação sexual, na Lei n.º7.716/89, que disciplina o preconceito de raça ou de cor ao invés de regulá-la em diploma autônomo, tal a proposição original? Equiparação da condição ou orientação sexual à raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional? Coroar os chamados crimes de homofobia de imprescritibilidade e inafiançabilidade, reservadas aos crimes de discriminação racial, chega a ser data vênia uma aberração jurídica a ser contestada por qualquer acadêmico de Direito.

    A orientação sexual de um indivíduo não quadra no conceito de raça, nem tampouco de cor, etnia, religião ou procedência nacional, a menos que se queira, por força de lei, impingi-las como tais à população brasileira. A condição homossexual não é raça, nem tampouco a bissexual é etnia ou o travestimo é religião.

    Impede, de qualquer forma, deixar bem esclarecido que a orientação sexual quer heterossexual, quer de “gênero”, não forma preconceito, mas conceito, porque diz respeito a comportamento. Coisa diversa é o preconceito, que não tem uma justificativa racional, independentemente de qualquer juízo de valor. Assim é o chamado preconceito de raça ou de cor: reputar alguém inábil ou incapaz para exercitar tal ou qual atividade, exclusivamente, em função de sua origem étnica ou da cor da sua pele.

    Equívoca, portanto, e absolutamente inadequada à inserção da matéria contra a discriminação da orientação sexual, na Lei n.º7.716/89, definidora dos crimes de preconceito de raça ou de cor, uma vez que de preconceito não se trata, mas de conceito formado de comportamentos, não cabendo aqui dizer se certos ou errados.

  54. john wesley disse:

    Ola caros visitantes, isso é uma vergonha!!! A aprovação de uma lei como essa. Partindo do ponto familiar,como será a convivencia escolar em sociedade,de nossos filhos com todos esses relacionamentos “liberais” entre crianças em formação ainda, vendo crianças homo se acariciando, isso pode sim e irá influenciar queles que nao tiverem um respaldo cristão.É o cumprimento da palavra de Deus,sobre essas e outras coisas que ainda virão devemos estar preparados para seguir aquilo que o Pai nos deixou como exemplo,a Sua palavra. Que Deus nos de discernimento e possa nos conduzir nesses ultimos dias.

  55. tlsb disse:

    sou evangélico, respeito os homossexuais, mas quero deixa bem claro que sou contra a PLC 122/2006, pois está indo contra os principios de Deus. não adianta querer ficar distorcendo a palavra, pois o que Deus disse não podemos mudar. teria vários motivos para mostrar na biblia para quem está lendo esta mensagem o porque eu sou contra, mas quero que cada um de voces saibam que as pessoas que cometem tal torpezas vão ter suas recompensas que convem do seu erro. infelizmente as pessoas mudaram a verdade de Deus em mentira e tem honrado mais as criaturas do que ao Criador (romanos 1:25) e essa afirmação não tem só se refletido no homossexualismo, mas nas drogas, na criminalidade, na pedofilia. daqui a pouco vão criar leis que defendam todos esses crimes. a sociedade está perdendo o Seu bom Senso. o pecado tem se multiplicado e por isso as pessoas tem perdido o amor, o respeito pelos outros, ou melhor, por si mesmo. Sei que sou pecador, não estou aqui julgando ninguem, mas posso afirmar que não há nenhum justo sequer debaixo do céu, da mesma forma que toda lei feita por mãos de homens não será justa. por fim, deixo uma coisa que tanto cristão como homossexual oui qualquer um que se sinta ofendido por qualquer coisa vai entender:
    o homem natural não compreende as coisas espirituais.

    Jesus abençoe a todos!!!

  56. fabricio disse:

    Cristãos são odiosos, pecadores, hipócritas, vão arder no inferno e ser sodomizados pela enternidade. Bom, tenho direito a expremir minha opinião, não é? Mesmo que ela seja preconceituosa, ou misógina, ou homofóbica, ou racista, é minha opinião, é isso, crentaiada safada e imunda?

  57. AniSol disse:

    fabricio,

    Assino em baixo e nao preciso dizer mais nada.

    Abraços

  58. A PLC 122 faz com que qualquer atitude considerada como preconceituosa em relação a homossexualismo se torne crime e como a melhor mentira é a que tem 99% de verdade fica muito fácil de ler e concordar com Sra Fátima defensora da lei, mas se levarmos em consideração que vai contra os principios cristãos e católicos do nosso País vemos que as coisas vão por outro caminho, nosso País é considerado com Católico e deve seguir as leis impostas na Bíblia, imagina uma cena de duas pessoas do mesmo sexo dentro da igreja se comportando com um casal de verdade! seria ofensa a própria igreja e indo contra os principios de moralidade, o que está acontecendo é apenas uma deturpação da realidade humana, seguimos uma religião onde afirma que Deus é perfeito, mas aceitamos este tipo de situação, tendo em vista que muitos Homossexuais dizem ter nascido com sexo errado, afirmando assim que Deus errou, como podemos aceitar isso? aqueles que aceitam para mim já estam em atitude preconceituosa contra a religião e fazendo pouco caso dela, tornando crime e sob possível penalidade.

  59. Ageu disse:

    O estado é laico, e não devemos colocar questões de fé como pretexto para a aprovação ou não dessa lei.
    E se ser gay fosse uma opção, com certeza não existiriam os gays!
    Pois se correr risco de ser assassinado, de não ter uma oportunidade de emprego, de ser discriminado e ofendido fosse um caminho a ser escolhido, com certeza muitos teriam escolhido ser heterossexual.
    Não devemos nos basear na Biblia para aprovar uma lei pois nem todos são obrigados a crer o que esta escrito na Biblia!

    è uma tremenda hipocrisia a vida cristã, seja ela protestante ou católica, e de muitos que se denominam como tal.
    Frequento uma igreja, e vejo claramente que são pouquissimos os que se importam com os homossexuais. Muitos nem amam o suficiente para chegar proximo a um homossexual e dizer-lhe sobre a salvação. Dizem que essa lei irá cala-los, sendo que na verdade ja estão calados a muito tempo! E nem se importam com tantos jovens gays que existem até dentro de suas proprias igrejas.
    Muitos só sabem falar da filha do irmão que engravidou, da irmã que se divorciou, do filho da irmã que esta se drogando, dos brincos que fulana usa, do cumprimento da saia da irmã. E são poucos os que vão para a luta tentar resgatar almas que estão perdidas.
    Se homosexualismo é pecado ou não, não seja o hommem prepotente em julgar. Se essa Lei for aprovada, dai iremos ver Deus agir de forma sobrenatural na vida de muitas pessoas, pois é pelo Espirito Santo que as pessoas se convertem. e não é apontando o pecado da pessoa que ela será salva, mas é dizendo apenas o plano da salvação!
    Mas como eu disse, infelizmente, a mairoria dos cristão estão apenas preocupados com a propria vida, e muitos católicos vivem apenas a vida cristã como uma tradição.
    Por isso eles não podem se levantar e brigar por um direito que lhe foram tirados sendo que não souberam usufruir desse direito. E nunca saberão!!

    POR ISSO EU SOU A FAVOR DESSA LEI.

  60. vanildo bandeira de frança disse:

    Gostaria de expressar meu profundo respeito a vc que equivocadamente posiciona-se contra os osmosexuais, dizendo sem conhecer que homosexualidade é opção. Ninguem escolhe nascer homosexual as pessoas nascem homosexual e no exato momento essa coisa desabroxa e nem por isso os homosexuais devem ser condenados a não ter direito a vida, gozar dos direitos de cidadãos, estudar, trabalhar,ser atendido dignamente nos hospitais, morrer de maneira cruel.Não é fácil nos nos aceitarmos ser homosexual e ser istigmatizados, apenas pelo fato de assumir nossa homosexualidade.é bom Lembrar Que nosso pais é laico e Queo Próprio Jesus Cristo Disse:Vinde a min a todos, inclusive os Homosexuais.Se o Proprio Deus não discrimina, por que a Igreja terrena
    joga fora um ser humano que é a imagem e semelhança do Próprio Deus.PLC-Sim.

  61. vanildo bandeira de frança disse:

    Lámentávelmente, muitas pessoas que posicionam-se contra a PLC-122, não sofrem ou nunca sofreram na pele as discriminações, os sofrimentos, nem tão pouco um filho ou filha, ser torturado ou morto com requintes de crueldade apenas por assumir sua homosexualidade.Gostaria muito de não partir para os extremos, não é isso que muitos pensam que se a lei passar haverá desreispeito em logradouros públicos e até mesmo nos templos religiosos.Não em Hipótese nenhuma havera tal situal, o que quero como homosexual que sou é Gozar dos Direitos que me são assegurados na Cons tituição Brasileira,transitar em qualquer local, respeitando e sendo respeitado como cidadão, amando e sendo amado sob as leis constituidas do nosso país.

  62. É necessário deixar bem claro a diferença entre o que é uma discriminação e o que é discordar de um comportamento. Uma lei que prevê proteção a um grupo, mas não assegura o direito de outros se manifestarem sobre o assunto, pode, ao invés de chamar a atenção para a necessidade do respeito mútuo, criar mais aversão a homossexualidade. Lembrando que estamos em um país onde, por lei, há a liberdade de expressão e de religião. Criticar um comportamento que não se concorda não pode ser considerado crime. Afinal a Bíblia é o livro de regras do cristão e, ela, é bem clara sobre o assunto, sendo categoricamente contra.

  63. Rita disse:

    o estado não tem que seguir regras de uma religião, pois todos sustentam o estado pagando seus impostos.se não concorda muda pro Irã.

  64. Pr. Mauricio disse:

    Gente nós sabemos que o assunto é delicado e muito nos interessa,mais vamos comentar com sabedoria,seja delicado e resuma seu comentário, a paz.

  65. Pr. Mauricio disse:

    Homossexualismo é pecado, a humanidade é que estar longe de Deus e por isso não conseguem entender, quem é cristão mesmo sendo político não pode concordar com o erro, tem que defender Cristo, sabemos que os políticos se comprometem demais por causa dos votos, o preço pode ser alto mais não podemos concordar com qualquer coisa que esteja fora da palavra de Deus.

  66. JPN disse:

    Senhores gays, nada contra as pessoas de voçeis, estou cansado de ouvir, “discriminação, preconceito etc””, a uma diferença muito grande, em DISCRIMINAR PESSOAS, e CRITICAR COMPORTAMENTO, nesse país CRITICA tudo, governo, crentes, catôlicos, deputados, senadores, etc, agora se criticar o comportamento de um gay, há sim, isso é hemofobia, parem com essas frecuras, eu sou livre para criticar e dar opiniões sobre o que eu quizer, respeito todo ser humano, seja ele quem for, agora concordar com a relação de dois homens, dizer que isso é um situação normal ?, mais isso nunca, com PL 122 ou sem ela, para mim, esse tipo de relação é, e continuará sendo: nojenta e imunda e abominável.

  67. Fábio disse:

    O Brasil é um país laico, isso quer dizer que as leis e as políticas públicas não se pautam por princípio religioso A ou B. Ao mesmo tempo o nosso país é multicultural e multi-religioso e isso é muito saudável, pois vivemos numa sociedade democrática, aqui existe liberdade religiosa, de expressão e, pelo menos, na teoria os Direitos Humanos são válidos por aqui. Ao invés de ficar reproduzindo as interpretações distorcidas de outros, antes de se posicionar contra ou a favor, leia o Projeto de Lei, daí vai ficar mais fácil formular uma opinião com bases e fundamentos sólidos. Já li e debati o PLC 122/2006, na íntegra, com uns amigos advogados e o mesmo não fere a Constituição em nada, pois assegura todos os direitos constitucionais, como a liberdade de culto. Além do mais, o PLC vai oferecer proteção para outras minorias, além dos LGBTs, tais como: afro-descendestes, mulheres, idosos, crianças/adolescentes, portadores de necessidades especiais, etnias, procedência regional e liberdade religiosa. Então, o projeto de lei complementar não é uma “lei gay” como os opositores dizem, mas uma proposta de lei contra o preconceito, a discriminação e as práticas violentas contra essas minorias que por muitas vezes resultam em óbitos. A própria Bíblia diz que:
    -não se deve fazer acepção de pessoas, ou seja, discriminar, agir com preconceitos;
    -devemos tolerar, perdoar e amar o próximo;
    -Deus dá o livre arbítrio;
    -o atributo de julgar e condenar o próximo pertence só a Deus e Ele não o dá a ninguém, pois olhou do céu e viu que todos tinham pecado e estavam destituídos de sua graça. Além disso, o próprio Deus falou que por mais que o homem se santifique aos olhos Dele não passará de rocha de iniquidade;
    -quem nunca pecou que atire a primeira pedra;
    -o hipócrita deve parar de olhar o cisco no olho do outro e tirar a trave dos próprios olhos;
    -os trabalhos dos líderes da Igreja não devem ser por força nem por violência, mas por amor. Mas o que se vê nos sermões de muitos não são pregações, são agressões em nome do evangelho e isso não é bíblico. Dizer homossexualidade é pecado é uma coisa, mas é crime de constrangimento chamar os LGBTs de endemoniados, aberrações, anomalias,Pomba-Gira etc., estes dizeres tão corriqueiros em certas igrejas não são bíblicos. Não são palavras duras que convetem alguém, não é a eloquëncia de mensagens que debocham da vida alheia, não é nada disso! É só a ação do Espírito Santo que pode levar alguém a renunciar o pecado, a carne, mas mudar sua natureza pecaminoza ninguém muda. Então não existe ex-homossexual, existem sim homossexuais renunciando a prática do sexo, mas a mente e os sentimentos contunuam os mesmos. Sinceramente, a sexualidade não é opção é condição de vida e de existência. Tenho vários amigos gays que são mais felizes em seus relacionamentos que grande parte dos casais héteros que conheço.
    -a salvação é pela fé mediante a graça de Deus, não é por obras para que ninguém se glorie;
    Mas muitos que se dizem cristãos ignoram o que de fato é bíblico, se acham donos da verdade e querem transplantar suas doutrinas para a esfera pública das leis e da política, mas próprio Jesus separou Estado e religiões quando disse “Dai a Deus o que é de Deus (campo religioso) e a César o que é de César” (Campo político e jurídico do Estado). O pseudo-cristianismo, demagógico, essa indústria milionária e comercial, quer passar a falsa idéia de que tem uma liberdade de expressão ilimitada, mas não tem, pois a própria Constituição se opõe ao radicalismo, à intolerância, ao preconceito e à discriminação. Desse modo, se qualquer pessoa se sentir intimidada e constrangida pode entrar na justiça contra o agressor, seja ele uma pessoa física ou jurídica, a justiça terá que agir…
    Enfim, o PLC não vai liberar as práticas homossexuais, pois elas já são liberadas há muitos anos e permitidas pela nossa Constituição, são legais. O que o PLC vai trazer são parâmetros para punir os preconceituosos e discriminadores, aplicando multa, prisão, demissão, fechamento de empresa… Vai alterar o Código Penal Brasileiro, que é obsoleto para punir muitos crimes cometidos na sociedade atual, vai mudar a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), dando mais direitos aos trabalhadores. Sou educador e estou fazendo uma campanha com meus alunos contra os preconceitos e as várias formas de discriminação. Sou evangélico, amo os LGBT’s e demais minorias, sou a favor da aprovação do PLC 122/2006, já!!! A cidadania só é plena com amor em Deus e direitos iguais para todos!!

  68. JONH SLAM disse:

    OS NEGROS SOFREM PRECONCEITOS AINDA HOJE OS EVANGÉLICOS, OS POBRES OS HOMOSEXUAIS TAMBÉM. MAIS PORQUE APENAS OS HOMOSEXUAIS TEM ESSE DIREITO ACIMA DE TODA A POPULAÇÃO ACHO QUE O PRECONCEITO NÃO SE ACABA COM LEI ACHO QUE VEM DE CADA UM ACHO QUE A LEI SÓ VAI PIORAR AS COISAS PARA OS HOMOSEXUAIS POIS SERÃO VISTOS COMO OS RESERVADOS.
    FORA PL 122 SEM FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL!!!!

  69. Milene disse:

    Depois de ler alguns comentários aqui, pude constatar que a humanidade está precisando mesmo é de AMOR, mas AMOR de verdade, vindo de DEus.
    Se todos nós amássemos o nosso semelhante, sem distinção de raça, cor, religião, com certeza, tudo seria bem diferente.
    A Bíblia é clara, quando diz que o maior de todos os mandamentos é amar a Deus sobre todas as coisas e a teu próximo como a ti mesmo, mas isso não significa que devemos amar aquilo que ele pratica, amamos o ser humano, por mais que não concordemos com o que ele faça.
    E com certeza se esse amor estivesse em todos os corações, não seria necessário que houvessem leis para que determinados grupos fossem respeitados e protegidos.
    Também quero comentar um dos primeiros comentários que li aqui, quando uma moça chamada Talita fala que se devemos seguir o que a Bíblia fala, então devemos fazer o que êxodo 21.7 e 35.2 fala, devemos guardar o sábado, senão morreremos, e devemos vender nossos filhos para serem escravos.
    Veja bem,nessa época, que era no antigo testamento, se vivia na época da lei, a partir do momento que Jesus veio ao mundo, fazendo um sacrifício único, para salvar todos nós, passamos a viver na época da graça.Leia Mateus 12.8″Porque o Filho do homem é senhor do sábado”, ou seja, Jesus Cristo é senhor do sábado, e quem o aceita como Senhor e Salvador da sua vida, vive pela sua graça, não vive mas na época da lei, no antigo testamento.
    O que o mundo está precisando não é de leis para que se respeitem as pessoas, e sim de Jesus Cristo, porque se toda a humanidade enxergasse o mundo com os olhos de amor de Jesus, com certeza, estaríamos vivendo em um mundo diferente, sem preconceitos, sem guerras, sem ódio, enfim, viveríamos num mundo ideal
    Portanto ao invés de perdermos tempo, tentando decidir se é certo ou não essa lei, devíamos todos levar o evangelho a toda criatura, porque só isso é que pode mudar tudo e todos, ou seja, só Jesus Cristo pode mudar as nossas vidas.
    Que Deus abençõe a todos nós.

  70. AMRC disse:

    No caso dos homosexuais, deve-se deixar bem claro que não existe discriminação da pessoa e sim repúdio da prática, pois desde o princípio foi o Próprio criador quem estabeleceu: Gênesis 1:27 E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou.
    O que não pode acontecer e fazer uma abominação diante de Deus e da minoria da sociedade que priva pela moral e descencia, se tornar lei. A própria PLC122 é uma discriminação daquilo que já está estabelecido.
    O PECADO NÃO PODE SE TORNAR LEI. Mas ai daqueles que querem aprovar:
    Isaías 10:1 Ai dos que decretam leis injustas, dos que escrevem leis de opressão,

  71. Pedro Viana disse:

    O PLC 122/06 é um absurdo, além de INCONSTITUCIONAL.
    Chega a ser ridículo a pretensão desse projeto de Lei, que fere tudo aquilo que chamamos de liberdade de expresão, pois como bem sabemos o Estado Brasileiro, é um Estado LAICO, em que é garantido constitucionalmente a livre escolha de religião, e do livre exercício de culto.
    Onde está a DEMOCRACIA? Onde está o PLURALISMO? Quando eleva-se uma categoria de pessoas acima dede toda uma sociedade. Pois se os homosexuais, bisexuais e afins querem justiça, já existe a própria Constituição Federal que é a Carta Magna, da sociedade, que garante justiça universal, para todos sem distinção. O que esse PLC na realidade propõe é uma FAVORECIMENTO NEFASTO, disfarçado de um “ganho social”, que na realidade só reforça a própria discriminação, promove a intolerância, a perseguição, o cerceamento da liberdade e o CAOS SOCIAL!

  72. Pedro Viana disse:

    ” De fato, as perfeições invisíveis de Deus — não somente seu poder eterno, mas também a sua eterna divindade — são claramente conhecidas, através de suas obras, desde a criação do mundo. Portanto, eles não têm desculpa: apesar de conhecerem a Deus, não o glorificaram como Deus nem lhe deram graças. Pelo contrário, perderam-se em seus pensamentos fúteis, e seu CORAÇÂO insensato se OBSCURECEU. (…) Por isso, Deus os entregou, dominados pelas paixões de seus corações, a tal impureza que eles DESONRAM SEUS PRÓPRIOS CORPOS. Trocaram a VERDADE de Deus pela falsidade, (…) tanto as mulheres substituíram a relação natural por uma relação antinatural, como também os HOMENS ABANDONARAM A RELAÇÂO SEXUAL COM A MULHER E ARDERAM DE PAIXÃO UNS PELOS OUTROS, PRATICANDO A TORPEZA HOMEM COM HOMEM E RECEBENDO EM SI MESMOS A DEVIDA PAGA DE SEUS DESVIOS. E, porque não aprovaram alcançar a Deus pelo conhecimento, Deus os entregou ao seu reprovado modo de pensar. Praticaram então todo tipo de torpeza: cheios de injustiça, iniqüidade, avareza, malvadez, inveja, homicídio, rixa, astúcia, perversidade; intrigantes, difamadores, odiadores de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, tramadores de maldades, rebeldes aos pais, insensatos, traidores, sem afeição, sem compaixão. E, APESAR DE CONHECEREM O JUÌZO DE DEUS que declara dignos de morte os autores de tais ações, NÂO SOMENTE AS PRATICAM MAS AINDA APROVAM OS QUE AS PRATICAM.”

    Romanos 1:20-32 (Bíbla Católica CNBB)

  73. vanildo Bandeira disse:

    Gente, nós queremos apenas gozar nossos direitos que estão na Constituição Federal, Assumir nossa sexualidade é questão de Direitos Humanos e de Cidadania. A questão religiosa é outra coisa, o Brasil é um País laico, cada um tem direito de escolher a religião quer quer seguir, no entanto muitos querem obrigar todos creem que os homossexuais vão para o inferno. Homosexualidade não é opção, é orientação. Optar é escolher, e nós não escolhermos ser homossexual,nós nascemos homossexuais e temos direito de viver e ser feliz.Respeitem as diferenças.Procure praticar o Amor que Jesus nos ensinou, amar ao próximo, como a nós mesmo, vinde a min a todos inclusive os homossexuais, .Lembrem-se do espinha na carne de Paulo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *