Teólogo sugere que Igreja Católica deveria eleger uma Papisa para o lugar de Bento XVI “Não seria absurdo”. Leia na íntegra

7

Passado o calor inicial em torno da renúncia do Papa Bento XVI, algumas reflexões sobre a igreja e a “verdadeira mudança” que o pontífice pediu ao anunciar que deixaria o cargo, começam a ser feitas.

O teólogo e sociólogo Dirceu Benincá publicou um artigo que de certa forma, traz à mesa discussões a respeito de temas contemporâneos a de mudanças sociais que poderiam influenciar na escolha do novo Papa. Ou Papisa, como seu texto sugere.

“O exame dos caminhos trilhados pelo papado na Igreja, sobretudo pelos últimos papas, e, especificamente a análise do perfil, da trajetória e do legado de Bento XVI, vem acompanhado de especulações, previsões e expectativas acerca de quem será o novo Papa”, introduz Benincá.

Dirceu Benincá lembra que antes de mais nada, é preciso avaliar as circunstâncias a partir do todo que envolve a Igreja Católica e a escolha de seu novo líder: “Creio não ser possível pensar a função do Papa desvinculada da estrutura da Igreja e do contexto de modernidade avançada em que nos encontramos, com seus múltiplos desafios. O Papa é um elemento constituinte da conjuntura da Igreja, mas, ao mesmo tempo, com poder para fomentar a manutenção ou a alteração de bases estruturantes da própria Igreja”, observa o teólogo.


“Na atual estrutura eclesial parece inconcebível, por exemplo, imaginar a possibilidade de termos no comando geral da Igreja uma mulher. Não se trata de discutir o desejo, as condições ou a capacidade de alguma mulher no mundo ser Papa, ou, no caso, Papisa. O fato seria inédito, a não ser que a Igreja admitisse como realidade e não como lenda a existência da Papisa Joana da Idade Média”, lembra Dirceu Benincá, fazendo referência ao controverso caso que é solenemente negado pela igreja romana.

Entretanto, Benincá afirma que o absurdo de se imaginar uma mulher no cargo de Papisa da Igreja Católica pode não ser tão absurdo assim, se a reflexão for mais profunda: “Não soaria absurdo que uma mulher fosse Papisa, como não o seria que outras mulheres tivessem o direito a ser cardeais, bispas, sacerdotisas, diaconisas… Não seria absurdo que a Igreja fosse mais democrática em todas as suas instâncias e possibilitasse direitos iguais entre homens e mulheres. Direitos não só de presença e de coordenação de alguma pastoral, mas de decisão e ocupação das mais diversas funções na hierarquia”, escreveu.

As hipóteses levantadas por Dirceu Benincá incluem ainda, uma mudança no mandato papal: “Não seria absurdo igualmente que os papas e, eventualmente, as papisas fossem eleitos por um período não superior a dez anos, como exemplificou ser possível o próprio Bento XVI. Se a um bispo, que lhe cabe uma responsabilidade infinitamente menor que a de um Papa, é exigido que entregue a função de titular de sua diocese aos 75 anos, porque não aplicar o mesmo princípio ao Papa?”, questiona.

Confira abaixo a íntegra do artigo “E se o Papa fosse uma mulher?”, de Dirceu Benincá, publicado no site da Unisinos:

A notícia da renúncia do Papa Bento XVI tomou o mundo inteiro de surpresa. O caso inusitado provocou pronunciamentos, manifestações e reflexões em diversas direções. Umas demonstrando tristeza, outras incompreensão, outras ainda alegria pela atitude humana, prudente e coerente do Papa. As razões oficiais apresentadas e aquelas eventualmente não anunciadas, mas que teriam contribuído para essa decisão, estão a merecer ampla análise no mundo católico e fora dele.

O fato adquire contornos e impactos especiais por se tratar de uma instituição milenar com forte tradição em torno da figura do Papa. O exame dos caminhos trilhados pelo papado na Igreja, sobretudo pelos últimos papas, e, especificamente a análise do perfil, da trajetória e do legado de Bento XVI, vem acompanhado de especulações, previsões e expectativas acerca de quem será o novo Papa. Neste sentido, entre outros importantes artigos, destaco um escrito pelo especialista no assunto, o teólogo Leonardo Boff, intitulado “Que Papa esperar que não seja um Bento XVII?”

Diante dos fatos e das circunstâncias, é fundamental refletir sobre a estrutura da Igreja tendo por base as primeiras comunidades cristãs. A propósito, o título deste texto traz uma provocação estrutural. Creio não ser possível pensar a função do Papa desvinculada da estrutura da Igreja e do contexto de modernidade avançada em que nos encontramos, com seus múltiplos desafios. O Papa é um elemento constituinte da conjuntura da Igreja, mas, ao mesmo tempo, com poder para fomentar a manutenção ou a alteração de bases estruturantes da própria Igreja.

Na atual estrutura eclesial parece inconcebível, por exemplo, imaginar a possibilidade de termos no comando geral da Igreja uma mulher. Não se trata de discutir o desejo, as condições ou a capacidade de alguma mulher no mundo ser Papa, ou, no caso, Papisa. O fato seria inédito, a não ser que a Igreja admitisse como realidade e não como lenda a existência da Papisa Joana da Idade Média. Então, ao sair fumaça branca na chaminé do Vaticano, a Igreja poderia proclamar de maneira amplamente inovadora: Habemus Papisa.

O que pode parecer algo totalmente fora de cogitação ou em pleno desacordo com a doutrina, não seria, contudo, um absurdo ou uma aberração. Não mesmo, ainda mais em se pensando na quantidade de mulheres que fazem a Igreja acontecer na prática. Não seria absurdo também se considerássemos a necessidade da Igreja, enquanto instituição histórica, caminhar no compasso do mundo moderno, que garantiu às mulheres direitos políticos, sociais, econômicos, culturais…. Que lhes possibilitou não só o direito de votar, mas também de serem eleitas para os mais altos postos, inclusive da Presidência de Estado.

Não soaria absurdo que uma mulher fosse Papisa, como não o seria que outras mulheres tivessem o direito a ser cardeais, bispas, sacerdotisas, diaconisas… Não seria absurdo que a Igreja fosse mais democrática em todas as suas instâncias e possibilitasse direitos iguais entre homens e mulheres. Direitos não só de presença e de coordenação de alguma pastoral, mas de decisão e ocupação das mais diversas funções na hierarquia. Do mesmo modo, a muitos já não parece absurda a superação do celibato obrigatório e a recondução de padres casados a funções ministeriais para animar a vida das comunidades e dos diferentes serviços pastorais.

Não seria absurdo igualmente que os papas e, eventualmente, as papisas fossem eleitos por um período não superior a dez anos, como exemplificou ser possível o próprio Bento XVI. Se a um bispo, que lhe cabe uma responsabilidade infinitamente menor que a de um Papa, é exigido que entregue a função de titular de sua diocese aos 75 anos, porque não aplicar o mesmo princípio ao Papa? Essa contradição exige, logicamente, que os papas ou papisas eleitos sejam mais jovens. E isso não soaria nada absurdo, já que o somatório de idade traz consigo uma série de limites humanos.

Ainda não seria absurdo imaginar que os futuros papas ou papisas fossem escolhidos em forma de rodízio, contemplando cada vez um continente ou região do mundo católico. Ter-se-ia, assim, uma real expressão de colegialidade, democracia e dinamismo na Igreja. Se, em tese, todos os cardeais têm o mesmo poder de representação, tal ideia não incorre em absurdo e inconveniente. Afinal de contas, a democracia e a representatividade não é um valor de menor importância para a sociedade e para as nações em geral. Por que haveria de sê-lo para a Igreja de Cristo?

Enfim, não se constitui em absurdo que a Igreja dê um ou vários passos adiante, sem, contudo, desviar-se de sua mais nobre missão que é contribuir na construção do Reino de Deus. A opção preferencial pelos pobres, a espiritualidade profético-libertadora, a promoção da dignidade e da fraternidade humana, o fortalecimento da justiça, da paz e da igualdade e o cuidado com a Mãe Terra estão em perfeita sintonia com os vários desafios estruturais que a Igreja tem à sua frente. Se, um dia, uma mulher chegar a ser Papisa, quiçá tenhamos enfrentado também outros importantes desafios. Avançar nessa direção: eis a grande questão…

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

7 COMENTÁRIOS

  1. A falha fundamental na lenda da Papisa Joana e o motivo de qualquer historiador sério reijeitá-la é que não há “lacuna” no registro histórico real rastreável onde a “Papisa Joana” teria se adequado se a lenda fosse verdadeira. A lenda coloca a Papisa Joana no papado de 855 a 857, eleita como “João Ânglico”. Mas o Papa Leão IV, que morreu em junho de 855, foi imediatamente sucedido pelo Papa Bento III. Sabemos disso porque a eleição de Bento não foi sem controvérsia. O imperador bizantino tentou fazer com que seu filho se instalasse como Papa em seu lugar. Roma foi invadida e Bento, preso. Quando os romanos se opuseram a isso, Bento foi libertado da prisão em setembro. Simplesmente não havia espaço de tempo histórico em que um Papa imaginário pudesse ter tomado lugar.

    De igual importância para os historiadores é a ausência de qualquer registro, menção ou referência a uma “Papisa Joana” até quase 400 anos depois de sua eleição. Como Blondel percebeu, teria sido impossível que um evento como esse acontecesse ou que um papado tivesse existido por aproximadamente três anos sem algum registro contemporâneo daqueles anos. E mesmo quando algumas versões avançam a data, uma lacuna de séculos antes de ela ser mencionada pela primeira vez permanece, e o registro histórico dos papas existentes naqueles tempos é irrefutável.

    Duas questões permanecem: Onde a lenda surgiu pela primeira vez e por que nós ainda lidamos com ela hoje?

    Quanto a de onde veio a lenda, os historiadores só podem conjecturar. Pham afirma que “o cerne da história geralmente é considerado como sendo um antigo conto popular romano” (Heirs 254). Outros veem uma possível fonte saindo de alegações de que o Papa João VIII (872-882) fosse efeminado, mesmo que essa acusação pareça ter carência substancial. Ainda outros sugerem que a história possa ter vindo do papado do Papa Sérgio (904-911), a quem os romanos viam como fraco e dominado por mulheres poderosas e corruptas. Alguns historiadores acreditam que a lenda possa ter vindo do Império Bizantino do Oriente como um meio para desacreditar o papado “ocidental”.

    Qualquer que seja a fonte, a história é repleta de lendas de mulheres disfarçadas de homens subindo até grandes posições. A Grécia e a Roma Antigas as tinham. Mas o propósito de tais lendas geralmente era satírico: pretendia-se mostrar quão fracos ou corruptos tinham se tornado os homens do tempo e do lugar. A moral do conto foi que os homens eram tão sem coragem que uma mulher podia assumir a liderança. E isso significa que a lenda da Papisa Joana é dificilmente uma hagiografia feminista. Isso reflete, no mínimo, um ânimo degradante e persistente com respeito às mulheres que tardou desde a cultura pagã.

    Por que ainda estamos lidando com a Papisa Joana hoje quando milhares de lendas medievais parecidas desapareceram? Pesquise “Papisa Joana” no Google e você vai encontrar milhões de referências na internet. A lenda persiste pela mesma razão que todas as lendas urbanas católicas persistem elas se encaixam com a propaganda anticatólica contemporânea. Joana sobreviveu apesar das primeiras formas de crítica histórica mostrando-a ser um mito porque ela se adapta uma ordem do dia.

    Como Bayle poderia dizer a Blondel: “O interesse secular requer que a história de Joana seja verdadeira.”

  2. “Neste sentido, entre outros importantes artigos, destaco um escrito pelo especialista no assunto, o teólogo Leonardo Boff, intitulado “Que Papa esperar que não seja um Bento XVII?”

    Pra variar mais um que nos odeia oriundos de uma teologia condenada.

    • AVISO aos incautos..
      Um senhor de nome Jairo tomazelli se apossou do Nick “JGMIX”,que pertence a uma loja de som para carros e este criou até um perfil falso no facebook com rosto de um rapaz de mais ou menos 30 anos mais não era ele,agora eu pergunto pra que isso?
      Sendo que ele já tinha o perfil dele Jairo tomazelli,ai pessoas talvez sinceras vivem trocando emails com ele cuidado “PESSOAL”,ele é um famoso 171 cuidado.
      CUIDADO!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA