Orar em línguas é a arma mais efetiva para derrotar o diabo, afirma ex-bruxa convertida ao Evangelho

1

A luta contra os principados e potestades é constante para o cristão, mas segundo uma ex-bruxa convertida ao Evangelho, o “orar em línguas” é a arma mais efetiva contra os inimigos do mundo espiritual.

Beth Eckert se entregou a Jesus Cristo após anos de dedicação à bruxaria, e desde que se converteu, vem usando parte de seu tempo para esclarecer questões que permaneciam nas sombras dos bastidores desses rituais.

De acordo com informações do Charisma News, Beth afirmou em um vídeo no YouTube (em inglês) que vem se empenhando para entender como o enfrentamento ao diabo no mundo espiritual pode ser mais eficaz: “Decidi me aprofundar mais sobre a diferença entre falar e orar em línguas, e no que as Escrituras dizem sobre essas coisas”.

Embora entre os cristãos não exista consenso teológico sobre o “falar em línguas” – grande parte dos teólogos não-pentecostais recusa a ideia de uma manifestação do Espírito Santo em línguas estranhas -, a ex-bruxa frisa que é necessário ter obtido o dom para fazê-lo.


“O Espírito Santo é quem determina quem recebe o dom e quando. Quando alguém fala em línguas, não fala aos homens, mas ao próprio Deus. Ninguém entende as línguas, porque é um mistério para a mente humana”, afirmou.

Beth Eckert acredita, ainda, que falar em línguas e orar em línguas são coisas distintas, e usa a referência de I Coríntios 14 para formar seu argumento: “A oração em línguas, assim como a adoração em línguas, é usada para edificar a nós mesmos. Podemos usar esta linguagem de oração quando não conseguimos encontrar palavras para orar, porque somos muito fracos”, teorizou.

O conceito presente na Bíblia de distribuição dos diferentes dons, por parte do Espírito Santo, para diferentes membros do corpo de Cristo, também foi usado pela ex-bruxa em sua argumentação sobre o assunto.

“Falar em línguas é um papel atribuído a um membro do corpo para entregar mensagens à igreja […] Ao entregar uma mensagem em línguas, é preciso haver ordem e propósito na reunião: apenas duas ou três pessoas devem entregar a mensagem em línguas, uma de cada vez e com uma interpretação. É importante ter ordem para não criar confusão na igreja, conforme direciona o apóstolo Paulo”, enfatizou.

Aproximando-se de sua conclusão, a ex-bruxa orienta os irmãos na fé a se dedicarem ao estudo das Escrituras para entender a profundidade dos dons: “Se deixarmos de permitir que Jesus nos ensine, estaremos permitindo que o inimigo dê forma aos nossos corações e mentes. Jesus apenas nos entregou bons dons e o diabo adoraria roubá-los, matá-los e destruí-los. Os dons do Espírito trazem o Reino dos Céus para a terra. Essa foi a intenção de Deus ao criá-los”.

“Cada dom é especial e tem um propósito especial atribuído a ele. Deus quer que a gente deixe de lado tudo o que permitimos que o mundo nos ensine sobre Deus e, em vez disso, que possamos estar cheios de Sua verdade. Permita que Deus entre em seu coração e responda todas as suas perguntas. Ele é bom”, concluiu.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA