Brasil

Hospital de Pernambuco proíbe orações na enfermaria e nos corredores

Comments (14)
  1. Eu ja participei de evangelizações em hospitais, e posso dizer é muito bom! Muitas pessoas ficam de coração aberto para receber uma palavra ou uma oração, isso é gratificante!
    Mas, reconheço que há irmãos que excedem nas orações!
    Eu mesmo, quando orando por um paciente, veio um irmão de outra denominação e me cortou (sem mais e nem menos), pura grosseria ou falta de noção! Sem contar que muitos não vão preparados ou não recebem instruções de como devem se comportar em um local, como um hopsital!
    Devemos, como cristãos, dar bom exemplo e não sermos motivos de escandalos! A palavra de Deus, nos ensina que Deus nos deu espirito de moderação, e o dominio proprio faz parte do fruto do espirito. Devemos sim, ser espirituais e não emocionais, pois emoção produz somente para os olhos verem, mas aquilo que é produzido pelo Espirito faz com que vidas sejam tocadas e transformadas!
    Devemos ter bom-senso, sem colocar emoções na frente e também não sendo frios-racionais! Devemos sim, usar a nossa razão, mas colocando a razão em concordancia com a palavra de Deus. Lembrando que, a cura não vem porque alguém esta gritando, a libertação não vem porque alguem berra, mas a salvação, cura, libertação e tudo que o ser humano necessita vem em o nome de Jesus!
    Lembremos que o objetivo do evangelismo seja nos hospitais ou em qualquer outro lugar é vidas sendo salvas e transformadas! O mundo, quer ver a palavra de Deus em nós, pois somos cartas vivas de Deus, então, para aqueles que fazem este tipo de evangelismo, não evangelize somente de palavras, mas que suas atitudes falem mais altos, para que não somente pacientes, mas também familiares e profissionais da saúde sejam tocados pela presença de Deus em suas vidas!
    Que não sejamos mais escandalos, mas sim, verdadeiras testemunhas e discipulos de Cristo.

  2. Fernanda Roberta disse:

    Isso é um absurdo meu Deus… É fim dos Tempos mesmo…

  3. Está certo… tem que proibir mesmo… vai pro templo e ora…

    1. Elias Teles disse:

      Temos que levar a palavra de Deus até essas pessoas,não adianta ficar só no templo orando,Jesus quer que falemos da palavra em todos os cantos da terra….

  4. Gomes Alvaro disse:

    E MUITOS, ATE MESMO CRISTAOS, NAO PARA PRA PENSAR, MAS ISSO E O FIM, ESTA PERTO JESUS ESTA VOLTANDO MESMO

  5. Rui Almeida disse:

    em parte o diretor do hospital tem razão. pois há crentes que não sabem se comportar em determinados locais.
    e em parte está errado pois fere a constituição que garante liberdade de culto. ele deveria ter orientado as
    pessoas a não se emocionar nas orações e/ou nas pregações. e que fizessem tudo com ordem e decencia
    a bíblia diz; orai em todo o lugar levantando as maõs santas sem ira nem contenda. quanto ao padre Everaldo
    ele deve ser o capelão do hospital e não quer ver ser pregado o evangelho para não perder seus "fieis"
    por ultimo os pastores devem orientar seus membros a saber fazer o trabalho a eles confiado. para não ver-mos
    isso acontecer, mas no entanto tem quer acontecer para se cumprir as escrituras. e Jaqueline Perla Rondon
    continue rondonando até se converter e ir também visitar os enfermos, aflitos e necessitados, vou orar por ti,

    1. Deixe de atacar o padre só porque êle defendeu ua medida mais que justa, cara. Hospital é um lugar que abriga pacientes com todo o tipo de moléstias e ferimentos e, "ipso facto", é o local onde deve haver mais disciplina e rigidez nos regulamentos em favor da proteção dos mesmos, eis que abriga doentes e feridos de todas as naturezas e jamais deveriam ser consentidas orações num local deste, em que existem pessoas com risco de morte e feito para tratá-las, em lugares inapropriados do mesmo, deixando ao alvedrio das pessoas que oram, o fazerem em voz alta ou não. As orações tem que ser feitas sim, pois temos que cuidar prioritariamente da parte espiritual, mas em locais apropriados que impeçam danos aos pacientes e não nos locais onde estes se encontram. Nestes casos, mediante avaliação médica que considerar o paciene apto para ouvi-la e este querendo, podem ser feitas, com tonalidade normal, no seu quarto. Só isto. Em corredores e outros locais de tratamento ou internação de pacientes, NUNCA. E qualquer criança sabe disto, causando espécie que este comportamento totalmente inapropriado aos padrões de saude, tenham existido por tanto tempo. É lamentável, pois é mais que óbvio que tal coisa é completamente ilógica e prejudica os doentes. Onde se viu falar em orientar os pregadores a orarem baixo? Casos como este, infelimente tão corriqueiros e antigos nesta republiqueta de côco e de bananas jamais poderiam ter ocorrido, pois é contrariar o mais que óbvio e colocar em sério risco os bens mais preciosos que são a vida e a saude.

    2. Rui Almeida disse:

      oi, cara! tú deve ser ateu,burro ou ou idiota, pos se tú conhcesses a bíblia verias lá o que diz; quero que orem em todo lugar, orem pelos enfermos, e pelos necessitados, e eu vou orar por tú incrédulo.ou padre talvez.

  6. O diálogo é a base de toda boa convivência. Na minha opinião os excessos podem e devem ser evitados e isso é possível com uma boa conversa por parte da instituição, agora, proibir de orar com o doente é o cúmulo do absurdo. Jesus Cristo disse que imporíamos as mãos sobre os enfermos e êles seriam curados, e aí como é que fica a fala do nosso querido Mestre!!!…Digo por experiência própria, em que pacientes foram curados, após imposição de mãos, por ocasião de visitas que realizei a hospitais. É maravilhoso!!!

  7. Sabe o que é interessante saber? Porque justamente em Caruaru?

  8. Barbara Stein disse:

    Eu respeito o direito dos evangelicos de pregarem mas eles não respeitam meu direito de não querer ouvir. Prega quem quer e para quem QUER, entendam que ninguém é obrigado a ficar ouvindo barulho quando se quer dormir.

  9. Nós temos como servos de Deus e do Senhor Jesus Cristo, nos colocar na posição deles; de como eles se comportariam se estivessem no nosso lugar, quando vamos nos hospitais. Será que sairiam falando alto dentro destes locais, se sabemos, que, quem está em um hospital, está ali para se recuperar de algum problema de saúde, o comportamento correto é o de falar baixo, respeitar religião alheia, e se quisermos orar por alguém, devemos perguntar primeiro se aquela pessoa aceita, e não é preciso orar alto, porque Deus não é surdo. Aquele que não aceita uma oração, temos que respeitosamente agradecer até pelo não, porque hospital não é lugar de se discutir religião ou doutrinas de igrejas, ou querer obrigar ninguém a aceitar a nossa oração, mesmo nós sabendo que através da nossa oração de providência Deus, ou cura ou salva aquela pessoa inferma. A paz do Senhor Jesus Cristo a todos.

  10. as coisas de DEUS tem que ter ordem e prudencia. pra evangelizar naõ precisa berrar e infelizmente é o que acontece na maioria das vezes. ainda + dentro de um hospital.

  11. muitos crentes não estão preparados para este tipo de trabalho. querem fazer do seu jeito.

  12. Outrossim não confunda liberdade religiosa e de culto com liberdade para se fazer o que se quer, cidadão. Se vc não fosse mesmo um cidadão totalmente subdesenvolvido em grau máximo, entenderia facilmente. Eu tenho os meus direitos garantidos e posso exercê-los desde que, óbviamente, não causa quaisquer prejuizos, estorvos ou males a quem quer que seja. Este é o espírito da lei e qualquer pessoa sabe disto, menos vc, que talvez até o saiba, mas que por ser evangélico, finge não sabê-lo.

  13. Rui Almeida E olhe como vc é cheio de má-fé, caluniador e despeitado. Como o padre pode ser capelão do hospital se o mesmo informa, oficialmente, que sua capela é ecumênica? KKKKKKKKKKKKKKK. Dá para explicar o fenômeno? KKKKKKKKKKKKKKKK. Outrossim, em um hospital podem ter pessoas morrendo, ou em péssimo estado de saude. Podem estar adentrando suas dependências, ou nelas já estão, acidentados gravemente e pessoas com doenças gravíssimas. Até fazer-se toda a "conscientização" como vc e outros querem, muitas pessoas poderão morrer, por causa do barulho, ou terem as suas condições pioradas devido a isto. Tal coisa é mais que primária e básica e vê-se que vc está de má-fé. Finalmente cumpre dizer que, muito embora tenham muitos pregadores evangélicos bem intencionados nos nosocômios, grande parte vai ali para angariar fiéis e, óbviamente, possíveis dízimos para suas seitas, haja vista que um fiel a mais representa um dízimo a mais, em que pese o Novo Testamente já tê-lo abolida, através de Paulo e outros evangelistas, interpretando a essência da doutrina de Cristo. Mas a maior parte dos pastores fingem que não sabem, "fazem-se de bestas", e os cobram dos trouxas incautos, que são a maioria dos seus fiéis.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *