Brasil

Ministério Público obriga Escola Adventista a parar de descontar dízimos dos funcionários

Comments (27)
  1. Meus amigos, antes de criticar releiam com atenção a reportagem onde diz" os dízimos estavam sendo descontados a pedido dos funcionários, que frequentam a Igreja Adventista do Sétimo Dia." e “o desconto não era feito de todos, nem mesmo da metade. Até porque, nas nossas escolas, a maioria dos funcionários não é adventista. O dinheiro ia diretamente para as igrejas” Isso não acontece nas escolas adventista e em nenhuma de suas instituições (universidades, hospitais…) Esse era um acordo entre o colaborador e a escola, só isso. As instituições ligadas a Igreja sempre irá respeitar a lei.

    1. Não Reinaldo, não é bem assim, isto acontece em todos os órgãos ligados à igreja Adventista, não é um acordo entre funcionários como foi afirmado no texto, afirmação que aliás é uma grande mentira. Na verdade esta é uma pré condição para trabalhar no sistema, pode não acontecer eventualmente se o professor não for adventista o que é uma coisa rara de acontecer pois a maioria dos funcionários/professores são membros da igreja. Nas instituições administrativas da igreja, estas sim, todos os funcionários são membros da igreja, o dízimo é automaticamente descontado na fonte, o que é um absurdo pois isto viola um direito básico do ser humano..o livre arbítrio.

    2. Desculpe lhe dizer amigo vc está enganado ou mal informado, falo por experiencia própria, sou membro da igreja adventista e trabalhei por 9 anos em um dos escritórios administrativos da igreja e no ato de minha contratação me foi sugerido a opção do desconto do dízimo em folha, dai então optei e assinei um termo autorizando o desconto no contra cheque, e nunca me arrependi pois tenho convicção da idoneidade da direção desta igreja que faço parte, e vi com meus próprios olhos como é destinado cada centavo e como um defensor da verdade bíblica, antes de tudo, tive a absoluta convicção que estes valores eram aplicados conforme orientado na palavra de Deus. Agora se a lei dos homens diz que não pode, concordo em não descontar o que não vai fazer diferença alguma pois de qualquer jeito meu dízimo e de muitos sinceros iriam para o mesmo lugar, não concordo é dizer que a igreja está infringindo o direito de livre arbítrio do ser humano já que todos os sinceros que lá trabalham eram totalmente cientes do que se comprometeram em autorizar o desconto. Fica com Deus.

  2. Acredito que por algumas razões, muitos tem ódio do sistema Adventista, e é nestas horas que acabam externando tal sentimento nos comentários pela internet à fora…

  3. EU SOU EVANGELICO PORQUE DEUS MIM LIBERTOU DAS DROGAS E DO ALCOLISMO EM FIM DE TUDO QUE ERA MAL QUE EU PRATICAVA , E DOU GLORIAS A DEUS POR ISSO , MAIS O QUE EU VEJO HOJE É QUE A CRENÇA VIROU UMA MAFIA SE EU ESTIVER ERRADO QUE DEUS MIM PERDOI

  4. O ESCANDALO É TANTO QUE AJENTE SENTE ATÉ VERGONHA DE DIZER QUE É CRISTÃO , PORQUE POR CAUSA DESSES FALÇOS PROFETAS AJENTE PAGA O PREÇO PELO O QUE NÃO DEVE

  5. pelo que eu sei nas escolas adventistas, só trabalha se for adventista, então o desconto era de todos os funcionarios.

  6. Mark disse:

    Sugiro que isto seja feito em todas as escolas adventistas do Brasil, inclusive também nos organismos administrativos da referida igreja que desconta na fonte os dízimos dos funcionários inclusive com a reprovação da maioria deles, se se calam é por medo de perderem o emprego, afinal esta é uma condição para trabalharem lá. Fica um questionamento que é clássico entre os próprios adventistas: como pode um adventista que tem seus dízimos descontados automaticamente dos seus salários dizer que é sincero seu “ato de fé”, se ele não tem o direito de escolher se dá ou não? E a questão vai além disso, a igreja não está acima da lei, ela deve ser regida mediante as regras do Estado, e se a lei não contempla o desconto de dízimos dos contra cheques dos trabalhadores, então a igreja está fora da lei e deve ser penalizada por isso, imagine quanto tempo isto é praticado contra os trabalhadores…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *