“Oh Happy Day”: artista plástico revela que música o fez enxergar a fé e abandonar o ateísmo

1

A música “Oh Happy Day” foi a ferramenta usada por Deus para falar com o artista plástico Charles Mackesy e acabar com sua falta de fé.

Mackesy – que atualmente é um artista badalado, disputado por celebridades – revelou que era um ateu, mas durante um festival de música na cidade de Glastonbury, na Inglaterra, ouviu a canção “Oh Happy Day” e foi impactado de forma tão intensa que chorou copiosamente.

Quando se recompôs da forte emoção, chegou à conclusão de que deveria “haver mais sobre isso, mais do que os olhos podem ver”. Ele contou seu testemunho em uma entrevista à emissora Christian Broadcasting Network.

“Jesus calmamente me colocou em uma viagem para encontrar pessoas muito bonitas, e foi ali que a minha arte começou realmente”, disse Mackesy. “Eu sentia dentro de mim, como se Ele dissesse: ‘Olha, como é lindo aquele cara que está sentado naquele banco’. Eu nunca o tinha sentido antes dessa forma”, acrescentou.


Nascido na Inglaterra, em 1962, o artista revelou que iniciou sua carreira durante os anos 1980, realizando sua primeira mostra em um pub, em 1984. “Eu não estudei arte, apenas me mantive ocupado – trabalhando como cartunista para a revista ‘Spectator’, como ilustrador para a ‘Oxford University Press’, desenhando anúncios para jornais diários e fazendo projetos de cartazes para os a ‘Cockspur Rum”, relembrou.

A grande virada na profissão veio acompanhada da virada pessoal e sua conquista da fé: “Eu sou cauteloso para explicar o que eu acho que o trabalho está dizendo, por medo de afastar você de algo novo que você tenha visto e que eu não consegui enxergar. Eu poderia concluir dizendo que a vida é preciosa, a fé é uma viagem e, por vezes, a arte pode dar um pequeno vislumbre desses momentos, visíveis e invisíveis”, concluiu o artista, que hoje expõe em galerias de cidades como Edimburgo, Nova York e Londres.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA