Brasil

Pastor e senador evangélico comentam piada de Rafinha Bastos sobre Wanessa Camargo que acabou o tirando do CQC

Comments (1)
  1. As leis são “canônicas” (formuladas pela igreja católica):
    TIAGO 412 Há só um legislador que pode salvar e destruir. (celebra paz e decreta guerra), assenta no trono de vossa santidade ser único e monarca “absoluto” (absolutismo) comando supremo da tropa de general (Papa) espírito santo, trindade usa coroa tríplice e assim termina o mistério de “deus” vivo, basta olhar os símbolos da igreja católica e comparar com os símbolos das forças armadas, marinhas, exércitos, aeronáuticas e policiais do mundo todo, “deus” é o senhor dos exércitos enfim (CRUZADA) Ó pátria amada Brasil…

  2. Ricardo disse:

    Primeiramente é de uma ignorância terrível o que foi dito pelo pastor que não deveria ser senador, já que declarado como da bancada evangélica fica claro que ele privilegia esta classe, e logo, não foca na maioria que estão alheios ao que ele pensa.
    Segundo, o Rafinha é comediante, sua profissão é fazer piada, doa a quem doer, discussão sobre os tipos de piada não cabem aqui; a piada foi bem construída, tecnicamente o bebê estava dentro dela, ainda não tinha nascido, logo não configura nenhum crime hediondo à honra como dizem. Se fosse assim, o marido ao fazer sexo com a Wanessa durante a gravidez estaria estuprando o próprio filho.
    Rafinha fez sua piada, fez seu trabalho, e na entrevista dele à Maria Gabriela, que aconselho todos, inclusive quem fala demasiadas besteiras sobre o assunto e stand-up em geral, a ver.
    Nele ele explica que se desculpar seria uma afronta frente à classe dos humoristas, a família, e aos amigos, porque ele estava certo.
    Às vezes somos tão alienados que não percebemos coisas fáceis.
    A começar deste site, o qual repudio firmemente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *