Atleta cristão não chegaria à NFL ou ao Super Bowl se sua mãe ouvisse sugestão de aborto dos médicos

0

A carreira de Tim Tebow na NFL e, agora, na MLB, não seria possível se sua mãe, Pam, seguisse os conselhos médicos durante sua gestação. Devido a problemas de saúde, os obstetras afirmaram que ela poria a vida em risco se resolvesse levar adiante a gravidez, e que a melhor solução, seria o aborto.

Pam e Bob Tebow, pais do jogador cristão, são missionários a vida toda. Quando Pam engravidou, o casal estava nas FIlipinas, mas foram obrigados a retornar aos Estados Unidos devido à falta de estrutura médica na capital do país, Manila. Quando chegaram, foram orientados a abortar.

“Bem, nós escolhemos confiar em Deus. Naquela época, não era simplesmente uma escolha corajosa. A única coisa que sabíamos e queríamos fazer era confiar em Deus, acreditando que aquele era o garotinho pelo qual tínhamos orado”, comentou Pam, durante seu discurso no “23º National Memorial for the Pre-Born and their Mothers and Fathers” (evento anual dedicado à memória dos nascituros e seus pais).

Eles não pensaram duas vezes em recusar a possibilidade de aborto, e Pam frisou que isso se deu pelo temor que ela e o marido têm pela Palavra de Deus. “Temos o incrível privilégio de ser a voz dos bebês não nascidos, aqueles que não têm voz própria. Nós podemos ser essa voz, você é aquela voz enquanto você marcha hoje, você é aquela voz alta e unida por aquelas vidas que ainda não nasceram”, encorajou.


Quando Tim Tebow nasceu, o médico afirmou que ele era resultado de algo sobrenatural: “Quero que você saiba que é um bebê milagroso, porque durante todo esse tempo, apenas um minúsculo pedaço de placenta estava preso. Este é um bebê milagre”, resumiu, segundo informações do Life News.

Posteriormente, Tim Tebow se tornaria jogador de futebol americano na faculdade, recebendo o Troféu Heisman, como melhor jogador do ano em 2007. Posteriormente, ele chegou à National Football League (NFL), como quarterback do Denver Broncos nas temporadas 2010 e 2011, e depois por New York Jets (2012), New England Patriots (2013) e Philadelphia Eagles (2015).

Tim Tebow tornou-se conhecido por orar em campo a cada passe dado que se tornava um touch down (objetivo principal do futebol americano). Em 2010, atraiu para si uma polêmica ao estrelar um comercial da entidade Focus On The Family contra o aborto no Super Bowl, ao lado de sua mãe.

Ele voltou ao Super Bowl em 2014, ano em que estava desempregado, estrelando um comercial bem-humorado de uma operadora de celular norte-americana. Atualmente, ele comenta partidas da NFL para uma emissora do país e joga beisebol como atleta do New York Mets, na Major League Baseball (MLB).

Comercial contra o aborto no Super Bowl 46, em 2010:

Assine o Canal

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA