Jornalista critica “nepotismo religioso” em igrejas e classifica prática como “coronelismo evangélico”. Leia na íntegra

20

O nepotismo é considerado por muitos como uma prática antiética e reprovada por boa parte da sociedade. O dicionário Michaelis classifica o nepotismo como “favoritismo de certos governantes aos seus parentes e familiares, facilitando-lhes a ascensão social, independentemente de suas aptidões”.

O jornalista e pesquisador Johnny Bernardo escreveu um texto sobre o assunto e citou casos de nepotismo na direção de igrejas evangélicas. Em seu texto, Bernardo cita uma denúncia de um membro de uma igreja Assembleia de Deus em Natal, que teria denunciado uma sequência de indicações de familiares para os cargos diretivos da igreja.

-Se na política a presença do nepotismo é vista como uma prática antiética, seria de alguma forma diferente em organizações religiosas? Como explicar, por exemplo, que as duas principais vertentes da Assembleia de Deus no Brasil possuem hoje, respectivamente, pais e filhos na presidência? As motivações – nas igrejas evangélicas – seriam as mesmas do meio político? Há evidências de que sim, por motivos diversos, como perpetuação no poder, por exemplo. Logo, a presidência por tempo vitalício seria um dos pontos de apoio ao coronelismo evangélico, perpetuado pelo nepotismo – escreveu Bernardo.

Em seu artigo para o site Genizah, Johnny Bernardo afirma que “embora com maior predominância no movimento pentecostal – particularmente na AD e grupos minoritários – o nepotismo também é uma ocorrência comum às igrejas neopentecostais”, e cita como exemplo as igrejas Universal do Reino de Deus, Internacional da Graça e Deus é Amor.


-Sabe-se que Marcelo Crivella é sobrinho de Edir Macedo e um dos mais cotados para assumir a presidência da IURD. Na verdade, a própria origem do neopentecostalismo no Brasil está associada ao trabalho de pessoas ligadas à família Macedo. Fundada pelo cunhado de Edir Macedo – Romildo Ribeiro Soares, o missionário R.R.Soares – a Igreja Internacional da Graça de Deus (1980) surge como alternativa ao “mercantilismo” da Igreja Universal do Reino de Deus.

Sobre a denominação fundada pelo missionário David Miranda, Johnny Bernardo afirma que “nenhuma [igreja] supera a Igreja Pentecostal Deus é Amor em nepotismo”, e cita detalhes dos casos que configurariam a prática: “a IPDA […] tem na família Miranda seu sustentáculo. Mesmo após a saída, em 2005, de Léia Miranda e seu então marido, Sérgio Sóra – à época um dos principais líderes da IPDA -, a família Miranda ainda ocupa os principais cargos na direção mundial da Igreja Pentecostal Deus é Amor”, afirmou.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Nepotismo – mal também atinge igrejas evangélicas?”, de Johnny Bernardo para o site Genizah:

Ao mesmo tempo em que a sociedade e os meios de comunicação discutem a problemática do nepotismo na política brasileira, líderes evangélicos promovem uma espécie de “nepotismo religioso”. Um caso típico – trazido ao conhecimento público em dezembro de 2011, por um diácono da Assembleia de Deus do Rio Grande do Norte – revela a gravidade e, ao mesmo tempo, a extensão do problema em que a igreja evangélica se vê imersa. Segundo Laurivan de Souza, o então pastor presidente da AD local, Raimundo João de Santana, indicou para o cargo de segundo vice-presidente seu genro, pastor Joacy Varela. Indicado para vice-presidência, o pastor Elizeu Moreira – até então responsável pela tesouraria – indicou para ocupar o posto seu sobrinho, o também pastor Edson Moreira Netto. Feita às vésperas da eleição da nova diretoria, a denúncia feita pelo diácono de Natal tipifica a realidade de grande parte das igrejas evangélicas brasileiras.

Embora com maior predominância no movimento pentecostal – particularmente na AD e grupos minoritários – o nepotismo também é uma ocorrência comum às igrejas neopentecostais. A diferença está no fato de que, enquanto nas pentecostais há uma diretoria organizada e conhecida – mesmo que composta por apadrinhamento -, nas igrejas neopentecostais o foco reside no fundador ou líder mundial. Nenhuma das principais representantes do neopentecostalismo no Brasil divulga abertamente seu quadro diretivo, por razões mais ou menos parecidas. No entanto, sabe-se que Marcelo Crivella é sobrinho de Edir Macedo e um dos mais cotados para assumir a presidência da IURD. Na verdade, a própria origem do neopentecostalismo no Brasil está associada ao trabalho de pessoas ligadas à família Macedo. Fundada pelo cunhado de Edir Macedo – Romildo Ribeiro Soares, o missionário R.R.Soares – a Igreja Internacional da Graça de Deus (1980) surge como alternativa ao “mercantilismo” da Igreja Universal do Reino de Deus.

Das igrejas evangélicas, no entanto, nenhuma supera a Igreja Pentecostal Deus é Amor em nepotismo. Fundada em fins da segunda onda pentecostal brasileira, a IPDA – identificada por alguns pesquisadores como pentecostalismo autônomo, ao lado de igrejas como O Brasil para Cristo e Casa da Benção – tem na família Miranda seu sustentáculo. Mesmo após a saída, em 2005, de Léia Miranda e seu então marido, Sérgio Sóra – à época um dos principais líderes da IPDA -, a família Miranda ainda ocupa os principais cargos na direção mundial da Igreja Pentecostal Deus é Amor.

Motivações

Se na política a presença do nepotismo é vista como uma prática antiética, seria de alguma forma diferente em organizações religiosas? Como explicar, por exemplo, que as duas principais vertentes da Assembleia de Deus no Brasil possuem hoje, respectivamente, pais e filhos na presidência? As motivações – nas igrejas evangélicas – seriam as mesmas do meio político? Há evidências de que sim, por motivos diversos, como perpetuação no poder, por exemplo. Logo, a presidência por tempo vitalício seria um dos pontos de apoio ao coronelismo evangélico, perpetuado pelo nepotismo.

Redação Gospel+

20 COMENTÁRIOS

  1. Acho que nenhum jornalista ou pesquisador que não faça parte do Corpo de Cristo tem autoridade para dizer o que a Igreja deve ou não fazer, como ela deve ou não agir. Para isso já temos a Palavra de Deus e o Espírito Santo o que nos basta!
    Além do que, famílias sacerdotais sempre existiram em toda a Bíblia, temos os Levitas no Antigo Testamento e apóstolos que eram irmãos no Novo Testamento. A questão é se quem assume ministérios (igrejas não tem cargos aos olhos de Deus!) tem o chamado de Deus para exerce-los. Cabe aos Pastores reconhecerem esses ministérios como dirigentes do rebanho.

  2. Manter organização e o sistema…..temos ainda igrejas serias no brasil , onde para ser pastor tem que fazer todo processo e curso, nao adianta ser filho do presidente e coisas assim etc…mas sao minoria mesmo no brasil….Que deus nos livre o brasil desse lixo gospel, Amem

  3. Primeiro: se o tal jornalista é colunista do Genizah, então seus artigos são, no mínimo, de caráter duvidoso, pois o site em questão não é fonte confiável quando se trata de Evangelho ou de notícias verdadeiras; muitas notícias postadas lá têm origem duvidosa e até com a verdade disrtocida.

    Segundo: mesmo a denúncia deve ser feita para a edificação do Corpo de Cristo, e se houve realmente nepotismo na igreja, sua denúncia mudará alguma coisa? certos tipos de problemas deve-se resolver dentro da igreja, e assuntos desse tipo não é o membro que resolve essas questões, e sim outras pessoas ligadas a liderança; ele procurou a liderança da igreja em seu estado?

    Isso SE, a denúncia for verdadeira, pois conhecendo a fonte da notícia, talvez nem o tal membro exista! rsrsr

    • Renato Marreira Veras, sobre o site e os lixos que la publicam eu concordo com voce, mas a matéria em si é verdadeira, pois muitos líderes preparam seus rebentos para os substituir, muito desses rebentos estão à altura, mas alguns são só filhimhos do pastor. Eu por exemplo fiz um propósito, conheço o evangelho e sou o responsável por minha alma e darei conta dela ao meu criador; Não teria coragem de fazer uma matéria criticando isso, pois os membros da tal igreja é que devem se manisfestar, se não o fizeram é porque aceitam

  4. Infelizmente isso é mais uma imoralidade que nós temos que engolir, sem querer, goela a dentro. Esses líderes que colocam seus filhos ou parentes bem próximos no poder eclesiástico sempre mentem dizendo que trata-se de chamada divina ─ muitos entram pelas “PORTAS DOS FUNDOS”. Na verdade são filhos que, na maioria das vezes, não tem um mínimo de compromisso com o Reino de Deus e que ocupam esses cargos simplesmente porque não querem trabalhar ou mesmo com o intuito de MANTEREM O LEGADO e UMA VIDA BOA em permanente abundância dentro da Igreja do Senhor. Isso é DEPLORÁVEL, ESTARRECEDOR, É O CÚMULO!
    É uma pena que tenhamos que conviver com essa triste realidade!

    • Irmão Renato Marreira Veras,
      Essas práticas são tão evidentes que acontece também por aqui no Piauí. E tem mais, se você questionar dentro da igreja contra essas SAFADEZAS, você passa a ser visto como rebelde pelos farizeus e legalistas (conf. Mateus 23.1-36). Eles jogam você contra a congregação, pois eles se acham os donos da igreja, da unção e do poder; são ditadores eclesiásticos. Nossa única esperança é Jesus Cristo, pois quando Ele voltar acabará com a farra desses MANDACARUS!

  5. Esta é uma grande verdade nas igrejas evangelicas. Principalmente nas denominações cuja administração é por assembleía tipo batistas e assembleianos. Entre os batistas existem coronéis aos montes e que se tornam donos de igrejas, manipulam as reuniões, criam grupos de controle. Seus pastores ficam ricos em seus feudos. Em minha cidade por causa desses tipos as igrejas se multiplicam por cismas, rachas internos e mantêm um rancor entre eles mesmos. O ideal é a forma Presbiteriana , que é por representatividade e há uma hierarquia: Igreja local – Presbitério – Sinodo e Supremo Concílio.

  6. Interessante o ponto de vista do jornalista, porém revela que o mesmo não sabe nada sobre a Igreja. Não se pode administra o sagrado baseado no profano. Basta uma rápida olhada na Bíblia Sagrada que Deus escolheu Moisés e seu irmão Arão para conduzir o povo. Tal escolha causou em Coré, Datã e Abirão o mesmo tipo de questionamento que o jornalista está levantando agora.

    Ainda na família de Moisés, Deus escolheu o irmão dele, Arão com seus filhos e descentes para serem os sacerdotes – diga-se, uma tarefa importantíssima e do mais alto prestígio em toda a nação à época.

    Sempre houve questionamentos na obra de Deus e nunca houve tanto pecado no meio da igreja como neste tempo em que qualquer um acha que é de forma política e democrática que se resolvem os problemas da igreja. No Brasil há leis que regem as instituições sem fins lucrativos e as igrejas devem seguir e observá-las, mas no tocante à direção e conduzimento do rebanho do Senhor, existem, inegavelmente, excessos e absurdos (como sempre houve e haverá em qualquer tipo de organização humana), mas não podemos querer macular a imagem da noiva do Cordeiro por causa de uns e outros.

    Que na igreja continue funcionando a TEOCRACIA (o governo de Deus) e não a DEMOCRACIA (o governo do povo).

  7. Infelizmente é a mais pura verdade. faça um passeio nas igrejas seculares AD. Batistas e outras não todas mas muitas, existe sim um papado vergonhoso, onde o pulpito é transferido de pai para filho para que se mantenha a liderança. eu tenho vergonha disto tudo. a igreja é do Senhor Jesus. não vejo isto em igrejas tradicionais, mas vejo e posso concordar com o autor quando ele cita igreja como AD e outras é verdade sim e mais irmão renato nós devemos expor nossas mazelas e não ficar escondendo a verdade do povo a transparência deve começar no meio do povo que se chama povo de Deus.

  8. Esta prática é muito comum nas Assembléia de Deus, é só pesquisar (ADVEC-Penha, MADUREIRA, SÃO CRISTÓVÃO, etc). Algumas dinastias dominam por muitos anos, com mão de ferro as suas igrejas para não perder o pão deles de cada dia, ou seja, virou um grande e bom negócio da família. Com isso pessoas incompetentes dirigem e arbitram, colocam e tiram quem eles querem e a igreja sofre as consequencias. Para muitos é a oportunidade de subir na vida (trampolim social), sem nenhum esforço escolar ou acadêmico, mas apenas respaldado pelo nome que assina.
    Essa é realidade das igrejas pentecostais, coronéis pastores pregam com a Bíblia na mão e o revólver cintura, o que eles mesmos não acreditam. A ameaça da morte não significa o viver com Cristo, mas a justificativa de se pagar um leão de chácara (segurança armado) para defendê-lo com o sacrificio da própria vida.
    Bom saber essas coisas estão vindo à tona, porque o amor e a santidade já foram embora, mas que sobre pelo menos a ética cristã para combater o cancro do nepotismo evangélico e voltemos ao evangelho puro e simples.

    • Parabéns, você disse o que realmente pouca gente teria coragem.
      Aos que ainda defendem a estrutura de poder eu perguntaria:
      Jesus hoje ficaria preso em algum ‘templo’ ??
      Ele fundaria alguma cede?
      Ele construiria alguma catedral?
      Ele seria convidado a pregar em alguma igreja ou será que iriam dizer que ele não era ungido por não ser filho de um ‘cacique’?
      Ele seria ouvido ou suas palavras seriam consideradas ultrapassadas por não pregar a prosperidade a qualquer custo?

      Só digo uma coisa.. quem realmente olhar para Cristo verá a verdade e a verdade realmente liberta….
      Cristo não se sujeitou aos religiosos da sua época… pelo contrário, estes eram os mais criticados… chamados de malditos, víboras.. e ainda… eles não entravam nos céus e não deixavam as pessoas entrarem….
      Este Cristo habita em você? Se sim, ninguém conseguirá implantar mentiras em você como jugo, evangelho de afazeres, de falsas aparências, locais santos, igrejas de pedras, etc etc

  9. No brasil colonia houve a epoca das capitanias hereditarias.Então pode se dizer que algumas denominações evangelicas são quinhões hereditários, visto que tem passado de pais para filhos! É vergonhoso observar isto em algumas tantas denominações, mas é a pura verdade.A ética só vale para poucos membros anônimos sem representatividade.Mas em se tratando de Brasil, o jeitinho não fica de fora.Como diria um certo caipira: duas cuias e dois panacum! Porém a medida certa, só em DEUS!

  10. No tempo de Nóe, o povo também concordava com a opinião da maioria, e se ajuntavam diante da arca , para chamar Noé de neopotista e de louco. mas, Nóe , continuou a trabalhar na construção da arca, sabendo que o homem natural não entende as coisas espirituais e, por não entenderem, foram todos destruidos, assim também será, quando Jesus voltar para buscar a sua igreja e julgar todos nós pelas obras feitas pela fé nele.muitos nesse grande dia infelizmente vão estar sendo lançados para fora do reino de Deus, por não terem dado credito a sua pregação e por estarem semeando jóios em meio ao trigo.

DEIXE UMA RESPOSTA