Esposa do pastor Saeed Abedini relata ataques pessoais de cristãos e muçulmanos contra ela

5

A esposa do pastor Saeed Abedini, Naghmeh, desabafou sobre as pressões que vem sofrendo por causa de suas andanças e protestos pela prisão do marido, detido há três anos no Irã, cumprindo uma sentença de oito anos no total.

Segundo Naghmeh, ela vem sendo criticada por “viajar demais”, o que a teria tornado uma mãe ausente. Outro apontamento de seus críticos seriam as “roupas impróprias” que ela usa.

Segundo informações do Christian Post, Naghmeh tem sido criticada por cristãos e por muçulmanos radicais. Em sua página no Facebook, ela abordou o tema e apontou que, na visão de seus críticos, ela jamais poderia ser uma evangelista/missionária, uma vez que não estudou teologia formalmente.

“Os últimos três anos têm sido muito intensos, não só por causa da prisão de Saeed, mas também por causa dos ataques que recebo, não apenas de muçulmanos radicais, mas, por vezes, de pessoas mais próximas a mim. Eu tenho sido citada em muitas críticas, algumas das quais dizem que eu não sou uma boa mãe por viajar muito… que, ‘como eu poderia compartilhar sobre Cristo, se eu ainda nem sequer fui a uma escola bíblica/seminário teológico?’”, escreveu Naghmeh.


Naghmeh relatou que as críticas a ela, mesmo lutando contra a prisão do marido, se estendem sobre coisas menores e sem importância diante da luta por liberdade religiosa: “Eu tenho sido criticada por coisas que vão desde as roupas que uso, as coisas que digo ou o modo como crio meus filhos. Eu geralmente me quebro em pedaços depois de cada ataque e crítica que recebo, mas, recentemente, o Senhor tem falado ao meu coração, através da vida de Moisés. Tem me mostrado que eu deveria usar os ataques que recebo para me manter humilde”, disse, abordando o contexto de Números, onde Moisés pede que Deus perdoe os agitadores.

Em outra publicação, Naghmeh conta que cresceu espiritualmente com a provação pela qual sua família vem passando: “Eu sou cristã há quase 30 anos, mas só recentemente tenho ouvido voz do meu pastor de forma tão clara e tão diferente de todas as tantas vozes ao meu redor. Eu acredito que isto acontece porque estou tão desgastada e tão desesperada por Ele que posso estar em uma posição para ouvi-lo”.

5 COMENTÁRIOS

  1. Os americanos deveriam se é que não já fizerem, apelar ao Irã que solte o pastor, conduzindo-o ao depois a algum país, que o exilem, que tenham pena dessa alma que padece na prisão, da sua família que cumpre pena embora fora dela.

    Cristo nos deu o ensinamento de deixarmos o nosso conforto e ir à busca da ovelha desgarrada, Ora, se essa família não estiver desgarrada, quem mais poderá estar?

      • Não foi isso no Brasil, na Argentina, todos foram às praças apelar pelos seus filhos, maridos, tanto que no país vizinho o movimento é chamado coisa do tipo; praça das mães, justo pelo fato das mulheres irem à busca dos seus,

        Não entendi o motivo dela se calar, se é que eu entendi direito.

DEIXE UMA RESPOSTA