Rede Sustentabilidade: novo partido da missionária Marina Silva não é bem visto por evangélicos

19

O movimento pela fundação do partido Rede Sustentabilidade não vem agradando setores do meio evangélico, devido às posições de sua principal figura política, Marina Silva, a respeito de temas como o aborto e o casamento gay.

Marina Silva, de origem esquerdista (já foi membro do PT e eleita senadora pelo partido) é contra o aborto, uma postura incomum em  políticos de esquerda, e não tem demonstrado uma posição definida a respeito do casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma vez que durante as eleições presidenciais de 2010, se mostrou contrária ao casamento, mas favorável à união civil.

Acusada de conservadorismo por Jean Wyllys, Marina Silva foi defendida pelo movimento que pretende estabelecer a Rede como partido. Numa nota oficial, o movimento afirmou que “em nenhum momento Marina defendeu a realização de plebiscito sobre o casamento homoafetivo”.

Sobre o assunto, o ativista e blogueiro Julio Severo publicou artigo criticando a postura de Marina Silva perante o tema. Para Severo, a posição de Marina deveria ser frontalmente contrária ao casamento gay: “’Homoafetivo’ uma ova! Esse tipo de relação é simplesmente homoerótica. Homoafetividade é a relação normal de amizade e afeto entre um pai e seu filho e um homem e seu amigo”, escreveu.


O blogueiro ainda diz que as posturas de Marina Silva a respeito da luta contra o aborto não são convincentes: “Apesar da posição confundindo ‘homoafetividade’ com homoerotismo, a ex-militante do PV, que luta para consolidar o Rede Sustentabilidade e se lançar candidata presidencial em 2014, aposta numa imagem ‘pró-vida’, torcendo para que o público se esqueça de que em 2010 ela foi criticada pelo movimento pró-vida por ter condenado a onda conservadora contrária ao aborto e ao homossexualismo que se levantou na eleição presidencial daquele ano”.

Julio Severo diz em seu texto que Marina Silva precisa “conhecer o verdadeiro Evangelho, ou apodrecer no falso evangelho”.

O articulista Klauber Cristofen, que escreve para o site Mídia sem Máscara, afirma que é incompatível que um partido de esquerda seja contrário ao aborto.

O texto porém, contextualiza as propostas do Rede Sustentabilidade a partir do passado político de Marina Silva e Heloísa Helena, ex-senadora e aliada na fundação do novo partido, desconsiderando as bases que foram reveladas à mídia no lançamento da Rede, que identifica o futuro partido como um movimento de centro.

“O aborto é uma política absolutamente necessária aos partidos de esquerda. Estes não podem abrir mão deste múltiplo instrumento de controle populacional, de empregos, de seleção racial, de criminalidade e de eventuais dissidências. O socialismo é o regime que se caracteriza por controlar variáveis na saída dos processos, e não nas causas. Ilustrativamente, é o regime onde havendo dez cabeças e nove chapéus, opta preferencialmente por decepar uma cabeça. Ou duas ou três”, escreveu Cristofen.

O deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ), um dos principais ativistas gays do país publicou em seu site um artigo em que critica a postura de Marina Silva a respeito do casamento gay.

“Gosto pessoalmente de Marina Silva. Respeito e admiro muito sua trajetória política e acho que ela é um quadro importante para o atual cenário político polarizado entre PT e PSDB. Ainda faço votos que ela consiga as assinaturas necessárias para registrar seu partido. Espero que fique claro que minhas divergências com Marina são políticas, podem ser pontuadas, e que concordamos em várias outras questões […] Ela me disse que apoiava a realização de um plebiscito para que a população decidisse — uma idéia com a qual eu discordo absolutamente. No entanto, após o lançamento do partido ‘Rede’, essas lideranças negam que Marina tenha defendido a realização de um plebiscito sobre o casamento civil igualitário e, valendo-se de um jogo de palavras (misturando o casamento com a ‘união civil’, como se fosse a mesma coisa), não esclarecem se ela é a favor ou contra o direito de todos os brasileiros e brasileiras a se casar no cartório com a pessoa que amam”, enfatizou o deputado Wyllys.

Confira a íntegra do artigo “Marina Silva amarela em questão de ‘casamento’ gay cobrada por Jean Wyllys”, de Julio Severo, neste link.
Confira a íntegra do artigo “Marina Silva e Heloísa Helena como esquerdistas “pró-vida”. Você vai acreditar?”, de Klauber Cristofen no site Mídia sem Máscara, neste link.
Confira a íntegra do artigo “Um convite à Marina”, do deputado federal Jean Wyllys, neste link.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+


19 COMENTÁRIOS

  1. bom não sei se ela é isto ou aquilo,mas o simples fato dela lutar contra o aborto ou assassinato de indefeso, e contra o casamento gay, e ou união estavel, sinceramente ja tem o meu voto, muito melhor que a dilma e a forçada pl 122 que querer aprovar de qualquer maneira

    • São essas as prioridades de um chefe de estado na sua opinião, Clamando?
      Ou seja, dane-se educação, dane-se segurança, dane-se saúde, dane-se Mercosul, BRICS, redução de carga tributária, reforma do legislativo!! Dane-se tudo!
      O seu presidente só precisa ser contra o casamento gay e o aborto, né?

      Misericórdia…

    • clamando, se suas razões são fundamentalmente essas, sugiro que leia com m u i t a atenção todos os links mencionados no artigo. Porque se, por acaso, ela vencer a eleição, não t e r á pra quem RECLAMAR. Certo?

    • Na minha humilde opinião, após tantos conchavos politicos entre todos os partidos já existentes, cuja salada já os impregnou pelos memos vícios, o País está realmente precisando de uma nova agremiação partidaria de CENTRO onde haja propostas claras e definidas sobre as reformas necessárias (urgentes) para a consolidação da democracia, e consequentemente a resolução de problemas sérios como a violencia, o desemprego, a fome, bem como estruturar as áreas de educação e saúde que se encontram na UTI. A corrupção já atinge todas as instancias do poder, e a essa altura se torna prticamente impossível se resolver a curto prazo. É muito cedo, até porque ainda não temos a cartilha do “Rede Sustentabilidade”, para analisarmos se a proposta da Marina Silva trás algo de novo, para não sermos mais uma vez vítima de promessas de palanque.

  2. Estou procurando de lupa na matéria “Rede Sustentabilidade: novo partido da missionária Marina Silva não é bem visto por evangélicos” a citação de uma referência evangélica nacional contra o novo partido da Marina, que justifique o título. Julio Severo, Klauber Cristofen, este não sei se evangélico, não representam a opinião do segmento. O segmento evangélico no Brasil tem nomes. Sugiro melhorar a redação do título.

  3. Sra. Marina, gostei de seu projeto politico exposto na ultima eleição, tanto que mereceu o meu voto e o de meus familiares, alunos e demais parceiros ambientalistas (sou Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental). Como Espirita, sou contra o aborto puro e simples – e quanto aos relacionamentos com pessoas do mesmo sexo, não fazem o meu genero por uma antiga lei da fisica – polos iguais se repelem, não se completam – (acho que isso diz tudo). Agora, como faço para fazer parte de sua “REDE”?

  4. É de fato uma reportagem que deixa a desejar. Não há um partido político, constituído, que represente ou respeite os fundamentos bíblicos. Qualquer pessoa pode googlear todos os fundamentos de qualquer partido político que em nenhum deles achará em seus fundamentos a aceitação ou não de assuntos polêmicos como aborto, união gay, pena de morte, etc.
    Sendo assim, fazer uma matéria dizendo que um partido ou outro não é bem visto, é um tanto equivocada, por princípios, nenhum partido é bem visto por nós evangélicos. Todos possuem joios e trigos como filiados. E até aqueles que se fazem em cima de denominações religiosas para buscar o poder no Senado, mas em nenhuma atitude representam o cristianismo. Apenas servem de mau exemplo para a política e para o cidadão.

    • fico muito triste ao constatar que as pessoas não sabem o que é comunismo (que não apoio), socialismo, de esquerda etc.
      Ser de esquerda é ser a favor do trabalhador, aquilo que nós em imensa maioria o somos..
      os partidos de esquerda através dos anos de mobilização, lutas e sim, greves, conseguiram que tivéssemos férias pagas, 13° salário, horas extras pagas e muitas outras “regalias”
      Os patrões não se atacam e apoiam-se entre si e nós trabalhadores vivemos a atirar pedras uns nos outros..
      O comunismo é quando todos tem direitos totalmente iguais com um ditador a garantir isso (daí pq não concordo) é o que vimos na China e Russia de Stalin
      Ja’o Socialismo é uma forma de evitar as grandes desigualdades entre os homens, garantindo o acesso de todos a tudo que é necessário, saúde, educação, habitação… Os valores girariam em favor do bem estar social de todos e não no que temos visto hoje, essa corrida absurda pelo lucro e consumismo para garantir os luxos de uma ínfima minoria mundial de 1%.
      Sim é isso que acontece, para garantir os superfluos e esbanjamento de 1% dapopulação com festas, iates, joias, cosméticos, construções faraônicas etc. toda a humanidade é posta para trabalhar e subsistir apenas em sua imensa maioria.
      Já o pessoal da direita, quer garantir que o sistema continue assim, se travestem de bons samaritanos mas na hora de uma votação a favor do povo realmente, mostram suas caras, negão aumento aos aposentados, aprovam o desmatamento das áreas de preservação, aumentam a idade de aposentadoria e é claro aprovam salários com aumentos nunca vistos para eles próprios.

      A Europa está no chão e nas ruas.. não esperemos a crise chegar e apertar por aqui.

      Acorda Brasil!

    • A política tem que ser separada de crenças pessoais. Seu partido tem que ser plural como é a sociedade. Nada dessa baboseira de partido evangélico, partido católico, cristão, budista, esotérico, muçulmano o que seja. Religião não tem que se misturar com política, lugar de religião é na igreja. Me mostrem um país onde há essa mistura que deu certo, que há paz e igualdade de direitos, onde não há desintegração social e não vivem se matando uns aos outros querendo cada um impor sua crença e modo de viver. Respeitem as diferenças. Religião era para ser uma coisa boa mas como sempre as pessoas usam pro lado ruim, pra se “sentirem” escolhidas e e achar que são seres de primeira categoria em detrimento dos que nao compartilham de sua crença.

      • Minha resposta à Luciana.
        OS ATIVISTAS GAYS É Q ESTÃO SE”ACHANDO”,UMA VEZ Q ATROPELAM ATÉ A CONSTITUIÇÃO ,AO INVADIREM IGREJAS,SUBIREM EM MESAS PRA PROTESTAR,POR AMEAÇAREM PEGAR ATÉ EM ARMAS PRA SE LIVRAR DOS SEUS DISSIDENTES,POR PENSAREM Q A DILMA E O PT FICARÃO AÍ PRA SEMPRE PRA APOIAR SUAS SACANAGENS,isso sim é coisa de gente q se sente de primeira categoria. FORA PT!! FORA NARQUISTAS! FORA INIMIGOS DA PAZ! FORA INIMIGOS DA FAMILIA!

      • Concordo com vc Luciana e acho tb que lugar de religião é nas igrejas e não envolvido em política onde a sujeira paira por todos os lados,não vem com essa que esses santinhos pastores estão lá pr garantir o seus direitos ,logo JESUS garantiria .
        Sim para participar da roubalheira que existe nesse meio; EU NÃ TENHO E NEM QUERO ALGUMA RELIGIÃO E PRATICO DO MEU JEITO, PODE TER CERTEZA QUE SEI. POIS PESQUISEI ALGUMAS DELAS POR BASTANTE TEMPO E A QUE MAIS SE SE MOSTROU JUSTA É A TESTEMUNHAS DE JEOVÁ PELO MENOS NO FATO DE NÃO PARTICIPAREM DE POLÍTICA OU DE PARTIDO PR PROVEITO PRÓPRIO E QUE NÃO ME AGRADOU FOI O FATO DA TRANSFUSÃO DE SANGUE ,MAS TE CONFESSO QUE ENTRE UM LADRÃO DISFARÇADO DE CORDEIRO E UM HOMOFÓBICO QUE NÃO RESPEITA AS DIFERENÇAS ,EU FICO COM AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ E TE RECORDO NÃO TENHO RELIGIÃO ALGUMA E NUNCA TEREI.

  5. Tem muito cristão que não sabe nem o discernir esquerda de direita;eu mesmo era um desses;creio que, se os lideres evangélicos doutrinassem politicamente suas igrejas(explicando sobre comunismo/socialismo,esquerda/direita,revolução cultural,marxismo cultural) o cenário politico seria bem diferente,jamais um cristão votaria em um PT,PSol,ou qualquer outro partido claramente alinhado com essas ideologias marxistas;Para mim Marina ainda é uma incógnita,seu passado alinhado a militância esquerdista me inquieta.vamos aguardar o posicionamento dela nos futuros debates eleitorais.

DEIXE UMA RESPOSTA