Internacional

Pastor Mark Driscoll explica oito verdades sobre a morte de Jesus na cruz

Comments (3)
  1. DEUS NAO MORREU NA CRUZ QUEM MORREU NA CRUZ FOI SEU FILHO JESUS CRISTO ENTENDEU?!
    JESUS É O FILHO DE DEUS

    1. Isso mesmo Cristian, essa e a verdade, não sei pq esse pessoal cria tanta confusão assim, o evangelho e simples, ai querem mostrar conhecimento e ficam com esse blá, blá… divagando em cima de uma palavra simples e objetiva, Pai, filho e Espirto santo são um, pronto! "mas Deus deu seu filho por nós, "Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna." — (João 3:16) Muito bem, vc esta certo Cristiam porque veja esta passagem: " E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou. Lucas 23:46, ai responde a todos os criadores de Blá, blá acima que quer demonstrar conhecimento, ora sera que Deus pai estaria entregando o espirito a ele mesmo, senão o filho entregando o espirito ao Pai? o resto e Divagação de Gente que se acha "intelectual" o Evangelho e simples e tem que ser ensinado da mesma forma.

    2. Isso mesmo Cristian, essa e a verdade, não sei pq esse pessoal cria tanta confusão assim, o evangelho e simples, ai querem mostrar conhecimento e ficam com esse blá, blá… divagando em cima de uma palavra simples e objetiva, Pai, filho e Espirto santo são um, pronto! "mas Deus deu seu filho por nós, "Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna." — (João 3:16) Muito bem, vc esta certo Cristiam porque veja esta passagem: " E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou. Lucas 23:46, ai responde a todos os criadores de Blá, blá acima que quer demonstrar conhecimento, ora sera que Deus pai estaria entregando o espirito a ele mesmo, senão o filho entregando o espirito ao Pai? o resto e Divagação de Gente que se acha "intelectual" o Evangelho e simples e tem que ser ensinado da mesma forma.

    3. Gilson Guinter Garcia Exatamente, se pra eles jesus é Deus entao com quem jesus cristo falava quando chamava pai?

    4. Gilson Guinter Garcia Exatamente, se pra eles jesus é Deus entao com quem jesus cristo falava quando chamava pai?

    5. Denise Céu disse:

      Cristian Baroni Se vc examinar, note q ele disse a mesma coisa q eu, ou seja: Pai e Filho são um = DEUS. Ou não foi isso q ele disse?! Copiando: Pai, filho e Espirto santo são um, pronto!

      Um abraço, Cristian

      Denise Zancatti

    6. Denise Céu disse:

      Cristian Baroni Se vc examinar, note q ele disse a mesma coisa q eu, ou seja: Pai e Filho são um = DEUS. Ou não foi isso q ele disse?! Copiando: Pai, filho e Espirto santo são um, pronto!

      Um abraço, Cristian

      Denise Zancatti

    7. Jesus é Deus!!! Existem três pessoas na Trindade, cada uma com uma característica única e peculiar, mas são Um. É como se fosse o sol: Deus é o sol, Jesus a luz e o Espirito Santo o calor, os três são um. (o ovo por exemplo, vc fala dele separadamente: casca, gema e clara? não vc fala simplismente ovo:são três coisas em uma só) Evangelho de João, capitulo 10, versículo 30, Jesus diz: "Eu o Pai somos um"

    8. Jesus é Deus!!! Existem três pessoas na Trindade, cada uma com uma característica única e peculiar, mas são Um. É como se fosse o sol: Deus é o sol, Jesus a luz e o Espirito Santo o calor, os três são um. (o ovo por exemplo, vc fala dele separadamente: casca, gema e clara? não vc fala simplismente ovo:são três coisas em uma só) Evangelho de João, capitulo 10, versículo 30, Jesus diz: "Eu o Pai somos um"

  2. Denise Céu disse:

    Oi Cristian, A Bíblia diz que Jesus é Deus! Ele e o Pai são um. Eu sei q vc está querendo defende-lo, mas na verdade, são um só! No princípio era o verbo, e o verbo se fez carne e habitou entre nós… Se vc quiser, te passo todas as referências. Um abraço!

    1. Gostaria de ver as referências.

    2. Gostaria de ver as referências.

    3. Alessandro Ballesteros disse:

      EU SEI Q VC RESPONDEU ISSO PRA OUTRA PESSOA MAS EU TE PERGUNTO SE JESUS CRISTO É DEUS ENTAO COM QUEM JESUS FALAVA QUANDO ESTAVA NA TERRA ELE QUANDO ESTAVA NA CRUZ ORAVA O TEMPO TODO PRA DEUS ELE ATÉ FALAVA PAI PERDOA-LHES ELE ATÉ GRITOU NA CRUZ 'PAI PORQUE ME ABANDONASTE' ANTES DE MORRER JESUS FALOU PAI EM TUAS MAO EU ENTREGO O MEU ESPIRITO ENTAO COMO ELE PODE SER O PROPIO DEUS?

    4. Alessandro Ballesteros disse:

      EU SEI Q VC RESPONDEU ISSO PRA OUTRA PESSOA MAS EU TE PERGUNTO SE JESUS CRISTO É DEUS ENTAO COM QUEM JESUS FALAVA QUANDO ESTAVA NA TERRA ELE QUANDO ESTAVA NA CRUZ ORAVA O TEMPO TODO PRA DEUS ELE ATÉ FALAVA PAI PERDOA-LHES ELE ATÉ GRITOU NA CRUZ 'PAI PORQUE ME ABANDONASTE' ANTES DE MORRER JESUS FALOU PAI EM TUAS MAO EU ENTREGO O MEU ESPIRITO ENTAO COMO ELE PODE SER O PROPIO DEUS?

  3. Pitagoras disse:

    Que tal deixar assim: “Driscoll, expõe suas oito opiniões sobre o mito Jesus”.

  4. Toda Honra, toda Glória sejam dadas àquele que é o Único Salvador do mundo, o Alfa e o Ômega, e que se entregou por nós. Devemos imitar o Pr.Mark Driscoll e reconhecer o Sacrifício atroz de YAOHUH (Messias) em favor dos seus, os quais breve virá buscar. Para honrá-Lo é mister que O tenhamos como "Senhor da nossa vida."

  5. Denise Céu disse:

    Oi, Ruben! Boa noite. Primeiramente gostaria de dizer q não tenho a pretensão (e nem posso, dado ao ser mortal, e pecador q sou) de me dizer a dona da verdade. Sou uma eterna aprendiz da Bíblia e procuro examina-la sempre. E nela encontro escrito em Jo.10:30: "Eu e o Pai somos um". Essas são palavras do próprio Jesus.

    Em Jo.14:6 note que el diz: "vem" e não "vai" o que faz uma grande diferença (pelo menos na minha opinião)

    Ainda em Jo. 14 nos versículos 8 e 9 veja o q Jesus responde a Filipe qdo ele pede para que Ele mostre o Pai: "Estou a tanto tempo convosco , e não me tendes conhecido, Filipe? Quem vê a mim vê o Pai: e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?

    Ruben, meu entendimento à luz das Escrituras é q os dois se fundem numa mesma pessoa e por isso são um só! Leia os versículos 10 e 11. Talvez fique mais óbvio. Sei q esse é um mistério difícil de ser entendido pois nós humanos somos limitados, mas, tentamos nos aproximar ao máximo q podemos de uma compreensão à luz da Bíblia. (Bem, pelo menos tenho-a, eu, como regra de fé e conduta).

    Ruben, se vc der uma olhadinha no evangelho de João no capítulo 1° versículo 1° diz: No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Minha dedução: Note q o Verbo está sempre em letra maiúscula Verbo = Palavra em ação. Ele estava no princípio com Deus. (Mais uma vez se fundindo. Os dois um só). Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do q foi feito se fez. (Deus como Verbo, o poder da Palavra de Deus qdo tudo criou. Se quiserdes entender melhor, leia o 1° capítulo de Gênesis (q quer dizer o início de tudo). Aconselho-te a ler o 1° capítulo de João do versículo 1° ao 14 e se ater principalmente no vers. 14 (versículo chave) q diz: E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória como a glória do unigênito (filho único; Cristo) do Pai, cheio de graça e de verdade. Vejamos Ruben, o Verbo se fez carne = JESUS e habitou entre nós!!! = JESUS. O verbo DEUS se fez carne na forma de JESUS para habitar entre nós cumprindo assim o seu plano salvífico com a morte e ressurreição de Jesus. Não sei se estou me expressando de forma q vc consiga entender, mas estou tentando fazer o meu melhor, se não estou conseguindo, peço-te q me perdoes.

    O texto abaixo, copiei de algum lugar q não tinha a fonte, mas achei super válido, por isso estou postando aqui pra vc, até pq me economiza tempo (não por nada, mas é q eu tenho uma filhinha de 17 anos , portadora de necessidades especiais e por isso o meu tempo é bastante absorvido e tb pretendo fazer um bolo ainda hj.Todavia, quero q saibas q estou te respondendo com mto carinho.

    1. Ele voluntariamente abriu mão de seus direitos (Fl. 2.6). Jesus antes da sua encarnação sempre foi Deus co-igual, co-eterno e consubstancial com o Pai e com o Espírito Santo. Ele sempre foi revestido de glória e majestade (Jo 17.5). Ele é o criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis (Cl 1.16). Ele sempre foi adorado pelos anjos no céu. Cristo Jesus sempre foi (e continuará sempre sendo) Deus por natureza, a expressa imagem da Divindade. Ele sempre possuiu toda a glória e louvor no céu. Com o Pai e o Espírito Santo, ele sempre reinou sobre o universo. Mas abdicou de tudo isso por amor de nós.

    2. “Não julgou como usurpação o ser igual a Deus”. Ou seja, não considerou a sua igualdade com Deus como “algo que deveria reter egoisticamente. Jesus não se agarrou aos privilégios de sua igualdade com Deus. Cristo não usou sua igualdade com Deus como desculpa para auto-afirmação, ou autopromoção. Ele abriu mão de sua glória, desceu das alturas e, usou seus privilégios para abençoar os outros. A Bíblia diz que ele andou por toda a parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo (At 10.38).
    3. Ele se esvaziou (2.6,7).O Filho de Deus deixou o céu, a glória, seu trono, e fez-se carne, fez-se homem, se encarnou. Aquele que em seu estado pré-encarnado é igual a Deus é a mesma Pessoa que se esvaziou. Do que Cristo se esvaziou? Certamente não foi da existência “na forma de Deus”. Isso seria impossível. Ele continuou sendo o Filho de Deus. Indubitavelmente, Cristo renunciou seu ambiente de glória. Ele pôs de lado sua majestade e glória (Jo 17.5), mas permaneceu Deus. Ele jamais deixou de ser o possuidor da natureza divina. Mesmo em seu estado de humilhação ele jamais se despojou de sua divindade. Para cumprir os desígnios de Deus, houve em Jesus, como base do seu ministério vitorioso, um princípio pleno de renúncia, sacrifício e devotamento:
    · Abriu mão de sua relação favorável à lei divina. Enquanto permanecia no céu nenhuma carga de culpa pesava sobre ele. Entretanto, ao encarnar-se, ele que não conheceu pecado, se fez pecado por nós (Jo 1.29; 2Co 5.1); ele que era bendito eternamente se fez maldição por nós (Gl 3.13) e levou sobre seu corpo, no madeiro, todos os nossos pecados (1Pe 2.24).
    · Abriu mão de suas riquezas. Jesus renunciou tudo, até mesmo sua própria vida (Jo 10.11). Tão pobre ele era que tomou emprestado um lugar para nascer, uma casa para pernoitar, um barco para pregar, um animal para cavalgar, uma sala para reunir e um túmulo para ser sepultado.
    · Abriu mão de sua glória celestial. Ele tinha glória com o Pai antes que houvesse mundo (Jo 17.5). Mas, voluntariamente deixou a companhia dos anjos e veio para ser perseguido e odiado pelos homens. Ele, em cuja presença os serafins cobriam o rosto, o objeto da mais solene adoração, voluntariamente desceu a este mundo, onde foi “desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer” (Is 53.3).
    · Renunciou ao livre exercício de sua autoridade. Ele voluntariamente se submeteu ao Pai e disse: “Eu não procuro a minha própria vontade, e, sim, a daquele que me enviou” (Jo 5.30). Antes de Jesus vir ao mundo, as pessoas só podiam conhecer a Deus parcialmente. Depois, puderam conhecê-lo plenamente em Jesus. Cristo é a perfeita expressão de Deus, pois Nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.

    Ruben, qualquer dúvida, ou talvez, se vc quiser tb me explicar alguma coisa referente à Palavra de Deus, estarei à disposição.

    Espero ter podido ajudar em alguma coisa.

    Cordialmente, em Cristo Jesus, me despeço.

    Um abraço,

    Denise Zancatti

  6. Denise Céu disse:

    Sabemos que somente a Deus se deve adorar. Somente Ele é digno de adoração. A adoração que não é dirigida a Deus, é idolatria, a qual é altamente condenada. Vemos estas coisas na Bíblia:

    Respondeu-lhe Jesus: Está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.Lucas 4.8

    Guardai-vos para que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e os adoreis…Deuteronômio 11.16

    Sendo assim, a adoração dirigida a qualquer outro ser ou objeto, que não seja Deus, é altamente condenada (Ex 20.4; Lv 26.1; Is 42.8). Por este motivo, se Jesus não fosse Deus, ele não seria e nem aceitaria adoração. Podemos verificar nas Escrituras as várias vezes em que Jesus é adorado, aceitando adoração:

    Então os que estavam no barco adoraram-no, dizendo: Verdadeiramente tu és Filho de Deus."Mateus 14.33

    "E eis que Jesus lhes veio ao encontro, dizendo: Salve. E elas, aproximando-se, abraçaram-lhe os pés, e o adoraram." Mateus 28.9

    " E outra vez, ao introduzir no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem." ( Hb 1.6 )

    Jesus tanto é adorado, como aceita a adoração, e até o Pai ordena que os anjos o adorem. Esta é uma prova incontestável da divindade de Jesus.

    A palavra grega que é traduzida para adorar, é proskyneo (se lê prosquinô). Proskyneo, se encontra relacionada ao Pai (Mt 4.10; Jo 4.24; Ap 7.11), a anjos (Ap 22.9), a homens (At 10.25), a Jesus (Mt 2.2, 8.2, Jo 9.38), e a ídolos (At 7.43).

    Jesus é adorado, da mesma forma que o Pai é adorado. Jesus pode ser adorado, por que ele é Deus!

    Mateus 2:11 – "E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mäe e, prostrando-se, o ADORARAM; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra."

    Mateus 14:33 – "Então aproximaram-se os que estavam no barco, e ADORARAM-NO, dizendo: És verdadeiramente o Filho de Deus."

    Mateus 9:18 – "Dizendo-lhes ele estas coisas, eis que chegou um chefe, e o ADOROU, dizendo: Minha filha faleceu agora mesmo; mas vem, impõe-lhe a tua mão, e ela viverá."

    Apocalipse 5:13 e 14:
    13 E toda criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e no mar, e todas as coisas neles, eu ouvi dizer: “Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro (aqui o Cordeiro é o próprio Jesus) seja a bênção, e a honra, e a glória, e o poderio para todo o sempre.” 14 E as quatro criaturas viventes diziam: “Amém!” e os anciãos prostraram-se e ADORARAM.

    Ruben, agora eu vou dormir um pouquinho, tá! Estou "caindo" de sono.

    Te desejo um dia cheio de paz e repleto de conquistas alcançadas.

    Abraço,

    Denise Zancatti

  7. Redimido disse:

    Pitagoras, espero que você tenha em vida a oportunidade de conhecer o Cristo ressurreto. Só então você mudará sua concepção a respeito do verdadeiro Deus que se fez homem para morrer por nós e nos garantir a vida eterna. Que Deus te abençoe e te mostre a verdade!

    1. Denise Céu disse:

      Pois é, Augusto, pena q nem todos achem, não é msm?

    2. Denise Céu disse:

      Pois é, Augusto, pena q nem todos achem, não é msm?

  8. Alessandro Ballesteros disse:

    O CRISTIAN DISSE A VERDADE SE JESUS CRISTO É DEUS ENTAO COM QUEM JESUS FALAVA ESSE TEMPO TODO QUANDO ESTAVA NA TERRA? JESUS OLHAVA PARA O CEU E DIZIA O PAI PERDOA-LHES,, ISSO TEM ATÉ NOS FILMES ESSES PASTORES SAO MTO BURROS SAO UMS VERDADEIROS ENGANADORES ESSES FALSOS ESTA NA BIBLIA JESUS CRISTO O FILHO DE DEUS

    1. O papo da Denise e de "Unicista", uma corrente de pensamento sobre a trindade que não encontra respaldo Bíblico ai ficam com esse discurso dando voltas e não chegam a lugar nenhum, os trinitaristas são mais objetivos e respaldados pelas Escrituras.
      Shalon.

    2. O papo da Denise e de "Unicista", uma corrente de pensamento sobre a trindade que não encontra respaldo Bíblico ai ficam com esse discurso dando voltas e não chegam a lugar nenhum, os trinitaristas são mais objetivos e respaldados pelas Escrituras.
      Shalon.

    3. Denise Céu disse:

      Alessandro, tente não generalizar! Diz vc: (copiando): ESSES PASTORES SAO MTO BURROS SAO UMS VERDADEIROS ENGANADORES ESSES FALSOS Infelizmente, vc pensa assim. Que pena! Mas garanto-lhe q isso é uma inverdade! Existe sim, mtos pastores q têm compromisso com a Obra de Deus e com o rebanho q Jesus colocou em suas mãos. Q não são enganadores e são fiéis a Deus. Não julgue a todos por alguns. Conheço mtos pastores que dão a vida pela obra do Senhor, por isso não posso me calar diante de tal acusação. Não é do meu feitio ser omissa! Contudo, sei tb existir mtos falsos profetas e enganadores, q se auto intitulam pastores ou sei lá o que, porém a esses tais Deus tem reservado algo. Tudo isso é bíblico! Leia Ezequiel 8 (fala sobre as abominações no santuário). Existe ainda um povo fiel na Terra, q teme e ama a Deus. Compreendo a sua revolta. Isso é sinal de q vc gosta das coisas certas e as defende. Mas creia, Alessandro, nem todos são assim! Talvez, (só Deus sabe) vc, um dia, ainda venha conhecer um povo realmente temente a Deus e eliminar essa impressão negativa q vc tem. Lamento mto! Enfim…

    4. Denise Céu disse:

      Alessandro, tente não generalizar! Diz vc: (copiando): ESSES PASTORES SAO MTO BURROS SAO UMS VERDADEIROS ENGANADORES ESSES FALSOS Infelizmente, vc pensa assim. Que pena! Mas garanto-lhe q isso é uma inverdade! Existe sim, mtos pastores q têm compromisso com a Obra de Deus e com o rebanho q Jesus colocou em suas mãos. Q não são enganadores e são fiéis a Deus. Não julgue a todos por alguns. Conheço mtos pastores que dão a vida pela obra do Senhor, por isso não posso me calar diante de tal acusação. Não é do meu feitio ser omissa! Contudo, sei tb existir mtos falsos profetas e enganadores, q se auto intitulam pastores ou sei lá o que, porém a esses tais Deus tem reservado algo. Tudo isso é bíblico! Leia Ezequiel 8 (fala sobre as abominações no santuário). Existe ainda um povo fiel na Terra, q teme e ama a Deus. Compreendo a sua revolta. Isso é sinal de q vc gosta das coisas certas e as defende. Mas creia, Alessandro, nem todos são assim! Talvez, (só Deus sabe) vc, um dia, ainda venha conhecer um povo realmente temente a Deus e eliminar essa impressão negativa q vc tem. Lamento mto! Enfim…

    5. Alessandro Ballesteros disse:

      verdade boa resposta

    6. Alessandro Ballesteros disse:

      verdade boa resposta

  9. Homem Sábio disse:

    Páre de besteira!

    Se Plínio, o pequeno, reconhecidamente inimigo dos cristão, sabia da existencia de Jesus, e Flávio Josef, o estoriador judeu, também sabia, porque não se acreditaria?

    Jesus, existência real, figura espiritual, antes e depois. Eternamente!

    1. Pitagoras disse:

      Plínio fez mensão a cristãos e não a Cristo. O texto de Flávio Josefo, já foi provado e comprovado ser falso. E o que é verdadeiro não requer falsificações.

  10. Denise Céu disse:

    Oi, Alessandro! Acabei de ler a sua perguntinha. Como já disse, não sou a dona da verdade. Em momento algum me intitulei como intelectual. Disse apenas q era uma estudiosa da Bíblia. E estou aqui tb para aprender, uma vez q creio eu, nunca sabermos o suficiente. Apenas respondi a um pedido do Ruben Antunes, caso contrário nem teria postado nada. Mas como ser humano q ele é, assim como eu sou, é digno de consideração e respeito. Por isso escrevi o q estava ao meu alcance! É assim q eu creio, o q não significa q alguém tenha q crer como eu. Em momento nenhum quis induzir ninguém a nada, apenas respondi ao Ruben. Só isso! Bem, Alessandro, mas como bem falou o Sr.Gilson Guinter Garcia, endossando assim as minhas palavras: Pai, Filho e Espírito Santo são um, ou seja: DEUS. Deus na forma de Pai, Deus na forma de Filho e Deus na forma de Espírito Santo. E ele tem o poder de ser onipresente, em q situação for. Para Ele não existe a barreira de espaço e nem de tempo. Vou tentar falar numa forma bem simples: Suponhamos q vc tenha um aparelho de som aí na sua casa, sabe aqueles aparelhos mais antigos, q tinha o toca-fitas, o rádio e o toca discos. Pois é, é um aparelho só, contanto, tem 3 funções diferentes, mas é um só aparelho. Desculpe a maneira chula do meu exemplo, mas foi o q me ocorreu agora. Alessandro, sei q isso é sim, difícil de entender, eu demorei mto até conseguir. E por algumas vezes orei pedindo a direção de Deus para entender esse mistério. É uma questão de fé e discernimento. Acho, Alessandro q agora cabe a vc buscar em Deus a resposta da pergunta q incomoda o teu coração. Poderia escrever várias coisas mais, mas, como fui mal interpretada, não quero cair no msm erro. Toda honra, toda glória, pertencem ao Senhor! Alessandro, espero sinceramente q vc ache a sua resposta. Eu só vou até aqui, mas Deus vai mto além, pois eu sou limitada e Deus não tem limite. Que Ele possa te esclarecer o q eu não pude ou te dê entendimento das coisas q foram escritas. À propósito, qto a sua pergunta, está inserida em tudo q já foi dito, seria redundante da minha parte, acrescentar algo mais.
    É mto bom qdo "encontro" pessoas como vc; em busca de respostas, principalmente às coisas concernentes a Deus; ao reino dos céus! Não sou diferente de vc nesse aspecto.

    Alessandro, desejo q as bençãos do Senhor estejam sempre atuantes em sua vida.
    E se vc quiser me peguntar ou me ensinar alguma coisa, estarei por aqui…

    Um grande abraço

    Denise Zancatti

    1. Agora sim Denise, Vc esta falando como trinitarista, mas no inicio convenhamos vc falava claramente como unicista ou estou errado? apesar disso não ter importância nenhuma, pois são somente ponto de vistas, o importante e que Deus, e Deus pai, Deus Filho e Deus Espirito Santo e adoramos esse Deus Maravilhosos que tudo fez e Criou e deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crer seja salvo, Amém
      Shalon

    2. Agora sim Denise, Vc esta falando como trinitarista, mas no inicio convenhamos vc falava claramente como unicista ou estou errado? apesar disso não ter importância nenhuma, pois são somente ponto de vistas, o importante e que Deus, e Deus pai, Deus Filho e Deus Espirito Santo e adoramos esse Deus Maravilhosos que tudo fez e Criou e deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crer seja salvo, Amém
      Shalon

  11. Denise Céu disse:

    Alessandro, copiei esse estudo pra vc. Talvez ajude um pouquinho. Deixe-me apenas fazer uma observação: A palavra "TRINDADE" não existe na Bíblia, porém é usada apenas para uma melhor compreensão, ok?

    18 junho, 2011 Postado por DEFESADOEVANGELHO em ESTUDO BÍBLICO
    1. DOUTRINA DA TRINDADE

    “Não posso pensar em um e único, sem que me veja imediatamente envolvido pelo fulgor dos três; nem posso distinguir os três, sem que me veja imediatamente voltado para um e único.” (NAZIANZO, Gregório de. Sermão sobre o santo batismo).

    “Eis que me aparece, como num enigma, a Trindade. Sois vós, meu Deus, pois Vós, Pai, criastes o céu e a terra no princípio de nossa Sabedoria, que é a vossa Sabedoria, que de Vós nasceu, igual e co-eterna convosco, isto é, no vosso Filho.

    (…) No vocábulo “Deus”, eu entendia já o Pai que criou todas as coisas; e pela palavra “princípio” significava o Filho, no qual tudo foi criado pelo Pai. E, como eu acreditasse que o meu Deus é Trino, procurava a Trindade nas vossas Escrituras e via que o vosso Espírito “pairava sobre as águas”. Eis a vossa Trindade, meu Deus: Pai, Filho e Espírito Santo. Eis o Criador de toda criatura.” (AGOSTINHO, Aurélio. Confissões. São Paulo: Nova Cultural, 1999. p. 379-380).

    1.1 INTRODUÇÃO

    O presente estudo tratará de um dos temas mais complexos e debatidos de toda a teologia e do pensamento cristão: A Doutrina da Trindade. Tal assunto possui a capacidade de gerar inúmeras dúvidas em nossa mente, tais como: como Deus é único e ao mesmo tempo três? Serão três Deuses diferentes? Será apenas um Deus, que se manifesta de três formas diferentes? Ou ainda: Um único Deus, com três subsistências distintas?

    O primeiro cuidado a se tomar, em um estudo pormenorizado da Trindade, é que ela é possível de ser entendida, contudo, não sem a devida reverência e fé. O tema aborda uma realidade que é totalmente desconhecida a nós e, além disso, sem parâmetro em toda a criação. Não há um só exemplo sequer nas existências que se compare a subsistência perfeita de Pai, Filho e Espírito Santo.

    O termo Trindade (lat. Trinitas), foi cunhado pelo bispo Tertuliano (160-230), para ser o designativo da doutrina de que Deus é a coabitação eterna e perfeita de três pessoas que partilham da mesma Deidade.

    Para se alcançar um entendimento sóbrio e isento de heresias acerca da Trindade é necessário analisar os dados bíblicos, dos quais naturalmente emerge essa doutrina, ao invés de se criar modelos e tentar encaixar a Bíblia a eles. O melhor modelo que podemos utilizar para a explicação da Trindade deve ser o reflexo direto dos dados escriturísticos.

    A Trindade é, portanto, uma doutrina que emerge da Bíblia, e não algo que foi moldado para se encaixar com a Bíblia; é uma doutrina que as próprias Escrituras ensinam, não apoiada apenas em um texto, mas em toda a extensão e revelação da Palavra de Deus.

    1.2 EVIDÊNCIAS BÍBLICAS DA DOUTRINA DA TRINDADE

    1.2.1 A TRINDADE NO ANTIGO TESTAMENTO

    O AT apresenta Deus como sendo um só Deus, que se torna conhecido pelos Seus nomes, atos e atributos, entretanto, é conveniente atentar que, apesar da postura centralizadora da Deidade – com vistas a formar um povo que se mantivesse fiel ao monoteísmo – há inúmeras passagens que denotam a pluralidade de pessoas na Deidade vétero-testamentária.

    Utilizando o texto bíblico de Gn. 1.1-2, podemos concluir, como Agostinho, a existência, desde os primeiros versículos da Bíblia, de um Deus Trino, conforme abaixo:

    “No princípio criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas”

    Analisando o texto em hebraico temos:

    “Deus (hb. elohiym, plural de ‘elowahh, designação do supremo Deus), no princípio (hb. re’shiyth, o primeiro em lugar, tempo, ordem ou ranking) (re)criou (hb. bara’, criar, fazer e ‘eth, propriamente, por si só, ou seja ‘criou sem qualquer auxílio) os céus e a terra. E a terra era (hayah, vir a ser, tornar-se) sem forma e vazia (hb. tohuw, desolação, deserta, sem coisa alguma, bohuw, estar vazia, vacuidade, ruína indistinguível); e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus (hb. ruwach elohiym, semelhante ao fôlego, exalação violenta, aplicável apenas a um Ser racional) se movia sobre a face das águas.

    Do exame acima, pode-se concluir que: Deus foi o responsável pela criação (e recriação) de todas as coisas, através do Seu princípio (Jesus, cf. Ap. 3.14) e Seu Espírito Santo já encontrava-se em operação no mundo.

    A criação do homem reflete o consenso da Deidade, ao utilizar “façamos (hb. ‘asah, fazer no sentindo mais amplo e extensivo possível)… à nossa imagem e semelhança (hb. tselem, uma sombra, figura representativa, dmuwth, similitude, forma, modelo)” em Gn.1.26-27.

  12. Denise Céu disse:

    Continuando…

    O episódio da confusão das línguas em Babel aponta para um plural e concordância volitiva da Deidade, cf. Gn. 11.7, o mesmo ocorre em Is. 6.8, sendo que em ambos Deus usa para si mesmo pronomes plurais.

    Em Gn. 20.13 e 35.7 há o emprego do substantivo e do verbo hebraico no plural, isto é, “Deuses fizeram” e “Deuses se lhe revelaram”.

    Sl. 45.6-7 (confrontar com Hb.1.8-9) revela Deus (Pai), falando de ‘outro’ Deus (Jesus), que ungiu um de forma diferente aos seus companheiros (distinção da essência de Jesus e dos ‘companheiros’, i.e. anjos Hb.1.1-4).

    O Sl. 2.7 apresenta o Filho (hb. ben, filho, procedente de um antecessor genealógico, no caso, esse Filho, é gerado, mas não criado, Ele é co-eterno) do Senhor (hb. Yaweh ou Yehova, o auto-existente, eterno, ‘eu sou’) como sendo gerado.

    Pv. 30.4 apresenta perguntas de sabedoria sobre questões variadas, finalizando com a inquirição de qual é o nome (pelo nome, no hebraico, sabia-se a natureza e derivação da pessoa) de Deus e de seu Filho.

    Em Nm. 6.24-26, Is. 6.3 e Ap. 4.8, é utilizado o Triságio (gr. tris-agion, três vezes Santo), que é o nome utilizado para referir-se à aclamação da Deidade como Santo, Santo, Santo, referência à Trindade.

    O Verbo de Deus como a Sabedoria, em Pv. 8.1, 22, 30-31, comparado com Hb. 1.1-2. Pv. 3.19 é digno de nota em “O Senhor (hb. Yaweh ou Yehova), com sabedoria (hb. chokmaw, sabedoria, capacidade, inteligentemente, provém da raiz chakam, sobre excedente sabedoria, sabedoria primeira) …”

    O Anjo do Senhor (hb. mal’ak, embaixador, rei, enviado, sempre de Deus, Yaweh ou Yehova) como o próprio Deus (Teofania), nas passagens de Gn. 22.11, 16 e 31.11,13. Deus aparecendo em forma corpórea a Abraão (Cristofania) em Gn. 18.1, 13-14. Deus se manifestando a Moisés no monte Sinai, em Ex. 3.2-5. Deus se revelando aos pais de Sansão, Jz. 13.18-22. O quarto homem na fornalha ardente com Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, Dn. 3.25, 28, chamado por Nabucodonosor de “Filho de Deus” (ara. bar, filho e ‘elahh de ‘elowahh, designação do supremo Deus).

    Por fim, a passagem de Zc. 12.10 ensina, ainda que para um completo entendimento é necessário o NT – sobre as três pessoas da Divindade: o Pai (a quem olhariam), O Filho (traspassado) e o Espírito Santo (que daria a entender a obra do Filho).

    1.2.2 A TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO

    O NT principia seus escritos, através dos Evangelhos, apresentando uma radical mudança de foco do Deus do AT – até então centralizador – para a “nova” (apesar de não ser “nova” no sentido de algo recentemente criado, mas “nova” no sentido de só àquela época revelada) manifestação da Deidade, que abre a porta para o conhecimento claro de Jesus Cristo e do Espírito Santo.

    1.2.2.1 A PESSOA DO PAI É DEUS

    Há um tão grande número de passagens bíblicas que revelam o Pai como Deus, que seria desnecessário prolongar muitas explicações acerca de Sua Deidade. A título de exemplo observe-se Jo. 6.27 e 1Pe. 1.2.

    1.2.2.2 A PESSOA DE JESUS CRISTO É DEUS

    Jesus Cristo é expressamente chamado de Deus, e isto se prova através da passagem de João 1.1-2:

    “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus.”

    Nesses versículos o apóstolo João apresenta uma maneira de escrita que relembra a introdução do Gênesis, intencionando com isso revelar que Aquele do qual ele tratava (Jesus) é um ser co-eterno com o Deus da criação do AT.

    A palavra “no princípio”, em grego (en archei) é semelhante ao hebraico (berêshith), presente em Gn. 1.1, logo, vemos João apontando que Jesus e Deus não tiveram início, mas que relacionam-se desde a eternidade, ainda antes da Criação.

    João se refere a Jesus como o “Verbo” (gr. Logos). A utilização dessa palavra foi extremamente criteriosa, pois:

    “É relevante que João opta por identificar Cristo no seu estado pré-encarnado com o Logos e não como Sophia (sabedoria). João evita as contaminações dos ensinos pré-gnósticos que negavam a humanidade do Cristo ou separavam o Cristo do homem Jesus. O Logos, que é eterno, “tornou-se carne.”

    O apóstolo prossegue dizendo que o “Verbo estava com Deus” (gr. Logos pros ton theon), o que significa dizer que Eles tinham um relacionamento “face a face”, ou seja, desde a eternidade já estavam juntos. Na continuação do versículo João fecha o raciocínio ao dizer claramente que o Verbo, desde a eternidade, já era Deus.

    O último versículo (v. 2) serve como uma ênfase que essa pessoa (Jesus Cristo), realmente estava em interação contínua com Deus desde antes da Criação.

    Em João 1.14, o Verbo entra na História (se fazendo carne), como Jesus de Nazaré, sendo Ele o único capaz de revelar quem o Pai é, conforme João 1.17-18.

    Pelo fato de Jesus ter compartilhado a glória de Deus desde toda eternidade (Jo. 17.15), Ele é objeto da adoração reservada somente a Deus, pois Ele é Deus (Jo. 5.23 e Fp. 2.10-11).

  13. Denise Céu disse:

    Continuação…

    Jesus possui os mesmos atributos de Deus

    Vida, Jo. 1.4, 14.6 – Existência própria, Jo. 5.26, Hb. 7.16 – Imutabilidade, Hb. 13.8 – Verdade, Jo. 14.6, Ap. 3.7 – Amor, I Jo. 3.16 – Santidade, Lc. 1.35, Jo. 6.69, Hb. 7.26 – Onipresença, Mt. 28.20 – Onisciência, Mt. 9:4, Jo. 2.24-25, 1Co. 4.5, Cl. 2:3 – Onipotência, Mt. 28.18, Ap. 1.8.

    Finalmente, tudo que se pode dizer com relação ao Pai, pode-se dizer com referência ao Filho, conforme Cl. 2:9, Rm. 9:5 e Jo. 14:9-11. Assim, Jesus é Deus, da mesma forma que o Pai o é.

    1.2.2.2 A PESSOA DO ESPÍRITO SANTO É DEUS

    O Espírito Santo, além de ser uma pessoa, é Deus, e habita desde a eternidade com o Pai e o Filho, de acordo com Hb. 9.14, mas que fora “dado” com a vinda de Jesus Cristo (Jo. 7.39).

    O Espírito Santo é referido na Bíblia como sendo o próprio Deus, segundo At. 5.2-4, 1Co. 3.16, 12.4-6.

    O Espírito Santo possui os mesmos atributos de Deus

    Vida, Rm. 8.2 – Verdade, Jo. 16.13 – Amor, Rm. 15.30 – Onipresença, Sl. 139.7 – Onisciência e Onipotência, 1Co. 12.11.

    Por fim, o Espírito Santo é digno da mesma honra e adoração do Pai, conforme 1Co. 3.16. Logo, o Espírito Santo é Deus, da mesma forma que o Pai e o Filho são.

    1.3 ALGUNS ESCLARECIMENTOS

    Deus é Trino, ou seja, de uma mesma essência ou substância (gr. homoousios, lat. substantia), entretanto possui três subsistências distintas (gr. prosopa, lat. persona), isto é, são realidades pessoais individuais, de tal forma que o Pai é o Pai, o Filho é o Filho e o Espírito é o Espírito, sem se misturarem, mas com perfeita concordância entre si.
    Enfim: de uma mesma natureza em três pessoas distinguíveis.

    Quanto a Jesus ter sido “gerado” pelo Pai (Hb. 1.5), ou ser o “unigênito” do Pai (Jo. 1.14) não significa que Ele foi, em algum momento “criado”, pois a palavra original é (gr. monogenês), que significa “incomparável”, “especial”, “único do seu tipo”, e “é aplicada a Jesus para enfatizar que Ele é, pela sua natureza, o Filho de Deus num sentido incomparável e especial, como nenhum outro pode ser.”

    1.4 A ATUAÇÃO CONJUNTA DO PAI, DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO

    Claramente se percebe o ensino da Trindade e da igualdade de Divindade entre as três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo, nas passagens de Mt. 28.19 e 2Co 13:13.

    1.5 RESUMO DA TRINDADE PARA JOÃO CALVINO

    A distinção das pessoas na Trindade:

    “Por isso, também, não devemos deixar-nos levar a imaginá-la como uma trindade de pessoas que detenha o pensamento cindido em relação às partes e não o reconduza, imediatamente, a essa unidade. Por certo que os termos Pai, Filho e Espírito assinalam distinção real, de sorte que não pense alguém serem meros epítetos [vocativos, nomes], com quê, em função de suas obras, Deus seja diversificadamente designado; entretanto se fala de distinção, não divisão. Que o Filho tem sua propriedade distinta do Pai no-lo mostram as referências que já citamos, pois a Palavra não haveria estado com o Pai se não fosse outra distinta do Pai; nem haveria tido sua glória junto ao Pai, a não ser que dele se distinguisse. De igual modo, ele distingue de si o Pai, quando diz que há outro que dá testemunho a seu respeito [Jo 5.32; 8.16, 18]. E a isto importa o que se diz em outro lugar: que o Pai a tudo criou mediante o Verbo [Jo 1.3; Hb 11.3], o que não seria possível, a não ser que, de alguma forma, seja distinto dele. Além disso, o Pai não desceu à terra, contudo desceu aquele que procedeu do Pai; o Pai não morreu, nem ressuscitou, e, sim, aquele que fora por ele enviado. Tampouco esta distinção teve início a partir de quando a carne foi assumida; ao contrário, é manifesto que também antes disso ele foi o Unigênito no seio do Pai [Jo 1.18]. Pois, quem ousa afirmar que o Filho ingressou no seio do Pai quando, finalmente, então desceu do céu para assumir a natureza humana? Portanto, ele estava no seio do Pai e mantinha sua glória junto ao Pai antes disso [Jo 17.5].

    Cristo assinala a distinção do Espírito Santo em relação ao Pai quando diz que ele, o Espírito, procede do Pai; além disso, a distinção do Espírito em relação a si mesmo a evidencia sempre que o chama outro, como quando anuncia que outro Consolador haveria de ser por ele enviado; e freqüentemente em outras passagens [Jo 14.16; 15.26]”.

    Funções diferentes na Trindade:

    “(…) a distinção que observamos expressa nas Escrituras, consiste em que ao Pai se atribui o princípio de ação, a fonte e manancial de todas as coisas; ao Filho, a sabedoria, o conselho e a própria dispensação na operação das coisas; mas ao Espírito se assinala o poder e a eficácia da

    ação. Com efeito, ainda que a eternidade do Pai seja também a eternidade do Filho e do Espírito, posto que Deus jamais pôde existir sem sua sabedoria e poder, nem se deve buscar na eternidade antes ou depois, todavia não é vã ou supérflua a observância de uma ordem, a saber: enquanto o Pai é tido como sendo o primeiro, então se diz que o Filho procede dele; finalmente, o Espírito procede de ambos. Ora, até mesmo o mero entendimento de cada um, de seu próprio arbítrio, o inclina a considerar a Deus em primeiro plano; em seguida, emergindo dele, a Sabedoria; então, por fim, o Poder pelo qual executa os decretos. Diz-se que o Espírito procede, ao mesmo tempo, do Pai e do Filho. Isto, na realidade, em muitas passagens, contudo em parte alguma está mais explícito do que no capítulo 8 da Epístola aos Romanos [v. 9], onde, na verdade, o mesmo Espírito é indiferentemente designado ora Espírito de Cristo, ora Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Cristo [v. 11], e não sem razão plausível.”

  14. Denise Céu disse:

    Continuando…

    1. Todo aquele que quiser ser salvo, é necessário acima de tudo, que sustente a fé universal.

    2. A qual, a menos que cada um preserve perfeita e inviolável, certamente perecerá para sempre.

    3. Mas a fé universal é esta, que adoremos um único Deus em Trindade, e a Trindade em unidade.

    4. Não confundindo as pessoas, nem dividindo a substância.

    5. Porque a pessoa do Pai é uma, a do Filho é outra, e a do Espírito Santo outra.

    6. Mas no Pai, no Filho e no Espírito Santo há uma mesma divindade, igual em glória e co-eterna majestade.

    7. O que o Pai é, o mesmo é o Filho, e o Espírito Santo.

    8. O Pai é não criado, o Filho é não criado, o Espírito Santo é não criado.

    9. O Pai é ilimitado, o Filho é ilimitado, o Espírito Santo é ilimitado.

    10. O Pai é eterno, o Filho é eterno, o Espírito Santo é eterno.

    11. Contudo, não há três eternos, mas um eterno.

    12. Portanto não há três (seres) não criados, nem três ilimitados, mas um não criado e um ilimitado.

    13. Do mesmo modo, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente.

    14. Contudo, não há três onipotentes, mas um só onipotente.

    15. Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus.

    16. Contudo, não há três Deuses, mas um só Deus.

    17. Portanto o Pai é Senhor, o Filho é Senhor, e o Espírito Santo é Senhor.

    18. Contudo, não há três Senhores, mas um só Senhor.

    19. Porque, assim como compelidos pela verdade cristã a confessar cada pessoa separadamente como Deus e Senhor; assim também somos proibidos pela religião universal de dizer que há três Deuses ou Senhores.

    20. O Pai não foi feito de ninguém, nem criado, nem gerado.

    21. O Filho procede do Pai somente, nem feito, nem criado, mas gerado.

    22. O Espírito Santo procede do Pai e do Filho, não feito, nem criado, nem gerado, mas procedente.

    23. Portanto, há um só Pai, não três Pais, um Filho, não três Filhos, um Espírito Santo, não três Espíritos Santos.

    24. E nessa Trindade nenhum é primeiro ou último, nenhum é maior ou menor.

    25. Mas todas as três pessoas co-eternas são co-iguais entre si; de modo que em tudo o que foi dito acima, tanto a unidade em trindade, como a trindade em unidade deve ser cultuada.

    26. Logo, todo aquele que quiser ser salvo deve pensar desse modo com relação à Trindade.

    27. Mas também é necessário para a salvação eterna, que se creia fielmente na encarnação do nosso Senhor Jesus Cristo.

    28. É, portanto, fé verdadeira, que creiamos e confessemos que nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo é tanto Deus como homem.

    29. Ele é Deus eternamente gerado da substância do Pai; homem nascido no tempo da substância da sua mãe.

    30. Perfeito Deus, perfeito homem, subsistindo de uma alma racional e carne humana.

    31. Igual ao Pai com relação à sua divindade, menor do que o Pai com relação à sua humanidade.

    32. O qual, embora seja Deus e homem, não é dois mas um só Cristo.

    33. Mas um, não pela conversão da sua divindade em carne, mas por sua divindade haver assumido sua humanidade.

    34. Um, não, de modo algum, pela confusão de substância, mas pela unidade de pessoa.

    35. Pois assim como uma alma racional e carne constituem um só homem, assim Deus e homem constituem um só Cristo.

    36. O qual sofreu por nossa salvação, desceu ao Hades, ressuscitou dos mortos ao terceiro dia.

    37. Ascendeu ao céu, sentou à direita de Deus Pai onipotente, de onde virá para julgar os vivos e os mortos.

    38. Em cuja vinda, todo homem ressuscitará com seus corpos, e prestarão conta de sua obras.

    39. E aqueles que houverem feito o bem irão para a vida eterna; aqueles que houverem feito o mal, para o fogo eterno.

    40. Esta é a fé Universal, a qual a não ser que um homem creia firmemente nela, não pode ser salvo.

  15. Denise Céu disse:

    Concluindo…

    1.7 CONCLUSÃO

    O assunto da Trindade, apesar de todas as explicações acima e das outras existentes, poderá ser compreendido até certo ponto, após o qual torna-se o “mistério tremendo” (lat. misterium tremendum), nome pelo qual Agostinho lhe chama.

    Assim cumpre a nós, juntamente com todos os cristãos fiéis de todas as épocas, honrar, servir, adorar e anunciar a graça de Deus, revelada por Cristo, debaixo do poder do Espírito Santo.

    http://www.aliancadocalvario.com

  16. Denise Céu disse:

    Bem, Alessandro, Não sei se na verdade, te ajudei ou te cansei!!! Kkkkkkk…. Ou quem sabe, nenhum dos dois, ou quem sabe ainda, os dois! Kkkk…. Abraço, querido!

    Fk com Deus!

    Denise Zancatti

  17. Denise Céu disse:

    A Palavra de Deus diz: “E rejeita as questões loucas e sem instrução, sabendo que produzem contendas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; instruindo com mansidão aos que resistem…” (vv.23-25).Gosto de apresentar verdades contundentes, que às vezes irritam certos irmãos. Minha intenção é ajudar as pessoas que desejam crescer no conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo (2 Pe 3.18). Tenho segurança no que digo. E, quando exponho a Palavra de Deus — visto que não estou defendendo a “minha verdade”, faço isso de maneira convicta e direta. Isso não quer dizer que eu seja a dona da verdade. Não. A verdade está na Bíblia (Jo 17.17). E, se eu apenas reproduzo a verdade de maneira mais acessível, não posso ter dúvidas. Mas esse meu modo de escrever tem levado alguns a pensarem que sou presunçosa ou coisa parecida. Alguns internautas se valem de seus espaços para refutarem as minhas posições. Esses se dividem em, pelo menos, três categorias: os que argumentam de maneira respeitosa e elegante, aos quais sinceramente parabenizo; os que inutilmente me desafiam; e os que, de maneira carnal, me ofendem. Não vou desperdiçar o meu precioso tempo em debates inúteis ou questões loucas, Sou capaz de fazer hora-extra para responder a perguntas de pessoas sinceras que desejam aprender a sã doutrina. E elas sempre serão bem-vindas, ainda que jamais venham a concordar com as minhas posições. Quanto aos debatedores profissionais, promotores de discussões inúteis, e aos maldizentes e zombeteiros de plantão, cujo prazer resume-se a “cutucar onça com vara curta”, podem “tirar o cavalo da chuva”.Ciro Sanches Zibordi. Faço de suas palavras as minhas!

    Denise Zancatti

  18. NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. (João 1 : 1 – 5, 14); Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras. (João 14 : 8,9,10,11); Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. (João 8 : 58); Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do homem para onde primeiro estava? (João 6 : 62); Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. (Felipenses 2 : 6,7,8); Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. (Colossenses 1 : 14-17); Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (João 14 : 6); Vinde então, e argui-me, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã. (Isaías 1 : 18); A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. (Romanos 10 : 9); Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. (João 5 : 24); Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. (Apocalipse 3 : 20)

  19. Luiz Alberto Araújo Bezerra disse:

    O homem natural não pode compreender as coisas profundas de Deus. A morte de Jesus por nossos pecados é o grande mistério de Deus que os sábios desse mundo não conseguem compreender. Só quem compreende este grande mistério são as pessoas humildes como uma criança que se chegam a Deus reconhecendo sua pequenez e que é um pecador que precisa do resgate e perdão de Deus. Para o mundo o sacrificio de Jesus na cruz é uma loucura. Mas para Deus é o poder de Deus para a salvação de todo o que crer. Sem a humildade e a revelação de Espírito Santo ninguém consegue conhecer esse grande mistério do sacrifício de Jesus na cruz.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *