Em meio a crise sem precedentes no PT, senador evangélico oficializa saída da legenda

4

O senador evangélico Walter Pinheiro oficializou sua saída do PT na última terça-feira, 29 de março, após 33 anos de filiação. A decisão do parlamentar baiano coincidiu com o anúncio do PMDB de romper a aliança política com o governo.

Pinheiro, considerado um dos petistas mais moderados do Congresso Nacional, não anunciou se votará a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) quando o processo chegar ao Senado.

“[Walter Pinheiro] já vinha estudando a saída do partido desde o ano passado. A decisão coincidiu com o desembarque do PMDB do governo. Pinheiro mandou uma mensagem aos correligionários justificando a decisão. Petista histórico, com uma atuação independente internamente, o senador vinha manifestando discordância com os rumos do governo. Pinheiro deve ficar sem partido e não será candidato em outubro”, informou a jornalista Vera Magalhães, no site da revista Veja.

As denúncias que resultaram na atual crise política também respingaram em Walter Pinheiro há dois anos, quando foi citado nas primeiras fases da Operação Lava-Jato como um dos políticos beneficiários do escândalo de corrupção na Petrobras, juntamente com outros nomes da bancada evangélica, como o controverso Eduardo Cunha (PMDB-RJ).


Antes desse episódio, Walter Pinheiro já havia despertado a ira de Silas Malafaia por não se posicionar contra o famigerado PLC 122, que a título de combater a homofobia, propunha o cerceamento das liberdades de culto e crença.

Votação do impeachment

A estratégia de Eduardo Cunha para que a votação do impeachment aconteça no domingo, 17 de abril, pode não dar certo.

“Os partidos de oposição querem que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, marque para o dia 14 de abril, quinta-feira, a votação do impeachment de Dilma Rousseff no plenário da Casa. Para os líderes, a ideia de Cunha de fazer a votação no domingo, 17, passa a ideia de que o parlamento quer promover a ‘espetacularização’ do processo”, informou Magalhães.

A definição da data ainda não aconteceu, mas é provável que ainda exista muita discussão entre os parlamentares até que o cronograma final do trâmite do impeachment na Câmara seja anunciado.

4 COMENTÁRIOS

  1. “Antes desse episódio, Walter Pinheiro já havia despertado a ira de Silas Malafaia por não se posicionar contra o famigerado PLC 122, que a título de combater a homofobia, propunha o cerceamento das liberdades de culto e crença.”
    Oh! Malafaia, digo maracutaia! Vá lamber sabão! Cada cidadão, independente de suas posições políticas ou religiosas, tem o direito de expor sua própria opinião ou conclusão! Digo e repito: você não é dono do mundo! Tu não sabes conviver numa sociedade democrática!!

    • Nelson
      Nós os crentes em Jesus, não somos intolerantes com as pessoas, tanto quantos vcs ativistas e gays, são contra os evangélicos. Jesus, nos ensinou a amar o próximo, mas não as praticas abomináveis, o problema é que vcs confundem o Amor de Deus, com à aceitação daquilo que é devassidão.

    • Concordo com você, mas não podemos deixar uma minoria gay querer ditar as regras na sociedade, apesar e eu também não concordar com muita coisa com o Silas, ele apenas luta contra isso e o tão falado kit gay, e nisto ele esta certo.

DEIXE UMA RESPOSTA