Capa

Música Gospel: Agora você tem um site especializado nisso

Comments (10)
  1. GISELLA disse:

    hehehehhehhehehhehehhehheheheh
    vou estar lá, pode deixar sempre comentando

  2. zenilton levita disse:

    opa conta comigo tambem vai ser uma bençao pra todos nós levitas muito bom mesmo.

  3. Carlos Roberto disse:

    PREFIRO NÃO SER GOSPEL
    Li há pouco tempo um artigo sobre uma reunião do mundo “gospel” onde empresários do ramo defendiam as suas idéias sobre a conquista do mercado musical. Segundo o artigo, a reunião durou uma hora e meia, mas depois de dez minutos a vontade do autor da matéria era sair correndo, enojado com o que estava ouvindo. Falou-se de tudo em termos de “negócios gospel”. Como atingir o mercado, como produzir produtos mais atraentes, como vender o público “gospel” para as empresas seculares, como oferecer vantagens aos pastores para que eles permitissem que os produtos fossem vendidos nas igrejas, como montar shows e espetáculos, e vai por aí afora.
    Em momento algum, afirmou ele, ouvi algo sobre: como vamos causar um impacto com o evangelho no Brasil e no mundo; quantos novos missionários vamos sustentar com o lucro do negócio “gospel”; o que vamos fazer para ajudar as igrejas a buscarem um avivamento; como vamos tornar Jesus conhecido. A reunião foi frustrante para aquele cidadão que pensava ser o “gospel” algo mais profundo, alguma coisa que de fato fosse mudar os conceitos de cristianismo neste nosso tempo.
    Quando não éramos o mercado “gospel”, comprávamos Bíblias para ler e estudar, e não para colecionar. Comprávamos CDs pela profundidade das letras e espiritualidade dos cantores, e não pela fama dos artistas. Abríamos novas igrejas para alcançar os que não conheciam a JESUS, e não por causa de uma nova “visão” que causou divisão. Cada pastor estudava a Bíblia e ouvia o Espírito Santo para pregar a cada semana, e não simplesmente reproduzia a mensagem pronta recebida do seu “bispo ou apóstolo”.
    No tempo em que não éramos “gospel”, pastor ainda era respeitado e podia comprar no crediário. Não tínhamos bancada evangélica na política, que segundo a imprensa, só gera escândalos. Não precisávamos de prêmios para artistas e escritores de sucesso ou para igrejas que se tornaram famosas. Não tínhamos concorrência entre artistas na busca de um troféu de “Disco de Ouro” por vendagem de discos; não tínhamos a proliferação de “Rádios Piratas” usadas para a divulgação do gênero gospel e suas atividades.
    No tempo em que não éramos “gospel”, o “show” ainda se chamava “louvorzão”, não cobrava ingresso e não precisava de camarote vip para os artistas. Não se gastava fortunas para a montagem de palcos para a realização de espetáculos. Não se usava maquiadores, pois nem havia camarins. Não precisava reservar hotel “cinco estrelas” para as estrelas do palco. Não se usava jogo de luz, porque a luz que brilhava era a do verdadeiro louvor. Entrevistas e autógrafos sequer eram mencionados pelos que participavam das atividades relacionadas a vida cristã. Os adoradores não precisavam de seguranças, pois estavam seguros no Mestre, não tinham uma agenda de “shows”. Não havia Hip-Hop; Street Dance; Grupos de Teatro; Pagode; Samba; Rap; Funk. Como diz um amigo meu: “e pensar que tudo começou com um jumentinho! Lá em Jerusalém”. Conseguimos transformar Jesus em “gospel”, “fashion” e “pós-moderno”, mas ainda não conseguimos traduzir a Bíblia para todas as línguas em que ela não existe, nem reverter a corrupção neste país, nem causar um impacto transformador na sociedade. Naquele tempo o objetivo único era a adoração e o testemunho da graça e do amor de Deus. Hoje o jumentinho foi esquecido e em muitos casos foi trocado por uma tal “Eguinha Pocotó”. Isto sem nenhum exagero.
    Hoje os resultados da indústria “gospel” mostram gráficos cada vez mais animadores para os empresários. Qualquer um, em qualquer lugar e usando a religião como instrumento de propaganda passou a ser “Cantor Gospel”. O mercado da fé ampliou suas fronteiras sem observar o principio basilar do cristianismo que é a ética cristã. O que se vê hoje é a lei do vale tudo em nome de Deus, mesmo que para isto o nome Dele seja explorado no comércio da fé. No entanto, no tempo em que não éramos “gospel”, os resultados para o Reino eram mais consistentes. Nesta era “gospel” nos orgulhamos de ter milhares de igrejas e milhões de crentes, mas não nos envergonhamos da “corrupção gospel”. No passado éramos adoradores, hoje somos consumidores de todo o tipo do que se intitula música no meio evangélico. Levamos para dentro de nossas igrejas qualquer coisa que faça o povão entrar em transe e se soltar nas nossas reuniões. A inspiração Divina pouco importa, o que manda é não deixar o espetáculo parar.
    Orgulhamo-nos por alcançar os mais longínquos lugares e de estarmos no rádio e na TV, mas não nos envergonhamos por termos diminuído o número de missionários no Brasil e no mundo. Orgulhamo-nos de sermos governantes nos mais diversos níveis da política ou de estarmos mais próximos aos dirigentes de nossa nação para orar com eles, mas não nos envergonhamos de que um avivamento ainda não aconteceu em nossa pátria por falta de oração e quebrantamento da nossa parte. Alguém pode dizer que tudo isto é saudosismo. Éramos cristãos, hoje somos meros freqüentadores de casas de espetáculos onde quem determina o roteiro e as regras do show é o mundo com as mais absurdas ofertas de sucesso. Aliá, o sucesso é a cachaça que embriaga os que freqüentam o mundo gospel onde não faltam orgulho, vaidade, exibicionismo como conseqüências da ingestão da tal bebida.
    Eu me considero um futurista, sem qualquer dificuldade para quebrar os tradicionalismos do passado. No entanto, eu penso e analiso gerações. E quando faço isto e tiro conclusões, eu vejo que a igreja evangélica brasileira se tornou grande e obesa como um elefante, mas sem agilidade para provocar transformações. Os transatlânticos estão ancorados em todas as esquinas com espetáculos que enchem os olhos, mas não o coração e a alma. Aliás, nem dentro de suas paredes ela consegue provocar mudanças. Assim, mudam-se sim a roupa, a moda, os ritmos, a forma de culto, os aparatos, mas vidas não. Ela corre o risco de girar em torno de si mesma com grande possibilidade de perder de vez o equilíbrio espiritual que já anda cambaleando. Muitas estão embriagadas como disse acima pela aguardente derivada do sucesso e produzidas nos campos agrícolas do inferno.
    Enquanto esta igreja moderna e cheia de vícios mundanos não acordar para um quebrantamento do Espírito, vamos nos encantar com nosso gigantismo, mas não seremos efetivos em nosso impacto, mal conseguiremos amedrontar o inimigo. Enquanto não voltarmos às raízes do cristianismo abandonando práticas impostas pelo inimigo nos veremos perdidos no oceano das incertezas e de um evangelho de formas, mas sem qualquer conteúdo.
    Eu prefiro não ser “gospel” no sentido em que esta palavra é usada hoje, mas sou de JESUS, creio num avivamento da igreja brasileira e sonho com o dia em que o Brasil será usado por Deus para um impacto missionário global. Sonho com vidas transformadas para o mundo e não com vidas conformadas com este mundo; sonho com igrejas impactantes e não com grupos religiosos sendo subservientes ao senhor das trevas, Satanás.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    crms2casa@hotmail.com

  4. GISELLA disse:

    muito , muito muito bom…..

  5. Telma disse:

    Texto excelente, rico em detalhes do que está infelizmente acontecendo na Igreja Brasileira. Espero que um dia JESUS expulse esses vendilhões do Seu Templo,interfira nessa Igreja que precisa urgentemente de “arrependimento” , “quebrantamento” , “viver a Palavra” e restaure o Verdadeiro Louvor e Adoração!!!!

  6. HENRIETT disse:

    SENHOR CARLOS ROBERTO, CONCORDO PLENAMENTE COM SUAS PALAVRAS!

  7. Carlos Roberto, que texto maravilhoso! Disse muita coisa que está entalada na garganta de muitos Cristãos!
    Também tenho muita saudade de tempo, em que Gospel significava God Spell, hoje o significado é tão ruim quanto abrangente.
    Saudades.

  8. GISELLA disse:

    sim Roberto até copiei …
    vou mandar por email para meus contatos…

  9. Carlos Roberto disse:

    DISFARCE MODERNO
    SATANÁS CAMUFLADO EM CD

    “Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento”
    I Coríntios 14:15

    Quando era mais novo e sem a consciência de preservação que tenho hoje, tinha como costume preparar armadilhas para a captura de alguns animais. Hoje já não faço e não aprovo isto! Sei que existem e conheço vários tipos destes artifícios usados pelos caçadores, muitas destas armadilhas são camufladas na intenção única de iludir o animal levando-o a ser apanhado. É crime previsto na legislação ambiental e hoje tenho consciência disto, portanto não as uso.

    No meio evangélico, com o advento das tecnologias inovadoras, muitas novidades surgiram no mercado facilitando a vida de muita gente e de todas as igrejas espalhadas pelo mundo. Não que eu seja contra este aparato tecnológico, mas tenho minhas ressalvas pelo que já pude perceber com o uso indiscriminado destas benesses criadas pelo homem. Atrás da tecnologia vieram “armadilhas” sofisticadas que estão aprisionando muita gente! No meio religioso então a coisa ficou complicada, há uma obsessão pelas novidades escravizando a militância e tornando o culto num festival de tecnologia e sofisticação sem precedentes. O barulho se instalou perigosamente em nossas igrejas.

    Quero me deter em uma destas “armadilhas” que está sendo usada como camuflagem por Satanás para invadir as igrejas e sorrateiramente impor de forma abusiva as suas táticas de convencimento e de aliciamento de adeptos para os seus projetos. É bom lembrar que ele é especialista na construção deste tipo de coisa e sabe sofisticar para camuflar as suas invenções. A musica é, sem duvida alguma, uma das partes mais importantes do culto, pois é através dela que as pessoas expressam o louvor a Deus e celebram os seus feitos. Ela é parte integrante da adoração e sem ela hoje o culto perderia o sentido e deixaria de existir. E foi exatamente na musica que o inimigo encontrou uma forma sutil de minar a resistência da igreja e por conseqüência de seus membros ao fazer do sonho de se gravar um CD um objetivo que todo mundo busca conquistar a qualquer preço. Foi um tiro certeiro, no alvo.

    É ai que entra a “camuflagem”, o Diabo se escondeu atrás da indústria fonográfica e sorrateiramente se apresentou com suas facilidades para que qualquer um, independente de estar ou não comprometido com os princípios verdadeiros da fé, pudesse se aventurar no mercado musical. Assim, em nome da cultura popular, ele abriu as portas para que os mais variados ritmos literalmente invadissem as programações e os cultos de nossas igrejas. Camuflado em CDs, o Diabo encontrou receptividade abrindo as portas para que, em nome do GOSPEL, todo o tipo de composição musical tivesse liberdade para ser executada usando o nome de “musica evangélica”. Os modelos foram literalmente copiados do mundo e introduzidos na igreja em nome da liberdade de expressão e de adoração, banalizando a adoração através da musica no culto.

    Quero registrar que não tenho nenhuma oposição ao uso de instrumentos na música religiosa em nossa adoração, desde que eles não sejam dominantes na prática do louvor. Aliás, um instrumento bem tocado também trás alento par o coração e para a alma.

    A indústria do CD, patrocinada pelo Diabo, se expandiu com uma velocidade impressionante e o que se vê são pessoas despreparadas em todos os aspectos usando a desculpa de estarem “cantando para Deus” para gravarem aberrações que afrontam a inspiração e os ensinos Sagrados. O que encontramos nas igrejas são pessoas se inspirando nos artistas do mundão, copiando na integra tudo que eles fazem em seus “shows”, tudo com a clara intenção de abocanhar uma fatia no mercado musical religioso. Satanás introduz na igreja apostasias e perversões doutrinárias que teria dificuldade introduzir diretamente não fosse o atalho da musica. Graças à tecnologia, o Diabo leva o mundão aos evangélicos e com sua influência maligna, o discernimento espiritual do cristão se perverteu, a impressão e poder da mensagem divina foram destruídos. O endeusamento de pessoas ficou evidente nos espetáculos montados para que os “artistas da fé” possam mostrar as suas habilidades teatrais.

    Segundo especialistas na área de psicologia, não há influência mais poderosa para envenenar a imaginação do ser humano, destruir as impressões religiosas e tirar o gosto pelos prazeres tranqüilos e as realidades sóbrias da vida, do que a musica. Os grandes compositores que o digam! Pois está ai o eficiente disfarce do ministério satânico operando através da ocultação e da invisibilidade, pintando e bordando com aquilo que tínhamos de melhor no louvor a Deus.

    Aos que defendem estes novos estilos “gospel”, letras evangélicas com melodias mundanas, fica aqui o alerta, as forças das instrumentalidades satânicas misturam-se com o alarido e barulho, para ter um carnaval, e a isto estão chamando de adoração. Satanás fez da música um estratagema para capturar as suas presas e os seus objetivos estão sendo plenamente alcançados. Para estes defensores do “espetáculo” tudo está certo! Errado é dizer que eles estão errados! O que Deus condena como pecado, eles dizem, “isto é preconceito”; “isto é verdade para aquele tempo”, o pecado para eles está só na cabeça da gente. O verso preferido deles é: “Não julgueis, para não serdes julgados”. Pois eles TUDO PODEM naquele espírito de falsa popularidade que lhes fortalece! Se o povo achou bom, se dançou; se povo chorou, se o povo gostou; se ouve aleluias ou se povo disse amém, então, é tudo Santo! Em nome de Deus, vale qualquer coisa. A bandeira que hasteiam é: “A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS!”

    Hoje, graças à tecnologia dos CDs a igreja nem canta, a maioria apenas dubla ou canta mecanicamente, e são poucos os irmãos que conhecem algum hino do saudoso e falecido “Cantor Cristão”… Será que alguém se lembra dele? De tanto se apoiar nas confortáveis muletas eletrônicas, a igreja está ficando paralítica! Está capengando e não se dá conta disto! Quanta saudade do “Castelo Forte”!

    A musica quando empregada para “fins bons” é uma bênção, mas é muitas vezes usada como um dos mais atrativos instrumentos de Satanás para enganar as pessoas. Quando mal empregada, leva os não consagrados ao orgulho, à vaidade, à tolice e ao estrelismo. Quando se lhe permite tomar o lugar da devoção e da adoração, é uma terrível maldição. A música sacra está se perdendo na sua beleza pela subserviência exacerbada do cristianismo aos caprichos de Satanás. Você pode estar argumentando que “todo mundo faz” para justificar a sua opção. Até onde sei e a Bíblia ensina, não seguimos o que o mundo faz, seguimos Aquele que fez o mundo, e tudo que nele há, portanto precisamos ter bons critérios na definição de nossos padrões na nossa relação com Deus.

    Cantamos que queremos “voltar ao primeiro amor”, mas na prática fazemos exatamente o contrário, corremos para o mundo num casamento perfeito com as suas práticas. Por tudo isto, pela volta às origens da “verdadeira musica” e do “verdadeiro louvor” é que deixo aqui o meu protesto e a minha indignação pela maneira como as nossas igrejas rotuladas de “cristãs” estão se aliando ao inimigo e permitindo que ele dite as regras quando o assunto é adoração e louvor no meio evangélico. Afinal, estamos temporariamente no mundo para “mudá-lo” e não para “sermos mudados” e “moldados” por ele. Neste caso, “retroceder” é preciso! Lembrando que para esta armadilha está em vigor, mesmo não sendo respeitada, a “lei da racionalidade” registrada nas Escrituras: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente pra que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” – Romanos 12: 1 e 2.

    Atenção! Se você como eu gosta da boa música, multiplique esta idéia repassando este E-mail.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    crms2casa@hotmail.com

  10. Ane disse:

    Eu adorei a notícia…Precisamos mesmo de mais portais com notícias sobre o mundo gospel…Valeu!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *