Projeto de Jean Wyllys que legaliza o aborto de forma indireta será revisado por deputado evangélico

22

O deputado federal e ativista gay Jean Wyllys (PSOL-RJ) é autor de um projeto de lei que visa estabelecer garantias de atendimento de saúde a mulheres por parte do Estado, mas que de forma indireta, legaliza o aborto.

O PL 882/15, proposto por Jean Wyllys, está associado ao 313/07, que está sob relatoria do deputado João Campos (PSDB-GO), integrante da bancada evangélica e opositor da legalização do aborto.

Prevendo que em seu relatório, Campos irá sugerir que os artigos que legalizam o aborto sejam excluídos do texto do projeto, Wyllys iniciou um movimento regimental para “desapensar” (termo usado no Congresso para separar propostas que tramitam juntas) o projeto 882/15 do 313/07, e assim, garantir que o texto seja estudado por outro relator da Comissão de Seguridade Social e Família.

A relatoria do projeto de Wyllys por João Campos é visto entre os parlamentares evangélicos e católicos como mais uma derrota do ex-BBB, que há tempos milita pela legalização do aborto e se valeu de uma estratégia sorrateira para conseguir seu objetivo.


O projeto de Wyllys “estabelece as políticas públicas no âmbito da saúde sexual e dos direitos reprodutivos e dá outras providências”, segundo seu texto. Incluindo a interrupção do parto como uma questão de saúde pública, e sem usar o termo aborto, o texto do projeto deixa claro, nos primeiros artigos, sua prioridade de dar à mulher o direito de decidir se quer ou não levar a gravidez adiante.

Segundo informações do jornalista Leandro Mazzini, o “artigo 1º cita que o PL visa ‘regular as condições da interrupção voluntária da gravidez e estabelecer as correspondentes obrigações dos poderes públicos’”.

Em outro artigo, que versa sobre a “saúde reprodutiva”, o texto do projeto estabelece deveres do poder público sobre “o estado de bem estar físico, psicológico e social nos aspectos relativos a capacidade reprodutiva da pessoa, que implica na garantia de uma vida sexual segura, a liberdade de ter filhos e de decidir quando e como tê-los”.

Por fim, o “jabuti” (termo que os parlamentares usam para se referirem a temas fora de contexto incluídos em um projeto de lei propositalmente) de Wyllys tenta legalizar o aborto “independentemente das circunstâncias”, onde imputa ao Estado a necessidade de garantir direitos ao cidadão, entre eles ‘os sexuais e reprodutivos de toda a população, entendendo-se que a interrupção voluntária da gravidez não constitui um instrumento de controle de natalidade’”.

22 COMENTÁRIOS

  1. nada que venha dessa borboleta saltitante e de nenhum aproveito, e de nenhum prestimo, tudo e cem por cento que venha dele e Ante Biblico é Ante Cristo,é Ante Deus,é Ante Bom, é Ante Correto, é Ante bons costumes, é Ante Etico, e um meia banda meia porta meia falas e um trem descarrilhado e um trem atrapaiado, cheio de odio cheio de rancor cheio de artimanha, cheio de maledicencia, cheio de desonestidade, cheio de fuxico, cheio de maldade, cheio de falta de respeito, cheio mentiras, cheio falsidade, cheio frescura, cheio de coisas inconvenientes, em resumo ate no momento e um ser Aborrecido De Deus, uma casca somente casca nada mais que casca, e casca vazia, a cabeça o miolo e de pote, pois da boca dele somente sai aquilo que o pobre e escalafobetico coração dele esta abarrotado, e o que e? e abarrotado de tudo o que esta escrito acima, e não adianta os defensores dele vim xiar ou xiurear que de nada ira adiantar ou mudar, há e tenho dito fui, carque coisa moro onde o vento faiz a curva aqui no ispraiado tão tão distante, donde nois põe oculos verde nos jumento prus danado puder cume uns gai de arve seca e pensa qui ta uma beleza de velde, cuidado minha 36 ta na ativa

  2. Se for aquele projeto que permite o aborto antes da 13ª semana, é válido. Pra quem acha que isso é coisa de esquerda, os principais países do primeiro mundo que são capitalistas, adotam esse mesmo critério.

    O aborto já não é criminalizado no primeiro mundo. Mas sim regulamentado. E há dois critérios para se fazer isso:

    A) Formação do feto – 13ª semana
    Adotado na maioria dos paises onde o aborto não é mais crime

    B) Inicio da Atividade Cerebral – 24ª semana
    Este é o critério usado no Reino Unido

    Os dosi critérios tem base cientifica, pois se não há feto formado, não há vida. E para alguns, se existe a morte cerebral, o inicio da vida seria no inicio da atividade cerebral.

    • Samuel José concordo com as tuas palavras em um milão de porcento concordo concordo de novo e torno a concordar e se for pouco nois ainda dobra, esses cão somente escrevem do que lhes são abarrotado no coração, pervertimento

      • SAMUEL MANOEL STUDEBAKER
        Me digam o que acham disto, países de primeiro mundo, com mentalidade de terceiro mundo, onde o conhecimento e estudo é obrigatório, onde a maioria das pessoas tem terceiro grau, onde o nível sócio econômico produz bem estar social , como podem não saber que existe dezenas de contraceptivos, a pilula do dia seguinte e muitos outros métodos que anulariam qualquer pensamento em se fazer aborto, será que quanto mais estudo e riqueza, mais desumanos e burros, deixo para vcs. responderem isto

    • Slash
      Se aborto não é crime em alguns países de “primeiro mundo” fique sabendo, a vida que começa a partir da concepção, portanto, é o mesmo que assassinar uma pessoa de um segundo de nascida até a sua morte naturalmente.
      Quem pratica aborto, caso não haja arrependimentos perderá a salvação, porque é um pecado hediondo diante de Deus.

  3. Tem coisas que não me entram na cabeça, por ex. como pode um cara que tem nível superior, que é professor, tentar aprovar uma lei medonha destas, assassinato de indefesos, ora em um país que tem dezenas de contraceptivos pilula do dia seguinte, que em caso de estrupo pode ser ministrada junto ao coquetel para prevenção da sida, ou pode ser comprado em qualquer lugar.
    Não me entra na cabeça que uma mulher que quer transar que quer dar, não tenha cultura para saber que se faz filho desta maneira, e que precisa se proteger, é uma loucura imaginar que neste país sejam a favor de matar assassinar inocentes, em vez de previnir, porque esperar 4 meses?

  4. Tenho minha opinião sobre aborto – sou contra, pois sou a favor da vida -, mas creio que esse é um tema que deve ser discutido e decidido pelas mulheres, pois são elas que carregam o feto no ventre. Já foi dito, e concordo plenamente, que se fossem os homens que engravidassem, há muito que o aborto seria uma prática totalmente liberada, e digo isso porque conheço muito bem a natureza do homem, do macho.

  5. Crentes, respondam: se tivessem de decidir entre salvar milhares de fetos antes da 13ª semana ou uma criança já nascida e crescida, digamos, um menino de 5 anos, com qual alternativa os senhores ficariam? Gostaria de saber a opinião sincera de vocês, pois quero saber se vocês realmente creem no que dizem quando afirmam ser contra o aborto ou se só afirmam crer por questão de dogma, de imposição religiosa. Com a palavra, os sinceros.

  6. Aborto, o crime mais covarde que pode existir, pois é praticado contra o ser humano mais indefeso. Na minha opinião, quem se submete, quem realiza e quem colabora com essa prática são sim culpados por assassinato.

DEIXE UMA RESPOSTA