Carta em que Einstein reconhece que o mundo é uma “criação elegante” de Deus será leiloada

30

O físico judeu alemão Albert Einstein era conhecido por sua visão prática sobre a religião e a ciência, e por muitas vezes, foi descrito como ateu. No entanto, ele mesmo discordava dessa visão e deixou alguns registros de sua fé particular e peculiar.

Agora, uma carta escrita por ele para o colega italiano Giovanni Giorgi está sendo leiloada, e o preço mínimo esperado pela casa de leilões é de US$ 55 mil.

Mas, o que há na carta de tão especial? A missiva escrita na época em que Einstein lecionava em Roma contém uma afirmação do físico sobre Deus e sua Criação.

“Deus criou o mundo com muita elegância e inteligência”, diz trecho da carta escrita a próprio punho no dia 12 de julho de 1925.


O texto mostra que os colegas conversavam sobre suas experiências científicas, pois Einstein entra em detalhes sobre algumas de suas pesquisas, e ao final, conclui dizendo que adquiriu certeza sobre uma de suas mais famosas teses: “Eu não tenho dúvidas sobre a validade da teoria da relatividade”.

A carta, curta, foi escrita no verso de um cartão postal, em que o famoso físico assinou como “Suo A. Einstein”, algo como “de seu A. Einstein” em português.

Einstein possuía uma relação de idas e vindas com a Itália. Por lá, viveu com sua família quando tinha entre 15 e 16 anos, e falava e escrevia fluentemente o idioma. Já Giovanni Giorgi ficou conhecido internacionalmente e na Itália em seu tempo como uma autoridade em eletromagnetismo, de acordo com informações da agência Ansa.

A carta que será leiloada pertencia a um colecionador da França, que obteve o manuscrito de um colega italiano que coleciona artigos científicos.

carta albert einstein deus


30 COMENTÁRIOS

  1. Que o diga os ateus, que sirva de exemplo para os tais, pois vevem se gabando de suas fé no deus nada, pois eles tambem tem o deus deles e verdade que e um deus mequetrefe infimo um deuziquinho fulero mais eles tem, o deus ateu ou deus nada,fico ate a imaginar o ateu orando ao deus nada deles, hó deus nada como tuis a bão deus nada hó deus nada abençoa eu deus nada para que eu fique nadades, hõ deus nada acuma tuis e bão que fico nadades de tanto nadaiada, leva eu deus nada pois como na minha mente esta nada de nada fico nadaiadamente agardecido por suas nada de nada de benção,

  2. Se Einstein com toda sua genialidade precisou se esforçar muito em suas teorias para chegar a conclusão da existência de DEUS,felizes os leigos que acreditam só pela fé.

      • No Ser Supremo, e não naquele deus que foi criado a imagem e semelhança do homem, um deus cheio de fraquezas humanas, verdadeira caricatura em tamanho gigante dos povos tribais que o inventaram. Lembra daquela frase bíblica “Jeová é homem de guerra” (Exodo 15:3)? Então, esse é o deus antropomórfico dos antigos judeus e do crentes, um colérico senhor idoso.

          • Ocorre, meu caro Elder Lima, que a visão fundamentalista de Deus não é a visão do verdadeiro Deus, pois, enquanto este é amor, aquele é furor.

          • Sentido figurado? Era assim mesmo que os povos hebreus tribais viam Deus, um ser que mandava matar sem piedade crianças, mulheres e idosos. E volta você para o primário, que Mobral não existe mais.

          • Sandro,

            Espere aí, meu caro.

            Quer que isso?

            Onde se encontra escrito que o cientista tem essa visão de Deus?

            Ele não deva ter sido um homem religioso, muito menos vir a ser taxado, haja vista o perigo que tal representava. Já era difícil pra ele ser judeu, imagine misturar ciência e concepções religiosas.

            O manter-se distante não implica obrigatoriamente em descrença.

            Outra coisa, meu caro, ele e nenhum cientista efetuaram estudos pra comprovar da existência ou não de Deus. Razão e motivo que qualquer um que se lance e venha confirmar ou denegar enquanto cientista, a positividade e negatividade será desaprovada por toda a sociedade

          • Sandro,

            O que atribuem aos outros e o que nós atribuímos a nós mesmos, tanto um quanto o outro geralmente é exagerado.

            Nós exageramos com nossas qualidades, o povo também.

            Meu caro, já vi muitos pelé(s) aparecerem, a imprensa destacar, endeusar. O povo precisa de mito pra viver, a imprensa deles precisa pra vender.

            Deus matador pra intimidar é igual a diabo de macumba pra matar.

            Transformaram Deus, exageram, aí você acredita.

            Desculpe, tem crente pra tudo, os fanáticos, no caso, você que acredita que Deus quer a morte, a vingança, a espada no seu pescoço, comunista comendo fígado de crianças, o lobisomem, a bruxa do 71.

            Meu caro, tem hora que os escrito se tornam literatura na forma de lenda, que saibamos distinguir.

            Por favor, volte ao passado do mobral, cumprindo lembrar que já existia o primário na época, o que hoje é designado de ensino fundamental. A ditadura criou pra tirar à força gente do analfabetismo, como você. Vá logo, melhor você ir por mobral a torcer do retorno ao estado de exceção. Vá, senão eles voltam, nem que seja por um dia pra inserir na alfabetização deles.

  3. Nunca ouvi falar de um ser humano, um apenas que por acreditar na bíblia tenha feito tudo o que ela contém.

    A bíblia fala de pai relacionando-se com uma filha, para procriar. Há histórias de pais, mas por luxúria ou coisa que o valha, até mesmo um ato criminoso, em síntese, nenhuma comunidade concebe tal como ordem de Deus.

    Há recomendações de morte aos advinhos, filhos desobedientes, homossexuais, adúlteros…

    Quando se vive numa barbárie, a tendência é de se fazer e usar a lei com mais rigor.

    Não vejo ninguém no mundo tentando seguir a bíbila ao pé da letra na sua inteireza, exceto um ou outro amalucado que tenta segurar cobra venenosa com as mãos, matar mulher adúltera.

    Dar pena vê alguns dos internautas a chamar os evangélicos ou outros grupos religiosos de radicais, por seguirem a bíblia. O Corão há algumas recomendações meio extravagantes como a bíblia, mas ao certo sabem seus seguidores que nem tudo é feito, aliás se tomado ao pé da letra não sobrava os que pensam diferente. Há ainda no seio dos muçulmanos coisas a ser revistas por eles mesmo para que se vive melhor e em paz entre os povos da terra.

    Não é possível se viver numa sociedade em que pessoas caluniam seguimentos religiosos como foi dito abaixo que o cientista da matéria não seguia o Deus perseguidor, é como se os que conhecem a bíblia, repito, a tomasse no todo.

    O homem sempre foi de atritar-se uns com os outros, tendo ou não conhecimento da bíblia, bastando vê a relação entre si dos povos indígenas, dos orientais, em síntese, pessoas que não tiveram acesso à bíblia, ao Deus da bíblia. Para brigar, o ser humano usa todos os motivos, inclusive inflama os demais no tocante à parte religiosa seja para conduzir o próximo às suas guerras seja para tê-lo sob o seu domínio.

    DEUS É AMOR, a prova de que é amor é o fato de nos dar esta terra, esta bela criação Dele apregoada pelo ilustre judeu cientista da matéria que acaso nasceu na Alemanha.

  4. Jamais ouvi falar de um ser humano, um apenas que, por acreditar na bíblia, tenha feito tudo o que ela recomenda e contém.

    A bíblia relata sobre determinado pai relacionando-se com uma filha, isto para fins de procriação. Nos dias atuais ouve-se falar histórias de pais que assim agem por abuso, tipo luxúria ou coisa que o valha, como seja, um ato criminoso, do que nos autoriza a concluir e afirma que nenhuma comunidade concebe tal acontecido com esse caso citado na bíblia como ordem de Deus.

    Há recomendações na bíblia de morte aos advinhos, aos filhos desobedientes, aos homossexuais, aos adúlteros…

    Quando se vive numa barbárie, a tendência é de se fazer e usar a lei com mais rigor, que ao certo o povo judeu viveu, inclusive logo após a saída do Egito e a permanência por quarenta anos em terras desérticas, em que Moisés praticamente só teve que reger a vida de quatro milhões de pessoas.

    Não vejo ninguém no mundo tentando seguir a bíblia ao pé da letra e na sua inteireza, exceto um ou outro amalucado que tenta segurar cobra venenosa com as mãos, matar mulher adúltera…

    É de dar pena vê alguns dos internautas a chamar evangélicos ou outros grupos religiosos de radicais, tão apena por seguirem a bíblia.

    O Corão possui algumas recomendações um tanto extravagantes e algumas ao modo da bíblia. Sabem os seus seguidores muçulmanos, a bem da verdade, a maioria sabe que nem tudo contido nele deva ser praticado, aliás se tomado ao pé da letra não sobraria os que pensam diferente.

    Sabem bem os muçulmanos da necessidade de coisas a ser revistas por eles mesmos, tudo visando melhor vida, e vida em paz não apenas entre eles(xiitas e sunitas), mas convivência sadia entre os demais povos da terra.

    Digo isso em face de que não é possível se viver numa sociedade em que pessoas caluniam os seguimentos religiosos, como foi dito abaixo. de que o cientista da matéria não seguia o Deus perseguidor, é como se os que conhecem a bíblia, repito, a tomasse no todo.

    Bom lembrar que o homem sempre foi de atritar-se uns com os outros, tendo ou não conhecimento da bíblia, Os povos indígenas, os orientais, em síntese, pessoas que nunca acessaram à bíblia, ao Deus da bíblia, mas com históricos de guerras, de perversidade, do homem lobo do próprio homem.

    Para brigar/guerrear, o ser humano usa todos os motivos possíveis e á sua disposição, inclusive o de inflamar os demais no tocante à parte religiosa seja para conduzir o próximo às suas guerras seja para tê-lo sob o seu domínio.

    DEUS É AMOR, a prova de que é amor é o fato de nos ter doado esta terra, esta bela criação Dele apregoada pelo ilustre judeu cientista da matéria que acaso nasceu na Alemanha.

  5. Muitos ateus devem estar se descabelando a essa hora . Eles tinham Einstein como garoto propaganda do ateísmo .
    E agora ateus ?, quem é Einstein para vocês ? Vocês teriam coragem de chamar o pai teoria da relatividade de ignorante ?

  6. Os ateus dizem que Einstein doente e no fim de sua vida escreveu uma carta dizendo que não cria em DEUS .
    Nós preferimos acreditar nas cartas de Einstein de quando ele era sadio e produtivo , dotado de toda sua capacidade intelectual.

  7. E tem mais recebeu a extrema unção de um sacerdote católico na hora da morte., e teve missa de sétimodia., como sufrágio de sua alma., isto porque se dizia não acreditar imagine se acredita se.,kkkk

    • E quem é que responde por si mesmo na última hora, Lopes, ou, o que é pior ainda, após a morte? Não sejam bobinhos. Einsten afirmou crer em uma força maior, mas nunca, nunca mesmo, no deus judaico-cristão.

          • Sandro,

            Espere aí, meu caro.

            Quer que isso?

            Onde se encontra escrito que o cientista tem essa visão de Deus?

            Ele não deva ter sido um homem religioso, muito menos vir a ser taxado, haja vista o perigo que tal representava. Já era difícil pra ele ser judeu, imagine misturar ciência e concepções religiosas.

            O manter-se distante não implica obrigatoriamente em descrença.

            Outra coisa, meu caro, ele e nenhum cientista efetuaram estudos pra comprovar da existência ou não de Deus. Razão e motivo que qualquer um que se lance e venha confirmar ou denegar enquanto cientista, a positividade e negatividade será desaprovada por toda a sociedade.

    • Sandro,

      Você é analfa por completo?

      Veja como começa o texto da carta:

      “Deus criou o mundo com muita elegância e inteligência”, diz trecho da carta escrita a próprio punho no dia 12 de julho de 1925.

      • Você não entende o que significa metáfora? Não se iluda: Einstein não acreditava em um Deus antropomórfico como é o Deus dos fundamentalistas! Seja inteligente e aceite isso!

        • Sandro,

          Espere aí, meu caro.

          Quer que isso?

          Onde se encontra escrito que o cientista tem essa visão de Deus?

          Ele não deva ter sido um homem religioso, muito menos vir a ser taxado, haja vista o perigo que tal representava. Já era difícil pra ele ser judeu, imagine misturar ciência e concepções religiosas.

          O manter-se distante não implica obrigatoriamente em descrença.

          Outra coisa, meu caro, ele e nenhum cientista efetuaram estudos pra comprovar da existência ou não de Deus. Razão e motivo que qualquer um que se lance e venha confirmar ou denegar enquanto cientista, a positividade e negatividade será desaprovada por toda a sociedade

  8. Sandro, o ateu que quer ser cristão.
    um cara que se diz ateu e fica postando dezenas de vezes em um site cristão, não pode ser um ateu querendo “ateitizar” as pessoas, o correto era nem entrar nesse site, mas acho que no fundo ele quer se tornar cristão, mas nunca, nunca mesmo irá assumir isso.

  9. Eu respeito profundamente as pessoas que crêem em Deus, porém acho que esse tipo de matéria faz exatamente os crentes, como eu já fui, se transformarem em pessoas descrentes. Eu já li diversos livros do EInstein, e outros diversos SOBRE Einstein. Ele sempre acreditou no que seria uma “religião cósmica”, porém achava infantil a idéia de um Deus que castiga ou um Diabo que corrompe. Por outro lado Einstein sempre foi muito sensato, sempre dizia que não existe ninguém melhor que ninguém.

    A verdade é que independente da sua crença, utilize de meios confiáveis ou, pelo menos, não mentirosos. Essa matéria diz realmente sobre o que Einstein acreditava, no Deus criador do mundo, e não no Deus de Abraão, não nas histórias da bíblia que considerava infantis.

    Segue essa outra carta que foi destinada ao filósofo Erik Gutkind, de quem ele havia lido a obra: “Escolha a vida: o apelo bíblico pela revolta”. Erik Gutkind tratava os judeus como superiores, o que Einstein desprezava.

    A palavra Deus é para mim nada mais do que a expressão e produto da fraqueza humana, a Bíblia é uma coleção de lendas honoráveis mas ainda assim primitivas que são, do mesmo modo, muito infantis. Nenhuma interpretação, não importa quão sutil seja, pode (para mim) mudar isso. Estas interpretações sutilizadas são altamente influenciadas de acordo com sua natureza e tem quase nada a ver com o texto original. Para mim a religião judaica, como todas as outras religiões, é uma encarnação das superstições mais infantis. E o povo judeu ao qual eu felizmente pertenço e com a mentalidade do qual eu tenho uma profunda afinidade não tem, para mim, qualquer qualidade diferente dos outros povos. De acordo com minha experiência, eles também não são melhores do que outros grupos humanos, embora sejam protegidos dos piores cânceres por falta de poder. De outra forma, eu não posso ver qualquer coisa “escolhida” a seu respeito.
    No geral, eu acho doloroso que você clame uma posição privilegiada e tente defender esta ideia através de dois muros de orgulho, um externo como um homem e um interno como um judeu. Como um homem você demanda, de certa forma, uma dispensa da casualidade de outra forma aceita, e como um judeu o privilégio do monoteísmo. Mas uma casualidade limitada não é mais, de forma alguma, uma casualidade, como nosso maravilhoso Spinoza reconheceu incisivamente, provavelmente o primeiro a fazê-lo. E as interpretações anímicas das religiões da natureza não são, em princípio, anuladas pela monopolização. Com tais muros nós só podemos alcançar uma certa auto ilusão, mas nossos esforços morais não são melhorados por eles. Pelo contrário.
    Agora que eu abertamente expus nossas diferenças em relação às convicções intelectuais, é ainda claro para mim que nós somos bem próximos no que se refere às coisas essenciais, ou seja, na nossa avaliação do comportamento humano. O que nos separa são somente proposições intelectuais e racionalizações na linguagem de Freud. Desta forma, eu acho que iriamos nos entender muito bem se falássemos de coisas concretas. Com agradecimentos amigáveis e os melhores desejos.
    Seu,
    A. Einstein

DEIXE UMA RESPOSTA