“Deus nos dá forças quando precisamos”, diz idoso de 90 anos que salvou a esposa de incêndio

2

Um senhor de 90 anos de idade salvou sua esposa de um incêndio e disse que contou com a ajuda de Deus para contornar a situação.

Arthur Schneider vive com a esposa, Rosemary, 89 anos, em Asheboro, Carolina do Norte (EUA). Na quinta-feira da semana passada, 06 de agosto, eles estavam no quarto quando um raio atingiu um transformador na rua.

Enquanto cuidava da esposa, que sofre de Parkinson e desenvolveu um certo grau de demência, quando notou que a cozinha estava em chamas e a fumaça já começava a tomar conta da casa.

Schneider então chegou à conclusão que o melhor a fazer era sair dali, e colocou a esposa na cadeira de rodas e foi em direção à porta da frente da casa. No entanto, quando chegou à varanda, se deu conta que não poderia descer a esposa pelos degraus e já não poderia voltar para sair pelos fundos, pois o fogo já estava por toda a parte.


Nesse momento, o idoso de 90 anos deixou a esposa na varanda e correu, mesmo sem sua bengala, aproximadamente 110 metros até a casa mais próxima e pediu ajuda ao vizinho.

Questionado como fez para superar as limitações físicas e socorrer a esposa, Schneider foi bem objetivo: “Eu acho que Deus nos dá um pouco de força quando precisamos dela”, afirmou, acrescentando que não imagina de que outra maneira poderia superar a circunstância, segundo informações do Daily Mail: “Eu tinha que voltar e pegá-la. Ela é parte de mim”.

Os vizinhos o ajudaram e acionaram os Bombeiros, para controlar o incêncio. Uma dos nove filhos do casal, Bernadette Such, afirmou que seu pai se dedica integralmente a cuidar de sua mãe, devido às necessidades especiais que ela tem, e em outubro completarão 69 anos de casamento. “Eles são apenas duas pessoas que se amam muito”, resumiu.


2 COMENTÁRIOS

  1. Notícias da criança estrangulada por pai pastor.
    Criança fica com graves sequelas no ES
    Evangélico matou a esposa e agrediu a filha em janeiro deste ano.
    Menina de dois anos sofreu paralisia cerebral e teve fala e visão afetadas.
    A menina de dois anos e dois meses que apanhou e foi estrangulada pelo pai, um pastor evangélico, em janeiro deste ano, ainda sofre com as sequelas causadas pela agressão. O crime aconteceu no bairro Justiça, em Anchieta, Litoral Sul do Espírito Santo. Por conta dos socos e pancadas, a pequena Manoela sofreu traumatismo craniano e paralisia cerebral, o que afetou a fala, a visão e os movimentos da menina, que depende completamente dos familiares.
    O pastor João Pontes matou a esposa, Lilian Nascimento Freitas, de 33 anos, e bateu e estrangulou a filha, no dia 3 de janeiro. Na época do crime, ele contou que agiu por ciúmes, durante uma discussão do casal. Depois do assassinato e da agressão, Pontes fugiu para o Norte do Rio de Janeiro, mas foi preso. Ele continua no Centro de Detenção Provisória de Guarapari, também no Sul do Espírito Santo.
    A criança, que tinha apenas um ano e seis meses quando sofreu nas mãos do pai, foi socorrida por um vizinho. O socorro só aconteceu dez horas após o crime. A espera afetou a oxigenação do cérebro da criança, ocasionando a paralisia cerebral. Manoela chegou a ficar cerca de um mês em coma. Atualmente, a menina se alimenta por meio de uma sonda, respira por uma cânula na traqueia e ainda faz uso de seis medicamentos.
    Antes do caso, Manoela era uma menina ativa, alegre e bastante comunicativa, conforme contam os familiares. Hoje, vendo as limitações da neta, o avô Manoel Negrini não consegue conter a tristeza. “É muito triste. Sempre choro. Ela era muito inteligente”, disse.
    Apesar de todos os problemas, a família ainda tem esperanças de ver a menina curada e correndo novamente pela casa.
    “Hoje, queria levar ela para um médico fora pra ver se alguém pode fazer algo por ela”, disse a avó Vera Lúcia Negrini. “Ela foi muito sacudida. De repente, tem uma operação. Queríamos um médico pra ajudar”, comentou a tia Cláudia Negrini. “Meu sonho é ver a Manu andando. Mas se isso não acontecer, ela vai ter todo o nosso amor”, disse o avô.
    O pastor João Pontes está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Guarapari, na Grande Vitória.
    Globo.com

  2. Nossa não se pode chamar ele de pastor ,,um pastor ele vela pelas suas ovelhas ele da a alma por elas , e esse cara aí não deu a mínima nem para família dele ,, ele não é pastor coisa nenhuma. ..

DEIXE UMA RESPOSTA