Brasil

Evangélicos questionam lei contra discriminação homossexual

Comments (21)
  1. Henrique disse:

    Os grupos cristãos estão perseguindo os homossexuais, destruindo suas vidas, e ainda reclamam quando são ameaçados de perder o “direito de discriminar” os homossexuais.

    Deveriam, antes de tudo, questionar que fé é esta que pregam, uma fé excludente, uma fé preconceituosa, uma fé dos “biologicamente perfeitos” contra os que não tiveram a sorte de nascer dentro dos padrões de perfeição impostos pela sociedade.

    Que “deus” é este que odeia e discrimina quem não se encaixa em seus padrões?

  2. LÚCIA disse:

    As Pessoas precisam entender que os pastores não estão sendo preconceituoso,sabemos que cada um tem o direito de fazer o que quizer o Próprio Deus não impôs,porém na bíblia fica claro que ele mostrou dois caminhos aserem seguidos,um de viver absolutamente, e o outro de obdecer oas mandaemntos de Deus,nós evangélicos escolhemos seguir a cristo renunciando o pecado,portanto os Pastores não pode seder a esta imposição,é o mesmo que negar o nome de Jesus.é preciso que ás pessoas entendam,não é descriminação até por que Deus ÑÃO FEZ ACEPÇÃO DE PESSOAS,ele ama o pecador,mas é nescessário que ele se arrependa e tenha uma vida transformada,as igrejas evangélicas aeita todos,na minha opinião é a igreja que não tem preconceito como outras por air,porem o Pastor tem uma postura um nome a zelar e as autoridades deveriam rspeitar isso, é lamentável!

  3. Raimunda disse:

    Bom dia!o assunto em questão é muito polemico,até porque não devemos julgar e sim ajudar esclarecendo certos assuntos principalmente quem está passando por uma transformação hormonal sabemos que adolescencia é uma fase de transição sofremos varias influencias e cada caso é um caso para ser orientado fazemos a nossa parte,de tudo o que se tem ouvido,a suma é:Teme a Deus e guarda os seus mandamentos;porque isto é o dever de todo homem.Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras,até as que estão escondidas,quer sejam boas,quer sejam más.

  4. agenor pereira mota disse:

    quanto a descriminação ou não de homoxessuais é um tema ser descutiddo em primeiro lugar iremos ver o que diz o apostolo paulo aos corintos em sua primeira carta capitulo 06 verso 09 e 10 não erreis nem os devasos, nem os adulteros,nem os efeminados, nem os sodomitas;nem os ladrões, nem os bebedos,nem os avarentos,nem os maldizentes, nem os robadores,herdarão o reino de Deus.
    a biblia fala que estes não herdarão o reino de Deus portanto todos estes serão descriminados por Deus vejamos se Deus descrimina quem somos nós para não descrimina-la se o ladrão é descriminado pela sociedade e está na mesma condição biblica ddo (efeminado)ou seja homoxessual entã air vemos distorção nesta mesma sociedade que descrimina um e acolhe o outro nisto deixamos de ser semelhança de Deus e somos adversario de sua teologia

  5. paulo disse:

    Caro amigo henrique.
    os Pastores não estão perseguindo os homosexuais,a palavra de Deus é
    bem clara no que diz respeito a criação.Deus não criou homem para ser mulher,ou vice versa.Ele não muda sua palavra.
    para Deus isto é pecado,veja em deuteronomio o que Ele diz a respeito de homem que deita com homem.
    me desculpem todos os homesexuais,podem chamar todos de preconceituosos,ou perseguidor,mais ao criador temos que admitir que
    esta pratica é contraria a criação,portanto sera alvo de julgamento.
    primeiro na terra pela sociedade,apois a morte pelos anjos do Senhor.
    Deus criou no eden.macho e femea ponto final

  6. petrafan disse:

    deixa eu ver se eu entendi:
    são os grupos homossexuais que estão tentando passar uma lei para impor uma mordaça a quem não concorda com o homossexualismo, ou são os grupos cristãos que estão tentando passar uma lei para impor uma mordaça a quem não concorda com a Bíblia?

  7. Melkes Junior disse:

    Falar sobre discriminação homossexual e não lê a bíblia é igual colocar água na gasolina no motor de moto ou carro, só dá problema, ai pior pra quem não crêr ein Deus. Ficar com cunversa de descriminação é coisa do diabo mesmo, me respondam, Deus deixou mulher pra homem e homem pra mulher, ou mulher pra mulher e homem pra homem? se fosse assim Deus não tinha feito Eva e sim Ivo..(rsrsrkskrs).. pelo amor de Deus, leis que incorporam no nosso pais feitas pelo diabo mesmo, que os homens e mulheres de Deus nos defendam naquele congresso bagunçado, se não, Deus é pode tudo, e o inimigo vai cair por terra.. gente vamo parar de criar coisas e lêr a bíblia é muito melhor. Abraço.

  8. rossi disse:

    Quando leio estas coisas sobre homossexualismo me vêm a mente a seguinte pergunta: Que direito e/ou autoridade têm os homens para revogarem as leis de Deus? Pode haver uma lei que seja superior a do Criador? Notem que Cristo resumiu toda lei no AMOR sim, mas isto não significa isenção de correção e exortação. Deus corrige porque ama. Não posso querer fazer Deus se adaptar as minhas convicções e aos meus pecados, muito pelo contrário, Cristo é Deus vindo até nós para nos elevar a Ele mesmo. Quando um pecador vinha até Cristo, se realmente assim o desejasse, nunca retornava na mesma condição, mas para isto,era necessário que quisessem esta mudança, no exemplo do jovem rico, ele não quis compromisso real com Cristo, já a samaritana optou por ouvir Jesus ao advertí-la: Vá e não peques mais. Homossexualismo é sodomia(coito anal).Deus ama o homossexual, mas abomina o homossexualismo. Se nós cristãos evangélicos, falamos sobre isto é porque também os amamos e queremos que sejam advertídos deste ledo engano, seu maior adversário, não somos nós. Vinde a Cristo como estás,independente dos motivos e razões que nos levam ao engano, mas ao conhecê-lo verás que seu poder e sua Graça te bastam, experimentarás o verdadeiro amor, o amor Agape ( de Deus) e nãoo amor carnal e imperfeito .Pensem bem: independente do que este ou aquele acha, existe uma verdade superior ( Bíblia) que não depende de achismos. A Palavra de Deus não está aí para nos condenar, mas para nos livrar da condenação…Vá e não peques mais…Respeitar os homossexuais é nosso dever, mas concordar com esta prática não é nossa obrigação. Fiquem todos na Graça e na Paz de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

  9. Carlos Roberto disse:

    A “INSTITUCIONALIZAÇÃO” DA IMORALIDADE
    O DESERVIÇO DA JUSTIÇA

    Qualquer cidadão sabe que a “JUSTIÇA” existe para ESTABELECER A ORDEM em uma sociedade, pois é ela que determina os limites no trato entre as pessoas. Mas, na verdade o que se vê, conforme matéria abaixo, é que as AUTORIDADES brasileiras querem usar a autoridade que possuem em razão do cargo que ocupam para regulamentar o ABSURDO aprovando a imoralidade da união entre pessoas do mesmo sexo. Ao invés de se preocuparem com temas e assuntos que de fato afetam e contribuem para a vida do cidadão, os SENHORES DO PODER estão sim, determinados em validar algo que empurra a estrutura familiar ladeira abaixo. Sabemos que a legalização deste relacionamento é uma ameaça velada à sociedade, pois ela viola os princípios elementares nas questões que envolvem a moral e os bons costumes. Veja o absurdo abaixo:

    PROCURADORA GERAL VAI AO SUPREMO POR UNIÃO DE PESSOAS DO MESMO SEXO
    Da Redação – 02/07/2009 – Folha de São Paulo

    O STF – Supremo Tribunal Federal – recebeu nesta quinta-feira, 02 de julho de 2009 proposta de ADPF (ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL) da procuradora-geral da República interina, Deborah Duprat, com pedido de liminar e audiência pública para o RECONHECIMENTO da união entre pessoas do mesmo sexo, com igualdade nos direitos e deveres de companheiros em uniões estáveis.

    De acordo com a procuradora – que ocupa o cargo enquanto o Senado não aprova a nomeação de Roberto Gurgel – as condições para formação de família “DEVEM SER IGUAIS” entre os indivíduos heteros e homossexuais. “Porém, ao homossexual, a mesma possibilidade – de se casar, constituir união estável, sob a proteção do Estado – é denegada, sem qualquer JUSTIFICATIVA ACEITÁVEL”, declara, na ação.

    A ação foi proposta com base em uma representação do Grupo de Trabalho de Direitos Sexuais e Reprodutivos da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Anteriormente, uma argüição sobre o mesmo tema foi proposta pelo Estado do Rio de Janeiro (ADPF 132), entretanto, essa nova ação foi oferecida por conta do parecer da AGU – Advocacia Geral da União – que restringia os efeitos somente àquele Estado.

    A tese sustentada por Deborah Duprat é a de que se deve extrair da Constituição – notadamente os princípios da dignidade da pessoa humana (art. 1º, inciso III), da igualdade (art. 5º, caput), da vedação das discriminações odiosas (art. 3º, inciso IV), da liberdade (art. 5º, caput) e da proteção à segurança jurídica – obrigatoriedade do reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar.

    Diante da inexistência de legislação infraconstitucional que regulamente a situação dos homossexuais, devem ser aplicadas analogicamente ao caso as normas que tratam da união estável entre homem e mulher.

    A PROCURADORA-GERAL afirmou também que é possível aplicar imediatamente os princípios constitucionais para a união entre pessoas do mesmo sexo e “não subsiste(?) qualquer argumento razoável para negar aos homossexuais o direito ao pleno reconhecimento das relações afetivas estáveis que mantêm, com todas as conseqüências jurídicas disso decorrentes”.

    Nota-se que a decisão é equivocada, tendenciosa e sem qualquer fundamento legal para sustentá-la. Assim, por não encontrar amparo legal e respaldo na lei os SENHORES MAGISTRADOS abrem um brecha vergonhosa na Constituição Federal para fundamentarem seus argumentos com a evidente intenção de formalizar o erro. Ora, qualquer um sabe que este tipo de união é imoral, irracional, inconseqüente que fere os princípios éticos da formação familiar. É lamentável ver as nossas autoridades trabalhando para ajudar a corromper os bons costumes da sociedade de maneira leviana e infundada, com argumentos vazios e questionáveis sob todos os aspectos. Foi uma posição inconseqüente e irresponsável. As leis estabelecidas pelo criador, Deus, foram ignoradas, desprezadas e maculadas por homens que se sentiram no direito de estabelecerem novas leis e modalidades à margem daquilo que foi estabelecido nas Escrituras. É o homem se fazendo de deus para tentar corrigir os seus próprios erros e desvios de conduta moral e psicológica. São as separações perigosas que estão sendo levadas a efeito dando a grupos sociais direitos que violam o próprio direito quando impõe de forma unilateral a aceitação de comportamentos distorcidos e que conspiram contra a sociedade e a estrutura familiar.

    Percebe-se que os valores que solidificam uma sociedade saudável estabelecida sobre o respeito e a moral não fazem mais sentido para quem detém o poder já que nas suas posições e decisões eles preferem legalizar o erro a ter que combatê-lo com atitudes que possam voltar a locomotiva da sociedade aos trilhos certos. É intrigante ver que não há nenhum cuidado por parte dos senhores do poder no sentido de preservar a ordem lógica estabelecida desde a fundação do mundo onde um casal se dá pela união entre macho e fêmea, homem e mulher, entre o masculino e o feminino. É, no mínimo, falta de I N T E L I G Ê N C I A para não dizer outra coisa em decisões desta natureza. É obvio que não há uma segunda opção na estrutura de uma família, o que há são interesses e mentes distorcidas que querem, a qualquer custo, legalizar as suas vontades, independente de serem ou não atos que atentam contra a moral. É a justiça achando que está fazendo justiça a seu modo de um lado, mas praticando a injustiça absoluta de outro, obrigando a sociedade a conviver com a imoralidade sem poder se manifestar. Que justiça é esta onde a maioria é obrigada a se sujeitar aos caprichos de uma minoria? Que tipo de justiça é esta que prefere fortalecer a imoralidade ao invés de combatê-la? Será que a justiça da imposição é democrática? Será que a justiça produzida pela força é construtiva? Será que este é o caminho para resolvermos os problemas da sociedade? Não, absolutamente não é! Ao invés de combater o erro, as autoridades preferem adubá-la com os insumos da imoralidade fomentando com suas decisões, praticas delituosas que atentam contra os princípios elementares da moral e da boa conduta.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    crms2casa@otmail.com

  10. Carlos Roberto disse:

    Ipatinga, 22 de março de 2008 de março de 2008

    À Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados

    Presidente
    Deputado Pompeu de Matos

    Prezados Senhores,

    Gostaria que não houvesse qualquer indício de verdade na matéria publicada na revista semanal “VEJA”, Edição 2050, de 05 de março de 2008 – Página 40, na coluna “HOLOFOTE” do jornalista Fábio Portela com o título “MUDANÇA DE SEXO NO SUS”, no entanto, pelas colocações feitas nas poucas linhas parece que não se trata apenas de uma matéria, mas de algo consumado por esta pasta.

    Como cidadão, lamento profundamente que uma pessoa responsável por um dos mais importantes Ministérios do governo Lula tenha tomado partido e se mostrado favorável a algo tão deprimente e tão sujo, no caso a cirurgia para “troca”(?) de sexo entre homens e mulheres.

    Grifei a palavra “troca”, pois até onde sei, a mudança de sexo, seja por que método for, é IMPOSSÍVEL, IMPOSSÍVEL. Pode-se mudar a aparência dos órgãos genitais dando formatos masculinos ou femininos, no entanto, o sexo na sua origem é imutável, pois já na fecundação do óvulo ele é definido. Sexo não se muda, muda-se o estereotipo, muda-se a estrutura física externa, nunca a originalidade daquilo que foi concebido no interior do útero materno. A mudança da anatomia externa, esta sim, pelos avanços(?) da ciência, se tornando possíveis e até desafiadoras para alguns profissionais com ideais poucos nobres e sem qualquer justificativa cientifica ou biológica.

    O que a ciência consegue, por intervenção cirúrgica, é alterar por mutilação a forma física da pessoa, mas jamais conseguirá mudar aquilo que se tornou origem numa relação entre um ser macho e outro fêmea. O órgão genital masculino continuará na sua concepção sendo pênis, mesmo após uma cirurgia e o órgão sexual feminino continuará sendo vagina. O pressuposto homem não terá orgasmos e nem tão pouco a pressuposta mulher terá ejaculação. Assim, não cabe qualquer afirmativa, seja de quem for, de que o sexo se muda com uma simples intervenção cirúrgica, por melhor que seja o profissional. As mazelas de uma sociedade corrompida não podem ser resolvidas por intervenções cirúrgicas, por bisturis, ou seja por que método for, portanto me parece impróprio ver alguém revestido de autoridade pelo cargo que ocupa, afirmar que o nosso Sistema Único de Saúde irá “pai-trocinar” tamanho descalabro com a moral e os bons costumes. A palavra não está errada, pois bancar os custos de uma intervenção cirúrgica para atender aos caprichos de pessoas desequilibradas nas suas emoções é no mínimo um patrocínio do descalabro e da falta de respeito aos que verdadeiramente sustentam o nosso Brasil com as mais altas taxas de impostos do mundo. A fantasia estará sendo institucionalizada de forma unilateral, sem que a população possa opinar sobre onde e como deverá ser gasto os recursos dos impostos arrecadados de forma tão pesada sobre aquilo que consumimos.

    Qual seria o “CID” indicado para que um paciente se submeta a uma intervenção cirúrgica desta natureza? Qual a patologia clínica diagnosticada para se justificar algo desta natureza? Seria a troca do identificador sexual de uma pessoa justificativa para investimentos de tamanha grandeza? Como afirmei acima “sexo não se troca” e “não se muda”.

    O argumento de que os “Direitos Humanos” precisam ser respeitados não faz o mínimo sentido no caso dos “TRANSEXUAIS” e nem as cirurgias por estes reivindicadas para torná-los homens ou mulheres nas suas aparências físicas. Direitos Humanos deve ser tratado como RESPEITO Á VIDA e não a pirraça de grupos específicos que buscam violar a estrutura física do corpo apenas por caprichos psicológicos não resolvidos. Não podemos confundir Direitos Humanos com desejos exacerbados de pessoas em verem resolvidas as suas dificuldades pessoais, e mais, Direitos Humanos na sua extensão e na sua profundidade não comportam coisas como a mutilação do corpo em benefício do ego e das frustrações emocionais seja do homem ou da mulher.

    Que opta por um caminho contrário ao de uma sociedade civilizada e estruturada nos seus conceitos deve saber que há um preço muito alto a ser pago e não será a população contribuinte e sustentadora do País com seus impostos que irá arcar com os custos de desequilíbrios emocionais. A RAZÃO está sendo menosprezada, colocada a margem dos princípios lógicos da existência em detrimento de grupos que querem a qualquer custo verem os seus anseios resolvidos. Mudar a aparência dando aos órgãos genitais aparências diferentes das concebidas na geração no interior de uma mulher é mutilar de forma anacrônica o direito e o desejo que esta teve ao conceber e ter aquele filho desejado no seu intimo. Antes do direito o ser humano tem deveres expressos a serem observados e o principal deles é preservar o seu próprio corpo na sua estrutura original.

    Tenho medo de que depois de tudo isto o Ministério da Saúde vá patrocinar, via SUS, uma pesquisa científica para estudar o sexo dos anjos. Afinal, parace que todos os absurdos são possíveis neste nosso Brasil. Queremos confiar no sistema, mas é preciso mais seriedade no trato com a coisa pública, do contrário o nosso SUS, que foi criado para atender aos problemas de saúde, irá se transformar numa clínica de estética e de correção corporal.

    Parece, ao que tudo indica, ser mais fácil “trocar(?)” o sexo do que combater o problema com ações e atitudes eficazes que busquem valorizar o ser humano na sua essência. Parece mais rentável destruir um corpo gerado sob um sexo definido do que dar a este corpo a oportunidade de vencer as suas frustrações e os seus devaneios psicológicos. As mazelas de um problema desta natureza não podem ser tratadas com a medicina convencional, é preciso postura e coragem para romper com a comodidade e com os princípios de moralidade criados por uma sociedade pervertida e frustrada nas suas intenções.

    Não podemos fazer como o avestruz, que quando perseguida por seus captores, enterra a cabeça na areia achando que com esta atitude vai se ver livre dos problemas e das ameaças que a rodeiam. Somos seres humanos e não podemos enterrar a cabeça para os problemas éticos, morais e sociais que afligem o nosso povo e não será, portanto, com incisões físicas no corpo de um cidadão mudando a sua “aparência” que conseguiremos fazer deste nosso Brasil um país de primeiro mundo. O nosso povo quer mais que homens se transformando(?) em mulheres ou de mulheres se transformando em homens. Queremos cidadãos com propósitos e com princípios de moral, de respeito, da ética e principalmente da fé num Deus que concebeu a todos, machos e fêmeas, para o louvor da sua glória.

    A imutabilidade constituída na criação, fundamentada como base para a reprodução do seres vivos, inclusive o homem, está sendo violada de forma acintosa por profissionais formados sob o juramento de promoverem o bem estar do ser humano. A saúde como bem maior está sendo ignorada e ultrajada sob a égide de se atender a uma classe “discriminada” pela sociedade por ter feito uma opção sexual não convencional, onde as origens são colocadas de lado e os desejos da carne se contrapõem com as necessidades da alma e do espírito.

    Senhor Ministro, o SUS não pode ser usado para atender a caprichos de pessoas desequilibradas nas suas emoções, não pode servir também de refúgio para a realização de prazeres ou de vontades mal resolvidas. Lamento profundamente que os miseráveis, os pobres que povoam os lixões de nossas cidades, os favelados e outros menos favorecidos não recebam das autoridades o mesmo tratamento que os “transexuais” estão recebendo, já que muitos, por falta de atenção estão morrendo à margem de uma sociedade corrompida por princípios duvidosos.

    Outra coisa que me recuso a acreditar é que profissionais sejam obrigados a tratar o seu pseudopaciente pelo nome de “guerra” e não pelo nome constante nos documentos emitidos pelas autoridades competentes de nosso País. É inconcebível que isto esteja sendo previsto nas mudanças planejadas por este Ministério; é assombroso submeter um profissional ao ridículo extremo apenas para satisfazer os desejos de pessoas frustradas e doentes nas suas emoções. Entendo que agindo assim o governo dá carta branca para que a orgia e a imoralidade se instalem de forma legal, amparada por leis coercitivas que visam apenas oprimir a sociedade estruturada conduzindo-a a uma subserviência cruel e perigosa.

    O sistema de saúde publica no Brasil esta à beira do caos, e o colapso é apenas uma questão de tempo, disto todos nós temos certeza. É preciso acordar para esta realidade do contrário nos veremos diante de um quadro onde só os ricos e afortunados terão acesso ao tratamento de saúde que precisarem.

    Senhor Ministro, como cidadão expresso a minha indignação e o meu repúdio com relação às intenções expressas na matéria do citado órgão de imprensa e espero obter deste Ministério respostas convincentes para as minhas indagações que possam elucidar as minhas dúvidas.

    Atenciosamente,

    Carlos Roberto
    crms2casa@hotmail.com

  11. Regina Coeli disse:

    Foi dito que:

    “Na mesma linha, os pastores evangélicos ligados ao conselho lembraram que outros grupos também sofrem discriminação – como a mulher, o idoso, o negro, o nordestino, o divorciado, o casal que não tem filhos, os evangélicos, os religiosos africanos, os católicos, os judeus, etc. – e para eles não existe lei semelhante. Isso ofenderia o próprio princípio constitucional da igualdade entre os cidadãos.”

    Existe lei sim para quem sofre discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. No caso da mulher há outra lei que diz que homens e mulheres são iguais perante à Lei. Mas não existe Lei que pune a discriminação contra a homofobia.

    Eu acho que uma boa parte dos evangélicos (não generalizo porque existem evangélicos, assim como em todas as religiões, que não são submissos ao que o pastor diz e sim, têm opiniões formadas próprias), por serem, tão religiosos como dizem, não deveriam estar julgando. O único que pode jugar é Ele – Deus. Não aceitam a forma de como os homossexuais são? Estão no direito, mas daí a julgar, ficar apontando o dedo não só para os homossexuais, mas como para outras religiões, forma de como cada um se veste, etc e tal… Cada um sabe de si e terá seu julgamento no juízo final que será feito por Ele. As religiões deveriam promover o amor, a paz e não a discriminação.

  12. Regina Coeli disse:

    O único onipotente (que tem poder ilimitado; Todo-poderoso), onisciente (que sabe tudo) e onipresente (presente em toda parte) é Deus.
    Multipliquem as palavras de amor e não as guerra e ódio contra o próximo. As grandes guerras foi justamente por causa discriminção racial ou religiosa.

  13. walber disse:

    genti olha os evangelicos nao descrimina ninguen sabe e qui acontessi e qui as pessoas qui realmenti querem chegar em outro lugar qui e o cel e so ler a biblia sem preguissa i gual muitos tem vai ver que isto e proibido por Deus agora nos evangelicos segundo a biblia aceitar tal coisa estariamos altomaticamenti negando nosso Deus e isto infelismenti podem me matar mas eu nao irei fazer nao chau

  14. Edson Gomes disse:

    Isso é para os evangélicos ou os que se dizem cristão aprenderem a ler mais a bíblia em vez de gastar o tempo em novelas. Pensando que o mundo “gosta” de crente. Inclusive deixando de lado as palavras de Jesus que disse: Não ameis o mundo, nem o que nele há. São Paulo disse: Não vos conformeis com esse mundo.
    Sabemos que o mundo jaz no maligno!!!
    Agora ficam os crentes correndo atrás de riqueza, igual aos ímpios, leia S Lc 21:34, esquecendo que buscar o reino de Deus, que é justiça, paz e poder do Espírito Santo.
    Hoje em dia, os crentes não se diferem muito dos ímpios não. Sinceramente ! Por fora sim, mas por dentro, estão buscando as mesmas coisas.
    Abram os olhos !!!!!!! OREM LEIAM A BÍBLIA E AMEM UNS AOS OUTROS, EM NOME DE JESUS!!!
    A orientação é buscar primeiro o reino de Deus e sua justiça, as outras coisas serão dadas pelo Senhor. Mas estão invertendo essa palavra e ficando mais na carne que no espírito.

  15. Edson Gomes disse:

    Tudo está sendo preparado para o governo do anticristo.
    Lembram que pegaram Daniel nas coisas do seu Deus.
    Os pricípios eternos incomodam a Satanás, que se disfarça de filosofia, de certos aspectos culturais, de n coisas, sempre contrários à santidade divina.
    Quando fazia faculdade, falar do nome de Jesus era uma blasfêmia. Agora vejam os senhores o tamanho da hiprocrisia: Falam tanto de amor ao próximo, saem nas ruas pedindo paz, mas odeiam a Jesus. É mole???
    Ou seja, o reino só é visível aos que nascem de novo. S. Jo 3:6
    Agora temos de mostrar essa luz, esse equilíbrio, esse amor de Cristo ao mundo, pedindo ao pai, discernimento e sabedoria e orar uns pelos outros pois a guerra está aí.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *