Pesquisa constata que frequentar a igreja freia impulso de adolescentes por pornografia

3

Um estudo recente sobre consumo de pornografia na fase da adolescência descobriu que o hábito de frequentar cultos em igrejas cristãs pode reduzir a compulsão por vídeos e fotos com sexo explícito.

O relatório da pesquisa foi publicado no Journal of Adolescence e apontou que fazer parte de uma comunidade de fé reduz a compulsão por pornografia em meninos e meninas, de forma significativa.

De acordo com informações do Christian Today, o documento afirma que “o consumo de pornografia é menor quando há participação religiosa, especialmente entre os meninos”, além de destacar que “a participação religiosa também interfere na idade com que se consome pornografia”.

De acordo com os dados colhidos no estudo, constatou-se que o consumo de pornografia geralmente cresce entre a adolescência e a juventude adulta, e que “a imersão em uma comunidade religiosa pode ajudar a enfraquecer estes aumentos”.


O principal responsável pela pesquisa publicou um artigo sobre o trabalho no LifeSiteNews, e disse que foi possível chegar à conclusão que a religião tem relevância nessas fases da vida: “Podemos ver que a prática religiosa é um fator na formação da trajetória de consumo de pornografia entre os adolescentes. Alguns podem ver isso como uma reivindicação do papel da religião, na medida em que ela pode moldar o comportamento dos jovens de uma forma positiva”, disse Kyler Rasmussen, da Universidade de Calgary.

Alex Bierman, coautor da pesquisa e professor de sociologia na Universidade de Calgary, apontou explicações possíveis sobre o motivo pelo qual jovens e adolescentes que frequentam igrejas tendem a assistir menos materiais pornográficos: “As pessoas de comunidades religiosas sabem que existem padrões de comportamento esperados. Pode ser pela noção de um ser divino que zela por eles e também pelo componente de apoio social, dentro de uma comunidade moral”, avaliou.


3 COMENTÁRIOS

  1. Pastor é preso após tentativa de assalto e estupro no interior de MG – notícia do dia 19/07/16
    Fábio Martins Rocha, conhecido como Bin, abordou a vítima quando ela deixava o seu local de trabalho.
    Um homem de 30 anos foi preso na noite desta terça-feira (18) após tentar assaltar e estuprar uma jovem em Patos de Minas, interior de Minas Gerais. Fábio Martins Rocha, conhecido como Bin, abordou a vítima quando ela deixava o seu local de trabalho.
    De acordo com informações da Polícia Militar, o acusado se aproximou da vítima usando um blusão e de cabeça baixa anunciando o assalto: “Passa o dinheiro e fica calada que é melhor pra você”, teria dito o acusado. A jovem disse que não havia dinheiro local, e foi neste momento que ele empurrou a vítima para dentro do vestuário da loja e passou a mão nos seios dela.

    Ao perceber que seria estuprada, a jovem disse ao criminoso para levar tudo da loja, mas de nada adiantou. Ele continuou com as mãos nos seios dela e começou a abaixar a calça. Foi neste momento que a vítima conseguiu se livrar das mãos dele, após começar a gritar. Clientes de um bar ao lado ouviu os gritos e correram até o local e conseguiram imobilizar o criminoso que já se preparava para fugir de moto.
    O autor já possui diversas passagens pela polícia, mas nos últimos meses não havia se envolvido em nenhum crime. Segundo relatos, ele estaria atuando como pastor evangélico, fazendo até trabalhos de evangelização no presídio da cidade. Ele disse aos policiais que precisava do dinheiro para fazer uso de drogas.

    Fonte: 1news.com.br

  2. …infelizmente o inimigo é mesmo muito “astuto” & maquiavélico…primeiro êle lançou a idéia do “NÃO TEM NADA A VER”,então foi entrando devagar”devagarinho”,ai quando o mundo entrou na igreja ,Deus saiu…agora está tudo dominado(digo contaminado) ,e pouca distinção há entre fora e dentro da igreja (digo mundo) !!!

    a”droga” não é o problema ,MAS UMA BUSCA DE FUGA DO PROBLEMA REAL (moral/educação familiar infantil)…ai ficam buscando soluções (digo Deus) aqui e ali ,nisso ou naquilo !!!

DEIXE UMA RESPOSTA