Ativistas gays movem processo internacional contra pastor que pregou que homossexualidade é pecado

19

Um grupo ativista LGBT moveu um processo internacional contra um pastor que reconhecidamente prega contra a homossexualidade, acusando-o de cometer “crimes contra a humanidade”.

O pastor Scott Lively, do estado de Massachusetts, viajou anos atrás a Uganda, onde fez palestras e reiterou a visão bíblica a respeito da homossexualidade, expressando seu apoio a pastores do país que lutam pelo direito de pregar sobre isso sem censura.

A entidade Minorias Sexuais de Uganda (“SMUG”, na sigla em inglês) agora está movendo um processo contra o pastor Scott, sob a alegação que ele violou a legislação internacional pois, supostamente, suas palavras “encorajaram a perseguição do governo contra os homossexuais no país.

Segundo informações do Christian News, uma organização de proteção das liberdades religiosas nacionalmente reconhecida nos Estados Unidos já se posicionou na defesa do pastor Scott Lively, e está tentando derrubar a ação judicial internacional movida pelos ativistas.


“Isso é ridículo […] Eu nunca fiz nada em Uganda, exceto pregar o Evangelho e falar da minha opinião sobre a questão homossexual”, afirmou o pastor. O mecanismo judicial que permitiu a ação da SMUG contra Scott foi o Estatuto Tort (ATS), que permite que indivíduos de nações estrangeiras apresentem queixas federais contra cidadãos norte-americanos que tenham cometido crimes no exterior.

Em Uganda, políticos ultraconservadores atuavam para criminalizar a prática homossexual à época das pregações de Scott Lively, e sofreram intensas pressões internacionais para desistir de aprovar o projeto de lei, mas foram incentivados por grupos religiosos a criar uma legislação que protegesse a moralidade pessoal e social.

O ponto mais criticado da lei estabelecia pena de prisão perpétua para quem fosse considerado praticante de “homossexualidade agravada”, ou seja, aqueles que intencionalmente espalhassem o vírus HIV, praticassem pedofilia homossexual ou repetidamente fossem flagrados em atos sexuais com pessoas do mesmo sexo.

A lei, aprovada pelo Parlamento e sancionada pelo presidente Yoweri Museveni, foi posteriormente derrubada pelo Tribunal Constitucional da Uganda.

“A ação é uma tentativa de silenciar o Pastor Scott Lively por causa de seu discurso sobre a homossexualidade e pornografia. As implicações desta ação são assustadoras, porque a SMUG está tentando punir um cidadão dos Estados Unidos por causa de um discurso constitucionalmente protegido sob o um direito internacional, vago e indefinido […] Desde o início, este caso não tinha mérito, mas nós tivemos que passar quatro anos e incontáveis horas defendendo um pastor inocente contra uma ação concebida apenas para intimidar […] Este caso é um ataque direto contra a supremacia da Constituição dos Estados Unidos”, comentou o presidente do Liberty Counsel.

O processo contra o pastor pode estar perto de um desfecho, porque na última semana seus advogados fizeram um pedido de julgamento sumário, na tentativa de derrubar a ação judicial do grupo LGBT. “Lively especificamente contestou a tentativas da Uganda em promulgar leis que eram, em sua opinião, abominavelmente duras”, informou um documento oficial, apresentado pela entidade Liberty Counsel, argumentando contra a ação judicial dos ativistas gays. “Portanto, nada no registro fornece qualquer evidência objetiva, imediata, de que Lively tenha estimulado a violência contra ugandenses LGBT”, concluiu.

19 COMENTÁRIOS

  1. Vou pegar no wikia o que diz sobre o assunto:
    A homossexualidade em Uganda possui status ilegal, sendo que os cidadãos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) do país não possuem quaisquer proteção contra discriminações e agressões físicas e/ou verbal, como previsto na legislação. O número de cidadãos assumidamente LGBT no país é de, aproximadamente 500 000 pessoas.[1]

    A atividade homossexual, tanto masculina quanto feminina, é ilegal no país. Cidadãos LGBT que praticam a homossexualidade são tidos como criminosos, de acordo com os termos do Código Penal de Uganda, que descreve o “conhecimento carnal com outra pessoa do mesmo sexo é contra a ordem da natureza”. A homossexualidade é altamente criminalizada e, no caso da homossexualidade masculina, a punição chega a uma pena de prisão perpétua.
    Agora a pergunta. Necessita mesmo de um pastor dos EUA pra dizer que e errado? As pessoas são mortas e presas lá por causa disso… O que um pastor tem que fazer lá pra colocar mais lenha na folgueira? Putz… Quanta inutilidade… melhor se tivesse em seus sermões fala-se do amor, sobre a salvação. Ta mais que certo os ativistas terem ido contra. Já basta o governo da Umbanda ser homofóbico, e ai chega um pastor pra inflamar mais as coisas, tenha dó… vamos ter juízo povo de Deus… Depois uma pessoa morre ou e presa pelo resto da vida por causa de um discurso inflamado de um pastor idiota, lavar as mãos depois não vai adiantar.

      • muito pelo contrario meu caro. os evangelicos na verdade sao os unicos que tem amor no caraçao por vcs perturbado, vc defende a atitude gay, por que certamente vc é um boiola… quer ir pro inferno com todos os gays vai, mais não defenda o que Deus condena. seu otário.

      • Idiota:

        Muitos evangélicos são ex-homossexuais e nunca intentariam contra a vida de um pecador que teve a mesma carga que eles, os evangélicos, tiveram em suas costas. O povo de minha família nunca trabalharia numa política para extermínio dos LGBTS.

  2. LIBERDADE RELIGIOSA DENTRO DA IGREJA. O estado é laico mas não é laicista e temos, dentro de nosso país, inúmeras denominações religiosas: angolanas, luteranas, messiânicas, católica, espírita, afro. Agora, se o pastor estivesse pregando em pça pública, com certeza estaria passivo de punição mas, dentro do templo, ele tem que fazer o que manda a biblia e o Estado não tem que dar pitaco em absolutamente nada.

  3. Esse grupo LGBT, ao dizer que Pastor prega contra crime da humanidade, só pode ser ideias de quem é realmente insano que são distúrbios, pois os homossexuais tem distúrbios quando andam desmunhecando e rebolando porque são desse grupo isso é um distúrbio psicológico e psicanalítico de quem pratica a ordem sexual contrário a natureza e são ordenados por entidade meta-humana. Quem deveria registrar queixa em Tribunal Internacional contra a humanidade seria os Pastores e Evangélicos em geral bem como a própria ONU, pois um homem e outro homem não geram filhos bem como uma mulher e outra mulher não geram filhos, isso significa que se fossem abraças a ideologia gay de que é orgulho ser gay etc., estaríamos ordenando o fim da humanidade, isso que é crime contra a humanidade.

    • E os evanjegues ?
      Não tem disturbios ??

      Fim da Humanidade
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      vcs são patéticos mesmo.
      Gays sempre existiram, e a população não para de crescer no mundo.

    • WALDIR RABELLO

      Se condenar gays é homofobia e crime, a Bíblia é homofóbica e além disso incita à prática de homicídio, pois diz “Se o homem se deita com outro, como se fosse mulher, ambos cometeram pecado abominável e certamente morrerão”.
      Isso não é texto meu, é do Levítico…
      Quem tem coragem de proibir a Bíblia?
      Ou pelo menos de modificá-la e retirar as partes “criminosas”?
      Ninguém, isso jogaria o país numa guerra civil…

  4. Não se enganem, o que o homem plantar, vai colher. Ninguem vai mudar os valores de Deus pra seus seguidores, e as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja. Aliás, nós vamos invadir esses redutos de demonios, e libertar os escravos do capêta!
    É DESSE JEITO!

  5. hoje só quem pode falar, é os gay's, e o cidadão, fica tolhido em seus direitos de se expressar, e eu pensava que na Uganda não existia homossexuais! essa epidemia se alastrou mundo afora. seres abominaveis para Deus!

  6. JESUS CRISTO ESTÁ VOLTANDO E EU FAÇO UM PEDIDO A TODOS OS QUE SEGUEM JESUS FIELMENTE PERSEVEREM ATÉ O FIM, POIS A NOSSA MORADA NÃO É AQUI MAS NAS MANSÕES CELESTIAIS.

  7. o que esses homosexuais querem, é que não se pregue a palavra de DEUS? nós vamos continuar pregando em todos os locais , tvs , porque a palavra de DEUS , é viva e eficaz , e o inferno não prevalecerá contra ela , nem tampouco a gayzada.

  8. Processo é pouco. Ele precisa ir para a cadeia. Pregar o ódio contra Gays é o mesmo que pregar a favor da escravidão de negros, do espancamento de mulheres e do esquartejamento de crianças. A biblia manda fazer tudo isso. A justiça precisa encarcerar esses bandidos que incentivam a morte de milhões de pessoas inocentes.

DEIXE UMA RESPOSTA