Grupo ativista Anonymous prepara protestos durante a visita do papa Francisco contra corrupção e gastos públicos na Jornada Mundial da Juventude

7

A visita do papa Francisco ao Rio de Janeiro durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) será acompanhada de protestos que o grupo ativista Anonymous está agendando através do Facebook.

Os protestos serão divididos em dois dias, e usarão a figura papal para atrair a atenção às manifestações. Nesta segunda-feira, 22 de julho, a concentração dos ativistas será feita no Largo do Machado, às 18h00.

Na sexta-feira, o segundo protesto será chamado de “Grande Ato papa, veja como somos tratados”, e acontecerá na praia de Copacabana. O local será palco de uma concentração de dois milhões de fiéis que participam da JMJ. Os ativistas agendaram o encontro para às 17h00, na estação do metrô Cardeal Arcoverde.

“Não se trata de um protesto contra o papa nem a Igreja Católica […] A ideia é aproveitar a presença do papa, de seus turistas e da mídia global durante a celebração em Copacabana. Será mais um grito contra a corrupção e por serviços públicos mais dignos. Mas esse evento não é restrito a temas, cada um pode ter seu próprio pedido […] seja lá qual for a sua ideologia de pensamento”, esclarece o Anonymous, segundo informações do site do jornal O Estado de S. Paulo.


Os protestos do Anonymous, no entanto, começaram bem antes da concentração agendada para hoje. No Twitter, perfil do G1, portal de notícias da TV Globo, foi invadido por hackers ligados ao movimento e as publicações ligadas aos temas veiculados no site foram substituídos por mensagens de incentivo aos protestos e de repúdio à maior emissora do Brasil: “O que é seu está guardado, Rede Globo”, dizia um dos tweets.

twitter g1 hackeado

Apesar de os protestos não serem direcionados à figura de Francisco ou à denominação romana, o Estadão ressaltou em sua reportagem que o Anonymous é contra os gastos públicos na realização do evento religioso.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

7 COMENTÁRIOS

  1. sendo pacifico cxertamente os católicos vão até ajudar..pois a corrupção é muito grande…até o papa vai ajudar pois todos vão ver como é na verdade o Brasil

  2. RAUL SEIXAS EM MÚSICA INÉDITA QUESTIONA A IGREJA “EM QUEM EVA MAMOU??” BEM LEGAL !!! ASSISTA E COMPARTILHE !!!


    Assine o Canal
  3. A segurança do papa é obrigação do governo,pois ele é um estadista e os católicos pagam impostos para isso e nesses dias essa segurança não será apenas para o pontífici mas também para toda a população que o espera passar nas ruas.Quanto a jantares e almoços não tem nada haver o governo do Rio de Janeiro teria que ser proibido de fazer isso, pois isso é obrigação da igreja católica,mas é bom saber que o papa dispensou essas coisas,porém não devemos esqucer que essa visita do papa ao Brasil vai gerar lucro de tudo oque foi gasto( ao quadrado )em impostos, e aí eu quero sabber oquê o governo vai fazer com esse dinheiro já que é o governo o único que tem direito de arrecadar impostos nesse país.

    • Eu não faço parte de religião alguma, entrentanto, concordo em partes, mas não há isonomia no tratamento do Estado com os representantes de outras religiões. Assim, o Estado não deveria, de maneira alguma gastar quase 300 milhões de reais com um líder religioso somente, pois os protestantes, espiritas e membros de outras religiões, também pagam todos os seus tributos e não tem os mesmos privilégios que obtivera pelos séculos as autoridades da Igreja Católica.

  4. Eu não faço parte de religião alguma, entrentanto, concordo em partes, mas não há isonomia no tratamento do Estado com os representantes de outras religiões. Assim, o Estado não deveria, de maneira alguma gastar quase 300 milhões de reais com um líder religioso somente, pois os protestantes, espiritas e membros de outras religiões, também pagam todos os seus tributos e não tem os mesmos privilégios que obtivera pelos séculos as autoridades da Igreja Católica.

DEIXE UMA RESPOSTA