Juíza excluiu nome de bispo anglicano de um relatório sobre pedofilia porque ela “amava a Igreja”

7

Em meio às fortes declarações do papa Francisco sobre a necessidade de se combater a pedofilia na Igreja Católica, um escândalo semelhante aos enfrentados pelo Vaticano assola a Igreja Anglicana na Inglaterra.

O jornal Times de Londres publicou, entre outras denúncias de pedofilia, uma que envolveria um integrante do alto escalão clerical da Igreja Anglicana. A denúncia respinga ainda sobre uma magistrada aposentada, que teria omitido a participação do bispo de forma proposital.

As acusações foram feitas contra a baronesa Elizabeth Butler-Sloss, 73 anos, juíza atualmente aposentada, mas que até 2004 integrava o mais alto grau da magistratura britânica. Segundo o Times, a baronesa concluiu uma investigação sobre pedofilia na Igreja Anglicana, mas decidiu não incluir o nome do bispo no caso porque ela “amava a Igreja”.

A denúncia pipocou na imprensa inglesa e foi até reproduzida pelo jornal italiano La Reppublica, um dos que mais tem dado espaço aos casos de pedofilia no meio cristão.


Na matéria veiculada pelo jornal inglês, a baronesa teria confessado em 2011 a duas vítimas de pedofilia que sabia do envolvimento do bispo, mas que para preservar a Igreja Anglicana, não o incluiria no relatório final, pois “os jornais gostariam de ver um bispo exposto publicamente”.

Combate aos abusos

Numa entrevista recente, o papa Francisco falou dos casos de pedofilia dentro de sua denominação  e afirmou que aproximadamente 2% do clero católico pratica abusos sexuais contra crianças.

Com um contingente de mais de 414 mil sacerdotes, os pedófilos na Igreja seriam de aproximadamente 8 mil homens, distribuídos entre padres, bispos e cardeais.

Na ocasião, Francisco prometeu agir com rigor contra os pedófilos, e afirmou que o número de clérigos com informações a respeito da pedofilia dentro da Igreja Católica é ainda maior que os 2% envolvidos diretamente.

A Igreja Católica é a principal acusada de omitir os casos de pedofilia entre seus representantes, mas os escândalos atingem outras denominações cristãs, como nas denúncias feitas acima contra a Igreja Anglicana.

7 COMENTÁRIOS

  1. Apenas, para ver se podemos abrir a mente dos incautos, pelo menos levantar uma duvida sobre as heresias que aqui, pregam e satanizam a obra de deus, no intuito de reforçar a fé daqueles, que uma vez iluminados , se tornaram participantes, do ESPIRITO SANTO, E SENTIRAM AS COISAS QUE PROVEM DO CÉU. Posto para ajudar os perdidos stardust e sua legião que orbita em volta da estrela caída, nunca é tarde.
    Há quem já estudou a Teologia Bíblica, e como resultado, deixou de Pagar o Dízimo em sua Comum (Congregação/Igreja local). Alguns, chegaram até a desestimular a prática do Dízimo na vida daqueles que fielmente dizimam; até escreveram artigos ou livros (opúsculos) para DEFENDER O NÃO PAGAMENTO DO DÍZIMO. O resulto: confusão, dor de cabeça para pastores, avareza (que é um tipo terrível de idolatria) estimulada, etc. Portanto, como se Deve Defender a Legítima Prática do Dízimo? Visto que tais proponentes tem dito que o Dízimo foi ABOLIDO como obra da Lei de Moisés? Bem, vamos então desconstruir tal argumento usando a mesma Teologia Bíblica mal interpretada por estes.

    Em primeiro lugar, o argumento usado pelos Apologistas (defensores do não-pagamento do Dízimo) é legítimo até certo ponto: eles dizem que o Dízimo foi instituído como Lei por Deus através de Moisés sobre o Povo de Israel, portanto, para o judeu circuncidado e membro do antigo pacto feito no Sinai, o pagamento do Dízimo era compulsório e obrigatório sob pena de castigo e maldição, como está bem claro em Malaquias três (Último livro do Antigo Pacto)… Estes mesmos proponentes, afirmam também com exatidão que nem Jesus e nem seus Apóstolos em Todo o Novo Testamento obrigou e obriga a Igreja (os cristãos) a pagarem o Dízimo. Outrossim, citam vários textos do Novo Pacto para dizer que a Lei, e muitas coisas relacionadas a ela: como o Dízimo, os sacerdotes, os levitas, o templo físico de Jerusalém, as festas e os dias judaicos. Foram abolidos (cancelados/cumpridos) em Cristo Jesus… E, continuam em suas conclusões: todo este “blá, blá, blá” dos pastores quanto ao pagamento do Dízimo é infundado e desnecessário.

    Em segundo lugar, há muitos escândalos hoje nas Igrejas, no que diz respeito à administração das suas finanças, no qual têm entristecido e desanimado muitos cristãos quanto à continuidade da prática do Dízimo e até das Ofertas em geral.

    E aí? O que devemos fazer? Como reagir a esta situação? Pagar ou não Pagar? Ofertar ou não ofertar? Bem, não se pode Negar que o próprio Jesus e seus Apóstolos eram sustentados por DOAÇÕES, ou seja, eles recebiam ofertas dos que iam entrando no Reino de Deus (Lucas 8.2,3; João12.6; 1Coríntios 9.9-12)… Por outro lado, tanto Jesus e seus Apóstolos nasceram, cresceram e viveram dentro da cultura judaica (no Judaísmo: a religião dos judeus). E isto significa que desde pequenos, eles já haviam aprendido o hábito e a CULTURA do dizimar e de oferta (em forma de sacrifícios) na Casa de Deus: o templo de Jerusalém. Pergunto? Se Jesus sabia que o Dízimo, por exemplo, seria alguns dias mais tarde abolido com sua obra, por que ele não deu diretrizes para seus discípulos? Pois se ele não exigiu o Dízimo de sua Igreja, e nem assim seus discípulos-apóstolos, ELES também não proibiram a sua prática. Portanto, não se constrói uma Doutrina ( a abolição do Dízimo) no silêncio das Escrituras do Novo Testamento, ainda que por inferência.

    Contudo, é completamente legítimo a prática do Dízimo. E sua legitimidade não está alicerçada no argumento do silêncio como está o argumento dos defensores da não-prática. Como assim? Quer dizer que há base Bíblica no Novo Testamento para a prática do Dízimo? Sim! E não só no NT, mas também no próprio AT, e melhor, fora dos ditames da Lei de Moisés! Vejamos:

    E os que dentre os filhos descendentes de Levi receberam o sacerdócio têm ORDEM, com base na Lei de Moisés, para tomar de seus irmãos, o povo de Israel, o Dízimo, ainda que eles tenham saído dos lombos de Abraão. Mas, Melquisedeque, cuja genealogia não foi contada entre os sacerdotes levitas, tomou o dízimo de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas… Neste mundo, pois, tomam dízimos homens que morrem; mas Melquisedeque, tomou o dízimo de Abraão, porém, não temos o relato de sua morte. Isto quer dizer que ele Vive! E assim, por meio de Abraão, até os descendentes de Levi, que recebe dízimos do povo, pagou também o dízimo a Melquisedeque! (Hebreus 7.4-9).

    Eis aí a Base Bíblica neotestamentária para a atual prática do dízimo. Pois quando o cristão Abraão pagou o Dízimo ao sacerdote Melquisedeque (Gênesis 14.20), ele o fez quando ainda não havida sido instituído a Lei de Moisés, ou seja, antes do Dízimo se tornar uma prática obrigatória. E segundo a exegese (interpretação) do escritor aos Hebreus, até os sacerdotes Levitas pagaram o Dízimo através de Abraão. Pois bem, se nosso pai na fé (Abraão), e até os sacerdotes da tribo de Levi que deveriam cobrar o Dízimo, pagaram o Dízimo voluntariamente, como Jesus pagou voluntariamente o imposto do Templo de Jerusalém e apoio o imposto devido à César…, sabendo ainda que não há nenhum texto em toda a Bíblia que proíba a prática do Dízimo, porquê então você (ou eu) não DEVEMOS pagar o dízimo? Porque somos MELHORES do que eles? Pense nisso!

  2. A matéria deveria se ater ao problema da Igreja Anglicana especificamente, mas a “miséria pouca é bobagem”, obviamente os católicos são colocados em todos os balaios onde couberem, quanto mais melhor ! Se não me engano os religiosos anglicanos podem se casar, e aqui os mestres da sabedoria humana são useiros e vezeiros em afirmar que o celibato clerical é um dos maiores propulsores para a pedofilia.

DEIXE UMA RESPOSTA