Livro escrito por muçulmano afirma que Jesus foi um revolucionário que queria assumir um trono na Terra

14

Temas polêmicos ligados à religião são, normalmente, um ingrediente central em obras literárias de grande apelo popular, e um tema que frequentemente leva livros a serem um sucesso de vendas. Usando Jesus como tema, é exatamente esse o caso da obra que lidera há três semanas a lista de mais vendidos do The New York Times e da Amazon.

Lançado há um mês nos Estados Unidos, o grande best-seller atual é Zealot: the life and times of Jesus of Nazareth (Zelote: a vida e os tempos de Jesus de Nazaré), um livro escrito pelo iraniano Reza Aslan que mostra Jesus como um revolucionário que tinha por objetivo expulsar os romanos da Judeia, criar um reino de Deus na Terra e assumir seu trono.

– Ele era um zelote revolucionário, que atravessou a Galileia reunindo um exército de discípulos para fazer chover a ira de Deus sobre os ricos, os fortes e os poderosos – escreve Aslan no começo de seu livro.

O termo “Zelote” significa “Alguém que zela pelo nome de Deus”, mas é também usado para descrever um religioso fervoroso, ou até mesmo fanático. Os zelotes eram um político judaico que defendia a rebelião do povo da Judeia contra o Império Romano, formado por pessoas que pretendiam expulsar os romanos pela força.


Estudioso de religiões e professor de escrita criativa na Universidade da Califórnia, Aslan é muçulmano e alavancou ainda mais as vendas do livro depois de uma entrevista concedida à rede de televisão americana Fox News, em que foi questionado pela âncora Laura Green se tinha direito, por ser muçulmano, de escrever um livro sobre Jesus.

Em sua resposta, o estudioso afirmou que escreveu o livro como acadêmico com doutorado e especializações em história das religiões e 20 anos de estudo das origens do cristianismo. Essa polêmica aumentou as vendas do livro em 50%, e desbancou recordistas de vendas como a britânica J.K.Rowling, autora de Harry Potter.

De acordo com a revista Época, o tema central do livro é uma inversão da visão atual que o cristianismo tem sobre Jesus. Aslan defende em seu livro que Jesus não foi um pacifista que, diante da violência, “oferecia a outra face” e amava os inimigos, mas um revolucionário, cujo objetivo principal era expulsar os romanos da Judeia, criar um reino de Deus na Terra e assumir seu trono.

De acordo com o livro, Jesus agiu como muitos revolucionários ao buscar seus discípulos “entre aqueles que se viram lançados à margem da sociedade, cujas vidas tinham sido interrompidas pelas mudanças sociais e econômicas que ocorriam por toda a Galileia”. Por isso, ele afirma que Jesus obteve um grande apreço popular, conquistando o povo com seu carisma.

– Ele era visto como alguém com autoridade, mas, ao contrário dos escribas inacessíveis e dos sacerdotes ricos, parecia um homem do povo, uma dádiva de Deus – descreve o escritor.

Sua argumentação é baseada, principalmente, no relato da entrada de Jesus em Jerusalém de forma triunfal, montado num jumento, quando foi recebido pelo povo sob gritos de Hosana, salmos e com ramos de árvores sendo jogados à sua frente.

– Mais do que qualquer outra palavra ou ação, sua entrada em Jerusalém ajuda a revelar quem era Jesus e o que ele quis dizer. Um camponês analfabeto entra em Jerusalém e é o tão aguardado Messias, o verdadeiro rei dos judeus, que veio para libertá-los da escravidão – argumenta o escritor.

Ao explicar como esse Jesus que ele descrever chegou ao conhecimento popular como é retratado hoje, Aslan afirma que essa visão sobre Jesus surgiu quase 30 anos após a crucificação, pelas mãos de “judeus cristãos”. Citando Paulo como principal responsável por essa suposta transformação nos relatos sobre Cristo, ele afirma que, na tentativa de evitar as perseguições do Império, “transformaram o Jesus revolucionário num semideus romanizado”.

Zealot será lançado no Brasil em 2014.

Por Dan Martins, para o Gospel+


14 COMENTÁRIOS

    • É que o Império que o matou censurava qualquer registro histórico sobre Ele, pois não apenas o mataram e aos seus discípulos, como ainda acabaram com a terra em que ele nasceu, portanto povo e terra maldita pelo grande império.

      Você se arriscaria em desobedecer o império caso fosse escritor? Tenho por certo que não, tudo que existia era escondido, somente sendo revelando quando Constantino inventa em se passar para o lado dos cristãos. Era tanta maldade contra esse povo, bem assim tantos milagres, que o imperio quase todo se converteu ao cristianismo.

    • Santa e inocente crendice. Varela, então nos explique como os evangelhos não sumiram, nem as epístolas de Paulo, de Pedro, o apocalipse, e outros ? Só sumiram os relatos dos historiadores ? Complicado, não ??

  1. Realmente Jesus é o Rei dos reis, creio que ele não permitiu ser levantado como rei naquele tempo, pois talvez não seria crucifixado, então o plano de salvação iri por água abaixo, mas Jesus voltará e irá reinar, pois ele é Rei!! Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: Este é verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo. Sabendo, pois, Jesus que haviam de vir arrebatá-lo, para o fazerem rei, tornou a retirar-se, ele só, para o monte. (João 6:14-15)

    Dizei à filha de Sião: Eis que o teu Rei aí te vem, Manso, e assentado sobre uma jumenta, E sobre um jumentinho, filho de animal de carga. Dizendo: Bendito o Rei que vem em nome do Senhor; paz no céu, e glória nas alturas. E Pilatos perguntou-lhe, dizendo: Tu és o Rei dos Judeus? E ele, respondendo, disse-lhe: Tu o dizes. Natanael respondeu, e disse-lhe: Rabi, tu és o Filho de Deus; tu és o Rei de Israel. (Mateus 21:5); (Lucas 19:38); (Lucas 23:3); (João 1:49) –

    Abraços

  2. Parabéns ao escritor muçulmano.

    A gente pode dizer o que quiser de Cristo, de Deus, vez se houver retaliação eles é tratarão disso, restando a nós outros apenas discordar, respeitar sua opinião.

    Seria bom que todos vocês também aprendessem isso e evitassem agir com ira total quando se fala de Maomé, Ala.

    Nós somos filhos de Deus, e qual pai não permitiria que seus filhos tecessem críticas a ele, isso porque somos humanos, imagine Deus.

    Parabéns, fique calmo e siga em paz, nenhum dos que fazem parte do cristianismo vai crucificá-lo, pois até Ele mesmo foi crucificado, ou seja, não se preocupou em ser imolado, então o que motivaria a gente defendê-lo a de modo extremo se o próprio não quis, se o próprio se entregou para a imolação como o último dos sacrifícios humanos?

  3. nunca jesus tentou ou foi algum tipo de revolucionário pelo contrario ele nos ensina que devemos cumprir em obedecer as autoridades .na epístola de mateus 22 na bíblia sagrada ,os herodianos perguntaram para jesus se é lícito pagar tributos ,Jesus disse:de quem é esta efígie,e inscrição ? disseram-lhe de césar ,pois bem de a césar o que de césar ,e a Deus o que é Deus.com a intensão de que jesus sendo o filho de Deus não teve a intensão de ser igual a Deus(felipenses 2:5 a 8).os zelotes eram seitas partidária,os essênios,tendo flávio josefo como espia levando o massacre de massada., ao contrario disso, Jesus não trouxe o plano de homens mas de Deus que é a salvação para a vida eterna primeiro para os judeus e depois as nações por meio da fé( cartas aos romanos que apóstolo paulo escreve)

  4. Meu Deus quando pensamos que já ouvimos todas as coisas mais idiotas;me vem essa agora…a terra é o estrado dos pés do mestre ele queria trono na terra…dá um diploma de besterol formado para esse zé ruela…pelo menos me fez rir…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  5. Meus amados irmãos, não adianta tanta confusão em torno desse assunto, pois o que realmente importa é que Ele está voltando, e todos prestarão conta de seus atos. Só tenho a dizer ao autor da obra literária, “se é que assim pode ser chamada”, que ao invés de escrever o que não sabe, leia mais a santa palavra de Deus, pois assim aprenderá alguma coisa.
    Estaremos orando por você!!!

  6. Existem muitas religiões no mundo e muitos livros tidos como sagrados. Em meio a tudo isso, há uma maneira segura de reconhecermos a verdadeira Palavra de Deus e o seu plano de salvação. A Bíblia Sagrada prova ser verdadeira.

    Esse estudo está disponível em Evangelismo.blog.br. Nele, você descobrirá o engano do profeta Maomé, que sem qualquer fundamento ou verdade, afirmou que o Senhor Jesus Cristo nos ensinou a morrer e também a “matar” pela causa de Deus (Sura 9:111 – Alcorão).

    Convido a todos os muçulmanos que porventura acessarem esta notícia a raciocinarem:

    Faz sentido levar uma vida casta na terra (o Alcorão ensina isso) para depois no paraíso levar uma vida promíscua e libertina, com setenta virgens? Onde está a lógica nisso?

    Evangelismo.blog.br
    …………

DEIXE UMA RESPOSTA