Pastor Silas Malafaia escreve sobre idolatria e explica “porque reverências aos santos é pecado”

94

Um dos principais embates entre católicos e evangélicos se dá na definição do que é “idolatria”.

De um lado, argumentam os católicos, as imagens de santos funcionam apenas como uma representação de alguém que em vida teve uma conduta de santidade e que pode interceder a Deus por uma causa. Do outro lado, os evangélicos frisam que Deus ordenou expressamente que não se fizessem imagens de escultura e que não fosse dada adoração a elas, como diz o texto em Êxodo 20.

Às vésperas de mais um feriado católico, o pastor Silas Malafaia publicou um artigo explicando o conceito adotado pelos evangélicos para pregar contra a idolatria e o uso de imagens.

“Na época em que a Lei foi dada a Moisés, os israelitas haviam acabado de chegar ao Egito, uma terra cheia de ídolos. Cada deus representava um aspecto da vida, por isso era comum adorar diversos deuses para tentar alcançar o maior número de bênçãos”, explicou o pastor. “Quando Deus disse ao Seu povo que este precisava adorá-lo, a sugestão não pareceu difícil aos olhos dos israelitas, pois seria apenas mais um deus. Mas, ao perceberem que deveriam servir somente ao Deus todo-poderoso, que os libertara da escravidão no Egito, tiveram dificuldade de aceitar a ideia”, acrescentou, recapitulando os pontos iniciais do conceito teológico.


De acordo com Malafaia, atualmente “muitas pessoas estendem sua devoção a santos, em busca de uma quantidade maior de benesses”, e por isso, caem na idolatria. “Infelizmente, muitos católicos, sem o devido conhecimento das Escrituras e confiando apenas no que lhes é ensinado nas missas e catecismos católicos, ainda estão presos a essas crenças antibíblicas, confessando publicamente a sua fé no poder e ministério intercessor de Maria, por exemplo. Eles oram a ela e adoram-na, como se ela fosse a despenseira da graça divina, a estrela da manhã, o refúgio dos pecadores, atributos que pertencem exclusivamente a Cristo”, escreveu.

Segundo o pastor, muitos católicos “desconhecem o que a própria Maria disse quanto à condição dela, igual à nossa, de salva por Deus e serva do Senhor”, e cita a passagem de Lucas 1:46-48, em que Maria agradece a Deus pela salvação: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, porque atentou na humildade de sua serva”.

“Em texto bíblico algum, vemos que foi dado a Maria qualquer poder ou autoridade para realizar milagres ou interceder pela humanidade, ligando e desligando qualquer coisa no céu e na terra”, acrescenta Malafaia.

O pastor ainda desfaz uma conclusão equivocada a que muitos católicos chegam a respeito dos evangélicos: “Está enganado quem pensa que nós, evangélicos, desprezamos Maria. O que repudiamos e contestamos veementemente são essas concepções errôneas e contrárias à Lei de Deus. Esses ensinamentos têm levado muitos a entregarem-se à idolatria, pecado abominável e expressamente condenado nas Escrituras, bem como a afastar-se da verdade de que ninguém pode ser perdoado e achegar-se a Deus, senão por intermédio de Jesus”, pontua.

Esclarecendo que há diferenças entre esculturas de teor religioso e artístico, Malafaia delineia quais são os pontos que definem o que é pecado e o que é arte: “Deus não dá a Sua glória a outrem (Isaías 42:8). Quando alguém adora uma imagem, em vez de adorar a Deus, está dando a outro a glória que só pertence ao Senhor. Então, se um artista, por exemplo, faz uma escultura como arte, não há pecado nisso, mas se alguém a adorar, venerar, ajoelhar-se ou inclinar-se diante dela, ou atribuir-lhe valor espiritual, estará sendo idólatra, e isso é pecado. Portanto, meus amados, fugi da idolatria (1 Coríntios 10:14)”.

Em sua conclusão, Silas Malafaia conceitua o que é idolatria de forma ampla, indo além das imagens de escultura: “[Idolatria] é tudo aquilo que rouba o primeiro lugar, que pertence exclusivamente a Deus, em nosso coração. Sendo assim, quem é avaro ama mais o dinheiro do que a Deus; quem é egoísta ama mais a si do que a Deus; quem ‘tieta’ artista e quem vai à igreja apenas para ouvir padre, pastor ou cantor gospel é tão idólatra quanto aquele que se inclina diante de imagens de escultura, pois cultua ídolos em seu coração. Essa pessoa precisa reconhecer seu erro, pedir perdão e ajuda ao Senhor para mudar, pois os idólatras não herdarão o Reino dos céus (Gálatas 5:20,21)”, finaliza.

94 COMENTÁRIOS

  1. Ai Sim Parabens ao Pastor Silas Malafaia, pois escreveu e falou as mais puras verdades, nada que o desabone nesta afirmação, Em Isaias 44 la esta a loucura da idolatria, tão explicada que ate um ser humano com pouca cultura pode entender, mas infelizmente quem esta na idolatria seus olhos e seus entendimentos são cegados para tal entendimento, e isso e a paga que recebem por serem idolatras, assim tanbem são os amantes das coisas mundanas tais como tudo o que se idolatram, são artistas atores jogadores de futebol e de outros esportes cantores e por ai vai, e tem tanbem os que idolatram pastores padres bispos e ate os amantes do papa, mais uma vez reitero que neste mister o Pastor Silas Malafaia escreveu e falou mais que a verdade

    • Evangelista Billy Graham afirma que os evangélicos idolatram o dinheiro e o poder

      O evangelista Billy Graham, que recentemente foi considerado um dos homens mais admirados dos Estados Unidos, afirmou essa semana que os evangélicos adoram a ídolos o dinheiro, o poder e as posses.
      Em resposta à pergunta de uma leitora, em sua coluna no site Chicago Tribune, Graham comparou a idolatria à preocupação contemporânea com dinheiro e bens materiais. “Ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas. Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas”, ressaltou, citando em seguida o trecho do evangelho de Mateus no qual Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”.
      “Não podemos nos curvar aos ídolos feitos de pedra ou de metal, como as pessoas faziam antigamente (e algumas ainda fazem em diferentes partes do mundo). Mas isso não significa que nós [evangélicos] não temos nossos próprios ‘ídolos’ hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham” afirmou o evangelista.
      Billy Graham prosseguiu listando outras coisas que podem ser consideradas ídolos nos dias de hoje: “Tenho certeza que você pode pensar em várias coisas que se tornaram ídolos para nós. Por exemplo, o prazer, o sexo, o entretenimento, o prestígio social, a beleza ou o poder. Contudo, a verdadeira questão é esta: A que a ídolos servimos? O que temos colocado em nossa vida no lugar que pertence somente a Deus?”
      Whatsapp
      Compartilhar
      Aos 92 anos, Graham está afastado das cruzadas evangelísticas que o tornou mundialmente famoso. Ele completou seu texto dizendo: “Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz”.

  2. oIa!!!
    quem fala em idolatria!!!kkkk

    o pa$$tor mais graneiro do “pedaço” kkk idolatra do dinheiro!!!!

    brigou com valdemiro por causa de $$$$$
    brigou com ma$$edão por causa de $$$$
    brigou com CAIO FABIO por causa de $$$$
    falou mal da novela da rede globo, e a rede globo deu $$$$, aí mudou o papo.

    e vem falar em idolatria?????KKKK dos outros kkkk

    • na bíblia não tem um “lance”
      que diz que o “ORGULHO” “DINHEIRO” rivalizando com DEUS é idolatria???

      o que mais o malafaia faz é pensar em $$$$
      e se orgulhar desfazendo dos outros”ermãos” tipo (macedo,waldemiro,CAIO FÁBIO, e outros.

  3. O lucianta ou lucimula,é tão burro que copia textos extraídos da Biblia e não cita a fonte achando que vão acreditar que as palavras e frases bem articuladas foram escritas por ele.
    Coitado,pretenciosos.Você não sabe escrever uma frase excelente de sua própria competência.Além de analfabeto funcional,é inoperante.Evanjegue.

  4. Vanessa sinto muito mas não comentarei mais neste site ,o nível está muito baixo,vamos nos comunicar somente pelo face,aliás porque não entrou hoje?Entra mais tarde,depois das 22h,aqui estou fora.

  5. Em vão rezam os católicos, fazendo petições (intercessões) a Maria, ela não tem o atributo da onisciência, portanto, não puderá responder reza ou oração, só Jesus pode, depois da ressurreição Ele disse, “É me dado todo poder no Céu e na terra” Mat. 28:18.

    • Pedir para Maria interceder diante de Jesus não pode, agora pedir para vendilhões do Evangelho intercederem pela “cura” de cancerosos em fase terminal, bem como para fazer mendigo que vira crente e dizimista se tornar “rico empresário”, aí pode, né?

      • Sandro
        Bom, aqueles que usam o evangelho para enriquecimento ilícito, não ficarão impunes, pois a Deus ninguém engana, a menos que se arrependam.
        Sem nenhuma sombra de dúvidas: rezar, venerar ou idolatrar a Maria, lhe atribuindo poderes sobrenaturais, pecam contra Deus.
        Por exemplo: “peça a mãe que o filho atende” não é bíblico, portanto, dito dos falsos profetas. Ou ainda, Maria sempre virgem, ela concebeu na sua virgindade do Espírito Santo e foi virgem até o dia em que deu a luz o nosso Salvador Jesus, Mat. 1:25. Ela, que era esposa de José, pós o nascimento de Jesus, geraram outros filhos e nem por isso pecaram contra Deus, por serem casados. Outro dito dos falsos profetas: (o “casto” José), mesmo porque o Senhor, não ia permitir que sua serva que Ele escolheu para ser a mãe de Jesus, uma fornicadora qualquer e nem um efeminado para ser seu esposo.
        Se vc quiser saber dos outros filhos que ela teve, te mostro na bíblia, “55 Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?” Mat.13:55. Aí podem dizer, são irmãos de fé, então vamos fazer a separação entre irmão de fé e biológico, “Depois disto desceu a Cafarnaum, Ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias” João 2:12. Essa cidade, Cafarnaum, conheci, pois já estive lá, onde está as ruínas da casa da sogra de Pedro, que a ICR, intitulou o primeiro “papa” pedro não foi Papa e nunca esteve em Roma, portanto: afirmações mentirosas…

        • Manoel, o povo pedia a Moisés que intercedesse por eles; pedia aos apóstolos que o fizessem, continua pedindo hoje a padres, pastores, bispos, apóstolos, e há quem peça a subversivos da religião, a patifes estelionatários da fé que enriquecem vendendo o nome de Jesus.

          • Sim, enquanto vive (na carne), oramos a Deus em nome de Jesus e podemos pedir a um amigo de fé, um Pastor etc, para que interceda a Deus por nós, morreu o homem, encerra tudo e segue o Juízo de Deus, Hebreus 9:27.

        • Fui evangélico e posso afirmar convictamente: crentes não pedem as orações de Maria, a eternamente bem-aventurada, mas pedem orações de vendilhões do Evangelho. Eles pedem até toalhinhas cheias de suor de estelionatários da fé. Multidões de crentes pedem todos os dias as orações, ou intercessões, de Erre Erre, Edir Macedo, Malafaia, Valdemiro.

          • Sim, Maria, a bem-aventurada, não significa que possa responder as nossas orações, pelo fato de ela não ter o atributo da onisciência.
            Isso que digo, não é uma questão de ser crente, mas bíblica, “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam” João 5:39

    • Esse artigo mostra desconhecimento da doutrina católica… Típico de protestantes, que desconhecem sua doutrina, até porque são 35.000 denominações e preferem atacar os ensinamentos da Igreja Católica.

      Sobre o catecismo. A Igreja Católica nos seus 1984 anos, teve 02 catecismos, o último foi promulgado pelo Papa João Paulo II. No Catecismo da Igreja Católica está a doutrina da Igreja, em consonância com a Bíblia.

      Sobre idolatria, leia o que diz o Catecismo…
      Parágrafo n.º 2112: O primeiro mandamento condena o politeísmo. Exige do homem que não acredite em outros deuses além de Deus, que não venere outras divindades além da única. A Sagrada Escritura está constantemente a lembrar esta rejeição dos «ídolos, ouro e prata, obra das mãos do homem, que «têm boca e não falam, têm olhos e não vêem…». Estes ídolos vãos tornam vão o homem: «sejam como eles os que os fazem e quantos põem neles a sua confiança» (Sl 115, 4-5.8) . Deus, pelo contrário, é o «Deus vivo» (Js 3, 10) (41), que faz viver e intervém na história.
      Parágrafo n.º 2113. A idolatria não diz respeito apenas aos falsos cultos do paganismo. Continua a ser uma tentação constante para a fé. Ela consiste em divinizar o que não é Deus. Há idolatria desde o momento em que o homem honra e reverencia uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demônios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do Estado, do dinheiro, etc., «Vós não podereis servir a Deus e ao dinheiro», diz Jesus (Mt 6, 24). Muitos mártires foram mortos por não adorarem «a Besta» (42), recusando-se mesmo a simularem-lhe o culto. A idolatria recusa o senhorio único de Deus; é, pois, incompatível com a comunhão divina (43).
      Parágrafo n.º 2114. A vida humana unifica-se na adoração do Único. O mandamento de adorar o único Senhor simplifica o homem e salva-o duma dispersão ilimitada. A idolatria é uma perversão do sentido religioso inato no homem. Idólatra é aquele que «refere a sua indestrutível noção de Deus seja ao que for, que não a Deus»
      Sobre Não farás para ti nenhuma imagem esculpida… O Catecismo, diz:
      Parágrafo n.º 2129. Esta imposição divina comportava a interdição de qualquer representação de Deus feita pela mão do homem. O Deuteronômio explica: «Tomai muito cuidado convosco, pois não vistes imagem alguma no dia em que o Senhor vos falou no Horeb do meio do fogo. Portanto, não vos deixeis corromper, fabricando para vós imagem esculpida» do quer que seja (Dt 4, 15-16). Quem Se revelou a Israel foi o Deus absolutamente transcendente. «Ele é tudo», mas, ao mesmo tempo, «está acima de todas as suas obras» (Sir 43, 27-28). Ele é «a própria fonte de toda a beleza criada» (Sb 13, 3).
      Parágrafo n.º 2130. No entanto, já no Antigo Testamento Deus ordenou ou permitiu a instituição de imagens, que conduziriam simbolicamente à salvação pelo Verbo encarnado: por exemplo, a serpente de bronze a arca da Aliança e os querubins.
      Parágrafo n.º 2131. Com base no mistério do Verbo encarnado, o sétimo Concílio ecumênico, de Niceia (ano de 787) justificou, contra os iconoclastas, o culto dos ícones: dos de Cristo, e também dos da Mãe de Deus, dos anjos e de todos os santos. Encarnando, o Filho de Deus inaugurou uma nova «economia» das imagens.
      Parágrafo n.º 2132. O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. Com efeito, «a honra prestada a uma imagem remonta ao modelo original» e «quem venera uma imagem venera nela a pessoa representada». A honra prestada às santas imagens é uma «veneração respeitosa», e não uma adoração, que só a Deus se deve:
      «O culto da religião não se dirige às imagens em si mesmas como realidades, mas olha-as sob o seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não se detém nela, mas orienta-se para a realidade de que ela é imagem».
      Em relação a Missa, quando a Igreja celebra a Eucaristia, rememora a páscoa de Cristo, e esta se toma presente: o sacrifício que Cristo ofereceu uma vez por todas na cruz torna-se sempre atual: “Todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, pelo qual Cristo nessa páscoa foi imolado, efetua-se a obra de nossa redenção”. Portanto, numa Missa o foco é Jesus!

      Acerca da instituição deste Sacrifício, o Santo Concílio de Trento não deixa lugar a nenhuma dúvida. Pois declarou ter sido instituído por Cristo Nosso Senhor na Última Ceia.

      Fulminou, ao mesmo tempo, a pena de excomunhão contra quem afirmasse que não se oferece a Deus um verdadeiro Sacrifício, no rigor da palavra, ou que a oblação sacrifical não consiste em outra coisa senão em dar-Se Cristo a Si mesmo como comida.

      Sacrifício oferecido só a Deus, o Concílio teve o cuidado de precisar que só a Deus se pode oferecer Sacrifício. Ainda que a Igreja costume, às vezes, celebrar Missas em memória e honra dos Santos, O Sacrifício é oferecido, não a eles, mas unicamente a Deus, que coroou os Santos de glória imortal.

      Esta é a razão por que o sacerdote jamais dirá: “Ofereço-te este Sacrifício, ó Pedro, ou, ó Paulo”. Mas, oferecendo o Sacrifício só a Deus.

      Na Oração do Ofertório da Missa e dito: Rende-Lhe graças pela insigne vitória dos bem-aventurados Mártires, aos quais implora proteção, mas de tal maneira, “que nos céus se dignem interceder por nós aqueles cuja memória celebramos na terra”.

      Sobre Maria, no Catecismo da Igreja consta no Parágrafo n.º 148. A Virgem Maria realiza, do modo mais perfeito, a «obediência da fé». Na fé, Maria acolheu o anúncio e a promessa trazidos pelo anjo Gabriel, acreditando que «a Deus nada é impossível» (Lc 1, 37).

      E dando o seu assentimento: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38). Isabel saudou-a: «Feliz aquela que acreditou no cumprimento de quanto lhe foi dito da parte do Senhor» (Lc 1, 45). É em virtude desta fé que todas as gerações a hão de proclamar bem-aventurada.

      Acrescento o Parágrafo n.º 149. Durante toda a sua vida e até à última provação, quando Jesus, seu filho, morreu na cruz, a sua fé jamais vacilou. Maria nunca deixou de crer «no cumprimento» da Palavra de Deus. Por isso, a Igreja venera em Maria a mais pura realização da fé.

      «Eu sei em quem pus a minha fé» (2 Tm 1, 12)

      IGREJA E MARIA: A Igreja atinge a perfeição em Maria, veja o que diz o Catecismo:
      Parágrafo n.º 829 “Enquanto na beatíssima Virgem a Igreja já atingiu a perfeição, pela qual existe sem mácula e sem ruga, os cristãos ainda se esforçam por crescer em santidade, vencendo o pecado. Por isso elevam seus olhos a Maria[a1] ” ela, a Igreja é já a toda santa.

      Lugar de Maria no mistério da Igreja: Parágrafo n.º 773. Na Igreja, esta comunhão dos homens com Deus pela “caridade que nunca passará” (1 Cor 13,8) é a finalidade que comanda tudo o que nela é meio sacramental ligado ao mundo presente que passa. Sua estrutura se ordena integralmente à santidade dos membros do corpo místico de Cristo. E a santidade é medida segundo o ‘grande mistério’, em que a Esposa responde com o dom do amor ao dom do Esposo[a3] . Maria nos precede a todos na santidade que é o mistério da Igreja como “a Esposa sem mancha nem ruga”. Por isso, “a dimensão marial da Igreja antecede sua dimensão petrina”.

      MARIA – MÃE DE CRISTO, MÃE DA IGREJA – Parágrafo n.º 963. Depois de termos falado do papel da Virgem Maria no mistério de Cristo e do Espírito, convém agora considerar lugar dela no mistério da Igreja. “Com efeito, a Virgem Maria (…) é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. (…). Ela é também verdadeiramente ‘Mãe dos membros [de Cristo] (…), porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça” (…) Maria, Mãe de Cristo, Mãe da Igreja.

  6. Evangelista Billy Graham afirma que os evangélicos idolatram o dinheiro e o poder

    O evangelista Billy Graham, que recentemente foi considerado um dos homens mais admirados dos Estados Unidos, afirmou essa semana que os evangélicos adoram a ídolos o dinheiro, o poder e as posses.
    Em resposta à pergunta de uma leitora, em sua coluna no site Chicago Tribune, Graham comparou a idolatria à preocupação contemporânea com dinheiro e bens materiais. “Ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas. Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas”, ressaltou, citando em seguida o trecho do evangelho de Mateus no qual Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”.
    “Não podemos nos curvar aos ídolos feitos de pedra ou de metal, como as pessoas faziam antigamente (e algumas ainda fazem em diferentes partes do mundo). Mas isso não significa que nós [evangélicos] não temos nossos próprios ‘ídolos’ hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham” afirmou o evangelista.
    Billy Graham prosseguiu listando outras coisas que podem ser consideradas ídolos nos dias de hoje: “Tenho certeza que você pode pensar em várias coisas que se tornaram ídolos para nós. Por exemplo, o prazer, o sexo, o entretenimento, o prestígio social, a beleza ou o poder. Contudo, a verdadeira questão é esta: A que a ídolos servimos? O que temos colocado em nossa vida no lugar que pertence somente a Deus?”
    Whatsapp
    Compartilhar
    Aos 92 anos, Graham está afastado das cruzadas evangelísticas que o tornou mundialmente famoso. Ele completou seu texto dizendo: “Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz”.

    • Janete idolatria existe entre evangelicos ,nao porem na multiplicidade catolica.Alguns evangelicos se perdem em algumas areas porem o catolico a comecar se perdendo por nao conhecer a biblia,nao se perde vive perdido,arrumando adoracao ate as estatuas de gesso e reverendo-as em procissao.

  7. Silas Malafaia compra avião de 12 milhões de dolares
    SILAS MALAFAIA COMPRA AVIÃO DE
    12 MILHÕES DE DÓLARES
    Por Leonardo Gonçalves
    Rachem a cara e queimem a língua todos vocês que disseram que a bíblia de 900 reais não trazia prosperidade! Sim, eu confesso que estava enganado. A bíblia do Cerrullo, de fato, prospera!
    O que me levou a esta conclusão foi a compra de um aeromodelo pelo telepastor e vice-presidente da Convenção Geral das Assembléias de Deus, “excelentíssimo” pastor Silas Malafaia. Parece que a farra dos 900 reais, somado à intimidação que o Cerrulo fez na TV, levou milhares de pessoas a ofertarem para o ministério, e ele, sábio e prudente, aplicou o dinheiro onde havia mais necessidade.
    Segundo testemunhas, ao pregar em uma igreja de brasileiros em Boca Raton, Silas cofessou ter feito um negócio espetacular, ao comprar um dos maiores jatos executivos do mercado por um preço ridículo! Uma “galinha morta”. Uma aeronave com pouquíssimo uso, que se fosse nova, sairia por 18 milhões de dólares! Como a aeronave era de “segunda mão”, ele fechou o negócio pela bagatela de 12 milhões de dólares. O avião usado do Silas Malafaia custa o dobro do preço do avião novo do telemissionário RR Soares, Samuel Câmara e do Paipóstolo Renê Terra Nova.
    Com tanta necessidade em terras tupiniquins, com milhares de crentes passando dificuldade nos bolsões da fome no Brasil, confesso que até pensei na possibilidade do senhor Silas usar esse dinheiro para levar educação, alimento e salvação a estas pessoas. Mas infelizmente ele preferiu investir em comodidade, igualando-se aos outros ícones da prosperidade já mencionados neste espaço virtual.
    A tudo isso, quero apenas externar minha indignação às Assembléias de Deus por acalentar em seu seio um homem que comprovadamente não honra à sã doutrina, sendo um disseminador de heresias no âmbito pentecostal. Nesses poucos anos de conversão dentro das assembléias de Deus, vi pessoas sendo excluídas por causa do cumprimento do cabelo, por usar calça jeans e por causa do uso de jóias. Já vi crentes sendo excluídos por tomarem um copo de cerveja, quando seus pastores tomam um bom vinho importado no aconchego de seus lares, enfim, já vi toda sorte de exclusão boba e absurda, sem nenhum respaldo bíblico.
    No entanto, ao olhar para a Bíblia, vejo que o critério que Paulo usava para exclusão era imoralidade e heresia. Silas Malafaia é um homem que, segundo os padrões escriturísticos, não deveria sequer fazer uso do púlpito, no entanto, é não apenas tolerado como também aclamado pela denominação como seu maior representante. E poucos – bem poucos – são os “blogueiros apologéticos” que ousam refutar as praxes infelizes deste ícone da teologia da prosperidade.
    Espero da CGADB um parecer acerca da conduta dúbia deste senhor e da sua teologia do umbigo.
    ***
    Postou Leonardo Gonçalves, cansado de ver a CGADB tapar o sol com a peneira, no Púlpito Cristão
    [*] Nota:
    A imagem utilizada é do King Air 350, modelo comprado por RR Soares, Renê Terra Nova e Samuel Câmara. Este modelo está avaliado em 6 milhoes de dólares. O avião do Silas Malafaia custa o triplo do King Air 350. Como podemos ver, a tal bíblia da unção financeira funciono muito bem para o pastor.
    retirado do blog:Púlpito

    • Observem catolicos, que as criticas postadas sao feitas por evangelicos serios.Eu gostaria que os catolicos,fossem assim imparciais para com seus lideres,porem preferem se dizer unos apoiando os podres da igreja.Vale ser una uma igreja assim?

  8. Pergunta: “É a adoração a santos e a Maria bíblica?”

    Resposta:A Bíblia é absolutamente clara ao dizer que devemos adorar somente a Deus. As únicas ocorrências na Bíblia de alguém, além de Deus, recebendo adoração, são em relação a falsos deuses, que são Satanás e seus demônios. Todos os seguidores do Senhor Deus rejeitam adoração a eles dirigida. Pedro e os apóstolos se recusaram a ser adorados (Atos 10:25-26; 14:13-14). Os santos anjos se recusaram a ser adorados (Apocalipse 19:10; 22-9). A resposta é sempre a mesma: “Adora a Deus!”

    Os católicos romanos tentam “fazer vista grossa” a estes claros princípios escriturais dizendo que não “adoram” Maria ou santos, mas que, ao invés, somente “veneram” Maria e os santos. Usar uma palavra diferente não muda a essência do que está sendo feito. Uma definição de “venerar” é “olhar com respeito e reverência”. Em nenhum lugar da Bíblia a nós é dito para que reverenciemos qualquer um que não seja Deus, e apenas Deus. Não há nada de errado em respeitar estes cristãos cheios de fé que nos antecederam (veja Hebreus capítulo 11). Não há nada de errado em honrar Maria como a mãe
    terrena de Jesus. A Bíblia descreve Maria como “agraciada” do Senhor (Lucas 1:28). Ao mesmo tempo, não há qualquer instrução na Bíblia para que reverenciemos aqueles que já foram para o Céu. Devemos sim seguir o exemplo que deram, mas não adorá-los, reverenciá-los ou venerá-los, não isso!

    Quando forçados a admitir o que eles fazem, ou seja, adorar Maria, os católicos dizem que eles adoram a Deus através dela, louvando a maravilhosa criação que Deus fez. Maria, em suas mentes, é a mais bela e maravilhosa criação de Deus, e louvando-a, eles estão louvando seu Criador. Para os católicos, isto
    é o mesmo que elogiar um artista por meio do elogio a sua escultura ou pintura. O problema com isto é que Deus explicitamente ordena contra a adoração a Ele através das coisas criadas. Não devemos nos curvar e adorar qualquer semelhança do que há em cima nos céus nem embaixo na terra (Êxodo 20:4-5). Romanos 1:25 não poderia ser mais claro: “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.” Sim, Deus criou coisas maravilhosas e surpreendentes. Sim, Maria era mulher piedosa, que é digna de nosso respeito. Não, absolutamente
    não devemos adorar a Deus de forma “indireta” ao louvarmos outras coisas (ou pessoas) que Ele criou. Fazê-lo é óbvia idolatria.

    A maioria dos católicos “venera” Maria e os santos orando a eles. Como demonstra o artigo seguinte, a oração a qualquer um que não seja apenas Deus é antibíblico – orar a santos e Maria. Se Maria e/ou os santos recebem orações, ou petições, isto é prática não-bíblica. A oração é um ato de adoração. Quando oramos a Deus, estamos admitindo que precisamos de Sua ajuda. Direcionar nossas orações a qualquer um que não seja Deus é roubar de Deus a glória que é
    somente Sua.

    Outra forma que os católicos têm de “venerar” Maria e os santos é criando estátuas e imagens deles. Muitos católicos usam imagens de Maria e/ou dos santos como “amuletos de boa sorte”. Qualquer leitura superficial da Bíblia irá revelar que esta prática é evidente idolatria (Êxodo 20:4-6; I Coríntios 12:2; I João 5:21). Rezar passando os dedos nas contas do rosário é idolatria. Acender velas perante uma estátua ou retrato de santos é idolatria. Enterrar uma estátua de José na esperança de vender sua casa (e outras incontáveis práticas católicas) é idolatria.

    A terminologia não é a questão. Se a prática é descrita como “adoração” ou “veneração”, ou qualquer outro termo, o problema é o mesmo. A qualquer momento que creditarmos algo que pertence a Deus a qualquer outro alguém, isto é idolatria. A Bíblia, em nenhum lugar, nos instrui para que reverenciemos, oremos, confiemos ou “idolatremos” qualquer um que não seja Deus. Devemos adorar somente a Deus. Glória, louvor e honra pertencem somente a Deus. Somente Deus é digno de “…receber glória, e honra, e poder…” (Apocalipse 4:11). Somente Deus é digno de receber nossa adoração,
    exaltação e louvor (Neemias 9:6; Apocalipse 15:4).

  9. Louvando a maria o povo fiel ., a voz repetia de São gabriel., Ave , ave, ave,maria., ave , ave, ave,maria
    Saudades do tempo em que o povo em sua humildade sabia adorar a Deus é amar a virgem com mais santidade

  10. Silas Malafaia agora resolveu aporrinhar os católicos. Mas eu entendo porque ele não quer reverências aos santos: ele as quer todas para si, pois não lhe bastam os cerca de 30.000 devotos que lhe rendem tributo, honra, veneração e adoração no culto a Mamom.

    • E dificil vc entender estas coisas sendo um analfabeto na biblia.O Silas nao esta sendo aprovado na questao da teologia da prosperidade,mas e em que vc e aprovado?Nem os pastores gays te aprovam.

      • Puxa, nem os pastores gays? Tadinho d’eu, ninguém gosta de mim. Como é duro ser ovelha rosa em aprisco onde só tem branca, preta, malhada e outras que se vestem de ovelhas, mas são lobos, lobos comedores de dinheiro.

        • jugar pelo o que é visto de longe é ser tolo, se eu ver uma pessoa andando para la e para cá cheio de dinheiro no bolso, logo vou dizer que é ladrão, etc. Mais se eu parar para analisar e diminuir o julgamento premeditado logo vejo que a pessoa e um banqueiro levando tais dinheiros a determinados lugares. Resumindo, você não pode jugar-lo pelo que vê, basta crer no Senhor que Ele vai julgar se o Malafaia é ladrão ou não;
          Com Deus não se brinca, se o malafaia está fazendo tudo corretamente como Deus quer, logo ele será abençoado, mais se ele está passando a mão no dinheiro que não lhe pertence, ha coitado, não queira estar na pele dele.
          Meu amigo Sandro, eu recomendo você tentar conhecer o pastor dos pastores, Jesus o rei do reis, e deixe Deus julgar esses pastores corruptos.

          • Caro Will,

            Will, Jesus disse: “Pelos frutos se conhece a árvore”. Os frutos da árvore Malafaia são tão amargos e escassos que logo se dirá dela que se tornou como a figueira seca que Jesus amaldiçou.

        • E isto mesmo eles falam do sexo dentro do casamento e da obediencia a biblia e sua inspiracao,que vc nao cre,alem de nao se contaminar com doutrinas pagas.Estou sendo suscinto como vc me falou.Esta dificil achar um lugar de refugio?Crie sua propria igreja ou religiao.Sugestao.Igreja dos Sandros Afeminados dos ultimos dias

  11.  Padre Cícero chegou a Juazeiro, no ano de 1872. Era de baixa estatura, pele clara, olhos azuis, acompanhado sempre de seu cajado, usava uma batina preta e um chapéu redondo da mesma cor. Mais conhecido como o “Meu Padrinho Padre Cícero”, carinhosamente chamado de Padim Ciço. Aos poucos começou correr a notícia de que ele operava milagres, e milhares de romeiros passaram a procurá-lo em busca de solução para seus problemas. Bem, o fato é que o reboliço foi tanto que o pequeno povoado transformou-se em lugar de romaria. O bispo cearense Dom Joaquim e até o Papa Leão XIII, em Roma, tiveram de investigar os milagres Juazeiro. O Padrinho chegou a ser recebido pelo papa no Vaticano. O bispo cearense e o papa não reconheceram os milagres e o Padre Cícero Romão foi punido com uma suspensão.

          Apesar de proibido de celebrar missas, sua residência passou a ser freqüentada por muitos romeiros. Apesar da Igreja Católica não considerar o Padre Cícero um santo, ela não censura os milhões de devotos que o consideram um santo.

          O Padim Ciço realizou boas ações para a população menos favorecida. Organizou mutirões e conseguiu construir pequenos postos de saúde, escolas e orfanatos, além de reformar e construir algumas igrejas católicas.

          Por outro lado, ele era amigo do peito de vários latifundiários da região, conhecidos como “os coronéis”. Esses senhores ilustres eram opressores dos pobres, marginalizavam os sertanejos, excluindo-os do direito à saúde, aos alimentos e até à vida. Pasme, o Padim Ciço pertencia a essa espécie de liga de coronéis do Ceará e a defendia.

          Enquanto o Padim Ciço destacava-se no Ceará com sua influência político-religiosa, o cangaceiro Lampião e seu bando amedrontavam os poderosos dos sertões nordestinos. O “Rei do Cangaço” era devoto do Padre Cícero. O Padre Cícero articulou para que o cangaceiro Lampião recebesse a patente de capitão dos Batalhões Patrióticos. Por volta de 1926, Padre Ciço já era mais político do que religioso, sendo anticomunista de carteirinha. Aproveitando a fidelidade do bandoleiro à sua pessoa, o pároco juntou-se com seus amigos fazendeiros e doaram armas e munição para o cangaceiro e seu bando atacarem “o revoltoso” Luiz Carlos Prestes e sua famosa “Coluna”. O curioso é que (dizem que a pedido do próprio Padim Ciço) Lampião nunca atacou os coiteiros ricos, os fazendeiros safados e os políticos corruptos do Ceará. Isso é que é amizade fiel!

          O Padim Ciço, do Juazeiro do Norte, é um ídolo nos lares de milhões de católicos. Em algumas casas, ele está presente no móvel da sala, na penteadeira do quarto, na parede do corredor e em cima do refrigerador da cozinha.

          No Velho Testamento, o primeiro e o segundo mandamentos são um “não” à idolatria (Êxodo 20.3-6). E mais: o idólatra deveria ser morto (Dt 17.1-7). Já no Novo Testamento, a punição é a morte eterna: “Quanto, porém,… aos idólatras… a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte” (Ap 21.8). Entre aqueles que ficarão fora da Cidade Celestial estão os idólatras (Ap 22.15).

          Queridos irmãos e amigos, assimilemos o mesmo consolo e a mesma recomendação contida no final da Primeira Epístola de João: “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Filhinhos guardai-vos dos ídolos” (1 Jo 5.20-21).

  12. Só sei que estou economizando uma grana boa, depois que desfiz de meus cães, não preciso mais comprar ração, pois comprei um pit bull e um rottweiller de gesso e coloquei na frente e fundos de minha casa.

      • sandrete o que resolve e vc estudar anatomia humana pra aprender pra que ser o ku aberração gay doente. vc é tão lixo que nunca vai entender que o que a Biblia tem a oferecer.

          • Eu acho que e preciso de um pouco de inteligencia.Raciocinemos;se Deus criou o homem sua imagem e semelhanca,seria sabio que animais irracionais pregassem a sua palavra?Detalhe, uma palavra que vc nao considera inspirada, nunca foi batida por ninguem,muito pelo contrario copiada naquilo que interessa a outros..O relativismo biblico de nao ser totalmente inspirada por Deus e caracteristica de seitas nao cristas.E so estudar.

    • Boa ideia, acho que vou fazer o mesmo. Do mesmo material que fazem os cachorros de gesso, fazem tb os “santos” católicos e os da macumba, depois compram essas porcarias, levam a ICR, os Padres benzem e os fieis se curvam diante de suas imagens, idolatria mesmo, não é verdade?

  13. se ajoelhar diante de uma estatua sem vida não é pecado. é burrice mesmo. coisa de aberração gay e pedofilo da seita catolica que em vez de estudar pra aprender pra que serve o ku (né sandrete) fica em site cristão falando abobrinha. agora vai no terreiro bater cabeça igual bode velho chifrando cerca kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        • Servo querido,eu estou me divertindo às custas deste falso irmão,o dell.
          Todo mundo tem medo desse fariseu fanático e eu não tenho.Desco ao
          baixo dele para poder desmoralizá-lo.E eu posso escrever o que eu quero,pois a igreja católica não se interfere no meu modo de ser,pensar e
          agir,por isso sigo a minha consciência ,e em relação ao dell,ela não está
          me acusando de nada.Já o dell,é batizado,juirou compromisso diante de
          DEUS e está envergonhando o santo evangelho de JESUS.Eu vivo na
          graça de JESUS,ele,o dell viva na lei,na era do olho por olho e dente por
          dente,eu posso escrever o que eu quero e não peco.Ele fez juramento
          e peca,sim.Quanto a você,sou seu admirador,mas se precisar faço críticas.Mas você não dar motivos para servir de zombaria e escárnio aos
          ímpios como zezé,dell,clamando,lucianta……Na paz,Servo,JESUS te ama.

          • Nao posso deixar de lhe fazer criticas quando vc paga o mal com o mal conforme vc disse,demonstrando seu desconhecimento biblico,o que e suficiente para desqualifica-lo como cristao.Sinceramente acho dificil ser zombado e nao por me considerar algo, mas por ver que argumentos mundanos ou conhecimento sem sabedoria de Deus so envergonharia meus opositores.E muito facil debater e me defender de tantas bobagens que nao edificam.

  14. Bom, aqueles que usam o evangelho para enriquecimento ilícito, não ficarão impunes, pois a Deus ninguém engana, a menos que se arrependam.
    Sem nenhuma sombra de dúvidas: rezar, venerar ou idolatrar a Maria, lhe atribuindo poderes sobrenaturais, pecam contra Deus.
    Por exemplo: “peça a mãe que o filho atende” não é bíblico, portanto, dito dos falsos profetas. Ou ainda, Maria sempre virgem, ela concebeu na sua virgindade do Espírito Santo e foi virgem até o dia em que deu a luz o nosso Salvador Jesus, Mat. 1:25. Ela, que era esposa de José, pós o nascimento de Jesus, geraram outros filhos e nem por isso pecaram contra Deus, por serem casados. Outro dito dos falsos profetas: (o “casto” José), mesmo porque o Senhor, não ia permitir que sua serva que Ele escolheu para ser a mãe de Jesus, uma fornicadora qualquer e nem um efeminado para ser seu esposo.
    Se vc quiser saber dos outros filhos que ela teve, te mostro na bíblia, “Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?” Mat.13:55. Aí podem dizer, são irmãos de fé, então vamos fazer a separação entre irmão de fé e biológico, “Depois disto desceu a Cafarnaum, Ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias” João 2:12. Essa cidade, Cafarnaum, conheci, pois já estive lá, onde está as ruínas da casa da sogra de Pedro, que a ICR, intitulou o primeiro “papa” pedro não foi Papa e nunca esteve em Roma, portanto: afirmações mentirosas…

    • Esse artigo mostra desconhecimento da doutrina católica… Típico de protestantes, que desconhecem sua doutrina, até porque são 35.000 denominações e preferem atacar os ensinamentos da Igreja Católica.

      Sobre o catecismo. A Igreja Católica nos seus 1984 anos, teve 02 catecismos, o último foi promulgado pelo Papa João Paulo II. No Catecismo da Igreja Católica está a doutrina da Igreja, em consonância com a Bíblia.

      Sobre idolatria, leia o que diz o Catecismo…
      Parágrafo n.º 2112: O primeiro mandamento condena o politeísmo. Exige do homem que não acredite em outros deuses além de Deus, que não venere outras divindades além da única. A Sagrada Escritura está constantemente a lembrar esta rejeição dos «ídolos, ouro e prata, obra das mãos do homem, que «têm boca e não falam, têm olhos e não vêem…». Estes ídolos vãos tornam vão o homem: «sejam como eles os que os fazem e quantos põem neles a sua confiança» (Sl 115, 4-5.8) . Deus, pelo contrário, é o «Deus vivo» (Js 3, 10) (41), que faz viver e intervém na história.
      Parágrafo n.º 2113. A idolatria não diz respeito apenas aos falsos cultos do paganismo. Continua a ser uma tentação constante para a fé. Ela consiste em divinizar o que não é Deus. Há idolatria desde o momento em que o homem honra e reverencia uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demônios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do Estado, do dinheiro, etc., «Vós não podereis servir a Deus e ao dinheiro», diz Jesus (Mt 6, 24). Muitos mártires foram mortos por não adorarem «a Besta» (42), recusando-se mesmo a simularem-lhe o culto. A idolatria recusa o senhorio único de Deus; é, pois, incompatível com a comunhão divina (43).
      Parágrafo n.º 2114. A vida humana unifica-se na adoração do Único. O mandamento de adorar o único Senhor simplifica o homem e salva-o duma dispersão ilimitada. A idolatria é uma perversão do sentido religioso inato no homem. Idólatra é aquele que «refere a sua indestrutível noção de Deus seja ao que for, que não a Deus»
      Sobre Não farás para ti nenhuma imagem esculpida… O Catecismo, diz:
      Parágrafo n.º 2129. Esta imposição divina comportava a interdição de qualquer representação de Deus feita pela mão do homem. O Deuteronômio explica: «Tomai muito cuidado convosco, pois não vistes imagem alguma no dia em que o Senhor vos falou no Horeb do meio do fogo. Portanto, não vos deixeis corromper, fabricando para vós imagem esculpida» do quer que seja (Dt 4, 15-16). Quem Se revelou a Israel foi o Deus absolutamente transcendente. «Ele é tudo», mas, ao mesmo tempo, «está acima de todas as suas obras» (Sir 43, 27-28). Ele é «a própria fonte de toda a beleza criada» (Sb 13, 3).
      Parágrafo n.º 2130. No entanto, já no Antigo Testamento Deus ordenou ou permitiu a instituição de imagens, que conduziriam simbolicamente à salvação pelo Verbo encarnado: por exemplo, a serpente de bronze a arca da Aliança e os querubins.
      Parágrafo n.º 2131. Com base no mistério do Verbo encarnado, o sétimo Concílio ecumênico, de Niceia (ano de 787) justificou, contra os iconoclastas, o culto dos ícones: dos de Cristo, e também dos da Mãe de Deus, dos anjos e de todos os santos. Encarnando, o Filho de Deus inaugurou uma nova «economia» das imagens.
      Parágrafo n.º 2132. O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. Com efeito, «a honra prestada a uma imagem remonta ao modelo original» e «quem venera uma imagem venera nela a pessoa representada». A honra prestada às santas imagens é uma «veneração respeitosa», e não uma adoração, que só a Deus se deve:
      «O culto da religião não se dirige às imagens em si mesmas como realidades, mas olha-as sob o seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não se detém nela, mas orienta-se para a realidade de que ela é imagem».
      Em relação a Missa, quando a Igreja celebra a Eucaristia, rememora a páscoa de Cristo, e esta se toma presente: o sacrifício que Cristo ofereceu uma vez por todas na cruz torna-se sempre atual: “Todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, pelo qual Cristo nessa páscoa foi imolado, efetua-se a obra de nossa redenção”. Portanto, numa Missa o foco é Jesus!

      Acerca da instituição deste Sacrifício, o Santo Concílio de Trento não deixa lugar a nenhuma dúvida. Pois declarou ter sido instituído por Cristo Nosso Senhor na Última Ceia.

      Fulminou, ao mesmo tempo, a pena de excomunhão contra quem afirmasse que não se oferece a Deus um verdadeiro Sacrifício, no rigor da palavra, ou que a oblação sacrifical não consiste em outra coisa senão em dar-Se Cristo a Si mesmo como comida.

      Sacrifício oferecido só a Deus, o Concílio teve o cuidado de precisar que só a Deus se pode oferecer Sacrifício. Ainda que a Igreja costume, às vezes, celebrar Missas em memória e honra dos Santos, O Sacrifício é oferecido, não a eles, mas unicamente a Deus, que coroou os Santos de glória imortal.

      Esta é a razão por que o sacerdote jamais dirá: “Ofereço-te este Sacrifício, ó Pedro, ou, ó Paulo”. Mas, oferecendo o Sacrifício só a Deus.

      Na Oração do Ofertório da Missa e dito: Rende-Lhe graças pela insigne vitória dos bem-aventurados Mártires, aos quais implora proteção, mas de tal maneira, “que nos céus se dignem interceder por nós aqueles cuja memória celebramos na terra”.

      Sobre Maria, no Catecismo da Igreja consta no Parágrafo n.º 148. A Virgem Maria realiza, do modo mais perfeito, a «obediência da fé». Na fé, Maria acolheu o anúncio e a promessa trazidos pelo anjo Gabriel, acreditando que «a Deus nada é impossível» (Lc 1, 37).

      E dando o seu assentimento: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38). Isabel saudou-a: «Feliz aquela que acreditou no cumprimento de quanto lhe foi dito da parte do Senhor» (Lc 1, 45). É em virtude desta fé que todas as gerações a hão de proclamar bem-aventurada.

      Acrescento o Parágrafo n.º 149. Durante toda a sua vida e até à última provação, quando Jesus, seu filho, morreu na cruz, a sua fé jamais vacilou. Maria nunca deixou de crer «no cumprimento» da Palavra de Deus. Por isso, a Igreja venera em Maria a mais pura realização da fé.

      «Eu sei em quem pus a minha fé» (2 Tm 1, 12)

      IGREJA E MARIA: A Igreja atinge a perfeição em Maria, veja o que diz o Catecismo:
      Parágrafo n.º 829 “Enquanto na beatíssima Virgem a Igreja já atingiu a perfeição, pela qual existe sem mácula e sem ruga, os cristãos ainda se esforçam por crescer em santidade, vencendo o pecado. Por isso elevam seus olhos a Maria[a1] ” ela, a Igreja é já a toda santa.

      Lugar de Maria no mistério da Igreja: Parágrafo n.º 773. Na Igreja, esta comunhão dos homens com Deus pela “caridade que nunca passará” (1 Cor 13,8) é a finalidade que comanda tudo o que nela é meio sacramental ligado ao mundo presente que passa. Sua estrutura se ordena integralmente à santidade dos membros do corpo místico de Cristo. E a santidade é medida segundo o ‘grande mistério’, em que a Esposa responde com o dom do amor ao dom do Esposo[a3] . Maria nos precede a todos na santidade que é o mistério da Igreja como “a Esposa sem mancha nem ruga”. Por isso, “a dimensão marial da Igreja antecede sua dimensão petrina”.

      MARIA – MÃE DE CRISTO, MÃE DA IGREJA – Parágrafo n.º 963. Depois de termos falado do papel da Virgem Maria no mistério de Cristo e do Espírito, convém agora considerar lugar dela no mistério da Igreja. “Com efeito, a Virgem Maria (…) é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. (…). Ela é também verdadeiramente ‘Mãe dos membros [de Cristo] (…), porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça” (…) Maria, Mãe de Cristo, Mãe da Igreja.

  15. O que o Silas falou é a pura verdade baseada na Bíblia, a palavra de Deus.
    Ele criticou a idolatria dos católicos e dos evangélicos. Não passou a mão na cabeça de ninguém, apenas discursou sobre idolatria à luz da Palavra de Deus.
    O único caminho que conduz a humanidade a Deus se chama Jesus Cristo. O único que merece adoração, exaltação, veneração etc, se chama Jesus Cristo.
    O que passar disso é pecado.

  16. Pedro Jorge disse: 1 de junho de 2015 ás 9:57 pm
    Clamando sempre em papas de aranha comigo,cheguei pra detonar.
    Responder Comentar
    clamando disse: 4 de junho de 2015 ás 11:35 pm
    STARDUST ENTREGANDO O JOGO, DEIXANDO CAIR AS MASCARAS ENGOLINDO SAPOS
    Responder Comentar
    STARDUST disse: 5 de junho de 2015 ás 7:24 am
    hehehe… agora clamando esta em PAPAS DE ARANHA com meio mundo.
    Responder Comentar
    clamando disse: 5 de junho de 2015 ás 10:33 am
    STAR REALMENTE TUA CARA DE PAU É UM SARRO E NÃO ME ESPANTO SEMPRE QUE TE DESMASCARO VC. DISFARÇA DISFARÇA ENGOLE SAPO ENGOLE SAPO FICA COMO UM PEIXE FORA D.ÁGUA..KKKK MAS TODOS JÁ VIRAM PERDEU PLAYBOI … KKKK NA VERDADE TU É UM BAITA TROUXA ACHANDO DE ESPERTO

  17. Sou e sigo JESUS CRISTO,mas entre adorar um falso profeta movido de ganância,avareza
    e toda sorte de preconceitos e farisaísmo e adorar uma imagem,juro pelos céus que prefiro
    adorar as imagens feita pelas maõs dos homens,pois,estas pelo menos não tem vida e não
    pode fazer nem o bem e nem o mal,e só vou perder o meu tempo.Já um falso profeta…É
    só ter coragem e ler a Bíblia como ela é sem pular e sem escolher frases soltas e isoladas.
    Mas até a bíblia eles estão mudando com frases que a convém.

      • Esse artigo mostra desconhecimento da doutrina católica… Típico de protestantes, que desconhecem sua doutrina, até porque são 35.000 denominações e preferem atacar os ensinamentos da Igreja Católica.

        Sobre o catecismo. A Igreja Católica nos seus 1984 anos, teve 02 catecismos, o último foi promulgado pelo Papa João Paulo II. No Catecismo da Igreja Católica está a doutrina da Igreja, em consonância com a Bíblia.

        Sobre idolatria, leia o que diz o Catecismo…
        Parágrafo n.º 2112: O primeiro mandamento condena o politeísmo. Exige do homem que não acredite em outros deuses além de Deus, que não venere outras divindades além da única. A Sagrada Escritura está constantemente a lembrar esta rejeição dos «ídolos, ouro e prata, obra das mãos do homem, que «têm boca e não falam, têm olhos e não vêem…». Estes ídolos vãos tornam vão o homem: «sejam como eles os que os fazem e quantos põem neles a sua confiança» (Sl 115, 4-5.8) . Deus, pelo contrário, é o «Deus vivo» (Js 3, 10) (41), que faz viver e intervém na história.
        Parágrafo n.º 2113. A idolatria não diz respeito apenas aos falsos cultos do paganismo. Continua a ser uma tentação constante para a fé. Ela consiste em divinizar o que não é Deus. Há idolatria desde o momento em que o homem honra e reverencia uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demônios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do Estado, do dinheiro, etc., «Vós não podereis servir a Deus e ao dinheiro», diz Jesus (Mt 6, 24). Muitos mártires foram mortos por não adorarem «a Besta» (42), recusando-se mesmo a simularem-lhe o culto. A idolatria recusa o senhorio único de Deus; é, pois, incompatível com a comunhão divina (43).
        Parágrafo n.º 2114. A vida humana unifica-se na adoração do Único. O mandamento de adorar o único Senhor simplifica o homem e salva-o duma dispersão ilimitada. A idolatria é uma perversão do sentido religioso inato no homem. Idólatra é aquele que «refere a sua indestrutível noção de Deus seja ao que for, que não a Deus»
        Sobre Não farás para ti nenhuma imagem esculpida… O Catecismo, diz:
        Parágrafo n.º 2129. Esta imposição divina comportava a interdição de qualquer representação de Deus feita pela mão do homem. O Deuteronômio explica: «Tomai muito cuidado convosco, pois não vistes imagem alguma no dia em que o Senhor vos falou no Horeb do meio do fogo. Portanto, não vos deixeis corromper, fabricando para vós imagem esculpida» do quer que seja (Dt 4, 15-16). Quem Se revelou a Israel foi o Deus absolutamente transcendente. «Ele é tudo», mas, ao mesmo tempo, «está acima de todas as suas obras» (Sir 43, 27-28). Ele é «a própria fonte de toda a beleza criada» (Sb 13, 3).
        Parágrafo n.º 2130. No entanto, já no Antigo Testamento Deus ordenou ou permitiu a instituição de imagens, que conduziriam simbolicamente à salvação pelo Verbo encarnado: por exemplo, a serpente de bronze a arca da Aliança e os querubins.
        Parágrafo n.º 2131. Com base no mistério do Verbo encarnado, o sétimo Concílio ecumênico, de Niceia (ano de 787) justificou, contra os iconoclastas, o culto dos ícones: dos de Cristo, e também dos da Mãe de Deus, dos anjos e de todos os santos. Encarnando, o Filho de Deus inaugurou uma nova «economia» das imagens.
        Parágrafo n.º 2132. O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. Com efeito, «a honra prestada a uma imagem remonta ao modelo original» e «quem venera uma imagem venera nela a pessoa representada». A honra prestada às santas imagens é uma «veneração respeitosa», e não uma adoração, que só a Deus se deve:
        «O culto da religião não se dirige às imagens em si mesmas como realidades, mas olha-as sob o seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não se detém nela, mas orienta-se para a realidade de que ela é imagem».
        Em relação a Missa, quando a Igreja celebra a Eucaristia, rememora a páscoa de Cristo, e esta se toma presente: o sacrifício que Cristo ofereceu uma vez por todas na cruz torna-se sempre atual: “Todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, pelo qual Cristo nessa páscoa foi imolado, efetua-se a obra de nossa redenção”. Portanto, numa Missa o foco é Jesus!

        Acerca da instituição deste Sacrifício, o Santo Concílio de Trento não deixa lugar a nenhuma dúvida. Pois declarou ter sido instituído por Cristo Nosso Senhor na Última Ceia.

        Fulminou, ao mesmo tempo, a pena de excomunhão contra quem afirmasse que não se oferece a Deus um verdadeiro Sacrifício, no rigor da palavra, ou que a oblação sacrifical não consiste em outra coisa senão em dar-Se Cristo a Si mesmo como comida.

        Sacrifício oferecido só a Deus, o Concílio teve o cuidado de precisar que só a Deus se pode oferecer Sacrifício. Ainda que a Igreja costume, às vezes, celebrar Missas em memória e honra dos Santos, O Sacrifício é oferecido, não a eles, mas unicamente a Deus, que coroou os Santos de glória imortal.

        Esta é a razão por que o sacerdote jamais dirá: “Ofereço-te este Sacrifício, ó Pedro, ou, ó Paulo”. Mas, oferecendo o Sacrifício só a Deus.

        Na Oração do Ofertório da Missa e dito: Rende-Lhe graças pela insigne vitória dos bem-aventurados Mártires, aos quais implora proteção, mas de tal maneira, “que nos céus se dignem interceder por nós aqueles cuja memória celebramos na terra”.

        Sobre Maria, no Catecismo da Igreja consta no Parágrafo n.º 148. A Virgem Maria realiza, do modo mais perfeito, a «obediência da fé». Na fé, Maria acolheu o anúncio e a promessa trazidos pelo anjo Gabriel, acreditando que «a Deus nada é impossível» (Lc 1, 37).

        E dando o seu assentimento: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38). Isabel saudou-a: «Feliz aquela que acreditou no cumprimento de quanto lhe foi dito da parte do Senhor» (Lc 1, 45). É em virtude desta fé que todas as gerações a hão de proclamar bem-aventurada.

        Acrescento o Parágrafo n.º 149. Durante toda a sua vida e até à última provação, quando Jesus, seu filho, morreu na cruz, a sua fé jamais vacilou. Maria nunca deixou de crer «no cumprimento» da Palavra de Deus. Por isso, a Igreja venera em Maria a mais pura realização da fé.

        «Eu sei em quem pus a minha fé» (2 Tm 1, 12)

        IGREJA E MARIA: A Igreja atinge a perfeição em Maria, veja o que diz o Catecismo:
        Parágrafo n.º 829 “Enquanto na beatíssima Virgem a Igreja já atingiu a perfeição, pela qual existe sem mácula e sem ruga, os cristãos ainda se esforçam por crescer em santidade, vencendo o pecado. Por isso elevam seus olhos a Maria[a1] ” ela, a Igreja é já a toda santa.

        Lugar de Maria no mistério da Igreja: Parágrafo n.º 773. Na Igreja, esta comunhão dos homens com Deus pela “caridade que nunca passará” (1 Cor 13,8) é a finalidade que comanda tudo o que nela é meio sacramental ligado ao mundo presente que passa. Sua estrutura se ordena integralmente à santidade dos membros do corpo místico de Cristo. E a santidade é medida segundo o ‘grande mistério’, em que a Esposa responde com o dom do amor ao dom do Esposo[a3] . Maria nos precede a todos na santidade que é o mistério da Igreja como “a Esposa sem mancha nem ruga”. Por isso, “a dimensão marial da Igreja antecede sua dimensão petrina”.

        MARIA – MÃE DE CRISTO, MÃE DA IGREJA – Parágrafo n.º 963. Depois de termos falado do papel da Virgem Maria no mistério de Cristo e do Espírito, convém agora considerar lugar dela no mistério da Igreja. “Com efeito, a Virgem Maria (…) é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. (…). Ela é também verdadeiramente ‘Mãe dos membros [de Cristo] (…), porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça” (…) Maria, Mãe de Cristo, Mãe da Igreja.

    • Adorar falso profeta e terrivel,porem existe alguns desviados que ainda fazem diferenca em algumas situacoes,e ate sao usados por Deus em outras .Dificil e ver um papa que e considerado por alguns, um homem de Deus e nao ter credenciais como os discipulos tinham e nem fazer diferenca a seus comandados e nem a sociedade.Papa, apenas um lider politico,seus fieis perecem e por falta de conhecimento.

  18. Sim, decerto que o profeta Eliseu foi idólatra quando bateu com o manto do falecido profeta Elias na água, e então o rio se dividiu em duas partes, para que ele atravessasse (II Reis 2,13-14). Decerto que as pessoas foram idólatras quando traziam os lenços de São Paulo apóstolo para curar os enfermos (Atos 19,11-12). A passagem de Atos não deixa dúvidas de que o Senhor envia graças aos fiéis por intermédio de seus santos, inclusive por meio de suas relíquias. E o que dizer dos ossos de Eliseu (2 Reis 13,21)? Na Bíblia Sagrada diz que as pessoas se curavam só de tocar no vestido de Jesus e dos apóstolos intercessores — e mesmo depois de mortos, como enunciei (2 Reis 13,12). Por isso as relíquias da Cristandade são tão cobiçadas. E vide a Arca da Aliança mesmo, que até hoje é artefato cobiçado (a original, e não a que muitos evangélicos constroem e se prostram diante dela), como fora por líderes políticos dos séculos passados. O diabo, assim como os pagãos, gnósticos e hereges iconoclastas que profanam a cruz, são estaurofóbicos. Não há Cristandade sem a Cruz de Cristo, na qual nos gloriamos (Gl 6,14). Quanto a mim, eu adoro é a cruz de Cristo crucificado (1 Cor 1,23), somente.

    • JESUS DEU A ORDEM AOS DISCÍPULOS QUE NO SEU NOME CURASSEM OS ENFERMOS,DISCÍPULOS VIVOS E NÃO PEDAÇOS DE MADEIRAS OU DE GESSO.QUE NADA PODEM FAZER QUANTAS IGNORÂNCIA.

  19. “Ai de vós, condutores cegos! pois que dizeis: Qualquer que jurar pelo templo, isso nada é; mas o que jurar pelo ouro do templo, esse é devedor. Insensatos e cegos! Pois qual é maior: o ouro, ou o templo, que santifica o ouro? E aquele que jurar pelo altar isso nada é; mas aquele que jurar pela oferta que está sobre o altar, esse é devedor. Insensatos e cegos! Pois qual é maior: a oferta, ou o altar, que santifica a oferta? Portanto, o que jurar pelo altar, jura por ele e por tudo o que sobre ele está; e, o que jurar pelo templo, jura por ele e por aquele que nele habita;
    e, o que jurar pelo céu, jura pelo trono de Deus e por aquele que está assentado nele. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.” (S. Mateus 23:16-23 ACRF)

    • O amor ao dinheiro (Mamon) é a causa de todos males (1 Tm 6,10), e a avareza, que é idolatria (Cl 3,5).

      Youtube: “A contradição de Silas Malafaia e a Teologia da Prosperidade.”

    • Católicos e amantes de líderes políticos, leiam o livro católico que faz parte dos sete livros introduzido a mais, no caso o de sabedoria, no capítulo 15, o detalhamento do que o pastor silas falou.

      Vão ver que quem coloco imagem e político acima de Deus, eis que são desobedientes, pecadores, indignos;

      Leiam isso num dos sete livros inseridos pela católica.

      Vão perceber que a católica sequer segue o que ela batiza, esses sete livros.

  20. Pr. Silas Malafaia, não ouse mais convocar os católicos “idólatras”- e todas as pessoas de bem, como você diz, espíritas e tal, que vocês tanto desprezam – para nada. Não os convoque para nada, para união política etc., pois deixemos de fingimento e hipocrisia. Você proferiu insultos graves contra os católicos, disse que não é favorável à ofensa de nenhum símbolo religioso de qualquer religião, mas depois, sempre inconstante e contraditório, disse que faria melhor que o pastor do “chute na santa”, porque hoje você está mais amadurecido. E você agiu pretensiosamente quando defendeu os católicos quando a fé católica foi ultrajada na parada gay. Cristo detesta a hipocrisia. No mais, que união há entre as luzes e as trevas, não é? Por que então você costuma convocar católicos, e espíritas e as pessoas de bem, para se unirem contra essas políticas nefastas? Que união há entre as luzes e as trevas, como vocês tanto repetem, nos acusando de sermos das trevas? Vocês dizem que o papado é a besta do Apocalipse, que a Igreja Católica é a babilônia, blasfemando sim contra os santos (Ap 13,5-7), você que é um homem soberbo, espetaculoso, gritalhão e arrogante. Você é hipócrita e pretensioso. E eu não sei como um pastor soberbo, cão guloso (Is. 56,10-11), espetaculoso, arrogante e gritalhão pode apascentar as suas ovelhas. Deus rejeita os soberbos, e como cantou a Virgem Maria, Nossa Senhora (a qual vocês evangélicos têm inimizade), no seu Magnificat, Deus exaltou os humildes. Católicos, chega de darem a cara a tapas! Não dêem ouvidos para esse pastor.

    • 15 RAZÕES PORQUE DEIXEI DE SER CATÓLICO ROMANOConfissões de um Ex-padre

      “E ouvi outra voz do céu que, que dizia sai dela povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Apocalipse 18:4”.

      Ex Padre Josias de Souza Lima

      15 razoes porque deixei de ser católico romano:

      1- Porque Jesus disse “Examinai as Escrituras porque cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam” (João 5:39).
      Se é pelo intermédio das Escrituras e mediante os ensinos de Jesus que “uma vez aceitando-O alcançamos a salvação” exclui-se, portanto que seja pela igreja católica.

      2 Não sou católico romano porque sendo a religião cristã fundada por Cristo, foi durante 200 anos divulgada sem modificações nem acréscimos, mas dali pra cá surgiram novas doutrinas,
      falsificações, e toda a sorte de cerimônias estranhas ao Novo Testamento, que foram discutidas em concílios e aprovadas por homens, daí nascendo a Igreja Católica Romana.
      “Mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviam mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente”(Romanos 1:25).

      3- Não sou Católico Romano, porque atendendo ao pedido de Jesus no que Ele diz examinai as Escrituras, isso tenho feito e nunca encontrei nos livros sagrados do Novo Testamento o “Ofício da
      Missa”.
      A razão porque não encontrei, é que foi composto pelo Papa Gregório I uns 600 anos depois de Cristo.

      4 Não sou Católico Romano, porque não encontrei uma passagem no novo testamento que mostre algum dos apóstolos diante do altar incensando imagens. 
      A razão porque não encontrei, é que o culto das imagens foi decretado pelo 2.º Concilio de Nicéia 787 depois de Cristo. 

      5 Não sou Católico Romano, porque não encontrei no Novo Testamento
      um só trecho que fale de ter havido na Igreja primitiva alguma procissão eucarística.
      A razão porque não encontrei, é que começou em 1360 anos depois de Cristo.

      6- Não sou Católico Romano, porque não encontrei um versículo qualquer na Bíblia que recomende o uso do rosário.
      A razão porque não encontrei, é que apareceu com o Pedro Eremita em 1090 depois de Cristo.

      7- Não sou Católico Romano, porque não encontrei na Bíblia
      Sagrada um só mandamento que proíba o casamento dos ministros da religião.
      A razão porque não encontrei, é que foi proibido pelo Papa Gregório VII em 1074 depois de Cristo.

      8 Não sou Católico Romano porque não encontrei nas Escrituras Sagradas a palavra “Purgatório”.
      A razão porque não encontrei, é que não existe e só foi promulgado pelo concílio de Trento, em 1563 depois de Cristo. Antes desta data não havia nenhuma alma no purgatório, pois não havia sido criado pelo Papa.

      9 Não sou Católico Romano porque não encontrei uma só passagem no Novo Testamento que mostre algum ministro de Deus aspergindo água benta no caixão de um morto e fazendo-lhe recomendação.
      A razão porque não encontrei, é que foi criado pela Igreja Católica, a fabricação da água benta apareceu 1000 anos depois de Cristo.

      10 Não sou Católico Romano porque não encontrei na Palavra de Deus que se deve orar e render culto aos Santos e aos Anjos.
      A razão porque encontrei, é que foi criado pela Igreja no ano 788
      depois de Cristo. E o culto das imagens foi decretado pelo 2º Concilio de Nicéia em 787 depois de Cristo.

      11 Não sou Católico Romano, porque não encontrei nas Escrituras Sagradas que entre Deus e os homens há outro mediador e intercessor fora de Jesus Cristo (I Tim 2:5)

      12 Não sou Católico Romano porque não encontrei na Bíblia Sagrada a ”confissão auricular”.
      A razão porque não encontrei, é que foi estabelecida como doutrina pelo
      4º concilio de Latrão Roma em 1215 depois de Cristo.

      13 Não sou Católico Romano porque não encontrei na Escrituras Sagradas a “Transubstanciação” doutrina da hóstia transformada no corpo de Cristo (osso, carne, nervos, unhas, cabelos, sangue, espírito e divindade).
      A razão porque não encontrei, é que esta inovação foi criada no concilio de Latão em 1215 depois de Cristo.

      14 Não sou Católico Romano porque a Bíblia diz que “se alguém ouvir as palavras deste livro vivera,
      mas se alguém lhe acrescentar mais alguma coisa. Deus lhe fará vir sobre eles as pragas escritas neste livro. E se alguém “Tirar quaisquer palavra do livro desta profecia, Deus lhe tirara a sua parte da arvore da vida e da cidade Santa.” (Apocalipse 22:18,19).

      15 Não sou Católico Romano, porque disse Jesus em Apocalipse “sai dela povo Meu para que não sejas participante dos seus pecados e não tomes partes nas suas pragas” (Apoc. 18:4).

      Ao leitor inteligente, bastam estas advertências, uma vez que provamos que Roma Papal incorre nas condenações de Deus. Ela mudou, acrescentou, e diminuiu a palavra divina em concílios e decretos, por estas razoes não sou Católico Romano.
      E no dia que encontrar qualquer Católico Romano Padre ou leigo que provar com versículos a autenticidade para tais doutrinas, deixo de ser Cristão Evangélico para ser Católico Romano.

      • “Aprofundar o conhecimento acerca da história é abdicar ao protestantismo” – John Henry Newman, ex-ministro protestante .

        “GALERIA DOS EX-PASTORES”, Cai a Farsa.

        “List of converts to Catholicism”, Wikipedia.

        “Toda uma comunidade evangélica se converte ao catolicismo”, O Fiel Católico.

        “150 razões por que me tornei um católico”, Veritatis Splentor.

        “20 razões pelas quais não sou protestante (refutação da refutação)”, Veritatis Splendor.

        “Desafio aos protestantes”, Montfot.

        “Pegadinhas para os Protestantes”, Pergunte e Responderemos pr.gonet.

        “Testemunho da Conversão do Rabino Chefe de Roma durante a Segunda Guerra Mundial”, Quem tem boca vai a Roma!.

        “A dificuldade de explicar “por que eu sou católico’’ é que há dez mil razões tudo no valor de uma razão: que o Catolicismo é verdadeiro.’’ – G.K. Chesterton.

        “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião ou a Católica ou nenhuma.” – Ruy Barbosa.

        • SO SE VOLTA PARA O CATOLICISMO,QUANDO SE ENTRA PELAS PORTAS DE UMA PSEUDO IGREJA PROTESTANTE.OS NUMEROS DEMONSTRAM QUE ENQUANTO UNS VOLTAM ,MILHARES SAEM E NAO VOLTAM NUNCA MAIS.

        • Eu gostaria qUe visses os debates entre pastores e padres, onde dentro das enciclicas papais,concilios e da igreja os padres sao refutados, e lhes e oferecido um mes de programa na tv pra que eles possam dizer aos fieis que nao prestem culto as imagens.Sabe o que os padres do Rio disseram;que os fieis fazem aquilo ,que a igreja nao determinou,chamando vcs fieis de despreparados.VEJA DEBATE padre x pastor you tube.

  21. Os catorcos creem em tudo, imagens imaginárias de gesso, terço, pedaço de lata que chamam de ostensório, e que dizem ser Jesus, rezam como se fossem papagaios, só não oram ao Criador, JESUS.

  22. Esse artigo mostra desconhecimento da doutrina católica… Típico de protestantes, que desconhecem sua doutrina, até porque são 35.000 denominações e preferem atacar os ensinamentos da Igreja Católica.

    Sobre o catecismo. A Igreja Católica nos seus 1984 anos, teve 02 catecismos, o último foi promulgado pelo Papa João Paulo II. No Catecismo da Igreja Católica está a doutrina da Igreja, em consonância com a Bíblia.

    Sobre idolatria, leia o que diz o Catecismo…
    Parágrafo n.º 2112: O primeiro mandamento condena o politeísmo. Exige do homem que não acredite em outros deuses além de Deus, que não venere outras divindades além da única. A Sagrada Escritura está constantemente a lembrar esta rejeição dos «ídolos, ouro e prata, obra das mãos do homem, que «têm boca e não falam, têm olhos e não vêem…». Estes ídolos vãos tornam vão o homem: «sejam como eles os que os fazem e quantos põem neles a sua confiança» (Sl 115, 4-5.8) . Deus, pelo contrário, é o «Deus vivo» (Js 3, 10) (41), que faz viver e intervém na história.
    Parágrafo n.º 2113. A idolatria não diz respeito apenas aos falsos cultos do paganismo. Continua a ser uma tentação constante para a fé. Ela consiste em divinizar o que não é Deus. Há idolatria desde o momento em que o homem honra e reverencia uma criatura em lugar de Deus, quer se trate de deuses ou de demônios (por exemplo, o satanismo), do poder, do prazer, da raça, dos antepassados, do Estado, do dinheiro, etc., «Vós não podereis servir a Deus e ao dinheiro», diz Jesus (Mt 6, 24). Muitos mártires foram mortos por não adorarem «a Besta» (42), recusando-se mesmo a simularem-lhe o culto. A idolatria recusa o senhorio único de Deus; é, pois, incompatível com a comunhão divina (43).
    Parágrafo n.º 2114. A vida humana unifica-se na adoração do Único. O mandamento de adorar o único Senhor simplifica o homem e salva-o duma dispersão ilimitada. A idolatria é uma perversão do sentido religioso inato no homem. Idólatra é aquele que «refere a sua indestrutível noção de Deus seja ao que for, que não a Deus»
    Sobre Não farás para ti nenhuma imagem esculpida… O Catecismo, diz:
    Parágrafo n.º 2129. Esta imposição divina comportava a interdição de qualquer representação de Deus feita pela mão do homem. O Deuteronômio explica: «Tomai muito cuidado convosco, pois não vistes imagem alguma no dia em que o Senhor vos falou no Horeb do meio do fogo. Portanto, não vos deixeis corromper, fabricando para vós imagem esculpida» do quer que seja (Dt 4, 15-16). Quem Se revelou a Israel foi o Deus absolutamente transcendente. «Ele é tudo», mas, ao mesmo tempo, «está acima de todas as suas obras» (Sir 43, 27-28). Ele é «a própria fonte de toda a beleza criada» (Sb 13, 3).
    Parágrafo n.º 2130. No entanto, já no Antigo Testamento Deus ordenou ou permitiu a instituição de imagens, que conduziriam simbolicamente à salvação pelo Verbo encarnado: por exemplo, a serpente de bronze a arca da Aliança e os querubins.
    Parágrafo n.º 2131. Com base no mistério do Verbo encarnado, o sétimo Concílio ecumênico, de Niceia (ano de 787) justificou, contra os iconoclastas, o culto dos ícones: dos de Cristo, e também dos da Mãe de Deus, dos anjos e de todos os santos. Encarnando, o Filho de Deus inaugurou uma nova «economia» das imagens.
    Parágrafo n.º 2132. O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. Com efeito, «a honra prestada a uma imagem remonta ao modelo original» e «quem venera uma imagem venera nela a pessoa representada». A honra prestada às santas imagens é uma «veneração respeitosa», e não uma adoração, que só a Deus se deve:
    «O culto da religião não se dirige às imagens em si mesmas como realidades, mas olha-as sob o seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não se detém nela, mas orienta-se para a realidade de que ela é imagem».
    Em relação a Missa, quando a Igreja celebra a Eucaristia, rememora a páscoa de Cristo, e esta se toma presente: o sacrifício que Cristo ofereceu uma vez por todas na cruz torna-se sempre atual: “Todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, pelo qual Cristo nessa páscoa foi imolado, efetua-se a obra de nossa redenção”. Portanto, numa Missa o foco é Jesus!

    Acerca da instituição deste Sacrifício, o Santo Concílio de Trento não deixa lugar a nenhuma dúvida. Pois declarou ter sido instituído por Cristo Nosso Senhor na Última Ceia.

    Fulminou, ao mesmo tempo, a pena de excomunhão contra quem afirmasse que não se oferece a Deus um verdadeiro Sacrifício, no rigor da palavra, ou que a oblação sacrifical não consiste em outra coisa senão em dar-Se Cristo a Si mesmo como comida.

    Sacrifício oferecido só a Deus, o Concílio teve o cuidado de precisar que só a Deus se pode oferecer Sacrifício. Ainda que a Igreja costume, às vezes, celebrar Missas em memória e honra dos Santos, O Sacrifício é oferecido, não a eles, mas unicamente a Deus, que coroou os Santos de glória imortal.

    Esta é a razão por que o sacerdote jamais dirá: “Ofereço-te este Sacrifício, ó Pedro, ou, ó Paulo”. Mas, oferecendo o Sacrifício só a Deus.

    Na Oração do Ofertório da Missa e dito: Rende-Lhe graças pela insigne vitória dos bem-aventurados Mártires, aos quais implora proteção, mas de tal maneira, “que nos céus se dignem interceder por nós aqueles cuja memória celebramos na terra”.

    Sobre Maria, no Catecismo da Igreja consta no Parágrafo n.º 148. A Virgem Maria realiza, do modo mais perfeito, a «obediência da fé». Na fé, Maria acolheu o anúncio e a promessa trazidos pelo anjo Gabriel, acreditando que «a Deus nada é impossível» (Lc 1, 37).

    E dando o seu assentimento: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38). Isabel saudou-a: «Feliz aquela que acreditou no cumprimento de quanto lhe foi dito da parte do Senhor» (Lc 1, 45). É em virtude desta fé que todas as gerações a hão de proclamar bem-aventurada.

    Acrescento o Parágrafo n.º 149. Durante toda a sua vida e até à última provação, quando Jesus, seu filho, morreu na cruz, a sua fé jamais vacilou. Maria nunca deixou de crer «no cumprimento» da Palavra de Deus. Por isso, a Igreja venera em Maria a mais pura realização da fé.

    «Eu sei em quem pus a minha fé» (2 Tm 1, 12)

    IGREJA E MARIA: A Igreja atinge a perfeição em Maria, veja o que diz o Catecismo:
    Parágrafo n.º 829 “Enquanto na beatíssima Virgem a Igreja já atingiu a perfeição, pela qual existe sem mácula e sem ruga, os cristãos ainda se esforçam por crescer em santidade, vencendo o pecado. Por isso elevam seus olhos a Maria[a1] ” ela, a Igreja é já a toda santa.

    Lugar de Maria no mistério da Igreja: Parágrafo n.º 773. Na Igreja, esta comunhão dos homens com Deus pela “caridade que nunca passará” (1 Cor 13,8) é a finalidade que comanda tudo o que nela é meio sacramental ligado ao mundo presente que passa. Sua estrutura se ordena integralmente à santidade dos membros do corpo místico de Cristo. E a santidade é medida segundo o ‘grande mistério’, em que a Esposa responde com o dom do amor ao dom do Esposo[a3] . Maria nos precede a todos na santidade que é o mistério da Igreja como “a Esposa sem mancha nem ruga”. Por isso, “a dimensão marial da Igreja antecede sua dimensão petrina”.

    MARIA – MÃE DE CRISTO, MÃE DA IGREJA – Parágrafo n.º 963. Depois de termos falado do papel da Virgem Maria no mistério de Cristo e do Espírito, convém agora considerar lugar dela no mistério da Igreja. “Com efeito, a Virgem Maria (…) é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. (…). Ela é também verdadeiramente ‘Mãe dos membros [de Cristo] (…), porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça” (…) Maria, Mãe de Cristo, Mãe da Igreja.

  23. Se uma procissão onde é carregada uma imagem de santa ou santo, onde são entoados cânticos a essas imagens não for idolatria, mas sim, uma lembrança, me desculpe mas é idolatria SIM, ou veneração (como queiram). Revejam seus conceitos, ou melhor, leiam a Bíblia com humildade, coração aberto, e peçam para que o Espírito Santo lhes dê o entendimento. Não ouça somente através da boca do padre, busque a verdade. Já vivi no erro, mas graças a Deus, na minha pequenez, comecei a ler a bíblia, então a verdade me libertou e hoje sou feliz com Jesus. O título de Salvador pertence somente a Ele. Malafaia não mentiu. Há idolatria em vários segmentos, inclusive no meio evangélico, porém cada um prestará conta acerca de suas ações. “A tradição sem a verdade é o erro envelhecido”.

  24. A imagem fátima, até que impressiona pela beleza profissional do artífice, mas por detrás desta existe um demônio aplaudindo os seus adoradores.
    Por ser uma dividade (ídola), não anda, não respiro, e não fala, “A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam” Salmos 115:8

    • “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3 – Sem mais. Glórias e honras somente ao Rei dos Reis e Senhor dos Senhores! Aleluias!

    • Aqui cito as próprias palavras do Idolatra Malafaia que faz do dinheiro seu carro chefe: Em sua conclusão, Silas Malafaia conceitua o que é idolatria de forma ampla, indo além das imagens de escultura: “[Idolatria] é tudo aquilo que rouba o primeiro lugar, que pertence exclusivamente a Deus, em nosso coração. Sendo assim, quem é avaro ama mais o dinheiro do que a Deus; quem é egoísta ama mais a si do que a Deus; quem ‘tieta’ artista e quem vai à igreja apenas para ouvir padre, pastor ou cantor gospel é tão idólatra quanto aquele que se inclina diante de imagens de escultura, pois cultua ídolos em seu coração. Essa pessoa precisa reconhecer seu erro, pedir perdão e ajuda ao Senhor para mudar, pois os idólatras não herdarão o Reino dos céus (Gálatas 5:20,21)”, finaliza.

      Sou ex protestante graças a Deus, não sirvo a homens nem ao dinheiro sirvo a Jesus na sua santa Igreja Católica. O protestantismo faliu, ética e moralmente!

  25. 10 motivos bíblicos para não ser Católico Apostólico Romano

    O Catolicismo Romano afirma ser o único representante na terra da fé Cristã. Ensinam que fora da igreja Católica Romana não há salvação. Quando o papa Bento 16 veio ao Brasil em 2007, disse em seu discurso que os Católicos devem ser mais práticos em sua fé, com o objetivo de deter o avanço das seitas (ele considera como seita, todo seguimento cristão que não tem vínculo com a igreja Católica) na América do Sul.

    Será a seita Romana a verdadeira representante de Cristo na terra? Será que salvação em Cristo só no Catolicismo Romano? Estará certo o papa Bento 16, ao chamar de seita qualquer outro seguimento Cristão que não esteja ligado ao Catolicismo. Iremos responder a estas e outras indagações neste estudo.

    DEZ RAZÕES BÍBLICAS PORQUE NÃO SOU CATÓLICO APÓSTOLICO ROMANO.

    I – A igreja de Cristo não nasceu em Roma, mas em Jerusalém.

    a. O catolicismo romano nasceu somente em 325 d.C. com o concílio de Nicéia, promovido por Constantino, imperador de Roma. Ela recebeu esse nome em 381 com o imperador Teodósio.
    b. A bíblia revela que o início da igreja cristã foi trezentos anos antes em Jerusalém, e não em Roma. Lc. 24: 47-49; At.1:4, 8, 12-14; 2: 1-5, 37-47.

    II – A autoridade da bíblia está acima da autoridade de qualquer igreja.

    a. A igreja católica em 1546 colocou a tradição da igreja em pé de igualdade com as escrituras. Isto significa que só a igreja romana determina o que é verdade e o que não é na bíblia.

    Exemplo: No século IV a igreja romana estabeleceu as orações pelos mortos e sinal –da- cruz feito no ar. No ano de 1100 d.C. introduz na igreja o culto dos anjos.

    b. Mt.15:3; Mc.7:13; II Tm.3:16. A bíblia tem autoridade suprema e não a igreja. Devemos aceitar a
    verdade da palavra de Deus e não uma interpretação particular de uma entidade. I Co.4:6; Ap.22:18

    III – A história da igreja e acima de tudo a bíblia nos ensina que só devemos aceitar 66 livros da escritura como inspirado por Deus e não 73.

    a. Os 7 livros a mais na bíblia católica foram acrescentados em 8 de Abril de 1546 no Concilio de trento (1545-1563). São estes os livros: Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Baruque, A epístola de Jeremias, 1 e 2
    Macabeus e acréscimos feitos a Ester e a Daniel.

    b. Wayne Grudem alista 4 fatos que comprovam que você não deve recebê-los com Palavra de Deus.

    b.1. Eles não atribuem a si a inspiração divina; b.2. Não foram considerados como palavra de Deus pelo povo judeu; b.3. Não foram considerados como escritura por Jesus nem pelos escritores do novo testamento; b.4. Contêm ensinos incoerentes com o restante da bíblia.

    Exemplos: Baruc diz que Deus ouve as orações dos mortos (3.4); II Macabeus pede desculpas por seus erros, 15:36-39.

    IV – Seguir o Catolicismo é praticar espiritismo, que é condenado por Deus.

    a. A partir do momento que os sacerdotes católicos ensinam os seus seguidores a intercederem a Maria, João, José, Pedro ou a qualquer outro que está morto. Ensinam praticas espíritas que é consultar os mortos.

    b. Deus condena veementemente consultar os mortos, Dt.18:9-14; Is.8:19-22.

    V – A idolatria é um grande pecado diante de Deus.

    a. O 3° catecismo-p. 75 da igreja católica ensinam que se deve prestar honra e veneração às imagens de escultura.

    b. A imagem de escultura que é o mesmo que ídolo é condenado
    expressamente por Deus, Ex.20:4; Dt.7:25-26; Hc.2:18-19; Os.4:12; Mt. 4:10.

    VI – O batismo é uma confirmação de fé e não um meio de Salvação.

    a. A igreja católica ensina que o batismo infantil deve ser realizado como meio de salvação. Acredita-se que se a criança morrer sem se batizar, irá para o limbo e ficará numa sombra eterna sendo considerada pagã.

    b. Segundo a bíblia o batismo trata
    de um ato de obediência que expressa fé do batizando em Cristo. Uma criança não tem entendimento suficiente para obedecer e expressar sua fé em cristo. Aliás, o próprio salvador foi batizado aos 30 anos de idade, Lc.3:21-23; Mc.16:15,16.

    VII – A palavra de Deus me ensina que só Jesus não cometeu pecado algum.

    a.Hb.9:28.1. O ensino católico diz que Maria a mãe de Jesus foi uma mulher que não cometeu pecado algum.

    b. Em Lc. 6:46-47 A própria Maria declarou-se pecadora como qualquer outra pessoa. Em Lc.2:22-24, ela mesma se incluiu no sacrifício de um par de rolas pelo seu pecado.

    VIII – Jesus é o único intercessor entre Deus e os homens.

    a.I Tm.2:51. A igreja católica coloca Maria e muitos outros como intercessores entre Deus e os homens.2. O próprio Jesus nos ensinou que Devemos pedir ao Pai
    em Seu Nome, Jo. 15:16; 16:23, 34.

    IX – Cristo é o único e grande fundamento da igreja.

    a. A história revela que o papado foi instituído com fins políticos. O primeiro papa foi Leão I (440-461d.C.) e não Pedro. O título de papa não existe na bíblia, Ef. 4:11.2. Usa-se Mt. 16:16-19 para afirmar-se que Pedro foi o primeiro papa. O termo usado por Jesus para Pedro é pedra. Contudo a palavra no grego é “petrós”. Jesus empregou-a com o sentido de “pedrinha”. Já para a palavra pedra,
    da frase “sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. Jesus usou o termo grego “petras” para designar rocha (grande pedra). A bíblia ensina que Pedro não passa de uma pequena parte da edificação. Ele mesmo escreveu que Jesus é a pedra de esquina, I Pe.2:4-10.

    X – Salvação Eterna só em Cristo Jesus.

    a. Para o catolicismo, as boas obras ajudam na salvação.

    b. Tal crença despreza o grande
    amor de Deus. Somos salvos pela graça e não por méritos pessoais. A bíblia nos dá grandes respostas sobre a doutrina da salvação:

    b.1. A salvação só vem de Deus, Is.12:2; 25:19; I Tm.4:10; b.2. Salvação só por meio de Cristo. Jo.10:9; At.4:12; Rm.5:1,9; I Ts.5:9; b.3. A salvação é um dom imerecido de Deus, Jo.3:16; Ef.2:8, 9.

    “Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade”. II Cor. 13:8

  26. Lamentável o desfile de ignorâncias em matéria requentada pelo site. Já debatemos aqui no passado em mais alto nível sobre o tema, inclusive com o devido respeito que se prega dentro do cristianismo.

    Aqui percebemos o quanto o ser humano está adoecido e caminhando a passos largos para a sua falência completa, o mundo vos espera de braços abertos. Cuidado com os que plantam aqui a discórdia!

  27. Esse espaço que o site nós oferece tinha que ser para compartilharmos as boas novas do evangelho de Cristo, e não para ficarmos discutindo, realmente não da para entender.

DEIXE UMA RESPOSTA