[Vídeo] CQC apresenta matéria sobre discussão do projeto de “cura gay”, com pastor Silas Malafaia, Marisa Lobo e Marco Feliciano: “O Brasil não é um país homofóbico”

161

Na edição de ontem, 03/12, do programa CQC, na Band, foi apresentada uma matéria feita pela repórter Monica Iozzi sobre a cobertura da audiência pública realizada no dia 28/11 para a discussão do projeto de lei apelidado de “cura gay”.

Entre os entrevistados para a matéria, estavam o pastor e deputado federal Marco Feliciano, a psicóloga Marisa Lobo e o pastor Silas Malafaia, entre outros.

Questionada em tom provocativo pela repórter Monica Iozzi a respeito de um paciente buscando a “cura” do homossexualismo, a psicóloga e colunista do Gospel+, Marisa Lobo, respondeu: “Não sou curandeira, em primeiro lugar. Em segundo lugar, eu faria o que a minha profissão diz que eu tenho que fazer: atender o sofrimento psíquico do cidadão”. A repórter questionou se Marisa Lobo atenderia um paciente hetero que deseja se tornar homossexual, e a resposta foi positiva.

O pastor Marco Feliciano foi questionado se seria a favor da terapia de para “cura” da homossexualidade, e respondeu que é “a favor da liberdade da pessoa procurar ajuda, independente do que seja. Um psicólogo tem que tratar de todo tipo de angústia interior”. A repórter insistiu no tema, questionando se seria certo um psicólogo se referir ao assunto como “cura”. O deputado federal pelo PSC-SP respondeu que nesse caso, “ele tem que responder mediante um processo, porque não é cura, não é doença”.

O deputado federal Arolde de Oliveira (PSD-RJ) afirmou que “homossexualismo não é doença, é uma questão de orientação”.

O pastor Silas Malafaia foi confrontado pela repórter com os dados referente ao número de 165 homossexuais mortos durante o primeiro semestre de 2012. Malafaia respondeu afirmando que “o índice é ínfimo”, pois durante 2011, “50 mil pessoas foram assassinadas”.

-Vocês querem dizer, que o número de pessoas assassinadas (homossexuais) é uma estatística de que o Brasil é um país homofóbico. Não é homofóbico – enfatizou o pastor.

A repórter do CQC questionou se Malafaia seria homofóbico, e o pastor respondeu: “Nunca bati em homossexual, não odeio homossexual”. Na sequência, num bate boca com a repórter, o pastor enfatizou que o mesmo Deus que fala de amor na Bíblia, também promete lançar o homem pecador que não se arrepende de seus atos, no inferno.

Monica Iozzi pediu em tom sarcástico que Silas Malafaia mandasse um beijo para o deputado Jean Wyllys, e o pastor respondeu: “O dia que ele aprender a me respeitar…”.

Vídeo íntegra da reportagem do CQC sobre cura gay

Assine o Canal

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

161 COMENTÁRIOS

  1. Olá .Divulguem aos amigos e irmãos conhecidos para que fiquem preparados para as grandes tribulações Marianas x Falso Profeta Moon que vão unir os católicos Marianos x Islã para se unirem aos governos mundiais para matarem os CRISTÃOS x JUDEUS … (SERÁ O FIM DO CRISTIANISMO : Novembro de 2013 *2020) > SETE ANOS !!!

  2. toda essa discussão começou sabem por quê?Porque queriam votar uma lei especifica para proteger os homossexuais contra violência gerada por sua condição homossexual, pois bem é ai que eu acho estar o erro de tudo isso, até porque então a homossexualidade sempre esteve em nosso meio e o tratamento em forma de relacionamento com essas pessoas sempre existiu em se tratando de igrejas e ou sociedade, meus queridos a questão aqui é mais grave do que ser certo ou errado, o problema é que estamos tentando criar leis especificas , quando a Constituição já garante o direito de defesa para qualquer violencia cometida contra quaquer cidadão

  3. A verdade é que estamos deixando de cobrar das autoridades o cumprimento de leis que já existem criando outras que tambem não serão cumpridas ou se arrastarão com longos processos em varias instâncias , portanto o que precisamos fazer é cobrar as autoridades responsaveis o cumprimento de leis que ja existem pois não importam se somos homosssexuais , evangélicos , negros , indios ou nordestinos , preconceito é preconceito, portanto sou contra criação de leis que favorecem qualquer categoria e sou a favor de uma união de nós cidadãos para cobrar. dos mesmos que ganham dinheiro em nossas custas comos impostos que pagamos. Acorda Brasil enquanto discutimos eles riem e nos roubam.

  4. Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

    Agência Estado
    Publicação: 31/07/2015 10:36 Atualização:
    O lobista e delator da Lava-Jato Júlio Camargo repassou R$ 125 mil para a igreja evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira, em Campinas (SP). A informação consta da quebra de sigilo bancário da empresa Treviso, utilizada por Camargo para repassar propinas no esquema de corrupção na Petrobras revelado pela Lava Jato. Nem o pastor da igreja nem a defesa de Júlio Camargo quiseram dar explicações sobre o repasse.

    Laudo da Polícia Federal aponta que a quantia foi repassada entre 2008 e 2014, sem detalhar se o valor foi pago de uma só vez ou em parcelas. A movimentação é a única feita no período pelas duas empresas de Júlio Camargo (Piemonte e Treviso) que teve como destino uma instituição religiosa.

DEIXE UMA RESPOSTA