Intolerância religiosa: no México, católicos ameaçam queimar evangélicos que não negarem a fé

24

Um conflito religioso entre cristãos católicos e evangélicos no México chamou a atenção da imprensa mundial, depois que o prefeito da cidade de San Juan Ozolotepec, Pedro González, ameaçou queimar e jogar os evangélicos da região de um penhasco.

Segundo o Noticia Cristiana, o pastor Leopoldo Alonso Silva, da Igreja Cristã Independente Getsêmani, disse que a perseguição religiosa se dá simplesmente pelo fato de que os evangélicos se recusam a tornarem-se católicos.

O município fica localizado no Estado de Oaxaca, conhecido pelo radicalismo dos fiéis católicos. Silva afirmou ao jornal La Reforma que o prefeito González e seu secretário, Salvador Rivera Cruz, são os dois principais responsáveis pelas ameaças.

O pastor pediu ajuda às autoridades estaduais, pois a prefeitura está ameaçando fechar os templos evangélicos e proibir os cultos. Entretanto, a resposta obtida pelo pastor do responsável pelos Assuntos Religiosos na Secretaria-Geral do Governo foi que seria melhor se os evangélicos pagassem uma multa de $ 7 mil pesos para obterem o direito de cultuar e não serem mais incomodados.


Outros conflitos entre católicos e evangélicos já ocorreram na região. Anos atrás quando um evangélico faleceu, o prefeito à época proibiu que seu corpo fosse sepultado no cemitério municipal. A situação voltou a se repetir em 2011, quando uma senhora evangélica morreu.

González, atual prefeito, argumenta dizendo que a proibição é resultado de uma determinação da Câmara Municipal, que proibiu o enterro no cemitério municipal de “qualquer pessoa que professa uma religião diferente do catolicismo”.

As crianças da igreja Getsêmani também tem sofrido perseguição nas escolas da cidade, e um dos meninos chegou a ser expulso depois de ser agredido por outras crianças de famílias católicas.

Os programas sociais governamentais passaram a ser negados aos evangélicos, que também estão sendo impedidos de trabalhar com agricultura, principal atividade econômica da região. Segundo o jornal La Reforma, as ações governamentais visam a expulsão de todos os evangélicos da cidade.

Há, segundo o pastor Silva, um forte sentimento de medo nos evangélicos de San Juan Ozolotepec: “Tememos pelo irmãos, porque as coisas desagradáveis no passado aconteceram e agora eles querem nos queimar.  Mesmo com as autoridades do México dizendo ‘não à intolerância religiosa’”, lamentou.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

24 COMENTÁRIOS

  1. Impôe-se do visto que o Estado do Vaticano seja ouvido.

    Não só ouvir, deitar expressas recomendações aos católicos da região de não perseguição, inclusive prometendo aos que se excederam a excomungação, encaminhando aos tribunais os que praticarem delitos dessa natureza.

    Qual a moral que Estado do Vaticano se revestirá quando tiver que discutir juntos aos radicais muçulmanos pelos atos de barbaridades praticados em nome de Alá?

    Ora, ora, ora, cadê o senhor bispo de Roma? O recém eleito papa argentino?

    Excomunguem esses bárbaros, pois a igreja não está perdendo coisa alguma.

    Gente desse naipe não é pra dizer que pertence a igreja x ou y, tem mais é que preventivamente ser expulso dez vezes, mesmo que não seja um frequentador assíduo, mesmo que seja esse povo um pé numa igreja um pé noutra.

    A resposta tem que ser rápida e pronta, pois se não for assim a igreja estará demonstrando dois pesos e duas medidas.

    • Levi, levi, tem alguma paróquia ou diocese motivando o ato ? Então não há a menor necessidade de interferência de Francisco.

      A implicância do político é pessoal, assim como você se porta em todas as matérias que envolvem cristãos católicos.

      • Quem deve responder é a igreja católica, mas como não costuma investigar até mesmo os crimes contra suas criancinhas, então, não é agora que vão se mexer.

  2. Pelo conteúdo da matéria, percebe-se claramente que trata-se de uma perseguição política e não religiosa, pois não aparece algum sacerdote católico ameaçando os evangélicos e sim o retardado do prefeito e a Câmara Municipal da região. Mas, infelizmente, a perseguição religiosa é muito comum no México, principalmente após o PRI ter tomado o poder por lá.

    • os mexicanos naõ saõ CRISTAÕS mas sim marianos, como aquí no brasil [católicos] , na qual tentam dar a maria a glória conquistada na cruz por nosso SENHOR JESUS.

    • os mexicanos naõ saõ CRISTAÕS mas sim marianos, como aquí no brasil [católicos] , na qual tentam dar a maria a glória conquistada na cruz por nosso SENHOR JESUS CRISTO.

      • Então senhor Edmilson me mostre em que parte do catecismo católico o senhor encontrou esta afirmação absurda de que foi Maria e não Cristo que nos Salvou e nos criou com o Pai e o ESP Santo.

  3. É sim perseguição religiosa , mas isso é apenas o começo , logo isso se espalhara pelo mundo , e os católicos já mostrando o falso cristianismo que dizem pregar , o ódio contra os evangélicos é notório em todas as outras religiões .

  4. Cade o Chico argentino , cade o homem que dizem pregar a paz . E o México ? , que vergonha hein , ainda se fosse em um país muçulmano , que é comum , mas em um país que se diz cristão .

  5. Parece que esse prefeito é um remanescente da inquisição , o povinho que gosta de queimar os outros , será que eles fazem isso de raiva por saber que um dia também vão arder no inferno.

  6. Epoca dos reis ,porcausa de seus poderes,,eles usavavam de forca oque ofuscava e representava ,AUTODOMINIO,a biblia nos abre os olhos,nos da sabedoria e de como devemos nos comportar como ser-humano civilizado sem nos auto destruirmos.Assim o Vaticano ja o sabe a seculos,um povo instruido(BIBLIA) nao da para enganar.E ainda vemos crentes de dominacao diferente sendo contra homens de Deus entrarem na politica.

  7. Não Há diferença nenhuma de quandos os cristãos eram perseguidos pelo império romano na antiguidade, que hoje é:
    -Cristãos ( Evangélicos)
    – Império Romano (Católicismo)

    • Nos diga então quem era o Lutero nos períodos de Nero a Diocleciano, a arquelogia, a história antiga e a história da Igreja terão que refazer todo o acervo.

  8. A LA OPINIÓN PÚBLICA:
    A LOS MEDIOS DE COMUNICACIÓN:

    Con relación a las declaraciones del pastor evangélico Leopoldo Alonso Silva, en diversos medios de comunicación en fechas 10,11 y 25 de abril del año en curso, en los que señala que en el Municipio de San Juan Ozolotepec, existe intolerancia religiosa, realizamos las siguientes puntualizaciones:
    1. Este Ayuntamiento siguió un procedimiento administrativo en contra de URBANO MARTÍNEZ por incumplir con las normas de construcción vigentes en el Estado de Oaxaca, decretándose la clausura provisional de la construcción ubicada en terrenos comunales, bajo la posesión de URBANO MARTÍNEZ. Contra las determinaciones de esta Autoridad y en ejercicio de sus derechos el poseedor interpuso Juicio de Amparo, mismo que se tramitó con el número 1048/2011 ante el Juzgado Primero de Distrito del Estado de Oaxaca y al resolver la autoridad federal negó el Amparo y Protección de la Justicia Federal, porque las actuaciones de esta autoridad municipal se encontraban ajustadas a derecho, es decir, no se vulneró derecho humano alguno; contra esta determinación el quejoso interpuso Recurso de Revisión al que se le asignó el número que 425/2012 y que resolvió el Tribunal Colegiado en Materias de Trabajo y Administrativa del Decimotercer Circuito el pasado 27 de noviembre de 2012, confirmando la resolución del Juez Federal, por lo que esta autoridad continuó con el procedimiento administrativo procediendo la clausura definitiva de la obra el 17 de marzo de 2013.
    2. Durante el procedimiento administrativo, esta autoridad no tuvo conocimiento del destino que se pretendía dar a dicha construcción, pues el origen del procedimiento administrativo fue la falta de permiso para construcción, uso de suelo y alineamiento, acto que se encuentra apegado a derecho.
    3. El Cabildo electo por el sistema normativo interno del Municipio de San Juan Ozolotepec, no reconoce ni establece religión alguna, pues los ciudadanos gozan de libertad religiosa la cual es garantizada por la Constitución Política de los Estados Unidos Mexicanos.
    4. Ninguno de los integrantes del Cabildo de manera personal o en ejercicio de sus funciones ha hecho manifestaciones en contra de persona alguna de este Municipio.
    5. Ante la Dirección de Asuntos Religiosos de la Secretaria General de Gobierno, manifestamos que el procedimiento legal se encontraba en revisión ante la autoridad judicial federal y quedaba sujeto a lo que definiera dicha autoridad, y como ya ha quedado expuesto en el procedimiento no se vulneró derecho humano alguno.
    6. Con posterioridad a la clausura definitiva, LEOPOLDO ALONSO SILVA quien se ostenta como pastor de la Iglesia Pentecostés en esta comunidad, acudió a los medios masivos de comunicación denunciando una supuesta expulsión de cerca de 100 personas, por pertenecer una religión distinta a la católica, así como que se les negó derecho a la educación a los niños de su congregación, que sus seguidores no tienen derecho a los programas sociales, ni a enterrar a sus familiares en el panteón municipal, denostando a la autoridad municipal y a la Asamblea Comunitaria.
    7.- En relación a esas afirmaciones señalamos que los derechos humanos de todos los ciudadanos de este Municipio son respetados sin distinción de credo. No hay intolerancia religiosa o conflicto alguno entre los creyentes de las diversas asociaciones religiosas asentadas en este Municipio y en caso de existir diferencias es nuestro deber como autoridades participar en la solución de dichos conflictos por la vía del diálogo y la conciliación, dentro del marco normativo.
    En cuanto a la negativa a enterrar a los difuntos de esa congregación, el Pastor Leopoldo Alonso Silva refiere dos nombres, Elena Villavicencio Cruz y Epifanio Reyes Ramírez, ambos fallecidos en 2011; en este aspecto, precisamos que la primera de los nombrados se encuentra sepultada en el panteón municipal de esta población. En cuanto al segundo si bien fue originario de esta comunidad, residió muchos años en el Distrito Federal, donde falleció, desconocemos el lugar de su sepultura, pero no existe solicitud ante la autoridad municipal para que sus restos reposaran en el panteón de San Juan Ozolotepec, por lo que las afirmaciones vertidas son totalmente falsas.
    En cuanto a que las personas que no profesan la religión católica se les margina de los programas sociales, no es competencia del Ayuntamiento definir a quien se les otorgan los beneficios, toda vez que dichos programas sociales son operados directamente por los gobiernos federal y estatal. Por lo que es imposible que nosotros como autoridad municipal excluyamos de dichos programas a determinado sector de la población.
    En cuanto a que un estudiante de la Secundaria haya dejado la institución, por conflictos con sus compañeros no corresponde al ámbito de esta autoridad municipal, sino a las autoridades escolares tomar conocimiento de esos hechos y resolverlos en el ámbito de su competencia.
    8. Los sistemas normativo internos de los pueblos y comunidades indígenas de Oaxaca se encuentran reconocidos por las leyes estatales, la Constitución Federal así como por el sistema internacional de protección de derechos humanos, la libertad religiosa también es un derecho humano fundamental tutelado por los mismos ordenamientos. No existe una colisión de principios, por lo que todos los ciudadanos deben cumplir con las leyes, con total independencia de sus creencias religiosas. JESUCRISTO lo condensó diciendo “Dad al Cesar lo que es del Cesar y a Dios lo que es de Dios”; y BENITO JUÁREZ lo precisó “Entre los individuos como entre las Naciones el respeto al derecho ajeno es la paz”.

    ATENTAMENTE
    H. AYUNTAMIENTO DE SAN JUAN OZOLOTEPEC

    PEDRO CRUZ GONZÁLEZ SALVADOR RIVERA CRUZ
    PRESIDENTE MUNICIPAL CONSTITUCIONAL SECRETARIO MUNICIPAL

    FELIPE ARAGÓN REYES FELICITOS HERNÁNDEZ ARAGÓN
    SINDICO MUNICIPAL REGIDOR DE HACIENDA

    OLIVERIO CASTILLO MARTINEZ CAMERINO DÍAZ ZURITA
    REGIDOR DE EDUCACIÓN REGIDOR DE OBRAS

  9. ALEX, LEIA É P/ VC, ESPERO Q APRENDA UM POUCO!

    O ódio corroe o coração e aleija quem o sente,tirando a beleza e a alegria do doente,sua força está nas lembranças que o alimenta sempre,fortalecendo sua fraqueza e matando o doente.
    O coração aleijado não pode caminhar fica preso no tempo e perdendo tempo,não consegue perdoar.
    Sua dor é tão profunda que ninguém chega lá,somente o amado é capaz de alcançar.
    Esse coração não para de sofrer,porque um aleijado não pode correr,sua liberdade não existe mais. deixa JESUS te libertar!

  10. Ninguém acha a notícia escandalosa demais? Por favor né, gente! Não vamos acreditar em tudo o que aparece na internet. Muitas vezes as notícias são tendenciosas e mentirosas. Observem que há um PREFEITO envolvido na notícia, o que deixa uma desconfiança de que este fato pode ter relação com intrigas entre grupos políticos locais. Vamos viver e pregar nossa fé cristã. Não permitamos que boatos, especulações e intrigas semeiem discórdia entres os cristãos, nestes tempos em que precisamos de muita de fé, oração e união.

  11. A VOLTA DA INQUÍSIÇAÕ!! QUANDO QUE UM VERDADEIRO SEGUIDOR DE JESUS VAI TENTAR POR FORÇA E VIOLÊNCIA MUDAR AS PRÁTICAS DO OUTROS? SÓ MESMO A MAÊ DAS ABOMINAÇOÊS, APCALIPSE 17. MARANATA!!

  12. Pitagoras

    não seja oportunista, “jornal La Reforma que o prefeito González e seu secretário, Salvador Rivera Cruz, são os dois principais responsáveis pelas ameaças”

    A matéria é taxativa, trata-se de uma perseguição pessoal do prefeito.

  13. Há quatro meses quando essa matéria recebeu destaque, os defensores da católica disseram que era briga de índios com os evangélicos.

    Agora, alguns começam a dizer que são apenas o prefeito e seu secretário.

    Pelo andar da carruagem, a próxima notícia que derem, a culpa será dos evangélicos por estarem vivos.

    Tem a católica obrigação de mandar um representante direto do estado vaticano para conversar com essa comunidade e dizer que vão excomungar os que procederem desse modo.

    É que muitos ainda acham que estão na Idade Média e nos séculos seguintes, em que cabeça de evangélico tinha o mesmo preço de morte dos cristãos na arena em roma, no primeiro século, ou seja, nada.

DEIXE UMA RESPOSTA