Evangélico, deputado Natan Donadon pediu em nome de Deus que colegas não cassassem seu mandato; Dez parlamentares da bancada evangélica se abstiveram

38

O processo de cassação do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 13 anos de prisão por peculato e formação de quadrilha, terminou com a manutenção de seu mandato após uma votação secreta na noite da última quarta-feira, 28 de agosto.

Mesmo preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, e com os direitos políticos cassados pela Justiça, Natan seguirá exercendo seu mandato.

Dos 76 parlamentares da bancada evangélica, 10 não votaram, embora alguns deles tenham marcado presença na sessão aberta exclusivamente para essa votação.

Entre os deputados que marcaram presença, mas não votaram, está o pastor Marco Feliciano (PSC-SP). Em seu perfil no Twitter, Feliciano justificou a ausência de seu voto: “


“Estou nos EUA. Viagem marcada há dois meses. Fiquei ontem [quarta-feira, 28] no plenário até as 19:30h. As 20:00h já estava no aeroporto. Desde as 16:00h já havia quorum para votação, mas não colocaram nada em votação até o horário em que pude ficar lá […] A votação de Cassação iniciou as 20:30h. As 20:39h eu já havia embarcado. Por este motivo não participei da votação”, explicou-se.

A viagem, segundo o pastor, seria um compromisso oficial pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM): “Falarei aqui nos EUA a lideres da comunidade de língua portuguesa. Incluindo representantes de imigrantes brasileiros que estão presos. Quando assumi a CDMH falei que lutaria pelos direitos das centenas de brasileiros que estão presos aqui nos EUA por estarem ilegais. Levarei o relatório da viagem e apresentarei à CDHM na próxima semana. E a viagem toda está sendo custeada pelos lideres que me convidaram”, afirmou Feliciano.

Além do pastor Marco Feliciano, os outros integrantes da bancada evangélica que foram à sessão e não votaram sobre a cassação de Donadon são: André Zacharow (PMDB-PR) [contatos: (61) 3215-5238 / dep.andrezacharow@camara.leg.br]; José Carlos Araújo (PSD-BA) [contatos: (61) 3215-5246 / dep.josecarlosaraujo@camara.leg.br]; Leonardo Quintão (PMDB-MG) [contatos: (61) 3215-5914 / dep.leonardoquintao@camara.leg.br] e Sérgio Brito (PSD-BA) [contatos:  (61) 3215-5638 / dep.sergiobrito@camara.leg.br].

Completam a lista de parlamentares da bancada evangélica que não votaram na sessão os deputados Laercio Oliveira (PR-SE) [contatos: (61) 3215-5629 / dep.laerciooliveira@camara.leg.br]; Natan Donadon (alvo do processo); Rosinha da Adefal (PTdoB-AL) [contatos: (61) 3215-5230 / dep.rosinhadaadefal@camara.leg.br]; Sabino Castelo Branco (PTB-AM) [contatos: (61) 3215-5911 / dep.sabinocastelobranco@camara.leg.br] e Zé Vieira (PR-MA) [contatos: (61) 3215-5405 / dep.zevieira@camara.leg.br].

Defesa em nome de Deus

Antes da votação, Donadon teve o direito de discursar em sua defesa perante os colegas parlamentares, e durante 40 minutos falou sobre sua condenação no STF, e se definiu como inocente: “Não sou ladrão, nunca roubei nada. É acusação injusta”, disse o deputado que é evangélico, e integrante da bancada evangélica.

Depois de citar as inúmeras dificuldades que alega estar passando na prisão e em relação ao sustento de sua família e custeio dos estudos de seus filhos, Donadon disse que a acusação de desvio de verbas públicas era inverídica.

“Como Deus está no céu, pelo que é mais sagrado, por Deus e pela minha família, eu não seria louco ou quase louco para assinar pagamentos sem documentos. Eu não era louco, não estava ficando, nem estou, porque não fiquei louco até hoje. Sr. Presidente, eu fiz os pagamentos legais. Eu não desviei 1 centavo, Srs. Deputados. Pelo amor de Deus, façam justiça!”, implorou o deputado.

Segundo Donadon, sua condenação é injusta porque o Ministério Público teria ignorado evidências que o inocentavam, e se negado a conferir junto às empresas que haviam sido contratadas para prestar serviços à Assembleia Legislativa de Rondônia se os pagamentos tinham sido efetivados.

“Eu nem culpo o Supremo, porque o Ministério Público não mandou as provas que me absolviam; eles colheram as provas. Não encontraram processo, não encontraram documentos. Então, vamos condenar todo o mundo. É muito fácil […] Nós [o deputado e sua equipe de advogados] pedimos: Quebrem o sigilo bancário. O meu foi quebrado, e não encontraram nada. Por que o meu foi quebrado, Presidente? E nós solicitamos: Quebrem o sigilo bancário das empresas então, e vocês verão que o serviço foi executado. Se o processo sumiu, se vocês não o encontraram, é muito simples. O que eles queriam eles conseguiram: condenar. Mas se eles quisessem investigar — eles têm condições, têm capacidade, têm preparo; e se eles não os tivessem, que pedissem à Polícia Judiciária para que fizessem as investigações para descobrir a verdade, presidente, mas não culpar um inocente. Veja a minha declaração de Imposto de Renda. Eu só tenho uma casa. No meu terceiro mandato, eu só tenho uma casa. Cadê o dinheiro, presidente? A mídia fala em 8 milhões [desviados]. Que absurdo!”, lamentou o deputado.

“Eu não vim aqui para dizer mentiras; se viesse para mentir, eu não viria, eu não viria para mentir. A minha consciência não permite isso. A Bíblia diz: ‘E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará’. Nada pode contra a verdade, a não ser a favor da verdade. Eu estou dizendo a verdade aos senhores”, disse Donadon, reiteradas vezes.

O pedido de misericórdia de Natan Donadon foi enfático e direto: “Quero olhar aqui nos olhos de vocês. Pelo que é mais sagrado, pela minha família e por Deus, eu não desviei. Eu sou inocente. Acreditem na verdade. Eu peço uma oportunidade a vocês, ao povo brasileiro que está me vendo neste momento, ao Supremo, a quem quer que seja. Eu sou inocente. Não tirem o meu mandato. Deus sabe que eu estou dizendo a verdade”, argumentou.

A manutenção do mandato de Natan Donadon só foi possível porque os votos favoráveis à cassação não alcançaram os 257 necessários. Foram 104 ausências (incluindo as 50 abstenções), 131 contrários e 233 a favor, faltando 24 votos para que o deputado condenado pelo STF perdesse o cargo.

Entre os deputados da bancada evangélica que não votaram na sessão de cassação de Natan Donadon, apenas Marco Feliciano publicou nota de esclarecimento.

O Gospel+ abre espaço para que os parlamentares esclareçam a ausência perante aos seus eleitores, caso tenham interesse.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+


38 COMENTÁRIOS

  1. Alana … Falou tudo !!! … todos dessa bancada Trambiqueira puxa processo em várias estâncias judiciais … Wender … Tu mandou bem !!! Porém atualiza seus dados é 100% do PULEIRO EVANGÉLICO RESPONDE PROCESSO !!! … " ESTELIONATO É 100% !!! """ … Pilantra defende pilantra, agora FELICIANA, Covarde abriu e deixou seu companheiro na fogueira santa … Esse é sabonete ungido !!!! …. Saiu correndo !!! :)

  2. Se estão defendendo o pilantra, estão mancomunados, e estão também com o rabo preso. E dizer que pediu em “nome de Deus”? Se eu fosse o deus, dava um jeito nele na hora. Aliás, já tinha dado um jeito em tudo, há muito tempo.

  3. ooo Alana vc e da familia de Ritler? cuida da tua vida garota,e deixa os que servem a Deus em paz,nao tem o que fazer nao? vc chega a dar pena vc acha que quem criou vc foi vc msm ou que vc veio do macaco. nem parece que vc e criatura de Deus….

  4. Proselitismo da bancada fundamentalista para livrar a cara deste corrupto que está envolvido num mar de ladroagem e corrupção movida a dinheiro público.Eu não quero generalizar, mas às vezes tenho que concordar com Charles de Gaule quando ele disse:''O Brasil não é um país sério''.Se o fosse esse pilantra safada além de perder seu mandato passaria um longo período atrás da grades.

  5. os mais convenietes com falcatruas com bandidos de colarinho branco, ladrões, sacripantas e etc….., somos nos que votamos, se cada um fiscalizasse o politico em quem votou, isso não aconteceria, se procurasse saber a procedência da vida de cada politico que fosse votar teriamos um pais muito melhor, voçê sabe para QUEM VOTOU para presidente, dep, estadual, federal, prefeito, senador, vereador, conhece a vida de q

  6. Evangélicos no tráfico. Traficantes, para atender grupos evangélicos, estão fechando centros espíritas de Vaz Lobo e Vicente de Carvalho, Zona Norte do Rio.
    Quarta, a turma foi proibida de usar branco. E houve quebra-quebra de imagens sagradas. Que horror!

  7. vangélicos no tráfico Traficantes, para atender grupos evangélicos, estão fechando centros espíritas de Vaz Lobo e Vicente de Carvalho, Zona Norte do Rio.
    Quarta, a turma foi proibida de usar branco. E houve quebra-quebra de imagens sagradas. Que horror!

  8. Edson Carlos Martiniano e voce fica defendendo esses ladrões ?/

    isso é o que mais me revolta
    crentes são tão idiotas, que mesmo sabendo que seus lideres não passam de uma cambada de ladrões, ainda tem a cara de pau de defende-los

    voces são ridiculos
    não tem vergonha na cara não ???/

  9. A essência da mentalidade evangélica é levar vantagem nesta e noutra suposta existência, por isto esta atitude podre e baixa vinda dos evanjegues não me surpreende nem um pouco… tudo por dinheiro, tudo por poder… não há outra coisa a se esperar de um alienado que adora supostos deuses invisíveis…

  10. Desde quando algum político age no sentido de mudar alguma coisa? se travestem com discursos demagógicos que só se criam perante a ignorância das massas alienadas que nem sequer sabem que são escravos legalizados, somente um deputado safado pra aceitar ganhar mais de 30 mil ao mes, enquanto um pai de família sobrevive com míseros 678 reais… todo político neste país deveria colocar seu maldito rabo entre as pernas e sair de fininho… ô classe de vermes oportunistas…

  11. Acho gozado, que quando é para criticar as pessoas nas suas vidas privadas ou particulares, os falsos não economizam palavras de imoralidade para condena-los, mas, quando é para defender o que deve ser atacado e eliminado da vida pública, eles defendem. Depois se dizem de Deus. Quanta hipocrisia, meu DEUS! No dia do juízo final eles terão muitas surpresas. O mundo é bem diferente do que estão apostando.

  12. ainda que os dez votassem faltariam quartoze votos, só do pt vinte e cinco deixaram de votar não entendi o barulho? a bancada são cerca de setenta deputados…se o voto fosse aberto e não secreto ai nós ai nós veriamos quem é quem,meu deputado que votei na ultima eleição foi o lincol portela qual foi o seu?

  13. Alguém aqui já teve o desprazer de estar sentado diante de um juiz?

    Não há nada mais superficial do que um julgamento.
    Tem juízes que sequer leem o processo.
    Muitas vezes as provas estão escancaradas, mas são simplismente ignoradas.
    Não inocento nem condeno este deputado, mas sei o que é ser acusado sem provas cabais.

  14. A bancada evangélica na Câmara dos Deputados perdeu uma grande oportunidade de testemunhar para a sociedade, mas infelismente preferiram se omitir protegendo um mal caráter. Os deputados que se dizem crentes, muitos deles só para ganharem votos tem que serem punidos na próxima eleição, mas é uma pena que a maioria das igrejas evangélicas são usadas como massa de manobra. Senhores Deputados, já estou fazendo campanha contra vocês e pela NÃO À REELEIÇÃO!

  15. Feliciano era um destes.

    Cinquenta deputados estavam presentes na Câmara mas não foram ao plenário na sessão que iria decidir a cassação do deputado federal Natan Donadon (ex-PMDB-RO). As ausências contribuíram para livrar da cassação o deputado-presidiário, primeiro parlamentar preso desde a volta do país à democracia, em 1985.

    Durante a votação, que é secreta, o plenário registrou apenas 233 votos pela cassação –24 a menos do que o mínimo necessário. Outros 131 congressistas votaram pela absolvição e 41 se abstiveram. Dentre os 108 deputados que faltaram, 50 deles estavam no prédio e não foram votar.
    A tristesa é que o voto de cabresto da Assembléia de DEUS ainda poderá reeleger este senhor, que causa vergonha a muitos cristãos.

  16. Feliciano neste dia, marcou presença e não votou, ou seja contribui para que seu amigo evangélico Donadon, não fosse condenado.
    O que se esperar deste senhor. Vejam reportagem na folha de são paulo.

  17. Feliciano ajudou a não condenação de Donadon. marcou presença e não votou, e como safado que é inventou uma história.
    Cinquenta deputados estavam presentes na Câmara mas não foram ao plenário na sessão que iria decidir a cassação do deputado federal Natan Donadon (ex-PMDB-RO). As ausências contribuíram para livrar da cassação o deputado-presidiário, primeiro parlamentar preso desde a volta do país à democracia, em 1985.
    Durante a votação, que é secreta, o plenário registrou apenas 233 votos pela cassação –24 a menos do que o mínimo necessário. Outros 131 congressistas votaram pela absolvição e 41 se abstiveram. Dentre os 108 deputados que faltaram, 50 deles estavam no prédio e não foram votar.

  18. Feliciano, ajudou a Donadon, ao registrar presença e não votar, agora quer ajudar ao Pastor estrupador Marco Pereira
    Vergonha, coisa que Feliciano não tem.
    Cinquenta deputados estavam presentes na Câmara mas não foram ao plenário na sessão que iria decidir a cassação do deputado federal Natan Donadon (ex-PMDB-RO). As ausências contribuíram para livrar da cassação o deputado-presidiário, primeiro parlamentar preso desde a volta do país à democracia, em 1985.

  19. Caros colegas, não é porque o cidadão é evangélico, ateu, católico ou qualquer outro credo, que é ladrão, pois, não é a religião que vai indicar o caráter do político. Olhem o Sarney, Collor, Calheiros e muitos mais, todos são católicos.

DEIXE UMA RESPOSTA