Policial testemunha livramento ao levar tiro no peito: “Deus me avisou para colocar o colete”

5

Um policial que fazia um bico como segurança particular de um estabelecimento disse ter ouvido a voz de Deus e por isso escapou da morte durante uma tentativa de assalto.

O homem, que preferiu se manter anônimo por questões de segurança, disse que estava sentado em seu carro, à frente do estabelecimento, quando tirou o colete à prova de balas por causa do calor.

No entanto, ao avistar três pessoas caminhando, sentiu que deveria colocar o equipamento de volta. Segundo o policial, não havia nenhuma característica nas três pessoas que levantassem suspeita, mas isso salvou sua vida.

“Não havia nada de especial sobre eles [os indivíduos que caminhavam na rua], mas os cabelos da minha nuca se arrepiaram. E nesse ponto havia uma voz que me disse pegar meu colete. Eu sei que foi Deus”, disse o policial, em entrevista à emissora New Channel 5, sem mostrar o rosto.


De acordo com o policial, pouco tempo depois de ter recolocado o colete, dois carros estacionaram na frente do seu, e as pessoas que ele havia visto caminhando antes saltaram do carro. Um deles, usando uma bandana preta, apontou uma arma contra o policial e abriu fogo.

O policial foi acertado no peito, mas o colete impediu que o projétil o ferisse. Na troca de tiros, o policial conseguir afugentar os criminosos e perseguiu o homem que havia atirado contra ele, que precisou fugir à pé, já que seus comparsas não o esperaram.

Após uma avaliação médica, o policial foi liberado para voltar ao trabalho e já descreveu as características físicas do atirador. Agora a Polícia de St. Louis, no Missouri (EUA), investiga o caso e tenta chegar ao grupo de criminosos.


5 COMENTÁRIOS

  1. eita!! deus estranho!! realmente quero distância do senhor, por quê quando aquela mulher de guarulhos, que saiu de madrugada, e foi seguida pelo estuprador, esse mesmo senhor chamado jeová não disse no ouvido dela, “”” SEBO NAS CANELAS, AI DENTRO DESSE CARRO, TEM UM ESTUPRADOR “””.

DEIXE UMA RESPOSTA