Brasil

Pastor Silas Malafaia critica Conselho Federal de Medicina por pedir legalização do aborto: “Rasguem seu código de ética”

Comments (14)
  1. jgmix disse:

    tenho minhas restrições ao malafaia mas quando ele defende a vida eu apoio.

    Cristãos, não apoiem o aborto! é assassinar uma vida.

    Malafaia acerta ao ir contra os abortistas, como edir macedo, que apoia abertamente o aborto.

    Graças a Deus saí daquela heresia!!!

    1. Anonimo disse:

      Questao Polemica, eu nao sou a favor do aborto, acho que a vida tem que ser respeitada, mas, nao posso julgar aqueles quem o praticam, nao cabe a mim e acho que nem a ninguem

      1. clamando disse:

        que rufem os tambores , quando se trata de vida, DEUS é soberano

        1. Alex disse:

          Isso mesmo. Concordo.

  2. fernando rodrigues disse:

    E iconcebivel, e desumano, e nao ter amor pela vida, resumindo: e nao ter nenhum temor a Deus! a pergunta que eu faço e: e se fosse um deles que estivesse no lugar de um desses fetos e se ele pudesse ali ter o direito de escolha ? sera que eles nao iam querer vir ao mundo e poder desfrutar da vida como todo ser humano merece? quando leio noticias como essas fico tao triste que e visivel perceber o abatimento da alma, reamente nao da pra engolir os mesmos que dizem proteger sao os mesmos que querem matar ho! Deus a nossa esperança de um dia tudo isto acabar esta em ti so tu Senhor para ter misericordia.

  3. Pedro Henrique disse:

    Depois que parem a criança nenhum cristaozinho quer criar a crianca ai pega e joga no lixo ou doa pra virar marginal… PRO-ESCOLHA ninguem deve ser obrigado a ter algo que nao queira mesmo que seja uma vida… melhor abortar enquanto nao nasceu a ter q aguentar as atrocidades cometidas contra criancas que todos os dias vemos nos jornais.

  4. Nilmar disse:

    É o fim da picada.
    A medicina aprovando o aborto, daí a sociedade fica caladinha; daí um pastor fala contra a pratica homossexual, aí a sociedade fica alarmada.

    1. Roney Paes Pinto disse:

      O assassinato de nascituros provoca na mulher “dores emocionais”, ignoradas pelos que querem o direito de matar covardemente esses seres indefesos. Causa um mal emocional muito maior do que a gestação mais difícil. A questão não envolve apenas religião, moral e sim saúde mental, tão importante para o desenvolvimento saudável dessa mulher e de sua família.
      Na concepção a mulher desenvolve vínculo afetivo mãe-filho, incluindo as mulheres que projetam abortar, que vive sentimentos ambivalentes, angustiantes, ficando vulnerável a transtornos psicológicos, a dores emocionais profundas que levam-na a escolhas erradas como, por exemplo, drogas, lícitas e ou ilícitas. Adolescentes ficam tão vulneráveis que passam a ser influenciadas facilmente por pessoas a sua volta e tomam a decisão não como desejo em si, mas como fim mágico de problemas. Namorados, amigos, parentes e até mesmo médicos, e ou psicólogos, podem estar contribuindo para um grande “mal psicológico” para essa mãe. Ansiedade, transtorno de estresse pós-traumático, depressão (e maior risco de suicídio), abuso de substâncias, e outros sofrimentos psíquicos desenvolvidos muito tempo após, que duram anos e até a vida toda. Quando descobre-se grávida, já considera este embrião como o próprio filho, indefeso, e abortar passa a significar, para ela, assassinato.
      O estresse pós-traumático trás lembranças desagradáveis, recorrentes, intrusivas, imagens, pensamentos, percepções, sonhos desagradáveis, recorrentes, sensação de reviver a experiência, ilusões, alucinações, episódios dissociativos com ‘flashback’, e lembranças, mal-estar psicológico quando exposta a fatores que simbolizam ou se assemelham aos aspectos do assassinato traumático, como o contato com recém-nascidos, mulheres grávidas, voltar ao lugar onde se praticou o assassinato do seu nascituro ou submeter-se a um exame ginecológico, evitando quaisquer estímulos associativos. Após muitos anos ainda lembram com detalhes e sofrem com culpa, expressada ou não, no rosto. Tem alucinações auditivas, até ouvindo choro de crianças. Ao ver recém nascidos choram, desenvolvem raiva de bebês e até a total rejeição. Exemplo disso são essas babás que são pegas maltratando bebezinhos. Têm problemas sexuais com o marido por muitos anos, ainda que na época apenas namorassem.
      No aborto de anencéfalos, desenvolvem dor e culpa ainda maior, pois sentem que estão rejeitando uma criança por causa de seu defeito, sendo também traumático, responsável por dores e transtornos psíquicos irreversíveis. E esta criança tem um pai, um irmão, uma família, e não somente a mulher terá problemas emocionais.

    2. antonio siqueira disse:

      Acontece que a sociedade vive às margens de Deus.O pastor tem que se ater sómente à pregação do evangelho, como Jesus ensinou, e não ficar metendo o pau em gays,lésbicas, ou seja lá qual for a definição do indíviduo.Pq esse malafaia só vive vendendo seus livros e pregar a Palavra que é bom, exatamente prá esses que ele critica se converterem.

  5. SHALOM ADONAI A TODOS ,CREIO NA ETICA SO QUANDO A A PESSOA QUE SE DIZ TER ETICA SER UMA PESSOA DIRIGIDA PELO ESPIRTO SANTO DE DEUS ,SE DIZER FILHO DE DEUS CONVERTIDO,SO ASSIM EXISTE ETICA , ESSA ETICA QUE A SOCIEDADE ESTA VIVENDO E COMO CAPA DE OVELHA EM CIMA DE LOBO MUITO MAL.VERDADEIRO POVO DE DEUS ,VAMOS VIGIAR E ORAR ,POR QUE OS DIA S EM QUEESTAMOS VIVENDO E MUITO MAL,E A PALAVRA SANTA NOS DIZ QUE NOSSO ADVERSSARIO QUE E O DIABO ENGANARIA ATE OS ESCLHIDOS DO SENHOR JESUS CRISTO,SO MAIS UM POUGUINHO, O QUE A DE VIR VIRA, E NAO TARDARA. CUIDADO O CORAÇAO DO HOMEM E ENGANOSO. vsdverdadeirojudeo@hotmail.com Dc ,Vilmar Sergio Dickmann.

  6. Roney Paes Pinto disse:

    O assassinato de nascituros provoca na mulher “dores emocionais”, ignoradas pelos que querem o direito de matar covardemente esses seres indefesos. Causa um mal emocional muito maior do que a gestação mais difícil. A questão não envolve apenas religião, moral e sim saúde mental, tão importante para o desenvolvimento saudável dessa mulher e de sua família.
    Na concepção a mulher desenvolve vínculo afetivo mãe-filho, incluindo as mulheres que projetam abortar, que vive sentimentos ambivalentes, angustiantes, ficando vulnerável a transtornos psicológicos, a dores emocionais profundas que levam-na a escolhas erradas como, por exemplo, drogas, lícitas e ou ilícitas. Adolescentes ficam tão vulneráveis que passam a ser influenciadas facilmente por pessoas a sua volta e tomam a decisão não como desejo em si, mas como fim mágico de problemas. Namorados, amigos, parentes e até mesmo médicos, e ou psicólogos, podem estar contribuindo para um grande “mal psicológico” para essa mãe. Ansiedade, transtorno de estresse pós-traumático, depressão (e maior risco de suicídio), abuso de substâncias, e outros sofrimentos psíquicos desenvolvidos muito tempo após, que duram anos e até a vida toda. Quando descobre-se grávida, já considera este embrião como o próprio filho, indefeso, e abortar passa a significar, para ela, assassinato.
    O estresse pós-traumático trás lembranças desagradáveis, recorrentes, intrusivas, imagens, pensamentos, percepções, sonhos desagradáveis, recorrentes, sensação de reviver a experiência, ilusões, alucinações, episódios dissociativos com ‘flashback’, e lembranças, mal-estar psicológico quando exposta a fatores que simbolizam ou se assemelham aos aspectos do assassinato traumático, como o contato com recém-nascidos, mulheres grávidas, voltar ao lugar onde se praticou o assassinato do seu nascituro ou submeter-se a um exame ginecológico, evitando quaisquer estímulos associativos. Após muitos anos ainda lembram com detalhes e sofrem com culpa, expressada ou não, no rosto. Tem alucinações auditivas, até ouvindo choro de crianças. Ao ver recém nascidos choram, desenvolvem raiva de bebês e até a total rejeição. Exemplo disso são essas babás que são pegas maltratando bebezinhos. Têm problemas sexuais com o marido por muitos anos, ainda que na época apenas namorassem.
    No aborto de anencéfalos, desenvolvem dor e culpa ainda maior, pois sentem que estão rejeitando uma criança por causa de seu defeito, sendo também traumático, responsável por dores e transtornos psíquicos irreversíveis. E esta criança tem um pai, um irmão, uma família, e não somente a mulher terá problemas emocionais.

    1. Roney Paes Pinto disse:

      Uma pesquisa nos EUA mostrou que em hospitais autorizados, e com avançadíssima tecnologia, se verificam as seguintes CONSEQUÊNCIAS DO ABORTO:
      – Perfuração do útero;
      -Sangramentos que requerem transfusões;
      – Ruptura do colo do útero ( impacto sobre a capacidade do colo em gravidezes subsequentes;
      – Acidentes com anestesias;
      – Doença inflamatória pélvica (possível infertilidade)
      – Cirurgias não intencionadas (laparatomia, histerotomia, histerctomia, etc.);
      – Perfuração da vesícula;
      – Perfuração do intestino;
      – Retenção de restos ovulares;
      – Anemia;
      – Peritonite (infecção da membrana serosa da cavidade abdominal);
      – Infecções menores de causas desconhecidas;
      – Gravidez tubária não detectada;
      – Embolia pulmonar ( obstrução da artéria);
      – Tromboflebite venosa (inflamação de uma veia que se desenvolve antes de um coágulo sanguíneo);
      – Depressão;
      – Psicose;
      – Suicídio (propensão nove (9) vezes maior);
      – Alto risco de infecção (comum a todo e quaisquer tipo de aborto);
      – Aumento do risco de aborto espontâneo na 2ª gravidez em 10 (DEZ) vezes;
      – Aumento de chance de morte materna em gravidez futura;
      – Alteração nos níveis de consciência profunda da mulher.

    2. Pitagoras disse:

      Bota aí mais coisas para apavorar mais ainda as gestantes, em vez de dar-lhes apoio, conforto, segurança. conhecimento – Típico dessas religiões

  7. wilson Plaza disse:

    Diga não ao aborto. Fertilização: O espermatozóide do pai penetra o óvulo da mãe. As instruções genéticas dos dois combinam para formar uma nova vida individual, única, dificilmente visível ao olho humano. Com 20 dias de gestação os olhos do bebê começam se formar e o cérebro, a coluna vertebral e o sistema nervoso estão completos. Com 24 dias O CORAÇÃO COMEÇA A BATER. Com 43 dias AS ONDAS CEREBRAIS DO BEBÊ PODEM SER REGISTRADAS. Com dois meses o bebê tem aproximadamente sete centímetros de comprimento e pesa sete gramas. Todos os órgãos estão presentes, completos e funcionando (exceto os pulmões). As batidas cardíacas são fortes. O estômago produz sucos digestivos. O fígado produz células sanguíneas. Os rins estão funcionando. As impressões digitais estão gravadas. As pálpebras e as palmas das mãos são sensíveis ao toque. O estímulo com batidas leves no saco amniótico faz mexer os braços do bebê.

    “Procure salvar quem está sendo arrastado para a morte. Você pode dizer que o problema não é seu, mas Deus conhece o seu coração e sabe os seus motivos. Ele pagará de acordo com o que cada um fizer” (Pv 24.11-12, BLH).

  8. mauro disse:

    É importante afirmar que o CFM não fala pela comunidade médica, o desfecho final sobre essa comunicação é de unica responsabildade dos médicos que conduzem essa instituição.

    É um documento sem a menor legitimidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *