Inscrições de antigas tradições muçulmanas reconhecem presença do templo judeu em Jerusalém

0

Uma inscrição recentemente estudada a partir de uma mesquita perto de Hebron oferece evidências sobre como, até meados do século 20, o mundo muçulmano planejava que Domo da Rocha de Jerusalém fosse o sucessor de dois santuários judaicos antigos que estiveram no topo do Monte do Templo.

Essa placa em pedra veio à tona agora que a UNESCO aprovou uma resolução política que nega fatos históricos amplamente consolidados em diversas fontes e aceitos entre estudiosos. A previamente negligenciada inscrição de dedicatória da Mesquita de Umar, em Nuba, uma vila a cerca de 26 kma sudoeste de Jerusalém, menciona a aldeia como uma doadora para o Domo da Rocha e a Mesquita Al-Aqsa, segundo informações do jornal Times of Israel.

Mas o que é surpreendente é que o Domo da Rocha é referido no texto como “a rocha da Bayt al-Maqdis” – literalmente, “O Templo Sagrado” – uma tradução literal feita a partir do termo hebraico para o templo de Jerusalém que os primeiros muçulmanos empregaram para se referir a Jerusalém como um todo, e ao santuário de cúpula de ouro em particular.

A tradição local atribui a construção da mesquita ao califa Umar ibn al-Khattab, sob cuja liderança exércitos árabes conquistaram Jerusalém e o resto da Palestina bizantina em meados do século 7º. Foi sob o seu eventual sucessor Abd al-Malik, o quinto califa, que o Domo da Rocha foi concluída em 691 d.C.


O bloco de calcário no qual a inscrição Kufic foi esculpida está na mesquita, com o nicho apontando em direção a Meca. Lá, lê-se: “Em nome de Alá, o Clemente, o Misericordioso, este território, Nuba, e todos os seus limites e toda a sua área, uma dotação do Rochedo de Bayt al-Maqdis e a Mesquita de al-Aqsa, como foi dedicada pelo Comandante dos Crentes, Umar ibn al-Khattab para a glória de Alá”.

Dois estudiosos muçulmanos que previamente descreveram a inscrição a atribuíram ao século 7, o tempo de Umar. Mas os pesquisadores israelenses, que apresentaram suas descobertas durante uma conferência de arqueologia em Jerusalém na semana passada, dataram-na como sendo do século 9 ou 10 d. C., com base na ortografia e na formulação comparável com inscrições dedicatórias de mesquitas em Ramle e Bani Naim da escrita árabe.

A conferência arqueologia Jerusalém coincidiu com uma resolução da UNESCO que ignorava laços judeus e cristãos ao Monte do Templo e referiu-se ao controverso local sagrado apenas por seus nomes muçulmanos, “Al-Aqsa / Al-Haram al-Sharif,” e definindo-o apenas como “um local sagrado de culto muçulmano”.

A distinção entre a Al-Aqsa e Domo da Rocha no texto, os autores Assaf Avraham e Peretz Reuven escreveu, “em conjunto com a tradição Hadith e a literatura árabe louvando Jerusalém [do século 11], leva-nos a postular que o termo Bayt al-Maqdis como aparece na inscrição Nuba […] e alude diretamente para o Domo da Rocha”.

Além disso, as tradições muçulmanas medievais que cercam o Domo da Rocha citadas pelos autores “identificaram a montagem novamente com templos de Davi e Salomão” e “entenderam que a montagem seria no local do antigo templo reconstruído, [frisando que] o Alcorão seria a verdadeira fé e os muçulmanos os verdadeiros filhos de Israel”.

O historiador muçulmano Muhammad ibn Aḥmad Shams al-Din al-Muqaddasi, do século 10, escreveu em sua descrição da Síria e da Palestina que “em Jerusalém há o oratório de Davi e sua porta; aqui estão as maravilhas de Salomão e suas cidades”, e que as fundações da Al-Aqsa foram estabelecidas por Davi”.

Da mesma forma Nasir-i Khusraw , um escritor persa de viagens do século 11, gravou em sua descrição da Haram que “Salomão – sobre ele esteja a paz! – ao ver que a rocha era o ponto Kiblah, construiu uma rodada mesquita sobre a rocha, em que a rocha estava no meio da mesquita, que se tornou o oratório do povo”.

Durante vários séculos, até a queda de Jerusalém durante a cruzada cristã em 1099, os muçulmanos associaram Haram al-Sharif com os antigos templos. Depois que Jerusalém foi conquistada em 637, seu plano era reconstruí o Templo destruído como uma mesquita muçulmana.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA