Tumulto durante vigília religiosa mata 28 pessoas e deixa 200 feridos na Nigéria

14

No último fim de semana, um tumulto durante uma vigília em um centro religioso vitimou fatalmente 28 pessoas e deixou outras 200 feridas na cidade de Ukeh, na Nigéria.

Segundo a imprensa local, o tumulto começou com a chegada, aparentemente não esperada, de um grupo e políticos e candidatos a governador do estado de Anambra, onde fica localizada Ukeh. As informações divulgadas são de que houve um confronto entre apoiadores de partidos rivais nas eleições que acontecem esse mês, o que motivou o corre-corre.

O jornal Daily Times publicou relatos de testemunhas que contaram que apoiadores do senador Chris Ngige, candidato ao governo pelo All Progressives Congress, vaiaram o atual governador, Peter Gobi, e o candidato de seu partido, All Progressive Grand Alliance, Willie Obiano. Além disso, seguidores de Gobi e Obiano bloquearam a saída quando o senador tentou deixar o local.

Com o bloqueio da saída, teve início um tumulto no centro religioso, causando a morte de diversas pessoas, além de deixar centenas feridas por esmagamento e asfixia.


Por Dan Martins, para o Gospel+

14 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado,

    Ninguém tece qualquer críticas sobre o ocorrido.

    Simples, é que a imprensa noticiou que esse encontro era da igreja católica.

    Não estou criticando a igreja em si, sim os internautas parciais e tendenciosos que aqui postam suas opiniões, haja vista que quando foi com uma evangélica recentemente, a Universal, a turma baixou a lenha, imagine se tivesse presentes como co-partícipes igual a essa reunião, políticos?

    Aliás, o próprio site já é tendencioso por não dizer que igreja é essa. Brincadeira!

      • Anne,

        Assisti reportagem na tv dando conta que era uma missa católica.

        Perguntar não ofende. Caso fosse um culto evangélico e mais ainda com essa história de políticos na reunião, a turma aqui não já teria sentado a pua?

          • Nigéria: Arcebispo, falso alarme causou tumulto em Centro de Adoração, Escrito por Ervino Martinuz

            Onitsha, 04 nov (SIR) – O arcebispo católico da Arquidiocese de Onitsha, Dom Valerian Okeke, atribuiu o tumulto no “Centro de Adoração Espírito Santo” em Ulke, na província de Anambra, no sudeste da Nigéria, a “um falso alarme”. O prelado deu uma coletiva à imprensa no final deste domingo, destacando que o tumulto não foi causado por sabotagem e que “aconteceu foi algo extremamente infeliz”. Acompanhado pelo padre Uche Ukor, diretor do setor de comunicação social da Arquidiocese, dom Okeke também negou relatos de que o tumulto foi causado por uma cobra que saiu de um buraco. Nas primeiras horas de sábado, quando as pessoas estavam deixando o Centro de Adoração Espírito Santo, após uma noite de vigília em preparação à festa de Todos os Santos, houve um tumulto por causa ainda não esclarecidas e muitas pessoas perderam a vida e outras ficaram feridas. O tumulto e o corre-corre foram causados por um alarme falso espalhado por alguém no meio da multidão junto a uma das estradas estreitas fora da cidade. Havia mais de 100 mil pessoas e todos queriam deixar o lugar ao mesmo tempo. A vigília era realizada no centro a cada primeira sexta-feira do mês. Desta vez houve um afluxo extraordinário de pessoas. “A vigília começou e terminou normalmente”, afirmou o arcebispo que lamentou o que aconteceu. “Meu coração vai para as famílias e os amigos daqueles que perderam suas vidas no incidente. Garanto minha proximidade a todos eles e a todos os fiéis católicos que frequentam regularmente o Centro de Adoração ‘Espírito Santo’, em particular o diretor espiritual do Centro, padre Emmaneul Obimma, que está muito chocado com o que aconteceu”, afirmou ainda o prelado. Dom Okeke disse que já tinham sido iniciadas as investigações e que a Arquidiocese irá ajudar os feridos e as famílias dos falecidos. Sobre se o incidente tinha uma conotação política, dom Okeke disse que a igreja não iria mergulhar em política ou falar para qualquer político. O arcebispo elogiou os voluntários, a gerência e os funcionários dos hospitais onde os feridos estavam recebendo tratamento.

          • Paulo,

            Então a doutora deve procurar Jean também, pois abaixo relata em detalhes um fato ocorrido no seio católico.

            Se sou doido, ele pior ainda, trazendo nomes de pessoas, lugares, bem assim é jornalista em fazer uma matéria com jeito de jornalismo, será que recebeu um espírito?

          • Então Levi na próxima vez faça como o Jean e poste a fonte. A gente que vc não bate bem das ideias e sem provas documentais vai ficar difícil acreditar em coisas que vc viu ou deixou de ver.

          • Paulo,

            Se sim é sim, então não precisa jurar juntar documentação até porque não sou blogueiro, este blog/site é que deveria dar a informação completa.

            Assim, doidos são os do site e você que querem que eu traga para jornalistas as informações básica de suas notas jornalísticas.

  2. Estão tentando repetir o que deu certo no Brasil, unir “religião e política”, mas a verdade é que cada povo reage de forma diferente. Infelizmente a decisão não foi sábia e inevitavelmente ocorreu a tragédia! Fica aí o exemplo…

DEIXE UMA RESPOSTA