Foto de vendedores de abacaxi que oram para Deus abençoar o alimento viraliza no Facebook

7

Em tempos de violência, frieza e maldades diversas, o gesto de quatro vendedores de abacaxi inspirou milhares de pessoas no Facebook. Uma simples oração, antes de começar o dia de trabalho, foi flagrada em uma imagem e se tornou viral.

O momento foi registrado em Campo Grande (MS), por uma dentista que passava pelo local e fotografou: “Hoje pela manhã vi uma cena linda, uma equipe fazendo oração antes de sua jornada de trabalho… Por um mundo com mais pessoas assim… Amém”, escreveu a dentista Juliana Frigeri.

Em entrevista ao G1, a dentista afirmou que se deparar com aquela situação, em público, foi algo inesperado: “Me surpreendeu. Equipe unida, jovem e em oração. Isso é muito positivo, porque eles vendem alimento e isso vai para dentro da nossa casa. Alimento abençoado, energias positivas”, disse.

Ela afirmou que ao fotografar, teve o consentimento dos vendedores para publicar a imagem na rede social: “Eu fiquei parada no semáforo. Então, abaixei o vidro para fotografar e ouvi a oração. Pediam para que o Pai abençoasse o dia de trabalho deles”.


Um dos vendedores, Rafael Escobar, 18 anos, afirmou que a oração faz parte de sua rotina, e que ele trabalha com isso há oito anos. Os demais são Thiago, 25 anos, Benites, 24 anos, e Rafael Henrique, 17 anos. Rafael os conheceu na igreja e trabalha junto com eles há cerca de 2 meses.

“Pra gente é uma coisa normal, que a gente faz todo dia. Muitas pessoas perderam hoje o hábito de ir à igreja, de falarem a Palavra de Deus. Mas, é nosso costume fazer nossa premissa, entregar nosso dia a Deus e pedir para Ele as proteções para que não aconteça nada com a gente na rua, porque é perigoso, que traga clientes e que abençoe o alimento que vendemos”, contou.

Até o fechamento desta matéria, a imagem feita pela dentista já acumulava 700 compartilhamentos.

7 COMENTÁRIOS

  1. Lembrei de uma época em que eu fazia isso com uma equipe de vendas de consórcio de carros, no térreo do Sider Shopping em Volta Redonda.(aonde passavam milhares de pessoas por dia) Sempre que realizávamos uma venda, fazíamos o círculo e orava em gratidão. E em minha mente, pensava: Porque eu não me envergonho do" Evangelho de Cristo" por que é PODER DE DEUS! E também porque, pela graça e temor, eu NÃO mentia para os meus clientes, já amava a verdade!( Pv 23:23) Apenas eu era cristã.

  2. …”quem tem Jesus tem tudo, quem não tem , tem nada”…SEM/COM FUNDAMENTO…não é samba do crioulo doido ,mas a verdade…

    quem tem jesus ,Deus (ou qualquer santo) ,FÉ ,pode ter as coisas facilitadas ,por um ajudador (até melhor suportar a dor ,angustia e faltas )…

    mas o próprio jesus disse : tenho outras ovelhas que não são deste aprisco (muitos ateus ou de outras religiões ,às vezes estão mais próximos de Deus ,que muitos beato/as que estão sempre dentro das igrejas e no altar,pois são demônios em pessoa)…

    MAS TÃO BOM O TEMPO ,QUE OS PAIS ABENÇOAVAM OS FILHOS ,tão bom quando se orava ao deitar ,pela manhã ,às refeições ,quando saía vai com Deus ,Deus te leve e traga !!!

  3. Pastor passa 24 cheques sem fundos, é suspenso de igreja e pede danos morais na Justiça

    Um pastor entrou na Justiça contra uma igreja evangélica após ser temporariamente impedido de pregar após ter emitido 24 cheques sem fundos. O religioso pedia uma indenização por danos morais para a Assembleia de Deus, mas a 2ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina entendeu que a instituição religiosa tem o direito de suspender as atividades dos representantes, em caso de desvio de conduta.
    No processo, o religioso disse que sofria perseguição por ser afrodescendente e levantou a suspeita de inveja de superiores por sua ampla aceitação junto aos fiéis. Já a congregação explicou que a restrição foi imposta em virtude da conduta do pastor, que ia contra o Estatuto das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus.

    De acordo com a igreja, assim que o pastor regularizou as pendências financeiras pôde regressar ao cargo e teve ainda expedida uma carta de recomendação que lhe permitia pregar em outras igrejas da região.
    “Destarte, sendo a emissão de cheques sem fundos conduta reprovada pela instituição religiosa, não vejo como considerar inapropriada a limitação imposta ao demandante, até que sua situação fosse regularizada junto ao credor, como de fato ocorreu posteriormente”, concluiu o desembargador Jorge Luis Costa Beber. A decisão foi unânime

    extra.globo.com

DEIXE UMA RESPOSTA