Brinquedo inspirado na Arca de Noé é removido de parque infantil após reclamação de grupo ateísta

4

Após uma queixa realizada por um grupo ateísta, um brinquedo inspirado na Arca de Noé foi retirado de um parque infantil da cidade de Newark, no estado do Delaware, EUA. As autoridades locais afirmaram que, apesar de o brinquedo estar parque há muito tempo, a decisão de removê-lo veio porque o brinquedo exibia versículos do livro do Gênesis da Bíblia.

A remoção do brinquedo foi decidida após uma ameaça de processo judicial por parte do grupo “Americanos Unidos pela Separação entre Igreja e Estado” (também chamados de AU ou Americans United) que classificou a presença do brinquedo no parque como uma violação à Constituição americana.

– No início deste mês, a cidade de Newark recebeu uma denúncia a respeito do equipamento de recreação, que havia sido instalado há algum tempo, alegando que ele estava violando a lei, citando inúmeros exemplos de jurisprudência – afirmou um porta-voz da cidade, segundo o The Christian Post.

– Após uma avaliação, o nosso advogado aconselhou que a peça fosse removida, e o departamento de Parques e Recreação acatou a recomendação – completou a nota publicada pelo porta-voz.


O caso foi comentado por Janice Rael, vice-presidente do Americans United, que revelou que sua organização teve uma forte atuação na remoção do painel da Arca de Noé do parque.

– Recebemos queixas de alguns avós ateus que não queriam que seus netos vissem os versículos da Bíblia ou as imagens estilizadas da estória da Arca – afirmou Rael.

– Enviamos fotos para o departamento jurídico da nossa divisão local, a ‘Americanos Unidos do Vale do Delaware’, que investigou e descobriu que a instalação do equipamento com temas bíblicos em um playground público era de fato uma violação da separação entre Igreja e Estado – completou a ativista, ao explicar a motivação para solicitar a remoção do brinquedo.

Poucas semanas após enviar a sua reclamação para a prefeitura da cidade, o grupo declarou vitória em sua página no Facebook, ao saber que o material com a Arca de Noé havia sido removido do parque infantil.


4 COMENTÁRIOS

  1. Os nossos filhos podem ouvir os ateus zombarem da fé da sociedade.

    Vamos ter que tirar o boi bumbá, os bonecos de Olinda, o saci pererê, o papai noel, as imagens católicas, o cristo redentor, tirar de circulação os livros que pregam o criacionismo, deixando apenas os que pregam a teoria do ingles darwin.

    A américa se ajoelhando aos fundamentalistas?

    Será que o mundo não pode mais viver ao mesmo tempo com duas teorias?

  2. Dãããã!
    Se fosse o barco do Capitão Gancho, tudo bem!
    Afinal de contas Capitão Gancho é só uma história de ficção.
    Dãããã!
    Mas espera aí: os ateus não dizem que a Bíblia não passa de um livro de histórias?
    Se o barco do Capitão Gancho seria aceitável por ser um personagem fictício, seria aceitável também ter uma arca de Noé, já que a Bíblia não passa de um livro de ficção.
    Se o ateu não acredita na Bíblia, porque tudo que está ligado à Bíblia, os incomoda tanto?
    Isso para mim é uma admissão de que os ateus não gostam de nada que lembre a Deus ou nos que acreditam em Deus.
    Só que, quando eu vou a um lugar privado e não gosto de alguma coisa nesse lugar, das duas umas, ou eu frequento o lugar com parcimônia ou eu nem vou ao lugar.
    Agora ficar obrigando a um ambiente privado a retirar o que nos ofende, pow a justiça americana vai ficar abarrotada de processos de pessoas ofendidas.
    Lamentável a atitude do parque, tinha que peitar esses “ateus” de meia tigela.
    Afinal de contas, se a Bíblia para eles não passa de um livro de faz de contas, então não há motivos para retirar o brinquedo do parque e muito menos as frases inscritas nele.
    Francamente!

  3. Bando de ignorantes, agora esperem para colher a vitória em suas vidas daquilo que estão plantando …eu creio veemente que é esse o tipo de gente que vai povoar o inferno, até o dia do juízo se não se converterem terei prazer de ser juiz contra esse povo ao lado de Cristo.

DEIXE UMA RESPOSTA