Deputado pastor Eurico reapresenta projeto de “cura gay” na Comissão de Direitos Humanos

38

A polêmica em torno do projeto apelidado como “cura-gay” está de volta à Câmara dos Deputados com a reapresentação da proposta para avaliação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) por parte do deputado pastor Eurico (PSB-PE).

Em 2013, após os protestos dos ativistas gays e ataques ao pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que à época presidia a CDHM, o deputado João Campos (PSDB-GO) retirou o projeto de pauta para evitar um desgaste ainda maior. Na ocasião, os parlamentares da bancada evangélica prometeram que reapresentariam o projeto assim que possível.

O polêmico projeto prevê a derrubada de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proíbe aos profissionais da área prestarem atendimento ou orientação a homossexuais que estejam descontentes com sua opção sexual e desejem mudar sua orientação.

No entanto, quando o assunto foi para a mídia, o projeto ganhou o apelido pejorativo de “cura gay” e se tornou alvo de inúmeros protestos da militância homossexual. Embora os parlamentares tenham se esforçado para explicar o conteúdo da proposta, muitos eleitores se manifestaram contra.


Agora, vencido o prazo exigido pelo regimento interno da Câmara dos Deputados para a reapresentação de um projeto retirado de pauta, o pastor Eurico justificou sua iniciativa dizendo que a direção do CFP “se encontra eivada de equívocos e atitudes preconceituosas, configurando evidente exorbitância do seu poder regulamentar e dos seus limites de competência legislativa”.

Eurico disse ainda, de acordo com informações do jornal Estado de Minas, que a resolução do CFP “privilegia as práticas homoeróticas” e se “revela extremamente tendencioso e autoritário”.

O deputado disse ainda que a forma como o CFP trata o tema demonstra que foi adotado um “posicionamento político, sem base científica e que desconsidera substanciais estudos no campo da psicologia e da psicanálise” que indicam que a homossexualidade não é uma “orientação sexual final e irreversível”, e conclui: “A norma permite o tratamento de alguém que deseje, por exemplo, deixar uma orientação heterossexual, mas o proíbe caso deseje deixar a homossexualidade. São dois pesos e duas medidas”.


38 COMENTÁRIOS

  1. Tem todo meu apoio, realmente as maiorias não podem exercer direito sobre a minoria da mesma classe. Não sei se entenderam, mas explico a maioria gay , não pode negar que a minoria gay queira ajuda.
    Assim como está para a maioria cristã deixar eles viverem do jeito que quiserem , desde que não interfira na vida da maioria.
    O u seja se os poucos gays querem mudar que mudem desde que não incomodem a maioria.
    Também liberdade para os gays, desde que não nos incomodem.

    • O problema é que vai ter gente usando dessa ideia de homossexualidade ser revertida, para coagir muitos gays a mudarem sua opção sexual, mesmo que não queriam. Não dá pra retirarmos esse artigo do CNP, sem que haja uma ampla conscientização na sociedade, quanto ao respeito pelo próximo.

      E isso, infelizmente ainda não veio.
      Cara, evangélicos destilam ódio a torto e a direito. E isso está inviabilizando tal conscientização.

      É preciso mudanças. E pra ontem.

  2. O engraçado é que os piscicologos de vários países desistiram por completo reverter a orientação homosexual de crianças e na verdade até se propõe um aceleramento no processo de transisção por meios de aplicação hormonal, mutilação do orgão genital etc.

    Na Inglaterra ha casos de crianças de 10,12 anos as vezes até mais jovens passando por este processo!

    Acredito que a reapresentação deste projeto é necessário, porém não é a hora certa no proximo ano teremos mais força no congresso nacional e as chances de ser aprovados seram melhores.

  3. Não se preocupem, é só uma jogada política de um deputado desesperado por se reeleger e que deseja, através da polêmica, aparecer na mídia e tentar ganhar votos de eleitores alienados. Esse projeto terá o mesmo destino do anterior: o arquivo do Congresso Nacional e o lixo da história.

  4. Esses pastores fanáticos por bíblia não cançam de perseguir os homossexuais querendo até desfazer atos assinados e reconhecido no passado. Na realidade o que eles querem mesmo é chegar ao principal objetivo que é realizar no Brasil o que os pastores conseguiram em Uganda na Africa veja videos de homossexuais sendo agredido e queimado pela população homofobica em praça publica em consequencia de leis até de 14 anos de cadeia.
    Vejam, eles fazem de tudo para que a lei de homofobia não seja aprovada. mais querem revertem o passado desfazer atos assinados.Se for analizar os homossexuais sofrem descriminação e preconceito devido atos e leis feitas no passado apenas coisas negativas para o publico.Deixem os homossexuais em paz já que voces não querem realiza os casamentos em suas igrejas.

  5. Somente a natureza pode concertar o seu erro.psicólogo não adianta, remédio para cura muito pior, deus ja entregou as suas propias paixões, não lutem contra deus

DEIXE UMA RESPOSTA