Eleições CGADB: Justiça cancela inscrições de 5 mil pastores e estipula multa diária

Terceira ação judicial em apenas alguns dias, dessa vez Juiz do Amazonas cancela mais de 5 mil inscrições de pastores para eleições da CGADB, acirrando a disputa eleitoral que deve acontecer dentro de 43 dias

2

As eleições da CGADB ainda está dando muito o que falar, restando apenas 43 dias para a eleição da nova Mesa Diretora da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Dessa vez, o Juiz Jânio Tutomu Takeda, do município de Juruá, no Amazonas, deferiu uma liminar ajuizada pelo pastor Cloves Rocha de Freitas, onde cancela inscrições de 5 mil pastores e estipula multa diária de 10 mil reais, caso a ordem não seja cumprida.

A decisão do magistrado foi tomada com base na resolução nº 01/2016 da CGADB e publicada na última quinta feira (23). Segundo Takeda, a CGADB tem 48 horas para cumprir a ordem; “Fica a ré proibida de corrigir os dados incorretamente no site eleitoral para com essa medida não abrir precedentes futuros”, disse o magistrado em nota publicada no site JM Notícias, na ação nº 0000005-67.2017.8.04.5101, acrescentando ainda:

“Quanto a probabilidade do direito, este verifica-se das alegações do autor e os documentos acostados aos autos, que são suficientes, ao menos, preliminarmente para a análise da medida”.

Motivo da ação judicial contra a CGADB

O Pastor  Cloves Rocha de Freitas entrou com a ação afirmando que o ex-presidente da Comissão Eleitoral da CGADB, Antônio Carlos Lorenzetti de Mello, teria ignorado a Resolução Eleitoral nº 01/2016, da própria CGADB, validando inscrições que já haviam sido impugnadas. O resultado foi o cancelamento de 5.207 inscrições consideradas ilegais.


O mesmo pastor também validou a candidatura do pastor José Wellington Júnior à presidência da CGADB, descumprindo a mesma resolução, motivando o seu afastamento do cargo no dia 08 passado através de liminar proferida pelo Estado de Goiás.

Noticiamos recentemente que a eleição da CGADB está prevista para acontecer na 43ª Assembleia Geral Ordinária, em abril desse ano, e deve enterrar o clima desagradável que envolveu o Pastor Samuel Câmara e o atual Presidente da CGADB, Pastor José Wellington Bezerra da Costa, devido a divergências no número de inscritos no último pleito, quando Pr. Wellington foi reeleito.

Sendo a terceira liminar proferida pela Justiça em decorrência das eleições da CGADB em apenas alguns dias, a corrida eleitoral pela Presidência da CGADB deve permanecer acirrada, gerando muita expectativa para os mais de 13 milhões de assembleianos no Brasil.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA