Brasil

Escola Sem Partido: por que todo cristão deveria entender e defender o projeto?

Comments (0)
  1. INFELIZMENTE existem pastores cabeça dura, que ecoa aos quatro ventos que crente não deve envolver-se com politica ou que igreja e política não se misturam. Gostaria que os pastores que pensam assim, que me provem dentro da Biblia Sagrada, onde estar escrito isso ou melhor, em que momento da não houve política no meio do povo hebreu, israelita, cristão ao longo dos séculos. Se não podemos nos envolver com politica, também não podemos votar já que acabamos ajudando eleger alguem que nem temor de Deus tem e poior, o que ele fizer de errado, seremos cúmplices por que lhe demos voto de confiança. Não seria melhor orientar, instruir assim como fazemos com nossos filhos em relação ao mundo de pecado que nos rodeia? do que viver cercando ele de proteção e depois ele aprender sozinho e do jeito errado? Precisamos aprender o que significa Ideologia e Identidade de Gênero, ideais Marxistas, Chegue varistas, ateístas, socialistas e comunistas e os efeitos negativos de sua aplicação nas escolas. A lavagem cerebral sindicalista atrofiando a mente e criando um bando de bobos que vivem cuspindo nos outros, jogando ovo, ou chamando-o de facista, preconceituoso, homofóbico e outros bla, bla, blas… Precisamos orientar, combater, não aceitar, não se curvar.. Ahh irmão, mas tá escrito… eu não vi nenhum homem de Deus, só porque estava escrito, sentar numa pedra e ficar esperando o tempo passar. Eles foram à luta e os bichos preguiças desse século, cruzam os braços e ficam entoando: ESTAVA ESCRITO QUE SERIA ASSIM. Seja mais um religioso olhando para o céu de luz ou um soldado de Cristo combatendo contra o mal.

  2. So que esqueceu de dizer aos evangelicos e religiosos, que o mesmo projeto proibe os professores de falar sobre qualquer religião, qualquer menção a divindades e proibindo cultos dentro de escolas (esta proibido ao professor dizer qual é sua religião), proibe tambem falar sobre revoluções tanto socialistas quanto capitalistas (o golpe de 64 seria visto como de direita e proibido).
    E algo que tambem não é mencionado, os professores seram proibidos de dizer qual é o exemplo de melhor familia, se gay o hetero, pois ficara ao cargo dos pais dizer isto.

  3. josé lopes disse:

    A igreja como instituição tem o direito e dever de atuar na politica através de seus cidadãos, com propostas e projetos de interesse da população, e especificamente em defesa dos seus direitos como fazem os sindicatos, as empresas e demais segmentos.

  4. Isto chama-se lei da mordaça, já pensou um professor de filosofia, vai ensinar o que aos seus alunos, conciencia politica é intriseco no ser o humano.

  5. Os Cristãos atuais querem usar as mesmas armas dos Gentios, ao inves das armas de Deus que é a sua palavra. Que tem poder sobre todas as coisas. Na sua grande maioria os Cristão atuais são divulgadores da palavra, mas não são praticantes da mesma.

  6. Levy Sabino disse:

    Analiso tudo isto da seguinte forma: tanto um ponto quanto o outro tem suas perdas e seus ganhos; suas virtudes e seus defeitos. A questão é saber optar, de forma isenta e resignada, o que traria mais vantagens dentro dos ideais princípios de ética e sadia formação de caráter e, consequentemente, proveitosa cidadania.
    Se optarmos por uma ESP, não se correria o risco de haver doutrinação ideológica ou partidária, se os chamados educadores realmente forem honestos em suas funções, mas também não teríamos a oportunidade de ministrar classes de religião.
    Já a procuradora Deborah Duprat, teme perder as possibilidades de disseminação de doutrinas bem peculiares às ideologias esquerdistas, claramente nocivas à formação sadia de nossos jovens.
    Portanto, dentro do ponto de vista de “ganhos e perdas”, como cristão evangélico opto pelo estabelecimento de uma ESP, cuja filosofia me parece mais democrática dentro de seu princípio de neutralidade.

  7. Daí uma grande distância entre ensinar e induzir. Pelo que entendo nesta Lei, é que o professor não poderá convencer seus alunos a seguir qualquer tipo de ideologia deles (do professor), se apropriando do poder que ele tem na sala de aula. Isso vale para ambos, religiosos ou não. A questão é que devemos respeitar o credo dos alunos na sala de aula, independente de Lei para isso.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *