Casal evangélico é acusado de aliciar menores para trabalho escravo e adoção ilegal

32

Um casal evangélico que publicou um anúncio (foto) nos classificados de um jornal à procura de uma babá para uma criança de um ano de idade está sendo acusado de promover o trabalho infantil e a adoção ilegal de crianças.

O texto do anúncio veiculado no Diário do Pará diz que o “casal evangélico precisa adotar uma menina de 12 a 18 anos que resida [na casa da família] para cuidar de uma bebê de um ano”.

O anúncio também descreve o casal como empresários e pede que as interessadas se apresentem com os pais ou responsáveis. A TV Liberal veiculou reportagem em que uma produtora se passa por interessada e gravou a conversa, onde um homem admite a procura por crianças para “adoção”.

Posteriormente, um repórter da emissora se identificou e perguntou sobre a legalidade daquele tipo de oferta, e ouviu do mesmo homem uma declaração diferente, dizendo que aquilo havia sido um “equívoco” cometido por outrem, sem “maldade”.


Após as denúncias, o Ministério Público do Trabalho e a Polícia Civil instauraram uma investigação que tem como objetivo esclarecer as responsabilidades das pessoas físicas envolvidas e do jornal responsável pela veiculação do anúncio.

O professor e blogueiro Douglas Belchior publicou um artigo comentando o caso, e o considerou uma “situação absurda de promoção do trabalho infantil análogo à escravidão”.

A repercussão desse caso levou à divulgação de outra situação semelhante, coincidentemente novamente protagonizada por evangélicos. A blogueira Franssinete Florenzano, que vem acompanhando as investigações, denunciou outro anúncio do tipo, desta vez, feito nas redes sociais.

“Há cerca de duas semanas uma mulher, identificada como Cristiane Soares Melo, evangélica, casada com um pastor e com uma filha de dois anos, postou no grupo de bazar no Facebook ‘Venda, compras e trocas – Marabá’ que estava procurando uma menina carente para ajudar, que morasse com ela, e “se fosse menor de idade” pretendia ‘pôr na escola para estudar, levar e buscar, cuidar como filha’”, denunciou Florenzano.

Segundo a blogueira, o caso já vem sendo apurado pela Justiça do Trabalho: “O caso chegou ao conhecimento do juiz do trabalho Jônatas Andrade – cuja brilhante atuação no combate ao trabalho escravo já lhe rendeu ameaças de morte, além de prêmios de entidades de defesa dos direitos humanos. O magistrado acionou de imediato ao Ministério Público do Trabalho em Marabá. Amanhã [segunda-feira, 04 de maio] mesmo o MPT vai abrir procedimento apuratório. Ecos da herança escravagista? Quadrilha de pedófilos? Ou tráfico de pessoas?”, questionou.


32 COMENTÁRIOS

  1. como se não bastasse pa$$tor estuprador de filhas, netas sobrinhas, enteadas.

    INVENTAM
    nova safadeza a
    ESCRAVIDÂO EXPLORAÇÃO do trabalho de infantil!!!

    que semvergonha são esses evanjegues safados!!

  2. Casal de evanjegues safado merecem uma camaçada de pai nos chifres., raca de espertalhoes mercenarios. Eles q contratem uma empregada já que dinheiros eles têm pois surrupiam dos dizimos dos otarios

  3. Se fosse um casal homoafetivo, os fanáticos frequentadores deste site estariam aqui vomitando xingamentos e ódios. Mas como o escândalo atinge crentes, eles ficam quietinhos como ratos escondidos em bueiros.

    • Verdade sandro ., eles vivem para explorar o povo ., e usam artifícios para se justificarem ., aja vista a enganacao desenfreada de venda de unção , falam quem pagar vai levar e chegam a cobrar 10mil por uma benção , sem contar os escândalos embaixo do pano.,
      Vc caro sandro faz um grande serviço de desmascarar estes vendilhões 171 da Fe., parabéns pelos seus sábios comentarios.paz e bem

      • Obrigado, caro Lopes, pelas palavras de incentivo. Também gosto de seus comentários, e embora não seja católico, respeito essa igreja pela postura, entre outras, de não compactuar do vil mercado da fé, bem como de não fazer oposição odiosa aos homoafetivos em luta por direitos civis igualitários.

        • Ok. Sandro , o santo padre disse se uma pessoa é gay e busca Deus , quem somos nós para recriminá-lo , a igreja e mãe e mãe acolhe a todos .,
          Sandro sou católico e temos uma grande obra social., o padre diz não precisa de ofertas em espécie , precisamos de muito alimento não perecivel., para composição de cestas básicas para os meus pobres. Acho isso muito importante pois os pastorecos mercantilizam a fe e desviam os dizimos para seus bel prazer., escandalizando os cristãos no mundo inteiro.as vezes sei q me exalto., mas essa raça não tem limites eles atacam até a santa virgem mãe de Cristo e os santos e anjos , ai tira qualquer cristão do sério., paz e bem

          • Concordo plenamente com você, Lopes, e tenho o Papa Francisco como um revolucionário que leverá a Igreja para caminhos de muito mais amor e inclusão das minorias.

          • Lopes e sandro.

            Leiam Cristo fazendo referências quanto a mau juízo.

            Vocês dois parecem não sei nem o que.

            É assim: Eu sou santo e nós somos santos; ele é o cão juntamente com os encardidos pastores.

            Vocês são um exemplo de amor ao irmão, ao próximo, e ao inimigo.

            Um par de exemplos.

  4. A nota no jornal foi:

    “casal evangélico precisa adotar uma menina de 12 a 18 anos que resida [na casa da família] para cuidar de uma bebê de um ano”

    Se tiver um anúncio mais confuso que esse aí. É brincadeira.

    Parece mais meus comentários quando com raiva das falas de certas figura daqui.

    O próprio jornal, que deva ter um redator final, deve ser instigado a responder por sua omissão em censurar o texto ou então não publicá-lo.

    Como é que se adota criança por anúncio no jornal? E a pessoa adotada já vai servir de babá?

    Servição este site está fazendo, pois publicar uma coisa sem pé e sem cabeça, achando que alguém vai acreditar.

    • Sim acreditamos pois a evAnjeçaiada safada., são delinguentes e aproveitadores cadeia neste caso de pastoreco aproveitadores ., querem escravos ,para continuarem explorando o povo.,

      • Lopes,

        Não,meu caro, não estão falando da tua igreja. sim dos evangéicos.

        Se fosse da tua igreja que falassem, claro que poderia ser verdade, pois sempre tratou as pessoas a chicotadas, coloca dentro de mosteiros, autoritária…

        Você leu enganado, não foi um par de católicos, sim de evangélicos, por isso que eu disse que está havendo alguma coisa errado, afinal os evangélicos nunca fizeram coisa desse tipo e nem parecida.

        • “Não foi um par de católicos, sim de evangélicos, por isso que eu disse que está havendo alguma coisa errado, afinal OS EVANGÉLICOS NUNCA FIZERAM COISA DESSE TIPO E NEM PARECIDA.”

          PASTOR CONDENADO POR TORTURA E TRABALHO ESCRAVO DE MENORES

          Os desembargadores que integram as Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) confirmaram, na tarde desta segunda-feira, a condenação do ‘pastor’ e cabo da Polícia Militar João Damião Ribeiro pelos crimes de tortura e a prática de trabalho análogo à de escravo, contra menores de 18 anos.
          O relator da Revisão Criminal, desembargador Sérgio Bizzotto Pessoa de Mendonça, apresentou em seu voto argumentos contrários ao pedido da defesa, que tentou anular a sentença de primeiro grau ou a redução das penas.
          De acordo com os autos do processo nº 047.04.004676-6, cabo Damião é pastor que funcionava num sítio no distrito de Nestor Gomes, em São Mateus, da qual se proclamou o pastor. A igreja servia como espécie de entidade para abrigar menores abandonados pelas famílias, órfãos e adolescentes em conflito com lei.
          Denúncias chegadas ao Conselho Tutelar de São Mateus e investigadas pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual, entretatno, concluíram que Damião teria obrigado crianças a adolescentes a trabalhar na lavoura, sem qualquer tipo de remuneração. Em troca, o pastor-policial dava somente comida, como mocotó e bucho de bovino.
          Os menores, segundo a denúncia, também eram obrigados a assistir cultos na igreja do pastor Damião, que ficava dentro do sítio. De acordo com o MP, crianças e adolescentes eram torturados com bainha de facão quando cometiam alguma indisciplina, como se recusar a ir à igreja ou cochilar durante os cultos.
          Crianças e adolescentes eram colocados dentro de uma espécie de catacumba vazia como forma de castigo, quando dormiam na hora do culto. Quando falava algum palavrão, o menino era deixado nu para que os demais colegas formassem uma fila indiana e o espancasse com bainha de facão até que urinasse ou defecasse, diz o desembargador Sérgio Bizzotto em seu voto.
          A juíza Cláudia Cesana Sangali de Mello Miguel, da 1ª Vara Criminal de São Mateus, condenou Damião a 15 anos e quatro meses de reclusão, incluindo uma pena de quatro anos por cárcere privado.
          No julgamento de uma apelação na 1ª Câmara Criminal do TJES, a desembargadora Catharina Maria Novaes Barcellos, atendeu parcialmente a defesa, anulando a condenação por cárcere privado, mas mantendo as outras penas.
          A decisão da magistrada foi confirmada pelas Câmaras Criminas Reunidas à unanimidade. Sendo assim, o pastor Damião foi sentenciado a quatro anos e seis meses de reclusão por trabalho escravo e quatro anos por tortura, totalizando oito anos e quatro meses.
          Damião, que já se encontra preso na carceragem do Quartel do Comando Geral da PM, em Maruípe, foi condenado a regime fechado.

          Publicado por Âmbito Jurídico

        • “Não foi um par de católicos, sim de evangélicos, por isso que eu disse que está havendo alguma coisa errado, afinal OS EVANGÉLICOS NUNCA FIZERAM COISA DESSE TIPO E NEM PARECIDA.”

          PASTORES SÃO ACUSADOS DE MANTER ESCRAVOS EM FAZENDAS EM MINAS

          Pastores evangélicos acusados de aliciar fiéis de São Paulo para o trabalho escravo em fazendas no sul de Minas Gerais podem ter a prisão preventiva pedida nas próximas semanas. Eles negam as acusações e se dizem vítimas de perseguição.
          Cícero Vicente Araújo e Edmilson Pereira da Silva, pastores do Tatuapé (zona leste) teriam movimentado R$ 10 milhões em bens adquiridos com doações não declaradas de fiéis paulistas. Eles compraram imóveis, terras, estabelecimentos comerciais, carros e rádios clandestinas em Minduri, Andrelândia, Caxambu, Cruzília e São Vicente de Minas. Eles foram indiciados por estelionato e ocultação de bens. O promotor de Caxambu (MG), Bergson Cardoso Guimarães, disse ontem que vai dar início à ação penal contra eles, denunciados à Justiça em abril pelas polícias Civil e Federal e a Promotoria. Eles arrebanharam ao menos 800 seguidores convencidos a trabalhar de graça em “refúgios espirituais no campo”.
          A reportagem foi ao sul de Minas após receber, no final de julho, as primeiras denúncias de ex-fiéis que abandonaram fazendas do grupo e se dizem enganados pelos pastores.
          Eles contam ter vendido o que tinham para adquirir, com os pastores, terras e comércios registrados em nomes de pessoas sem ligação com a igreja. Também dizem que trabalhavam sem registro em carteira e recebiam só roupas e comida.
          Outro lado
          Por quatro dias, o pastor Estevão Ribeiro disse que o pastor Cícero Vicente Araújo comentaria as denúncias e afirmou que a reportagem poderia visitar as fazendas. “Não temos o que esconder.” No entanto, Araújo se recusou a conceder uma entrevista e a reportagem não pôde visitar as fazendas.

          Fonte: Folha de São Paulo

          • Fábio,

            Imagine se os tribunais registrassem como o faz com os evangélicos os crimes dos católicos, ou seja, ao julgar os malfeitos dos católicos, registrasse a sua religião.

            Outra coisa, tem muitos católicos se passando por evangélicos pra receber regalias, ou seja, embora isso não exista.

            Bandido é bicho esperto, como os daqui que estão vindo num suposto site evangélico, que em verdade é católico, e apresentar as situações esporádicas de crime e pecado contra supostos evangélicos.

            Só tolo que não consegue vê que esse site é católico.

          • se realmente o registro da religião fosse feito na autuação de um criminoso Levy, te garanto que a proporção de “evangélicos” aumentaria bastante, não é só neste site que é possivel se fazer uma média entre os crimes protestantes e católicos e observar que grande maioria são protestantes.

          • Nostafora,

            Seria qual o motivo?

            Será o fato de que ão os dois maiores grupos de adepto? Pronto, descobri pra você. É isso mesmo.

            Mas tem uma coisa, alguns se dizem o que não é.

            Como é que vai o rancoroso do Acre que rasgou e disse que rasga novamente a bíblia?

            Você costuma rasgar também, na exata expressão da palavra?

            Que no conteúdo todos os dias rasga e atropela.

      • 5 segredos obscuros da Igreja Católica

        Ao longo da sua longa história, a Igreja Católica tem sido abalada por escândalos que vão desde a criação da Ordem dos Templários, o julgamento de Galileu até a Madre Teresa​​. Ao longo do século 20 e 21, muitos escândalos vieram à tona, mesmo com a Igreja tentando mantê-los em segredo.

        Confira 5 segredos obscuros da Igreja Católica e se surpreenda:

        O escândalo dos Orfãos de Duplessis

        Nos anos de 1930 e 1940, uma revolução conservadora inaugurou uma era na cidade de Quebec no Canadá, conhecida como ” A Grande Escuridão”. Liderados pelo Premier Maurice Duplessis, o período foi marcado por atos de corrupção sem precedentes e de repressão, muito dos quais envolvendo a Igreja Católica.

        A partir dos anos 1940, o governo Duplessis, em colaboração com a Igreja Católica começou a diagnosticar crianças órfãs com problemas mentais que elas não possuíam. Como resultado desses falsos diagnósticos, milhares de órfãos foram enviados para instituições psiquiátricas da igreja, que recebiam subsídio do governo.

        Diversos orfanatos foram convertidos em manicômios para crianças para que a Igreja Católica pudesse ganhar mais dinheiro com os subsídios. Cerca de 20 mil crianças foram erroneamente diagnosticada e presas desta maneira.

        Para piorar a situação, muitos dos órfãos não eram exatamente órfãos. Alguns deles eram simplesmente os filhos de mães solteiras levados à força para a custódia da Igreja, que desaprovada a própria existência do parto fora do casamento. Depois de serem internadas, as crianças eram submetidas a uma vida de pesadelo, que incluía o abusos sexuais, terapia de eletrochoque e lobotomias forçadas.

        Algumas crianças foram usadas em testes de drogas e outras experiências médicas.Muitos morreram como resultado de seu tratamento. Na década de 1990, cerca de 3.000 sobreviventes do escândalo dos Orfãos de Duplessis trouxeram a história a tona. O Governo fez um acordo monetário com as vítimas mas a Igreja Católica tentou abafar seu papel no escândalo mantendo-se em silêncio.

        O escândalo das Crianças Britânicas

        Durante os séculos 19 e 20, em torno de 150.000 crianças britânicas foram enviadas para a Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Rodésia.

        O esquema de tráfico infantil tinha como objetivo a criação de colônias de caucasianos (brancos). As crianças britânicas foram escolhidas para serem enviados pois de acordo com referências da época elas eram um “bom estoque de pessoas brancas.”

        Entre os anos 30 e início dos anos 60, a Igreja Católica enviou pelo menos 1.000 crianças britânicas e 310 crianças maltesas para escolas católicas na Austrália, onde muitos foram forçadas a trabalho escravo principalmente no ramo da construção.

        Além de trabalhos forçados, inquéritos posteriores descobriram que muitas das crianças enviadas pela Igreja eram brutalmente espancadas, estuprados. Muitas crianças passavam fome e eram alimentadas com restos e no chão, como animais. Décadas mais tarde, em 2001, a Igreja Católica na Austrália confirmou os crimes cometidos e emitiu um pedido de desculpas.

        O roubo de crianças na Espanha

        Na década de 1930, o regime fascista de Francisco Franco procurou purificar Espanha através do roubo de bebês de pais “indesejáveis”. O regime dizia que os bebês deveriam ser criados em um ambiente “politicamente aceitável”. O regime inicialmente direcionou às crianças de esquerdistas, mas atingiu também mães solteiras. Aproximadamente 300 mil bebês acabaram roubados de seus pais.

        O esquema de roubo de bebês foi realizado com a grande colaboração da Igreja Católica da Espanha. Depois de Franco subir ao poder, ele se declarou o defensor da Espanha católica. Assim, a Igreja controlava a maior parte dos serviços sociais na Espanha. Isso permitiu que milhares de crianças fossem roubadas de seus pais por médicos católicos, padres e freiras.

        Em muitos casos, os enfermeiros em hospitais católicos levavam os bebês recém-nascidos de sua mãe para serem examinados. A enfermeira, então, voltava com um bebê morto mantidos no gelo com o propósito de convencer a mãe que o bebê tinha morrido. Depois que os bebês eram roubados de suas mães, eram vendidos em um mercado negro de adoções.

        Depois da morte de Franco, em 1975, a Igreja manteve seu controle nos serviços sociais na Espanha e continuou o esquema. Os sequestros de crianças só diminuíram no fim de 1987, quando o governo espanhol começou endurecer os critérios de adoção. Estima-se que cerca de 15 por cento das adoções na Espanha entre 1960 e 1989, faziam parte do esquema de seqüestro.

        Lavagem de dinheiro Nazista no Banco do Vaticano

        Em 1947, um agente do Tesouro dos EUA chamado Emerson Bigelow escreveu um relatório altamente confidencial, que alegou que a Igreja Católica tinha contrabandeado ouro nazista através do banco do Vaticano. O próprio relatório foi “perdido”, mas uma carta escrita por Bigelow explicou que ele continha informações de uma fonte confiável revelando que a Croácia tinha contrabandeado cerca de 350 milhões de francos suíços em ouro para fora do país no final da guerra.

        De acordo com Bigelow, aproximadamente 200 milhões de francos ficaram no Banco do Vaticano sob custódia. Um porta-voz do banco do Vaticano negou as alegações, mas a Igreja Católica permanece envolvida em ações judiciais sobre a sua suposta lavagem de ouro nazista. Em 2000, uma ação coletiva foi movida por cerca de 2.000 sobreviventes do Holocausto e familiares que buscavam a restituição do Vaticano até US$ 200 milhões, utilizando os dados de Bigelow e outros documentos recentemente liberados por agências de espionagem que alegam que o Vaticano tinha ouro confiscado dos judeus no regime Nazista. A ação está parada na justiça dos EUA até hoje.

        Os manicômios de Maria Madalena

        Com base em seus dogmas ultraconservadores sobre a sexualidade, muitas mulheres foram presas pela Igreja Católica suspeitas de prostituição ou “promiscuidade”. Elas eram aprisionadas em instituições para doentes mentais dirigidas pela Igreja conhecida como Manicômios de Maria Madalena. Inicialmente, as mulheres recebiam “tratamento” devido ao seu comportamento pecaminoso ou por serem promiscuas. Muitas mulheres foram enviadas para os manicômios por suas próprias famílias.

        As principais instituições desse tipo se encontravam na Irlanda. Lá as mulheres eram presas  e forçadas a fazerem trabalho escravo, principalmente relacionadas a lavagem de roupas, durante sete dias por semana. É claro que a Igreja estava sendo paga pelo trabalho das mulheres. Essas lavanderias geravam um grande lucro para a igreja local. As mulheres presas também era espancadas, má alimentadas e sofriam abuso sexual. Estima-se que mais de 30.000 mulheres foram presas nessas instituições.

        Os manicômios foram operados na Irlanda do final do século 18 ao final do século 20. Eles só se tornaram uma questão de debate público em 1993, quando 155 corpos foram descobertos em uma vala comum no norte de Dublin. As autoridades que administravam o manicômio haviam enterrado as mulheres em segredo, sem dizer a suas famílias ou mesmo das autoridades que eles tinham morrido.

        Em 2013, as autoridades irlandesas concordaram em pagar, 45.000 mil dólares como indenização para cada sobrevivente após o Comitê contra a Tortura das Nações Unidas pedisse ao governo para tornar uma atitude.

          • Luciano,

            A história das irlandesas escravas, em recente data, talvez no ano de 2013, esse assunto foi ventilado novamente na imprensa mundial.

            Ou seja, não era por acaso que os católicos protestantes tremiam quando falavam no nome da igreja e dos papas.

            São muitas almas no céu pedindo por justiça, segundo o livro de apocalipse, contra a prostituta, a que se envolveu com os reinos do mundo, tendo levado a eles e participado suas imundícies,

            SAI DELA, POVO MEU.

            Tá em tempo, Sandro, Lopes, Reinaldo, Mauro, stardust, nostafora…

  5. NOTÍCIAS NAS PÁGINAS POLICIAIS
    sobre pa$$tores e evanjegeues!!!???!!!

    a CADA DIA CRESCE MAIS e MAIS

    PARECE
    a LISTA TELEFONICA do estado de São Paulo!!! kkkk
    uma ENORMIDADE ESPANTOSA!!!! kkkkk de nomes!!!!kkk
    kk

  6. Sandro tenho dois funcionários gays , são pessoas sublimes muito honestos e trabalhadores ., olha estes dias estavam comentando que na Espanha , houve um caso de intolerância por parte de um sacerdote que não quiz dar a santa comunhão a um travesti , e o santo padre ficou sabendo do caso.. E imediatamente mandou busca lo e o levou até a santa sé em Roma e abraçou o e disse vc tbm é filho de Deus ., almoçou com ele e deu a santa comunhão ao mesmo e mandou o núncio apostolico corrigir o sacerdote espanhol , achei esta atitude muito sublime e é esta a orientação do seu magistério a todos os çristao ., amai vos sem medida ., paz e bem

DEIXE UMA RESPOSTA