Escritora cristã, autora de livro que fala sobre “se casar e ser submissa”, é atacada por feministas

31

A escritora cristã Constanza Miriano, uma jornalista italiana, se tornou alvo de críticas e ataques por parte de grupos feministas por ter publicado um livro sobre casamento no qual instrui as mulheres a serem submissas aos seus maridos.

Intitulado “Cásate y sé sumisa” (Case-se e seja submissa, em espanhol), o livro, segundo o The Christian Post, tem como base princípios do Antigo Testamento da Bíblia. Entre os ensinamentos presentes na publicação, está o de que as inconstâncias das mulheres que as levam a ir contra as opiniões dos homens podem ser a raiz de muito sofrimento.

Entre outras coisas, o livro ensina também, às mulheres, que elas devem ouvir os conselhos de seus maridos quando precisam de orientações no caso de alguma decisão ou escolha, pois seria “como se Deus estivesse falando”.

Para Constanza, ao servir o marido em tarefas de casa, por exemplo, a mulher terá mais condições de convencê-lo de se enquadrar no comportamento que desejar, como retribuição ao esforço dentro de casa. Ela afirma ainda que as mulheres devem escolher entre trabalhar ou serem esposas.


Tais ensinamentos presentes na obra de Constanza Miriano motivaram manifestações contrárias por parte de diversas feministas, que querem tirar o livro de circulação. Entre as mulheres que se mostraram revoltadas com a publicação, está a ministra da Saúde da Espanha, Ana Mato, que afirmou que irá tomar providências na justiça para que o livro seja retirado de circulação, de forma a “evitar más influências”.

– Eu acho que [o livro] é inapropriado e desrespeitoso com as mulheres – afirmou Ana Mato, segundo o jornal britânico Telegraph.

O psicólogo Sam Owen, especialista em relacionamentos, comentou o sucesso do livro afirmando que tal aceitação é reflexo de um momento conturbado na história vivido atualmente, em que a instituição do casamento tem sofrido com a perda de valores e inúmeros divórcios.

Segundo Owen as pessoas estão tentando se apegar relacionamentos “à moda antiga” como forma de reajustar os papéis dentro do matrimônio, por estarem confusas ao fracassarem em suas tentativas de conduzir um casamento em harmonia.

Por Dan Martin, para o Gospel+


31 COMENTÁRIOS

    • A Raquel Sherazade? Pois é, se expor em rede nacional de televisão, com aquela pintura de atriz de cabaré e mulher da vida na cara, realmente não é próprio para uma verdadeira varoa cristã. Sem falar que poder estudar jornalismo é uma libertinagem conquistada pelas feministas. Conservadora de araque.

    • Ai o edy.
      os donos do site gospimais.
      deixaram de dar a cesta basica da jussarastardust.
      e ai ela se rebelou e parou de comentar. dai se mostra o fracasso que é este site gospimais.
      pois a jussarastardust, era como um femento nesse que colocava um comentario atrás do outro, e logo parecia 80, 100 comentarios porém 90% era o fermento da jussaragulosa.

      AGORA DE UMA OLHADA NOS POSTS.
      E 2, 3 , 4 comentários e olha lá.
      nem criticar a iurd esta adiantando mais.
      kkkkkkkkkk

      • arrebentar

        Eu não recebo cesta básica. Nem do gospelmais, nem de nenhum outro. Não estou comentando pq tenho outras tarefas, e além disso, a sua organização já está mais que manjada. Estive conversando com algumas pessoas e vejo que cada vez mais a sua organização está perdendo membros, obreiros, pastores e até bispos. O povo tá descobrindo a vdd. A record inclusive está naufragando na loucura de ser a primeira no ibope… as novelas da record acumulam fracassos, e até o edir macedo preocupado com a situação da mesma, pediu orações pela record.

        Os funcionários da record aliás no fim do ano sequer receberam um panetone… é a crise né? curioso que é só a iurd perder membros, que a record tem dificuldades… coincidencia?

        Enquanto isso, valdemiro, que tem sido ferozmente perseguido por gente que se diz de Deus, tem tido cada vez mais aparições na tv… tentaram tanto fazer ele sumir da tv, que agora ele tá volta e meia nela…

        Não é melhor servir à Deus? pense nisso!

        • XXXIIIIIIIII.
          Mexeu com o virus …
          ai o jussarastardustgulosa.
          1º que realmente eu ja sei que vc procurou cesta básica na igreja.
          depois essa historia de que a iurd esta perdendo membros. a onde?
          que eu saiba não existe um lugar se quer no brasil que possa comportar todo o povo da IURD, e nem mesmo reuniões simultâneas se pode fazer.

          e funcionarios da record não recebeu panetone, porque não tinham que receber, assim como funcionarios de outras emissoras deixaram de receber certas coisas, e além do mais não existe lei para obrigar isso, pois isso e uma gentileza da casa. que é custeada através de, permuta.

          MAS PARA vc entender isso vc tem que estudar administração.
          quanto ao seu guru Valdemiro , CADE ELE? A onde ele está?

          O SBT só chamou ele porque o Bp macedo se recusou a ir lá….
          Jussarastardusgulosa. Tá ficando dificil arrumar uma cesta basica para a senhora.

          • “eu ja sei que vc procurou cesta básica na igreja”

            De novo essa história? alguém acredita nessa mentira sua?

            A diminuição de membros da iurd é comprovada pelo simples fato… aos domingos ( dia que as pessoas mais vão as denominações ) a iurd tinha 5 reuniões… agora são só 3… isso é prova mais que suficiente que o povo diminuiu.

            E além disso, o próprio IBGE, comprovou a diminuição de membros da iurd. vejamos um artigo publicado aqui mesmo no gospelmais:

            “Crise na Igreja Universal? Denominação do Bispo Edir Macedo tem queda de 24% de fiéis – 16 de agosto de 2011

            A Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) se encontra em declínio acelerado e só no período de 2003 a 2009 perdeu 24% do total de seus fiéis. Essa informação –divulgada nesta segunda-feira (15) pela Folha S. Paulo — foi extraída da POF (Pesquisa de Orçamento Familiar), do IBGE, que entrevistou 56 mil famílias em todo o país.

            Trata-se de um dado preliminar porque os mapas completos sobre as religiões dos brasileiros do Censo 2010 serão divulgados até o final deste ano.

            O jornal não divulgou o número absoluto de fiéis da Universal. Mas, de acordo com estimativa divulgada em abril pelo portal R7, é de pelo menos 8 milhões. R7 está ligado à igreja e sua informação, nesse caso, pode estar comprometida.

            A fuga de fiéis da Universal está ocorrendo basicamente por dois motivos. Primeiro: surgimento de dissidências religiosas, além do fortalecimento das já existentes, como a Igreja Mundial, e, segundo, o aumento do número de “evangélicos genéricos”.

            Os “genéricos” são crentes que não se sentem presos a nenhuma igreja e podem frequentar ao mesmo tempo duas ou mais denominações, incluindo, em alguns casos, a Igreja Católica.”

            portanto, a queda de membros não é achismo da minha parte, é um fato comprovado pelo instituto de pesquisa oficial do governo, o IBGE.

            E a tendencia não é só no brasil… lembra daquele pastor do equador reclamando que a igreja estava vazia e que eles ( os subordinados ) tinham que trabalhar? se a iurd por lá (no equador ) estivesse cheia, ele não teria tido aquela atitude.

            E sobre a record, sinto muito pelos funcionários, que ficaram sem ao menos um panetone. Mas que Deus os abençoe, e que consigam trabalho numa emissora boa, que tenha a consideração de presenteá-los no fim de ano com uma cesta de natal.

          • jussara, o sucesso de uma igreja depende do número de membros e de reuniões? quer dizer q quando a IURD estava em expansão era Deus? igual ao Valdemiro q está crescendo, é Deus? então quer dizer q as igrejinhas fundo de quintal são fracassadas? e os cristãos q se encontram nas sombras lá na Síria e Egito são fracassados? não estou entendendo seu pensamento.

            e pq trocou o Valdemiro pelo Caio Fábio?

          • edy mancebo

            Não se faça de desentendido. O pessoal da sua organização sempre creditou o sucesso da mesma ao tanto de membros, ao tanto de templos, ao tanto de países com filiais…

            a queda do numero de membros mostra muito bem a derrocada da satanica teologia da prosperidade, campanhas de sacrificio com dinheiro e a conversa fiada de dízimo…

            diminuiu a arrecadação, não é?

            E eu não troquei ninguém por outro, pois o meu exemplo maior é Jesus.

          • “Não se faça de desentendido. O pessoal da sua organização sempre creditou o sucesso da mesma ao tanto de membros, ao tanto de templos, ao tanto de países com filiais…”

            “a queda do numero de membros MOSTRA MUITO BEM a derrocada da satanica teologia da prosperidade, campanhas de sacrificio com dinheiro e a conversa fiada de dízimo…”

            jussara, vc sempre muito contraditória.

            1 – vc disse q a IURD creditou sucesso com número de membros etc.., e em seguida disse q a queda do número de membros mostra a derrocada das campanhas da IURD. ou seja, vc tb atribui o sucesso ao número de membros. quer dizer subjetivamente q as igrejinhas de fundo de quintal são fracassadas. não estou falando da IURD, estou falando do seu pensamento, q é igual ao q vc critica. quanto mais vc critica, mais se torna igual o seu alvo.

            jussara, ódio é igual segurar uma brasa bem quente para lançar no inimigo, vc pode até acertar uma vez, mas quem se queima mais é vc.

            mais uma, vc querendo atingir a IURD é a mesma coisa q ficar lançando carvão em um alvo, vc q acaba toda suja.

            2 – o número de fiéis da IURD está diminuindo? beleza, mas pra onde estão indo? para outras igrejas q fazem as mesmas coisas, como a Mundial, Silas, Feliciano, G12, M12,

            ou seja, a teologia da prosperidade continua firme e forte hehehe..

            e 3, deixe de conversa fiada q todos sabemos q seu exemplo maior era o Macedo, se decepcionou (disse q conheceu a verdade lendo a Bíblia em casa), o exemplo maior virou o Valdemiro, agora é o Caio. vc vive trocando de ídolo como troca de marido.

          • edy mancebo

            Sei que a sua furia contra a minha pessoa reside no fato de vc ter sido desmascarado ( mais uma vez ).

            Eu usei apenas a lógica que a sua organização usa… nos tempos que ela tinha aumento de membros, templos e países com filiais, ela dizia que era Deus fazendo ela crescer… mas agora ocorre o contrário… será que Deus se cansou de tanta heresia?

            E eu não cultuo pessoas, nem templos… ao contrário de vc que se entregou e foi desmascarado… na sua ótica, só vai sobrar a universal mesmo não é?

          • jussara caiete, feliz ano novo e um feliz natal atrasado pra vc, como foram as festas de fim de ano, muito pernil? estava com saudades de vc. a lógica da organização, vc carrega essa lógica dentro do seu coração até hoje. jussara, vc é uma namorada rejeitada q não se conforma com o fim do namoro. a sua insistência em criticar a IURD é a prova de quão arraigada ela está no seu coração.

            ainda tenho fé q esse ano vai ser melhor, e torço pela banda das caietes.

          • ELA NUNCA VAI ENTENDER ISTO, POIS NUNCA DEU NADA PARA NINGUÉM, ELA QUER QUE OUTROS DEEM MAIS ,ELA É SÓ GULOSA, SÓ SABE DIZER ME DA ME DA ME DA

          • E verdade clamando a jussara e tão GULOSA que ela quer tudo.
            ela é uma das filhas da sangue suga, DÁ , DÁ.

            Ela quer cesta basica.
            ela quer bilbia de graça,
            ela quer livros de graça,
            ela quer internet de graça,
            ela é tão gulosa que quer tudo,
            e não tem coragem de honrar a DEUS com NADA.

            O JUSSARASTARDUSTGULOSA.

  1. A ideologia feminista é a principal forma de discriminação e opressão à mulher moderna.

    Mulheres sem pedigree

    Durante a segunda edição da Marcha das Vadias de Campina Grande (PB), em agosto de 2013, um grupo de feministas queimou um boneco da jornalista Rachel Sheherazade, com os seguintes dizeres: “Rachel, cale-se”01.

    Para quem não se lembra, Rachel Sheherazade é a âncora do SBT Brasil, que ficou conhecida nacionalmente, em 2011, após um comentário seu sobre o carnaval cair na internet02. Na época, Sheherazade comandava o jornal local da TV de Silvio Santos, em João Pessoa (PB), e acabou caindo nas graças do empresário, vindo a receber um convite para assumir a bancada do principal programa jornalístico da emissora. Desde então, a crítica contundente da jornalista vem suscitando a simpatia de milhares de pessoas Brasil afora, ao mesmo tempo em que perturba o establishment politicamente correto e anticristão.

    Do outro lado do Atlântico, no entanto, enquanto os católicos da Catedral de Colônia, Alemanha, assistiam à Santa Missa de Natal, uma ativista do grupo feminista Femen subiu ao altar da igreja totalmente nua e com a inscrição “Eu sou Deus” pintada em seu seio. A cena grotesca provocou na opinião pública do mundo todo. Mas para o cúmulo da bizarrice, a iniciativa da militante feminista, ao contrário do que se espera de gente normal, acabou recebendo o apoio de centenas de ativistas dos direitos femininos, com a justificativa de que ela estaria lutando contra a opressão machista da Igreja Católica.

    Os dois episódios citados acima dão conta de explicar no que se transformou o feminismo nas últimas décadas. Rachel Sheherazade é uma mulher sem pedigree feminista. Ela é conservadora, casada, mãe e cristã. Ou seja, tudo o que uma mulher “moderna”, “livre” e “independente” não poderia ser… pelo menos na cabeça de gente como Simone de Beauvoir, Judith Butler e cia. E é por isso que atividades como as das feministas de Campina Grande podem passar despercebidas; enquanto ações deploráveis como as do grupo Femen são aplaudidas e incentivadas pela militância. Para a ideologia desses grupos, só se é mulher quando se reza pela cartilha deles. Só se é mulher quando se abandona a “opressão” machista do matrimônio para se rebaixar à opressão feminista do movimento.

    No final da década de 1920, o escritor inglês G. K. Chesterton resumia o feminismo como “a confusa ideia de que as mulheres são livres quando servem seus empregadores, mas são escravas quando servem seus maridos”.

    De fato, a ideologia feminista é um compêndio de contradições. Ela contesta a exploração machista, dizendo que os homens tratam as mulheres como objetos de prazer, para depois defender uma suposta emancipação sexual feminina, alegando que a mulher pode ter quantas relações quiser. Ela se revolta com a esposa que cuida do lar e educa seus filhos, tachando-a de inimiga dos direitos femininos por se negar a trabalhar fora, mas não se importa – e às vezes até defende – com a prostituta que se submete a satisfazer as perversões de um homem, a troco de algumas notas de reais. O feminismo se importa com a mulher até descobrir que o sexo do bebê é feminino. Veja-se, por exemplo, o que indica um estudo da Universidade de Oxford, sobre os casos de abortos na Inglaterra, entre os anos de 1969 e 2005: a prática do aborto em mulheres grávidas que rejeitam o sexo do bebê cresceu enormemente, sobretudo quando se trata de nascituros meninas.

    Rachel Sheherazade é somente um dos inúmeros casos que se poderia citar a respeito do Apartheid feminista. Quando Gianna Jessen – uma jovem americana pró-vida que sobreviveu a uma tentativa de aborto nasceu, por exemplo, não havia nenhuma ativista dos direitos da mulher no hospital, para defendê-la do aborteiro que há pouco tentara matá-la. Na época, seguindo o pensamento da eminente feminista Florence Thomas – para quem um nascituro não passa de um “tumor” -, Jessen não mereceria viver. Na lógica feminista, algumas mulheres são mais mulheres que outras.

    Eis a verdadeira face do feminismo: ele é tão inimigo das mulheres quanto o machismo.

    Fonte: Christo Nihil Praeponere

    • Com certeza. Afinal de contas, foi através do feminismo que as mulheres conquistaram o direito ao voto, ao estudo, a não serem agredidas pelos maridos… Muita opressão.

      Raquel Sherazade não é conservadora coisíssima nenhuma, antigamente mulher cristã não trabalhava fora, atriz, cantora e escritora era prostituta, e essa mulher é jornalista, se expondo em rede nacional de televisão, com aquela pintura desavergonhada na cara… Um absurdo, uma feminazi abortista disfarçada de cristã, subvertendo os valores bíblicos… rsrs. É, isso sim, uma hipócrita, que provavelmente ganha muito bem e aconselha outras mulheres a ficarem em casa apanhando de marido violento. “Não faça o que eu faço, faça o que eu digo”. Vai ver se no tempo da avó dela ela poderia fazer isso. Tudo porque assim que Deus quis, e assim mandava a Bíblia, qualquer coisa diferente era subverter a ordem estabelecida por Deus no princípio dos séculos. Ela só tem o cargo que tem por causa das feministas, que abriram espaço para as mulheres, até que por fim elas são aceitas nesse cargo. Sua simpatia não teria conquistado o Sílvio se isso gerasse um escândalo como antigamente,levando-o à falência, e mesmo que tivesse, seria um fracasso vergonhoso. Ela nem teria podido estudar jornalismo.

      • Minha cara,

        Se você tem tanta certeza que as mulheres estão libertas em face do trabalho das feministas(sugiro que olhe no retrovisor quanto a isso), então qual o seu temor quanto a um voz discordante? O que vocês fizeram em termo de consciência não está fincado em fortes estruturas, não?

        Aliás, vejo que você está criticando a jornalista de uma coisa que não é o caso dela, pois trabalha fora de casa, então como é que ela está sugerindo as mulheres ficarem em casa se ela própria trabalha?

        O negócio é criticar, desfazer, imolar publicamente quem vocês achem que divergem um centímetro da pregação feminista. O abuso é este aí, a tentativa de implantação de um só pensamento, de uma só ideia, a ditadura de uma corrente.

    • Mariana, o movimento feminista não conquistou nada, foi um processo natural e sequente. A agressão é uma reação inconsequente de ambos os lados.

      No tema da mulher, há dois erros opostos.

      De um lado, a tentativa de humilhar e escravizar, na prática, a mulher, como se fosse inferior ao homem. Tal foi a idéia predominante no mundo antigo até o advento do Cristianismo. Com efeito, o paganismo foi pródigo em desprezar a mulher e só com a Idade Média, aquela época em que o espírito do Evangelho governou os povos, no dizer de Leão XIII, que garantias jurídicas passaram a existir para a companheira do homem, que lhe é igual em dignidade.

      O outro erro é o igualitarismo, de matriz marxista, que vê homem e mulher como iguais não só em essência, mas mesmo nos acidentes. Ora, a igualdade de ambos está em sua origem e destino comuns, no chamado universal à felicidade, e na sua dignidade; não nos elementos acidentais.

      Homens e mulheres, é a própria natureza quem nos diz, não são superiores ou inferiores uns aos outros, mas tampouco são iguais. São distintos!

      • São distintos sim, mas nem um tem o direito de mandar no outro, pára com essa ideia de submissão, você já leu no dicionário o que é submissão, sub, quer dizer abaixo, submetida, quer dizer levada e obrigada a ficar em baixo, você já viu em um embate, quando um lutador fica “submisso”, ele fica sem poder se mexer, e se o outro não soltar pelo comando do árbitro, ele morre. Então, filho, se você como homem não quer fica submetido a ninguém, nós mulheres somos seres humanos, diferentes de homens em alguns aspectos físicos, mas no restante somos iguais, e queremos respeito, e não esse blá blá de obedecer marido, obedeci aos meus pais, hoje sou uma mulher adulta e tenho meu marido como parceiro e não como chefe. E educo minha filha para que ela se valorize e não fique subalterna a homem nenhum, se ela não se valorizar, pensa que algum homem vai valorizá-la. Se meu marido mandar fazer alguma coisa, faço o contrário, pois ele não tem que mandar, ele tem que pedir e entrar em acordo. Percebo que mulheres medrosas e submissas são aquelas que vivem com manchas roxas e dizem que caíram, bateram sem querer em um móvel. Vamos começar uma campanha, mulheres do Brasil, para acabar com essa ideia tresloucada de mulher submissa, submissa é …..

    • O homem, como cabeça do casal e chefe da família não pode, em razão de sua autoridade, desprezar e maltratar sua esposa. A autoridade do marido é inconteste na Escritura: “Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador. Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim os maridos devem amar as suas mulheres, como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Em resumo, o que importa é que cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.” (Ef 5,21-28.33) Entretanto, essa autoridade é espiritual e, pois, não se confunde, com a autoridade mundana. Ser chefe, ser senhor, na espiritualidade cristã, importa em ser servidor. O marido, por chefe, não é o que manda, mas o que serve, o que protege, o que provê a casa com os mantimentos necessários – ainda que a mulher possa e, nos dias de hoje, quase que deva também fazê-lo, como veremos adiante. Outrossim, a submissão da mulher deve ser corretamente entendida: não se trata de subserviência, mas de estar “sob a missão” do marido, de ser dele companheira.

      • Essa palavra submissão não é adequada, pois submeter é ser inferior sim, tanto é que o vídeo que mostra as violências cometidas contra a mulher no Islamismo, recebe esse nome. Por isso, acredito, sim, que a mulher quando se casa se torna uma só carne com o homem, e não tem como um se superior ao outro. Homem deve em conjunto com sua esposa liderar o lar, e caso a mulher não concorde, ele não deve tomar nenhuma decisão, pois se são uma só carne é preciso harmonia, e não autoritarismo e subserviência, submissa, que palavra horrível, lembra opressão, aquela mulher calada, escravizada. Tanto é que na pornografia mulher submissa é aquela que se deixar violentar na relação sexual, com algemas, chicotadas etc. Por isso vamos parar com essa história de mulher submissa, a mulher é protagonista junto com o homem, e também, fica ao seu lado, não atrás. Li um jumento machista falando: por trás de um grande homem há sempre uma grande mulher. Por que não pode colocar a mulher em unidade com o homem, ranço de um machismo e androcentrismo aviltante que precisamos combater, pelo bem de nossas filhas e netas. Homens e mulheres são seres humanos, antes de tudo, se não podemos julgar a capacidade e dignidade de alguém pela cor da pele, da mesma maneira podemos julgar e colocar alguém em um posição pelo órgãos reprodutores que trazem.

  2. Caramba,

    O homem está muito desprivilegiado mesmo.

    Ora, o fato da autora sugerir que a mulher ouça o marido, tal está soando como afronta à mulher?

    Quer dizer que o homem não tem nada que acrescente à mulher?

    Peraí, é certo que o homem tem muito haver com a mulher não se encontrar em situação melhor, coisa perpetrada pelos nossos país, avós, biza…..mas daí achar que é uma afronta a mulher receber orientação do marido, tal se constitui heresia, afinal o homem, bem ou mal, já demonstrou capacidade mais que suficiente de dar conselhos e ser o centro da família.

    Cuidado pra que essa reação não dê azo, e é isso que eu estou vendo, à uma discriminação velada contra os homens, e não estou falando de machistas, de espancadores, nada disso, de homens sérios e corretos que dirigiram suas casas ouvindo suas mulheres, não confundindo com ditaduras, com cavalices, afinal do jeito que estão reagindo, parece que o homem foi e é uma peste na condução da casa. Vão plantar batatas quem prega essa resposta açodada nos moldes da ministra espanhola, que intenciona tirar o livro das prateleiras.

    Esquece ele que tal situação é vivida ainda hoje pela maioria das famílias ocidentais e orientais, então não agir como se a escritora estivesse falando coisa de outro mundo, pois de outro mundo é essa reação desproporcional que está sendo levada avante pelo grupo de feministas.

    Influenciar? Quanta porcaria se fala e se prega, mas daí as pessoas passarem a agir apenas pelo fato de que alguém escreveu? Vamos viver de agora em diante a ditadura de apenas uma verdade dos fatos, uma versão apenas?

    Meçam as palavras ao atacar uma corrente de entendimento, em especial em face de que é essa corrente é a que mais agrega os casais. Vão estudar os casais em especial da Europa que há anos que vem havendo uma igualdade, e o que se esta pregando é uma inversão, a mulher mandar sobre o homem, criar confusões nos casais(já que as pessoas atentam para o que se fala na mídia).

    Ora, findada a ditadura masculina, aí vem agora a ditadura feminina? Quer que isso? A bíblia não aconselha que marido abuse da mulher, que a despreze enquanto pessoa, é de lascar esses desatinos açodados.

    • A Bíblia não aconselha que o marido abuse da mulher, mas ordena que a mulher se submeta caso ele abuse. E diz sim, que a mulher foi feita para o homem, não o homem para a mulher, e que o homem é a cabeça da mulher, como Cristo é cabeça da Igreja. O livro estimula mulheres a não buscarem qualificação profissional, tornando-se dependentes de maridos violentos. E ninguém acha errado que a mulher ouça o marido. O problema é querer que obedeça mesmo que não queira, que é o que significa submissão. Ou desobedecer desmandos é ditadura? Não distorça as coisas.

      • Errada sua conclusão.

        Eva não se submete ao marido, Adão, tanto que é dela a iniciativa de pecar, não sofre reprimenda dele, e ainda imita a mulher, então cadê o marido violentando a mulher que você falou?

        Isaque, no leito de de morte, é enganado numa tramoia da mulher e Jacó, cadê o marido abusando da mulher?

        Jacó, enganado pelo sogro, não se furtou em trabalhar feito doido para concretizar o sonho de casar com a mulher que ele realmente amava, raquel, tanto é que as irmãs permitiram que ele, o bom marido, se envolvesse maritalmente com mais duas outras.

        Jó, mesmo a mulher sugerindo que ele renegasse Deus em vistas das intempéries que estava vivendo, nunca a destratou, a abusou, a afrontou, ou seja, paciente com sua esposa.

        José, sua mulher teve um “filho fora do casamento”, aceitou os desígnios de Deus e nunca abusou dela, sempre afetuoso, respeitoso.

        Deus consultou Maria e José da possibilidade do plano redacional, ou seja, a mulher foi ouvida, a mulher foi respeitada pelo próprio Deus, nada de abuso.

        Jesus, vendo os judeus usando a lei com rigor que determinava o apedrejamento do cônjuge adúltero, não apenas foi contra, como também instigou neles raciocinar com empatia, sendo que hoje tal norma não mais impera, embora no islamismo não abolida.

        Cristo dialogava com as mulheres, era amigo de duas(marta e Maria), era seguido mais de perto por outra(Maria Madalena), recebia dinheiro para o seu ministério de três mulheres ricas(Joana, Suzana e Maria Madalena), na cruz sugeriu a um dos discípulos que cuidasse de Maria(sua mãe) como se mãe dele fosse, Cristo curou a sogra de Pedro, Cristo ressuscitou o irmão das duas amigas dele, Cristo curou de hemorragia uma mulher que sofria há doze anos, Cristo ressuscitou o filho de uma viúva, Cristo ensinou que amássemos os inimigos e do que se sabe a mulher não é inimiga e se fosse a ordem é de amar e não de abusar, Paulo recomenda que o marido respeitasse a vontade da mulher e vice-versa, que a mulher não falasse na igreja para preservá-la afinal não possuidora naquela época de conhecimentos suficientes para a atividade pastoral, Paulo sugere a mulher que aceita o comando do marido para evitar discussões entre o casal pois alguém teria que exercer certa hegemonia que necessita onde exista mais de uma pessoa não para humilhar apenas como modo de convivência.

        Mostre na bíblia relato, comando, em que fique patente a vontade divina de menos prezo à mulher, pois se existir, tal implica em denegação ao próprio Deus, pois este não aceita desprezo algum contra o que foi objeto de sua criação, ou seja, toda e qualquer violência contra a mulher é como se fosse com Ele próprio, portanto, todo e qualquer ser racional que distrate o próximo, seja de homem para mulher, seja de mulher para o homem, atenta contra DEUS. o abuso é contra o divino.

        Distorção é a cometida por pessoas que querem trazer paz como as feministas, mas o fazem afrontando e agindo contra os homens de igual forma, é uma abuso ao homem, os pais de vocês, os maridos de vocês, os filhos de vocês, e o que é melhor, a principal criação de Deus, o homem(fêmea e macho).

    • Ninguém tem que mandar em casamento, onde já se viu duas pessoas adultas vivendo juntas e um decidindo tudo e o outro só obedecendo, as decisões no casamento precisam ser partilhadas e só ocorrerem se os dois em consenso chegarem a um acordo, meu marido sempre diz e concordo com ele: que tem chefe é índio, e acho pouco o bafafá que fizeram, com tanto homem agredindo mulher e a opressão que corre solta contra a mulher, essa babaca não tem o que escrever e vai pôr ideias na cabeça de homens que já gostam de mandar, e tudo isso manipulando a religião, se esse livro for publicado no Brasil, vou liderar um abaixo-assinado para tirar de circulação, já basta o tanto de oprimidas e mulheres subservientes que já temos, aí vem essa tiranossaura querer prejudicar a vida de nossas filhas, se ela quer que a filha dela seja capacho, que seja, mas não vamos admitir isso aqui com nossas mulheres.

  3. nova legião da stardust: JL, Raquel Elana (stardus já montou nas costas dela), felipe, Daniel Evangelista, e Anny. estão cobrindo as férias do edson souza, paulo, boreano e companhia.

  4. Os modos como se explicitam a dignidade da mulher são a vida consagrada, a virgindade por amor ao Reino, e a maternidade e sua condição de esposa. Claro que pode a mulher realizar tarefas profissionais, ocupar um emprego, mas, como diz os ensinamentos cristãos e a visão natural das coisas, “também não se pode afirmar unilateralmente que a mulher só fora do lar alcança sua perfeição, como se o tempo dedicado à família fosse um tempo roubado ao desenvolvimento e à maturidade da sua personalidade. O lar, seja qual for, porque também a mulher solteira deve ter um lar, é um âmbito particularmente propício ao desenvolvimento da personalidade. A atenção prestada à família será sempre para a mulher a sua maior dignidade: no cuidado com o marido e os filhos ou, para falar em termos mais gerais, no trabalho com que procura criar em torno de si um ambiente acolhedor e formativo, a mulher realiza o que há de mais insubstituível em sua missão e, por conseguinte, pode atingir aí sua perfeição pessoal.” como afirmou Josemaria Escrivá.

    Como é próprio do homem o sustento da casa e a chefia da família, é próprio da mulher a gerência do lar e o exercício da maternidade e do matrimônio. A vocação primordial do homem casado se dá no âmbito profissional, e a da mulher no âmbito do lar. Em que pese isso, lembre-se que falamos em vocação primordial: secundariamente, o homem pode participar do lar como a mulher pode realizar-se profissionalmente. Os dois âmbitos não se excluem; é apenas questão de pôr o peso devido em cada um para o homem e para a mulher.

    “Em primeiro lugar, e de modo ordinário, a mulher realiza a vocação ao amor no matrimônio, como esposa e como mãe. Neste estado de vida, que Cristo santificou por um sacramento, a mulher encontra o espaço vital para dar plenitude à sua existência na doação total de si mesmo a seu esposo e filhos.” Marcial Maciel

    A mulher deve realizar-se, antes do profissional, no âmbito pessoal: como mãe e esposa, de um lado, como consagrada, de outro. E sempre, quer como mãe e esposa, quer como consagrada, como educadora. A mulher, tenha ou não formação em pedagogia, é uma educadora por excelência: de seus filhos (e até do marido!), de seus alunos, de seus parentes, daqueles a quem dá conselho, no uso de seu fino dom, de sua sensibilidade natural. Tem a mulher um “instinto pedagógico, que a natureza lhe deu.

  5. Existem, hoje, tendências que apresentam a maternidade como um fardo que a mulher deve suportar, que a amarra nos meses de gestação do filho, e posteriormente durante os anos de sua educação. Desta perspectiva, a mulher se realizaria plenamente apenas na vida profissional, na defesa ao ultraje à própria liberdade e autonomia. Claro está que, nesta visão, os filhos se apresenta como inimigos da pretendida felicidade da mulher. Se crê que a mulher ficará prisioneira da família e dos filhos, e que não se poderá realizar. Contudo, as mulheres que compreendem sua vocação à maternidade e a vivem com amor são pessoas totalmente realizadas, alegres, felizes, com uma profunda plenitude humana e uma especial irradiação espiritual.

    As feministas, em seu anseio por uma igualdade utópica e injusta, lutam contra esse ensino profundamente cristão. Para elas, o papel da mulher no lar, tal como ensina a Igreja, é uma humilhação. O lar, dizem, não é a vocação principal da mulher casada. Deve ela realizar-se no trabalho, primeiramente. Quão cegas andam… Ademais, o feminismo é um movimento machista por excelência: então as mulheres só serão dignas se forem iguais ao homem?

    Desenvolvimento, maturidade, emancipação da mulher, não devem significar uma pretensão de igualdade — de uniformidade — com o homem, uma imitação do modo de atuar masculino: isso seria um logro, seria uma perda para a mulher; não porque ela seja mais, mas porque é diferente. Num plano essencial que deve ser objeto de reconhecimento jurídico, tanto no direito civil como no eclesiástico, aí, sim, pode-se falar de igualdade de direitos, porque a mulher tem, exatamente como o homem, a dignidade de pessoa e de filha de Deus. Mas, a partir dessa igualdade fundamental, cada um deve atingir o que lhe é próprio; e, neste plano, dizer emancipação é o mesmo que dizer possibilidade real de desenvolver plenamente as virtudes próprias; as que tem em sua singularidade e as que tem como mulher. A igualdade perante o direito, a igualdade de oportunidades em face da lei, não suprime, antes pressupõe e promove essa diversidade, que é riqueza para todos.

  6. Os ateus querem disfarçar a verdadeira adoração deles com essa historinha mal contada de carne de porco.

    Em verdade eles são adoradores, veneradores e fanáticos pela ciência, pelos cientistas, por tecnologia.

    Chegam ao ponto de colocar num patamar de glória os médicos, mas desde que eles consigam curar, já quando não salvam o paciente, aí eles se calam, só pra vê até onde vai a paixão desenfreada desse pessoal.

    Mas não criticam, por exemplo, a ciência médica quando em determinado momento diz que ovos não podem ser comidos, depois, que sim.

    Ficam com raiva quando a gente diz que os deuses deles, os cientistas, nunca influenciaram no fluxo de vida dum jumento, pois este nasce e cresce e morre velhinho, aliás igual a todos os animais, sem carecer de ciência, bastando vê os dinossauros; milhões e milhões de anos na terra quando não existia um desses deuses dos ateus.

    São zombadores, apenas isso. Se bem que quando alguém lhes ensina algo que nunca dantes pensaram, logo mudam de opinião, mas tudo resultante da mente carente e desprovida deles de uma maior poder apuração dos fatos.

    Já fui assim, um ateu ou meio ateu, por isso falo com propriedade, tendo abandonado quando comecei a pensar na tentativa de encontrar respostas. O problema é que eles possuem rancor da ação dos maus religiosos, aí descontam no criador de tudo, Deus, aí estagnam, empacam feito burro mulo.

DEIXE UMA RESPOSTA