Brasil

Gripe Suína: Para diminuir risco de contagio, Igreja curitibana realiza culto pela internet

Comments (9)
  1. Adam disse:

    Não somente a Igreja Batista do Bacacheri mas também a Comunhão Cristã Abba está fazendo isso em Curitiba.

  2. M.M. disse:

    Se houvessem grupos caseiros isso não seria problema…

  3. Sid disse:

    Me desculpem mas isso para mim já é falta de confiança em Deus!!!
    Acha que Deus permitiria que a gripe se manifestaria a seus filhos que querem ir a Sua casa adorá-Lo?

  4. Sid disse:

    Culto pela internet não existe comunhão!!!
    Agora sim que deveríamos nos unir mais e orar com autoridade para expulsar essa praga!!!
    Ou não temos mais autoridade?
    Vamos nos conformar com mais isso agora?

  5. maristela disse:

    o que é bom bom para um é ruim para outro, tive gripe e amamento um bebê de 8 meses, jamais iria me expor ou colocar alguém em risco , a questão de comunhão com Deus você se relaciona com ELE e para mim através da internet ajuda..eu agradeço essa oportunidade a Deus.

  6. Sid disse:

    Isso não se aplica em seu caso…
    Eu estou falando dos que estão sãos e não vão a igreja.
    É claro que para uma pessoa enferma o melhor é estar em casa e nem por isso ela está deixando sua comunhão com a igreja e com Deus.
    Acho que entendeu o que quiz dizer.
    Deus te abençoe!!!

  7. petrafan disse:

    me parece uma tentativa de parecer modernoso, antenado. na prática, medida desnecessária.
    a gripe suína mata menos que a gripe comum. e nenhuma igreja até hoje, que se saiba, deixou de fazer um culto por causa da gripe comum.
    uma coisa é disponibilizar o culto pela internet para quem não quer ou não pode ir à igreja. outra é ficar todo mundo em casa.

  8. Sid disse:

    Eu creio que a igreja on-line é um instrumento muito abençoado de EVANGELIZAÇÃO…
    Uma coisa que a internet nunca vai substituir é o calor humano, a comunhão, o sorriso verdadeiro…

  9. Ednaldo Breves disse:

    A IGREJA VERSUS GRIPE SUINA

    Longe da pretensão de fazer uma abordagem científica sobre o vírus H1N1, Influenza A, (Gripe suína) que, segundo alguns estudiosos, é uma reedição da Gripe Espanhola que, em 1918 dizimou cerca de 50 milhões de vidas (Osterholm MT. “Preparing for the next pandemic” N Eng J Med 2005; 352 (18): 1839-42), penso que todos os habitantes do planeta precisam mergulhar de cabeça na prevenção que, segundo especialistas, é a única arma eficaz.

    Em se tratando das Igrejas, vale ressaltar que algumas atitudes responsáveis devem ser tomadas para que, em nome de uma fé irresponsável, os membros de nossas igrejas não sejam penalizados por este mal. Manter a ventilação do ambiente, disponibilização de álcool gel nas entradas dos salões de cultos, em alguns casos uma mudança na distribuição da ceia, usando copinhos descartáveis e pães previamente partidos entregue um a um na mão do membro, etc…

    É importantíssimo que nós, lideres de comunidades de fé, não fujamos de cumprir a nossa parte nesta importante tarefa.

    No entanto, não podemos deixar que o pânico tome conta de nossas vidas. Ao perceber que, mesmo sem a determinação legal de fechamento temporário de templos, muitas pessoas estão deixando de comparecer a Igreja, de se cumprimentarem, de se abraçarem, olhando pelo prisma espiritual, vejo que este vírus veio do inferno com a tríplice missão de adoecer o corpo, a alma e o espírito.

    Cristianismo é a religião da comunhão, do abraço, do toque de mão. Ao deixar de ter comunhão, de abraçar, de tocar, os cristãos podem até não contrair a gripe suína, mas contrairão a gripe espiritual, fruto de um resfriado, ou seja, de um esfriamento espiritual, motivado pela ausência da comunidade de fé, do abraço e do toque.

    Faço coro com a orientação do Bispo João Carlos Lopes que afirma: ‘Durante os cultos não se esqueçam de levantar um clamor ao Nosso Senhor com relação a este momento de instabilidade que vivemos, e para que nossos membros não entrem em pânico, e que reforcem a importância de termos grupos de discipulado na casas.”

    Penso que nós, povo de Deus, desconhecemos o poder e a autoridade espiritual que recebemos Dele.

    “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.” (2 Crônicas 7:14)

    “Disse Abraão: Não se ire o Senhor, se lhe falo novamente mais esta vez: Se, porventura, houver em Sodoma e Gomorra dez justos pouparás o lugar? Respondeu o Senhor: Não a destruirei, por amor dos dez.” (Gênesis 18:32)

    Creio que agora seria à hora de levantarmos clamor específico em nossos cultos, realização de vigílias e jejum coletivo para que este mal seja banido de vez por toda do nosso meio.

    Sem deixar de fazer sua parte e respeitar as orientações governamentais, a Igreja de Jesus Cristo na face da terra não pode ficar refém de um vírus que veio para desestabilizá-la.

    É tempo de tomarmos atitude!

    Nós podemos fazer diferença neste tempo!

    É tempo da Igreja de Deus demonstrar o poder do Deus que servimos e pregamos.

    “Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre.” (Hebreus 13:8)

    Pr. Ednaldo Breves
    Pastor da Igreja Metodista em São Pedro – Barra Mansa – RJ

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *