Ciência & Saúde

Teólogo Leonardo Boff afirma que evolução do universo aconteceu por “um propósito que não pode ser negado”. Leia na íntegra

Comments (12)
  1. Dermeval Reis Junior disse:

    Acredito neste "teólogo". Considerando que "no princípio, a terra era sem forma e vazia, e São Darwin disse: evolua a escuridão para a luz, e houve luz, o primeiro dia dos 6 bilhões de anos" ele está certo…Assim, é um teólgo de São Darwin…qual o problema??? ele defendeu o peixe dele…kkkkkk….Só o nome desse cara mostra que ele é um "predestinado" (segundo José Simão). Boff…fala sério né….!!!!!!!! kkkkkkkkkk ele não passa de um imbecil!!!!

    1. Jose Arimathea Fonseca disse:

      Engraçado, eu penso o mesmo de você ( na parte que deiz "kkkkkkkkkkkk ele não passa de um imbecil!!!! ). KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    2. Apenas por curiosidade meu sábio amigo, quantos anos você acha que a terra tem?

    3. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Bilhões de anos ( talvez ) . Uma coisa é certa , a Terra estava sendo preparada ( Sintonia Fina do Universo / Princípio Antrópico ) para receber a Vida !

    4. Carlos Sidnei Se você é capaz de aceitar que a terra tem bilhões de anos, já estamos no caminho certo…

    5. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Claro . Sou cristão , e não um alienado ignorante . A Arqueologia , juntamente com a Geologia , através da Pedra Carbono 14 , tem dado comprovações cientificas da longevidade da Terra . Ainda assim , sou defensor do DI . Não encontro racionalidade e muito menos lógica nas premissas evolucionistas .

    6. Carlos Sidnei

      Lembrando que datação por carbono é usada somente para medida de tempo mais recente (50000 anos aprox.) diga-nos… em sua opinião há quanto tempo existe vida na terra?

    7. Carlos Sidnei Mas encontra no DI? Você precisa refinar seus estudos acerca de lógica! Abraços.

    8. Carlos Sidnei A velha estorinha da sintonia fina do ID… Bem, essa não vou comentar. Apenas solicitar que, agora de noite, cada um de vocês saiam para olhar as estrelas girando em torno do centro do universo, e perceberem o quão especialmente ele foi concebido para esse centro existir. E vejam como é óbvio também qual é esse centro: o umbigo humano, e em particular o seu umbigo, o privilegiado entre os demais por ter escolhido a única religião certa, é claro (bem, esqueçam por enquanto o heliocentrismo e o julgamento de Galileu)! A propósito, nesse universo todo, embora seja muito plausível a existência de vida em outros sistemas estelares, aonde sabe-se que tem vida até o momento? Afinal, o universo é ou não hospitaleiro à vida? Experimente alçar voo a 10km de altura em um avião não pressurizado, e veja o que ocorre. Cave uma caverna com alguns meros quilômetros no solo, e veja se há vida lá. Olhar para a terra e ver a extensão da biosfera comparado ao tamanho do planeta, do sistema solar, da galaxia e do universo, e lembrar do Catrina ou da recente tragédia no Japão podem ajudar a responder corretamente. Não é o universo que se adaptou ou foi adaptado para o seu umbigo existir. O universo, e mesmo o ambiente que o cerca, não estão nem ai para o seu umbigo. Se a vida quiser continuar existindo, é ela que tem que se adaptar ao meio e às constantes mudanças nesse, e não o contrário. E se não fizé-lo, ela se extingue, como já ocorreu a milhares de espécies. Eis ai justamente a evolução. Até.

  2. Essas coisas contradizem a biblia. Agua já existia antes da luz, não encaixa com big bang de jeito nenhum. Homem criado do BARRO e mulher DO HOMEM, e ela ser mãe de TODOS OS VIVENTES não encaixa com evolução.

    Não adianta tapar o sol com a peneira, simplesmente cedendo ao evolucionismo. O Criacionismo tem solução própria para a diversidade. Nós temos muito o que estudar.

    Juro que a cada dia que passa me sinto mais triste de não poder fazer todas as faculdades ao mesmo tempo

    1. E você acha que uma faculdade de biologia te ensinaria algo diferente da evolução?

    2. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Michel Behe acredita que sim .Em seu Livro ( A Caixa Preta de Darwin ) , Behe desmonta peremptoriamente a inconclusividade do evolucionismo . Behe foi quem criou o termo : Complexidade Irredutível .

    3. Carlos Sidnei

      Estou familiarizado, e isso não muda nada… o processo de seleção natural continua sendo amplamente aceito no meio acadêmico e científico.

    4. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Não é porque algo é aceito no modo geral que implica veracidade do caso . O que está em questão são as premissas que a Ciência defende como verdade . Não há provas deste tal processo evolutivo . Muitos cientistas já estão abandonando as idéias ortodoxas de Darwin , no caso , gradualismo por equilibrio pontuado . É uma acomodação filosófica , e não científica !

    5. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Não é verdade . Muitos cientistas de peso , como o conhecedíssimo Paleontólogo Stephen J. Gould , tem abandonado as ideias tradicionais de Darwin , ou seja , a cada dia mais e mais cientistas tem crido no equilibrio pontuado do que no gradualismo . Isto para mim , não tem nada de cientifico , mas sim de mera acomodação filosófica . Não preciso explicar a diferença dos dois pontos , se você tem falado sobre o assunto acredito que saiba qual a diferença de ambos .

    6. Carlos Sidnei
      Existem dentro do estudo da evolução diversas correntes, muitas delas discordam de muitas idéias de Darwin e outros até a corrigiram.

      Mas não importa o quanto você tente destilar erudição ou citar algum dissonante da seleção natural… pois para ciência de um modo geral ela é um fato a muito tempo, e você sabe disso.

    7. Carlos Sidnei Oi Carlos! Desenho inteligente não é ciência. É religião tentando disfarçar-se de ciência para burlar as leis de um estado laico, ou seja, pseudociência. Palavras de um juiz criacionista após algumas aulas de biologia em seu tribunal iguais àquelas que muitos gostariam de ver em nosso sistema público de educação. Se isso ocorresse, não estaríamos debatendo a validade da evolução aqui. Evolução encontra-se hoje cientificamente mais sólida que a própria teoria da gravidade devido à suspeita de neutrinos viajando mais rápidos do que a luz lá na europa. As ideias centrais do desenho inteligente foram analisadas e logicamente falseadas, sobretudo a que diz respeito à inferência de desenho. Não se pode inferir projeto de forma inequívoca sem que se conheça um mínimo sobre o projetista, os métodos utilizados, e seus objetivos. A afirmativa de que pode-se fazê-lo sem as informações complementares encontra-se mais que falseada, e não é necessário a biologia para isso. A física apresenta belos exemplos que simplesmente jogam por terra a inferência inequívoca de desenho conforme proposta pelo design inteligente, e em verdade, um simples caso para a criminalística desmonta o argumento da inferência de designer. Leia meus demais comentários. Acho que esse documentário aqui é para você: http://www.youtube.com/watch?v=cEOYTJczY4M&list=PL2F21BCA244427533 Veredito no último capítulo (12).

    8. Carlos Sidnei Cientistas de peso. Dê uma olhada na definição de ciência, e sua relação com cientista. Pode ser na wikipedia mesmo, mesmo essa não sendo referência diretamente fiável….. Sua classificação está certamente equivocada.

    9. Carlos Sidnei Não há provas? Prezado amigo, simplesmente observe a natureza sem os filtros que coloca antes de processar os dados. Evolução está escrita na natureza onde quer que se encontre vida, inclusive a especiação, que vocês tanto atacam. Quando Darwin propôs a evolução de forma incisiva, pois o conceito é bem mais antigo, ele não tinha sequer ideia da existência do dna. Hoje tem-se uma área científica inteira, a genética, apoiada e corroborando a evolução de forma que Darwin nunca sonharia. A título de exemplo, já que você afirma que evolução não é observável, eis aqui um exemplo de especiação por separação geográfica observada na Califórnia. Salamandras, migrando em direção a um vale, é por esse separada em dois grupos. Com o tempo as diferenciações surgem à medida que avançam por ambientes bem distintos. Todos os indivíduos da subespécies podem cruzar com seus vizinhos imediatos, formando um anel de espécies. Ao contornarem o vale que as separavam e se encontrarem na outra ponta, contudo, as diferenças eram tão grandes que as salamandras que emergiram nas extremidades não podiam mais cruzar-se uma com as outras. Basta arrebentar o anel, o que ainda não ocorreu naturalmente, e haverá duas espécies distintas, bastando considerar a definição de espécie. Quanto à geologia… Bem, acho que deve assistir essa série da BBC, e ver a parte final da mesma (o terço final). Repare que em uma série de 1 hora sobre evolução, menos de 6 minutos são reservados a Darwin e seus tentilhões. Evolução não fundamenta-se apenas nos tentilhões de Darwin. http://www.youtube.com/view_play_list?p=3216C9073811BC46

    10. Carlos Sidnei A complexidade irredutível é completamente válida quando tem-se uma única teologia, um único objetivo final ou aplicação para um sistema. Contudo rui completamente quando admite-se que estruturas "fabricadas" com um objetivo específico podem facilmente mostrarem-se muito uteis para finalidades completamente distintas daquelas para as quais foram inicialmente projetadas…. Uma ratoeira sem a presilha certamente é completamente inútil para pegar ratos, totalmente não funcional para tal propósito, mas a mesma sem a presilha funciona até melhor do que o pregador de roupas para segurar a roupa no varal. Exatamente o mesmo ocorre na natureza. O tão falado exemplo do flagelo que vocês tanto adoram citar como exemplo, citando inclusive uma frase do autor do trabalho correlato que desvendou a estrutura motora do mesmo, que disse em seu artigo que a estrutura parece projetada, rui por terra nas palavras do mesmo autor, que explica a evolução do flagelo por processo natural, e desmente a conotação dada por vocês à sua fala pessoalmente (http://www.youtube.com/watch?v=cSA17otGUnw&list=PL2F21BCA244427533). Acontece que na natureza, nos seres vivos, cientificamente as estruturas não tem finalidade teológica; tal ideia provém da religião. O processo evolutivo não tem um objetivo final definido, tem apenas um objetivo completamente atemporal: sobrevivência mediante as mudanças do meio. O a dita complexidade especificada, o mesmo ocorre. A matemática envolvida é cientificamente lamentável: consiste simplesmente em pegar-se a equação que define a entropia nos sistemas estocásticos e do nada, impor um limite máximo para a redução natural no valor da entropia de um sistema quando esse interage com a vizinhança, e então afirmar que reduções abaixo desse valor implicam "design" de forma inequívoca. Ocorre contudo que naturalmente simplesmente não há tal limite; esse não encontra qualquer fundamento na Física ou em qualquer outra cadeira científica. Provido que o aumento da entropia na vizinhança seja igual ou maior à sua diminuição no sistema, essa pode reduzir-se no sistema o quanto quiser, até o limite de nulidade (que ocorre à temperatura de zero absoluto), se necessário. Por tudo isso, desenho inteligente é pseudociência.

  3. Lineu Barros disse:

    Se o nada fez tudo e perfeitamente, essa nada que os cientistas insistem em falar e não explicar, SÓ PODE SER DEUS, ALIÁS, É DEUS, OK!!

    1. Eliane Serrou disse:

      Esse Leonardo Boff não tem credibilidade no meio teológico, não sei como ainda fazem matérias desse senhor.
      Para quem é criacionista como nós, é importante ouvir as muitas palestras do servo de Deus Dr. Adauto Lourenço, este sabe o que diz. Esta é apenas uma delas, vc pode assistir as demais atraves desta.
      Ouvimos muito seber a teoria da evolução e quase nada sober o Criacionismo, vale apena.
      Dr. Adauto Lourenço
      "Bacharel em Física pela Bob Jones University, USA. Mestrado em Física Nuclear pela Clemson University, USA. Pesquisador responsável em Sistemas de Imagem e Estruturas Atômicas (OAK Ridge National Laboratory), membro da American Physics Society, USA. Pesquisador em trocas de Energia em Nível Atômico da Max Planck Institut, Alemanha."

      http://www.youtube.com/watch?v=SwlVocezykI&feature=relmfu
      http://www.youtube.com/watch?v=Z9v_BJyx-Uk&feature=relmfu
      Os seguintes é só seguir no youtube.

    2. É a ciência que não explica? Esse computador em que o senhor escreve foi criado por qual religião?

    3. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque A Ciência não explica a origem da Vida . Este tem sido por séculos o calcanhar de aquiles da Ciência .

    4. Carlos Sidnei

      O fato dela não ter descoberto algo não diminui em nada o valor do que ela descobriu… afinal estamos falando de um fenômeno de bilhões de anos.

    5. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Com certeza . Seria um louco em discordar disto . O problema todo é que a Ciência está se metendo em área que não é dela , ou seja , a da Filosofia . Os postulados cientificos , tem sido marcado , mais , por premissas filosófica , do que propriamente provas cabais . A Ciência deve sempre se valer dos seus fundamentos , ou seja , OBSERVAÇÃO , EXPERIMENTAÇÃO , REPETIÇÃO E CONCLUSÃO . O Evolucionismo nunca alcançou nenhum destes pilares da Ciência , aliás , nem mesmo o primeiro.

    6. Carlos Sidnei

      Agora já não está mais claro se você está falando de origem da vida ou do processo evolutivo.

      Lembre-se que milhares de cristãos pelo mundo aceitam a evolução sem problemas, atribuindo a deus a origem da vida.

    7. Carlos Sidnei Desculpe. A ciência explica sim a origem da vida. De ambos os lados os fatos convergem inequivocamente para a abiogênese química da vida: a formação espontânea dos compostos fundamentais de um lado – experimento de Oparim e outros – e a arvore biológica da vida do outro, convergindo a um único ancestral comum para todas os seres vivos. O que você pode afirmar com propriedade é que AINDA não reproduzimos a abiogênese química em laboratório. Contudo qualquer graduado no curso médio que foi apresentado a um bom curso sobre ciências naturais sabe que ciência NÃO é apenas sobre o que se consegue reproduzir em laboratório, embora busque-se a reprodução antropogênica sempre que possível. Você já viu um dinossauro andando no quintal de alguma universidade? Voltando ao ponto, a questão é que as pesquisas e os avanços na área estão avançando a paços largos. Os seres vivos completamente artificiais, literalmente projetados pelo homem, já existem. E reprodução do processo da abiogênese química não está a tardar, e será a facada final nessa discussão! É só aguardar para ver… Ainda veremos isso vivo, ao que tudo indica.

    8. Carlos Sidnei Consulte sua noção acerca dos pilares da ciência. Eles estão equivocados. Veja a definição de ciência. Abraços.

    9. Carlos Sidnei Carlos Sidnei "O problema todo é que a Ciência está se metendo em área que não é dela" … Vida é um fenômeno plenamente natural! Completamente dentro do escopo da ciência. Agora, relembrando ai o julgamento de Galileu e o contexto que o cerca, há sim notoriamente uma certa área se metendo em área de outrem, que literalmente não lhe diz respeito. Acho que não preciso especificar qual é. Você como defensor do DI, assim como os que estudam o que se julgava no processo contra Galileu, sabe muito bem qual é!!! http://www.youtube.com/watch?v=cEOYTJczY4M&list=PL2F21BCA244427533!!! Abraços.

    10. Eliane Serrou Eliane Serrou "este sabe o que diz…" . O "Dr." Adauto pode saber o que diz sobre religião e dogmatismo criacionista. Nesse ponto "sabe" muito. Contudo, quanto à Física e demais cadeiras científicas, não sabe o que diz, quanto mais quais são as implicações, sequer das leis da termodinâmica. Esse ai, se for mestre ou doutor, com certeza não o é em nenhuma das ciências naturais. E acho que nem em teologia se gabarita para tal. Ass.: um mestre em Física, que lhe mostra o diploma auferido em uma das federais, se quiser! (Bem, supondo que o Adauto resolva mostrar os dele – o que não o fez até agora, e por isso teve seu artigo inclusive excluído da wikipédia -, e por ventura você resolva tirar a dúvida, consulte você mesmo qualquer livro de Física utilizado na graduação de quaisquer das federais, e compare o que o Adauto diz com o que está lá escrito. Você mesmo, que talvez nunca tenha estudado física e concorda presumidamente com o Adauto, será capaz de perceber o imbróglio, e ficar abismada, com a comparação! Abraços.

  4. Edilson Silva disse:

    A própria criação de Deus, é uma constante evolução!!!

  5. Wilson Plaza disse:

    Leonardo Boff, Ricardo Gondim Juntas os dois e joga na lata do Lixo

  6. Pitagoras disse:

    Está saindo da idade das trevas e entrando na idade da razão.

    1. clamando disse:

      se até o pita aceita como ateu que é que foi Deus quE criou os ceus e terra e tudo que neles ha então porque desistit………claro se for para mandar para o inferno o ricardo gondim que diz que a volta de JESUS é utopia e que nem todas as relações homossexuais não são promiscuas,,,,,,,,,,,,,,,,é fogo nele

    2. Pitagoras disse:

      Ora Clamando, se ele acredita no “big-bang” e crê que o desconhecido(mistério) e as lacunas, significa Deus, realmente ele está a um passo do ateismo, se já não estiver dentro. Paz

  7. cláudio augusto disse:

    Em dias de Apóstolos e ark-apóstolos (heresia da braba), Lúcido e teologal este texto fico feliz que ainda tem gente fazendo teologia seria e que anima a caminhada de fé, considerando que o Pentateuco foi escrito no período da monarquia e que os 11 capítulos do Gênesis não explica a criação e sim afirma a humanidade manifesta através do amor de Deus e que Deus não é Cristão, ficar se de gladiando sobre criacionismo e evolução é discuti sexo dos anjos e não tem nada de concreto pra vida. (Icabode!!!!)

  8. Moacir Moron disse:

    O mais importante está acontecendo o nome de nosso SENHOR JESUS CRISTO está sendo falado pelo mundo todo, isto significa que a volta do SENHOR não tarda, eos que estiverem inscritas no livro da vida irão gozar eternamente com JESUS.Amém

    1. Claro… e a coitada da criança que nasceu na Mauritânia será condenada ao inferno sem nunca nem ter ouvido falar em jesus.

      A prepotência cristã é assustadora…

    2. Carlos Sidnei disse:

      Carlos Albuquerque Cada qual será julgado pelo seu nível de conhecimento . A Bíblia afirma que Deus não leva em conta o tempo da ignorância . Ainda que alguém morra sem nunca ter ouvido falar de Jesus ( acho isto improvável ) , o mesmo será julgado segundo o nível de conhecimento do Certo e do Errado . Não existe verdade Relativa , pois afirmar que toda Verdade é relativa , é destruir o próprio conceito , pois , ao dizer que os Valores são Relativos e não Absolutos , é afirmar que o próprio Relativismo é relativo e não um Absoluto .

    3. Moacir Moron. Diga ao pessoal que não crê em Deus, que quem morre logo é esquecido, e Jesus está tão vivo que continua em evidência a todo instante no mundo inteiro. Bispo Edson

    4. Carlos Albuquerque Não sei onde a Bíblia diz que a criança que nunca ouviu falar de Jesus será condenada ao inferno. Salmo 127:3 Herança do Senhor são os filhos. Mateus 18:2,3- E Jesus, chamando uma criança colocou-a no meio deles.E disse: Em verdade vos digo que,se não vos converterdes e não vos tornardes como criança de modo algum entrareis no reino dos céus.Bispo Edson

  9. eunuco disse:

    veja de onde saíram essas religiões medievais, está na hora desta mascara cair, obrigado inteligentissimo boff.

  10. eunuco disse:

    O boff era cristão, mas de tanto pesquisar viu que deus não é exclusividade de religioso, mas é propriedade individual que povoa a cabeça de cada um à sua maneira, ou seja deus é o que vc queira que ele seja, isso só depende de seus delírios egóicos.

  11. eunuco disse:

    VOCÊ QUE SE ACHA INTELIGENTE (NÃO PASSA DE UM FANÁTICO BITOLADO) DESAFIO PARA RESPONDER QUALQUER QUESTIONÁRIO JUNTO COM O BOFF. ELE FOI EXPULSO DA IGREJA PORQUE ELA TEM PAVOR DE OUVIR A VOZ DA RAZÃO. PREFERE BASEA-SE EM UM LIVRO CHEIO DE MITOS E CONTOS INFATIS COMO:FAZER HOMEM DE BARRO, SEPARAR OCEANO PARA OS SEUS ATRAVESSAR, MANTER UM VIVENTE NUMA BALEIA, GARREGAR TODO TIPO DE VIDA NUMA ARCA (CANGURÚ, ORNITORRINCO,ONÇA PINTADA, ARARA AZUL) BICHOS QUE SÓ OCORREM EM ALGUNS LUGARES. É PIADA, MAS PRA QUEM É CEGO BITOLADO SEMPRE RESPONDE, PRA DEUS TUDO É POSSÍVEL.

  12. certa feita comentei com um digamos ateu, de onde viria a poeira e como num espaço aonde a temperatura chega quase ha zero absoluto, para originar o bb, então aleguei ao dignissimo sobre a equação E=MC2, e seria energia, m massa, c a combustão, que para haver energia teria que haver massa que depois de haver combustão seria criada a energia , então aleguei não seria mais facil acreditar, que esta massa seria nosso DEUS CRIADOR, que a energia sua vontade, e a combustão sua vontade criadora, pois faço minhas as palavras de um grande irmão chamado lucian benigno, que para tudo ter dado certo seria igual ao, fabricar uma piscina de 6 metros de profundidade com diametro do estado de sao paulo e nela encher de moedas de 10 centavos e depois jogar uma unica moeda tambem de 10 centavos mas marcada com caneta piloto e depois misturar tudo e na 1 tentativa de acha-la obter exito, para os ateus o bb foi assim

  13. (continuação) A eternidade de Deus ou atemporalidade do pré-universo poderia e já foi cogitada diversas vezes como resposta, contudo também não constituiria uma resposta válida, visto que não se conhece em verdade o destino derradeiro do universo. Soluções completamente naturalistas são nesse contexto, embora certamente ainda não científicas, tão plausíveis quanto à associada à transcendentalidade, onipotência e eternidade de deus: uma possibilidade é a de que o universo oscile entre Big Bangs e Big Crunchs, expandindo-se de um ponto singular a um volume máximo e posteriormente contraindo-se, sob a ação da gravidade, até atingir-se novamente a singularidade, que, por ser singular, isolaria da causalidade os diversos períodos do ciclo eterno, sem contudo hora alguma violá-la. Nesse cenário é óbvia a não necessidade de entes sobrenaturais à explicação, e a causa da existência do universo seria o próprio universo. A afirmação de que o universo provém do “nada” mostrar-se assim naturalmente descabida, ao menos frente a tal contexto, portanto.

    De certo é pois que a existência do Universo não corrobora a existência de um projetista onipotente para o mesmo, sendo essa a falha central do “desenho inteligente” e de sua “complexidade irredutível”, tema inerentemente atrelado ao “desenho inteligente” e também abordado no texto. Da mesma forma que não é viável via lógica demonstrar-se a inexistência dos deuses ou entes transcendentais valendo-se para tal de fatos naturais atrelados ao nosso universo, qualquer tentativa de se usar os mesmos fatos para corroborar a existência de quaisquer entidades transcendentais onipotentes não passa de mero imbróglio tautológico. A definição de Deus conforme proferida pelos teístas faz-se por declaração não testável frente aos fatos naturais presentes em nosso universo, e é por tal que Deus não pertence ao escopo da ciência.

    Se outrora a contradiziam, os teólogos de hoje alegam que a ordem e a inexorabilidade das leis naturais do universo são evidências para a existência de Deus. Contudo não percebem que justamente a existência de tais leis universais inexoráveis são a mais pura evidências que implicam a não necessidade da existência de Deus ou deuses como causa primordial.

    Quanto às citações de Sthephen Hawking extraídas do livro “Uma Breve História do Tempo”, é notório a descontextualização das mesmas. Segundo as palavras do mesmo autor em sua obra “The Grand Design” (o Grande Projeto), "Deus não tem mais lugar nas teorias sobre criação do universo, devido a uma série de avanços no campo da física". Hawking é ateu agnóstico declarado, e deixa expresso em suas obras e discursos que ele tem usado a palavra “Deus” por diversas vezes, contudo sempre em um sentido “metafórico e relativo”. Cruel? Não diria, contudo a natureza não é um conto de fadas, apesar de mostrar-se certamente bela em certas ocasiões.

  14. Não ia comentar esse artigo apesar de tê-lo lido quando de sua publicação, contudo, ao vê-lo batendo à minha porta novamente no facebook, resolvi fazê-lo.

    Certa vez vi uma charge acerca do embate religião versus ciência onde, de um lado, havia a questão “Aqui estão as evidências, que conclusões podemos tirar delas?”, ao passo que, do outro, tinha-se a questão teológica inerente a tudo: “Aqui está a conclusão! Como podemos ajustar as evidências à mesma?” . Os teólogos de hoje, mais do que nunca, parecem levar a lógica teológica mais a sério do que a científica.

    Nos quase dois séculos de vigência da teoria da evolução, cuja ideia central mostrou-se, conforme corretamente citou o autor do artigo, mais que um mero pilar para a biologia, um pilar para se explicar a história natural de todo o universo, os ataques teológico e religiosos à mesma foram sempre acirrados, culminando por várias vezes em processos judiciais de repercussão mundial, a citar-se o “julgamento do macaco” nos EUA, processo no qual o almejado status de teoria científica do assim chamado “desenho inteligente” foi posto à prova, sendo os seus defensores epicamente derrotados pela decisão de um verdadeiro “Judas” – após receber uma aulas de biologia iguais a que alguns sonharam algum dia estarem disponíveis no sistema público de educação. “Desenho Inteligente não é ciência!”, exclamou o traidor, pelo que consta até o momento ainda um criacionista declarado (http://www.youtube.com/watch?v=cEOYTJczY4M&list=PL2F21BCA244427533).

    Pois eis que, valendo-se da máxima primordial da lógica teológica, mostrando-se irrefutável via lógica tradicional e consolidada via método científico, o que outrora era um sacrilégio contra a existência da Divindade Onipotente tornou-se agora de súbito a mais sólida evidência para sua existência. A lógica teológica realmente é de se admirar.

    A correta compreensão da situação requer antes algumas explicações de âmbito científico. O que se conhece cientificamente hoje quando à evolução do universo? Cientificamente evidente e corroborado têm-se que o universo atual é fruto de um processo de expansão progressiva do espaço-tempo e da energia, ora mais lenta ora mais rápida, que é em muito divergente de uma explosão tradicional comum, digamos, de uma bomba: o Big Bang. Teoricamente suportado é certo que descreve-se com razoável precisão, com base nos conhecimentos cosmológicos e acerca da estrutura da matéria e sua relação com a energia que já detemos, todo o processo de expansão de um certo instante onde o universo JÁ EXISTIA para frente, não afirmando a ciência jamais que o universo fora em algum momento criado, ou mesmo que ele vem “do nada”, conforme argumenta no artigo o referido autor e a maioria dos teólogos. A pergunta: qual é a causa do universo, qual é a causa primeira de todas as coisas, ainda permanece cientificamente em aberto, bem como permanece em aberto o derradeiro destino do universo, cientificamente ainda insolúvel frente as evidências conhecidas até o momento.

    É certo que algumas propostas de explicação para o que ocorrera antes do momento limite alcançável pela metodologia científica nos dias de hoje já existem, sendo uma das tentativa de transpor-se o limite cientificamente explicável via relatividade e mecânica quântica a proposta que hoje denomina-se por teorias das cordas. Contudo, tal proposta, embora matematicamente muito bela e harmônica, ainda não goza do status de teoria científica, justamente por não contar com a corroboração empírica para as ideias fundamentais que apresenta. A ideia de multiversos, ou mesmo de dimensionalidade do espaço-tempo superior a quatro (na proposta essa chega a onze), terminantemente não constituem afirmações científicas, pelo menos até o momento, e pelo que realmente sabemos até agora, o nosso universo ainda é o único conhecido, e descrito com o uso de apenas quatro variáveis espaço-temporais.

    Seria até aceitável, e é o que faz-se por extrapolação, contudo já transcendendo a ciência, supor-se quer a regressão temporal do processo nos levaria a uma singularidade, a um momento inicial, o “tempo zero”, singular, onde o universo surge do “nada”. Qual a causa do universo, admitida a sua “criação”? Pois eis que surge ai o “deus das lacunas”, o “deus do Mistério e do Incognoscível” nas palavras do autor: a ausência de explicação científica não conhecida até o momento implica automaticamente a existência de um ser transcendental onipotente responsável pela mesma. A lógica teológica é realmente formidável. Pena que não se corrobore frente a lógica tradicional.

    Encaremos a questão à luz da razão? Qual o sentido da pergunta “qual a causa do nosso universo”?, ou equivalente, “qual a causa do Big Bang?” ? É certo que o simples fato de colocar-se tal pergunta como aceitável logicamente implica a validade de se importar do nosso universo para o que chamarei de “pré-universo” – onde encontra-se-ia a causa do nosso universo, a causa da singularidade do Big Bang – a validade da causalidade, lei inerente como sabido até o momento apenas ao nosso universo, deixando-se bem claro, extrapolada via limite para o pré-universo visto que em verdade, do último, não sabe-se absolutamente nada acerca das leis que lá vigorariam, podendo em princípio serem essas completamente distintas das que vigoram no nosso universo. Pois eis que surge a resposta teológica lacunar: Deus. Pois eis que vem a pergunta iminente: no pré-universo onde Deus existe como causa do nosso universo, e pelo qual por premissa vale a causalidade, qual a causa de Deus? A resposta obviamente não pode ser a de que Deus não tem causa, pois em um pré-universo onde a lei da causalidade não se aplica, não haveria certamente a necessidade de causa para o nosso próprio universo, o que invalidaria a questão sobre a qual se desenrola o argumento. Lógica simples. Nada como a velha e boa lógica aristotélica. (continua)

  15. justino disse:

    Porém, conforme comentou um astrônomo, a maior parte dos seres humanos passa toda a sua vida sem voltar um só instante o pensamento para os grandes mistérios da Criação. Sabe-se que o imperador Napoleão Bonaparte gostava muito de conversar sobre a existência de Deus. Certa vez, durante uma dessas conversas com o general Bertrand, este, que confessava-se ateu, perguntou a Napoleão:
    — Quem é Deus? Será que já o viste alguma vez? Fitando-o calmamente, Napoleão respondeu:
    — General, nunca viste minha inteligência, porém, todas as vezes que presenciaste ou tiveste notícia de alguma das minhas vitórias, acreditaste em mim, e me exaltaste. E que são minhas vitórias diante das obras do Onipotente? Que são meus mais brilhantes feitos de armas diante do movimento das estrelas? Se, observando as ações de um homem, tu o consideras alguém dotado de grande inteligência, porque te negas a reconhecer a existência de um Deus Criador, cujas obras admiráveis estão espalhadas por toda a parte, e dão testemunho de Sua grandeza? General, Deus existe!

    1. Pitagoras disse:

      Justino, esse diálogo de Napoleão, só pode ter sido citado em algum site cristão, pois nas biografias dele, (as que lí), não há a mínima referência a isso.

  16. justino disse:

    Qual é a origem do universo? — a controvérsia
    As duas forças nucleares
    A estrutura do Universo envolve muito mais do que apenas a regulagem perfeita da gravidade e da força eletromagnética.
    Duas outras forças físicas também se relacionam com a nossa vida.
    Essas duas forças operam no núcleo de um átomo, muito evidentemente fruto de projeto inteligente. Considere a força nuclear forte, que liga os prótons e nêutrons entre si no núcleo do átomo. Graças a essa ligação podem-se formar vários elementos — os leves (como o hélio e o oxigênio) e os pesados (como o ouro e o chumbo). Pelo visto, se a força de ligação fosse apenas 2% mais fraca, existiria apenas o hidrogênio. Inversamente, se essa força fosse ligeiramente mais forte, haveria apenas elementos mais pesados, mas não hidrogênio. Afetaria isso a nossa vida? Bem, se faltasse hidrogênio no Universo, o Sol não teria o combustível necessário para irradiar energia vitalizadora. E, é claro, não teríamos água nem alimento, pois o hidrogênio é um ingrediente essencial de ambos.
    A quarta força em consideração, a força nuclear fraca, controla a desintegração radioativa. Afeta também a atividade termonuclear no Sol. ‘Está essa força em regulagem perfeita com as outras?’, talvez se pergunte. O matemático e físico Freeman Dyson explica: “A [força] fraca é milhões de vezes mais fraca do que a força nuclear. É fraca justamente o necessário para que o hidrogênio no Sol queime num ritmo lento e constante. Se a [força] fraca fosse mais forte ou mais fraca, todas as formas de vida que dependem de estrelas do tipo do Sol também estariam em perigo.” Sim, esse ritmo de combustão preciso mantém a Terra aquecida — mas não incinerada — e nos mantém vivos.
    Ademais, os cientistas acreditam que a força fraca participa nas explosões de supernovas, que eles acham ser o processo para a produção e distribuição da maioria dos elementos. “Se tais forças nucleares fossem ligeiramente diferentes do que são, as estrelas não produziriam os elementos dos quais você e eu nos compomos”, explica o físico John Polkinghorne.
    Muito mais se poderia dizer, mas você sem dúvida entende o ponto. Existe uma surpreendente regulagem entre essas quatro forças fundamentais. “Parece que tudo ao nosso redor prova que a natureza fez tudo certo”, escreveu o professor Paul Davies. Sim, a regulagem perfeita entre as forças fundamentais possibilita a existência e a operação do nosso Sol, do nosso agradável planeta com as suas águas vitalizantes, da nossa atmosfera tão essencial à vida, e de uma coleção enorme de preciosos elementos químicos existentes na Terra. Mas, pergunte-se: ‘O que explica essa regulagem perfeita, e o que é responsável por isso?’
    Características ideais da Terra
    A nossa existência exige precisão também em outros sentidos. Considere as medidas da Terra e sua posição em relação ao restante do sistema solar. No livro bíblico de Jó fazem-se as seguintes perguntas, que induzem à humildade: “Onde [estavas] quando fundei a terra? . . . Quem lhe pôs as medidas, caso tu o saibas?” (Jó 38:4, 5) Como nunca antes, essas perguntas exigem respostas. Por quê? Por causa das coisas surpreendentes que têm sido descobertas a respeito da Terra — incluindo seu tamanho e sua posição no sistema solar.
    Não se encontrou nenhum outro planeta como a Terra no Universo. É verdade que alguns cientistas apontam evidências indiretas de que certas estrelas têm em sua órbita objetos centenas de vezes maiores do que a Terra. Mas o tamanho da Terra é exatamente o certo para que possamos existir. Como assim? Se a Terra fosse um pouquinho maior, a sua gravidade seria mais forte e o hidrogênio (um gás leve) iria acumular-se por não poder escapar dessa gravidade. Com isso, a atmosfera seria inóspita para a vida. Por outro lado, se a Terra fosse um pouquinho menor, o essencial oxigênio escaparia e as águas do planeta se evaporariam. Em ambos os casos, não seria possível vivermos.
    A Terra está também a uma distância ideal do Sol, um fator vital para a sustentação da vida. O astrônomo John Barrow e o matemático Frank Tipler estudaram “a proporção do raio da Terra e a distância do Sol”. Eles concluíram que a vida humana não existiria “se essa proporção fosse ligeiramente diferente da que se observa”. O professor David L. Block diz: “Os cálculos mostram que se a Terra ficasse só 5% mais perto do Sol, uns 4 bilhões de anos atrás teria ocorrido um descontrolado efeito estufa [superaquecimento da Terra]. Por outro lado, se a Terra ficasse só 1% mais longe do Sol, uns 2 bilhões de anos atrás teria ocorrido uma descontrolada glaciação [enormes camadas de gelo cobrindo grande parte do globo].” — Our Universe: Accident or Design?
    A essa precisão, acrescente-se o fato de que a Terra gira em torno de seu eixo uma vez por dia, na velocidade certa para produzir temperaturas moderadas. Vênus leva 243 dias para fazer o mesmo. Imagine se a Terra levasse tanto tempo! Não suportaríamos as temperaturas extremas de dias e noites tão longos.
    Outro detalhe vital é a trajetória da Terra ao redor do Sol. A trajetória dos cometas é larga e elíptica. Felizmente, a da Terra não é assim; a sua órbita é quase circular. Isso também nos poupa de extremos de temperatura fatais.
    Não despercebamos também a localização de nosso sistema solar. Se ficasse mais perto do centro da Via-Láctea, o efeito gravitacional de estrelas vizinhas distorceria a órbita da Terra. Em contraste, se estivesse situado bem na extremidade dessa nossa galáxia, o céu noturno ficaria quase sem estrelas. A luz das estrelas não é essencial à vida, mas não acrescentam elas uma grande beleza ao nosso céu noturno? E, com base em conceitos correntes sobre o Universo, os cientistas calculam que nas extremidades da Via-Láctea não haveria elementos químicos suficientes para formar um sistema solar como o nosso.

    1. Anônimo Oculto Culto disse:

      Oi Justino! Sua premissa consiste em dizer que, porque a vida existe nesse universo, ele foi especialmente ajustado e afinado para ela existir. O argumento contudo é notoriamente falho. Tem suporte apenas no egocentrismo humano que tenta colocá-lo como o objetivo final do universo. Não o somos, entretanto. Somos mera parte e simples consequência da existência do universo. Deixando bem claro o raciocínio, vou lhe dizer o real objetivo do universo. Tudo isso existe para que as mariposas e os candelabros pudessem existir, e para que elas pudessem suicirar-se neles; o homem é mero requisito secundário necessário para a existência do candelabro, e consequência secundária de um processo evolutivo que tinha por objetivo a evolução das mariposas. Ou, segundo outros acreditam, todo o universo existe e foi concebido para que, ao fim, os aneis de saturno viessem a existir. Entenda: entre observar que algo existe no universo e afirmar que ele foi especialmente ajustado e afinado para esse algo em particular existir há um abismo enorme. Você afirma em sua resposta “Mas o tamanho da Terra [e sua posição no sistema solar] é exatamente o certo para que possamos existir” . Pois bem, o processo de formação de qualquer estrela que você olha no céu é bem similar ao do nosso sistema solar. Toda estrela tem uma zona habitável, que pode estar mais próxima desse ou mais distante. Na formação de toda estrela há a formação de vários planetas, de forma que não é de se surpreender que um deles esteja nessa zona habitável, da mesma forma que a terra caiu na zona habitavel ATUAL de nosso sol. E daí a busca por vida em outros sistemas, visto que a tabela periódica que descre os elementos aqui na terra é a mesma para todo o universo. A vida é muito plausível lá fora. O “ajuste fino” do nosso sistema solar compreende uma faixa que vai atualmente de vênus, em um extremo, a marte, no outro. E se daqui a alguns bilhões de anos, se ainda estivermos por aqui ao invés de nos tornarmos simplesmente mais uma espécie extinta, é para marte que teremos que fugir, ai sim em uma verdadeira “arca de noé espacial”, isso se quisermos continuar existindo no universo. Isso tudo talvez isso em virtude do ajuste fino da terra e do sol para a vida existir, não é mesmo? Daqui a alguns bilhões de anos marte estará na zona habitável, e não a terra. E depois de mais alguns, o nosso sistema solar não mais será capaz de suportar a vida conforme a conhecemos hoje… Finamente ajustado para a vida, não é mesmo? Agora a arca de noé deverá ser interestelar. Essa é a diferença básica entre criação e evolução: no primeiro, o universo existe para o seu umbigo existir, e foi especialmente projetado para isso. No segundo, a vida simplesmente surgiu no universo, e se quiser continuar a existir nesse, deve adaptar-se às mudanças contínuas e à evolução desse próprio, ou seja, às mudanças contínuas do ambiente, caso contrário, extingue-se da mesma forma que surgiu. E há milhares de espécies já extintas que corroboram isso. Abraços.

  17. Beto Nasser disse:

    Será que nós evangélicos seremos tolos de tal maneira que simplesmente ignoraremos a ciencia ?Será que os evangelicos nao conhecem o evolucionismo teista ?crer na teoria de darwin nao implica necessariamente acabar com a ideia que Deus existe ou vocês tambem acham q o planeta terra existe a apenas 6.000 anos ?

  18. mauro disse:

    Ao invés do que muitos pensam, a mensagem cristã se prende estritamente ao uso da razão e ao estudo das ciências experimentais. É preciso banir a suspeita de divórcio entre aquela e estas. Verdade é que o estudo não prova a verdade intrínseca das proposições de fé, mas serve para alicerçar a crença. A onda de antiintelectualismo vigente nos últimos decênios prejudica a vida cristã; esta se torna, em conseqüência, algo de subjetivo, sentimental, inconsistente e sujeito a perder sua identidade. As proposições de fé se dirigem à inteligência humana e não apenas ao coração. A inteligência foi dada por Deus ao homem para que este não somente descubra as verdades acerca do mundo contingente e material, mas também chegue ao conhecimento de Deus como Princípio e Fim de todas as coisas.

    Especialmente os resultados das ciências naturais, e da própria astronomia, interessam grandemente aos cristãos. A Bíblia não ensina proposições de ordem científica sobre a constituição e a origem do mundo e do homem, a sua doutrina é de índole sapiencial ou teológica, de modo que nunca se poderá dizer que há antagonismo entre a mensagem bíblica e as ciências naturais.

  19. Carlos Sidnei disse:

    Defendo a Linha de pensamento da Teoria do DI . Pergunto a qualquer evolucionista a me responder uma única e simples pergunta : QUEM FORMOU QUEM , A MATÉRIA CRIOU A INFORMAÇÃO , OU A INFORMAÇÃO CRIOU A MATÉRIA ??? Acredito que qualquer evolucionista sério concordará que a Informação é quem determina a Matéria ( viva ) . Então fica a pergunta : QUEM CRIOU A INFORMAÇÃO ?? Sabemos que um Ser se diferencia do outro pela informação genética trazida no bojo da sua espécie . Sabemos , pelo raciocínio lógico , que a Informação jamais pode ser criada , ela simplesmente existe !

    1. O "evolucionistas" não respondem sua pergunta porque você incorre em erro na forma de fazê-la! A pergunta "quem" … traz consigo um monte de hipóteses não aceitas pela ciência, e levam a sua questão para o âmbito daquelas que não encontram nem fundamentação, tão pouco uma resposta científica. Errando estaria qualquer cientista – na definição frente à ciência moderna do termo – que a respondesse. Abraços.

    2. Carlos Sidnei disse:

      Simples petição de princípio . A Ciência abusa das premissas filosóficas para legitimá-las , mas foge , quando os mesmos argumentos filosóficos são usados para contra-argumentá-la . A pergunta é pertinente , eu a sintetizo perguntando , quem define quem , a matéria é que define a informação , ou a informação é que define a matéria ? Aguardando respostas !

    3. Carlos Sidnei A ciência não busca premissas filosóficas para legitimá-las: "A filosofia da ciência é tão útil para a ciência como a ornitologia para os pássaros" ( Richard Faynman). A sua resposta é: a matéria-energia se comporta obedecendo as leis e as simetrias naturais estabelecidas pela precisa forma como um ente físico – quer a própria matéria quer radiação – interage com cada um dos outros entes físicos. Comparando matéria-energia x "informação", um não é a causa do outro. A interrelação e dependência é mútua. Um implica e requer a existência do outro. Ou os dois existem simultaneamente, ou simplesmente não existem. Abraços.

    4. Carlos Sidnei disse:

      Como disse : Mera argumentação filosófica . A Ciência deve partir da premissa de sua base , que é a observação , e uma vez que nunca ninguém jamais esteve anterior ao próprio Tempo , quaisquer coisas que se diga, é tão somente silogismo !

    5. Carlos Sidnei É verdade, e como você não estava lá quando seu avô e sua avó estavam a fazer seu pai, é um completo silogismo argumentar que eles são seus avós. Da mesma forma é um completo silogismo você chamar seus pais de pai e mãe. Você simplesmente não existia quando eles deram a, desculpe a palavra, trepada que lhe concebeu. Tudo porque " que é a observação , e uma vez que nunca ninguém jamais esteve anterior ao próprio Tempo , quaisquer coisas que se diga, é tão somente silogismo !". Você não estava lá para observar…. Pensar um pouco de vez em quando é bom!

  20. anonimo.oculto disse:

    Deixo aqui o meu resignado protesto contra a remoção de minha resposta ao Justino. Não havia absolutamente nada que a invalidasse para a publicação, a não ser um raciocínio lógico e inequívoca exposto no mais alto nível possível que contudo desmontava os argumentos defendidos pelo Justino; havendo a mesma sido publicada, e depois removida. É com censura que se resolve as coisas ainda? Eliminando-se os argumentos e evidências incômodos? Bem vindos novamente à inquisição! (Não esquenta, sei que essa será censurada também).

  21. Deixo aqui o meu resignado protesto contra a remoção de minha resposta ao Justino na parte de respostas do próprio site. Não havia absolutamente nada que a invalidasse para a publicação, a não ser um raciocínio lógico e inequívoca exposto no mais alto nível possível que contudo desmontava os argumentos defendidos pelo Justino; havendo a mesma sido publicada, e depois removida. É com censura que se resolve as coisas ainda? Eliminando-se os argumentos e evidências incômodos? Bem vindos novamente à inquisição! (Não esquenta, sei que essa será censurada lá também).

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *